História Destined To Love You - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Exibições 1.069
Palavras 2.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Heeeey guys'

Voltei mais cedo para alegria de vocês! \o/
Preparados para mais um capitulo dramatico e tragico?

Tenham uma boa leitura!

Capítulo 75 - Alô?


Fanfic / Fanfiction Destined To Love You - Capítulo 75 - Alô?

 

CAMILA POV

 

Desde sabado, eu não consegui mais ir visitar a Lo. Não tem como eu conseguir matar aula sem uma das meninas pra isso, já que dependo de uma carona pra poder chegar no hospital que fica em sentido contrario da escola. Dinah  e Vero foram visitar ela no domingo.  Shawn foi na segunda a tarde  e Ally me contou que ontem foi com Troy no periodo da tarde tambem.

Hoje já é quinta-feira e eu estou agoniada por não ter conseguido ir nenhum outro dia, já que a tarde eu fico com a Sofia e não tem como deixar ela sozinha e minha mãe me mataria se soubesse que levei ela no hospital.

Era quase sete da noite e minha mãe tinha acabado de chegar do serviço. Aproveitei que Sofia foi fazer companhia para ela na sala e eu fui para o quarto terminar um trabalho de gramatica que tinha para fazer.

Assim que encontrei tudo que precisava, sentei-me proxima a minha escrivaninha para começar o trabalho. Desci e peguei um copo de suco na cozinha e voltei para o quarto. Ajeitei-me na cadeira e coloquei meu celular para tocar musicas aleatorias. Estava tão concentrada nas atividades que depois de um tempo naquilo, nem notei o celular tocar. Assim que dei conta do que era, fiz questão de atender sem nem ao menos ver qual era o nome que chamava na tela.

- Alô? – Disse logo que atendi.

- Senhorita Camila... Achei que iria encontra-la essa semana inteira fazendo plantão em frente ao quarto onde passo a maior parte do tempo. – Era David do outro lado, o que me fez sorrir com o comentario.

- Eu não consegui ir. Não tenho quem me levar e no periodo da tarde ainda tenho que tomar conta da minha irmã menor.

-Hum... Achei que tinha trocado sua garota.

- Por Deus, David! Não brinque com uma coisa dessa. Eu  jamais iria abandonar a garota ranzinza que você faz companhia.

- Eu acho estranho vocês dizerem essas coisas dela, já que ela tem cara de ser uma garota tão simpatica e compreensiva. O pai dela me contou tanta coisa que eu tenho até medo de ficar aqui por muito tempo com a porta fechada. – Rimos do exagero de David. Quem vê assim a Lauren era alguma assassina em serie.

- Tambem não é pra tanto... Ela é reclamona e chata. Birrenta como uma criança quando é contrariada, mas é um amor de pessoa depois que se permite deixar a conhecer.

- Menos mal pra mim então. Espero que eu tenha sorte com isso. – Ela riu e eu ouvi um barulho no fundo.

- Tem alguma noticia para mim? Como ela está? – Perguntei ao continuar ouvindo uns ruidos. – David? Ainda esta por ai?

- Estou sim, desculpa. Eu ainda estou no hospital, no quarto da Lauren pra ser mais especifico. Meio que é proibido eu ligar em horario de expediente, mas acho que vale a pena arriscar por isso.

- Arriscar? Do que está falando David?

Ouvi apenas o riso dele um pouco distante, porem ele não me respondeu. Larguei meu lapis e endireitei minha postura, buscando entender o que estava acontecendo. Até ouvir um suspiro do outro lado da linha.

- David? – Perguntei com cautela.

- Camz? – Meu coração errou uma batida quando ouvi aquela voz fraca e falha do outro lado da linha. Aquele tom rouco soou em minha mente e eu não conseguia acreditar no que estava ouvindo. Senti um choque tomar meu corpo e eu achei que estava alucinando com aquilo.

- Lauren? Lauren, é você? – Minha voz saiu fraca, quase num sussurro.

- Camz...  – Sim, era ela! Deus, eu não posso acreditar. Ela estava falando e falando comigo!

Aquilo parecia um sonho. Como ela havia despertado e ninguem havia dito nada? Desde quando isso e o mais inacreditável, ela estava falando comigo.

- Lolo, querida... Quando você despertou? – Perguntei sentido meus olhos marejarem e meu coração bater descompassado.

- Camz, eu... Eu queria ver você! – Ela disse essa frase com tanto esforço para soar nítido e com tanto sentimento que senti meu coração apertar em meu peito. Respirei fundo e mordi o labio inferior, pensando em como iria fazer para vê-la o mais breve possivel.

