História Destinados - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Frozen - Uma Aventura Congelante
Tags Helsa
Exibições 29
Palavras 1.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente, desculpa a demora, mas o último capitulo foi um fracasso total, eu pensei em dar um tempo pra ver se melhorava, mas não adiantou muita coisa, se aquele capitulo foi um fracasso, esse vai ser mais ainda, esse capitulo ficou horrível, mas eu preciso dele pra o resto fazer sentido. </3

Capítulo 13 - A procura do controle


Meu coração doeu em ouvir essas palavras, ela estava com medo de mim, e era o mesmo que todo o resto pensava de mim. Ela as pronunciou como se eu fosse a própria morte, ela preferia ser entregue aos caçadores de bruxas a mim.

–– Nynna, eu não vou machuca-la, eu não sou o que todos pensam, eu posso ter feito tudo aquilo antes, mas não foi culpa minha, assim como você, não pedi para ter esses poderes, eu não sei controla-los e eu daria de tudo para não tê-los mais, eu me afastei do mundo muito nova, eu era criança, machuquei minha irmã e depois a matei, congelei o reino e eu continuava presa em meu quarto até pouco tempo, eu sou parecida com você, Nynna, eu não tenho mais ninguém, porém não tenho a capacidade de me mudar por descobrirem quem sou, me consideram um monstro, e você não tem ideia de como isso doí em mim.

–– Majestade, eu sinto muito por isso.

–– E eu tenho que te dizer que você ainda pode mudar isso, sei que consegue controlar sua magia e sua tia ainda deve estar viva, devia procura-la e aproximar-se dela novamente. Eu não tenho mais ninguém e você pode mudar sua vida.

–– Você só pode estar brincando. –– Ela riu. –– Você é muito otimista para ser a rainha. Eu sou uma bruxa, assim como o resto da minha família, e os caçadores sempre encontram um jeito de nos encontrar.

–– Só pense nisso, mas chega de apoio moral. Viemos porque precisamos de ajuda, não vamos obriga-la a nada, não podemos obriga-la a nada. Eu preciso de ajuda para aprender a controlar meus poderes, poderia me ajudar com isso?

–– Por que quer controlar seus poderes agora, depois de tanto tempo, só agora você procura ajuda? Achei que não tinha mais motivo para aprender a controla-los, sua família inteira está morta. Que outro motivo te faria querer aprender a controla-los? Um homem? –– Ela olhou para Hans durante poucos segundos e voltou a me encarar.

–– Não. Não. Não é um homem. Decidi isso por mim mesma, posso ter perdido toda a minha família, mas tenho um reino a governar e não sei por quanto tempo, então eu tenho que controlar, pois se não posso controlar meus poderes, como poderia controlar os poderes de uma rainha? E eu sei que o parlamento vai procurar um pretendente para mim e vão querer que eu tenha um filho para ser herdeiro de Arendelle, então eu ainda tenho muitos motivos para aprender a controlar, e com certeza nenhum deles é por um homem.

–– E por que este homem está aqui?

–– Ele está me ajudando, eu pedi ajuda a ele e ele aceitou. Ele sabe muito sobre magia, por isso pedi ajuda a ele. Por favor, precisa me ajudar, se me ajudar, isso salvará a mim e a todo o povo.

–– É por isso que fugiu? Podia ter avisado os guardas do palácio, eles estão a procurando loucamente, acham que você foi sequestrada.

–– É, eu sei disso, mas certamente não apoiariam minha ideia, eu tinha que sair sem ser vista, afinal, não aguentava mais ficar naquele baile. Eu preciso muito de sua ajuda, por favor.

–– O que eu ganharia em troca?

Eu não a respondi, não imaginava que ela pediria algo em troca, mas devia, depois do que passei com os trolls.

–– Não veio aqui pensando que eu aceitaria sem querer algo em troca, ou veio?

Eu continuei em silêncio.

–– Tudo bem, tudo bem. Certo, eu a ajudo, podemos negociar isso depois. O que quer exatamente? Controla-los ou tira-los de si mesma ou algo fora da minha mente?

–– Tira-los de mim mesma? Tem como eu tirar meus poderes de mim? Não tê-los mais?

–– É claro, mas as consequências são bem maiores e mais perigosas.

–– Eu não achava que isso era possível... –– Eu olhei para Hans e ele parecia um pouco aflito com o que eu falaria em seguida, ele parecia tentar dizer algo sem dizer nada. –– Eu adoraria não tê-los mais, mas eu não posso me livrar de um problema assim tão fácil, então eu quero aprender a controla-los.

–– Certo, mas eu não posso fazer isso por você. Mas posso guia-la até lá. Você precisa aprender a amar seus poderes, amar a si mesma, imaginar como seria se você conseguisse os controlar.

–– Aprender a ama-los? Imaginar como seria se eu conseguisse controla-los? Como isso poderia me ajudar?

–– É o início de uma longa jornada, majestade.

–– Então isso vai ser muito complicado, talvez eu nunca aprenda a controla-los.

–– Isto já é um problema, um grande obstáculo.

–– O que?

–– Ser tão pessimista. Pensar tão baixo, não acreditar em si mesma.

–– Isso realmente não vai ser fácil.

–– Esperava que fosse?

–– Não... Sim, talvez. Pensei que fosse ser um pouco mais fácil.

–– Certo. Ainda estamos no começo do dia, não podemos começar isso aqui, teremos que viajar por Arendelle e quem sabe explorar outros lugares.

–– Isto esta começando a ficar divertido e ao mesmo tempo preocupante. –– Hans comentou.

