História Destinos diferentes, Corações iguais. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias João Guilherme Ávila, Larissa Manoela, Originais
Personagens João Guilherme Ávila, Larissa Manoela
Exibições 148
Palavras 2.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


1.144 visualizações, muito obrigado a todos.

Inglaterra lá vamos nós........

Capítulo 15 - Nem posso acreditar que está acontecendo. PARTE II


Fanfic / Fanfiction Destinos diferentes, Corações iguais. - Capítulo 15 - Nem posso acreditar que está acontecendo. PARTE II

                          29 de Fevereiro
                                  LARI ON 
                                        5:00

        20 horas para faculdade

Me remexi na cama, e não conseguir dormi mais. Estava sentindo tantas coisas no momento que era impossível dizer cada sentimento que passa pelo meu corpo como uma descarga elétrica.  Ansiedade. Felicidade. Nervosismo. Medo.  Vontade de mergulha de cabeça nessa aventura. Vontade de pega o primeiro vôo para Europa.  Vontade de chega na faculdade e fazer novas amizades. Vontade de viver cada momento como nunca.

Levantei e fui ao banheiro fiz minhas higienes matinais e quando sair a cama já estava arrumada. Vestir um short moletom solto e um top vermelho, desci meus pais não tinham acordado ainda, nem a Maria, nem ninguém.

Acordei tão cedo assim ?

Subir e fui no quarto do meus pais maravilhosos, abrir a porta e eles dormiam grudadinhos, fiz uma cara fofa e dps peguei o despertador, trocando o horário pra daqui um minuto desperta, sentei, cruzando as pernas, na poltrona que tinha ali perto e em alguns segundos só ouviasse o barulho  ensurdecedor pelo quarto, o fazendo acordarem assustados e me verem sentada.

Gilberto: Meu deus, não tenho mais idade para isso - disse sentado na cama -

Silvana: Filha, o que faz aqui ?

Eu: Vim acorda meus pais maravilhosos, meu vôo sai as 11 horas e quero passa um tempo com vocês!

Silvana: Owwww

Gilberto: Mais que diabos é esse.  São 5:30 da manhã. - disse chocado -

Eu: Não conseguir dormi mais, desculpem.

Gilberto: Tudo bem. Vem vamos toma café.

Eu: A Maria ainda não acordou.

Silvana: Então va acorda ela,  com cuidado, que já descemos

Eu: Viu mãe

Desci as escadas e fui até o quarto de Maria, a acordei calmamente e ela me abraçou assim que me viu.

Maria: Vou sentir tanto sua falta pequena - disse no Abraço -

Eu: Também vou Maria. - ela sorriu e eu tbm - Agora vem, vou te ajuda no café

Fomos pra cozinha e quando começamos a fazer as panquecas meus pais apareceram e se juntaram a nós,  minha mãe fazendo a salada de frutas e meu pai o seu famoso detox e suco de acerola com laranja.

Todos já na mesa, inclusive a Maria, tomavamos café e depois conversamos. Após limpa tudo, Maria foi arruma minha roupa para viagem, e algumas coisas que faltava na minha mala, e eu e meus pais ficamos na sala pondo a conversa em dia.

Gilberto: Tem um casal na Europa,  que mora perto da Universidade de Oxford, falei com eles e, eles concordaram em te ajuda quando você precisa. - disse com a voz triste -

Eu: Obrigada Pai - o abracei -

Silvana: Sabe que qualquer coisa pode nós ligar e iremos o mais rápido possível para lá ne ?

Eu: Sei siim mãe,  vou sentir tanta falta de vocês. - demos um abraço em família - Nunca estivemos tão longe um do outro e agora eu vou fica a quilômetros de distância - disse e meus olhos marejaram -

Silvana: Mas isso não vai nós impedir de conversa, de nós sentimos perto uma da outra - disse e percebi a tristeza em sua voz -

Gilberto: Te amamos filha - disse e nosso Abraço fico mais forte, quando Maria chegou me chamando para o banho já estavamos todos chorando -

Maria: Desculpe

Gilberto: Tudo bem Maria

Silvana: Vai lá filha

Eu: Amo vocês - dei um beijo na bochecha dos dois e subir com Maria atrás - Vou toma meu banho - disse assim que entrei no quarto -

Maria: Espere, quero te da uma coisa - tirou uma caixa do bolso e me entregou com um sorriso e os olhos brilhantes - Não é muito mais é de coração

Abrir e tinha um bracelete dourado escrito "Princesa LM", ao redor tinha a torre eifflel, uma coroa brilhante, uma pequena casa, uma menina, um microfone e por último um violão que era roxo.

