História Destiny - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ashley Benson, Barbara Palvin, Justin Bieber
Exibições 252
Palavras 3.005
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amores 💕
Não demorei dessa vez
Obrigado(a) pelos 118 favoritos,vocês são demais 💕
Boa leitura!

Capítulo 8 - Ele voltou


Fanfic / Fanfiction Destiny - Capítulo 8 - Ele voltou

P.O.V MEGAN SCOTT

2 semanas depois...

Já faz duas semanas desde o acidente com a minha perna. Durante esse tempo, Justin tem cuidado de mim, ele é atencioso e carinhoso,sempre me ajudava quando eu não conseguia me locomover. Ontem eu retirei a faixa e consegui andar direito pela primeira vez em todos esses dias. Justin até me zoou dizendo que ia sentir saudade de mim "manquinha".

Hoje eu iria voltar ao trabalho e à faculdade,depois de 2 semanas fora. A chefe já tem se irritado com isso e eu não posso mais faltar. Me olhei no espelho e fiz um coque tradicional, fui até o closet a coloquei uma blusinha fina branca e uma calça jeans com uns rasguinhos. Por fim coloquei um tênis e estava pronta. Peguei minha bolsa encima da cama e saí do quarto de hóspedes,que era na casa de Justin. Praticamente depois que tudo aconteceu,eu não tive coragem de voltar no meu apartamento,então eu meio que me "mudei" pra casa de Justin. Desci as escadas e vi Justin sentado na mesa,enquanto tomava seu café. Me sentei junto a ele e ele largou a xícara na mesa.

— Bom dia bravinha.

— Bom dia iludido.

— Novidades?

— Não,nenhuma,e você?

— Também não. Mas hoje eu queria te convidar pra sair...— Justin disse.

— Sair onde?

— Surpresa.

— Sério Justin,eu preciso saber onde você vai me levar. E se você me levar a um restaurante de gala e eu estiver com um short e uma blusinha fina? Não combina. Você é homem,pode entrar em qualquer lugar com qualquer roupa que ninguém reclama. — Falei. Justin riu.

— Posso entrar no seu quarto de cueca?— Murmurou malicioso. Eu revirei os olhos.

— Não estou falando nesse sentido,seu pervertido. — Ele molhou os lábios.— Aliás você anda muito saidinho Bieber.

— E você anda muito reclamona Scott.— Ele falou. — Mas está certo,onde já se viu uma bravinha não reclamar?

— Onde já se viu um iludido não ser iludido?

— Eu sei,por isso que estou sendo iludido por você.

— Bobo.

— Estúpida.

— Grosso.

— Grosso e grande.

— Bom dia Bieber. — Falei pegando minha bolsa e saindo do cômodo,ouvi uma risadinha no fundo e revirei os olhos.

— Ei,volte aqui,você não me respondeu ainda. — Gritou.

— No final do dia você saberá. — Gritei de volta e saí pela porta. Justin anda muito pervertido ultimamente,mas eu confesso que gosto um pouco desse lado dele,não que eu seja uma tarada,é que aquele homem tem um poder sobre mim,que acho que se ele me encurralar em algum canto minha sanidade vai por água a baixo. Melhor esquecer isso!

Saí do prédio mas antes que eu chamasse um táxi,senti uma mão grossa no meu braço e eu já sabia de quem ela era.

— Aceita uma carona Scott? — Justin disse.

— Não,eu sei muito bem ir sozinha Justin.

— Mas eu faço questão de levar você,mesmo que não aceite.—Retrucou. Bufei suspirada e entrei no carro relutante. Justin também entrou e deu partida. Se ele acha que pode mandar em mim está muito enganado,eu só entrei agora porque eu estava muito atrasada para a faculdade.

— 1 a 0 pra você. — Falou e eu levantei a sombrancelha.

— Isso é competição agora? Pois então,entre nós o mais iludido é você.—Falei cínica. Ele bufou.

— E entre nós dois,a mais brava é você.— Piscou de lado.

— Pelo menos não fui eu que fui abandonado. — Comentei e ele me olhou sério por alguns segundos.

