História Destinados - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Isabella Santoni, Rafael Vitti
Tags Isabellasantoni, Rafaelvitti, Santovitti
Visualizações 134
Palavras 4.167
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello minas, se tiverem alguns erros me perdoem, tive que revisar na correria!!
Dei uma pira e resolvi colocar alguma loucurinha para apimentar a fic kkkkkkkkk, espero que gostem, beijo bbs.
Boa leitura :*

Capítulo 13 - Capitulo XIII


Fanfic / Fanfiction Destinados - Capítulo 13 - Capitulo XIII

Rafael POV –

 

Depois que voltamos da cachoeira, fomos direto para nossos quartos, tomar um banho e relaxar um pouco. O dia havia sido incrível, aquele momento que passei com Isabella, tinha me gravado momentos e me proporcionado lembranças incríveis, era como se eu precisasse daquilo para seguir qualquer instinto ou pensamento que me rondava a mente. Principalmente meu coração.

Estava sentado na cama, lendo algumas notificações em meu celular, já que não havia tido tempo nenhum desde que chegamos em Goiás. Estava deslizando o olhar pela tela, rindo sozinho com algumas fotos e mensagens nas redes sociais, eu achava tudo aquilo incrível, minhas fãs eram surreais, era um amor incondicional e inexplicável, e por mais que eu ainda não tivesse me acostumado com toda aquela proporção, eu sentia um carinho gigantesco por todas elas, por cada rostinho conhecido, e também por aqueles que eu ainda não conhecia, é como um amor instintivo, algo reciproco simplesmente por ser.

Li alguma mensagem sobre mim e Isabella, que me fez gargalhar, o que certamente chamou a atenção de Michel. Ele estava largado em uma poltrona, lendo qualquer coisa em uma revista.

- Ta rindo do que mané? – Michel perguntou enquanto largava a revista e abria um pacote de bolacha.

- Das raios solares. – Ele franziu o cenho, sem entender nada, o que definitivamente me fez gargalhar mais uma vez. – Minhas fãs mané. – Ele revirou os olhos me estendendo o pacote em suas mãos, assenti aceitando.

 - Claro, porque é bem normal chamar as fãs de raios solares. – dei um pescotapa nele, que fez uma careta de reprovação.

- Cala a boca cara. Sério elas são incríveis, não tens noção dos memes e das coisas que eu leio sobre mim e a Bella, elas são criativas demais. – Ri sozinho, lembrando-me de algumas coisas que li.

- Eu posso imaginar, ainda mais que vocês agora estão juntos de novo. Falando nisso, elas já sabem? Digo, vazou alguma foto? – Larguei o celular na cômoda e assenti para ele, enquanto mastigava uma bolacha.

- Se não sabem, desconfiam.

- E vocês estão de boa com isso?

- Sim. – Falei de boca cheia. – Acho que estamos tão á vontade que isso não importa mais. Sei lá, decidimos que vamos deixar rolar, se descobrirem ou se vazar, iremos levar numa boa, afinal, sabemos que temos a vida pública e uma hora isso tem que acontecer.

- É, vocês estão certos. – Assenti novamente. – Mas a Isabella realmente está bem com isso?

- Como assim? – Perguntei um pouco confuso.

- É cara, a Bella sempre foi mais cismada com isso, eu lembro como ela fingia estar de boa quando vazava coisas sobre vocês. E fingia muito bem. – Ri daquilo, era puramente verdade.

- Ela mudou de um jeito que eu nunca esperaria. Bella é especial cara, como nenhuma garota conseguiu ser. Pelo menos para mim. Ela me surpreendeu e está me surpreendendo cada dia mais, nem sei explicar direito.

- Posso te falar uma coisa que não vai te surpreender? – Assenti pegando o pacote de bolacha de suas mãos. – Você está completamente apaixonada por Isabella Santoni. Mais uma vez. – Ele disse sorrindo divertido e eu não podia esconder o sorriso, nem fingir que ele não estava certo, porque ele estava e muito.

- O que eu posso fazer, são seus olhos. – Ele riu arrancando o pacote das minhas mãos.

- Os meus? Eu sei, são lindos.

- Os dela mané. – Rimos. Era bom poder falar abertamente daquilo com meus amigos, era como se tudo finalmente estivesse no lugar.

Fomos interrompidos por um toque de celular, que identifiquei ser o meu, olhei para tela e sorri ao ver de quem se tratava a ligação.

- Fala mozão! – Observei Michel revirar os olhos, sabendo na hora de quem se tratava.

