História Destiny -Imagine Suga - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Suga
Tags Bangtan Boys, Bts, Min Yoongi, Suga
Exibições 82
Palavras 1.807
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Um imaginezinho com o Suga ~coração gay~
Eu já tinha escrito há um tempo, só que não tinha gostado muito do resultado final.
Enfim resolvi postar.

Espero que gostem.

Capítulo 1 - One shot.


Fanfic / Fanfiction Destiny -Imagine Suga - Capítulo 1 - One shot.

Mais uma noite tinha chegado e eu estava sozinha em uma pub qualquer da cidade, como sempre fazia aos sábados, fiquei sentada no bar tomando alguns drinks.

Olhei em direção a pista de dança e me animei em ir dançar. Assim que cheguei começou a tocar Daddy do PSY. Eu mexia os quadris no ritmo da música, sem tirar o copo da mão (já que aquele seria o último da noite).

Senti um corpo próximo ao meu e me virei para ver o rosto de quem tinha se aproximado tão repentinamente. Era um homem, muito bonito, que parecia ter em torno de seus 20 e poucos anos. Ele parecia ter uns 3 metros de altura.

-Boa noite, gatinha. -Ele disse em meu ouvido com um tom de voz elevado. Dava para sentir o bafo de bebida sem esforços.

-Boa noite, com licença. -Não iria dar bola para um bêbado, pelo jeito que ele falava e agia dava pra perceber que era encrenca na certa. Sai de perto dele e fui ao banheiro.

Retoquei a maquiagem, ajeitei meu cabelo e sai do mesmo. Estava saindo quando alguém me imprensou na parede ao lado de fora do banheiro.

-Gatinha, nem comecei o que queria fazer e você já saí assim? Não mesmo. -Era aquele cara de novo. Eu sabia que ele era encrenca!

-Será que você pode me soltar por favor? - Pedi enquanto fazia força

-Calma, gatinha. Vamos pra minha casa e lá você relaxa um pouco. -Ele começou a beijar meu pescoço, ele foi subindo até chegar na minha boca. Eu comecei a tentar empurra-lo, tudo em vão, porque ele era mais forte que eu.

-Me solta! - Pedi novamente e nada.

-Solta ela! -Alguém disse atrás do homem.

-E você, quem é? O namorado dela?

-Não te interessa. Já disse pra soltar ela. - Eu não fazia ideia de quem era aquele garoto, mas nunca agradeci tanto alguém mentalmente.

Foi tudo muito rápido, quando fui ver os dois rolavam no chão trocando socos. O homem que estava me agarrando -que estava muito bêbado para conseguir brigar- já estava quase desmaiado quando eu segurei o braço do garoto para que não desse seu último soco.

-Para, por favor. -Pedi olhando no fundo dos olhos do mesmo. Ele saiu de cima do homem e ia saindo quando segurei um de seus braços, impedindo que ele continuasse.

-Obrigada.

-De nada. Tome mais cuidado, por favor. -Ele disse sério e foi embora. O vi sair da pub e ir em direção ao estacionamento. Sinceramente, não  sei o que deu em mim, quando dei por mim já estava no estacionamento a procura do garoto misterioso.

Eu olhava em volta e avistei um cabelo branco sentado no meio fio.

-Você está bem? -Perguntei me aproximando e vendo que ele estava de cabeça baixa encarando suas mãos machucadas.

-Estou. O que está fazendo aqui? -Perguntou finalmente me encarando.

-Eu também não sei. Não estou mais com clima para ficar lá dentro. -Ele assentiu e nós ficamos em silêncio, apenas com o som que vinha de dentro do local.

-Como é seu nome? -Resolvi quebrar o silêncio com um sorriso fraco.

-Min Yoongi.

-Sou Lee Hyorin. -Estendi minha mão e ele a apertou.- Sabe... Sua mão ta bastante machucada e seu rosto também. -Disse passando levemente meus dedos no machucado que estava em seu rosto.

-Esta tudo bem. -Ele disse segurando minha mão e a empurrando delicadamente.

