História Destiny Things - Matthew Espinosa - Capítulo 20


Escrita por: ~ e ~doithayes

Postado
Categorias Cameron Dallas, Hayes Grier, Matthew Espinosa, Nash Grier, Taylor Caniff
Personagens Cameron Dallas, Hayes Grier, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais
Tags Amandasteele, Camerondallas, Hayesgrier, Hot, Matthewespinosa, Nashgrier, Romance
Visualizações 118
Palavras 1.371
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Fantasia, Festa, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura ❤

Capítulo 20 - The Letter


Fanfic / Fanfiction Destiny Things - Matthew Espinosa - Capítulo 20 - The Letter

Mais um dia com o sol irradiando pela janela, o Texas é lindo parece que dias de chuva são raros, todos esses dias que estou aqui só teve uma grande tempestade, e foi durante à noite, quando acordei o sol já estava lá novamente. Eu amo esse clima, mas no momento não faz diferença alguma para mim.  
     — Querida? — Tia Abby disse abrindo a porta — Eu preciso ir à cidade com Alex, resolver umas pendências você gostaria de ir junto? 
    — Ah claro tia, eu adoraria — Meus planos na realidade eram ficar na cama o dia inteiro mas quem sabe ir à cidade me faria melhor — Vou me arrumar e já saímos.
    — Não se apresse, ainda estou fazendo o café, só vim avisar caso não quisesse eu sairia com antecedência para você não ficar muito tempo sozinha
   — Ah sim, mas eu não demoro muito.
      — Está ty, te espero na mesa. 
     Coloquei um vestido soltinho jeans com flores amarelas e um all star branco, fiz tranças no meu cabelo, a higiene matinal e desci, era confortante como aqui eu não usava nada de maquiagem e ainda sim me sentia ótima, Califórnia é maravilhoso em vários aspectos mas as pessoas não são tão simples como aqui, e eu amo isso. 
       A mesa estava com um bolo maravilho e repleta de outras gostosuras, não sei exatamente quanto tempo vou ficar aqui, mas mais uma semana e eu viro uma bolinha. 
      — Tia pq a senhora veio morar tão longe de todos os outros familiares? 
       — Eu cof cof — levei um susto pois tia abby quase se engasgou com o pedaço de bolo de milho — Sempre gostei muito de fazendas, e mesmo que na Califórnia  se possa ter fazendas não seria a mesma coisa que aqui no Texas,  e sabe, eu não tenho mais idade pra vida urbana, eu prefiro meu campo, meus bichinhos, minhas plantações,  aqui eu colho e aqui eu como. Tudo mais natural do jeitinho que eu gosto.
     — Aqui é um ótimo lugar, mas não sei se eu aguentaria viver tão isolada assim, sinto falta da movimentação da cidade.
      — Pois hoje você vai matar essa saudade, se arrume e já iremos. 
     

