História Despertar De Um Amor - Capítulo 32


Escrita por: ~ e ~SuziFanficsS2

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Rey, Simón
Tags Drama, Hetai, Romance, Sou Luna
Visualizações 64
Palavras 3.198
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E aí, pessoal!!
Como estão?
Esse capítulo foi escrito pela Lu, ok?
Espero que gostem...
Bora ler?

Capítulo 32 - Capítulo 31


Fanfic / Fanfiction Despertar De Um Amor - Capítulo 32 - Capítulo 31

“VOCÊ ESTÁ GRAVIDA”... “ESTÁ GRAVIDA”...

Aquela frase se repetia insistentemente nos pensamentos de Âmbar, embora que estivesse em choque, seu cérebro continuava a funcionar repetindo insistentemente cada palavra daquela frase.

Ela sabia que estava ainda sentada na cadeira do consultório do médico a qual sua mãe e Rey haviam a levado. Mas sem poder evitar acabou se afundando em uma realidade diferente, a qual a loira sentia-se flutuando em nuvens, e sua mente a levando a outra realidade, especificamente nas lembranças de tudo o que vem passando, seus sonhos com duas lindas crianças, uma lhe chamando de mamãe e outra ainda bebê, um menino e uma menina.

Âmbar sabia que seus olhos já derramavam lágrimas, mas sua mente ainda lhe obrigava a ficar naquela dimensão de lembranças até chegar a últimas memórias a qual teve naquela manhã.

 

“Mamãe... Candu mia manzinha vai naixer?” – o menino perguntou acariciando o enorme ventre de sua mãe.

Ainda que estivesse perto de dar a luz, ainda conseguia manter seu menino sentado em seu colo e lhe dando todo carinho.

Ela sorri lindamente ao sentir os lábios dele tocar em sua barriga beijando, e em seguida sussurrando algumas palavras para o bebê.

“Ti amu manzinha”...

Âmbar ofega sentindo seus olhos marejarem diante aquela visão. Sentia-se tão feliz e realizada que temia que tudo aquilo fosse um sonho.

Porém uma pontada em seu estômago começou a lhe causar um grande desconforto nauseante. Era algo tão surreal que ainda que tentasse não conseguiria chegar a tempo ao banheiro, e antes que tentasse foi tomada por uma ânsia a qual não houve tempo de se segurar.

 

-Uhuhhhh. – Âmbar abre seus olhos colocando rapidamente uma mão em sua boca tapando-a para evitar que vomitasse ali mesma.

Era a quinta vez naquela semana tendo toda manhã sendo obrigada a correr para o banheiro e despejar qualquer coisa que havia em seu estômago. Já estava farta de todo aquele enjoo, e principalmente das esquisitices a qual foi tomada em consequência desse enjoo, pois além de vomitar toda manhã, horas depois era tomada por uma súbita fome a qual só faltava comer o reboco das paredes, como também sentia sono em horários desnecessários a qual sempre em seus dias normais estaria disposta e em alerta a seus afazeres.

Lembrando desse detalhe e ficando cada vez mais com raiva, Âmbar despejava descontroladamente um líquido amargoso na privada e sem saber quando iria parar. Definitivamente, ela se sentia como se fosse morrer a qualquer momento e sem ter a mínima noção do que se passava com ela.

-Amor?- disse Rey entrando no banheiro e se deparando com a loira, mais uma vez ajoelhada e debruçada na privada vomitando.

Ele já havia dito para ela ir ao médico, como também buscou ajuda com Silvana para leva-la e saber o que estava acontecendo, mas Âmbar sempre negava e os convencia que não era nada, e argumentava se fosse algo grave não passaria horas comendo feito esfomeada e até dormindo.

“-Se não soubesse o que a Sharon fez, poderia jurar que a minha filha está gravida” – disse Silvana poucos dias atrás em uma conversa com Rey enquanto tomavam café em sua cozinha sem que Âmbar estivesse presente.

