História Destined To Love You - Capítulo 81


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Exibições 699
Palavras 1.991
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


continuando...

--

Maratona 2/3

Capítulo 81 - Contando aos meus pais pt. II


- Vocês já a conheceram... – Respirei fundo e olhei para ambos. Comecei a mexer em meus proprios dedos por nervosismo.  –  Eu estou apaixonada pela Lauren.

CAMILA POV

Meu pai foi o primeiro a mudar a expressão facial. Ele arregalou os olhos e abriu a boca como se fosse dizer algo, porem nada disse. Ele buscou minha mãe pelo olhar e eu fiz o mesmo. Minha mãe tinha uma expressão indecifrável no momento.

- Lauren? – Minha mãe se pronunciou quando ninguem esperava. -  Claro... Lauren! – Ela riu secamente e negou com a cabeça. – Era mais que obvio, não acha? – Ela perguntou olhando para meu pai, que continuava perplexo.

- O que você quer dizer com isso? – Meu pai perguntou.

- Convenhamos Ale... Camila fugiu de madrugada para ir no hospital quando aconteceu o acidente. Ela conseguiu o numero de telefone do enfermeiro para poder se atualizar do estado da garota. Camila tem seis amigas mais proximas. Dessas seis, de qual ela fala o tempo todo? O tempo todo é sobre Lauren.  Ela sempre dava um jeito de ir para aquele hospital. Agora repensando mais ainda... Não podemos deixar passar a caixa de chocolates que Lauren trouxe para ela a alguns meses atrás. A gente pode ter ficado sabendo disso agora, mas isso não é nada recente. Você me disse que o primeiro lugar que Lauren apareceu depois que saiu do hospital, foi aqui. Não acha muita coincidência essas coisas?

- Okay... Eu ainda estou aqui. – Respondi vendo a interação entre os dois como se eu não estivesse mais ali.

- Por que a Lauren? – Meu pai questionou me olhando ainda mais surpreso. – Quero  dizer, eu sei que ela é uma boa garota, é divertida, conversa bem e é atenciosa, mas filha... Nossos mundos são opostos, você me entende, não é?!

- O que o senhor que dizer com isso? – Questionei tentando entender o ponto de vista do meu pai.

- O que seu pai quer dizer é, que Lauren, vem de uma familia diferente da nossa. Os pais delas são pessoas sucedidas, pessoas de cargo importante publicamente. O meio de vida deles é totalmente diferente do nosso, o convivio deles e lugares frequentados tambem.

- Isso nunca foi um problema para Lauren. Apesar de que, no começo Lauren me tratava com indiferença por causa de eu ser bolsista. Na verdade eu e Ally ela tratava com indiferença. Mas depois nós começamos a nos conhecer e eu vi a que ela não era má. Ela é doce, é carinhosa e atenciosa. Ela não julga nosso meio de vida, isso não parece ser um incomodo para ela. Ela adora vir aqui em casa, conversar com o Papa e brincar com Sofi.  Lauren não jacta-se por tem uma melhor posição social. Ela tem um coração humilde. Foi esses e outros motivos que me fez aprecia-la.

- Eu não sabia que ela desfazia de você. – Meu pai me olhou com tristeza e eu apenas sorri.

- Isso foi no começo, mas não importa mais. O importante é que ambas mudamos os conceitos uma da outra. Eu tambem não gostava dela no começo.

- Mesmo assim... Isso pode não ser um problema agora, já que são amigas. A partir de que isso se torne um relacionamento, você terá que participar de ações da familia dela tambem. Você sabe que é bem mais facil ela ser inclusa em nossa familia do que você ser aceita no meio familiar dela. A familia Jauregui tem um peso na sociedade. Todos são bem sucedidos e eles sempre procuram uma linhagem familiar mais proxima a classe deles.  Já pensou no que seria quando alguem questionasse seu meio de vida? Do que seus pais trabalham?

- Eu não tenho vergonha... bem pelo contrario, eu me orgulho de vocês e do trabalho que tem. É honesto e esforçado. Se hoje sou quem sou, tenho tudo que temos, é graça aos esforços de vocês.

