História Destiny - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2PM
Personagens Chansung, Junho, Nichkhun, Taecyeon, Wooyoung
Tags 2pm, Kpop, Lemon, Musica, Romance, Yaoi
Visualizações 251
Palavras 2.179
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem desse capítulo.
Boa leitura. ^-^

Capítulo 5 - De quem você gosta?


Já era 3:20 da tarde e estávamos em frente ao prédio onde o tal empresário trabalha. Entramos e falamos com sua secretária, que pediu para que esperássemos dentro do escritório, pois ele estava saindo de uma reunião.

– E então, como faremos? – Perguntou Taec, se jogando no sofá.

– Acho que deveríamos analisar a proposta dele hoje e, para não nos precipitarmos, daremos uma resposta ao longo dessa semana. – Junho propôs

– Precisa pensar? – Perguntei – Nós nunca tivemos um empresário e nem nada do tipo. Já está mais do que na hora.

– É verdade. Mas, ainda assim, nós precisamos pensar, ler o contrato e essas coisas. Não fazer nada por impulso. É melhor prevenir, não é?

Todos concordaram.

– Mas e aí, qual é o nome desse tal empresário mesmo? – Nichkhun perguntou.

– O nome dele é...

De repente a porta começou a se abrir, todos observaram atentamente quem estaria por vir. Eu e Nichkhun ficamos incrédulos. Eu, pelo menos, demorei algum tempo para processar essa imagem na minha mente. Isso realmente não poderia estar acontecendo...

– Eu me chamo ChanSung. – Completou o que Junho estava prestes a responder. – Prazer em conhecê-los, pessoal.

Ele então olhou pra mim, com um sorriso malicioso no rosto.

– Nos encontramos novamente. – Ele falou, se direcionando na minha frente e esticando sua mão para que eu lhe cumprimenta-se.

Eu continuava incrédulo. Todos me olharam surpresos, menos NichKhun que encarava aquele cara raivosamente. Ele estava se segurando para não pular no pescoço daquele homem.

Chansung olhou para Nichkhun dos pés a cabeça, sua cara demonstrava uma mistura de desprezo, nojo e de superioridade perante ele. Aquilo durou apenas alguns segundos. Não era o suficiente para que os outros membros percebessem aquela feição, apenas eu e Khun.

Ele então se voltou ao resto. Pedindo para que se apresentassem e assim foi feito. Chansung sentou-se então em sua cadeira, pegou o telefone e pediu para que sua secretária lhe trouxesse algo.

– Então, desculpe por fazer que vocês viessem aqui em um domingo à tarde. Espero não ter atrapalhado nenhum compromisso de vocês.

Eu olhei para Khun, lembrando do nosso encontro que teríamos nessa tarde, ele retribuiu o olhar também, demonstrando pensar a mesma coisa. Chansung deu um sorriso de satisfação ao perceber que havia realmente atrapalhado algum plano nosso.

Entrou então sua secretária com alguns papeis e com algumas... bananas?!

– Obrigado – Agradeceu ele. – Vocês gostam de banana? Se quiserem podem pegar uma – Estendeu a mão apontando para elas, mas todos recusaram. – Desculpem, é que acabei não tendo tempo de comer alguma coisa nesse meio tempo. Eu estive realmente ocupado hoje.

Ele entregou alguns papéis para cada um. Eram os contratos com suas propostas. Enquanto todos liam ele pegou uma banana e, olhando pra mim, começou a comê-la devagar. Eu não conseguia não olhar aquela cena. Ele aproveitou que ninguém estava olhando e deu uma sugestiva lambida naquela banana, enquanto me encarava, seguido de uma leve sugada na própria.

Aquilo realmente era um tanto excitante e, sem perceber, deixei transparecer, por alguns segundos, isso na minha feição. Foi o suficiente para ele perceber e me lançar um sorriso tentador.

– Hm, isso é realmente excitante – Comentou JunSu, dirigindo seu olhar para ChanSung.

Olhei para ele espantado.

– Os termos estão todos em ordem, tudo bem explícito e de acordo. Parece que não teremos que pensar muito na resposta. – Sorriu. Ele estava realmente alegre com a possibilidade de ter alguém para agenciar a banda.

Suspirei. Chansung soltou um leve risinho ao perceber. Agradeci por nenhum dos membros, especialmente NichKhun, perceber o que acabara de ocorrer.

– Não vamos nos apressar, irmãozinho. – Disse Junho a ele. Depois direcionou sua atenção para Chansung – Precisamos ouvir a proposta direito e pensar com cuidado antes de qualquer escolha.

Chansung então começou a falar. Ele mudou de repente, agora parecia um homem sério e não aquele perseguidor pervertido que estava me provocando a poucos minutos atrás. Todos prestamos muita atenção no que ele propunha, até NichKhun mesmo insatisfeito com a surpresa.