Rey não contestou as palavras de sua sogra, na verdade não entendia nada sobre sintomas de uma gravidez, mas o pouco que presenciou quando Âmbar ficou gravida de Simón, realmente a parte de sentir fome faziam parte disso, por outro lado, também sabia que seria impossível sua loirinha estar gravida quando cruelmente foi obrigada a abortar seu primeiro e único filho para em seguida ficando estéril já que o médico que fez o aborto tinha ordens de Sharon para incapacitá-la de futuramente voltar a engravidar.

Sendo assim, Rey respira fundo aproximando de Âmbar, e se agachando para ajudá-la a segurar seus cabelos enquanto continuava a vomitar. O moreno não poderia evitar em continuar a se preocupar mais, além do mais aquela manhã, Âmbar parecia estar pior do que sempre esteve em outras manhãs em que acordou enjoada.

-Você tem que ir ao médico. – ele disse decidido até mesmo a jogá-la em seu ombro se fosse preciso e leva-la para o médico.

Âmbar ergue um pouco seu rosto limpando sua boca com as costas de sua mão direita e olha para Rey dizendo.

-Já disse que não precisa. Estou bem.

Ele nega com um olhar que mostra nitidamente que dessa vez ela não iria o convencer do contrario.

-Não está nada bem. Faz dias que acorda indo direto para o banheiro vomitar. Vive praticamente o dia todo dormindo, e seu trabalho lá na associação anda atrasado porque quando vai lá, acaba dormindo no sofá do escritório... Isso não é normal. Você vai ao médico, quer queira ou não.

Âmbar o encara, percebendo que só iria piorar as coisas para si se continuasse negando que estava péssima. Temia que aquilo que estivesse lhe fazendo se sentir mal estragasse mais seu dia a dia, seu mau estar já anda atrapalhando por demais seu desempenho na associação e entre outras coisas, e sabia que se fosse ao médico acabaria sendo obrigada a ficar de repouso, e não poderia ficar parada quando tudo estava correndo muito bem em seu trabalho e vida pessoal. Ainda sim, não poderia mais protelar sua ida ao médico e o que lhe restava era aceitar ir de bom grado antes que fosse arrastada a ferro por Rey e sua mãe.

Ela solta um suspiro dizendo.

-Está bem. Eu vou... Mas duvido que irão conseguir uma consulta de ultima hora com algum médico. Aqui nesse país tudo tem que ter data e hora agendada, e o máximo que possa conseguir é um encaixe ou consulta de emergência, então seja como for vou ter que esperar até o dia marcado para minha ida.

Rey nega.

-Não. Nada de esperar... Se puderem te encaixar ou que seja uma consulta de emergência que seja. Não podemos mais esperar que te examinem e digam o que tem.

Âmbar rola os olhos se levantando do chão e dando descarga. Não que fosse indiferente com a preocupação de seu namorado, mas que já lhe irritava a maneira que ele e Silvana andavam lhe tratando desde que começou a sentir mal estares. Rey até mesmo passou a dormir em sua casa, embora desde o dia em que veio morar no Brasil definitivamente foi convidado por Silvana para morar com elas, mas ele negou dizendo que ficaria em uma pousada até encontrar uma casa para comprar e viver lá. Todavia sua negação foi dissolvendo quando Âmbar o fez dormir na casa dela por estar tarde, mas que no fim os dias foram passando e Rey continuando na casa, porem com a mudança na saúde de Âmbar, ele passaram a estar lhe monitorando constantemente temendo que a situação dela se agravasse.

-Tudo bem amor, faça como quiser. – Ela disse dando o primeiro passo até a pia na intenção de escovar seus dentes, mas antes que alcançasse seu alvo foi tomada por uma súbita tontura não podendo evitar em cair já desmaiada, porem antes que seu corpo caísse ao chão, Rey a segurou em seus braços e a levou de volta para o quarto dela a colocando na cama.

 

-Tem certeza doutor? Minha filha está gravida? – Silvana fala ainda se sentindo confusa com aquela revelação.