- E ai meu amor! – A voz declarou do outro lado da linha, ri com aquilo.

- Vou deixar o casal a vontade. – Michel disse se levantando e me dando um tapinha no ombro. – Tchau Gui. -    Gritou antes de bater porta.

- Era o Michel? – Guilherme perguntou.

- Era.

- E ai cara, como esta a viagem? Aproveitando muito esse tempo grudadinho com a loirinha? – Seu tom era divertido, mas ao mesmo tempo malicioso o que me fez negar levemente com a cabeça e rir.

- Muito meu amigo, você não tem ideia. – Ele riu.

- Quer dizer que esta tudo bem por ai então?

- Melhor impossível mano.

- E a Isabella, cadê que ainda não ouvi a voz chata dela. Não vai me dizer que esta traindo ela com o Joelsas Rafael? – Ri de sua babaquice natural.

- Cala boca Guilherme, tens que parar com esse ciúme em! Ela foi lá em baixo se enformar sobre algum barzinho maneira pra gente ir depois.

- Não preciso ter ciúmes, sei que sou único na tua vida. – Gargalhei, ele realmente era, um irmão em tanto. – Tenho que te falar que ainda acho tudo isso bizarro, a ideia de você e a Bella estarem namorando de novo, mas preciso admitir, to felizão por vocês. – Assenti, sorrindo bobo.

- Fico feliz parceiro, e sei que ela também está e isso pra mim já basta.

- Só toma cuidado pra ela não te deixar mais babaca e sentimental do que tu já é em! Porque te aguentar apaixonado não é nada fácil Rafa. – Ri me ajeitando melhor na cama.

- Acho que agora você não pode falar muito Gui, porque tu anda pior do que eu. – Ele riu fraco. – Falando nisso, como esta a Le? – Ouvi um suspiro pesado soar do outro lado da linha

- Ah cara, sei lá, eu nem sei mais. Brigamos ontem á noite.

- Porque cara? – Perguntei com um tom preocupado. – Ciúmes de novo?

- Pior que não, foi besteira nossa mesmo. Ela anda estranha Rafael, distante, não sei o que esta acontecendo. Até perguntei pra ela se havia feito algo de errado, mas nem isso ela quis me responder direito.

- Gui, vai ver ela está confusa com alguma coisa. Tenta levar ela pra sair, conversar com mais calma, tenho certeza que deve ser coisa da cabeça dela e logo, logo isso passa.

- Não sei não Rafa, não sei se estou disposto a ir atrás dela de novo. – A tom de Guilherme era sincero e cansado.

- Se fosse qualquer outra garota, eu diria para você fazer o que quiser. Mas eu sei o quanto você gosta dela e o quanto ela demonstra gostar de você. Então tenta, só mais essa vez. Se não der certo, que seja. – Ouvi ele dar mais um suspiro.

- Tudo bem, vou tentar.

- Será que as mocinhas podem parar com o papo meloso e me dar uma atenção?! – Escutei a voz de Cadu quase em um grito, o que me fez rir. Logo soando mais alta, o que me fez perceber que era ele no telefone agora.

- Fala Caduzera, qual é a boa?

- Mano tu não vai acreditar. – Eu já estava rindo antes mesmo dele falar, quando Cadu começava com essa frase, coisa boa é que não seria. – Ontem fomos a uma festa com a galera e adivinha quem eu peguei?

- Quem, a Megan Fox? – Perguntei divertido, o ouvindo bufar do outro lado.

- Não engraçadão, a Victória.

- Que Victória? – Perguntei indiferente, enquanto tomava um gole de água da garrafinha. Um segundo depois, cuspi o liquido para fora, quando ouvi Cadu prosseguir:

- A Vivi mano, amiga de Bella.

- QUEM? – Perguntei pasmo. Eu não sabia se ria ou se ficava espantado. Ou se fazia tudo ao mesmo tempo.

- Ela mesma, cara pensa numa mina que beija bem, acho que estou apaixonado. – Ri de seu jeito impulsivo e exagerado.

- E por acaso a Isabella já sabe dessa tua nova paixão? – Perguntei divertido e ouvi uma risada forçada de Cadu do outro lado da linha.

- Eu acho que a Victória deve ter contado.

- Rafael, você não vai acreditar no que a Vivi me contou. – Isabella entrou no quarto empurrando a porta, e falando tudo de uma vez só. Contive-me, segurando um riso com força total.

