História It Was Love Before It Was Even! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Jimin, Jungkook, Kai, Lay, Sehun, Suho, V, Xiumin
Tags Chansoo, Kaibeak, Mpreg, Xiuchen
Visualizações 32
Palavras 3.060
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olar pessoas, turu bão? Espero que sim. Antes de tudo eu queria dar alguns avisos, tudo bem?
- Bom, o plot da fic é da minha linda abiga Ana Paula (@Rubi_Tholy, um beijo pra tu), ela pediu para eu escrever e cá estou.
- É uma fic que tem mpreg, primeira vez que escrevo coisa do tipo e não tenho experiência com histórias mpreg, qualquer coisa me avisem
- Não é ABO
- Sei que pode parecer estranho um monte de homens sendo homossexuais e que tenham filhos mas tentem levar na ficção mesmo
- O Jimin, Jungkook e Taehyung retratados na história é de fato do Bangtan Boys mas é claro que o sobrenome do Jungkook teria que mudar por conta dos pais dele na fanfic não terem o sobrenome "Jeon", o do Jimin e do Tae continua o mesmo e depois vocês irão entender o motivo

Acho que por enquanto é só, boa leitura meus bolinhos de arroz <3

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction It Was Love Before It Was Even! - Capítulo 1 - Capítulo 1

- Cara, vamos. Faz tempo que você só faz a mesma coisa. Trabalho, casa, casa, trabalho - Jongin disse para o pequeno dos grandes olhos

- Ah... Tudo bem. Mas eu não vou beber demais, amanhã tenho reunião, vou logo avisando

- Tá, tá, vai logo se arrumar - o moreno disse empurrando o amigo para dentro do quarto

Kyungsoo bufou e foi em direção do guarda roupa pegando a primeira roupa que viu. Ao vê-lo Jongin deu um sorriso vitorioso o que resultou em um soco do baixinho em seu braço. O caminho até a boate foi em silêncio total, chegando no local quase às 11 horas da noite.

- Vaaaai, Kyung. Só um golinho, você veio para se divertir ou ficar com cara de quem comeu e não gostou? - Jongin falava manhoso para convencer o amigo.

Kyungsoo e Jongin eram vizinhos desde que se entendem por gente, o que acabou gerando uma amizade forte entre eles, Jongin sabia como convencer Kyungsoo facilmente.

- Um de nós tem que ficar sóbrio para dirigir de volta para casa. Um de nós trabalha. Um de nós tem uma reunião importante amanhã. Um de nós não pode beber. - Kyungsoo disse sério

- Olha, entendo que não queria vir mas também não precisa ser tão ignorante assim. - O mais novo entre os dois disse, se afastando após tomar as duas doses que havia pedido ao barman

Kyungsoo respirou fundo, se sentindo péssimo. Ele sempre ficava triste e agia de forma inconsciente quando discutia ou brigava com Jongin. Já havia ficado bêbado diversas vezes, batido o carro uma vez, quebrado pratos e coisas do tipo, parecia um homem que tinha perdido a namorada.

Aos poucos, Kyungsoo, esqueceu de sua tão importante reunião e foi perdendo o controle bebendo dose atrás de dose. Quando levantou para ir atrás de Jongin e percebeu sua visão embaçada se tocou que tinha errado feio, mais uma vez.

- Aish. Não faço nada certo - sussurrou para si mesmo

Andou entre as dezenas de pessoas no local e após muito tempo e dificuldade achou seu amigo, se esfregando em um cara que não parecia nada feliz com aquilo. Riu baixinho e foi até o moreno

- Cara, para com isso. Vamos, vamos embora. - Kyung puxava o mais alto que insistia em fazer corpo mole, como uma criança, por não querer ir embora - Kim Jongin! Vamos agora.

- Você bebeu não é? - ele soltou uma de suas gargalhadas escandalosas - Você tá bêbado. Aeeee - Jongin comemorava e Kyungsoo queria que seu amigo apenas calasse a boca

Kyungsoo olhava para Jongin como se estivesse hipnotizado e então o beijou. O beijou ali, no meio de várias pessoas como se elas não existissem, como se ele não fosse seu melhor amigo.

