História Diabolik Lovers: The New Brides - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Beatrix, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori
Tags Aimee, Ayame, Ayato Sakamaki, Kanato Sakamaki, Katherine, Laito Sakamaki, Novas Noivas, Reiji Sakamaki, Romance Colegial, Rosemary, Seis Noivas, Shuu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Yui Morta, Zoey
Exibições 58
Palavras 5.774
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capítulo ^^


***Curiosidades***

-Subaru foi atirado ao mar quando criança por quebrar a estátua de seu pai - (Jogo/Anime/Manga)

-Azusa gosta de sentir dor por que segundo a ele, ele sente estar vivo - (Jogo/Anime/Manga)

-Shu é o dono da mansão Sakamaki - (Jogo/Anime/Manga)

Capítulo 14 - Chapter Thirteen


 

- O que foi isso? - Rosemary perguntou em total desespero e medo.

 

Subaru a olhou com o canto dos olhos por uns instantes, sem se virar para a Loira que estava atrás de si em uma distância não muito grande.

O mesmo notou a adaga em sua mão que agora pingava com algo que não era sangue, um líquido preto meio viscoso com um cheiro que lembrava morte.


 

- Eles nos acharam.      Disse somente enquanto se virava para a Loira Atônita.

 

- Eles quem?      Ela perguntou antes de ser puxada pelo pulso e arrastada até a saída daquele lugar, seus pés tropeçavam um pouco por não conseguirem acompanhar a rapidez do Albino.  Subaru, eles quem?      Repetiu a pergunta mas teve a boca tapada pela mão grande do Maior.

 

- Shh, cale a boca sua Idiota, eles podem nos escutar a quilômetros de distância.      Ele sussurrou apertando um botão do elevador com a mão livre.      Não posso explicar agora, só se concentre em ir até o quarto, pegar sua mala e saímos o mais rápido daqui.


 

O elevador foi aberto e os dois entraram, assim que as portas se fecharam ele soltou a boca da Menina que puxou o ar para os pulmões de forma rápida.


 

- M-Mas e os outros Subaru?      Ela perguntou aflita      E seus Irmãos? e as Meninas? não podemos deixar eles e..

 

- É eu sei!      Ele disse um pouco alto já se irritando      E é por isso que deixarei você sozinha por um tempo, você pega as suas malas e me espera em frente a esse elevador.      Rosemary o olhou com os olhos arregalados e assustados, mas Subaru apenas olhou para a porta do elevador.

 

- N-Não, você viu o que aquela..Coisa queria comigo, e-ele quase me raptou ou sei lá oque!      Ela disse gaguejando pelo nervosismo enquanto eles saiam do elevador.

 

- Será por pouco tempo está bem?      Era nítido que ele estava sem paciência e nervoso, mas tentava ao máximo se controlar para não berrar com ela, afinal, ela não tenha culpa de estar com medo, ele bufou e entregou a adaga já limpa para a Loira que o encarou confusa.   Vou deixar minha adaga com você.


 

Rosemary olhou para o punhal nas mãos de Subaru totalmente assustada, recuou meio passo para trás e negou com a cabeça.

Subaru rosnou baixo e segurou o pulso da Jovem colocando a adaga nas mãos dela.

 

- E-Eu não posso fazer isso Subaru, eu não posso matar ninguém…      A garota gaguejou nervosa com a voz chorosa, Subaru revirou os olhos e estalou a língua.

 

-Tsc, se acalme Tonta.      Ele disse a puxando pelo pulso e dando um abraço nela, mesmo ainda em choque com tudo que acontecia ela o abraçou de volta e escondeu o rosto no peito dele.      Prometo que irá ser breve, nada irá lhe acontecer, irei procurar Reiji e exterminarei alguns desses malditos pelo caminho, não deixarei que nenhum chegue até você, mas se chegarem mate sem piedade.

 

- Mas..      Ela tentou argumentar mas foi interrompida por Subaru.

 

-Rose, ou é você ou é eles, você escolhe.      Ele disse sério desfazendo o abraço e olhando nos olhos dela, a Loira pensou por um tempo mas logo assentiu o olhando um pouco mais determinada, Subaru sorriu sadicamente.      Ótimo, agora corra até seu quarto.


