História Despedida pros seus dias mais normais. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Justin Bieber, Selena Gomez, Taylor Swift
Personagens Demi Lovato, Justin Bieber, Selena Gomez, Taylor Swift
Tags Amor, Colegial, Demi Lovato, Dor, Drama, Escola, Justin Bieber, Romance, Selena Gomez, Taylor Swift
Exibições 76
Palavras 768
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Poesias, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Helloooo it's me uehuehueheuhuehuehuhe

Aproveitem o capítulo!



Plágio é crime!

Capítulo 10 - Quero contar toda a verdade.


Justin:

Fui caminhando em direção ao refeitório assim que Demi me deixou chorando sozinho lá no parque da escola, fui refletindo seriamente se aceitava o concelho da Demi de não falar nada, ou se contava a verdade, eu queria me libertar daquele sentimento, eu queria que Selena visse que eu fiz coisas insanas, erradas, cometi crimes, mas quero mudar, quero me tratar, eu quero ser alguém, eu posso fazê-la feliz, me pergunto: "Como uma pessoa muda outra em um fim de semana?", ela foi capaz de me fazer voltar ao que eu era antes, antes de... Antes de ver minha mãe morta a facadas pelo meu pai bêbado, antes da primeira garota que amei, me usar, apenas como objeto de prazer e dinheiro, antes de ver meu pai transando com a mina que eu amava, antes de vê-lo matar ela também por ter questionado o cigarro aceso no quarto, eu vi tudo, cada segundo, e não saía da minha mente o sangue, depois daquele dia eu me transformei, o nome da minha ex primeira namorada era Jay, ela me usava, eu trabalhava muito pra bancar ela e seus luxos idiotas, e quando cheguei em casa um belo dia ouvi sua voz, jurei que ela me esperava no quarto, nua, como sempre fazia, mas dessa vez ela estava nua em outro lugar, na cozinha, estava bêbada, drogada, de pernas abertas sentada na pia, e meu pai transando com ela, ali mesmo, parecia que eles queriam que eu visse, ouvisse, e sentisse a dor, meu pai fez ela sangrar, ela gargalhava, pois estava muito louca, ele drogou ela, eu vi as seringas no banheiro, mas quando nos drogamos, não mentimos, quando nos embebedamos não mentimos, e eu ouvi sair da boca dela, que: "O meu pau não chegava nem perto do pau do meu pai, que eu era um virginho escroto, imbecil que bancava os restaurantes, e que ela só estava comigo pelo dinheiro, e pelo meu corpinho bonito!", entre outras coisas, meu pai bateu nela, a chamou de vagabunda, de puta, e ela dizia: "Sou sua puta papai!", ele gargalhava, e enquanto a asfixiava terminava de fuder ela, fazê-la sangrar, e quando ele gozou, ela parou de respirar, e vou te falar que ele ainda gozou dentro, eu fingi que não vi, fingi que não tinha nem chego em casa, fingi que tinha esquecido, que ela não havia existido, e mais um homicídio pra ficha do meu pai, mamãe e Jay não foram as únicas, a cada ano meu pai matava uma, duas, três mulheres, do jeito mais cruel que se pode imaginar, ele as fazia sofrer, sangrar, e um belo dia quando completei uma certa idade na qual eu não iria para um abrigo, o denunciei, e ver ele na cadeia me mudou, foi esse meu gatilho pra fazer o que eu faço com as mulheres, meu passado, ele não justifica meus crimes, droguei muita menina pra transar, a maioria não ficava tão grog que não podia responder, a Demi foi a única que apagou, e eu mesmo assim transei, Demi foi a primeira menina que estuprei, e hoje me arrependo amargamente disso.

Eu me lembro de ver a luz deixar os olhos da Jay naquela noite em que meu pai a matou, eu me lembro de ver minha mãe esfaqueada na cozinha, eu me lembro das 47 mulheres que meu pai matou durante todos esses anos, e da impunidade disso, e eu sentia tanta raiva, eu sentia nojo, mas me tornei ele, hoje eu sou igual a ele, eu tratei muitas mulheres como se fossem lixos, depósitos da minha porra, como eu pude fazer isso? Como eu tive coragem, eu estuprei uma garota que claramente me amava, não tinha necessidade de estuprá-la, ela transaria comigo numa boa, ela gostava de transar comigo, a atitude dela me derrubou, eu me sinto um lixo humano, e não sei se tenho chances, não sei se Selena me ajudaria, ou correria de mim, só sei que não quero mais ser um monstro, eu não quero mais ser doente, eu não quero mais fazer ninguém sentir dor.

E durante todos esses pensamentos eu fui até Selena, decido a contar a verdade:

__ Jus, olha, independente de com quem você transou eu não me importo, você era solteiro e tal, e estava com raiva da Demi, eu entendo, só quero que não se sinta mal ou que algo mude entre a gente por causa do acontecido, eu quero ir com você até o fim...

__ Até o fim Selena?

__ Até o fim, sob qualquer circunstância!

__ Eu preciso te contar uma coisa...


Notas Finais


Opinem <3

Ele deve ou não contar a verdade?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...