História Detective Huang. (Imagine ZiTao) 11ª Temporada Incesto. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Exo, Família, Harem, Hentai, Incesto, Luta, Máfia, Policial, Prostituição, Romance, Tao, Violencia
Visualizações 673
Palavras 1.910
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Harem, Hentai, Josei, Luta, Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá fanáticos de plantão!👋

Hoje é dia de maratonar, então corram!!!🏃

Apreciem com moderação!😘

Capítulo 7 - Back home.


Fanfic / Fanfiction Detective Huang. (Imagine ZiTao) 11ª Temporada Incesto. - Capítulo 7 - Back home.

Abri os olhos e percebi que estava em um hospital, minha cabeça doía, mas não tanto quanto meu abdômen baleado, gemi de dor tentando levantar, foi aí que a porta do quarto se abriu e SeHun passou por ela, um sorriso se formou nos lábios dele e eu sabia que estava se divertindo com a cena.

__ Acha divertido? _usei de sarcasmo e ele cruzou os braços.

__ Na verdade, acho sim! _lhe encarei levantando uma sobrancelha.

__ O que quer aqui? _fiz esforço para levantar.

__ O detetive Huang me mandou... ele se preocupa muito com você! _lhe encarei e dei uma risada fraca.

__ Se preocupa? ZiTao só se preocupa consigo mesmo! Preocupado comigo... até parece! _respirei fundo. __ Cadê minhas roupas?

__ Estavam cheias de sangue, então foi para o lixo e como não sabemos onde mora... trouxe isso! _ele mostrou uma sacola. __ Por que quer as roupas agora?

__ Vou pra casa! _respondi tentando descer da cama, mas SeHun foi até mim impedindo.

__Não pode sair! _arqueei uma sobrancelha.

__ Como é?

__ Você saiu de uma cirurgia delicada, não pode sair andando por aí!

__ Posso e vou! _insisti de novo mas SeHun ficou na frente.

__ Obedeça ao médico e fique na cama! _falou mais grave me fazendo parar. __ Não seja teimosa! Os médicos ficaram muito surpresos com a forma que se manteu viva, principalmente tendo tantas cicatrizes. _voltei a deitar cruzando os braços. __ Por que tem tantas?

__ Tantas o quê?

__ Cicatrizes! Eu trabalho na polícia há anos e devo ter sido baleado duas vezes, mas você... é cheia de buracos! _revirei os olhos.

__ Por que o interesse? _SeHun respirou fundo cruzando os braços.

__ Até parece que queria se matar! _arqueei uma sobrancelha. __ Você estava tentando se matar?! Meu Deus, você é... _de repente ele foi interrompido pelo som de tiro. __ Fica aí! _ele pegou uma pistola e abriu uma brecha da porta.

__ O que está acontecendo, SeHun? _perguntei tentando levantar de novo, mas o abdômen não parava de doer.

__ Não sai daí! _então ele saiu.

Pelo som estava havendo um tiroteio dentro do hospital, eu não podia ficar ali esperando levar outro tiro, então com muito esforço desci da cama com a mão no abdômen e lentamente caminhei para a saída, porém tropecei na sacola de roupa que SeHun havia deixado e para minha surpresa, havia uma arma dentro.

SeHun danado!

Abri a porta lentamente com a arma em punho, uns homens estavam trocando tiros com a polícia dentro do hospital, alguns pacientes corriam desesperados, olhei para o outro lado e a área estava limpa para fugir, havia uma porta que levava as escadas da saída de emergência, tinha que ir até lá sem ser vista.

Me esgueirei lentamente para fora do carro, mas um deles me viu fugindo e gritou "ela está fugindo", então apressei os passos, mas eles iniciaram os tiros... consegui desviar das balas, virei também atirando contra eles, foi aí que avistei a saída de emergência e corri mesmo sentindo dor.

Desci rapidamente as escadas, porém podia ouvir o som dos passos deles atrás de mim, parei no caminho com a dor dilacerante, toquei meu abdômen e este estava sangrando, os pontos se abriram, mas eu tinha que fugir, então continuei meu caminho.

Os homens continuaram a atirar contra mim, como estava mais em baixo, levantei a arma disparando contra eles, atingi dois deles que caíram, então continuei descendo, ignorando a dor e o sangramento, mas era matar ou morrer.

