História Detalhes: Linha do Tempo. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 29
Palavras 2.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olha eu aqui de novo! E galera, eu nunca imaginei que teria um favorito no primeiro dia de fic. (*u*)
Sei que muitos podem dizer que é pouco mas para mim isso é AMAZING! Obrigada, Kyunna pelo seu favorito, saiba que sou super grata por ele, e muito <3

Aqui vai mais um capítulo e me desculpa pelo cap pequeno .

Capítulo 2 - Voltar.


                  Capítulo Dois: Voltar.

"Algumas pessoas não permanecem em nossas vidas, mas em nossos corações e é nosso dever tentar superar isso a cada dia, sozinhos... Ou não."

                                  ~*~

Zack havia acordado com a luz do Sol que passava pelas frestas finas da cortina.

Ele não fazia a mínima ideia de que horas eram quando se sentou na cama e notando que, mais uma vez, estava sozinho, sem a sua princesa Lorenn ou a sua rainha Viollett. Sem o seu cheiro. Sem os sons da TV e das torradas prontas para serem devoradas junto do incrível suco feito por sua esposa, como sempre faziam nos fins de semana.

Ele caminhou até o banheiro chutando algumas coisas que se encontravam no chão. Olhou-se no espelho e viu seus fios de cabelo bagunçados.

Lavou seu rosto e jogou as roupas que vestia no chão antes de se direcionar ao box. Ele ensaboava seu corpo ainda de olhos fechados, ainda tinha sono. Queria dormir quanto mais possível para iludir sua mente da desgraça que estava sua vida mas se continuasse assim, morreria de fome. 

 Quando terminou o banho, pegou uma toalha próxima, a envolveu em sua cintura e saiu do banheiro. Se jogou na cama, não se importando se estava molhado ou não. Ele arrumaria a casa mesmo, não fazia diferença.

Ele vestiu uma blusa cinza velha e uma calça moletom azul escuro e seguiu caminho para cozinha onde tomou um café da manhã básico, escovou seus dentes e rapidamente foi buscar sacos pretos e grandes juntamente de luvas, um avental para recolher todos os lixos no chão. 

                                  ~*~

Quando terminou de recolher todo o lixo e varrer a casa, olhou o relógio que marcava nove e quarenta e um da manhã. Ele se apressaria, queria ficar de bobeira o quanto possível.

Correu para a máquina de lavar com um cesto de roupas sujas e as pôs lá dentro, o mesmo voltou a cozinha para lavar a louça que não passava despercebida por ninguém que entrasse ali. Estava uma vergonha aquilo.

Terminou já com as mãos doídas ao pegar um pano no balcão para secar as mãos. 

- Okay, agora temos a louça lavada, o chão está limpo, a roupas já estão sendo lavadas... Então, acho que falta passar espanador no móveis, passar um pano nas janelas, dobrar os lençóis e cobertas e guardar as roupas no guarda roupa... - Ouviu a máquina de lavar apitar. 

Se sentou em frente a máquina e começou a retirar as roupas limpas e secas, as dobrando dentro do cesto. Enquanto as tirava, uma peça diferente das demais surgiu. Ela era pequena, amarela e com um filhote de tigre estampado no meio. Era da Lorenn.

Ele a cheirou, imaginando que a mesma estivesse ali e sem nem ao mesmo perceber algumas lágrimas circulavam de seu rosto para a blusa.

Ele se encostou na máquina de lavar e ali se permitiu chorar livremente usando a pequena blusa como abafador. Coitado, quando finalmente ficou desidratado ele não fazia idéia de quanto havia ficado ali, chorando.

Ele estava doente, seu coração estava. Ele queria saber como consertá-lo e como resolver tudo, até que a imagem de Richard veio a sua mente juntamente de suas palavras de consolo. Ele se levantou e colocou a blusa em cima da máquina.

Andou desajeitado, quase que atropeçando para a estante da sala onde pegou um papel com o número de telefone. Pensou em ligar mas não queria incomodar enquanto ele estivesse no trabalho. 

Pegaria mal e ele se sentia pior ainda por estar usando Richard para afogar sua mágoas e contar seus problemas. Aliás, Richard já devia ter seus próprios e não tinha que se preocupar com os que não eram seus.

Talvez depois, pensou.

Quando se afastava de seu celular já em direção a máquina de lavar, o mesmo toca e num pulo agarrou o celular pelo susto e o atendeu.

- A-Alô?

- Alô, eu poderia falar com o Zack, por favor?

- Richard? - Indagou surpreso.

- Zack?! É você?

- Sou eu! 

- Nossa, a sua voz é muito diferente no telefone. Nem te reconheci.

- O que isso significa?