Jongin o puxou pelo braço e foram para o carro, mesmo consciente que era ilegal, respirou fundo e dirigiu até sua casa. Pegando Kyungsoo mais uma vez pelo braço, o levou para dentro e o beijou novamente. O baixinho não protestou, apenas o correspondeu com toda sua intensidade.

Em um ato inesperado, Kyungsoo jogou Jongin no sofá e sentou em seu colo

- Do Kyungsoo, nunca esperei isso de você - Jongin disse rindo enquanto o carinha com sorriso de coração tirava a camisa do moreno.

- Cala boca - Kyung disse o beijando novamente.

O celular tocava desesperadamente no chão junto as roupas do baixinho de grandes olhos, o mesmo se encontrava enroscado no corpo de Jongin no sofá.

- Alguém desliga isso, eu quero dormir - Kyung murmurou

- Deixa tocar, estou com sono demais para levantar - Jongin murmurou de volta

Kyungsoo relaxou por um segundo até que uma dúvida surgiu; Por que Jongin estava na sua casa e dormindo com ele? Kyungsoo levantou rapidamente e ao olhar em volta percebeu que não era sua casa. Olhou para o chão da sala, suas roupas, as roupas de Jongin e o mais assustador: os dois completamente nus

- Kim Jongin - o baixinho gritou enquanto vestia sua cueca, Jongin deu um pulo do sofá. - Não acredito que isso aconteceu, não, não.

- O que? Aish, você tinha uma reunião, né? Não era minha intenção fazer você perdê-la - o moreno disse passando a mão no cabelo

- Reunião? - Kyungsoo parou de se vestir por um segundo ao se lembrar do compromisso - Eu perdi a reunião - ele caiu de joelhos - perdi uma oportunidade única...aish

Kyung lamentava enquanto puxava seus fios pretos e socava as próprias coxas.

- Kyung... Por que você está se vestindo e por que eu estou sem roupa? - Jongin disse baixo

- O que você acha? Eu sabia que era um erro ir nessa boate com você. Eu sabia.- Kyungsoo gritava furioso - Eu transei com meu melhor amigo, isso tem cabimento? Meu Deus, Jongin.

O baixinho pegou seu celular para ver a hora. Passava das duas da tarde e havia 19 chamadas perdidas, algumas de sua colega de trabalho, algumas da secretária do seu chefe e duas do seu próprio chefe. Kyungsoo respirou fundo, ia ouvir um sermão enorme.

- Até depois, Jongin. - O carinha de boca de coração disse saindo e batendo a porta, Jongin não moveu um dedo, estava processando tudo e se sentindo péssimo.

- Espero que saiba a consequência de seus atos, senhor Do. - o presidente da empresa falava duramente para Kyungsoo

- Sim

- Muito bem, volte para seus afazeres. Sua última chance.

Kyungsoo estava esperançoso para aquela reunião, já que seu chefe prometeu que o promoveria caso fosse um sucesso, o que não aconteceu no final das contas.  Trabalharia duramente pelos próximos meses para conseguir essa chance novamente.

-----

Vômitos e mudanças de humor repentinas, enjoo e desejo de comer a toda hora. Kyungsoo desconfiava do motivo mas preferia acreditar que era um virose, aquilo não podia acontecer a essa altura do campeonato, não agora que estava começando a crescer profissionalmente.

Foi direto fazer um exame de sangue, quanto antes ele soubesse o que era, melhor.

- Senhor Do Kyungsoo - a enfermeira chamava o baixinho - Aqui está o resultado seus exames.

Kyungsoo estacionou o carro e correu para dentro da casa de Jongin.

- Deu ruim! - O baixinho dispara de uma vez logo que abriu a porta, encontrando um Jongin com o rosto sujo de cobertura de bolo - O que... Você parece uma criança mesmo - ele disse rindo de leve - espera ai

Kyungsoo foi a cozinha e pegou alguns guardanapos e foi até o moreno, Jongin continuava comendo feito uma criança, se sujando cada vez mais

- Deixa eu limpar um pouco isso - ele passou o guardanapo nas bochechas e pela boca do amigo que o olhava curioso

- O que aconteceu que deu ruim? - Kim perguntou ainda de boca cheia

- Então...