Eu: Maria isso deve ter sido caro - disse admirando o presente -

Maria: Venho juntando dinheiro desde que Dona Silvana anúncio que estava grávida, sabia que iria me apega a criança que nasceria e me apeguei a você,  você foi como uma segunda filha para mim, e eu te amo tanto, não sei como vou suporta te ter tão longe.

Eu: Owwn Maria, muito obrigado - a abracei e ela chorou - Também te amo, como uma mãe,  vou sentir tanto sua falta - ela me apertou em seus braços -

Maria: Agora vá,  se não ira se atrasar - ela disse após alguns segundos do abraço - Sua roupa está lá dentro junto com seu sapato e acessórios

Eu: Muito obrigada 

Sair saltitante para o banho, tomei meu, maravilhoso e delicioso banho e vestir um vestido justo que ia até três dedos depois do joelho. A parte de cima com manga longa rendada um cinto um pouco acima da cintura dourado, e justo até abaixo do joelho,  marcando minhas curvas, o vestido era todo branco, meu salto médio e uma make simples e cabelo em um rabo de cavalo con fios soltos. Peguei minha bolsa que estava na cama com alguns itens básicos e meu fone grande, peguei também meu sobretudo branco com detalhes preto. Desci as escadas e já era nove horas, meus amigos estavam lá.

Todos bem arrumados, e com semblantes triste,  como eu, que segurava o choro, nunca deixei São Paulo, nunca me afastei de meus pais,  nunca deixei meus amigos, nunca fui para o exterior e agora, agora to fazendo tudo de uma vez só. Os mesmos me olharam quando ouviram o barulho do salto, eu estava com a bolsa e o sobretudo em um único braço, eles se levantaram e eu deixei minhas coisas de lado e abracei eles, me joguei nos braços de Jorge, e logo sentir Fabi, Carlos e Carla de juntarem num Abraço em grupo, pude ouvir Carla e Fabi chorando, o abraço se desfez e eu as abracei, e acabei por derrama algumas lágrimas,  agradeci por não ter exagerado na maquiagem.

Eu, Jorge e Carla pegaríamos vôos com horários diferentes. Primeiro Carla que irá as 10 horas para o Canadá e será a primeira a nós deixa, depois Jorge, que 40 minutos depois nós deixaria,  e por último eu, que em 20 minutos estaria no avião.  Fomos todos no carro grande, meus pais em outro carro atrás de nós.  Ao chegarmos fomos todos para a área de embarque para esperarmos os vôos,  nós 5 sentamos em um banco, e ficamos todos abraçados, sem dizer nada, as lágrimas falavam por nós. O tempo passou e faltava pouco de 15 minutos para  a Carla embarca.

Segue e enfrente

Não deixe que isso acabe

Com sua esperança

E moleque

Tudo o que quer acreditar

Só buscar, que alcança.

Mas menino, quem não te conhece

Mal sabe o que pode esperar de você

Seus sonhos e suas vontades loucas

De sair para viver

Só não vá perder a direção

Só não vá perder a direção

Quando seu vôo foi chamado, nós olhamos com tristeza e nos levantamos. Nós abracando e nós despedimos. Ela se foi, e nós ficamos chorando, Carlos foi o que ficou mais sem chão e depois disso não parou um minuto de chorar.

Não se deixe levar

O vento só leva quem sabe onde quer chegar

E você tem que acreditar

Onda dor mar

Seu castelo pode derrubar.

Não se deixe levar

O vento só leva quem sabe onde quer chegar

E você tem que acreditar

Onda dor mar

Seu castelo pode derrubar

40 minutos depois foi o Jorge. Com a mesma despedida que a Carla teve, e dessa vez eu e Fabi desmonoramos, ele era o mais velho da turma. Ele me deu um último beijo antes de ir e a sensação de despedida predominava, entre lágrimas o beijo terminou e ele se foi. Abracei Fabi, eu era a próxima.

Segue em frente

Não deixe que isso acabe

Com sua esperança

E moleque

Tudo o que quer acreditar

Só buscar, que alcança.

Mas menino quem não te conhece

Mal sabe o que pode esperar de você

Seus sonhos e suas vontades loucas

De sair para viver

Só não vá perder a direção, não

Só não vá perder a direção, não, não

Meu vôo foi chamado e eu não sabia mais onde arranjava tantas lágrimas,  abracei meus dois amigos e me despedi deles. Abracei meus pais e chorei mais. Após o beijo na testa que recebi dos 4 presentes eu peguei meu sobretudo e minha bolsa e fui para sala de embarque,  entreguei minha passagem e olhei para trás eles acenaram e eu devolvi o jesto, peguei minha passagem e andei pelo corredor de vidro até o avião, ao entra ainda pude ver eles lá pela janela e os vi abraçados, partiu meu coração ter que deixa-los, mas era  preciso. O avião decolou e eu definitivamente os deixei. Botei meu fone, e fiquei olhando pela janela, ainda chorando.

