História Desventuras - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Personagens Judy Hopps, Nick Wilde
Tags Desventuras, Judy, Nick, Zootopia
Exibições 92
Palavras 1.151
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E ai povo, tudo bem?
Primeiro capítulo dessa fic ''das férias'', e essa promete :D

Bem, deixando toda a enrolação de lado, vamos ao que interessa ;)

Capítulo 1 - Primeiros Passos


POV Judy

 

Assim que ouvi o som do alarme, logo dei um pulo para fora da minha cama, mais um dia de trabalho, e esse provavelmente vai ser dos bons. Apesar de eu continuar morando naquele minúsculo apartamento, as coisas melhoraram bastante. O último mês foi uma loucura, eram desaparecimentos, assassinatos e até mesmo roubos. Depois do último, eu e Nick ficamos de férias pelo resto do mês e inicio deste.

Como ficou chovendo por bom tempo das férias, optei por ficar dentro de casa, afinal, eu tinha meus projetos para cumprir nas férias, além de tentar me acostumar com essa vida em cidade grande. Nick foi voltar a ficar curtindo com o Finnick e seus outros amigos, mas ele é meio que alvo zoação por ‘’virar a casaca’’. Mesmo aproveitando o tempo e ficando isolados um do outro, quando dá, eu e Nick sempre tentamos fazer algo, como anteontem em que a gente foi ver um filme de terror e eu fiquei aterrorizada, o que me custou ser zoada pelo Nick o resto da noite inteira.

Tomei um banho e coloquei o meu uniforme. Desci as escadas e fui de encontro com Nick, que já me esperava na frente da viatura com uma caixa de rosquinhas. Assim que ele me viu, ele me ofereceu uma rosquinha e disse:

— Vai querer uma? Ou ‘tá com medo delas te matarem enquanto você dorme? — disse ele com um sorriso no rosto.

— Você é um besta, sabia? — digo enquanto pego uma.

— Mas admita, Cenourinha, você me adora.

— Ai fica à seu critério— rio—, mas vamos logo, se não chefe Bogo da esporro na gente assim logo no primeiro dia depois das férias.

— Tudo bem, mas você dirige. — diz ele colocando seus óculos.

— Ué, por quê eu? — indago— Você veio dirigindo pra cá, por que não pode dirigir pro DPZ?

— Sei lá...cansei... — ele me olha com aquele sorriso de sacana— Ninguém mandou você morar longe de mim.

— Mas você mora à 3 quadras do meu apartamento!

Ele da uma pausa, pensando e então diz:

— Ah é, verdade. Mas acontece que eu ainda estou de ressaca por conta de ontem a noite, e eu meio que não quero tomar outra coça do Bogo por dirigir de ressaca entãããããoooo, pode dirigir por favor?

— Tá bem, mas só dessa vez. — digo enquanto termino a rosquinha e entro no carro. — Agora vamos indo, que se não vamos nos atrasaremos.

— Você que manda.

...

A sala de distribuição estava agitada, em especial pela disputa de queda de braço entre a Francine e o McChifre. McChifre estava próximo de ganhar, mas então, Francine consegue virar o jogo, e vence. Todos aplaudiram a vitória dela, inclusive eu e Nick. Mas logo a vitória foi interrompida pela porta sendo aberta, e com Bogo entrando lá à passos largos. Bogo andou até seu palanque de madeira, e assim que todos se calaram ele disse:

— Primeiramente, eu queria informar que a Francine venceu o McChifre em uma queda de braço... — ele diz em um tom sério— Oficial Powers você está me devendo oficialmente 10 dólares! — diz ele, apontando para um hipopótamos, que admitia a derrota

Todos caíram na gargalhada, mas logo foram interrompidos pelo tom sério de Bogo.

— Mas agora levando à ferro e fogo, temos alguns casos, e rapaz, esses são dos bons. O primeiro vai para nossos 2 oficiais de maior destaque: Judy Hopps e Nick Wilde.