-Vamos eu vou cuidar disso para você.

-Não precisa, já disse que está tudo bem.

-É minha maneira de agradecer pelo que você fez. -Levantei e estendi a mão para que ele fizesse o mesmo. Ele bufou derrotado e me acompanhou.

-Você dirige? -Ele perguntou assim que eu destranquei o meu carro.

-Sim, por quê? Tenho cara de ser muito nova para isso?

-Exatamente. -Ele respondeu dando um sorriso enquanto entrava no carro.

Fomos o caminho inteiro conversando sobre assuntos aleatórios. Na verdade eu conversava, ele só respondia.

-Chegamos. -Exclamei estacionando o carro. Saímos e abri a porta da entrada para que ele entrasse.

-Senta aí, vou no meu quarto pegar o kit primeiros socorros. -Deixei ele sentado na sala e fui até meu quarto. Tirei meu salto e prendi meus cabelo em um rabo de cavalo.

Voltei para sala e ele estava na mesma posição olhando para o nada. Sentei ao seu lado e ele se virou para mim

-Talvez vá arder um pouco. -Disse segurando delicadamente a mão dele. Era estranho para mim cuidar de alguém, não tenho irmãos e meus pais nunca me deram muita atenção.

Comecei a passar o remédio em suas mão e depois enfaixei, indo fazer curativos em seu rosto. Ele fazia caras e bocas o tempo todo.

Eu estava próxima de seu rosto, com uma mão segurando seu queixo enquanto a outra eu terminava de fazer o curativo.

Me assustei quando senti a mão dele na minha. Ele me encarava profundamente e acariciava minha mão delicadamente. Senti ele segurar a barra da minha blusa e do nada me puxar por ela mesmo, selando nossos lábios

Ele pediu passagem com a língua e, por mais estranho que seja, eu cedi.

Foi um beijo calmo e doce, que me fez sentir borboletas no estomago.

Ele tinha gosto de açúcar.

Depois que nos separamos continuei de olhos fechados e assim que abri dei de cara com o sorriso mais meigo que já vi. Estávamos os dois corados, mas eu só retribui o sorriso.

-Acho melhor eu ir para casa. Já esta ficando tarde.

-Não, fica mais um pouco. - Fiz cara de cachorro que caiu da mudança.

-Tem certeza? Não quero incomodar.

-Óbvio que você não vai incomodar. Sabe... Eu fico bastante sozinha e você me parece uma ótima companhia. -Respondi dando de ombros.

-Se você diz. -Ele riu nasalmente.

-O que você acha da gente ver um filme?

-Parece legal.

-Vem, vamos arrumar um camão aqui na sala. -O puxei até meu quarto e foi muito engraçado nós dois tentando levar o colchão até a sala sem que ninguém caisse.

-Você é muito fraco. - Disse para ele rindo.

-Fica difícil carregar um colchão se ele é maior que você.

-Não é maior que você.

-Eu estava falando de você. -Ele começou a rir. Não creio que ele zoou minha altura assim, na cara dura. Ele nem é tão alto assim.

-Muito engraçado você. Vou fazer pipoca, você que se vire para arrumar a cama aí. - Rimos e eu fui em direção a cozinha. Preparei a pipoca e quando voltei a sala estava arrumada.

-Uau, que rápido você.

-Muito obrigado. -Ele respondeu rindo.

-Vamos escolher um filme. Você gosta de terror? -Perguntei colocando a pipoca em cima do camão e indo procurar um filme descente.

-Ta de brincadeira? Meu gênero favorito. -Ele disse empolgado.

Peguei um filme de terror, apaguei a luz e me deitei ao lado dele, com o pote de pipoca entre nós dois. As vezes eu me assustava e ele ria, me fazendo dar leves tapas em seu braço.

Eu estava me sentindo muito bem. Era estranho depois de tanto tempo sozinha, finalmente, ter alguém -agradável- comigo. Mesmo que fosse por pouco tempo.

