História Destinos Cruzados - Capítulo 48


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma, Mills, Once, Regina, Swan, Swanqueen
Visualizações 219
Palavras 2.920
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá galera!!! Eu tardo, mas não falho!!! Cá estou com mais um capítulo pra vocês!
Novamente peço que não me matem e tenham sempre em mente que tudo aqui é por uma boa causa.
Perdoem os erros, e vamos a leitura!!!!

Capítulo 48 - Capítulo 48


Assim que entrou no elevador Regina levou as mãos ao peito e respirou com dificuldade, aquilo não podia estar acontecendo, não agora que ela estava feliz, que tinha Emma ao seu lado. Ainda faltava um tempo para Daniel ser solto, então como ela podia tê-lo visto ali, minutos atrás? Sua mente era puro turbilhão de pensamentos e desespero. Desembarcou no andar de seu destino e deparou-se com Zelena encostada a ilha de enfermagem.


- Gina? - a ruiva aproximou-se. - Gina, o que houve? Você está pálida, como papel... 
- Eu, eu... - as pernas de Regina fraquejaram e a morena só não caiu por ser segura por Zelena.
- Vem, você precisa sentar. - Zelena a apoiou e a guiou até a sala de descanso. - Senta aqui. - aconchegou a amiga e lhe ofereceu um copo de água.
- Eu... eu preciso fazer as rondas... - sua voz saia num fio.
- Você não vai a lugar algum até melhorar e me explicar o que houve. - a ruiva falou séria sentando-se ao lado da amiga.
- Daniel... - sussurrou. - Ele...
- O que tem esse embuste? - brincou.
- Ele estava aqui. - seus lhos marejaram apenas com a lembrança.
- O que? Impossível, esse imbecil tá preso! - Zelena riu.
- Não Zelena! Ele estava aqui, na entrada! Ele falou comigo! - levou as mãos a cabeça em desespero. 
- Não é possível. - a ruiva levantou-se e caminhou pelo pequeno espaço. - Você tem certeza disso Regina?
- Sim! Eu não vou suportar viver aquilo tudo de novo Zelena - a morena já chorava. - Eu não vou suportar!
- Hey hey hey, se acalma! - Zelena se aproximou abraçando a amiga. - Nada de ruim vai acontecer ok? Eu vou ficar por perto...
- Eu tenho medo Zelena... e Emma? - se agarrou mais forte a amiga em nítido pavor.
- Ela sabe sobre ele e sobre a história de vocês? - acariciou os cabelos da amiga tentando acalmá-la.
- Sim, eu contei quando ainda estávamos em Storybrooke. 
- Então fica tranquila, garanto que ela ficará ao seu lado. - Regina suspirou.
- Por que tudo acontece comigo Zelena? - perguntou olhando para a amiga nos olhos. - Por que?
- Minha mãe sempre disse que Deus só nos dá uma cruz que somos capazes de carregar. Você deve ser bem forte aos olhos dele. - deu de ombros.


Regina e Zelena mantiveram-se agarradas ainda por alguns minutos, até que o bipe da ruiva tocou solicitando que ela fosse avaliar uma paciente em trabalho de parto. Regina agradeceu pela atenção e seguiu com a amiga, precisava também iniciar seu dia e já sabia que seria um daqueles bem longos.


-x-


Assim que finalizou sua avaliação, Zelena sacou o telefone do jaleco e discou o número de Olívia.


- Hi Zel. - Olívia atendeu animada.
- Hey Liv... Como está? - perguntou educada.
- Bem, e você? Ruby?
- Estamos bem... Liv, preciso te contar uma coisa importante, e tem a ver com Regina.
- O que tem minha irmã? Ela tá bem? - Zelena suspirou.
- Sim, mas não sei por quanto tempo. Ela chegou pálida ao hospital hoje, quase desmaiou, e quando a questionei o que havia acontecido, ela me disse que Daniel estava aqui.
- O que?! Mas isso é impossível! - Olívia se alterou.
- Foi o que eu disse, mas pelo estado em que ela estava, ele estava aqui sim Liv, eu não sei como mas estava... - Olívia suspirou.
- Zel, me faz um favor, não deixa ela sozinha se for possível... - seu tom preocupado fez Zelena suspirar.
- Ok, pode deixar. Eu vou levá-la em casa quando sairmos, não se preocupe.
- Faça isso, eu vou ver o que aconteceu, qualquer coisa me liga ok?
- Ok.
- Nos falamos depois. Cya.