— O que disse? — Falou com uma feição de seriedade.

— Isso mesmo que você ouviu,quer que eu repita? — Provoquei.

— Ah não. — Ouvi isso e o carro foi parado em meio a um campo. 

— Justin,o que você está fazendo? Eu estava brincando,me leve pra faculdade agora! — Gritei,mas não obtive respostas. Senti lábios em meu pescoço,suspirei. Um chupão foi depositado ali,me fazendo arfar. Suas mãos foram de encontro aos meus seios,me fazendo contorcer embaixo dele. Carícias foram depositadas ali,enquanto ele começava a distribuir beijinhos pelo meu rosto. Olhei em seus olhos,aqueles castanhos cor-de-mel agora estavam mais escuros que uma azeitona.

— Justin,para! Estamos em um carro,alguém pode ver! — Gritei.

— Eu solto... Mas só depois que você repetir o que disse... — Murmurou malicioso.

— Eu disse que o dia está lindo. — Suspirei derrotada. Ouvi uma risada e o carro foi ligado. Me ajeitei no banco e arrumei meus cabelos.

— Boa menina. — Murmurou.

— Seu idiota. — Bufei.

— Gosto de você bravinha assim.

— Vai se iludindo.

[...]

O carro foi parado em frente a faculdade,eu peguei minha bolsa e abri a porta,mas novamente senti uma mão no meu braço.

— Não se esqueceu de algo? — Justin me olhou nos olhos.

— Não,eu conferi tudo antes de sair.

— Não quer que eu te lembre? — Falou.

— Não. — Falei e ia saindo, mas fui puxada para dentro do carro. Antes que eu pudesse reclamar,senti lábios nos meus,um gosto de menta invadiu minha boca,sua língua pediu passagem e eu cedi. Aquele beijo estava muito bom,eu realmente não queria parar. Nossas bocas se encaixavam em um ritmo constante,pareciam que tinham sido feitas para isso. O beijo foi,infelizmente, interrompido por falta de ar.

— Hoje,no Blue Palm,as 9. Vamos juntos. — Falou e eu assenti,saindo do carro. Justin foi embora e eu fiquei aqui,parada em frente a faculdade com a maior cara de boba. Meus sentimentos estão tão confusos,é algo que eu não consigo explicar. Aquele beijo que demos agora no carro,parecia o meu primeiro beijo. Falando assim,pareço até que voltei a ser uma garotinha de 13 anos de idade. Todas as vezes que estou com ele,me sinto iluminada, é como se Justin fosse um anjo. Mas de anjo não tem nada,ele não é santinho. Estou com medo de estar apaixonada, eu sei que ele não me ama,Candice ainda deve estar presente em seu coração,a dona dele não sou eu e eu tenho que aceitar isso. Suspirei e caminhei pra dentro da faculdade,eu estava super atrasada.

[...]

— Estou saindo com um cara super gato,amiga! — Amanda gritou eufórica e eu bufei. Novidade ela estar saindo com um cara? Não.

— Ué,não tinha voltado com seu ex? — Perguntei.

— Aquele lá é passado,menina. — Falou e eu revirei os olhos.

— Igual aquele da semana retrasada né.

— Ele não me merecia. Agora encontrei alguém que gosta de mim. Mas mudando de assunto,como você anda com o Justin? — Perguntou.

— Normal ué,nós não temos um relacionamento. — Eu disse. Amanda fala coisas tão idiotas as vezes.

— Não é isso sua boba. Estou falando do que você sente aí,dentro de você. — Apontou para o meu peito. Suspirei. Eu sentia sim algo pelo Justin,mas eu queria nunca poder ter sentido. Me enfiei em meio aos meus joelhos e comecei a chorar.

— Ele ama outra,Amanda! Será que não dá pra entender? Ele me trata bem e cuida de mim,mas eu sei que no fundo ele ainda sente algo por ela. Eu o chamo de iludido,mas me sinto a iludida da relação. Hoje ele me convidou para jantar fora.— O desespero havia aumentado. Amanda me abraçou.