-Agora sim, acho que já está na minha hora. -Ele se levantou depois que o filme acabou. Dessa vez eu não o impedi de ir.

O levei até a porta e sentia estar esquecendo de alguma coisa, só não sabia o que era.

-Se cuide. Até a próxima. -Ele se aproximou, deixou um leve beijo no canto da minha boca e foi embora.

Depois de vê-lo partir dei uma arrumada na sala e fui para meu quarto. Tome um banho relaxante e me deitei.

Eu estava com sono e não conseguia dormir, que vida triste. Decidi então ficar mexendo no celular.

Lembrei! Ai não, mas que merda. Eu conheci um garoto super fofo e simpático e nós não trocamos nem nossos números. Eu só sabia que ele se chamava Min Yoongi.

(...)

Já tinha se passado um mês desdo ocorrido na pub e desde então eu não parei de pensar no menino de sorriso doce e cabelo branco.

Saí do trabalho e até iria pra casa mas eu não queria nem cozinhar, nem ficar no tédio e nem ficar sozinha. Optei por ir à uma cafeteria no centro da cidade.

Eu sempre ia lá, era aconchegante e eu já conhecia todos os funcionários.

-Boa tarde, Hyorin. -Era Minhyuk, um dos funcionários mais simpáticos.

-Boa tarde, Hyuk. Como ta sua irmã? -Minhyuk tinha uma irmã mais nova, a mesma tinha asma e a última vez que eu à vi ela deu crise.

-Está bem, graças a Deus.

-Diga que eu mandei lembranças à ela.

-Pode deixar. Você vai querer o de sempre?

-Sim, por favor. -Ele assentiu e se distanciou da mesa.

Fiquei esperando com cara de paisagem, até que percebi alguém se juntar a mim na mesa. Quando me dei conta de quem era me surpreendi.

-Você por aqui? -Perguntou com o mesmo sorriso doce que o daquela noite.

-Eu que o diga... Não pensei que fosse encontrá-lo aqui.

-Digo mesmo. Quando cheguei em casa aquela noite percebi que fui burro e não peguei seu número.

-Eu também só percebi isso quando estava prestes a dormir.

-Parece que o destino interferiu e nos colocou um no caminho do outro de novo. -Não sei por qual razão, mas... Essa frase me fez abrir um grande sorriso.

-É... O destino.

-Então, o que acha de me passar seu número? Antes que me esqueça de novo.

-Será um prazer, Suga.

-Suga? -Ele perguntou confuso.

-É... Você tem um sorriso tão doce e seu beijo tem gosto de açucar.

-Gostei desse apelido. -Nossos pedidos chegaram e nós, finalmente, trocamos nossos número.

-Então o que acha de irmos dar uma volta?

-Adoraria. -Ele se levantou e estendeu a mão para mim, segurei a mesma e o acompanhei.

-Você é de Seoul mesmo? -Ele perguntou enquanto caminhávamos em uma praça.

-Não, sou de Jeju.

-Nossa, que legal. Eu queria ir pra lá, passar uma tempo, conhecer o lugar.

-Eu também queria voltar, faz muito tempo que não volto pra casa.

-Quem sabe um dia não vamos.juntos? Você mata a saudade de casa e me mostra a ilha.

-Seria legal. -Respondi sorrindo.

Ficamos o resto da tarde caminhando e nos conhecendo melhor.

-Eu fico por aqui. -Disse assim que chegamos em frente à minha casa

-Foi um ótimo passeio, ficaria feliz se pudéssemos repetir. -Ele disse dando um daqueles sorrisos encantadores.

-É, Seria ótimo. -Ele se aproximou e selou nossos lábios, pedindo passagem com a língua, quele foi um beijo mas selvagem que o outro.

-Melhor pararmos por aqui. -Disse interrompendo o beijo.

-Eu te mando uma mensagem. -Ele sorriu e eu fiquei o observando ir embora.

Nunca fui de acreditar no destino, mas parece que... Ele me fez mudar de ideia.


Notas Finais


Beijinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...