História Destiny - Posennig (Scalia) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Tags O'broden, Pennig, Posennig, Scalia, Stydia, Teen Wolf
Visualizações 177
Palavras 3.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Saga
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, pessoal! A única coisa que eu tenho que pedir pra vocês é desculpa, por ter atrasado tanto na att. Cara, eu fiquei com uma preguiça do caramba pra terminar de escrever o capítulo, mesmo tendo o final pronto. Sem contar que eu tô todo embolado com coisas de escola, então isso também não ajudou muito. Mas enfim, mesmo assim eu tenho que agradecer a vocês, porque mesmo com o meu atraso, nas ultimas semanas a fic vem dando muito resultado, e muitas pessoas estão favoritando e mandando mensagens. Valeu mesmo, vocês são demais!

Fiquem com o capítulo.

Capítulo 11 - Destructive


Point Of View Of Shelley Hennig

6 Meses Depois

Paz. Era tudo o que eu tinha agora, apesar de toda aquela correria que vinha acontecendo na minha vida ultimamente. Eu e Tyler estávamos juntos a algum tempo, mas isso ainda era um segredo. Nós dois decidimos que não estávamos preparados o suficiente para contar para todo mundo. Principalmente depois de todos saberem o que aconteceu entre eu e ele anos atrás.

Enfim, o trabalho anda muito bem. As gravações da primeira parte da terceira temporada andam bem, e apesar da minha aparição direta em apenas um episódio, eu fico por trás de tudo, olhando cada cena que meus amigos fazem. E bom, era exatamente o que eu estava fazendo agora, olhando para Dylan e Scott terminarem a última cena deles hoje. E agora, exatamente, eles haviam a terminado e estavam vindo em minha direção.

- Cansado, Ty? – pergunto mesmo antes de ele chegar.

- Você não sabe o quanto! Estou aqui desde ontem, preciso dormir um pouco, por isso vou pro trailer. E você pode me encontrar lá se quiser – ele sussurra em meu ouvido rapidamente enquanto passa por mim.

Dylan me olha, semicerrando os olhos.

- O que foi, ele não disse nada – tento argumentar.

- Nada que eu tenha escutado.

Eu apenas fico sem expressão, sem ter como rebater o que ele havia acabado de dizer.

- Parece que seremos bem íntimos durante as próximas cenas, não é, Hennig?

- Parece que sim, O’brien.

Para mim, tudo o que ele falou ali não passava de uma brincadeira, afinal, eu não hava lido o Script da segunda parte da temporada, o que me deixou um pouco confusa.

- Você não leu o Script novo, não é?

- Não...

- Merda – consigo ouvir ele cochichar para si mesmo perfeitamente.

- O que tem no Script novo que eu ainda não sei?

- Uma surpresa. Mas, bom... eu não quero estragar mais nada do que eu já estraguei agora.

- E eu deveria te matar por isso, não acha, Dylan? – a voz de Jeff aparece por trás de mim.

- Eu estou no trailer se precisarem de mim – Dylan sai apressado.

- Shelley – Jeff me chama, e eu me viro para ele. – Poderia vir até a sala do roteiro comigo, por favor?

- Claro.

Saímos do set e caminhamos por dentro dos backstages até chegarmos na sala dos roteiros, onde eu achava que teria mais alguém a minha espera, mas me surpreendo, por ver apenas Jeff e eu ali.

- Bom, Shelley, como você sabe, as gravações da primeira temporada estão acabando, e nós finalmente teremos um pouco de descanso até o começo das gravações da segunda parte da temporada. E com isso, nós estamos fechando nosso elenco da próxima fase, e é sobre isso que eu queria falar com você.

- Sou toda ouvidos.

- Sua primeira cena foi ótima.

- Obrigada.

- E com isso, nós percebemos que você é uma ótima atriz, mas que Malia não teve uma oportunidade para se desenvolver já que apareceu em apenas um episódio, sendo assim...

- Vocês não querem mais que eu participe da segunda parte, certo? – presumo, desapontada.

- Não, pelo contrário, nós queremos você não só na segunda parte da terceira temporada, mas sim nas temporadas futuras também. E é por isso... – ele tira um bolo de papéis da gaveta da sala e bate-as em cima da mesa, as ajeitando -... que queremos você efetivada na MTV e na série.

- E o que é isso?

- Um contrato. Propõe que você seja da MTV a partir de hoje, oficialmente. E tem garantia de três anos.

- Três anos? É bastante tempo.

- Algum problema?

- De forma alguma! Eu simplesmente amei isso! – quase grito.

- Você só tem que assinar na linha sublinhada da última folha, eu posso te dar um tempo para ler e...