— Calma amiga,quem sabe ele não goste mais dela. — Me consolou. Amanda é uma ótima amiga,mas as vezes sinto que eu sou muito grossa com ela,sou uma amiga horrível. Quando estou triste ela sempre arruma um jeito de aliviar a minha dor.

— Eu acho que não amiga,os quadros dela ainda estão lá, ele ainda tem fotos dela no celular, ele ainda sente algo por ela! — Gritei botando a mão nos cabelos. Amanda levantou meu rosto e limpou minhas lágrimas.

— Calma amiga! Se ele não gostasse tanto de você,não tinha nem te convidado pra sair. Aproveita,coloca seu melhor vestido. Vai lá e arrasa,que essa noite é sua. — Falou e certamente,ela tinha razão. Hoje eu iria me produzir toda só para Justin.

— Sabe que você tem razão amiga? Eu já disse que te amo? Eu sou a pior amiga do mundo,você a melhor. As vezes sinto que te trato grosseiramente e nunca te ajudo nas piores situações. Me desculpa.— Falei e ela sorriu.

— Amigos são para essas coisas. — Disse e me levantou. — Agora vá! Está atrasada para o trabalho! Depois me conta tudo.

— Obrigada amiga! — Eu disse e saí dali,indo em direção ao táxi do outro lado da rua. Amanda estava certa,hoje a noite é minha.

[...]

Eu havia acabado de voltar do serviço e tomado um banho,porém eu ainda não tinha comprado o meu vestido,e os que tinham no meu armário não estavam à caráter. Peguei minha bolsa e fui em direção à saída,saí do prédio e caminhei algumas quadras,até encontrar um táxi. Minutos depois eu já estava lá,em frente ao shopping. O meu problema de escolher roupas,é que como eu estou estudando para ser designer,nenhuma me agrada. Mas hoje eu teria que escolher a melhor roupa. Caminhei pra dentro do estabelecimento e logo entrei numa loja. Havia vestidos muitos bonitos e outros estranhos.

— A senhorita precisa de ajuda? — Uma moça apareceu à minha frente.

— Eu procuro um vestido elegante,e que seja ao mesmo tempo,sexy. — Falei e ela assentiu,me trazendo um vestido vermelho vinho. Ele era um tomára que caia e ia até os pés. Peguei ele e fui em direção ao provador. Minutos depois eu já estava vestida. O vestido havia ficado perfeitamente bem no meu corpo,ele realçava minhas curvas e valorizava o decote,parecia que havia sido feito espacialmente para mim.Peguei meu celular e tirei uma foto,mandando para Amanda.

"Eu: Olha o meu vestido vaca,como ficou?"

"Vaca: Vai lá e arrasa amiga,o boy vai pirar!"

Sorri e desliguei o telefone,guardando dentro da bolsa. Não tinha dúvidas,era esse mesmo.

— E aí,gostou? — A moça perguntou e eu assenti.

— Sim,vou levar. — Ela pegou e vestido e fomos até o caixa,eu paguei e saí da loja. Agora restava a produção,e eu sorri ao ver um salão de beleza bem à minha frente.

[...]

Passei ao todo 3 horas sendo maquiada e arrumada pelo pessoal do salão. Enquanto um maquiava,o outro fazia chapinha e as manicures faziam minha mão e pé. Levantei da cadeira e me senti toda rebocada.

— Vai lá e arrasa mona! — O cabeleireiro disse e eu sorri.

— Pode deixar.

Fui em direção ao caixa e paguei, saindo do salão. Agora só restava eu ir para casa me produzir.

[...]

Me olhei no espelho,eu estava toda de vermelho e com uma maquiagem impecavelmente linda. Agora só restava Justin sair do quarto. Eu ouvi ele chegar quando eu estava me arrumando. Ouvi um murmuro e olhei para o lado. Um cheiro incrivelmente bom invadiu minhas narinas, Justin estava muito cheiroso. Ele usava um terno preto de gala e seu topete estava arrumado. Aquele homem estava muito gostoso naquela roupa. Suspirei.