 

Dito isso a loira correu até o quarto que não estava muito longe dali com a adaga em mãos, ao ver a garota sumir de seu campo de vista ele deu meia volta e levantou o queixo tentando achar o cheiro de Reiji, conseguiu encontrar o cheiro do outro junto de mais outros cheiros fortes e estranhos, porém conhecidos por ele.


 

-“Que a chacina comece.”      Pensou consigo mesmo enquanto seguia o cheiro de Reiji.


 

(***)


 

-Shu, olhe para frente!      Zoey disse irritada ao olhar pra trás e ver o Homem trombar com a quinta pessoa por não olhar para onde anda. - Desculpe Senhora.      Pediu desculpas para a Velhinha com quem o Loiro havia quase derrubado no chão.

 

-Peça para seu Namorado ter mais cuidado Jovenzinha.      A mulher disse em tom de repreensão e voltou a andar.

 

-M-Mas ele não é meu...  - Zoey tentou argumentar, mas a mulher já estava longe, ela se virou irritada para o loiro e fechou os punhos.      Dá pra prestar atenção por onde anda?


 

Shu a olhou sem entender o motivo pelo qual ela estava assim tão irritada com ele, ambos estavam parados agora em frente ao iluminado portão do resort.

Ele deu apenas um balançar de ombros, o que foi suficiente para que ela rangesse os dentes e grunhiu alto batendo um pé no chão com raiva.


 

-Que droga, você não faz nada por si mesmo nem por ninguém né? custa alguma coisa andar direito na rua? ou viver sem uma babá nas suas costas? sabe porque Shu? porque é isso que eu sou, a sua BABÁ!

 

-Você que está se preocupando comigo atoa, porque se importa tanto?      Ele perguntou sem ânimo, mas com uma certa ironia na voz.


 

Zoey perdeu o ar por uns instantes, aquilo que ele havia lhe dito a pegou em cheio, pelo fato de ser uma completa verdade, Shu nunca lhe pediu para fazer algo por ele ou para perder tempo o motivando, muito menos para se importar, então por que ela estava daquele jeito? porque agia assim?


 

- Eu...eu não me importo com você, muito menos me preocupo.      Ela disse incerta por dentro, mas séria e fria por fora.      Irei voltar sozinha, você é Grandinho e vai achar o caminho de volta sozinho.      Ela disse dando as costas e começando a entrar no resort, deixando um Loiro com fones plugados para trás.


 

(***)


 

-A-Ayato espere!      Katherine pediu tentando seguir o ritmo do Ruivo pelos corredores do hotel.      “Droga, é a segunda vez que faço isso hoje, até parece um deja-vu.”


 

Mas dessa vez era diferente, ele andava rápido não por zoera ou palhaçada, e sim pois queria chegar logo no quarto, estava com um semblante inexpressivo, sério.


 

-Aya..      Katherine tentou chamar ele novamente, mas o Ruivo a calou quando parou inesperadamente e observou atentamente ao redor.

 

-“Esse cheiro...”      Ele pensou cheirando o ar de maneira discreta      “Eu conheço esse cheiro…, não, não podem ser eles…”


 

Ayato se virou para Katherine, iria lhe dizer para ir até o quarto e se trancar lá enquanto dava uma volta, mas nem teve tempo, Reiji apareceu no local.


 

-O que v..      O de óculos começou a falar, mas foi cortado por Ayato.

 

-Está sentindo também?


 

Reiji o encarou sem falar nada por uns segundos e arrumou os óculos com o dedo médio.


 

-Não só sinto como os vi.

 

-O que esses malditos quem conosco desta vez?      Ayato perguntou irritado e nervoso.

 

-Provavelmente algo envolvendo ‘Aquele Homem’, mas de qualquer forma temos que sair logo daqui.      Reiji disse sério e Ayato concordou com a cabeça.

 

-Gente do que vocês estão falando.      Katherine perguntou ao ver que havia algo errado.

 

-Nada, apenas vamos para o quarto pegar nossas coisas e..      Ayato dizia, mas parou ao ver que dois deles os encurralaram, um em cada corredor, um era Careca e o outro Loiro, ambos seguravam punhais em cada mão.


 

Reiji e Ayato ficaram um de costas para o outro com Katherine ao meio deles, o Moreno e o Ruivo trocaram um olhar cúmplice como se planejasse algo sem nem se falarem.