                ***

    Alex estava dirigindo um jeep, bem bacana, diferente do carro que fomos ao festival, creio que esse era dele. Já fazia uns 45 minutos que estávamos na estrada e só via plantação era bonito. Se eu estivesse com meu celular com certeza tiraria algumas fotos, mas como nem estou usando - o deixei ele em casa. Chegamos na cidade, não era nada comparado com com Los Angeles mas era lindo em igual.
     — Alex vá com a ty até o correio para mim, pegue todas correspondências,  eu vou falar com o Doutor John, a égua Maria tá precisando de uns cuidados. Nos encontramos aqui daqui 20 minutos. 
      — Claro — Alex levantou as mãos como se estivesse rendido, pois tia abby não deixou nem respondermos direito e saiu.Chegamos no correio em menos de cinco minutos, parece que tudo fica do lado um do outro, mas é claro, é o centro da cidade. 
    — Fica aqui que já volto. — Eu apenas consenti. Enquanto Alex ia pegar as correspondências fiquei observando, o centro cidade era linda mesmo.
Estava distraída olhando como as pessoas ali pareciam ser felizes, era o centro de uma cidade, mas eles não andavam sérios,  monótonos. As pessoas se cumprimentavam, sorriam, desejavam bom dia, tinha um encanto no Texas que me fascinava.
     — Ty? — Alex me despertou do transe estalando os dedos na minha frente — Tudo bem? 
     — Tudo, só estou observando como aqui é bonito. 
     — Quando Abby chegar podemos levar você pra conhecer tudo.
      — Eu iria adorar, aliás vamos? 
      — Vamos, ah aliás,  tem uma carta para você — Disse e me entregou uma carta.
    — Uma carta para mim? Mas de quem? 
      — Pelo que vejo não tem remetente, mas abra e leia.
    — Vou fazer isso.
Abri a carta, assim que comecei a ler senti um frio na espinha " _Só continue a ler quando estiver sozinha, caso contrário pare por aqui mesmo_ " 
   — Nossa que cara de espanto, o que tá escrito aí ty? — Alex tentava pegar a carta da minha mão,  mas puxei e guardei - a no bolso do meu vestido. 
   — É uma carta de Matthew — Tentei disfarçar — Alex me prometa uma coisa? 
   — Nossa, calma ty, não vou ver a sua carta não. 
    — Não é isso, não conte a titia que recebi esta carta, não até as coisas melhorarem por favor. Eu sei que ela é minha amiga mas tenho medo do que possa acontecer caso ela descubra que ele conseguiu se comunicar comigo.
    — Uai,  acho que você não deveria esconder nada de Abby, mas se você prefere assim, tudo bem, eu prometo ty.
     — Obrigada Alex você está sendo meu melhor amigo. 
     — Você também vem sendo minha melhor amiga Dorothy Espinosa.
— O sorriso que eu tinha se desfez quando ele falou meu sobrenome, maldito sobrenome, sou grata pela minha família mas ao mesmo tempo, como eu queria possuir outro sobrenome só para poder estar ao lado dele. Alex me abraçou,  acho que entendeu o motivo de eu ter ficado repentinamente triste. 
     — Vejo que vocês tão bem amigos — Tia Abby nos interrompeu — Gosto assim, mas precisamos voltar para casa, vamos aproveitar que Doutor John tá com um tempinho pra olhar a égua,  ele já está a caminho da fazenda e não quero deixar ele sozinho.
     — Ah que pena, a ty queria conhecer a cidade, ela estava hipnotizada por tudo — Alex disse colocando a mão por cima do meu ombro
    — É verdade querida? — Tia Abby perguntou, já estávamos caminhando de volta para o jeep.
     — Sim tia, mas não tem problema nenhum, vamos voltar pra casa.
      — Então fazemos assim, amanhã voltamos e você turista o centro todo, fazemos uma lista hoje de coisas que você quer conhecer e fazer e faremos amanhã tudo bem? 
     — AH — Não pude me conter de felicidade — Claro que pode, quer dizer, se não houver problema.
     — Problema algum minha querida,  agora vamos, se não John chega e eu não estarei la, se ele for embora tô lascada.
Na volta para casa de tia Abby, Alex colocou música, estava tocando músicas texanas,  mas a vibe era incrível, eu não sabia a letra mas gritava e tentava acompanhar eles junto a música, foi hilário.
     Chegamos em casa e Alex foi pra sua casa, tia Abby foi ao estábulo e Doutor John chegou logo em seguida, eu não entendia muito sobre cavalos então falei que precisava de um banho e fui para meu quarto mas na realidade eu só queria terminar de ler a carta de Matthew. Esperei ter certeza que estava sozinha para pegar a carta, sentei na cama e comecei a ler 
       " Só continue a ler quando estiver sozinha, caso contrário pare por aqui mesmo.
     Se você ainda está lendo é porque seguiu meu conselho, bem, eu espero que sim. Como você está querida? Eu acho que bem, venho te observando a algum tempo e só percebi que a cada dia você está mais linda, como cresceu, você era tão pequenina a última vez que tivemos algum contato. Eu estou de olho em você,  não se preocupe, não sou um maníaco e logo estaremos juntos. Estou tentando me aproximar de você,  bem querida, esse é meu primeiro passo. Voltarei a me comunicar com você. Se cuide.
    Com amor, Papai"

Eu segurei a carta e apertei ela em meu peito, estava em estado de choque, não era Matthew,  não era mesmo. Quem enviou era sua carta está brincando com meu coração? Minha mente ficou turva e meu coração acelerado. Não conseguia controlar minha respiração. O que era aquela carta?  Eu espero que não seja uma brincadeira, e se não for? Como isso está acontecendo. Maldita carta. Há 10 minutos eu tinha voltado a ter controle de mim e agora estou completamente perdida. Parece que estou entrando em um buraco e me afundando cada vez mais. Por quê fazem isso com meu pobre coração?


Notas Finais


Obrigada por cada comentário e favorito 💓


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...