História Destiny - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2PM
Personagens Chansung, Junho, Nichkhun, Taecyeon, Wooyoung
Tags 2pm, Kpop, Lemon, Musica, Romance, Yaoi
Visualizações 268
Palavras 1.584
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Nesse capítulo o Chan já começa a agir. hehhe ^-^
Espero que gostem e boa leitura!

Capítulo 3 - Flavor


Era tão escuro. Aquilo já me era familiar. Onde eu havia presenciado isso antes? Ouço sussurros em meu ouvido, estes também me eram familiar. Pareciam dizer coisas como “Não fuja”, “Não há por onde fugir” e outras coisas que não dava para entender. De repente vejo aquela luz, lembrei-me daquele cara, daquele sorriso, daquele corpo. Um homem tão desejável. Era impossível não olhá-lo, era impossível desviar meu olhar.

– Você se lembra de mim, não é? – Disse aquele homem, enquanto se aproximava.

– Eu... Quem é você? – Tentava me afastar à medida que ele se aproximava, mas era impossível pra mim manter distância daquele cara. É como se, por mais que corresse para o lado contrário, eu continuasse a me aproximar. Não sei se era por conta própria ou se algo me forçasse a isso.

– Você sabe muito bem quem sou. – Aproximou-se mais, agarrando, então, minha mão, – Você não pode fugir de mim. Não se pode fugir do seu destino!

– Do que você está falando? Que história é essa de destino? E em que merda de lugar eu estou? – Tentei me afastar novamente, sem sucesso.

Ele puxou-me pela cintura com força. Fazendo com que nossos corpos se confrontassem. Senti uma fraqueza horrível, não conseguia nem ao menos me mover, meu coração estava pulsando terrivelmente rápido. O que estava acontecendo comigo?

– Wooyoung... – Sussurrou lentamente ao pé de meu ouvido – Eu já lhe disse... Você... não pode... não deve... e nunca irá conseguir... fugir de mim! – Meu corpo já não respondia, minhas ações se tornaram impulsivas. Acabei por beijá-lo. A iniciativa saiu de mim, não dele. O que foi isso?

Ele sorriu.

– Viu? Você é meu. Eu sou o seu desejo, o seu destino...

* PI PI PI PI *

Pulei da cama. Meu coração estava acelerado.

– Aquele cara... É aquele cara!

***

Passei a semana inteira pensando sobre aquele sonho, sobre aquele cara do bar e como eu já havia sonhado com ele antes mesmo de conhecê-lo... Me perguntava se o veria hoje de novo, no bar e...

– WOOYOUNG! – Gritou Khun, com raiva.

Olhei assustado pra ele – O que foi isso, Khun? Por que gritou comigo?

– Pô, Woo! To falando contigo faz meia hora e tu nem me escuta. Você está muito estranho essa semana... Aconteceu alguma coisa?

– Eu... – Eu não podia dizer que eu fiquei pensando em outro cara durante uma semana inteira... Ainda mais ele! – Não é nada, Khun. Nada mesmo!

Nichkhun me olhou decepcionado e suspirou.

– Tudo bem então... Mas você pode me falar qualquer coisa, já disse.

– Eu sei, Khun. – Segurei seu rosto com minhas mãos e beijei-o docemente.

– Eu tava pensando... Amanhã você não quer, sei lá, dar uma saída? Por causa desses ensaios e da universidade a gente nem pode sair direito e... eu queria ter um encontro contigo. – Ele corou depois de dizer. NichKhun era realmente um fofo! Eu pensava que era o único que ainda sentia vergonha de falar coisas como essa, pois ele sempre foi mais extrovertido e coisas assim, mas adoro ver ele com uma carinha de vergonha.

– Ah... Tenho que dar uma olhada na minha agenda antes e te responder, Khun! Sou tão ocupado... Será que eu tenho tempo pra gastar com você? – Brinquei

– Idiota! – Riu – Na verdade isso não era uma pergunta. Mesmo se você tivesse que ir ver o papa, eu te raptaria pra gente sair! Afinal, você é o meu menininho.

Mostrei a língua pra ele.

– Então, meu homenzinho, que tal a gente sair pra comer um lanchinho hoje antes de encontrarmos o pessoal? – Propus.

– Hm.. melhor! Já sei até aonde poderíamos ir!

– Onde?

– Você vai ver! – Piscou

***

Chegamos em uma lanchonete que eu nunca tinha visto antes, e nem ouvido falar, mas ela tinha um ambiente realmente bom, era romântica... Sim, uma lanchonete romântica. É como se fosse feitas para casais.

– Gostou? – Ele perguntou, já sabendo da resposta.

– Aqui é tão... diferente! Tem um clima romântico, tão relaxante.

– Demorei para encontrar um lugar como esse... Por que eu, er, queria te trazer a um lugar realmente diferente!

Sorri. – Você é o melhor, Nichkhun!

Sentamos e uma garçonete nos atendeu docemente.

– Boa tarde! Vejo que são novos por aqui. – Sorriu – Espero que gostem da nossa lanchonete e que se sintam a vontade! Desejam alguma coisa?

– Hmm... eu queria este Cappuccino e esse sanduíche – Khun apontou no menu – e você Woo?