Finalmente consegui chegar no térreo, a porta dava acesso ao estacionamento, caminhei com a mão no abdômen, mas olhando para trás e nisso um carro surgiu do nada, não deu tempo de escapar, a porta do motorista se abriu e fui puxada para dentro, sentando no colo do mesmo.

Sem perca de tempo ele acelerou o carro, pois os homens correram atirando no carro... eu estava de olhos fechados com o susto, ao abri-los dei de cara com a pessoa mais improvável da face da terra, ele dirigia rápido sem desviar a atenção do trânsito, mesmo que estivesse em alta velocidade.

Encarei seu rosto, para depois sair do seu colo sentando no outro banco, olhei no meu ferimento e este sangrava mais, a dor já estava me deixando tonta, precisava de analgésico logo antes que entrasse em choque.

__ Vou te levar para um lugar seguro e dar um jeito nesse ferimento! _ZiTao disse ainda com o olhar fixo no trânsito.

Respirei fundo fechando os olhos, meu corpo estava entrando em choque, olhei pelo retrovisor e alguns carros estavam na nossa cola, pois seja quem fossem, o problema era comigo, eles queriam me pegar.

__ Vai mais rápido ZiTao! Estão na nossa cola! _ele olhou para trás.

__ Já vi eles! Se segura! _coloquei rapidamente o cinto e ele acelerou o carro.

ZiTao desviou de alguns carros na avenida, mas os desgraçados começaram a atirar, ouvi o grandão resmungar um palavrão antes de girar o volante direto para a ponte... ele mexeu no porta luvas tirando uma pistola e me entregou.

Muitos devem se perguntar porque ele fez isso sabendo que eu estava ferida, mas a única pessoa que me conhecia bem era ZiTao e o mesmo sabia que um ferimento nunca me pararia, por isso estava ali, porque aquele ferimento não me impediu de fugir do hospital.

Abri a janela do meu lado ficando com uma parte do corpo para fora, peguei a pistola e iniciei os disparos, minha intenção era acertar os pneus dos outros carros, assim iria impossibilitá-los de nos pegar, suportei a dor para fugir.

__ SE SEGURA!!! _ZiTao gritou, olhei para frente e a ponte estava levantando para um barco passar.

Rapidamente entrei no carro me segurando, ZiTao acelerou antes que ela levantasse por completo... o carro praticamente voou até alcançar o outro lado, os outros carros não tiveram a mesma sorte e assim escapamos.

__ Graças a Deus! _ZiTao deitou a cabeça no volante respirando aliviado.

__ ZiTao!!! _lhe chamei e ele virou.

__ O que foi? _tirei a mão do abdômen que não parava o sangramento, minha visão ficou turva e pendi para o lado. __ S/N!!! _nisso apaguei de vez.

[...]

Acordei com uma dor horrível, abri os olhos e percebi que estava em um quarto desconhecido, peguei na barriga e havia um curativo nela, eu estava com uma calça moleton e um top, virei para o lado e vi ZiTao dormindo ao meu lado tranquilamente.

Por um momento fiquei lhe encarando, fazia muito tempo desde que dormimos juntos, ele foi tão importante na minha vida que fiquei cega de amor e aquele amor virou ódio depois que ele se foi me deixando sozinha... de repente ZiTao abriu os olhos me encarando.

__ Como se sente? _quebrou o silêncio.

__ Vou sobreviver! _respondi simplista.

__ Me desculpe!? _franzi o cenho.

__ Pelo o quê?

__ Se eu não tivesse sido um covarde, talvez você nunca tivesse entrado nessa vida e se machucado tanto! _seus dedos tocaram meu ombro onde tinha uma cicatriz de bala.

__ Você foi sim, mas a escolha foi minha, ninguém me obrigou! _virei o rosto encarando o teto.

__ Mas você era minha mulher!

__ Falou certo, era sua mulher! _respirei fundo. __ Por que o hospital foi atacado? _lhe encarei.

__ Estavam atrás de você! _ele se virou com as mãos sobre o peito. __ Eu não os conhecia, não são daqui! _arqueei uma sobrancelha e ele virou a cabeça me encarando. __ Quem eram aqueles homens? _dei de ombros.

__ Não faço ideia... fiz muitos inimigos, saber qual, é impossível! _respondi.

__ Então descanse, vou pegar algo pra comer! _ZiTao levantou.

__ Onde estamos? _perguntei e ele parou.

__ Na nossa casa! _disse isso e me deixou sozinha no quarto.

Nossa casa???