— Olhando assim até parece que é gente. — Comentei e ele sorriu.

— Olhando assim até parece que você é fofa. — Falou e eu sorri.

— Vamos?

— Vamos.

[...]

Chegamos ao restaurante,esse lugar é incrivelmente lindo,acho que é o restaurante mais bonito que eu já fui. Justin e eu entramos de mãos dadas e fomos em direção à recepção. Justin retirou o terno e agora estava só de blusa branca,gravata e colete.

— Sr. e Sra. Bieber,podem se sentar naquela mesa. — O garçom falou.

— Sr. e Sra. Bieber é? — Cutuquei Justin e ele sorriu.

— Não sei porque eu amei esse engano que o garçom fez. — Comentou e eu sorri.

— Eu também.

Nós nos sentamos na mesa que o garçom indicou e eu peguei meu celular dentro da bolsa. Havia uma mensagem de Amanda.

"Amanda:  MIGA NEM SABE,EU SAÍ COM O BOY,ESTAMOS EM UM RESTAURANTE AGORA."

"Eu: Que bom miga,eu também estou lembra? Boa noite pra você e pro boy."

"Amanda: Obrigada amiga."

"Amanda: Boa noite."

"Justin: Pare de olhar para o celular e converse comigo."

Desliguei o celular e olhei para o rosto angelical de Justin,ele me olhava enquanto franzia a sombrancelha.

— Então,sobre o que quer falar? — Perguntei.

— Não sei. — Bufei.

— Ora "não sei",eu não interrompi minha conversa pra não falarmos sobre nada. — Retruquei brava.

— Calma bravinha. Então quer dizer que a sua conversa estava mais interessante do que nosso jantar? — Falou.

— Sim. — Eu disse. Justin riu.

— Então vamos fazer esse jantar ficar interessante. Nós nunca paramos pra falar dos defeitos e qualidades do outro.— Falou. — Diga-me,quais são seus defeitos?

 — Defeitos? Bom,na visão dos outros eu sou grossa e brava e...

— É verdade. — Interrompeu-me enquanto tomava um gole de vinho.

— Xiu,deixa eu terminar de falar.—Eu disse. — Na visão dos outros eu sou grossa e brava,eu nunca consigo falar com alguém sem fazer um draminha ou discutir. — Falei e ele assentiu. — E você Justin?

— Bom,eu sou um cara ciumento e emotivo... — Falou.

— E gosta de interromper a fala dos outros. — Comentei,sem me dar conta do que havia acabado de fazer.

— E você fez o que agora? — Disse e eu ri.

— Comigo não vale. Só com você.— Ele riu.

— Anotado: outro defeito da Megan. "Comigo não vale,só com você".—Disse e eu ri.

— Agora vamos pra parte boa.— Falei.

— A parte que eu te beijo? — Eu ri.

— Não Justin!A parte das qualidades.— Adverti. — Fale das suas.

— Eu sempre procuro ser amigo,nunca abandono uma pessoa nos seus piores dias... — eu ri.

— Mas foi abandonado. Tadinho.— Fiz uma cara de nenê chorão e ele ficou sério.

— Não tem graça. Recapitulando,eu sempre sou amigo nas piores horas e companheiro. — Disse.

— Só isso?

— Ninguém é perfeito Megan,agora me diga suas qualidades. — Ele disse.

— Eu sou caridosa,ajudo os necessitados... — Ele interrompeu.

— Estou necessitado do seu corpo,você podia me ajudar? — Murmurou safado. Eu revirei os olhos.

— Não tem graça. — Repeti sua fala de minutos atrás.

— Pra mim tem.

— Bom,eu estava dizendo que eu sou caridosa,sempre ajudo um necessitado,também sou simpática,sei ser um amorzinho quando eu quero,e também posso fazer uma tempestade num copo d'água. — Falei e ele riu.

— Eu que o diga.

Senti meu celular vibrar e ouvi Justin tossir pra disfarçar o incômodo. Havia uma mensagem nova de Amanda.