- É brother, ela contou. – Ouvi Cadu resmungar um: “Puta merda” e um suspiro logo depois. Enquanto Isabella me encarava confusa.

- Vou desligar antes que eu escute a Isabella me xingar. Falo mano! – Cadu desligou antes mesmo de eu responder. Neguei levemente com a cabeça, achando tudo aquilo um show de humor.

Isabella caminhou até mim, sentando no meu colo e acariciando meus cabelos, enquanto perguntava:

- Quem era?

- O Cadu. – Vi ela revirar os olhos e sorrir divertida.

- Então você já sabe. – Assenti sorrindo de lado. - Só espero que o Cadu não seja um babaca safado com minha amiga. – Sorri com seu instinto protetor, ela sempre agia assim quando se tratava de Victória.

- Hey, deixa de ser mãezona Bella, Victória já é grandinha o bastante pra saber com quem ela transa ou se relaciona, não acha? – Bella assentiu, envolvendo seus braços em meu pescoço.

- Eu sei, só me preocupo com ela, amo o Cadu, mas você tem que admitir, ele é um safado. – Ri, concordando.

- Você também é uma safada Santoni e eu estou com você. – Ela ergueu as sobrancelhas desafiadoras, daquele jeito sexy que eu tanto amava.

- Será que é porque você é muito mais safado do que eu?! – Ela disse envolvendo suas pernas em meu quadril sentando em cima de meu membro e rebolando por ali.

- Com você em cima de mim assim, posso ser muito pior. – Segurei firme em sua cintura, enquanto minha outra mão adentrou seus fios loiros, puxando seu cabeço com firmeza. Ela gemeu arrastado. – Sabe o que eu tenho vontade de fazer quando você geme assim? – Ela negou, mordendo os lábios. – Sinto vontade de arrancar sua roupa toda.

- Então arranca! – Ela disse me encarando intensamente, passeando suas mãos por meu peitoral nu.

- O que você não me pede gemendo, que eu não faço com muito prazer. – Ela riu, envolvendo suas mãos em meu cabelo e me beijando sem espera.

Passeei minhas mãos por todo seu corpo, enquanto ela mordia e lambia meu pescoço, me deixando ainda mais duro. Levei minhas mãos até sua barriga, deslizando meus dedos por ali e subindo em direção aos seus seios, apertei-os com firmeza, recebendo uma mordida no ombro em resposta. Tirei sem demora sua blusa, Isabella ergueu os braços para facilitar meu trabalho, quando voltei a encara-la, ela sorria sapeca, sabendo o que viria logo depois.

Beijei seu ombro, deslizando levemente sua alça do sutiã e beijando cada cantinho até retira-lo completamente. Ela suspirou em aprovação, quando eu abocanhei seu seio esquerdo, brincando com o direto. Isabella deslizou suas mãos por meu abdômen, chegando em minha bermuda, ela apertou meu membro ainda por cima do pano grosso, e começou a movimentar suas mãos, em um aperto delicioso.

Levantei com isabella no colo, sem parar de movimentar meus lábios em seu seios. Carreguei-a até a mesa que tinha do outro lado do quarto, empurrei tudo que havia ali e observei cada objeto cair com força no chão e a risada de Isabella ecoar pelo quarto.

- Uou, adoro esse seu jeito descontrolado, me excita tanto. – Ela disse me puxando pela nuca e grudando nossos lábios. Mordi seu lábio inferior e arranquei seu short jeans.

- Você me excita a qualquer hora. – Segurei sua calcinha, deslizando meus dedos por sua intimidade. – Em qualquer lugar. – Arranquei sua calcinha fora, rasgando-a em um só movimento, sem parar de encara-la. – De qualquer jeito. – Adentrei dois dedos em sua intimidade, ouvindo um gemido gostoso sair de seus lábios, enquanto ela fechava os olhos com força.

Fiz movimentos leves de vai e vem com meus dedos, logo aumentando-os consideravelmente. Depositei beijos em seu pescoço, descendo até sua barriga, chegando logo em sua virilha. Ouvi Isabella suspirar, sabendo rapidamente qual era minha intenção, soprei sua intimidade, o hálito gélido em contato com a mesma, quente, a fez tremer. Sorri antes de lamber e me deliciar com a flor que ela possuía no meio de suas pernas.

Isabella tremia e se contorcia em minha boca, em meus dedos. Não demorou muito para que deslizasse todo seu liquido por meus dedos. Levantei sorrindo, enquanto ela respirava fundo, levei um dedo em seus lábios, deslizando seu gozo levemente por ele, e logo após beijando-a com firmeza.