Não se deixe levar

O vento só leva quem sabe onde quer chegar

E você tem que acreditar

Onda do mar

Seu castelo pode derrubar.

Não se deixe levar

O vento só leva quem sabe onde quer chegar

E você tem que acreditar

Onda do mar

Seu castelo pode derrubar.

Onda do mar

Seu castelo pode derrubar.

Onda do mar.

                                    JOÃO ON
                                     14:00

Acabei de acorda, cheguei na Europa era sete e pouca da manhã no horário do Brasil. Do Brasil para Inglaterra tem um fuso horário de 3 horas de diferença, no  caso cheguei aqui dez horas. Agora mesmo são duas da tarde, quando no Brasil falta um hora para o meio-dia, tenho que me adaptar rápido a isso.

Estou na Inglaterra, cidade da Europa onde fica a minha universidade, ou faculdade,  pra mim tanto faz. Já estou em um dos meus quartos da Universidade de Oxford, vou dividir o mesmo com mais dois garotos que ainda não chegaram.

Aqui tem um sistema. Dormi no campos quem é bolsista,  por não ter moradia na cidade. Então você sempre vai saber quem é, e quem não é bolsista. Temos aulas normais pela manhã, e a tarde estudamos, fazemos reforço, ou matérias extras, para todos são assim, sem restrições,  podemos descansa e ficar com amigos, escolha nossa.  Os bolsistas,  no caso eu, só podem ir para casa em feriados grandes, como ação de graças,  São João, que eu acho que eles não comemoram não sei, Natal e Ano novo entre outros que ainda não to por dentro. Assim temos horários,  um sinal toca no "prédio" onde moramos e esse é o sinal de que devemos está saindo para aula, e outro sinal toda as dez da noite para avisa que devemos ficar na nossa casa, pós já não podíamos passear por aii. Aqui tem dois prédios dentro do campos além do da escola e é imenso, esses são divididos,  meninos e meninas, cada "casa" mora de 3 a 4 pessoas. Digo casa entre aspas por ser algo meio louco. A minha tem dois andares, em baixo uma sala média,  e uma cozinha também média,  um quarto com 3 cama , e um banheiro grande, fora os moveis,  eram todos em madeira, nada muito modernão mais razoável.  Acredito que todas as casas aqui sejam assim. Todo mês recebemos alimentos que são escolhidos por nós, como uma lista de compras,  tem um tablet próximo ao armário,  com itens onde selecionamos uma semana antes do mês acaba, e enviamos, não sei para quem,  mais no primeiro dia do outro mês já batem na porta entregando tudo. Fora outras coisas, regras e etc.

Como sei de tudo isso ? Quando cheguei,  cansado e só desejando a cama, um senhor de idade entre 40 a 45 anos me apresentou algumas coisas, e me contou tudo isso, ainda falta muito para eu conhecer, mas amanhã haverá um tuor pela universidade e pelo campos, para todos conhecer e ficar ciente de tudo. Vou cursa a área de Cirurgia Geral. É a especialidade médica cuja área de atuação compreende: Cirurgia Abdominal, Cirurgia videolaparoscópia e Cirurgia do trauma. Parece complicado,  e realmente é, mas é meu sonho e não vou desistir dele.

Fui ao banheiro e tomei um banho, botei uma bermuda preta e  uma blusa de manga longa por causa do frio.  Comecei a arruma minhas coisas,  minhas roupas, sapatos e etc em meu guarda-roupa individual. Botei meu fone e comecei meus afazeres, organizei meu material da universidade. E tudo mais. Levei horas nisso, quando ve já era 17 horas, o tempo ainda nublado não me fez perceber o horário,  tirei meus fones e ouvir a porta do andar de baixo ser aberta e duas vozes se divertirem, o assunto estava empolgante, pois falavam alto. Fiquei pelo quarto mesmo,  logo dois meninos subiram, um loiro dos olhos marrom-esverdeado,  e um branquinho dos olhos azuis e cabelos moreno, ambos pararam de rir quando me viram, continuei com meus afazeres apenas dei um Oi. Logo eles largaram as bolsas nas camas que sobraram. 

Xxx: Oi, qual seu nome ? - o moreno perguntou -

Eu: João

Xxx: Prazer, me chamo Matheus e esse é o Luiz

Luiz: Fala - disse e acenou -

Eu: Bele - fizemos um toque -

Matt: É novo por aqui ? - disse abrindo a bolsa -

Eu: Sou, vocês já  conhecem ? - perguntei por curiosidade, aii não precisaria  espera até amanhã -

Luiz: Nosso segundo ano aqui

Eu: Aah

Luiz: E você ?