De repente comecei a perceber como ele ficava bem de terno. O deixava com uma aparência mais responsável e adulta. Diferente do dia anterior. Comecei a me lembrar de quando estávamos no banheiro, quando ele me agarrou repentinamente. Do seu calor cobrindo o meu corpo e do seu beijo que, mesmo forçado, me deixou terrivelmente louco.

Ao perceber onde meus pensamentos foram parar sacudi a minha cabeça, na esperança de que eles de embaralhassem e, então, se tornassem ilegíveis. No começo até que deu certo, porém, a cada vez que eu olhava aquele homem, pensamentos impuros corriam pela minha cabeça. Resolvi então olhar para aquele papel que eu tinha na mão e prestar atenção apenas no que ele dizia.

No fim todos, exceto Khun, pareciam mais do que satisfeitos com a proposta. Já estava claro qual seria a resposta final. Eles com certeza aceitariam.

– Bom, as ideias são ótimas. Tudo de acordo. Durante essa semana nós iremos conversar e desenvolver a nossa resposta para este contrato. – Disse Taec, que é um dos mais responsáveis do grupo.

Chansung sorriu e concordou.

Todos se levantaram para sair e, um a um, foram se despedindo dele e saindo da sala. NichKhun, que foi um dos primeiros a sair, simplesmente passou reto, não aguentava mais ver a cara daquele homem. Eu fui o último, não propositalmente, eu ia fazer o mesmo que Khun quando ele me segurou pelo pulso.

– Você não vai se despedir de mim? Acha que não sei por que você está sendo o último a sair? – Todos estavam lá fora do escritório, não podiam ver e nem ouvir nada que acontecia.

– Tchau. – Falei o mais frio que eu conseguia e me direcionei para a porta novamente.

Ele soltou um riso irônico.

– Você acha que eu me contento com isso? – Ele rapidamente se aproximou e roubou um beijo. Esse beijo foi rápido, mas, ao mesmo tempo, foi muito bem degustado. O seu sabor era ótimo e irresistível. Eu então o empurrei pra trás, separando nossos lábios.

– Nunca faça isso novamente. – Fitei-o com raiva. – Eu sou apenas de NichKhun, você não tem e nunca terá tal liberdade. – Tentei parecer frio. Me virei de costas para ele e fui saindo.

Ele me segurou por trás e sussurrou em meu ouvido.

– Lembre-se disso: Você só está deixando esse jogo mais divertido. – soltou um risinho – Espero que esteja pronto para enfrentar o “chefão”. – Ele intensificou a ultima palavra e, ao mesmo tempo roçou seus dedos em meu pescoço. Fazendo com que eu tivesse um leve arrepio.

Saí bufando.

Todos já estavam em frente ao elevador que acabara de abrir as portas. NichKhun me olhou sério. Ele certamente iria querer saber o “porque” da minha demora. Segurei a sua mão, apertei forte e dei um leve sorriso para ele.

– Ainda dá tempo para o nosso encontro. – Comentei

Ele já havia se esquecido disso.

***

Eram 5:30 da tarde. Khun e eu fomos ao cinema assistir um filme de comédia romântica. Sentamos nos nossos lugares e as luzes se apagaram, dando sinal de que o filme estava prestes a começar.

Deitei minha cabeça em seu ombro, ele sorriu e apoiou a sua cabeça sobre a minha. Entrelaçamos nossos dedos e ficamos assim durante o filme inteiro. Havia vezes em que ele acariciava meu rosto e beijava a minha testa, fazendo eu me sentir relaxado e protegido.

O Khunnie sempre faz o possível para que eu me sinta bem, agindo como uma criança quando está com ciúmes e tem um jeitinho romântico único, eu realmente amo isso nele. Me sinto culpado pelo que tem acontecido e, principalmente, preocupado pelo que ainda poderá acontecer já que aquele pervertido (muito provavelmente) se tornará o nosso empresário... Será que ele vai aprontar mais alguma coisa? Será que eu vou conseguir resistir por muito mais tempo?

O filme acabou e nós saímos da sala de cinema, ainda de mãos dadas.

– Eu estive pensando... – parou por alguns segundos – Você deveria me chamar de “Oppa”!

Olhei para ele, incrédulo.

– Te chamar de que?

– Você escutou. Quero que você me chame de “Oppa”!

– Mas Khun... Eu sou um homem! Eu não posso...

– E o que tem demais? Estamos namorando não é? E, bem... você é a “mulher” da relação e é mais novo, então...

– Ta brincando comigo, não ta?

Ele estendeu o dedo indicador fazendo sinal de negação. Eu neguei novamente, não estava disposto a fazer isso. Eu posso até ser gay e também o passivo, mas chama-lo assim me deixaria realmente sem graça.