- Isso é bonito. Isso é lindo, na verdade. Eu me orgulho de você, não poderiamos ter uma filha mas espetacular do que você e sua irmã, mas sua mãe tem razão. Lauren e o pai dela são pessoas boas, generosas e humildes de coração. Isso não quer dizer que a familia dela inteira seja. Começamos pelos problemas que ela tem com a mãe. Você me contou sobre como é o relacionamento da mãe da Lauren com os filhos. Eu sinceramente tenho medo de saber como ela reagirá com você.

- Eu amo a Lauren. Eu não me importo de ter que enfrentar comentarios de sua familia. Eu não me importo com os olhares de reprovação sobre a gente, eu não me importo se digam que eu não sou a pessoa certa para ela. Eu a amo e isso é o que importa. Ela me ama tambem e eu sei disso. Enquanto isso for o importante, acho que vale a pena tentar enfrentar qualquer tipo de preconceito e julgamentos.

- Hija  eu acho que você devia...

- Não Mama... – A interrompi já imaginando o que ela pensava em dizer. – Lauren quase morreu, eu quase a perdi e ela está aqui de volta. Ela está bem, ela viva e sem sequelas. Eu tive medo de perde-la. Eu tive medo de nunca poder dize-la que eu a amo. Eu tive medo de nunca mais ouvir sua voz, ver seus olhos e sorriso. A gente já se desentendeu tanto por causa da minha negação a respeito de nós. A gente fica bem quando estamos juntas, mas sempre brigamos por motivos desnecessários, pelo fato da insegurança de saber que não pertencemos uma a outra. Eu tenho medo de alguem aproveite a oportunidade de elas estar livre e a tome de vez de mim. Ela é minha primeira paixão, foi meu primeiro beijo, meu primeiro  amor. Eu não posso perde-la sem ter a oportunidade de ter algo com ela. Me compreendam, por favor.

- A gente entende, acredite...  O que não queremos é que você sofra ou tenha seu coração quebrado sendo tão nova ainda. Nós te amamos e queremos que você fique bem. 

- Eu sei, Papa... Eu não sei o que me espera, mas acredite, eu já sofro por não tê-la. Eu quero tentar e não vou desistir disso. – Meus pais me olharam por alguns segundos. Minha mãe suspirou audivelmente e meu pai acenou com a cabeça.

- Tudo bem... Você tem nossa autorização para namorar com Lauren, mas queremos que ela venha falar conosco depois, entendeu? Não é porque ela é menina e nós a conhecemos, que as regras sobre falar com a familia da namorada será descartada. Nós a conhecemos como sua amiga, agora vamos falar com ela como sua namorada. – Meu pai disse recebendo o consentimento da minha mãe.

- Bom, antes eu tenho que pedi-la em namoro. Tem a hipotese dela não me querer, já que dei tantos foras nela. Não me  surpreenderia se ela revida-se dessa vez. – Respondi lembrando de todas as vezes que a neguei.

- Eu agora estou mais arrependido de ter deixado as duas sozinhas no quarto.

- Alejandro! – Minha mãe o repreendeu.

- Como eu ia saber? No meu tempo, duas garotas num quarto beijavam fotos de caras sem camisa em revista e não ficavam  beijando entre si.  – Meu deu os ombros e minha mãe o encarou com olhos semicerrados.

- Tudo bem... Teremos novas regras. Lauren aqui em casa, será apenas na sala e cozinha. Caso forem ao seu quarto, a porta tem que estar totalmente aberta e sem som ligado. Qualquer barulho suspeito ouviremos aqui de baixo. - Mama me encarou e eu abri a boca em protesto.

- Mama! – Disse em frustração.

- Sem mais.

Abri a boca indignada e meu pai riu.  Eu olhei pra ele com olhar de suplica e ele ergueu a mão e forma de redenção.

- Sua mãe quem manda!

- Isso é tão injusto... – Disse me dando por vencida.

- Outra coisa é que, eu quero que vocês respeitem a presença da sua irmã. Nada de ficar se pegando na presença dela.  Por enquanto não vamos comentar nada com ela. Temos que pensar numa maneira de explicar o que está acontecendo e que ela compreenda da forma correta.  – Minha mãe encarou Sofia que se mantinha adormecida.