 

-Kath, eu quero que você corra para o quarto e pegue sua mala o mais rápido o possível ao meu sinal…      Ayato murmurou baixo e a Garota de cabelos curtos o olhou confusa, sem nem prestar atenção de que os dois homens se aproximavam com um sorriso no rosto.

 

-Como assim Ayato? quem são eles?

 

-Calada, apenas faça o que eu digo.      Ele murmurou em meio a um rosnado de raiva, Katherine engoliu seco e apenas assentiu com medo.


 

Um dos Homens avançou primeiro indo em direção a Reiji, que bloqueou o ataque segurando o braço do Homem que segurava o punhal e o socou no estômago com força, fazendo-o cair para trás.


 

-VÁ! VÁ! VÁ!      Ayato gritou para Katherine enquanto imobilizava o outro homem o segurando por trás e prendendo um de seus braços atrás da cabeça.


 

Tanto Ayato quanto Reiji pareciam ter dificuldades ao bloquear os ataques dos Inimigos, eles realmente pareciam bem fortes, mas nada que um Sakamaki não pudesse dar conta.

Katherine aproveitou que os Homens estavam distraídos lutando com os Vampiros e começou a correr em direção aos quartos, olhou para trás enquanto corria e percebeu que o Homem que Ayato lutava olhou para ela e tentou correr em sua direção, mas de uma maneira diferente, ele segurou os braços de Ayato e tentou lhe empurrar, mas o mesmo puxou o Homem novamente pelos cabelos loiros e o socou.


 

-MERDA, KATHERINE CORRA!        Ayato gritou olhando para a Morena de maneira nervosa.


 

Ao escutar o grito de Ayato direcionado a ela, Katherine voltou a correr até o quarto.

Tudo que se passava pela cabeça dela era, ‘que porra é essa?’.


 

(***)


 

Ayame estava tomando um banho, mais precisamente em uma banheira com espuma, a Pequena tinha a cabeça jogada para trás e tinha os olhos fechados, estava tão relaxada que quase adormecia. Mas um barulho vindo da porta do quarto a fez abrir os olhos.


 

-Reiji? --- Ayame chamou Reiji em voz alta, sua voz ecoou pelo banheiro fechado, ela esperou alguma resposta mas não obteve nenhuma. - Reiji-Kun? É você? --- Perguntou novamente, mas tudo que ouviu foi o som da água se mexer junto a ela.


 

A Garota deu de ombros pensando que provavelmente era sua mente lhe pregando peças, e voltou a posição de antes. Mas ao escutar mais um barulho vindo do quarto ela teve certeza, que não era sua mente brincando com ela.

Ayame olhou em volta sentindo um arrepio percorrer sua espinha, uma sensação de tensão lhe preencher por completo, a mesma levantou-se da banheira e se enrolou em uma toalha.


 

(...)


 

Ayame abriu a porta do banheiro bem devagar, espiando o que se passava dentro do quarto e se havia alguém lá dentro, ao perceber que não havia ninguém ela suspirou aliviada e abriu a porta por completo.

Já estava vestida e seca, usava uma camisola branca de mangas curtas, seu tecido era larguinho e caía perfeitamente em seu corpo indo até acima dos joelhos, possuia algumas fitas e laços rosas.

 

Assim que passou pela porta do banheiro e a trancou algo segurou seu braço com força e a jogou no chão. Assim que levantou sua cabeça assustada viu um Homem de cabelos castanhos, ele vestia um terno e possuia um par de óculos escuros cobrindo os olhos, em sua mão pode notar um punhal afiado.


 

-Q-Quem é você? ---  Ayame perguntou totalmente assustada e confusa, o Homem nada respondeu, apenas deu um sorriso malicioso de canto e a pegou pelos cabelos a levantando do chão. ---  AAAHH, ME LARGUE! --- A Garota gritou alto pelo desespero.


 

Foi jogada na cama com força e se debateu freneticamente ao sentir o Homem ficar por cima de si, em meio a suas debatidas o punhal dele raspou abaixo de seu ombro fazendo ela dar um gemido alto de dor. Em questão de segundos sentiu sua visão ficar turva e escurecer, aos poucos ela foi perdendo os sentidos, a última sensação que teve foi uma queimação e um frio intensos percorrerem seu corpo e alma, era como se gelo e fogo estivessem a consumindo de pouco em pouco.