Com a ligação finalizada Zelena tinha uma missão. Seguiu em direção ao grande quadro no corredor onde constavam todas as cirurgias do dia com os respectivos médicos. Regina estava fazendo uma cirurgia de emergência de um caso que havia chego de última hora na sala 3. A ruiva seguiu para o aquário de onde todos os médicos poderiam observar o que se passava na sala de operações. Sentou-se e ficou a observar a amiga concentrada em seu trabalho. Em nada lembrava aquela mulher atordoada que vira quando chegou. 2 horas mais tarde, o procedimento foi encerrado e Regina se preparava para sair. Zelena seguiu em seu encontro, abordando-a na saída do centro cirúrgico.


- Hey Gina! - sorriu para a morena.
- Oi Zelena. Precisa de algo? - perguntou enquanto retirava a roupa esterelizada.
- Vim te chamar pra almoçar comigo, diz que topa. - Regina sorriu.
- Claro, só preciso verificar meus pacientes com os residentes. Nos encontramos na cafeteria?
- Er... não, eu te acompanho, estou de bobeira mesmo. - deu de ombros.
- Tá bem... - sorriu.


Seguiram então para o corredor dos quartos. Regina cumprindo sua função e Zelena fazendo seu papel, sendo sua sombra e proteção. Almoçaram juntas e na parte da tarde, a situação se complicou quando um parto de emergência surgiu. Zelena precisou se afastar, mas garantiu que seus olhos continuassem vigiando a amiga.


- Hey, Josh, vem aqui. - chamou o jovem residente.
- Sim doutora. - o rapaz respondeu desconfiado.
- Preciso de um favor, está acompanhando a doutora Mills hoje não está? - conversavam enquanto a ruiva caminhava para o centro cirúrgico.
- Sim senhora.
- Ótimo. Preciso que fique de olho nela por mim. Ela não estava muito bem quando chegou e fiquei preocupada. Mas faça isso de maneira discreta ok? Se você notar que ela está estranha, peça pra me biparem imediatamente, entendeu?
- Sim doutora Madder.
- Ok, obrigada, agora vai, vai... - enxotou o rapaz.


Zelena precisava se concentrar em seu trabalho, mas não deixaria jamais sua amiga em perigo.


-x-


Olívia finalizou a ligação com Zelena e andou sem rumo pelo quarto. Nick, que ainda estava deitado a olhava sem entender.


- O que houve amor? - a mulher o encarou parecendo só agora lembrar-se dele ali.
- Regina... - sentou-se sobre a cama. - Lembra que te contei sobre ela ter sofrido abuso de um ex-namorado? 
- O tal que está preso?
- Parece que ele não tá mais e eu não entendo. Ainda faltava um tempo pra ele sair... - passou as mãos pelo cabelo tentando pensar.
- Espera, como assim ele não está mais? - Nick se aproximou da namorada.
- Zelena me disse que Regina chegou estranha ao hospital hoje e contou à ela que viu Daniel na entrada, que ele a chamou... - olhou para o homem ao seu lado. - E se ele tentar algo contra ela?
- Calma, uma coisa de cada vez. - abraçou Olivia de lado. - Primeiro deixa eu saber dessa história direito. Espera aqui, vou dar uns telefonemas.


Nick levantou-se e foi em direção ao banheiro levando seu celular. Olívia jogou-se sobre a cama tentando pensar em algo que pudesse ajudar sua irmã, mas nada lhe vinha a cabeça. Meia hora se passou, e Nick enfim voltou ao quarto, de banho tomado e vestido.


- E aí? - perguntou ansiosa.
- Falei com um promotor amigo meu e ele disse que pelo que ele descobriu, Daniel saiu ontem a tarde da cadeia, teve a pena reduzida por bom comportamento... - sentou-se ao lado de Olívia.
- Mas, e Regina? Quando reduziram não pensaram nela?
- Pelo que ele me disse, ele foi solto com a condição de não se aproximar dela. Uma ordem de restrição.
- Mas então ele infringiu!
- Sim, e se pudermos provar, podemos pedir um mandado e prendê-lo novamente... No momento, posso pedir que alguns amigos vigiem a sua irmã, como uma espécie de escolta.
- Regina nunca aceitaria isso Nick, ela viveu muito tempo refém pra aceitar novamente.
- Então podemos fazer sem ela saber... - deu de ombros. Olívia o olhou.
- Me deixa pensar... 
- Tudo bem, me liga assim que tiver uma decisão. - beijou o topo da cabeça da mulher. - Preciso ir. Te amo.


Olívia ficou ali sozinha pensativa. Queria muito proteger Regina, mas sabia que a irmã jamais a perdoaria caso colocasse escolta sem sua autorização. Ela estava entre a cruz e a espada e precisava tomar uma decisão...


