História Destiny - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2PM
Personagens Chansung, Junho, Nichkhun, Taecyeon, Wooyoung
Tags 2pm, Kpop, Lemon, Musica, Romance, Yaoi
Visualizações 206
Palavras 2.113
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aí, pessoal? O que vocês acharam do irmão gêmeo do Chansung?
Espero que gostem do capítulo. Boa leitura!

Capítulo 8 - Não se julga um livro pela capa ( part. 1)


Hoje definitivamente não era o meu dia. Tudo o que poderia dar errado deu. Parece que toda a sorte que tive há alguns dias se transformara em um terrível azar. E põem terrível nisso.

Depois da aula decidi dar uma volta, sozinho, e esfriar a minha cabeça pra pensar em como lidaria numa situação como aquela. Eu precisava dizer isso para o Khun, mas como ele reagiria? Se eu não contar vai ser realmente muito pior. Droga! Com ele morando tão perto me sinto ameaçado, sinto que não estou mais seguro...

Acabei voltando para o meu apartamento.

Fiquei torcendo para que ele não estivesse em casa, para pelo menos isso dar certo no meu dia. Parei em frente a minha porta, procurando minhas chaves, procurei tão desesperadamente que parecia que havia um monstro atrás de mim, prestes a me devorar. O que não era muito diferente.

Quando finalmente as encontro, uma mão surge em meu ombro.

– Olá! – Ele estava sorrindo. Mas quem seria ele? DongJo ou Chansung?

– Oi... – Virei em sua direção, mas me afastei um pouco. Pensativo.

– Ah... Não estou atrapalhando de novo não é? – Disse ele cuidadoso e educado.

Com certeza não era Chansung.

– Não, não... Você é o DongJo, não é? – Perguntei para ter certeza.

– Sou sim! – Sorriu – Fico feliz por ainda lembrar.

É incrível como ambos são iguais em aparência, mas em personalidade são realmente opostos. Me senti aliviado por ser ele e não seu irmão, não estava disposto a aguentá-lo no momento.

Sorri.

– Desculpe por sair com pressa nessa manhã... É que eu não dormi em casa na noite passada e só passei aqui mesmo para pegar as minhas coisas para ir à universidade. Eu realmente estava atrasado...

– Não se preocupe! A culpa foi toda minha... Eu que me desculpo por isso!

– Ei! Que nada... Mas o que você queria mesmo?

– Ah! Sim! Eu queria te pedir um favor... e agora também só é um diferente... – Falou meio acanhado. – Você está muito ocupado?

Pensei um pouco. No momento eu não estava ocupado e me senti mal por ter tratado ele daquela forma hoje.

– Não estou. Não. O que você precisa?

– Eu... Eu precisava de uma ajudinha para colocar alguns móveis no lugar, eu tentei fazer sozinho, mas alguns deles são tão pesados que não dou conta... Mas se não quiser ou não puder não tem problema!

Pensei um pouco, não era nada demais e eu poderia fazer isso por ele, porém, apenas uma coisa me incomodava nisso tudo.

– O seu irmão não está em casa?

– Não... Ele está no trabalho, foi embora logo depois que você saiu. Vocês parecem ser bem próximos. – Sorriu.

– Ah... Nem tanto assim. Na verdade mal nos conhecemos.

Me perguntei se ele conhecia aquele outro lado do seu irmão. No entanto, do jeito que ele fala inocentemente do outro, acho muito difícil.

– Você quer a minha ajuda, não é? Vou ajudá-lo. – Pelo menos tenho certeza de que não encontrarei Chansung.

Nós arrumamos algumas estantes e armários que eram realmente pesados, também algumas estátuas, entre outras coisas. DongJo parecia ser forte como o irmão, suas curvas parecem ser, também, incrivelmente idênticas as do seu irmão. É difícil acreditar que dois seres terrivelmente atraentes tenham nascido de uma só vez, e ainda por cima com personalidades tão opostas... Olha eu comparando os dois novamente!

– Só falta mais esse sofá, se quiser eu posso colocá-lo no lugar sozinho, este é mais leve.

– De deito algum! Se estou aqui vou ajudar, né.

Empurramos e colocamos no lugar. Eu estava tão cansado de ficar movendo móveis que, sem pensar, me atirei no sofá, soltando um gemido de cansaço. Ele sentou ao meu lado e, me olhando, colocando seu braço atrás de mim, sobre o sofá.

– Muito obrigado! – Sorriu. – Você é realmente um ótimo vizinho.

– Não foi nada. Também não fui de tanta ajuda assim, já que não sou tão forte quanto você.