Quando abriu seus olhos novamente eles estavam extremamente brilhantes, de um modo assustador. Com apenas uma mão ela empurrou ele com uma força sobrenatural, fazendo ele voar até a parede de costas e logo cair no chão.

 

Antes que ele pudesse se levantar e atacar ela novamente, Ayame em uma grande velocidade se teletransportou para perto dele e o ergueu pelo pescoço.


 

-Quem são vocês? E o que querem? --- Ela perguntou com a voz fria, seu rosto estava contorcido em uma expressão de pura raiva.


 

O Homem fazia ruídos de engasgamento enquanto tentava inutilmente tirar a mão dela de seu pescoço, era estranho uma Garota de estatura fraca e baixa erguer com tanta facilidade um homem daquele tamanho.


 

-Eu lhe fiz uma pergunta, seu Verme Imundo, me responda! - -  Ayame o soltou e rapidamente pegou o punhal dele que estava perto de seus pés no chão, prensou o Homem na parede com um braço e fez um corte rápido em seu rosto - -  É bom falar logo, minha paciência tem limites!


 

O Homem tossiu algumas vezes ao recuperar o fôlego e voltar a respirar com dificuldades, provavelmente quebrou algumas costelas ao bater na parede.


 

-Fale! Seu animal imundo! -- - Ela ordenou com raiva.


 

Depois de mais algumas tossidas ela finalmente disse algo com a voz fraca.


 

-M-Musume…e-ela n-nos mandou.. ----  Ele disse fraco e quase ficando inconsciente.


 

Ayame encostou a adaga no peito do homem e a cravou bem no coração, fazendo ele cuspir um líquido negro e se virar espuma. Após recuar alguns passos para trás ela suspirou pesadamente, o ar saiu de seus lábios junto com o brilho de seu olhar, e com isso, ela perdeu os sentidos e caiu no chão desacordada.


 

(***) - (...)


 

Zoey entrou em seu quarto fechando a porta atrás de si com força, estava realmente irada com o Loiro e as palavras dele. Mas antes de começar a caminhar pelo quarto, batidas na porta a fizeram se virar, a mesma bufou e destrancou a porta já achando ser Shu. O que era estranho, pois o Loiro havia demorado até demais, isso que a Ruiva havia ficado conversando com uma Camareira antes de entrar no quarto.


 

Ao abrir a porta deu de cara com uma Marry descabelada e desarrumada com os olhos cheios de lágrimas.

Zoey abriu a boca pela surpresa e antes que pudesse perguntar algo a Loira começou a soluçar alto.


 

-M-Marry-Chan --- Zoey segurou a Menina pelos ombros a olhando com total preocupação --- O que houve?


 

A Menina soluçou alto algumas vezes e abraçou a outra em desespero enquanto murmurava de algumas palavras desconexas.


 

-Eu não estou te entendendo Mar-Chan, fique um pouco mais calma.

 

-MORTOS, ESTÃO TODOS MORTOS! ---  Marry gritou segurando Zoey e a balançando.

 

-O..que?

 

-E-Eu estava com K-Kanato i-indo p-para o quarto, q-quando uns Ho-Homens...Monstros, eu não sei o que eles são, eles apareceram e derrubaram o Kanato, e-ele me m-mandou correr e só aí eu vi...eu vi… ----  Marry parou de falar em choque com um olhar distante e vazio.

 

-V-Você viu? O q-que você viu Marry? ---  Zoey estava começando a ficar nervosa, ao notar a roupa de Marry com sangue respingado teve noção de que ela falava a verdade.

 

-Todos...no resort, os humanos...estão todos mortos…


 

(...)


 

As duas corriam pelos corredores do resort, por onde andavam podiam ver sangue, pessoas mortas e homens de terno esfaqueando pessoas inocentes. correram até o hall da sala de jogos, lá puderam ver três dos irmãos Sakamakis lutando contra cinco homens.

Kanato lutava contra um Homem e parecia usar o seu poder de fogo a seu favor, Laito lutava contra dois homens mas parecia estar mais na defensiva, já Shu “lutava” contra três homens, ou melhor, servia de saco de pancadas para eles, ele nem ao menos tentava se defender.

