História Deuses Espirituais - Como é ser Esquecida? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 2
Palavras 2.074
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Lembranças do Passado


Fanfic / Fanfiction Deuses Espirituais - Como é ser Esquecida? - Capítulo 1 - Lembranças do Passado

 

 

 

1º Capitulo:

 

 

 

 

Consegue me ouvir? Consegue escutar minha voz e ver meus olhos nessa escuridão?

Lamento mas você está morto...

Acredita em deuses? Sim eles existem, mas não é do jeito que você acha que é,

Eles não se importam com vocês...

Esse mundo após a morte,

Não é tão magico como você espera,

Agora você está morto

Posso ser uma deusa mais não vou te ajudar,

Só vou te dar um aviso...

Cuidado com a magia negra não vai querer se tornar uma criatura maligna.

Seja um bom Ehs, que talvez, só talvez possa te fazer meu escravo.

 

-Mizuki

 

*  *  *  *  *  *

 

 

Ela sente algo em suas costas, seus olhos são tampados por mãos grandes cobertas por couro negro, sente uma respiração quente em seu pescoço e um cheiro familiar.

 

:-Oi maninha...

 

 

 

 

 

Melancólica, é assim que pode ser definida a sena, a garota encima do telhado encarrava o vazio da noite, seus cabelos negros que iam até sua cintura davam leves chicoteadas em seu rosto pálido por causa da brisa, fecha seus olhos esmeraldas e coloca a mecha do cabelo atrás da orelha, estava triste pelo turbilhão de coisas que passavam em sua mente.

 

Devia ter morrido quando pode,

que nem um humano nojento que era...

 

 

Sua consciência dizia, soltou um suspiro pelos seus lábios rosado, sempre achou que depois da morte não teria mais nada. Acreditava assim como outros humanos. Oh se fosse assim! Não teria que ficar domando Ehs – Espiritos-Hibridos-Selvavens – A morte é só uma passagem para poder ver o mundo com outros olhos, a vida é como um conto de fadas comparado a isso, pessoas se iludindo felizes com coisas que não valem nada, a morte te mostra isso, o verdadeiro sofrimento, dor, raiva e angustia, você se torna um Espirito-Hibrido, um monstro que não pode ser visto por humanos, esses espíritos sempre acabam se entregando para a magia negra por decepção, ódio... se tornam Ehs.

 

Mas se tiver sorte, se tiver, um “Deus” Espiritual te domara te dando uma chance de ser seu escravo, poderá ter uma segunda chance de viver em troca da sua lealdade.

 

A garota no telhada não tem um nome especifico, era chamada de tudo, até mesmo demônio o que realmente era: Deusa Demônio Espiritual sem nome, usava a magia que passava em suas veias a magia demoníaca, não era igual a magia negra onde transformava os Espiritos-Hibridos em Ehs pelos seus sentimentos, a magia dos deuses e demônios os tornavam escravos, eram obrigados a obedece-los, ambos os lados eram chamados de “Deuses” porem magia dos deuses pode retirar a magia negra do corpo do individuo, já a demoníaca só moldava do jeito que quisesse.

 

Dark o jeito mais comum de chamar a garota, domava muitos espíritos por dó e por se sentir só, ou por simples prazer, tinha muito seguidores – Assim chamado os espíritos domados – a maior parte do tempo e dos anos que se passaram ficava no plano astral com eles, era como outro mundo com cidades, cada deus tinha uma espécie de “pais”, estava em cima de um colégio, era ali que era avisada de Ehs tentando controlar humanos. Quando estava entediada usava seus poderes espirituais para reencarnar, viver, e esquecer de todas as coisas que botam toneladas nas suas costas.

 

Mais sedo tinha sido avisada de um Ehs, estava esperando Silky e Lindesy suas seguidoras para ir junto com ela para o mundo humano, a brisa parou e sua franja caiu tampando seu olho esquerdo, olhou para trás e viu as duas paradas atrás da mesma.

 

:- Vamos capitão? – Silky fala fazendo uma cara de deboche seus olhos negros ficaram foscos por causa da escuridão dando mais destaques ao seu cabelo vermelho curto, já Lindesy sua irmã gêmea – Que era totalmente ao contrario de Silky, era gentil e doce – Parecia brilhar na escuridão, seus olhos brancos por causa da cegueira se destacavam ainda mais, seu cabelo comprido azul claro dançavam com a melodia do vento.