"Amanda: MIGA,ESTAMOS NO MESMO RESTAURANTE. OLHE PARA A JANELA."

Olhei para a janela e vi Amanda acenando para mim e à sua frente estava o seu boy. Pisquei os olhos algumas vezes,não,não podia ser,os flashbacks daquela noite invadiram minha cabeça em vários turbilhões,ele não podia nunca ter voltado,nunca!

FLASHBACK

Eu estava esperando meu namorado Josh sair de seu apartamento,ele estava demorando muito,o que me incomodava bastante. Resolvi subir e ver se ele estava bem,pois se não respondia minhas mensagens,algo estava errado. Dobrei o corredor e fui até a porta de seu apartamento,abrindo a mesma. Ouvi barulhos estranhos vindo de seu quarto,mais precisamente gemidos. A minha cabeça estava à mil,meu coração batia forte,resolvi abrir a porta e ver o que se passava lá dentro,porém,me arrependi, Josh estava com uma loira e os dois estavam um encima do outro enquanto transavam, senti nojo e repulsa de Josh, voltei a encará-lo e o mesmo me olhava. Ele arregalou os olhos e a moça saiu de cima dele.

— Megan,eu posso explicar! — Se defendeu.

— Explicar o quê,Josh? Eu vi muito bem, agora vai me dizer que foi um acidente? — Gritei enfurecida. Eu tinha apenas 17 anos e já estava enfrentando isso.

— Mas foi um acidente! — Eu ri descontroladamente.

— Ah sim,o seu pênis escorregou pra dentro dela por acidente não é? Eu não nasci ontem,não sou trouxa Josh! — Gritei.

— Eu já vou indo amor. — A vadia disse e eu a puxei pelo braço.

— Ah não, você vai ficar aqui e vai escutar tudo sua piranha! — Gritei e joguei as roupas dela pela janela.

— Sua louca! Eu tenho uma reputação a zelar! — A puta reclamou.

— Se você tivesse mesmo uma reputação a zelar nunca dormiria com o namorado das outras! — Berrei.

— Amor,vai pra sua casa,você não está bem,deve ter tomado alguma coisa e...— Eu interrompi.

— Eu não tomei nada! Eu sei muito bem o que eu vi! E se tem uma coisa que eu não aturo Josh, é traição! — Dei um tapa em sua cara e fui em direção ao guarda-roupa,jogando as roupas dele na rua.

— Megan,não faz isso! Já é maldade! — Gritou desesperado.

— E o que você fez comigo não é maldade? Cresce Josh. — Falei e fui em direção à saída do apartamento,porém a piranha segurou meu braço.

— Quem você pensa que é pra fazer isso e sair do apartamento como se nada tivesse acontecido? — Perguntou com uma voz histérica.

— Sou a garota leal e fiel que você nunca irá ser pelo simples fato de ser uma piranha. — Falei e cuspi em seu rosto,indo em direção à saída do apartamento.

FLASHBACK OFF

Depois disso eu me isolei completamente,passava dias chorando por quem não merecia o meu amor. Os anos se passaram e eu superei,mas agora parece que ele voltou para destruir minha vida. Comecei a ficar tonta, Amanda estava com uma cara de desentendida,coitada,mal sabia ela havia encontrado um canalha. Me levantei.

— Onde você vai? — Justin perguntou.

— No banheiro,não estou me sentindo muito bem. — Respondi.

— Quer que eu vá junto? — Seu tom mudou de normal para preocupado.

— Não precisa. — Respondi e ele assentiu.

Saí em direção ao banheiro,minha cabeça girava e tudo à minha volta parecia se mexer. Eu podia muito bem colocar a culpa no vinho,mas eu não bebi tanto assim para ficar bêbada. Eu sabia o que havia acontecido,a depressão voltou,as vozes voltaram,eu estava perdida. Comecei a chorar,foi quando ouvi uma voz atrás de mim.

— Megan?

 


Notas Finais


Eu gostaria de deixar créditos para a escritora da fanfic Unknown lá no Wattpad,eu peguei uma frase que o Justin disse de lá.

Obrigada(o) por ler.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...