–– A floresta é um lugar ótimo para testar magias e coisas do tipo, –– Nynna disse. –– as montanhas também.

–– Então não queremos perder tempo, vamos agora mesmo.

–– Eu estava começando a me encaixar aqui, estava começando a ser alguém quase normal, não estava usando magia, então vocês chegaram e acabaram com isso.

–– Nynna, me escute, você poderá ser alguém normal depois de tudo isso, eu prometo. –– Falei. –– E eu sinto muito por termos aparecido assim, não apareceríamos assim se fosse extremamente urgente.

–– E se tornou urgente assim de repente, de uma hora para a outra? Por que não me procurou há três anos, ou desde que o descontrole de seus próprios controles começou?

–– Nynna, por favor, não mude de ideia agora.

–– Não mudei. Só estou analisando fatos, por que algo muito estranho está acontecendo aqui e vocês não querem me contar.

–– Está bem. Eu conto.

Hans desviou o olhar para mim abruptamente. Eu prometi não contar nada, dei a minha palavra, eu devia cumprir, mas não assinei nada. Mas ele parecia estar cumprindo a palavra dele, então eu devia fazer o mesmo. E a palavra de alguém vale muito.

–– No baile eu estava refletindo, e depois de conversar com alguém, percebi que para eu ser a rainha que meus pais desejavam e uma rainha querida, eu precisava ser considerada alguém normal, alguém não perigoso e que para eu ter a chance de me casar com alguém e conceder um herdeiro ao reino eu preciso me controlar. Os conselheiros, o parlamento e os outros reinos não aceitariam eu governar o reino sozinha para sempre, isso poderia gerar guerra por minha causa, então eu procurei por ajuda para aprender a me controlar.

–– Então é isso? Depois de tanto tempo percebeu que precisava de ajuda? Isso soa estranho.

–– Mas é verdade.

–– Eu sei que não é verdade, majestade. Mas não se preocupe em me contar a verdade, eu não quero saber a não ser que seja algo perigoso e arriscado.

–– Não é perigoso e arriscado. Mas tudo o que eu disse é verdade, eu realmente quero ser alguém normal, alguém que o povo ame, ainda mais por ser a rainha, não gosto de saber que todos me consideram um monstro, que me temem, isso é horrível. Eu não tenho amigos, e acho que deve saber como isso dói.

Ele suspirou e se levantou.

–– Devemos ir agora, vai ser um longo dia e talvez uma longa noite. Teremos que achar algum lugar para ficar, longe de todos.

–– Eu acho que já sei onde poderemos ficar. –– Hans disse.

–– Ótimo.

Saímos daquela casa, que, sem surpresas era mais distante do resto das casas, então conseguimos sair sem muita preocupação. Entramos na floresta e pegamos o cavalo, mas ninguém montou nele, estávamos em três, então teríamos que ir caminhando para todos andarmos juntos. Eu não tinha ideia de como tudo o que Nynna disse poderia me ajudar. Como começaríamos aquilo? Como terminaríamos? Aquilo poderá gerar morte, não quero ferir ninguém. Não quero matar ninguém, não quero que ninguém morra por minha causa, mesmo que seja Hans, agora percebo que se algo acontecer com ele, irá fazer diferença. Mas eu não podia mudar de ideia, quem devia fazer isso era Hans, ele queria isso tanto quanto eu, pois se dependesse de mim, eu nunca teria procurado ajuda. No inicio achei que Hans poderia até me ajudar com isso, que traria benefícios para mim, mas talvez isso apenas piore as coisas, até mesmo eu poderia morrer, não que eu me preocupe absurdamente com isso, afinal, não tenho nada a perder, mas eu deixaria um reino inteiro a minha procura, sozinho, e eu não queria isso, mesmo que eu me livrasse de toda a dor e sofrimento. Mas acho que são a mesma coisa, dor e sofrimento, são apenas palavras diferentes com significados iguais.

–– Eu não queria interromper o silencio, mas –– Falei. –– estamos caminhando já faz alguns longos minutos e eu adoraria saber como começaríamos a tentar controlar meus poderes. O que pretende, Nynna?

–– Eu pretendo ajuda-la, majestade. Mas não sou eu quem manipulo o gelo, é você, então a única a poder controla-los, é você mesma.

–– Isso piora cada vez mais. Eu não faço a menor ideia de como eu vou começar isso.

–– É apenas seguir seu destino, seu coração. Sua vida depende disso, o destino guarda algo para você, e pode ser algo bom.

–– Eu vou ter que seguir o destino? Mas tudo o que eu queria era fugir dele. Porque todas as vezes que eu o segui, eu me machuquei, machuquei pessoas. O destino é cruel, principalmente com alguém como eu.


Notas Finais


Além do ultimo capitulo ser um fracasso, também aconteceu um imprevisto que me deixou com raiva. Eu tava escrevendo mais um capitulo e quando eu pensei em ir dormir, eu apertei o botãozinho pra fechar o word, mas ai eu pensei melhor e pensei em continuar, mas ao invés de clicar em cancelar, eu cliquei em não salvar, e eu tinha escrito uma boa parte e tinha ficado bom o que eu escrevi, mas ai eu não salvei, fiquei com raiva e dei um tempo pra essa raiva passar pra eu voltar a escrever, com certeza vou voltara escrever, espero que eu consiga escrever basicamente o mesmo que escrevi antes de não salvar, e se ficar ruim, me desculpem, mas eu vou tentar chegar o mais próximo do que eu tinha escrito. </3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...