- Seu gosto é delicioso não é? – Ela assentiu, mordendo levemente os lábios.

- Eu... eu... – Ela falava enquanto tentava tirar meu calção com certo desespero. Sorri, era incrível o que eu conseguia causar nela e o que ela certamente também causava em mim.

Retirei meu calção juntamente com minha boxer, me posicionei no meio de suas pernas e encostei minha testa na dela. Isabella segurava em meus ombros enquanto eu acariciava suas pernas.

- Preparada linda? – Ela sorriu me encarando, como se aquela perguntava fosse a mais imbecil do mundo. – Eu quero te ver gozar olhando para mim, entendeu? – Ela assentiu, se preparando para dizer alguma coisa, a qual eu interrompi, quando penetrei-a com força, a única coisa que saiu de seus lábios foi um grito abafado de prazer.

Isabella cravou as unhas em meus ombros, enquanto eu a penetrava com cada vez mais força e velocidade, nossos corpos se mexiam em uma sincronia única e absurda. Meu suor escorria por meu corpo quente, eu sentia sua intimidade apertada ao redor de meu membro completamente duro, eu precisava dela como precisava de ar para conseguir respirar.

Ela apoiou suas mãos em cima da mesa, inclinando seu corpo para trás, enquanto eu continuava meus movimentos, abrindo as pernas cada vez mais para mim, como um convite para a perdição, a nossa perdição.

- Você é muito gostoso Vitti, muito. – Ela disse com a voz baixa, envolvendo suas pernas em minha cintura, me ajudando com os movimentos.

- Você é deliciosa Santoni. – Inclinei meu corpo e lambi sua barriga, deixando duas mordidas ali. Ela gemeu em satisfação.

Continuamos naquela dança sensual por mais algum tempo, até eu sentir que seu corpo tremia, reduzi a velocidade de meus movimentos, observando seu corpo relaxar em espasmos deliciosos, ela gozou, olhando para mim, assim como eu havia pedido. Aquilo fora uma visão que eu jamais esqueceria. Penetrei-a mais três vezes, chegando ao meu orgasmo.

Abracei seu corpo pequeno, e ela se aconchegou em meu peito. Beijei o topo de sua cabeça, fazendo um carinho gostoso em suas costas nuas.

- Obrigada por fazer dessas férias, as mais especiais. – Ela sussurrou, com os lábios colados em meu peito. Sorri, sentindo meu coração receber um calor suave, e se encher de amor.

- Obrigada por fazer dos meus dias, os mais especiais. – Ela me encarou, com os olhos brilhantes e o sorriso mais iluminado que podia dar.

- Me beije agora, ou eu vou ser obrigada a te castigar. – Ela declarou me encarando desafiadora, o que me fez gargalhar.

- Então eu vou optar pelo castigo baby. – Segurei sua bunda com firmeza, puxando seu corpo, causando um impacto entre nossos sexos.

Ela sorriu, mordendo os lábios, soltando aquele riso gostoso que eu tanto amava. Eu sabia que iriamos mais uma vez, quebrar mais alguns objetos daquele quarto.

[...]

22:00 hrs.

- Tem certeza que viemos no lugar certo Isabella? – João perguntou, quando adentramos o pub bar que ficava na cidade.

- Tenho. – Olhamos em volta e avistamos um monte de gente espalhada pelo local, alguns dançando, outros bebendo tranquilamente e conversando no bar. O lugar era agitado, possuía uma iluminação colorida, mas o ambiente era mais escurecido, deixando confortável e agradável. A musica era alta e soava um house remixado com algumas musicas populares atuais.

- Tipo, tem certeza, certeza mesmo? – João insistiu mais uma vez, recebendo um olhar repreensivo de Isabella. – Sério, olha em volta. – Isabella percorreu os olhos pelo local, constatando o que já tinha visto. – Olha direito.

Com curiosidade observamos melhor as pessoas e o ambiente, todos percorremos o olhar e logo depois entendemos a que o João se referia. Tinha diversos casais conversando, flertando e dançando colados na pista, casais não apenas de sexo oposto, na verdade a maioria era do mesmo sexo. Foi ai que percebemos que havíamos entrado em um bar LGBT.

- É um bar gay! – Diego declarou um pouco alto demais, fazendo algumas pessoas nos encararem de maneira séria.

- LGBT Diego. – Giulia o corrigiu.

- É, isso.