Ele continuou insistindo e eu apenas negava.

– Não entendo porque você nega tanto, Woo... – falou, com um olhar desapontado – Eu realmente queria que você me chamasse assim...

Suspirei e tentei trocar de assunto.

– O que faremos agora, Khunnie?

Ele notou a minha esquiva e finalmente desistiu, pelo menos por enquanto.

– Eu estava pensando em cozinhar para você essa noite. Como daquela vez. – Piscou

– Dessa vez você realmente vai cozinhar? – Rimos – Estou morto de fome!

Ele concordou.

Passamos no mercado para comprar algumas coisas para a janta e então fomos para a casa de NichKhun.

~ Junsu POV ~

Após sairmos do escritório do empresário eu, Junho e Taec fomos para uma lanchonete discutir sobre a proposta e Young e Khun saíram para, aparentemente, um encontro. Não sei se havia muito sobre o que discutir na verdade. A resposta já era óbvia, mas era melhor prevenir.

Chegando na lanchonete, sentei ao lado de Junho e Taec sentou na minha frente.

– Então, pessoal, o que acharam da proposta? – Perguntou Taec, já sabendo da resposta.

– Precisamos mesmo responder? Obviamente agradou a todos nós. – Respondi sincero.

– É... Mas não acham que está muito bom? Está bom demais para o meu gosto... – Junho comentou desconfiado.

– Não sei, acho que não há motivo para desconfiança, não é? Uma hora ou outra teríamos que arrumar um empresário... Somos bons no que fazemos e disso não há dúvida!

– Concordo com o Taec, Junho. Não há porque desconfiar. Acho que deveríamos assinar o contrato.

– É... Acho que sim...

Continuamos a discutir sobre o assunto por pelo menos uma hora. Analisando os prós e contras (que eu, particularmente, não encontrei algum) sobre o contrato. Cada vez ficávamos mais animados e mais ansiosos em aceitar.

Junho recebeu uma ligação e teve que sair, deixando Taec e eu sozinhos. Aí então, lembrei-me da noite passada e da minha crise, aparentemente, de ciúmes. Será que ele percebeu?

– Ei, Junsu... – ele me encarou sério – Você gosta de alguém?

Arregalei os olhos, surpreso com a pergunta.

– Por que pergunta? – Ele percebeu mesmo?

– Ah... – Apoiou sua cabeça na sua mão direita e sorriu. – Só estou curioso. Você nunca fala sobre esse tipo de coisa...

– Ah... – suspirei – Eu acho que sim...

Não deveria ter sido tão sincero, mas respondi sem pensar nas consequências. Foi aí que ele, então, me encheu de perguntas.

– Sério? – Ele pareceu surpreso – Quem é?

– Er... É segredo.

– Segredo? Mas nós não somos amigos? Você tem que me contar.

Contar que eu gosto dele? Ele só pode estar de brincadeira. Eu tentei fazê-lo mudar de assunto, mas quanto mais eu me desviava, mais ele contornava.

Dessa vez ele queria saber como era a pessoa, para tentar adivinhar eu acho.

– E como ele é? Ah... é ele não é?

– É homem sim...

– Ele é bonito? É alto? É mais novo ou velho que você?

– Precisa perguntar tanta coisa?

– É claro! Se você não vai me dizer eu tenho que tentar adivinhar! – Sabia...

– Ta bem. Mas você não vai adivinhar quem é. Ele é, aos meus olhos, lindo; é alto e mais novo que eu...

– Mais novo? Quanto mais novo? – Perguntou curioso.

– Ah, praticamente um ano mais novo, mas... agora chega! Não respondo mais nada. – se eu falasse mais alguma coisa ele com certeza acabaria percebendo.

– E você, Taec?

– O que tem eu? – perguntou confuso.

– Você gosta de alguém?

Ele me olhou nos olhos e sorriu.

– Gosto sim e muito.

Arregalei meus olhos, surpreso. Meu coração parou e um frio correu a minha espinha. Senti uma sensação de tristeza e raiva, parecido com o que havia sentido na noite anterior. Dessa vez eu tive certeza de que isso era ciúme. Tentei me segurar para que não transparecesse, mas foi em vão.

– O que foi?

– Nada! Eu... bem, preciso ir agora. Acabei de lembrar que eu tinha algo importante para fazer hoje... – Corri da mesa, deixando-o falando sozinho.

– Espere, Junsu! Você nem ao menos quer saber que é? – Ele gritou, mas eu já havia saído.

~ Junsu POV - OFF ~


Notas Finais


De quem será que o Taec gosta, né pessoal? hahaha
Continuem acompanhando e comentem. Obrigada! ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...