 

:- Hay – Dark se levanta rindo com o comentário da avermelhada, se reencarna em uma das suas principais encarnações, Charlotte. Em pouco tempo as três estavam no mundo humano, era de manha, o tempo no plano astral era diferente no mundo humano, anos lá eram segundos para humanos, por isso decidiram não demorar muito.

 

 

 

Apesar do tempo se igualar quando o portal estivesse aberto, passaram horas procurando pelo Ehs ao redor da vila que avia ali, mas não acharam nenhum sinal do monstro.

 

 

:- Que droga de monstro! Onde essa coisa ta! – Silky falava enquanto chutava algumas pedrinhas, mexias os braços para cima que nem louca.

 

:- Sera que não foi para a vila humana? – Lindesy se pronuncia pela primeira vez desde que chegaram la.

 

:- Normalmente eles não vão la... – Fala a morena de olhos azuis – Dark no corpo da Charlote - – Deem mais uma olhada por ai, vou lá ver, qualquer coisa me chamem.

 

:- Ta, ta – A avermelhada sem animo fala se virando.

 

 

 

Ao entrar na vila não viu nada de diferente, pessoas vendiam suas mercadorias, crianças pediam algo aos seus pais. Seus poderes demoníacos fizeram ela prestar atenção em uma conversa mais ao fundo da multidão.

 

 

 

:- SÓ POR DEUS! Um pedaço de uma cidade foi destruida- Um homem com um jornal falava sem acreditar.

 

:- Ah, só pode seu praga daquela---

 

:- Não fale esse nome! – Aos poucos pessoas iam se juntando ao redor, sentiu uma grande onda de sentimentos ruins vindo daquele lugar “Um Ehs deve estar perto”, pensou enquanto tentava se aproximar das pessoas que falavam.

 

:- Da azar falar esse nome! Você morre em três dias – Uma mulher com o olhar vazia falava, como se estivesse contando sua experiência.

 

:- Calem sua boca! Se não ela vai destruir esse lugar!

 

:- Estamos condenados!?

 

 

Pessoas desesperadas, foi isso que pode ver quando chegou até la, uma grande onda de depressão, ali tinha vestígios de magia negra. Aviam caras desesperadas por todos os lados, pessoas contando desgraças que aconteceu, seu lado demoníaco esta atiçado, porem o tempo pareceu parar de repente, tudo parecia acinzentado e triste.

 

 

:- VOCÊS NÃO MERECEM VIVER!, DEVEM MORER NA MÃO DO DEMONIO MIZUKI, PEGUEM A PRAGA E MORAM!! – Uma voz tão baixa que parecia um sussurro ecoava pelo lugar, as pessoas pareciam atordoadas algumas até choravam “Um Ehs está tão perto assim dos humanos?! Ele quebrou as barreiras?” a morena que agora tinha cabelos castanhos escuros até os ombros pensava assustada, Charlotte era mais baixo do que sua altura normal.

 

 

As pessoas eram muito grandes ao seu redor, parecia encurralada, esta cercada de gigantes! Eles tinham caras assustadores, seu coração acelera... Estava desesperada “Não se entregue tão fácil pra esse Ehs!!” Charllote grita na sua cabeça, sentiu um impacto e voltou a realidade, agradeceu mentalmente por ainda poder se comunicar com a garota por telepatia, andou em passos curtos tentando achar o Ehs.

 

 

 

Mesmo os humanos não podendo os ver eles são ótimos em se esconder, os humanos que vicem a garota após alguns segundos iam se esquecer dela, olhou pra cima vendo as corres do ceu, grande parte estava ensolarada como de normal. Porem uma parte estava repleta de nuvens negras, “Pra la”

 

 

Começou a correr esbarava em algumas pessoas, não pedia desculpa logo esqueceriam da mesma, achou o monstro escondido em um peco, era mediano tinha uns cinco metros, parecia um grifo, os olhos roxeados a fitavam.

 

:- Continue sua vida idiota, espere até o dia da sua morte, ou se mate de uma vez! - O bicho sussurra em sua mente.

 

:- Não preciso esperar minha morte já estou morta! – Falou se aproximando da chiatura, o mesmo exita um pouco.

 

:- C-como... pode me ver?! – Sua voz era indecisa o mesmo levanta as assas como se fosse atacar o que normalmente acontece.

 

 

A garota pode ver que a asa do Ehs parecia quebrada, esperou pelo golpe, mas se surpreendeu quando o mesmo escalou o prédio tentando voar/pular nos outros, “Ele esta fugindo...?” casava Ehs por milênios mas nunca viu nenhum fugir, sempre tentavam matar a morena, depois de alguns segundos pulou parando em cima do prédio, começou a correr em quatro patas – O lobo era  hibrido tanto de seu espirito como o do corpo de Charlotte – não demorou para alcançar o bicho.