- Lauren, você não sabe como estava com saudades de ouvir sua voz. Não sabe como eu estou feliz em saber que você está falando comigo neste momento . – Passei o dedo no canto dos olhos na tentativa de aparar uma lagrima que teimou em descer. – Eu senti tanta sua falta, Lo. Estava sendo tão dificil para todos ficar com você sem nos dar nenhuma reação. Como você está? O que está sentindo?

- Estou cansada e com muito sono. – Ouvi ela bocejar do outro lado da linha e suspirar, me fazendo rir baixo.

- Lolo, você esta a semanas sem acordar, como pode ainda estar com sono?

- Eu sei Camz, mas eu não sei.  Acho que eu tenho que ir. – Ouvi um suspiro e alguns ruidos em seguida. – Tchau Camz. Eu tenho que ir agora. Nos vemos amanhã na escola.

- Amanhã na escola? – Esperei uma resposta para aquela frase. Será que ela não se tocou que está internada em um hospital? – Lauren? – Alguns barulhos novamente se tornaram audível. Ouvi barulhos  de maca em movimento, porta batendo, vozes, porem ninguem me respondia. – Alô?  - Disse assim que não consegui ouvir mais nada, estava preste a desligar a ligação quando ouvi a voz de David.

- Camila? Ainda por ai?

- Estou David. – Sorri ao saber que ainda alguem estava ali. – Ela falou comigo, eu ouvi sua voz e... Nossa, ela está falando David, ela acordou! – Estava eufórica e David ria do outro lado.

- Realmente você tinha razão, ela é bem resmungona. Tem mal meia hora que abriu os olhos e já deixou uma dupla de enfermeiros de cabeça quente. Alias, ela tem lindos olhos.

- Eu disse que ela dá trabalho. São os olhos mais lindo desse planeta. – Suspirei ao lembrar daqueles globos verdes.

- E os mais intimidadores tambem. Não nego que fiquei até sem jeito quando vi que ela abriu os olhos e me encarou. Parecia que ela estava lendo minha vida inteira apenas com o olhar.

- David, por favor, me conta tudo. Quando ela acordou, como reagiu, como ela está e...

- Calminha ai moça, já conversamos direitinho. Estou saindo do hospital agora. Ela foi levada para fazer uma consulta profunda e provavelmente uma serie de exames.  Preciso passar pela recepção. Aguarde três minutos na linha, não vou desligar a ligação.

E assim eu fiz, esperei pelos três infinitos minutos até que pude ouvir a voz de David novamente.

- Camila?

- Eu estou aqui!

- Bom, como eu disse, tem menos de uma hora que ela acordou. Tinha acabado de trocar o soro dela e estava me arrumando para ir embora, quando ouço alguns resmungos roucos atras de mim. Eu olhei pra trás e vi ela fazendo umas carenas por causa da claridade. Depois ela olhou para os braços e tentou tirar o soro, mas antes tirou o oxigenio. Tentei impedir e ela me encarou e rolou os olhos, logo bufando em seguida.

- Qual foi a primeira coisa que ela disse quando acordou?

- Fome! – David tentou segurar o riso, mas eu acabei rindo.

- É, essa realmente é a Lauren!

- Avisei a enfermeira chefe e ela se prontificou em avisar o medico responsável. Enquanto aguardavamos a segunda chamada dela, eu liguei escondido para você. Disse a ela que iria ligar para você e ela ficou um tanto confusa, mas quando você falou com ela, pareceu recordar.

- Por que ela disse que nos veriamos na escola?

- Ela está um pouco desnorteada. Ela passou algumas semanas fora de si, então meio que esta perdida. Fora que esta um tanto fora de si e falando algumas coisas sem coerencia. O medico esta examinando isso tambem. Não sei dizer se é temporario ou se pode ser causa de alguma lesão. Agora vai começar uma grande serie de exames para verificar o estado fisico e mental dela.

- Quando vou poder ver ela?

- Pelo que eu entendi, as visitas amanhã serão bloqueada pra ela. Ela vai ter um dia exaustivo de exames e teste. No dia seguinte era terá mais alguns exames e terá um dia de repouso e descanso. Provavelmente segunda-feira ela estará  apto  para visitas.

- Tudo isso? São quatro dias, David! – Bufei frustrada em saber que ficaria tanto tempo sem vê-la.

- Eu sei... mas é as regras e tambem é pro bem dela.  Final de semana passa rapido! Quem deveria estar choramingando sou eu. Agora terei que aumentar meu horario de plantão para ficar com ela, fora que terei que trabalhar no domingo, que e meu único dia de folga.

“Kaki... vem jantar” – Ouvi a voz de Sofia soar pelo corredor.