O médico a encara sem entender a reação da mulher, porem não era algo anormal uma mãe ter alguma reação um tanto negativa quanto a gravidez de sua filha, ainda mais se tratando de uma moça bem jovem.

Rey parecia ainda estar tão em choque tanto quanto Âmbar, mas a voz de Silvana o fez voltar a realidade.

-Não pode ser... Impossível – ele sussurrou, mas sua voz foi ouvida pelo médico que o encarou com a testa franzida.

-Impossível porque? Ela é jovem, saudável... E os exames estão claros... Ela está gravida e suponho de acordo com seu sintomas está na oitava semana para a nona de gestação. Mas nada que um ultrassom possa confirmar meus cálculos. – Disse o médico.

Rey abre a boca em choque, mas não consegue dizer nada, pois cada palavra que vinha em sua mente ficavam presas em sua garganta. Silvana olha para Âmbar buscando uma reação da loira, mas a única coisa que vê é sua filha tendo um olhar marejado e distante. Silvana coloca sua mão no ombro de Âmbar tentando buscar uma reação dela, mas não recebe nada, nenhuma palavra e isso a deixa novamente preocupada.

-Âmbar? Filha... Você está bem? Diga algo querida... – pediu tendo uma lágrima de emoção escorrendo no canto de seus olhos.

O médico observa a cena decidido em não se manifestar até que sua paciente dissesse algo. Rey olha para sua namorada percebendo dessa vez que ela estava em estado de choque e também começou a se preocupar.

-Âmbar, meu amor... Diga algo. – ele disse tocando no rosto dela delicadamente.

Ela não conseguia acreditar, muito menos entender porque estaria gravida quando tinha certeza que jamais engravidaria outra vez depois que Sharon a levou para uma clinica de aborto e ordenou que o médico além de tirar seu bebê, também arrancasse seu útero para jamais ter filhos.

Com essas lembranças, Âmbar pisca seus olhos e dessa vez derramando lágrimas, e seus lábios se abrem deixando que as palavras saiam livremente mostrando o que sentia naquele momento.

-Tem alguma coisa errada. – ela fala olhando para o médico. – E- eu não posso estar gravida. Não posso ter filhos. Alguém pode ter trocado meu exame ou o meu material com o de outra paciente e não sou eu quem está gravida e sim outra pessoa.

O médico a encarou de uma forma estranha, mas nega a toda aquela afirmação da loira.

-Não, não. Não há nenhum engano.

-Âmbar, o médico diz a verdade. – disse Silvana que esteve ao lado dela quando a enfermeira veio colher o sangue para o exame. – Eu vi a enfermeira escrever seu nome na etiqueta e colocar no frasco em que colheu seu sangue.

-Exatamente. Nesta clinica há uma politica de que quando atende um paciente nos exames, tem que colocar seu nome e dados no exato momento do exame para que não haja nenhum equivoco, além do mais somos profissionais de renome e não podemos cometer erros que prejudique nosso trabalho e nome.

Âmbar via que tanto o medico quanto a sua mãe diziam a verdade, mas todos os fatos e detalhes que passou fazia com que continuasse acreditar o contrário do que diziam.

-Não... Sei que deve ter algum engano. Não posso ficar gravida... Não estou acusando o senhor ou quem trabalha aqui quanto ao resultado, mas quando digo que não posso ter filhos, digo a verdade.

O médico a encara incrédulo, porem ainda que seu lado profissional dissesse para manter uma posição que levasse a mais uma confirmação de que o seu diagnostico estivesse correto, percebia que havia algo errado com a paciente, então com toda calma, resolveu seguir por outro caminho.

-Está bem! Diga-me porque acredita que não possa ficar gravida? Pois como disse, é jovem e saudável e a única anormalidade que encontrei em seu exame foi um pouco de anemia, mas isso é algo que se solucione com algumas vitaminas e boa alimentação.