- Não se preocupe com isso. E como disse, eu não sei se ela vai aceitar namorar comigo. Meio que eu estraguei varias vezes as coisas entre a gente.

- Com certeza ela vai. Ela deve gostar muito de você!

- Quando pretende oficializar isso? – Minha mãe tomou a frente da conversa.

- O pessoal está organizando uma festa de boas vindas pra ela nesse final de semana. Eu pensei em aproveitar a chance de pedi-la no dia. Dinah vai me ajudar com isso. Quarta vamos comprar um anel e encomendar flores.

- E onde vai conseguir dinheiro pra isso? – Meu pai perguntou um tanto assustado. Acho que pensou que iria pedir dinheiro a eles.

- Eu tenho minhas economias, sabe, dos dias que eu ajudo a Mama lá na loja. Eu guardei tudo.

- Você tem certeza que quer gastar suas economias com isso? – Minha mãe questionou um tanto receosa.

- É o que mais tenho certeza no momento. Eu quero mais do que tudo. Eu a quero.  Vocês não tem ideia de tão maravilhosa Lauren é comigo. Ela cuida de mim e me defendeu uma vez de duas meninas, mesmo ela estando com o braço machucado porque Dinah empurrou e derrubou ela.

- Tinham garotas te importunando? – Meu pai perguntou preocupado e minha mãe me olhou com espanto tambem.

- Elas não me atormentam mais, graças a Lauren.

- Por que nunca ficamos sabendo disso? Por não nos disse? – Meu pai perguntou novamente.

- Não foi preciso. Lauren as parou logo no começo.

- E por que Dinah empurrou Lauren? – Minha mãe agora perguntou.

- Elas estavam brigadas a um tempo. Lauren e eu estavamos brincando e Dinah achou que Lauren estava tentando me machucar e empurrou ela. Lauren caiu de mal jeito e machucou o braço. Mas está tudo bem agora. Todas estamos bem.

- Bom, já está tarde. Acho que deviamos ir dormir! – Minha mãe deixou o livro na mesinha de centro e retirou os oculos. – Tem mais alguma coisa que queira nos dizer? – Ela me questionou e eu neguei com a cabeça. – Acho que tambem não temos mais nada a questionar, certo Ale? – Meu pai assentiu e sorriu pra mim. – Então de agora em diante, as decisões são suas. A única coisa que podemos fazer é dar apoio. Espero que esteja consciente de suas escolhas e acima de tudo, espero que isso lhe faça feliz.

- Eu preciso disso Mama. Eu me arrependerei mais se não tentar.

- Tudo bem. Se assim deseja, tem concedimento para namorar com a Lauren, mas quero que faça as coisas direito, hija. Vocês vão conversar com a familia dela tambem. Não quero nada escondido para depois dar problemas.

- Não se preocupe Mama. Estou ciente de todos os conselhos. Obrigada por isso! – Abracei minha mãe que estava ao meu lado e me levantei indo até meu pai dar um beijo nele. – Obrigada por tornarem isso mais facil do que eu imaginei. Amo vocês.

- Nós te amamos mais! – Meu pai respondeu beijando minha mão. – Agora você pode ir descansar. Já é tarde e amanhã você tem aula.

Dei um beijo em Sofia e logo meu pai a pegou no colo para coloca-la na cama. Eu subi logo em seguida indo para meu quarto para dormir. Me preparei para dormir, ciente que amanhã teria varias coisas para fazer. Essa semana seria unica para mim. Essa semana iria convidar a Lauren para a suposta festa, iria combinar de sair com Dinah para comprar o anel e encomendar as flores para Lauren. Iria ser o dia que daria o primeiro passo para chegar até Lauren. A partir de sexta a noite, meus passos não será mais até ela... Será ao lado dela!

 


Notas Finais


Hey, Chicken's!!
Como estamos até aqui???

Agora que Camila tem o passe livre... Será que estamos evoluindo?

Até mais... :P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...