Kyungsoo contou sobre o teste e o resultado. O moreno já sabia que o amigo tinha uma coisa em especial, afinal, eram melhores amigos há anos e Kyung nunca se importou em falar disso, era bem mente aberta, herdou de sua mãe.

- Aish, meus pais vão me matar. - Jongin falava

- Só não contar ainda, ué. Bom, agora você precisa arrumar um trabalho e eu decidi que vou continuar no meu só até a barriga começar a ficar aparente

- Usa algo folgado e assim não precisa sair do seu trabalho

- Desde quando terno fica bem folgado o suficiente para não aparecer? Ou melhor, desde quando terno se usa folgado? - O baixinho deu um tapa na cabeça do moreno

- Ai - ele reclamou - foi mal

Kyungsoo suspirou, teria muito trabalho com essas duas crianças. Só estava preocupado como sustentaria o bebê já que Jongin ainda não tinha nem terminado a faculdade. Pensou em recorrer a sua mãe, já que era a única que poderia ajudar.

5 anos depois

Em uma de suas idas aos cafés da cidade, Kyungsoo conheceu um curioso e alto rapaz, suas grandes orelhas e sorriso aberto, chamaram quase tanta atenção quanto sua personalidade que o fazia parecer um crianção. Quando Kyungsoo viu o mais desajeitado e tímido garçom de toda sua vida, quis o conhecer cada vez mais, exigindo para cada outro garçom que o cara alto e tímido era quem queria que o atendesse sempre.

Aos poucos uma amizade nasceu; o altão e o baixinho, típico clichê. Mas não durou muito, Kyungsoo sentia as coisas mudando e temeu que isso estragaria tudo. No final das contas, a criança de quase dois metros de altura deixou sua timidez, tomando a iniciativa que jamais imaginara tomar. Jogou o baixinho contra a parede, o pedindo em namoro - e se quer já haviam chegado perto de se beijar alguma vez, nunca passou de mãos que se esbarravam as vezes.

Kyungsoo só fez o que seu coração mandou. Escapou por entre as pernas do maior e correu para longe o mais rápido que pôde, deixando para trás, um quase gigante nomeado de Park Chanyeol, bem tristonho. Chanyeol não desistiu e depois de dias quando conseguiu achar o fugitivo, resolveu descontar sua raiva no baixinho, o mesmo não aguentou tanto blá, blá, blá e calou o mais alto com um beijo.

Kyungsoo e Chanyeol quase tornaram-se um só, amantes; acima de tudo, amigos e... Pais. Para Chanyeol foi um choque tanto quando descobriu que Kyungsoo tinha um filho quando descobriu que o filho era biológico e não tinha vindo de uma mulher. Confuso? Bastante, mas Chanyeol não se importava, apenas aceitava.

- Amor, eu pensei em abrir minha escolinha de música. Tenho dinheiro suficiente para comprar aquele lote bem grande. - Chanyeol falava enquanto fazia cafuné em Kyungsoo que estava com a cabeça deitada no peitoral do mais alto

- Eu apoio, além disso posso ajudar você na decoração

- Não precisa, Kyungsoo

- Mas eu vou, quero ajudar - os dois ficaram se encarando e se espantaram quando a porta se abriu bruscamente

Uma mulher baixinha e de belos olhos razoavelmente grandes invadiu o quarto, seu salto alto fazia barulho no chão enquanto andava até a cama.

- Omma Do - Chanyeol levantou de uma só vez, tirando Kyungsoo de sua posição e deixando-o irritado. - Que bom vê-la aqui - a abraçou bem forte

- Me ponha no chão, menino - ambos riram - vá por uma camisa, não vê que tem uma senhora no quarto - Chanyeol foi vestir a camisa rindo baixinho

- Mãe, já disse para bater quando quiser entrar. - Kyungsoo reclamou vestindo uma camisa também

- Eu posso entrar na hora que eu quiser, moleque. Não tenho culpa se vocês não tem paciência para acalmar os hormônios somente a noite

Chanyeol riu de um jeito escandaloso e Kyungsoo ficou vermelhinho.

- Vão se arrumar, Kookie já está pronto e de café tomado.