Âmbar limpa seu rosto e tenta se acalmar, ela olha de rabo de olho para Rey que parecia naquele momento confuso tanto quanto ela, porem Âmbar preferiu voltar a olhar o médico e responde-lo. Porem, ela trava lembrando que para explicar tudo o que se passa teria de dizer a verdade.

-Então... Digam-me porque tem tanta certeza que o resultado de seu exame esteja errando. – insistiu.

Âmbar não sabia o que dizer, e olha para Silvana que direciona um sorriso motivador para que dissesse a verdade, Rey segura em sua mão e ainda que não lhe dissesse nada foi o bastante para motiva-la a dizer tudo para o médico.

Então sem mais hesitação, voltou a olhar para o médico que ainda lhe encarava atentamente a espera de sua resposta. Ela respira fundo, então responde.

-É que há quase dois anos atrás havia ficado gravida. Nessa época morava com a minha madrinha... Ela era um tanto rigorosa e quando soube da minha gravidez viu como um estorvo que fosse atrapalhar o meu futuro. – omitiu certos detalhes, mas Rey e nem Silvana se manifestaram contra, então a loira continuou a dizer. – Eu não fazia ideia do que ela pretendia fazer. Ela me enganou dizendo que iriamos sair para passear, quando na verdade me levou para uma clinica de aborto e inventou mentiras para que me dopassem e tirassem meu filho.  E piorando mais as coisas, além de mandar tirar meu bebê, ela fez o médico me incapacitar para ter filhos... Não sei o que foi feito, mas depois que voltei a consciência, ela me contou que além de ter abortado não poderia ter mais filhos já que não era capaz de me cuidar...

Os olhos do médico estavam arregalados.

-E você denunciou esta mulher, certo? Ela cometeu um crime e este médico também.

Âmbar nega.

-Não, na verdade eu não fiz nada. Minha madrinha é muito rica e mesmo que fizesse, daria um jeito de me internar como louca antes que fizesse algo... Tudo que fiz foi fugir da casa dela, e com tempo tive ajuda do meu namorado e depois da minha mãe que reapareceu. A história é longa doutor, mas naquela época eu só queria distancia daquela mulher... Desde que vim morar no Brasil, minha vida mudou e seja o que aconteceu no passado, ficou lá na Argentina e não quero saber mais de nada, seja crime ou não, não quero mexer no passado, mas com essa do senhor dizer que estou gravida fui obrigada a lembrar desse passado e ter a certeza de que não poderia engravidar, jamais.

O médico olha para Silvana e Rey em busca de que fosse alguma mentira de Âmbar, porem pelas caras de ambos a jovem disse a verdade.

-Bom, não sou eu que só está dizendo que esteja gravida, foram os exames. Mas com tudo que me disse e ainda afirma ser impossível estar gravida, não me resta ter que fazer um novo exame, mais profundo que posso analisar os danos causados desse aborto que fizeram em você e se realmente esteja gravida.

-E que exame irá fazer nela doutor? – dessa vez foi Rey quem perguntou voltando a realidade e nitidamente tendo a mente mais sã.

-Um ultrassom em 4D. Esse tipo de exame irá mostrar nitidamente cada detalhe do interior uterino de Âmbar. Confirmando a gravidez definitivamente, mais para o futuro pedirei um ultrassom morfológico para observar o desenvolvimento do embrião.

Todos assentem, mas ainda que este novo exame não seja nada complexo, Âmbar sente sua garganta engolir automaticamente em seco e seu coração falhar uma batida. Pois agora saberia de fato se haveria algum engano.

 

Minutos depois, Âmbar está deitada numa maca própria para utilização para acomodação do paciente para tal exame.  Ela respira fundo ao sentir o médico colocar o gel próprio para o exame na altura de seu ventre e em seguida colocar um aparelhinho em cima espalhando o gel.

Rey e Silvana fizeram questão de estarem presentes, embora não fosse necessário, porem o médico não negou ao pedido, até porque sabia que seja qual fosse o resultado Âmbar precisaria do apoio de seu namorado e mãe naquele momento.