Ele se aproximou de mim, me deixando sem muita reação, colocou seus dedos em meu rosto e me deu um beijo na bochecha, foi muito próximo de meus lábios.

– Espero que possamos nos dar bem.

Eu fiquei sem graça e me perguntei se ele havia entendido algo errado, ou então se eu mesmo tivesse feito isso. Porém, ele parecia ser inocente demais e isso parecia ser realmente apenas um jeito de agradecer.

– Também espero isso – sorri.

Olhei a hora no relógio que estava pendurado na nossa frente e lembrei do ensaio de hoje.

– Desculpa DongJo, tenho que ir embora agora.

– Mas já? – Fez um biquinho fofo.

Eu ri.

– Tenho ensaio da minha banda e já estou quase atrasado. Ainda tenho que tomar um banho antes de ir...

– Ah... – Pareceu meio triste – Estou te atrapalhando de novo...

– Não é isso! Eu é que fiquei tempo demais. Vou indo agora, até logo!

Ele me acompanhou até a porta e disse com um sorriso:

– Até logo, Wooyoung! Eu realmente adorei te conhecer.

***

O ensaio correu bem, apenas pegaram um pouco no meu pé pelo meu atraso, mas nada mais. Estamos a cada dia tocando melhor e também ficando mais confiantes a respeito da audição para abrir o show do A.N.JELL. Quase esquecemos de comentar sobre o contrato, Khunnie pareceu não estar de acordo com a resposta de todos. Eu também não estava, mas o que poderíamos fazer? A proposta era realmente boa, tinha tudo para nos fazer decolar! Porém... ah, porque é que logo ele tinha que ser o empresário?? Isso era de enlouquecer qualquer um. ARG.

Junho disse que pesquisaria um pouco mais sobre ele para ver o quão confiável ele era e caso tudo estivesse de acordo... bem, vocês já sabem resposta.

Depois do ensaio todos estavam se divertindo e notei que Taec e Junsu estavam, como eu posso dizer... se dando muito melhor do que normalmente. Já havia notado que eles estavam agindo estranho anteriormente, mas havia me esquecido de perguntar o motivo disto.

– Junsu! Posso falar com você um pouco? – Chamei-o.

Ele veio, quase que saltitando de tanta felicidade. Realmente havia algo de muito diferente relacionado a esses dois.

Chamei-o para dar uma volta e conversar. Ele me deixou a par de cada detalhe, desde a lanchonete até a declaração. Ver toda essa animação dele me deixava feliz! Em pensar que eu estava do mesmo jeito há cerca de duas semanas atrás, se não fosse por aquele... aquele empresário pervertido!! Que raiva desse cara!

Voltamos para onde o pessoal estava, peguei a mão de Junsu e juntei com a de Taec.

– Fico muito feliz por vocês dois!

Ele sorriu encabulado, puxando Junsu para si. Me deixava tão feliz vê-los alegres

daquele jeito, pareciam realmente um casal apaixonado.

Mais tarde voltei pra casa, sozinho, já que Khun tinha que fazer alguns trabalhos que deixara para a última hora. Isso foi bom até, eu ainda não sabia como explicar essa situação.

Eu estava jogado no sofá, passando os canais da TV a procura de algum filme ou drama interessante, sem sucesso. Raramente assisto TV e logo quando quero não tem coisa boa? Que irritante...

– O que mais farei em plena segunda à noite? – Reclamei, dirigindo meus olhos para a janela.

Fui até a sacada pegar um ar e olhar para essa paisagem que poucas vezes tinha tempo (ou vontade) de reparar. Era tranquila, algumas árvores e um parquinho com balanços e escorregadores para as crianças. Já, no céu, havia várias estrelas brilhando e alua estava cheia, enorme.

Enquanto reparava ouvi a campainha tocar. Quem seria numa hora dessas?

Abri a porta e o vi... mas quem era? Ainda não me acostumara com essa ideia e não seria fácil conseguir diferencia-los assim, de cara.

– Olá, WooYoung! – Disse ele, já me abraçando alegre.

– Chan...?

– Não!! Sou o DongJo! – Emburrou-se. – Por que? O meu irmão costuma te abraçar muito? – Falou, aparentemente se lembrando de hoje de manhã.

– Nem pensar! – Ele costuma fazer coisa muito pior, mas era melhor nem comentar. – Ainda não me acostumei com isso, não é muito fácil diferencia-los... – Passei a mão em minha cabeça, sem graça.

– Entendo... – ele pareceu lembrar de algo – Ah! Você está ocupado agora, Woo?

– Não. Estou muito entediado por sinal! – Desabafei.