- Se arrumar para quê, mãe? - Kyungsoo pôs a mão no rosto, o baixinho conhecia bem a mãe que tinha e ela sempre fazia coisas que já não eram para sua idade

- Sair, oras; eu 'tô ficando velha, não estou morrendo. Vamos as compraaaaas. -ela disse cantarolando a última frase, saindo do quarto em seguida

- Amo sua mãe - O grandão disse sorrindo e Kyung o atacou com um travesseiro, se direcionando emburrado para o closet - Ue, o que eu fiz? 

A porta do closet foi aberta, por apenas uma fresta, Kyungsoo disse alto e claro, curto e grosso:

- Nasceu! - e bateu a porta

Jungkook corria e pulava eufórico pelos corredores do shopping, a Sra Do ria e brincava de correr com o pequeno. Chanyeol estava sentado, mexendo no celular e olhava para o filho, as vezes, para saber o por que de tantas risadas;  Kyungsoo falava ao celular, distante mas era notável que falava baixo e meio tenso.

Mesmo que tudo sempre fosse agradável, todas as vezes, Kyungsoo ainda se sentia estranho em chamar Jongin em alguns passeios em que Chanyeol estava.

- Amor? - Chanyeol o olhou - Vamos? Podemos ir em alguma loja de brinquedos e ir no cinema, não sei - o mais alto riu já que o baixinho nunca sabia o que fazer quando iam passear no shopping

- E depois um lanche - o mais alto sorriu - O Jongin vem dessa vez, amor? - Kyungsoo ficou tenso

- Vem sim, ele deve chegar mais tarde, na hora do cinema

- Ótimo, faz tempo que não vejo aquele doido - Chanyeol sorriu e um alivio, já comum, percorreu o corpo do baixinho

Os quatro foram em muitas lojas, fazendo quase todas as vontades do pequeno Kookie, naquele dia. O celular de Kyungsoo tocou

- Já cheguei - disse a voz do outro lado - estou em frente ao cinema

- Estamos indo - Kyung disse e desligou - Mãe, Kookie, Chany, vamos.

A senhora Do foi na frente alegando ter coisas para fazer - muitas compras, ela disse - enquanto dois homens e um garotinho vinham atrás calmamente. Assim que Kookie viu Jongin, correu até o moreno

- Papaaai - o menino disse pulando nos braços de Jongin

- Oi, meu amor. Quem é o garoto mais forte do mundo?

- Sou eu, sou eu papai - Kookie mostrava o pequeno bracinho como quem quisesse mostrar os músculos

- Que forte, o orgulho do papai - disse o moreno espalhando beijinhos pelo pequeno rosto do menino

Agora os, novamente, quatro, iam para a fila comprar ingressos para um filme infantil.

Ao saírem da sala de cinema, o pequeno Jungkook reclamava de fome. Enquanto sentavam-se a mesa, Kyungsoo perguntava o que queriam para ir fazer o pedido.

- Quero o lanche que vem com brinquedinho papai - Kookie disse enquanto olhava o cardápio distraidamente, como gente grande.

- Tudo bem e vocês?

- Qualquer um - Jongin disse enquanto mexia no celular mas Kyung sabia que esse qualquer um tinha que ter 3 carnes

- Aquele de frango que eu amo - Chanyeol sorriu com os olhos brilhando.

As pernas do baixinho quase falharam como na primeira vez que se viram, efeitos do sorriso de Park Chanyeol, mas fingiu não ter acontecido nada, acenou com a cabeça e foi em direção ao balcão.

- Hey, Jongin-ah. - o moreno olhou para o mais alto - eu preciso comprar uma coisa, não vou demorar, se o Kyungsoo perguntar, fui pegar meu celular que deixei no carro

- Chanyeol-ah, você já usou seu celular várias vezes para tirar fotos do kookie - Jongin riu - ele vai saber que é mentira

- Verdade, verdade

- Tio, você vai ao banheiro? - O pequeno perguntou

- Ah, boa ideia. Diga ao Kyung que fui ao banheiro e não, kookie, não vou ao banheiro - o mais alto verificou mais uma vez se a fila do Mc Donalds continuava extensa para ter certeza que teria tempo de sobra para comprar o que desejava e voltar antes que Kyungsoo estivesse na mesa

- Mas... Papai, o tio Chany não sabe que mentir é feio?