Eu: Primeira vez

Matt: Então cê não conhece nada por aqui ?

Eu: Não - rir fraco -

Luiz: Vem que vamos te mostra tudo

Eu: Tu acabou de chega, descansa e arruma suas coisas, depois vocês me mostram tudo por aqui

Matt: Não,  vamos agora.

Ele me puxou e descemos as escadas.

                 

                   13 horas depois

                                  LARI ON

O avião pousou e eu olhei meu celular, marcava meia-noite só que do nada atualizou e estava lá três da manhã, aii me lembrei do fuso horário. Peguei um táxi e passei o endereço da Universidade e em alguns minutos estava lá. Pela carta descubrir o número da casa onde moraria no campos, 16. Ao entrar estava tudo escuro então liguei a lanterna do celular, subir as escadas que dava pros quartos,  ao abrir a porta tinha duas meninas dormindo, uma na cama do meio, e outra na cama perto da porta do banheiro, restando apenas a cama próximo a grande janela.  Botei minha bolsa na mesma, minha mala já estava no quarto então abrir a mesma e com a lanterna peguei meu babydoll e outras coisas, fui ao banheiro e fechei a porta.

Botei meu babydoll pendurado no gancho que tinha ali, minha pasta e escova de dentes, tirei meu salto e o botei embaixo da pia, tirei meu sobretudo e em seguids com dificuldade puxei o zíper das costas do vestido, depois de tirar toda a roupa prendi me cabelo em um cook folgado e adentrei o box, ligando o chuveiro e deixando a água morna escorrer por meu corpo. Minutos depois eu sair e vestir minha roupa de dormir sem calcinha, como sempre fazia quando não estava naqueles dias, e passei um papel úmido com produto de limpeza da pele, retirando toda make e joguei o mesmo no lixo. Peguei minhas coisas e sair do banheiro desligando a luz, fui em direção a cama e ao chega lá botei minhas roupas em cima da mala que estava ao lado, me deitei e peguei meu carregador o ligando na tomada ao lado da cama. Em pouco tempo adormeci.

                              8 da manhã
                                 1 de Março

Ouvir um grande barulho de despertador, como um sinal de escola, então me embolei na cama e me virei ao abrir os olhos me assustei dando um pequeno grito, e cai da cama, bufei e as meninas que ve dormindo na noite passada estavam sentada na cama ao meu lado me olhando. Me levantei do chão e sentei na cama, sem esperar eu dizer uma palavra elas pronunciaram juntas:

Xxx: Booom Dia - disseram em coro -

Eu: Bom dia - disse ainda sonolenta,  não tinha dormido nada - Que horas são ?

Xxx: São exatamente oito horas - disse a morena dos cabelos cacheados e olhos castanhos - Qual seu nome ?

Eu: Larissa Manoela e o de vocês ?

Xxx: Eu sou a Ayla e essa e a Lara - disse apontando para a menina ao seu lado, ela é linda, cabelos lisos ruivos com uma franja meiga, olhos verdes iguais o meu, um sorriso lindo. 

Eu: Oi, é um prazer 

Lara: Digo o mesmo

Ayla: Acho melhor você se apressar!

Eu: Por que?

Lara: Vai ter uma apresentação da escola e do campos, onde o espeto Gustavo vai mostra tudo para nós. 

Eu: Aah, então eu já vou.

Me levantei para tomar banho, e me arruma.

Nem posso acreditar que está acontecendo,  estou mesmo na Universidade numero dois da Europa, estou mesmo na Inglaterra, meu deus. - Pensei radiante indo saltitando para o banheiro -

                                  AYLA ON

Eu: Lara,  essa menina é a copia feita de você, só que loira - disse após a Larissa sair -

Lara: Não mesmo, ela só tem os mesmos olhos e mais nada - disse tentando fugir da verdade -

Eu: Me engana que eu gosto - falei irônica - Você sabe que é verdade.

Lara: Aii me deixa Ayla - disse nervosa com assunto e se levantou, saindo - Encontro vocês lá,  tchau - disse alto pra Larissa ouvir -

Larii: Tchau. - disse do banheiro -

Eu: Tchau.

Elas são gêmeas por acaso ? A Lara sabe que elas são idênticas, só não quer admitir. Aff, menina chata. - pensei.


Notas Finais


Vocês devem ta pensando, nossa finamente.

Música de hoje: Segue em frente - Banda Fly ( acústico )

Me digam o que acharam..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...