- Puta merda, e se algum cara der em cima de mim, o que eu faço? – João perguntou com certo desespero, em um tom que soou extremamente engraçado.

- Aproveita para descobrir novas experiências. – Eu disse provocando-o, o que fez todos caírem na risada.

- Cala boca cara. – Ele disse revirando os olhos.

João não é do tipo preconceituoso, na verdade nenhum de nós, nós apenas estávamos espantados, pois quando Isabella nos disse que se informou sobre o melhor pub bar da cidade, não imaginamos que se tratava de um pub LGBT.

Caminhamos em direção ao bar e pedidos alguns drinks, aos poucos fomos nos familiarizando com o local, e logo percebemos o quão divertido era, as pessoas eram extremamente animadas e iluminadas, acabamos indo para a pista de dança e dançando horrores, fizemos até algumas amizades novas. Aquela boate estava se saindo melhor do que qualquer outra.

- Amor, aquela garota tá mesmo me encarando? – Isabella perguntou segurando o riso. Olhei disfarçadamente para onde ela me indicava com o olhar e notei uma morena, alta, com um corpo que santo deus, era perfeito, os olhos eram verdes e ela vestia um vestido de veludo bordo, com saltos baixos e elegantes. Ela encarava Isabella dos pés a cabeça, como se ela fosse um tipo de alimento delicioso, contive o riso, pois era exatamente assim que eu olhava para Isabella em certos momentos. A morena notou que eu a observava e então sorriu e mordeu os lábios, voltando o olhar para Isabella, como se quisesse me dizer algo, o que eu captei no mesmo momento.

- O que você acha de um ménage? – Perguntei com o ar de brincadeira. Isabella me encarou assustada por um segundo e depois soltou um sorriso safado.

- Você esta brincando não é?! – Sorri novamente para ela, voltando a encarar a morena que ainda nos observava. Olhei para Isabella reparando que ela também olhava para a mesma. – Ela é linda. – Isabella disse, me fazendo encara-la com surpresa.

- Você tem curiosidade? – Ela me olhou. – De se relacionar com mulheres? – Assentiu.

- Não é minha praia, mas confesso que sempre tive vontade de experimentar algo diferente, pelo menos uma vez.

Eu estava um pouco estático, não esperava que a resposta dela fosse aquela, principalmente pelo fato de eu não estar realmente falando sério. Claro que eu não vou mentir, adoraria experimentar algo assim, já que nunca havia tido oportunidade, mas nunca imaginaria que Isabella também possuía a mesma vontade. – Já beijei mulher, amiga, você sabe. Mas sexo, bom, nunca.

- Você quer? – Perguntei um pouco repreensivo, esperando que ela não fosse realmente dizer sim.

- Ah, eu não sei. – Ela voltou o olhar para morena, que sorriu para ela a analisando novamente dos pés a cabeça, seu olhar queimava. Eu sabia que Isabella era realmente um pedaço de mau caminho e eu não sentia ciúme algum daquilo, pois sabia perfeitamente que Isabella curtia homens, em especial, a mim. E mesmo que tivesse outras opções, eu sabia que poderia confiar em seus sentimentos. – Caralho Rafael, ela não para mesmo de me encarar, estou me sentindo sexy – Ri de sua fala e me aproximei mais dela, puxei sua cintura com força, colando seu corpo ao meu.

- É assim que você se sente quando eu te olho? – Olhei fundo em seus olhos, recebendo um sorriso largo de Isabella.

- Quando você me olha, eu me sinto nua. – Ela disse aproximando seus lábios dos meus. Beijei o canto de sua boca, mordendo levemente ali. Observei de soslaio á morena, que não tirava os olhos de nós. – Quer tentar uma coisa? – Isabella me olhou um pouco desconfiada. – Confia em mim, vai ser divertido. – Ela riu, mexendo a cabeça levemente, deixando se levar por mim.

Puxei Isabella para mais perto, e grudei minhas mãos em seus fios lisos, dei uma mordida extremamente sexy em seus lábios, descendo devagar as mãos por suas costas, até chegar em sua bunda, onde dei um aperto firme. Isabella desceu seus beijos da minha bochecha até meu pescoço, fazendo um belíssimo trabalho. Virei meu rosto encarando a morena e sorrindo sacana para ela.

A mulher estreitou o olhar e no segundo que eu mordi os lábios e a encarei intensamente ela entendeu o que eu queria. Estávamos brincando, uma brincadeira extremamente sensual. A morena sorriu e levou a bebida aos lábios, lambendo a beirada de uma maneira tão erótica, que me deixou duro. Eu não sei por que, mas aquele jogo estava me deixando muito mais excitado do que eu imaginaria ficar.