- Você tem caneta?

Ele me olha com espanto.

- Você não acha que eu deveria ter motivos para duvidar do contrato de vocês, ou acha?

- De jeito nenhum, eu só acho que...

- A caneta.

Ele abre a mesma gaveta em que pegou os papeis e de lá tira uma caneta preta. Assino na linha em que preciso, e finalmente, me sinto um membro efetivo da MTV, e da série, que é mais importante. Eu não poderia estar mais feliz!

- Bom, bem-vinda oficialmente, Shelley. E, antes que eu esqueça, aqui está o Script da segunda parte da temporada. O pessoal ainda tem uns dias de gravação, mas você pode tirar seu mês de férias, nós voltamos a gravar com você no dia 24, tudo bem?

- Tudo ótimo. E... obrigado por tudo que você tem feito por mim, tem sido muito importante para a minha vida em um todo.

- Foi uma coisa que eu prometi à sua mãe antes de te convidar para trabalhar aqui, comigo. Prometi a ela que você seria feliz aqui. Estou apenas cumprindo meu dever.

Apenas corro de volta para ele e dou um enorme abraço em forma de gratidão.

- Obrigada mais uma vez.

Me desgrudo de Jeff e saio da sala em direção ao trailer, com algumas poucas lagrimas saindo de meus olhos. Dessa vez eram de felicidade.

Eu estava muito animada, em geral. Eu ansiava pelo momento em que abriria a porta do trailer e contaria para o Tyler sobre a minha novidade, mas o que vejo é algo totalmente diferente. Tyler e Crystal estão sentados na cama. E digamos que ela está relativamente... perto dele.

Tyler consegue me olhar de relance e levante imediatamente da cama.

- Shelley!

- Tyler.

Crystal olha para mim assustada.

- Eu já estava de saída.

- Achei a mesma coisa – me referi a ela, abrindo a porta do trailer e deixando um pequeno espaço de passagem.

Ela se dirige até mim, quase saindo, e tenta falar comigo.

- Não aconteceu nada aqui, Shelley. Não se preocupe.

- Ainda bem, Crystal.

Ela sai do trailer e eu imediatamente bato a porta do veículo.

- Que merda é essa, Tyler? Por acaso é esse o motivo de você ter vindo pra cá depois de ter acabado a cena. Ficar com ela?

- Claro que não, Shell. Eu cheguei aqui e ela já estava dentro.

- E desde quando ela entra aqui quando quer?

- Desde nunca, eu não sabia que ela entraria. O trailer sempre fica aberto, e isso nunca aconteceu antes...

Olho ele de relance e ele se aproxima, segurando meus braços.

- Eu juro!

- Dessa vez eu vou acreditar em você. Mas não pense, por um segundo, que eu vim trabalhar aqui sem antes ter visto todas as temporadas primeiro. Conheço o histórico de vocês dois.

- Não se preocupe, eu te amo, nunca te trairia – ele me responde, me dando um beijo logo em seguida.

Rompo o beijo e retomo o ar.

- Eu fui efetivada hoje – digo, sorrindo logo em seguida.

- O quê?!

- Você não gostou? – minha expressão muda.

- Claro que não! Eu amei, Shell. Temos que comemorar!

- Não acha muito cedo? Ainda temos 3 anos juntos, pelo menos aqui.

- Um contrato de 3 anos consecutivos? Você tem muita sorte! – ele me abraça apertado.

- Por que sorte?

- Nenhum de nós daqui tivemos um contrato de anos consecutivos. Sempre renovamos anualmente ou saímos.

Logo depois que Tyler diz tudo isso lembro da frase de Jeff. ‘’Estou apenas cumprindo a minha promessa’’. Ele estava me fazendo feliz.

- Bom, nesse caso, realmente temos que comemorar!

- Que tal sairmos pra jantar? – ele sugere.

- Hm... romântico, não?

- Talvez eu não esteja pensando no jantar, e sim... na sobremesa – ele sorri, sacana.

- Seu safado! – Sorrio juntamente com ele, e logo após ele me beija de forma quente e de certa forma, até bruta.

Ele passa seus lábios da minha boca para meu pescoço, e eu sou obrigada a recuar.

- Depois – sorrio, mordendo os lábios.

- Então vamos logo! – ele me puxa com rapidez e nós dois saímos do trailer, entrando rapidamente em seu carro e partindo para o restaurante mais próximo.

&&&

Abro os olhos. A pequena linha iluminada que vem da fresta aberta da cortina ilumina parcialmente o quarto. Me viro para o lado e percebo a falta de Tyler. Imediatamente pego meu celular e vejo que ele deixou uma mensagem há 40 minutos atrás.