- N-Nada, mas eu não liguei para isso, eu liguei para... Saber se você quer ir mais tarde no mesmo bar de ontem.

- Claro, que horas?

- Às... Seis e meia está bom?

- Está ótimo. Espera, você está no trabalho? Ai, meu Deus, eu estou te atrapalhando?!

- Não, não... Não está. Eu estou trabalhando sim mas se acalme, eu estou no intervalo.

- Ufa, que bom então. O que está acontecendo aí?

- Já vamos ter uma reunião com o chefe, vai ser muito chato.

- Imagino... Não! Quer dizer, eu sei que o seu trabalho é importante e eu não quero menospr--

- Zack, tudo bem. É chato mesmo.

- Desculpa...

- Pelos menos dá algum dinheiro.

- Richard, vamos! O Ash perdeu o gráfico principal! - Ouviu-se uma voz no fundo.

- MAS SE NÃO É UM FILHO DA PUTA, NÃO É? - Ouviu outra voz.

- FUDEU! - Mais vozes.

- CORRE, SEU FILHO DA PUTA! - A mesma voz de antes soltou. - FOGE, SEU DESGRAÇADO!

- FUJA, ASH! O FRANKIE VAI QUEBRAR O TEU CU AO MEU MEIO! - A primeira voz voltou a surgir.

- Zack, desculpa mas eu realmente tenho que ir!

- Tudo bem, parece mega importante.

- Okay, nos vemos mais tarde então. Até.

- Até. 

Desligou.

Zack suava frio, não sabendo se ria da situação ou se preocupava com o pobre Ash mas no final ele ficou bem mais animado ao arrumar a casa depois do telefonema, que até ligou o rádio que tocava algumas músicas internacionais. Ele sabia que aquilo estava o fazendo bem.

Ele terminou de arrumar a casa numa velocidade quase que sobrenatural depois dali e quando parou para olhar tudo, ficou orgulhoso. Ele se jogou em seu sofá satisfeito com o estado  de sua faxina e o seu suor provava o seu esforço.

Estava feliz, de uma hora para outra. Pensou em como em apenas conhecer uma pessoa ele ficara tão alegre depois de algo tão triste. 

Quando chegou a hora ele foi tomar banho, não foi muito arrumado já que o bar era logo ali. Ele havia chego alguns minutos antes pelo o que parecia. E quase que um passe de mágica num Richard apareceu tampando seus olhos.

- Quem é? - Perguntou.

- Adivinha.

Donald Trump? 

- Há há há, quase acertou. - Se sentou. 

Ao pôr os olhos em Richard, Zack não conseguiu não notar o seu terno negro e a gravata que o deixava com um semblante mais sério, totalmente diferente de ontem, e... Grande também.

Zack comparou sua roupa com a dele e começou a se sentir um pouco envergonhado, se encolhendo. Ele vestia uma blusa comprida até os pulsos, uma calça jeans e um tênis. Não era muita coisa na visão dele.

 - Você... Veio do trabalho? - Perguntou tímido.

Por segundos, Richard ficou o olhando como se ele estivesse falando em outra língua ou se seu cérebro tivesse dado algum tipo de bug mas logo saiu do transe.

- Ah, sim! Vim, vim sim do... Trabalho. - Zack riu dos segundos de nervoso do outro.

- O que aconteceu depois que você desligou?

- No fim deu tudo certo, o Ash achou o gráfico debaixo de alguns papéis alguns segundos antes da reunião, em sua mesa bagunçada mas isso não o salvou dos cascudos do Frankie.

- Frankie?

- Sim, ele é o cara que se faz de durão e mal com todo mundo mas depois que se conhece ele, ele vira gente boa.

- E o Ash?

- Ele é novo, por isso sempre perde as coisas na última hora. O Frankie é o que mais pega no pé dele, chega até a ser engraçado.

- Vejo que tem uma ótima equipe em seu trabalho.

- Ah, sim, é. E tem o Collin, que o cabeça da equipe. Ele sempre sabe o que fazer.

- Isso é maravilhoso.

- É sim, mas o assunto aqui não é a minha equipe e sim, você.

- E-Eu?

- Sim. Me diga, como foi o seu dia?

- Bom...

Zack contou como foi seu dia, sem contar, é claro, a parte que incluia ele.

E assim foi a noite, eles conversando até o sono bater, seja via celular ou pessoalmente. Eles saíram todos os disse aquele semana para conversar, comer ou beber. Zack se sentia muito feliz até aquele faditico dia.

- Zack, eu tenho algo para te contar.

- Diga. -  Disse Zack, que antes mexia no canudo de seu milkshake.