Beijei Isabella e senti-a arranhar minha nuca, deslizei minha mão por todo o seu corpo. Claro que estávamos em um canto um pouco mais reservado o que não dava uma visão tão explicita de nós para as pessoas ao redor.  Isabella era uma perdição, a minha perdição e eu não estava conseguindo me controlar, não com aquela loira maravilhosa em meus braços e uma morena extremamente gostosa nos observando. Eu estava me sentindo um safado em pensar por um momento que eu poderia ter as duas em minha cama, e eu juro que não é como uma traição, pois eu pensava naquilo como um novo passo e uma fantasia para apimentar minha relação com Isabella.

- Você é um safado de primeira Vitti. – Isabella sussurrou em meu ouvido, antes de morder o lóbulo de minha orelha. – Eu achava divertido e extremamente intimo aquela nossa conexão, onde podíamos nos divertir, confiando perfeitamente um no outro.

- E você entrou no jogo direitinho Santoni. – Ela deu uma risada gostosa, que me atiçou ainda mais. – A garota só falta tirar a roupa no meio da pista. – Disse. Isabella mirou a garota, constatando que ela parecia ansiosa, agoniada por estar tão longe de nós. Contive o riso, estávamos entrando em uma brincadeira muito perigosa e não sei se teríamos coragem de ir até o fim.

Voltamos a nos beijar, dessa vez de uma maneira um pouco mais reservada, tirando a atenção daquela garota na pista de dança. O que durou apenas alguns segundos, pois logo senti uma mão apertar meu ombro esquerdo massageando-o levemente. Parti o beijo e me virei encarando dois lindos olhos verdes e um sorriso largo e cheio de intenções.

- Oi, meu nome é Melanie. – Ela disse fitando Isabella. – Mel para você. – Isabella me encarou com o olhar assustado, mas ao mesmo tempo eu podia ver o riso preso em seus lábios.

- Oi Melanie. – Disse e ela sorriu para mim se aproximando e envolvendo os braços em meu pescoço. Arregalei os olhos e observei Isabella encara-la com um olhar mortal. Que logo trocou de lugar com um olhar curioso, quando a morena virou para ela e piscou, mirando-a com certa sensualidade.

- Me deixa adivinhar. Vocês são turistas que acabaram caindo na boate errada e resolveram brincar com a garota que achou a loirinha aqui extremamente gostosa. – Isabella tinha uma expressão que eu não podia decifrar. E eu? Bom, eu estava quase enlouquecendo de tesão e nervosismo. – E você também não é nada mal. – Disse me encarando. – Nada mal mesmo! – Sorriu sacana.

- É, ele é uma delicia mesmo. Mas não estamos brincando com ninguém. – Isabella disse séria.

- Não precisa mentir gata, eu estou acostumada com esses tipos de joguinhos e vai por mim, eu adoro. – Ela disse como se fosse á coisa mais comum do mundo, aquilo estava me deixando extremamente excitado, e eu podia estar ficando louco, mas eu sentia um desejo reprendido no olhar de Isabella. A morena era realmente linda. – Eu posso ajudar vocês a deixarem essa viagem ainda mais marcante. – A garota disse nos fitando, como se esperasse alguma resposta.

- Olha gata, a minha namorada não está acostumada com esse tipo de “brincadeira”. – Disse.

- E nem o meu namorado. – Isabella disse me encarando.

- Ótimo, eu ensino pra vocês o quanto é bom apimentar a relação. Eu sei que vocês querem, se não quisessem não tinham me provocado daquele jeito. – Ela disse com um sorriso vitorioso nos lábios. Isabella me encarou por alguns segundos, como se me perguntasse o que eu achava daquela ideia, eu senti que ela estava dividida entre experimentar algo totalmente diferente e excitante e ao mesmo tempo, negar completamente aquela ideia maluca. – E ai? Tenho certeza que posso te surpreender loira. O sexo com uma mulher pode ser interessante.

Isabella encarou-a por alguns segundos e então as palavras que eu menos esperava saíram de seus lábios.

- Eu topo.

 A morena sorriu, como se tivesse naquele momento, conquistado o maior premio de sua vida. E eu encarei Isabella completamente pasmo, com um sorriso surpreso, que escapou de meus lábios. 

 


Notas Finais


EITA, oque vocês acham? Será que a Bella vai mesmo ir até o fim? hahaha.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...