– Que bom! Eu também estou...Eu queria saber se... – corou e olhou para o chão – se você gostaria de passar um tempo comigo... Pelo menos até o meu irmão chegar! Estou tão sozinho e não conheço muita gente por aqui ainda. – Ele olhou discretamente e mordeu o lábio.

– É claro! Não aguento mais ficar nesse tédio também.

Ele se animou e pegou a minha mão, puxando-me para o seu apartamento.

– Pera! – Acabei falando alto demais

Ele congelou assustado.

– Bem... Pode ser aqui em casa? Eu... Eu não queria...

– Ver o meu irmão? – Perguntou um tanto curioso.

– É... mais ou menos isso... – Olhei-o meio preocupado. Como ele sabia disso?

– Tudo bem. – Agarrou ainda mais forte a minha mão e me dirigiu para o apartamento – Vou conhecer a sua casa então!

Ele parecia muito curioso, olhando pela casa. Parecia estar procurando alguma coisa. Quando ele entrou no meu quarto pareceu estampar um sorriso em seu rosto, mas não consegui ver direito. O que deu nele?

– Hmm, então é aqui que você dorme, hyung...

Me surpreendi.

– Como você sabe que sou mais velho que você?

Ele pareceu ficar sem graça.

– Bem... Eu procurei um pouco sobre a sua banda na internet. Vocês até que são bastante conhecidos, não é? – Ele sentou-se na cama e eu sentei ao seu lado.

– Mais ou menos. Temos alguns fãs que nos conheceram pela internet... É nessas horas que eu agradeço por terem inventado isso! Mas, bem... Não chegamos a ser famosos.

– Hmm – Ele se aproximou um pouco mais – Mas vocês tocam muito bem. Espero ter a chance de assisti-los algum dia.

– Ah... Isso é fácil! Tocamos todo sábado num novo bar aqui da cidade, foi lá que eu conheci o seu irmão...

– Então eu vou lá vê-los nesse fim de semana! – Se animou, aproximando um pouco mais de mim.

Merda! Não deveria ter dito isso. Agora Khunnie vai vê-lo também e sabe-se lá o que ele vai fazer quando souber que fiz amizade com o irmão gêmeo daquele pervertido!

– WooYoung... – ele me olhou nos olhos, que pareciam demonstrar alguma coisa diferente e estranha, mas não conseguia dizer ao certo o que seria. – Feche os olhos!

– Como?! – O que é isso?!

– Vamos! Fecha os olhos, hyung. Tenho uma surpresa pra você. – Ele insistiu, com uma cara fofa.

– Está bem.

Fechei meus olhos e senti ele se levantar da cama.

– Só abra quando eu mandar!

Isso era estranho, ter a cópia daquele cara no meu quarto. Enquanto esperava comecei a imaginar o que o seu irmão faria se fosse ele quem estivesse aqui, se ele.... Ah! Como posso pensar numa coisa dessas?

De repente ele me empurrou, fazendo-me deitar e segurou meus pulsos com uma só mão. Quando abri meus olhos percebi que ele estava semi nu, apenas de cueca.

– O- O qu-que é isso? – Gritei, assustado. – DongJo, o que você está fazendo??

Ele sorriu maliciosamente. O que aconteceu com aquele homem educado e gentil de um segundo atrás?

– WooYoung... – Sussurrou enquanto deslizava a sua mão livre sobre o meu corpo. Seus dedos começaram a desabotoar minha camisa rapidamente. – Ah... Hyung...

– P-PA-PARA!

Ele sorriu ironicamente, e colocou seu dedo indicador sobre meus lábios. Pedindo silêncio. Depois selou seus lábios sobre os meus, forçadamente, e após isso, seus dedos passaram a apertar o meu mamilo, provocando-me.

– Eu sei que você gosta disso, WooYoung... – Desceu seus dedos para dentro da minha calça e começou a masturbar-me. – Oh... Você é tão delicioso.

– Para! Já falei para parar! – Tentava me desprender dele, mas ele era forte demais, sem falar que seus toques me deixavam mais fraco ainda.

– Pa...Para, DongJo! – Usei toda a força que me restava nesse último grito.

– Não paro! Você vai ser meu. Só meu... – Ele começou a abaixar a minha calça e minha cueca. Como é que isso foi acontecer? O que é que eu faço agora?



De repente ouvimos fortes batidas na porta, que pareciam realmente desesperadas!


Notas Finais


Hmm, e agora, hein?
O que será que vai acontecer? :T
Digam o que acharam no capítulo e no que posso melhorar com a fic. Aceito qualquer dica. o/ -q
Beijos! Ficarei esperando pelos comentários de vocês. ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...