História Destinado a te amar - Capítulo 2


Escrita por: ~

Visualizações 147
Palavras 1.700
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Esporte, Lemon, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa tarde gente!!!!
Estou novamente aqui com mais um capitulo! Ontem mesmo eu estava escrevendo, pensei que terminaria, mas acabei ficando com sono e terminei hoje depois da escola. Então ele esta quentinho, saindo do forno, viu?
Espero que vocês gostem dele! Fiquei um bom tempo escrevendo-o!
Outra que eu não vou fazer um capitulo muuuuuuito grande para vocês não ficarem entediados e a historia fluir ainda mais, para deixar vocês ansiosos!
Boa leitura bolinhos!!

Capítulo 2 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction Destinado a te amar - Capítulo 2 - Reencontro

Yuuei. Uma escola bastante prestigiada em todo japão, contendo influências de todas as partes, claro para quem vai seguir a carreira esportiva. Sim, essa academia é um internato misto, para jovens que querem seguir seus sonhos nos esportes.

Essa academia tem o percentual de 20% de aprovações. Para entrar, primeiro realizar a prova individual e depois vem a prática. Vocês devem estar pensando do por que de tantas escolas boas, eu fui escolher um internato misto? Bom, por que eu quero mostrar que não sou nenhum fracasso ou inútil, posso conseguir o que eu quero, com força de vontade. Segundo que o maior atleta de todo o japão estudou nela.

Eu espelhei-me nele. All Migth o maior atleta que bateu recordes e conquistou diversas medalhas no levantamento de peso. Mesmo um esporte menos favorecido, ele fez história. Ninguém ganhava dele! Ele era o número um do esporte!

Para quem era gordinho, é um grande incentivo. Eu almejo ser como ele. Soube que ele foi bom em todos os esportes que praticava, porém levantar halteres era sua paixão. Comecei a praticar todo tipo de esportes igual a ele, a levantar halteres, porém eu achava que era isso que eu queria.

Ao longo do meu treinamento físico, percebi que sou bom utilizando mais as minhas pernas, pulando para ser mais preciso. Foi assim que, eu descobrir o esporte ideal para mim, que é o salto em vara. Eu sentia como se voasse depois de pular, a cada vara a cima é um desafio maior.

Por isso, eu decidir seguir esse caminho, o que me faz feliz. Então, hoje estou arrumando minhas coisas para poder, em fim ir para academia Yuuei! Até hoje eu não acredito que passei! Estudei e pratiquei que nem um condenado, por isso estou aqui feliz da vida terminado de arrumar minhas malas.

Termino a última mala fechando-a. Olhei envolta do quarto, caixas por todo lado deixando o cômodo sem graça. To ate levando meus postes do All Migth comigo, mas acho que não vai dar para colocá-los na parede do quarto novo.

Suspiro pegando minha mochila grande e amarela, pondo-a nas costas. Fico observando o quarto, sentindo uma onde de nostalgia misturada com tristeza. Eu fico triste por deixar meus avos aqui, afinal eles quem cuidaram de nós nos tempos difíceis, e também me criou depois da morte de minha mãe.

Sinto o nariz pinicar forte, droga chorarei de novo…! Escutei a porta ser aberta devagar e virei encontrando a vovó sorrindo carinhosamente para mim.

– Não chore, criança. Venha. - Chama abrindo os braços, rapidamente aceito seu pedido abraçando-a calorosamente. - Hoje é seu dia, não tem por que chorar, meu menino.

Murmurava afagando meus cabelos desgrenhando-os ainda mais. Soluços baixos eram ouvidos junto com a risada leve da vovó, seu cheirinho de idoso sempre me acalmava. Ela alisava minhas costas enquanto desfazia o abraço e eu limpava as lágrimas.

– Eu sei que estas tristes por nos deixar, mas saiba que, sempre torceremos por você, meu filho. - Acariciava meus rosto com pequenas lágrimas no canto dos olhos.

Assinto com cabeça segurando o choro. Ela dava gargalhada pela cara feia que eu fazia, quando tentava segurar o choro, logo meu avô aparece também no quarto.

– O que vocês estão fazendo? Vai chegar atrasado, Izu-chan! - Avisa entrando no cômodo para a ajudar. - O trem sai daqui a meia hora!

– Verdade! - Concordo pegando a única caixa pesada carregando para fora do quarto.

Ajeitamos e colocamos tudo bonitinho atrás da pequena van velha do meu avô. Ele ainda usa para carregar estoque de comida pro seu restaurante. Meus avós têm um restaurante tradicional japonês.

Ficou muito conhecido em nossa região, com o melhor prato de Katsudon. Por isso, eu sou viciado desde criança. Fechei a mala dando a volta na van e entrando, sentando na parte de trás. Coloquei o cinto, assim que ouvi meu avô ligar o motor fazendo um barulho infernal. Dei uma última olhada para casa, já sentindo saudades.

– Próxima parada: estação de trem! - Anuncia animado engatando a macha e pisando no acelerador fazendo a van andar.

Não tardou a nossa chegada a estação de trem. Descemos e eles me ajudaram a pôr tudo no vagão, entreguei a minha passagem para o locutor. Ainda tinha 15 minutos ate o embarque, eu estava me despedindo da minha família.

– Meu querido filho, vá com deus, que seus sonhos se realizem nesse internato! Rezarei todos os dias por você! - Deseja minha avó chorosa, agora não era eu quem estava chorando e sim ela, me deu um abraço bem forte.

– Não importa se você falhar. Nós vamos te dar todo o apoio que merece, por isso siga seu sonho de ser o atleta que almeja ser! - Abraça-me dando leves tapinhas em minhas costas. - Sei que sua mãe deve estar orgulhosa por você.