O médico liga o aparelho que solta um som estranho, até que um som idêntico a batida de um coração faz ser ouvido. Os olhos de Âmbar voltam a se enxerem de lágrimas, mas antes que se derramassem a tela que reflete a imagem para o paciente que a mesma da tela do aparelho ultrassom é ligado para Âmbar ver...

Seu coração vacila uma batida para logo acelerar perante a imagem refletida na tela. De fato havia um pequeno ser se movendo dentro de seu ventre ligado a um cordão. Tinha olhinhos, uma boquinha ainda sem forma unindo ao que seria o nariz, bracinhos, e minúsculos par de perninhas, e o som da batida de seu coração dizendo que é real, que tem vida se fazendo cada vez mais nítido e presente....

Os olhos de Âmbar já derramavam lagrimas. Não era tristeza, era emoção diante daquele milagre. Pois sim, o médico não havia mentido, ela estava gravida.

-Vejam. O embrião está se desenvolvendo muito bem, e as batidas de seu coraçãozinho é limpo. Não se pode ver o sexo, mas no mês que vem podemos saber se é um menino ou uma menina. – disse o médico feliz apesar de toda história que escutou.

-É um menino... Sei disso... – Âmbar sussurrou em meio as lagrimas sorrindo.

Rey que não era de se emocionar tinha seus olhos cheios de lágrimas e seu sorriso rasgavam seus lábios, ele se aproxima de Âmbar segurando suas mãos e inclinando seu corpo beijando seus lábios.

-Te amo. – ele sussurrou voltando a olhar para tela onde tem ainda a imagem de seu futuro filho.

Silvana não sabia se ria ou chorava por ver a primeira imagem de seu neto ou neta.

-Bem... Sei que estão emocionados por agora terem certeza de que há um bebê vindo por ai, mas preciso checar outra coisa... – o médico fala retirando a imagem do embrião para checar o útero de Âmbar, até encontrar imagens meio estranhas aos olhos da paciente e cia, porem para ele era algo bem claro. – Pelo que posso observar, seja o que foi dito para você Âmbar quando sua incapacidade de ter filhos, creio que mentiram ou esse médico que lhe fez o aborto não tenha seguido as ordens de sua madrinha.

Âmbar o encara com os olhos abertos.

-O que? Como assim doutor? – Rey perguntou confuso, até porque foi testemunha das ordens de Sharon e até mesmo que o doutor a enfrentou dizendo que faria uma laqueadura e não retiraria o útero como a sua patroa havia ordenado. Mas Rey não acrescentaria esse detalhe se colocando como conivente com aquele crime, ainda mais porque foi obrigado a seguir ordens de Sharon quando na verdade fez de tudo para que ela mudasse de ideia.

-Vejam. – ele aponta para tela mostrando exatamente o que quer que vejam. – Quando se faz uma laqueadura tubária, os médicos cortam as trompas e amarram para evitar que se unam novamente, ou tem outro que só amarram... A retirada de seu útero está fora de cogitação e o que resta a supor que poderia ter sido feita ou não uma laqueadura. Que por sua vez sendo feita obvio que Âmbar realmente poderia voltar a ficar gravida, e o que me resta a supor é que esse suposto médico nunca tenha feito se quer uma laqueadura, ou somente fez algo mal feito para que com o tempo o próprio organismo de Âmbar possa se regenerar e assim podendo voltar as funções uterinas no sentido gravídico.

Naquele momento, nem Âmbar, Rey e Silvana sabiam o que dizer, pois seja o que foi que o tal médico amigo de Sharon quem lhe fez o aborto fez com relação a impedir que Âmbar voltasse a engravidar, ele não fez algo eficaz e sim, em algum momento teve a humanidade de dá-la uma nova chance para que um dia fosse mãe.


Notas Finais


Gostaram? Odiaram?
Merecemos comentários?
Âmbar realmente está grávida e essa notícia pegou todos de surpresa.
Quem mais aqui gostou dessa revelação?
Capítulo emocionante, não é mesmo?
Esperamos vocês no próximo.
Até mais...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...