– Ah! A mesma coisa. – Eu e Khun tínhamos um gosto realmente parecido! Gostávamos de praticamente as mesmas coisas, até quando o assunto era comida.

A garçonete não demorou muito para trazer o nosso pedido.

– Hmm! Esse cappuccino está realmente ótimo – Comentei.

Khun começou a rir de mim, mas eu não sabia o porque..

– Woo... Você está realmente fofo!

– Do que você está falando?

Ele pegou a câmera fotográfica na sua mochila e apontou-a em minha direção.

– Diga X! Quero tirar uma foto sua!

– Mas... por que agora, Khun?

– Você vai saber logo – Riu

Ele tirou a foto e me mostrou. Eu estava com um bigode de espuma! Por que ele não me falou logo? Que vergonha! Ia limpá-la quando ele me segurou.

– Espera! Deixa que eu limpo.

Ele se aproximou, olhou-me por uns segundos e lentamente tirou a espuma, com seus lábios e sua língua, seguido com um beijo.

– Khun... – Falei meio trêmulo. Meu rosto havia ficado corado.

– Eu sempre quis fazer isso! E, sobre a foto, você fica realmente fofo com esse bigodinho de espuma, então não resisti. – Piscou

– Bobo... Por que sempre me deixa com vergonha...?

– O que eu posso fazer se esse meu menininho tem uma carinha de anjo irresistível?

Fiquei ainda mais vermelho.

***

Depois fomos encontrar Taec e Junsu para ir ao bar. Os dois estavam estranhos.

– Onde está o Junho? – Perguntei.

– É...Ele disse que tinha que ir antes acertar umas coisas com o dono..

– Ah! Certo, então! E a propósito... aconteceu alguma coisa?

– Que? Não aconteceu nada... – Os dois responderam ao mesmo tempo. Aquilo estava suspeito, mas, por agora, eu não iria insistir muito.

***

Chegamos ao bar e já fomos arrumar as coisas para o show. Eu, mesmo sem querer, acabei procurando aquele cara do sábado anterior, mas não o via em lugar algum. Acho que ele não iria aparecer hoje...

– Já volto, vou ao banheiro. – Falei

Na verdade eu só queria ir para pensar um pouco, sem que Khun percebesse que eu estava estranho.

– Que droga! – Resmunguei, batendo a minha cabeça na parede.

– Cuidado! Você pode se machucar. – Disse uma voz que me parecia familiar. Virei e me deparei com aquele cara.

– Vo...Você..

– Você se lembra de mim? Que ótimo! – Sorriu – Estava com medo que não se lembrasse.

– Lembro sim... – Como eu poderia não lembrar se até nos meus sonhos ele me perseguia?

– Eu... Posso falar com você um pouco? – Perguntou enquanto se aproximava. Eu, por instinto tentei me afastar mas dei de costas na parede.

– Está fugindo de mim? – Sorriu – Não há motivo para isso... – Ele se aproximou mais e mais. Chegando tão perto que eu podia sentir sua respiração.

– O que... – Antes de eu terminar a frase ele colocou sua mão direita em meu queixo, levantando-o rapidamente, com a outra mão ele agarrou a minha bunda e pressionou o meu corpo ao seu fortemente. Sem perceber soltei um gemido, fraco e baixo, mas infelizmente ele escutou.

– Você gosta disso não é mesmo? – Sorriu – Posso fazer mais coisas que você vai adorar!

– Pa-ara! Eu tenho nam-morado... – Falei, ainda fraco.

– Aquele que te beijou na minha frente? Grande coisa. Você vai se tonar meu e vai se esquecer dele rapidinho!

– Vo-Você é maluco? – Tentei juntar forças para afastá-lo de perto e mim, mas não conseguia. – Sai!!

– Você não pode fugir de mim! – Congelei. Lembrei-me do sonho, onde ele disse a mesma frase. Eu não posso... realmente não consigo fugir!

Ele lentamente foi aproximando seus lábios dos meus e, ao tocá-los, senti como se o meu corpo fervesse. Um calor indescritível envolveu o meu corpo. Sem pensar puxei-o para mais perto. Sua língua entrelaçava a minha, seu gosto era delicioso, suas mãos exploravam o meu corpo. Eu estava fora de mim, apenas queria que aquilo durasse pra sempre. Quando finalmente nos afastamos eu percebi a besteira que eu tinha feito.

– DROGA! Se afasta de mim! – Gritei e conseguindo finalmente afastá-lo.

Ele ficou me olhando por um tempo e depois disse:

– Eu sei que você gostou! Não tente fugir.

– Cala a boca! Eu amo o NichKhun, droga. Não quero saber de você, me deixa em paz!!

Ele riu.

– Vou esperar você esfriar a cabeça um pouco. Mas não se esqueça, eu nuncadeixarei você ir.

Saí rápido, deixando-o falando sozinho.

– Que cara maluco! Droga, aquele idiota! – Resmunguei.

– Que cara? – De repente NichKhun estava na minha frente. Fiquei olhando pra ele assustado. Será que ele viu algo? Será que ele ouviu algo?

– Hein? Que cara é esse? – Ele repetiu novamente a pergunta.

– Eu...


Notas Finais


O que acharam do Chan agarrando o Woo? hehe
Mereço uma review? Fico tão feliz quando recebo!! Se tiver algo que achem que eu posso melhorar é só falar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...