 

Pegou impulso e saltou até parar em cima do mesmo, colocou suas mãos que agora eram metade patas no pescoço do Ehs cravando suas garras ali, o mesmo se contorce embaixo da garota, aperta mais as mãos na carne do bicho até o sangue começar a escorrer. Mesmo assim a criatura não parecia querer parar, ficou de pé balbuciando um pouco levantou a mão que agora parecia a ponta de um machado – Charlotte é o machado de Dark, suas encarnações se tornam armas e armaduras – mexeu a cintura como se fosse dar uma tacada de golpe e enfiou o braço/ponta do machado no pescoço no Ehs.

 

 

O mesmo grita em sua mente, já estavam no limite da cidade, o mesmo tenta voar porem não aguenta a dor e cai no chão, a morena sai de cima do mesmo indo na frente da face da criatura seu braço esta coberto de sangre negro que fazia uma trilha no chão. Parou na frente do bico do mesmo encarrando os olhos que agora pode ver que não era os dois roxos, um era já o outro era dourado.

 

 

 

:- O... O qu-ue pretende fazer...? – A criatura faz uma careta e fecha os olhos, a morena encara os pés

 

:- Vou te domar e te fazer meu escravo... – Olha pro lado – Não gosto dessa palavra prefiro disser minha companheira...

 

 

 

A criatura parecia surpresa mas não respondeu nada parecia esperar seus poderes curativos terminar de arrumar o estrago que a garota tinha feito. Estendeu as mãos na frente da face do bicho, fechou os olhos e sentiu a magia os rodear e começou o feitiço:

 

 

Espirito Hibrido selvagem,

você é a doença do mundo,

e eu sou a cura.

Moldo a maldade que esta em seu coração

e te dou uma nova chance de viver,

em troca você vai me dar sua lealdade

e te dou parte da minha liberdade

Seu nome será Itami

Pois você representara a dor...

 

 

 

 

Quando a garota abre os olhos se depara com uma garota deitada no chão, tinha cabelos roxos até o ombro, era um pouco pequena a mesma estava sem roupas.

 

 

:- Nunca me canso de ver isso – A morena se vira dando de cara com Silky e Lindesy que estavam assistindo a tudo.

 

 

A azulada entrega uma sacola de roupas para a garota.

 

 

 

:- Desculpe, são o uniforme masculino da nossa escola, nos disseram que era um garoto – Lindesy fala com seu sorriso gentil estampado no rosto.

 

:-Garota deu trabalho te achar - A avermelhada fala passando os braços pelo ombro de Itami - Espero que tenha dado bastante trabalho pra capitão – Se vira para a morena com seu sorriso malicioso e pisca o olho pra ela.

 

:- Itami não é? Meu nome é Lindesy sou um pássaro azul essa é minha irmã gêmea Silky uma raposa, qual animal você é? - Lindesy se apresenta com toda a educação que Silky não tem, a morena que só assistia a sena solta uma risada nasal.

 

:- C-corvo - A menina fala envergonhada

 

:- Você também voa, pelo visto vamos nos dar bem - Ela fala com um sorriso simpático e encarra Dark.

 

:- Ah, sim pode me chamar de Dark se quiser...

 

:- Mas a gente chama de capitão! - Silky fala brincando.

 

:- Ok, vou deixar ela com vocês duas e vou dar uma volta

 

:- Tchau, não volte tarde - Silky faz uma carreta enquanto desaparece entrando no portal.

 

 

 

Já sozinha aquilo que a matava por dentro volta tomando seus pensamentos, só queria se esconder daquilo que estava preso junto com seu espirito, entra na floresta e se senta no chão perto de um grande barranco. Já estava escurecendo ia ser lua cheia, seu lado lobo estava animado, só queria conversar com a lua e pedir seus conselhos, sua cabeça estava socada de pensamentos, encara o céu esperando logo a chegada de sua majestosa deusa.

 

Um sopro de ar gelado bate contra seu rosto, fecha suas orbes aproveitando a brisa. Ela sente algo em suas costas, seus olhos são tampados por mãos grandes cobertas por couro negro, sente uma respiração quente em seu pescoço e um cheiro familiar.

 

 

:-Oi maninha...

 

:- N-Nick?

 

 

 

 

 

 

 

Continua...

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...