-x-


O detetive Nick chegou a sua delegacia e logo foi informado que seu chefe desejava vê-lo. Pediu mentalmente que não fosse nenhum outro problema e foi encontrar o tal homem.


- Chefe... - bateu na porta e entrou. - Queria me ver?
- Sim, sente-se por favor. - Nick obedeceu. - Uma audiência preliminar foi marcada pro caso do Robin de Locksley.
- Pra quando?
- Hoje a tarde. O promotor do caso gostaria de conversar com você sobre tudo referente ao Robin, e quer vê-lo no gabinete o quanto antes.
- Claro que sim chefe, vou agora mesmo. - levantou-se já para sair.
- Nick! - o chefe o chamou antes que chegasse a porta. - Vai com calma ok? - Nick apenas assentiu.


O detetive dirigiu rapidamente ao prédio onde se localizava o gabinete do promotor. Como sua presença já era esperada, foi logo levado à sala para o encontro.


- Detetive! - uma mulher o recebeu. - Por favor, sente-se!


Nick caminhou até o local indicado ainda sem entender quem era ela.


- Er... desculpe a indiscrição, mas...
- Vou adivinhar. - a mulher se antecipou. - Esperava ver um homem aqui e não uma mulher, acertei? - Nick coçou a cabeça levemente constrangido.
- Sim... - a mulher sorriu.
- Alexandra Cabott - estendeu-lhe a mão. - Fui promovida e designada para esse caso há dois dias. Não houve tempo pra comunicar a mudança, peço desculpas.
- Tudo bem... - acomodou-se melhor ao assento.
- Detetive, preciso saber detalhes sobre o senhor De Locksley...
- Eu... eu não posso dizer muito doutora, o caso do senhor De Locksley não é da minha alçada...
- Mas participou do interrogatório dele, estou errada?
- Não... - sorriu sem graça. A mulher o encarou.
- Um dos detetives do caso me disse que você tem interesse especial em Robin, pode me dizer o por que? - Nick suspirou.
- Tenho plena certeza de que ele armou para que minha cunhada perdesse o registro profissional dela. 
- Como assim? - a mulher arqueou a sobrancelha confusa.
- Robin é ex marido de Regina Mills, cirurgiã-médica no Mount Sinai Hospital. A doutora Mills é irmã da minha namorada, e recentemente foi acusada de erro médico. A questão é que descobrimos que tudo foi armado pelo senhor De Locksley juntamente com um comparsa, que ainda não sabemos quem é. - Alexandra anotou cada detalhe daquela informação.
- E por que ele não foi acusado disso?
- Porque queríamos pressioná-lo pra que ele revelasse quem é a outra pessoa, já que tudo indica que somente ele tem essa resposta.
- Entendo...
- Doutora, peço que por favor, faça o impossível para mantê-lo atrás das grades. Ele perseguiu Regina Mills, e quase destruiu a vida dela. - Alexandra o encarou e suspirou.
- Farei detetive, darei o meu melhor, mas sabe que o processo não pode receber influência desse outro caso sem provas...
- Eu sei, mas precisamos descobrir quem é seu comparsa, ou minha cunhada estará sempre em perigo. - Alex se levantou.
- Eu sei... Bom, preciso me preparar. Aqui está o local e a hora da audiência caso queira acompanhar. - Amaro pegou o papel e acompanhou a promotora até a porta.
- Obrigada doutora.


Nick deixou o gabinete confiante. A promotora lhe pareceu bem firme em seu propósito e mesmo que não fosse o caso principal, ele acreditava que teria chances de pressionar Robin na cadeia. Naquela tarde, o detetive foi até o local da audiência. Estava preocupado com Olívia que até aquele momento sequer havia dado sinal de vida. A audiência de Robin era a seguinte, acomodou-se então em um lugar e aguardou.


- Caso 2387, o povo contra Robin de Locksley. - o juiz pronunciou quando Robin entrou algemado no local. - Senhor De Locksley como se declara?
- Inocente excelência - Robin se pronunciou. Estava visivelmente abatido e mais magro.
- A promotoria pede a renovação da prisão preventiva do réu até o julgamento final, tendo em vista que o mesmo possui meios de deixar o país.
- Excelência, meu cliente tem interesses aqui, residência fixa e trabalho fixo. - o advogado interrompeu Alex.
- Assim como possui interesses fora daqui, e residência em pelo menos mais 2 países.
- Meritíssimo, meu cliente irá provar que nenhum processo foi feito de maneira ilícita e que todo o dinheiro que ele possui é fruto de seu trabalho honesto e árduo. - o advogado de defesa continuou.
- Guarde seu discurso para o julgamento final. - o juiz o cortou. - Vou revogar a prisão do senhor De Locksley mediante fiança, que estipulo em 2 milhões de dólares. O réu deverá entregar seu passaporte e disponibilizar regularmente sua localização caso a fiança seja paga.
- Mas meritíssimo... - Alex tentou.
- Próximo caso! - o juiz berrou. Alex suspirou e olhou para Nick que balançou negativamente a cabeça.