 

Ao ver o Loiro apanhar dos três homens, Zoey resolveu intervir de algum jeito.


 

-SHUU SE DEFENDA! ---  Ela gritou desesperada e com os olhos marejados, não sabia ao certo o porque, mas não estava gostando de ver ele apanhar daquela forma.


 

Ao escutar a voz da Ruiva ele levantou a cabeça e a encarou, deu um meio sorriso fraco com o canto do lábio sangrando. O fato dela estar ali torcendo para que ele acabasse com aqueles três homens dava uma disposição enorme para ele, e ao ver um dos Homens tentar se aproximar de Zoey para feri-la a disposição aumentou mais ainda, Shu não gosta de lutas, mas se mexer com algo que é importante para ele, ele não hesitará em matar.

 

E foi o que ele fez, o Loiro segurou o braço do Homem mais próximo a si e o quebrou com extrema facilidade, enquanto ele gritava de dor pegou o punhal de sua mão e o enfiou no crânio do segundo que correu para atacá-lo, já o último que se aproximava das meninas ele se teletransportou para trás dele, o segurou pela gola da blusa e o puxou dando um soco forte em seu rosto, antes que o homem caísse no chão ele segurou seu pescoço e o quebrou. Só aí foi largar o corpo morto do outro no chão, mas ficou observando ele virar a espuma negra e se perguntar o que um ser como ele fazia ali, certamente era um dos Guerreiros do Demônio, mas o que ele fazia ali é que intrigava o Loiro.


 

-SHUU! ----  Zoey gritou o nome do outro emocionada e correu até ele, por um instante ela realmente pensou que ele fosse morrer.


 

Assim que o Loiro se virou recebeu um forte abraço da Ruiva que havia se jogado em cima dele, enroscado os braços em volta de seu pescoço e juntando os lábios dela com os dele em um beijo calmo e apaixonado, transmitindo carinho para o Loiro de olhos azuis.

Após que entender o que acontecia de fato Shu passou o braço pelas costas da Ruiva, a fim de aprofundar mais o beijo, mas ainda sim sem usar a língua.

 

-Engraçado… ----- Shu disse após eles se separaram do beijo, o Loiro tinha um pequeno sorriso nos lábios e um olhar sereno. ----- Pensei que não se importasse.


 

Zoey corou e desviou o olhar dando um pequeno soco no ombro dele.


 

-Cale a boca, e nunca mais me dê um susto desses! -----  Ela o repreendeu corada e um pouco irritada, porém feliz por ele estar bem.



 

(***)



 

Ayato transferia socos violentos no Homem com quem lutava, o Homem tentou lhe socar perto do rosto também, mas o Ruivo foi mais rápido agarrando o braço do homem e o jogando no chão.

Mais ao longe Reiji estava a lutar com o outro homem também, o Homem de terno conseguiu se esquivar de um dos socos do Rapaz e lhe acertou um chute bem no estômago que o fez cair para trás e bater em uma parede perto de uma porta, para se esquivar do Homem, Reiji se levantou com um pouco de dificuldades e se apoiou na maçaneta da porta a abrindo. Só então foi notar que se tratava da cozinha do hotel.

 

O Mesmo escutou som de passos se aproximando e olhou para um jogo de facas em cima de uma mesa, correu até lá e pegou uma delas, a maior e mais afiada, assim que retirou o objeto de lá o Homem entrou na cozinha.

Não demorou muito para que uma luta se iniciasse entre eles, Reiji se esquivava dos golpes do homem e o acertava com socos e facadas, até uma hora que perdeu a paciência vendo que estava perdendo tempo naquela brincadeirinha e tratou de acabar logo com aquilo, cravando a faca no coração do Homem e quebrando seu pescoço.


 

(...)


 

O Moreno correu até o quarto onde Ayame estava e gelou ao ver a porta aberta, o doce cheiro do sangue da Menina invadiu suas narinas e mil coisas se passaram por sua mente. Correu até a porta vendo Ayame desmaiada no chão perto da cama, e muito, muito sangue.


 

-Droga. ----  Ele murmurou andando até o corpo inconsciente da Morena de marias-chiquinhas ----- Ayame, acorde Ayame…. ------  Reiji tentava chamar pela Menina com um voz séria, mas em seu rosto era possível ver toda a preocupação que sentia no momento.