Ty: Tive que sair, amor. Tenho uns compromissos com o Dyl hoje. A Crystal convidou todo mundo pra ir na festa de despedida dela hoje à noite, na casa dela. Eu espero que você vá, mas se você não quiser eu fico com você e a gente vai no cinema. Te amo. Do seu lobão.

Sorrio lendo a última parte e começo a pensar na seguinte frase: ‘’E que lobão’’. Levanto rapidamente da cama e ouço meu celular bipar novamente. Dessa vez era Holland.

Holl: Você tá no apartamento, né?

Eu: Sim, por quê

Holl: E por acaso vocês... fizeram aquilo?

Eu: E qual o motivo da curiosidade?

Holl: Eu estou voltando para aí e.... digamos que eu não quero encontrar resquícios de algumas coisas.

Eu: Nós usamos camisinha, relaxa.

Holl: Eu não tô falando dessa hora não, amor. Talvez um oral vazado e...

Eu: Ew! Não!

Holl: Só pra saber mesmo. Vou chegar aí em uns 30 minutos, o transito tá horrível.

Coloco meu celular sobre o criado-mudo e me levanto da cama, indo até o banheiro do quarto para começar meu dia ‘’oficialmente’’. Escovo os dentes, e logo após lavo meu rosto, enchendo minha mão com a agua fria que saía da torneira.

Vou até meu guarda roupa e o abro, pegando uma calça de moletom preta e uma blusa amarela de seda. Em seguida, desço para a cozinha, logo mexendo nos armários na tentativa de procurar algo para comer. Abro os armários e resolvo comer a primeira coisa em que bato os olhos, pão de forma. Em seguida, abro a geladeira e pego o creme de amendoim que eu havia comprado anteontem quando fui no mercado.

Sento na mesa e tiro uma fatia de pão do pacote, e passando com abundancia o creme de amendoim com o auxílio da faca. De repente, ouço o barulho da fechadura da porta e a vejo abrir.

- Cheguei!

Holland entra pela porta com no mínimo umas cinco sacolas... em cada braço.

- Meu Deus! – exclamo, levantando da cadeira e indo ajuda-la. – Pra quê tanta sacola?

- Compras! Hoje à noite vai ter a festa da Crystal, e nós precisamos ar-ra-sar – ela diz, dividindo a palavra em silabas.

Eu simplesmente não digo nada, apenas volto a sentar na mesa e comer meu pão.

- O que foi? Achei que estaria mais animada.

- Eu nem sei se eu quero ir.

- Mas por quê? – Holland coloca todas as sacolas no sofá e logo em seguida senta na mesa a minha frente.

- Sei lá, não quero ir.

- Ei – ela olha para mim com um olhar desconfiado. – Todos os nossos ‘’nãos’’ tem algum motivo por trás deles.

- Ontem o Jeff me avisou de que eu havia sido efetivada na MTV com um contrato de 3 anos, e de que eu participaria das três temporadas seguintes da série. Eu fiquei muito alegre pra contar pro Tyler e eu fui pro trailer fazer isso, mas eu cheguei lá e encontrei o Tyler e a Crystal sentados na cama um do lado do outro.

O queixo de Holland abaixa imediatamente e sua boca forma um perfeito ‘’O’’.

- Oh meu Deus. Eu não acredito!

- Sim, acredite.

- Mas você não acha que Tyler pode ser capaz de ter feito algo, não é?

- Eu não desconfio dele, mas de qualquer forma, não estou mais tão segura sobre ela perto dele.

- Eu sei que você e Crystal não se conhecem tanto, mas ela é uma ótima pessoa, pode acreditar. Nós nos conhecemos a três anos, mas paramos de se falar uns quatro meses antes e você chegar.

- Por quê?

- Nem eu sei. Ela simplesmente se distanciou.

- De qualquer forma, não me importa...

- Shell – ela me olha com um olhar penoso. – Você deveria ir. Eu tenho certeza de que nada vai acontecer entre eles dois na festa. Além do mais, a Crystal está se despedindo da MTV. Ela também vai sair da série. Vai ser a última vez que veremos ela. Não vale a pena faltar.

- E quem mais vai?

- Vai o Dylan, a Arden, eu, você, o Tyler, o Hoechlin, e até o Colton.

- Mas o Colton não tinha saído na segunda temporada?

- Exatamente! Mas ele vai ir pra festa pra se despedir da Crystal. Vamos Shelley!

Eu olho para ela com aqueles olhos verdes pidões e começo a pensar. Eu não teria nada a perder mesmo.

- Ok, eu vou.