- Você sabe que essa semana foi muito boa, tanto pra mim quanto pra você, e que... Eu estou aqui a trabalho por uma semana e...

- E? 

- E que eu vou ter que voltar. As nossas buscas acabaram, agora é com o chefe da empresa... O que quero dizer é que não vamos mais nos ver como antes, eu moro em outra cidade mas juro que vou ligar para sempre que puder.

O pedacinho do mundo de Zack estava desmoronando e os moradores dele estavam gritando em desespero. Seus olhos pareciam incrédulos enquanto aquilo, havia se esquecido.

Havia fugido da verdade por uma semana sem nem notar, o que era péssimo já que se tivesse se lembrado não teria feito mais contato, ele sabia que iria doer. Ele já havia presenciado isso mais de duas vezes, alguém bom partindo do nada. 

- Ah, claro. Tudo bem, eu entendo. Você vai quando? 

- Daqui a quatro horas.

- Às... Oito? - Olhou o relógio.

- Sim, mas tenho que ir um pouco antes para separar tudo... Você está bravo?

- O quê? Não, acho que depois da nossa semana cheia de conversas de auto-estima eu vou ficar bem. - Mentiu.

- Fico mais aliviado em saber disso. - Tocou em sua mão.

- Sim... - A recolheu.

O clima estava tenso depois da revelação de Richard, ambos estavam desconfortáveis. Então, eles logo pagaram o que comeram e saíram da sorveteria. 

- Zack... - Chamou.

- Hun? 

E como um raio, Richard deu um selinho em Zack. O mesmo arregalou os olhos e sem saber como agir apenas seguiu o fluxo. Correspondeu a Richard. Eles foram calmos e desajeitados, não sabendo como agir.

Richard passou as mãos pela cintura de Zack enquanto o mesmo passava as mãos pela nuca do outro aprofundando o beijo.

Eles pararam quando o ar começou a faltar e já estavam levemente corados. Zack ficou como um tomato ao  ver o que tinha acabado de fazer colocando as mãos no rosto e abaixando a cabeça. Richard o abraçou como forma de consolo, e  satisfeito por um beijo bom que há tempos não recebia. 

- O que acabou de acontecer? - Perguntou Zack.

- Eu também não sei... Desculpa.

- Não, não se desculpe. Tá tudo bem.

- Mesmo?

- Mesmo.

- O que fazemos agora?

- Eu não sei, eu nunca beijei um cara antes.

- Fico feliz de saber que a sua primeira vez foi comigo.

- Não é a sua primeira vez?

- É a segunda.

- Hm...

- Então acho que agora é a hora em que nós nos separamos e nunca mais nos vimos e se nos virmos fingimos que não nos conhecemos. -  Zack o olhou assustado. - É brincadeira, mas se você quiser podemos nos ver em tempos e tempos.

- Eu... Tô muito confuso...

- Eu sei o que deve estar passando na sua cabecinha agora, é horrível. 

- Eu... Acho que temos muito o que resolver sobre tudo isso. Tem a distância, tem ainda a sua esposa, tem a minha cabeça em relação sobre a minha sexualidade. Eu... Eu quero a minha cama.

- Calma. Olha, eu volto e nesse meio tempo ligo para você. De lá eu resolvo as coisas e também sobre você e como posso te ver. Prometo deixá-lo informado de tudo.

- Como você resolve tudo tão rápido? - Perguntou choroso.

- Mania do trabalho. - Deu de ombros.

Zack levantou sua cabeça, a levando em direção aos lábios de Richard que foi correspondido na mesma hora.

Depois do beijo eles foram para casa de Zack de mãos dadas e quando chegaram na porta já era hora da despedida, se Richard atrasasse mais ele perderia o voo.

- Bom... Acho que é isso. Até. - Zack desanimou. 

E sem nem pedir permissão Richard tomou mais uma vez a boca de Zack, o pressionando contra a parede e apertando a sua cintura levemente. Quando pararam pela falta de ar ambos já estavam extremamente ofegantes e vermelhos, como se tivessem corrido maratonas inteiras.

- Zack...  

- Hun? 

- Eu... Juro que... Eu vou voltar.

- Você... Jura?

- Juro.

- Está bem, eu vou esperar... Por você.

 

                         'Eu vou esperar'

             Fim do Capítulo Dois: Voltar.

 


Notas Finais


Desculpa se ficou ruim (>\\\<)
Eu não sei reagir a beijos e etc, eu fico com vergonha de escrever essas coisas, até porque a minha vida não é nem um pouco interessante para que eu tenha alguma experiência.
E me desculpem pelo cap pequeno.
Eu confesso que também sou péssima com títulos, então não me julguem.
Por favor, digam se está ruim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...