- Sabe, depois nós brigamos com ele, apenas não diga nada ao papai, ta bem? - O moreno sorriu ao ver que o filho concordou com a cabeça

Kookie tagarelava sem parar, suas aulas começariam em uma semana, estava ansioso para rever os amiguinhos e fazer novos, além de conhecer a nova professora.

- Oi, você tem um brinquedo muito legal, posso brincar um pouco?

Jungkook se assustou com a aparição repentina do menininho dos cabelos castanhos. Ficaram se encarando por uns segundos. Kookie mantinha uma expressão assustada e desconfiada enquanto o garotinho mantinha seu sorriso e um brinquedinho já velho nas mãos.

- Podemos trocar, eu brinco um pouco com o seu e você brinca um pouco com o meu.

Kookie olhou para o seu boneco novo do Batman e para a pequena pelúcia do Ryan Kakao já bem desgastada e suja. Quando o menino ia responder e concordar com a rápida troca, uma voz apareceu. Jongin que antes mantinha sua atenção nos garotos, subiu o olhar para aquele homem que corria em direção a mesa deles.

- Taehyung! Eu já disse para não sair assim de perto de mim. - o homem de cabelos pretos disse firme - me desculpe pelo meu filho - ele disse visivelmente acanhado.

- Tudo bem, entendo você- Jongin disse sorrindo - esse aqui já me deu muito trabalho quando era mais novo - o pequeno Kookie se encolheu na cadeira

- Papai, não fala assim - o garoto fez um biquinho adorável e o moreno riu

- Me desculpe mais uma vez - o homem disse mais uma vez recuando para ir embora

Ao ouvir um barulho, pulou de susto e com o rosto pálido, se virou, encontrando Kyungsoo um pouco molhado e todo o lanche que havia na bandeja, no chão.

- Eita, papai. O moço derrubou o lanche. - Kookie disse fazendo o desconhecido corar e o fazendo formar uma expressão levemente confusa

- Aish, me desculpe. Me desculpe. Me desculpe.

- Ai, Jongin chame o zelador por favor. -  Kyungsoo ignorou completamente o que o desconhecido dissera - Aish. Kookie, fique sentadinho ali, papai vai comprar outro logo.

- Me perdoe senhor, eu não vi, eu...

- Ah, tudo bem. - Kyungsoo olhou para o rapaz com seus grandes olhos e um sorriso nos lábios

- Não está, moço. Eu derrubei o lanche de vocês, pode deixar que eu compro outro.

Kyungsoo recolheu os hambúrgueres e os jogou fora.

- Realmente está tudo bem. Pode me chamar de Kyungsoo.

- Sou Baekhyun. Já que você insiste que está tudo bem, eu não irei perturbar mais. - Baekhyun disse sorrindo disfarçadamente - vamos Taetae.

Baekhyun se virou e viu que os meninos brincavam com seus brinquedos e os outros dois que acompanham o lanche. Por um momento, o rapaz se sentou mal, mas precisavam ir embora.

- Taehyung. Vamos, filho.

- Eles estão brincando, não quer sentar conosco para lanchar?

- Não quero atrapalhar. É um momento em  família, certo? Ele chamou o rapaz moreno de pai...

- Ah, o Jongin. Sim, somos os pais dele mas vocês não iriam atrapalhar em nada.

Baekhyun sorriu em agradecimento e foi comprar um lanche para ele e Taehyung. Kyungsoo foi logo depois, Jongin agradeia ao zelador que estava se retirando.

- Olá, sou Jongin. Kim Jongin. - ele sorriu e Baekhyun corou violentamente, o que fez Jongin rir. Baek respirou fundo como se pedisse ajuda para algum ser superior

- Sou Baekhyun. Byun Baekhyun. - ele sorriu imitando a fala do moreno


Notas Finais


E aí? O que acharam? Espero que tenham gostado. Lutei muito contra o bloqueio criativo já que esse capítulo foi feito após minha semana de provas em Junho haha
Até o próximo capítulo querido baozi ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...