- Ah, que maravilha! Eu já comprei tudo o que vamos usar!

- Você comprou por mim?

- Claro. Se eu pedisse pra você, você nunca compraria comigo. Vem logo, para de comer e ver experimentar as roupas – ela logo levanta da mesa e pega todas as sacolas, as levando para o quarto.

A única coisa que me resta é aguentar as próximas horas ao lado de Holland me fazendo experimentar milhares de roupas escandalosas e caras. Bom, vamos lá...

&&&

Horas Depois

- Holland, pelo amor de Deus, que horas nós vamos sair daqui? Pelo que você disse a festa já começou... a uma hora.

- Calma aí, estou terminando o batom – ela responde de dentro do banheiro.

Holland sai do banheiro esplendorosa com um vestido preto com estampa de flores por todo ele. Já eu, estava com um vestido salmão com o corpo transparente, onde eu usava um sutiã e um short de mesma cor por baixo.

- Chegar atrasado é chique – ela me diz. Com um sorriso brincalhão no rosto.

- Mas eu não gosto.

- Não gosta? Ou só quer ver o namorado?

- Vamos logo, Holland – apenas não a respondo e saio do quarto.

Ela vem atrás de mim, e depois de quase um dia inteiro se arrumando, nós finalmente saímos do apartamento. Na nossa saída do elevador, quase todos os olhares do saguão eram voltados para nós e algumas pessoas chegavam a abrir a boca, por mais que fosse pouco.

Entramos no carro, que já estava na porta no hotel, e Holland começou a dirigir, indo em direção a festa.

- Vão ter paparazzi?

- O quê? – ela pergunta.

- Eu quero saber se terão paparazzi na porta da casa dela.

- Bom, por mais que nós não sejamos aquelas pessoas que temos paparazzi grudados na nossa cola dia e noite, é bem provável que um ou outro estejam sim na porta dela. Mas não se preocupa, nada demais a ponto de nos incomodar, ou coisa do tipo.

Nosso hotel e a casa de Crystal não eram muito longes uma da outra, e eram até no mesmo bairro, mas a diferença era que a casa de Crystal era em um espaço mais reservado enquanto o hotel ficava quase no centro da cidade. De qualquer forma, não demorou muito até chegarmos na cada da Crystal, assim como não demorou muito para ficarmos de boca aberta com a quantidade de paparazzi na frente da casa dela. Quase que como um Urubu esperando a primeira presa aparecer pra acabar com ela.

- Holland, você não disse que eram apenas um ou outro? – pergunto assustada, abaixando a cabeça.

- Mas são...

- Devem ter pelo menos 20 ali, talvez mais.

Ela desliga o carro e estaciona um pouco longe do portão, onde nós entraríamos na casa.

- Como vamos entrar ali? – pergunto.

- Já mandei mensagem pra Crystal. Os seguranças dela estão no portão nos esperando.

- Ok, agora que chegamos aqui, vamos sair...

Eu e Holland saímos do carro de fininho, e conseguimos pelo menos sair do carro intactas e ser sermos notadas. Mas no exato momento em que o alarme do carro tocou para bloquear as portas, a única coisa que eu consegui ver foi uma enxurrada de pessoas com câmeras e flashes vindo para cima de nós.

- Corre, Shelley!

Antes mesmo de Holland terminar a frase eu já tinha saído do lado do carro a muito tempo. Demos uma pequena corrida até chegar ao portão da casa e ser rodeadas por inúmeros seguranças. Eles formaram um círculo em volta de nós duas, e depois de 20 segundos de desespero, finalmente entramos na casa de Crystal, que honestamente, mais parecia uma mansão.

- Amiga, acabei de ver o Dylan, vou lá com ele, ok? Fica à vontade.

Foi a única coisa que eu consegui ouvir de Holland até ela entrar no meio de várias pessoas juntas ali, apenas no pátio da frente.

Luzes vêm de todo o lugar, e é até difícil de saber ao certo de onde estão vindo. Uma alta música eletrônica rodeia o lugar, e todos estão com bebidas nas mãos, dançando, pulando... e com um par. Depois de andar um pouco, percebo que ainda não vi Tyler em nenhum lugar. Mas pelo que eu saiba ele tinha vindo antes, não? Começo a correr por toda a casa, e mesmo assim, nem sinal dele. Vejo Hoechlin na minha frente.

- Hoe! Você viu o Tyler por aí? – grito um pouco, pois a música é muito alta.

- Lembro de ter visto ele subir as escadas a uns cinco minutos – ele também grita em meus ouvidos.

- Obrigada!