Eu e Nick nos levantamos e pegamos a pasta, eu pensei em abrir logo, mas Nick preferiu que a gente esperasse até chegarmos no carro. Concordei com ele, pois meio que abrir os casos na nossa viatura se tornou meio que um ‘’ritual’’. Abrimos o caso enquanto bebemos café das Tocas ao som de música de filme antigo. Eu sei que parece besta, mas acontece que investigação às vezes é chato, não são como aquelas séries ou livros em que o detetive se infiltra, é pego, e no final ele acaba com a outra personagem principal. Normalmente nossas investigações se resumem à tentar conversar com alguns animais que quando não são legais, são totais cuzões (É 8 ou 80). Além do mais, é sempre bom tentar descontrair um pouco.

Antes de entrarmos no carro, demos uma passada no refeitório e pegamos um copo de café para cada um junto com uma rosquinha. No caminho pro carro demos uma pausa e cumprimentamos Garramansa, que estava muito feliz como sempre. Saímos da delegacia e entramos na viatura, que nos aguardava na entrada. Me senti no banco do motorista, já Nick se sentou no carona. Abri a pasta e logo me dei de cara com uma notícia de jornal escrita:

 

CANTORA GAZELLE É ENCONTRADA MORTA NESTA MANHÃ DE TERÇA-FEIRA

 

Tapei minha boca assim que eu li aquilo. Nick foi ler, mas a reação dele não foi muito diferente da minha. Junto de outros recortes de jornal, tinha algumas anotações do chefe Bogo explicando melhor a situação.

 

Dois dias antes do retorno de vocês, a cantora Gazelle foi encontrada morta em sua mansão. O marido dela, o antílope Timothy Wheeler, diz estar tão chocado quantos os fãs da cantora, e diz estar disposto a colaborar com as investigações. E desde então, a mídia tem ficado no meu pé dia e noite, e como eu tinha certeza da importância, designei vocês dois à investigarem o acontecido.O próprio Timothy Wheeler me pediu para mandar os policiais que eu designar para falarem com ele. O senhor Wheeler está hospedando no hotel Night Sahara, na rua Tennant 200, no quarto 201. Estarei contando em vocês dois, boa sorte...

C. Bogo

 

Olhei para Nick, que estava igualmente chocado, e perguntei o que deveríamos fazer primeiro.

— Sei lá— ele dá os ombros—, acho que é melhor conversarmos com esse tal de Timothy Wheeler, mas...

— Mas o quê?

— mas, me falaram que ele é piroca da cabeça, dizem que teve uma vez que ele tava tão locasso na bebida, que ele saiu correndo pelado por Zootopia. E o pior que isso foi semana passada!

— Eu não sei, acho que é melhor fazermos isso, afinal, precisamos ter um norte para seguir.  E outra, eu tenho um amigo que se mudou pra Zootopia e está trabalhando em um desses, talvez ele possa nos deixar ver o Wheeler. — digo enquanto como minha rosquinha e bebo o café— Então eu acho que é uma boa tentarmos falar com ele.

— Eu não sei não Cenourinha. — diz Nick, enquanto morde a rosquinha, mas sem desmanchar o seu sorriso—, eu conheço todo mundo, e eu pelo menos acho que se eu mexesse meus pauzinhos, eu conseguiria achar alguém que sabe de algo. Apenas dando meu palpite— ele levanta os óculos e me dá uma piscadela—, mas nunca se sabe, né?

— Melhor falar com o antílope primeiro, depois podemos falar com seus amigos do crime.

— Feito— ele estala os dedos—, vamos lá, pode meter pau nesse carrinho, e bora!

Continua...


Notas Finais


O capítulo foi curtinho apenas para dar um gostinho da história e para ver se gostaram.

Junto com essa fic, eu irei começar uma segunda fic chamada Horizon (Quem gosta de Supernatural ira gostar muito dela). E com o advento das férias, eu poderei me dedicar bastante à escrever, para a nossa alegria.

Vejo vocês logo ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...