Robin sorriu para o advogado que lhe abraçou. Alex e Nick sabiam, era apenas questão de tempo até que ele estivesse na rua novamente. Mas Amaro tinha planos, se Robin achava que teria liberdade fora das grades das prisões, estava muito enganado.


-x-


Duas horas após o julgamento, Robin já se encontrava dentro do táxi a caminho do hotel que era seu novo lar desde que se separou de Regina. Estava cansado, desejava um bom banho e dormir em um colchão de verdade. Assim que o carro estacionou em frente a entrada, Robin pagou ao motorista e desceu. Três passos, apenas três passos foi o que conseguiu dar, antes de ser interceptado por um homem de altura mediana, forte e cabelo raspado.


- Ora ora, olha só quem voltou...
- Com licença. - tentou passar pelo homem, mas um moreno, que ele reconhecia como o policial que havia lhe prendido o parou.
- Está com pressa Robin?
- Deixem-me em paz. - vociferou.
- Ou o que? - o homem mais forte perguntou rindo sarcástico. - Só viemos te dar um aviso...
- Isso mesmo, então é bom ouvir com atenção. - o moreno completou. Robin nada falou.
- Se acha que porque está aqui fora, está livre, está enganado. Estamos de olho em você De Locksley, e estaremos te observando nos lugares onde você menos esperar...
- Vocês não podem fazer isso...
- Ah não? - o moreno sorriu. - E quem vai nos impedir? Você? Seu advogado? 
- Vamos fazer da sua vida um inferno meu amigo, você vai preferir ter ficado preso. - gargalhou o mais forte.
- O que querem de mim?
- Informação. Sabemos que alguém te ajudou no processo contra sua ex-mulher. Diga quem e te deixamos em paz. - o moreno se pronunciou.
- Não sei do que estão falando...
- Ah não? Quem sabe ele precise pensar um pouco Finn. - o mais forte falou para o amigo.
- É... quem sabe...


Os dois homens abriram espaço para que Robin passasse, mas antes que o homem se afastasse, o policial moreno o chamou.


- Hey Robin...


Não houve tempo de reação, assim que Robin virou-se, o policial mais forte lhe deu um soco no estômago que fez o homem se contorcer.


- Só uma coisinha pra te ajudar a pensar melhor. - piscou sorrindo enquanto Robin tentava se recompor.


Os dois policiais se afastaram sorrindo, e Robin respirou fundo com dificuldade e voltando a caminhar enfim para dentro do hotel onde acreditava estar seguro...


-x-


A noite já caia quando Zelena e Regina deixaram o hospital. A ruivanão precisou de muito esforço para convencer Regina a lhe dar carona, já que a morena estava com medo de deixar o hospital sozinha. As duas caminhavam conversando em direção ao estacionamento quando foram abordadas.


- Oi Regina... - era a voz de Daniel. Regina empalideceu. - Oi Zelena. - o homem se dirigiu a ruiva e sorriu.
- Sai daqui, sai de perto dela! - Zelena se colocou na frente da amiga.
- Calma, eu não vou fazer nada, só quero conversar com a minha mulher. - Regina o encarou pela primeira vez.
- Eu não sou sua mulher. - falou entredentes. Daniel perdeu o sorriso.
- Claro que é, nós nos amamos Regina. - Zelena sorriu debochada.
- E desde quando quem ama faz o que você fez seu idiota? - Daniel apertou o punho e respirou fundo.
- Regina... - ignorou a ruiva. - podemos conversar?
- Nem hoje, nem amanhã, nem nunca! - Zelena respondeu por ela e arrastou a amiga em direção ao carro.
- Você não pode fugir de mim pra sempre! Ouviu Regina! - Daniel gritou de longe quando as duas já entravam no automóvel.


Regina estava pálida, os olhos amedrontados e cheios de lágrima. Zelena assumiu o volante e arrancou dali, deixando o homem que tanto havia feito mal a sua amiga para trás. Daniel suspirou ao vê-la se afastar, ele queria conversar, explicar tudo, pedir perdão, retomar sua vida ao lado dela, e estava indo contra a lei pra isso, não mediria esforços para conseguir, Regina Mills o escutaria nem que fosse a força...
 


Notas Finais


E ai? Como acham que Regina vai reagir a soltura do Robin?
E o Daniel, o que acham que ele quer com ela?
Até Terça people!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...