– Eu sei. Obrigado a vocês dois… por tudo! Eu não seria nada sem vocês…! - Choro dando um abraço coletivo em ambos. - Vocês são o que eu tenho de mais importante na minha vida! Por isso, se cuidem também!

Nós três já estávamos ser debulhando em lágrimas, até escutarmos o anúncio de que o trem partirá. Desfiz o abraço despedindo-me novamente deles e corri para entrar no trem. Olhei pela janela, minha avó limpando as lágrimas com um lencinho dando tchau e meu avô se segurando para não chorar outra vez.

Mando tchau de volta sorrindo e quase chorando mais uma vez. O trem começou a andar, deixando-a a estação. Respirei profundamente, eu estava nervoso. É a primeira vez que estudo num internato misto. Apoio meu cotovelo na janela apreciando a paisagem.

Pelo feixe de luz, iluminou minha mão chamando-me atenção ao meu dedinho, sorrio ao me lembrar. A fita não estava mais lá, pois ela sempre saia, então resolvi amarrá-la na corrente do meu medalhão, assim ela não se soltara mais.

No começo eu ficava triste por sempre soltar do meu dedinho, por que achava que nossa promessa tinha sido quebrada, porém, a fita simboliza a nossa promessa que selamos juntos. Não podia perdê-la de forma alguma, ela quem vai me levar ate ele.

Todoroki-kun… não vejo a hora de nos reencontrarmos, poderei me declarar para você, dizer os sentimentos que venho guardando com tanto carinho. Adormeci com esses pensamentos em mente.

Acordei com o desperta do meu celular, num pulo olhei para janela e já estava parando na minha estação. Rapidamente peguei minhas coisas preparando-me para descer. O trem parou e eu desci na estação com minhas coisas. Ainda bem que só trouxe só uma caixa, que por sinal estava um pouco pesada.

Caminhei para fora da estação, chamei um táxi que não tardou chegar, entrei dizendo o endereço para o taxista. Em questão de minutos, já estamos perto da escola, o táxi parou, eu o paguei pegando minas coisas e saindo do carro. Virei-me batendo de cara com o prédio enorme, onde tinha escritos com letras grandes o nome da academia.

Abri um sorriso contente e respirei profundamente tomando coragem para seguir ate a entrada, onde vários alunos entravam também. Minhas pernas tremia levemente pelo nervosismo.

– Não e hora pra ficar nervoso…! Não passei por tudo aquilo atoa! Vou dar o primeiro passo a frente sem cair! - Falo comigo mesmo batendo no próprio rosto.

Dei o primeiro passo para entrar, mas acabei tropeçando no próprio pé! Minha cara ia de encontro ao chão, se alguém não estivesse puxado-me pela mochila, por conta disso, perdi o equilíbrio caindo de bunda no chão.

– Tome mais cuidado. - Avisa a pessoa que me ajudou indo embora, nem pude ver seu rosto, pois ela já estava de costas para mim.

Levanto batendo na própria roupa tirando a poeira das pernas e bunda , estava meio dolorida pela queda. Já de pé, pego novamente minhas coisas caminhando, agora sem cair para a entrada do internato.

Do lado de dentro, incrivelmente grande e bonito. Muitos alunos estavam juntos conversando, andando pra lá é para cá. Aproximei-me da grande lousa, onde continha os nomes, turmas e quartos, abri espaço entre os meninos que estavam tumultuando para poder ver meus dados.

Dormitório masculino… Ala 5, quarto 206. Bom, agora já posso apressar-me e ir logo, estou cansado da viagem. Pelo menos vou poder descansar um pouco, afinal hoje podemos explorar um pouco a escola, amanha que começara realmente as aulas.

Fui para o lugar indicado, surpreendendo-me ainda mais com o local. Entre na ala 5 no dormitório masculino, onde é bastante animado, pela conversação e o falatório alto e barulhento. Passei rapidamente pelo corredor de cabeça baixa, evitando contanto visual.

O quarto era o penúltimo do corredor, depois tinha mais outro quarto, logo depois era o corredor para outra ala que também pertence ao dormitório masculino. Abri a porta entrando no quarto. O quarto em sim, é bem moderno, ate melhor que o meu.

Havia um beliche, ambas escrivaninhas, dois armários enorme e mesas para computador. O problema e que só havia um banheiro, mesmo ele sendo grande, vou ter que dividir com mais um garoto… eu nunca fiz isso antes, então e meio constrangedor.

Coloquei a caixa no chão começando abri-la para já instalar minhas coisas. Abri também minha mochila e minhas malas começando arrumar e ocupar o meu armário. Depois de ter arrumando tudo, não levou nem meia hora. Resolvo tomar um banho, afinal eu estava cansado.

Peguei uma muda de roupa e fui para o banheiro, porém escuto a porta abri e entrar uma pessoa. Deve ser meu colega de quarto! Rapidamente vou ao seu encontro para cumprimentá-lo.

Entretanto, tive uma grande surpresa quando o vi retirar o chapéu e os óculos de sol. Seu cabelo meio branco e meio vermelho, seus olhos heterocromáticos… é ele!

Coloquei as mãos na boca chocado, deixando a roupar cair sobre meus pés. Eu tinha perdido o ar naquele momento.

– To-To-Todoroki-kun! - Gaguejei ao vê-lo, foi tudo que conseguir dizer.

Ele arqueio a sobrancelha olhando-me, depois desviou seus olhos para o quarto e voltou seu olhar diferente de antes, como se estivesse bravo com algo. Ele se aproximou de mim e eu me afastei corando as bochechas.

– Quem é você e por que está no meu quarto?!

 

 


Notas Finais


Gostaram? Odiaram? Comentem para eu saber u.u
Por hoje e só, meninos e meninas!
Até a próxima atualização
Beijinhos bolinhos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...