História Destinos Cruzados - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Homossexualismo, Lesbicas, Lgbt, Sexo
Exibições 104
Palavras 775
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Caps hoje pq sim!!! Meu niver 1.8 aninhos e niver de Camren! Não podia ser melhor! Levando altos tiros da QUINTAS!
Espero que gostem do capitulo!

Capítulo 17 - Uma dose de Amnésia


“-Não sei como você conseguiu o numero da minha namorada e nem sei o que você quer com tudo isso. Mas vou logo avisando que entre nós NUNCA,NUNCA vai haver nada e eu amo minha namorada e você não vai conseguir nos separar,não sei o que houve comigo quando permiti que me tocasse e desculpe se não vai ser eu a realizar a sua fantasia de fazer uma de suas aluninhas a sua putinha na cama”

Não demorou muito e a minha suspeita respondeu

“-Olha Bruna, eu não sei do que você esta falando e nem mesmo sei quem é sua namorada apesar de suspeitar que seja a Fernanda, mas eu não tenho o numero dela e eu tenho valores também. Eu gostei de ti e nunca quis ficar contigo apenas por uma fantasia ou seja lá o  que você pense mas entendi quando você disse que tinha namorada e eu não iria te incomodar mais. Agora não me acuse de coisas que eu não fiz pois eu não sei o que é que esta acontecendo mas sei que eu não fiz nada”

Aquela mensagem me pareceu convincente e me senti envergonhada de ter acusado a minha professora de uma coisa que eu nem tinha certeza.

“Mas se não foi ela, então quem foi?”

Minha cabeça girava e eu nem imaginava quem poderia ter sido.

Acabei dormindo e quando acordei,fui para a faculdade e agi como se estivesse em um piloto automático e mais uma vez a Fernanda não estava na faculdade.

Assisti às aulas sem entender nada e fui para a casa. Troquei de roupa e fui para aquele bar que se chamava ‘Exquisito’ mas dessa vez eu estava sozinha e entrei naquele lugar, sentei em uma cadeira em um cantinho e pedi um Chopp.

Fiquei ali não sei por quantas horas e tive que ir embora quando o garçom me disse que o local estava fechando e que eu precisaria me retirar então paguei a conta e fui caminhando até uma praça que ficava ali perto e sentei em um banco. Fiquei ali até algum horário e fui embora quando o local começou a se encher de garotas de programa e pessoas que faziam suas rodinhas para fumar.

Cheguei em casa e estava com uma dorzinha de cabeça talvez pela bebida ou talvez por simplesmente ter chorado muito e dormi como uma pedra pois aquela sexta feira tinha acabado comigo e eu só queria esquecer tudo o que tinha acontecido.

Acordei e vi que meu pai iria trabalhar esse sábado então coloquei uma roupa decente e mais uma vez liguei meu carro e fui para aquele lugar em que eu achava bonito e que apesar das lembranças eu me sentia bem ali.

O garçom me cumprimentou pelo meu nome e percebi que nós havíamos conversado e eu nem me lembrava então ele veio até minha mesa

-Vai querer um Chopp hoje mona? – Ele era gay com certeza e era super simpático

-Vou sim e me trás alguma bebida forte também, preciso esquecer os problemas

-Aiii mulheres... Por isso prefiro os homens- ele sorriu e eu ri também

-Ah mais aposto que eles também dão problemas

-AAh com certeza e se apostar são até piores que as mulheres mas quando agente gosta não tem jeito neh mona.

-Verdade..

-Vou buscar suas bebidas, só um minuto

-Ok

Aquele era com certeza um bom amigo para se ter e parecia ser legal.

Não demorou muito e ele voltou com as bebidas e a tal bebida forte que eu tinha pedido ele disse que escolheu uma que chamava “Amnésia”, pois achou que era do que eu estava precisando.

Peguei as bebidas e por um momento tive medo daquela bebida, mas não demorou muito e eu virei o copo todo e pedi mais uma e mais uma e mais uma...

Perdi a conta do quanto tomei, mas sei que tudo a minha frente estava escuro e cheio de nuvens quando tentei me levantar.

O garçom que descobri que se chamava Rodrigo me ajudou a sair dali e disse que eu poderia pagar no outro dia. Eu disse que iria andar então ele pegou as chaves de meu carro e guardou meu celular e meu dinheiro para que eu não fosse assaltada e disse para eu ir lá buscar a chave amanhã.

Mais uma vez fui para a praça ali perto e fiquei lá. Não via nada a minha frente, mas o cheiro de maconha e outras drogas que eu nem identificava estavam insuportáveis e mesmo não vendo ninguém eu sabia que elas estavam ali, mas desta vez não fui embora, deitei no primeiro banco que encontrei e apaguei.


Notas Finais


É isso aee! comentem o que acharam!
Só um recado: #HappyBirthdayCamren e #HappyBirthdayFran

Até o proximo caps!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...