Para não piorar meu quadro, cedi ao cansaço e fiquei de cama até que o ferimento melhorasse mais, ZiTao deixava a comida na cama e trocava os curativos, aos poucos pude observar melhor a decoração daquele quarto, parecia um chalé, com aparência rústica.

Quando finalmente consegui ficar de pé, vi a paisagem, a casa estava localizada em uma aldeia muito bonita e colorida, não conhecia o lugar, vi um belo jardim e cerca branca, também vi crianças brincando na calçada e elas estavam usando o traje formal chinês, ali era como uma vila de época.

Por que ele me trouxe aqui? E porquê disse que era nossa casa?

Resolvi que iria explorar a casa, então abri a porta saindo do quarto, havia um corredor e duas portas à frente, mas uma delas me chamou atenção, era pintada de branco, tinha uma blaquinha presa nela com escritas em chinês.

"Aqui dorme uma estrela do céu"

Franzi o cenho, caminhei até lá e lentamente abri a porta, meus olhos se arregalaram ao ver o quarto, era todo pintado de branco, com desenhos de animais, escritas em mandarim, notas musicais e árvores... haviam estantes com pelúcias e livros infantis... encostado próximo a janela havia um berço branquinho.

Meu coração acelerou quando me aproximei, pus a mão na boca ao ver dentro dele um ursinho de pelúcia que ZiTao ganhou em uma máquina no shopping quando eu estava grávida, peguei ele e as lágrimas já desciam sem controle, ali era o quartinho do nosso filho.

Caí de joelhos ao lado do berço, abraçada ao urso e chorando como uma criança, porque perder meu filho foi muito doloroso e por mais que os anos tivessem passado, a dor continuava como se fosse recente... ZiTao sempre falava que havia uma vila na China que ele gostaria de criar nosso filho, longe da violência e criminalidade.

Estava tudo ali, a vila, a casa com cerca branca e o quartinho do bebê, ZiTao fez o que disse que faria, mas nenhum de nossos planos foi para frente e aquela casa jamais teria uma criança correndo por ela, não parecia justo, mas era a realidade.

Não sei quanto tempo chorei abraçada ao ursinho, só sei que quando acordei estava deitada no meu quarto, já havia escurecido e ZiTao estava parado, com os braços para trás olhando pela janela, olhei minhas mãos e ainda segurava a pelúcia, o loiro tinha me levado para a cama.

__ Você está bem? _perguntou ainda encarando a janela.

__ Essa era a casa que você falou anos atrás? _sentei na cama lhe encarando, ZiTao respirou fundo fechando os olhos.

__ Eu criei tudo isso com a ilusão que acordaria daquele pesadelo, que voltaria para você e tentaríamos de novo construir uma família... _abaixou a cabeça. __ Eu juro que tentei te encontrar, mas... mas o pai não me deixou voltar... me arrumou um casamento para nunca mais te ver... _levantei da cama indo até ele e lhe encarei com o urso em mãos.

__ Eu tive medo, ZiTao! _ele me encarou. __ As cicatrizes que carrego são marcas do meu medo... eu não tinha mais você e tive medo.

__ Me desculpe S/N! _abaixei a cabeça olhando para o ursinho, então senti sua mão sobre a minha e levantei a cabeça. __ Será que um dia vai me perdoar? _ficamos por um tempo calados, até que o coração falou mais alto e em um movimento selei nossos lábios.

ZiTao segurou meu rosto enquanto aprofundava o beijo que tinha gosto salgado devido as lágrimas, soltei a pelúcia e agarrei sua jaqueta, então ele começou a caminhar rumo a cama... talvez fosse loucura, ouvir o coração nunca é bom, mas não consegui resistir, porque ainda o amava.

O ajudei a tirar a jaqueta dele entre os beijos, ZiTao sentou na cama e tirou minha blusa, enquanto eu sentava em seu colo sem desprender do beijo molhado, suas mãos percorriam minhas costas e tratei de tirar sua camisa, voltando a beijá-lo intensamente.

__ Eu te amo, S/N!!!


Notas Finais


Gente, eu juro que escrevi esse capítulo chorando e o outro também vai ser de fortes emoções, só pra sair um pouco da violência...

Vejo vocês nos comentários!😉

💋💋💋 no ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...