Parto para a sala, e no meio de empurros, finalmente consigo subir as escadas. O corredor do segundo andar é bem longo, e largo. Existem várias portas, e todas estão fechadas, mas eu percebo que existe uma fresta aberta a última porta do corredor. Sem muita pressa, ando até lá, e consigo ver pela pequena brecha uma das piores cenas da minha vida, ou pelo menos a mais nojenta. Tyler e Crystal se beijando.

Tycom a parede e fazendo um enorme barulho. No mesmo instante, os dois olham para mim com seus olhos extremamente arregalados, e Tyler se levanta.

- Shelley, não é isso que você tá pensando, ok?

Antes mesmo que ele pudesse terminar a frase, eu corro em direção as escadas, mas agora chorando. Eu estava possessa de raiva, mas não sei ao certo o porquê do choro. Eu já sabia que isso iria acontecer, e certamente não deveria ter vindo.

Empurro tudo e todos a minha frente, eu apenas quero ir embora daqui. Quando finalmente quase chego ao portão da saída, sinto o braço de Crystal segurar o meu ombro.

- Shelley, me desc...

Minha raiva era tão grande que eu apenas me virei e desferi um enorme tapa na cara dela.

- Sua vadia!  

No mesmo momento, todos os olhares se voltam para nós, e o DJ da festa para a música.

- É isso o que você é, uma vadia de merda!

Tyler corre até mim e segura meus braços.

- Me solta! – puxo meus braços com força, os separando dele.

Holland surge do meio da multidão e se coloca na minha frente, segurando minhas mãos na tentativa de me acalmar.

- Amiga, calma – ela dizia serena.

- Eles estavam se beijando, Holland. Em um quarto – eu dizia entre soluços.

- Vamos para casa, eu te levo.

- Mas e a festa?

- Ela acabou, pelo menos para nós duas.

Holland envolveu sua mão em minha cintura e nós duas caminhamos em direção ao portão. Mas eu me virei.

- Quer saber? Vocês dois se merecem. Deveriam ficar juntos. Você, Crystal, nunca foi com a minha cara, e pode ter certeza de que eu também nunca fui com a sua. Já você, Tyler.... nunca mais chegue perto de mim.

Me viro para a saída novamente, e o portão se abre, trazendo consigo uma enxurrada de paparazzi para cima de nós. Mesmo sem nenhum comando, os seguranças de Crystal nos escoltaram até o carro, a até nós entrarmos no carro, não saíram de perto de nós.

- Obrigado. Mas pode deixar com a gente, agora.

Sento no banco do passageiro e coloco os cintos, enquanto Holland faz a mesma coisa. Ela liga o carro, e quando prestes a acelerar, a roda de seguranças na nossa frente se desfez, nos dando passagem. Enquanto Holland dirigia, eu conseguia perceber que ela olha para mim de vez em quando, mas eu apenas continuo olhando para a janela e por toda a paisagem por fora do carro.

Chegamos no hotel e ela me ajuda a sair do carro, por mais que eu pudesse fazer isso sozinha. Ela envolve seu braço em minha cintura novamente e nós entramos no saguão novamente, atraindo todos os olhares para nós, só que dessa vez, o ar estava um pouco mais pesado. As pessoas me viam com a maquiagem borrada, com a cara triste, com Holland me ajudando, e até algumas expressões de pena se passavam pelos rostos das pessoas nos olhando.

Entramos no elevador e subimos, e no mesmo instante que eu piso no apartamento eu subo para o quarto e deito na cama, mesmo sem tirar nada do corpo, apenas deito.

Eu me sinto humilhada, e a única coisa que eu consigo fazer é chorar, e me sentir idiota por ter acreditado numa pessoa que não valia a pena por tanto tempo. Holland veio atrás de mim, e quando me viu na cama, apenas se deitou comigo, sem falar nada. Ela se posicionou atrás de mim como se estivesse me contornando, fazendo assim uma conchinha. Ela passava a mão na minha cabeça e mexia nos meus cabelos, mas, infelizmente, não conseguia retirar de mim a única coisa que eu sentia no momento: Dor e humilhação.  

&&&

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE ''DESTINY''

- O que você faz aqui? 

- Eu vim falar com você. 

&&&

- Eu amei ele primeiro, eu beijei ele primeiro, eu toquei nele primeiro! E ver ele com outra pessoa dói muito pra mim...

&&&


Notas Finais


Tenso, porém.... é, não tem muito o que dizer.

*As palavras em itálico (aquelas que tem as letras mais deitadas) representam o personagem gritando*

Vou tentar att mais um capitulo essa semana, como forma de tentar recompensar minha falta.

Até a proxima, flw.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...