- David, eu preciso ir. Obrigada novamente por isso, não sabe como foi importante saber que ela acordou e agradeço mais ainda por deixar eu falar com ela, mesmo que foi por pouco tempo. Ah, e se prepara para lidar com as birras dela.

- Talvez pegue alguns calmantes na farmacia do hospital e dopo ela. Assim ela não ficará botando o terror no hospital.

- Não se atreva a nem pensar nisso! - Falei apreensiva  e David caiu em uma gargalhada.

- Até mais senhorita! Tenha uma otima noite.

- Obrigada David, você tambem. E cuide bem da Laur.

- Okay , senhorita! Nos falamos quando tiver mais alguma noticia.

- Obrigada! Tchau.

Suspirei aliava com a conversa que tive. Coloquei a mão em meu coração para conferir o quão acelerado ele batia. Ainda tremendo, entrei no grupo do pessoal da escola onde estava meus amigos e algumas pessoas desconhecida e mandei uma mensagem avisando que Lauren havia saido do coma e que eu ainda falei com ela por telefone. Em questão de segundos, o grupo começou a interagir me perguntando e pedindo  detalhes. Eu deixei eles interagirem entres e eles e mais tarde talvez responderia. Coloquei  meu celular no bolso e desci a escada correndo. Encontrei minha mãe no meio do caminho indo ao meu encontro, então já aproveitei para dar a noticia.

- Achei que tinha dormido sem comer. Estava indo te acordar para Jantar. – Ela disse logo me encarando. – Aconteceu alguma coisa? Você parece que estava chorando. Está tudo bem hija?

- Sim Mama. Esta tudo otimo! – Sorri abraçando ela.

- Então por que estava chorando?

- Lauren...

- Oh meu Deus. O que aconteceu? – Minha mãe pareceu preocupada e eu sorri com isso.

- Ela acordou. Ela acordou e eu ouvi sua voz. Ela falou comigo! – Minha mãe me olhou sorrindo e depositou um beijo na minha testa.

- Seu pai vai ficar contente quando você contar isso!

Descemos a escada e que cheguei na cozinha, encontrei meu pai brincando com Sofia, na tentativa de fazer um origami com o guardanapo de papel. Tentativa um tanto falha ao meu ponto de vista.

- A Kaki chegou! – Sofia disse animada.  – Olha Kaki... Uma flor!

- Que lindo Sofi. – Menti. Aquilo estava parecendo qualquer coisa, menos uma flor.

- Estava dormindo quando sua irmã foi te chamar? – Meu pai me perguntou e eu não deixei de segurar um sorriso.

- Estava no celular, falando com a Lauren! – Sorri e me sentei ao lado da minha irmã.

- Estava falando com quem? – Meu pai me perguntou e me encarou como se tivesse sete cabeças.

- Com a Lauren!

- Filha, você não acha que está...

- Não estou delirando Papa, ela acordou do coma a um pouco mais de uma hora. O Enfermeiro me ligou e eu consegui falar com ela. Era ela. Ela me chamou de Camz.

- Oh, Kaki... Eu fico tão feliz por ela e por todos na verdade. Isso é uma otima noticia e, Nossa, o pai dela deve estar tão contente. Depois temos que ligar para felicita-lo por isso!

Logo após o jantar, meu pai ligou para o pai da Lauren. Eles conversaram durante uns 20 minutos e logo meu pai voltou sorrindo. Ele me disse que Mike falou que ele tinha acabado de desligar o telefone quando meu pai ligou. Havia acabado de receber a ligação do hospital e estava muito emocionado ao saber do novo estado da filha.

Peguei meu celular para ver como estava o chat em grupo. Tinha mais de 102 duas mensagens trocadas entre eles, fora  dezoito da Dinah no privado e cinco da Mani.  Quando estava respondendo as meninas, Ally tambem me questionou a respeito da Lauren. Resolvi abrir um chat para nós quatro e logo Dinah tambem adicionou a Vero, para que ela ficasse por dentro.

Dinah deu a ideia de fazermos uma festa para quando Lauren recebesse alta, o que todas esperavamos que fosse logo.  Eu achei que seria uma boa ideia, Mani tambem foi a favor. Ally disse que ela e Troy poderiam ajudar nos preparativos e só faltava Vero confirmar para começarmos os planejamentos.

Como já estava tarde, combinamos de conversar amanhã na hora do intervalo sobre o plano da festa da Lolo. Me despedi das meninas e fui me preparar para dormir.

 


Notas Finais


Opa... e esse telefonema ai?
Estão infelizes ou felizes?

Dessa vez não demorei viram? lol

Até mais bbys'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...