 

Notou que a camisola dela estava manchada de escarlate e preto, o escarlate tinha o cheiro do sangue dela, já  preto tinha o cheiro forte do “sangue” daqueles demônios que estavam matando todos no resort.

O Moreno estalou a língua e rasgou um pedaço da camisola dela amarrando o tecido rasgado em seu braço para parar o sangramento. Após fazer isso ele a pegou no colo e a fitou com preocupação e serenidade, como se ela fosse a coisa mais delicada do mundo, talvez fosse, talvez não.



 

(***)



 

Ayato havia acabado de quebrar o crânio do Homem à sua frente e ficou por algum tempo observando o corpo do homem, estava tão distraído que nem percebeu um outro deles aparecer por trás de si com um punhal pronto para atacá-lo.

Se não fosse por Katherine aparecer e jogar um vaso de flores na cabeça do Homem com força, Ayato teria se dado muito mal.


 

Ao ouvir o som do vaso a quebrar e um grito do demônio, Ayato se virou a tempo para agarrá-lo pelo pescoço antes que ele atacasse Katherine, o Ruivo jogou ele no chão com força e quebrou o braço dele pegando o braço e o torcendo enquanto colocava seu pé para dar mais impulso e força.

Ao terminar o trabalho ele se virou para a Morena que assistia tudo assustada e ofegante, ela o olhou confusa.


 

-N-Não irá matá-lo? ----  Katherine perguntou.

 

-Não, quero deixar alguns vivos para que possam contar para seja lá quem mandou eles que, Ore-Sama está aqui e irá acabar com todos que ousarem se meter com essa família. -----  Ayato respondeu em tom seco, mas ainda sim orgulhoso do que falava. -----  Vamos…


 

(***)


 

Rosemary abriu a porta do quarto já com sua mala em mãos, assim que chegou no corredor viu um rastro de sangue que ia de um corredor ao outro. Ela se assustou e segurou a adaga de Subaru com força, tudo que ela queria era que Subaru estivesse ali, o Albino transmitia a ela uma segurança inexplicável, e era isso que ela queria, se sentir acolhida e segura. Ela queria Subaru.


 

-AAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH ----  Um grito infantil e desesperado ecoou pelos corredores.


 

Rose olhou em volta assustada procurando de onde o som vinha, a Loira começou a caminhar em direção ao corredor a sua frente com sua mala e sua adaga. Ao chegar no final do corredor viu mais um daqueles homens de terno, uma mulher ensanguentada no chão com suas entranhas para fora de sua barriga, e uma criança de uns sete ou oito anos olhando para a mulher e chorando alto, o homem ia atacar a criança, mas Rosemary o impediu.


 

-HEI! ---  Ela gritou um tanto incerta. ---  Deixe ele em paz!


 

O Homem olhou para ela e soltou um grito ensurdecedor e arrastado, como se fosse um computador dando estática, ele deixou o Menino e começou a andar em direção da Loira que recuava a cada passo dele com medo.

Assim que ele avançou sobre ela em um salto a mesma gritou de medo e segurou a adaga com as duas mãos deixando a mala cair no chão, ela levantou as mãos com a adaga e sentiu um peso se formar em suas mãos, abriu um dos olhos e viu o Homem com os olhos arregalados acima dela, aos poucos ele foi virando uma espécie de espuma negra, a mesma espuma que havia se formado do último homem que Subaru matou. Ela largou a faca no chão e limpou as mão no vestido freneticamente.


 

-Oh meu Deus...o que eu fiz? --- Ela sussurrou para si mesma em total choque, mas recobrou a consciência ao escutar um choro de criança, Rose olhou para frente vendo a Criança chorar ajoelhada em frente ao corpo da mulher.

 

-Mamãe… ----  A Criança chamou pela Mulher com a voz chorosa enquanto tocava o rosto pálido e sem vida da Mulher.


 

Rosemary ficou encarando a cena sem saber o que fazer, a cena era perturbadora demais para ela, sentiu uma mão tocar seu ombro e deu um pequeno grito. Mas ao virar para trás deu de cara com um certo Albino.


 

-Você está bem? ---  Ele perguntou com uma expressão séria no rosto e frieza na voz.


 

Rosemary voltou o olhar para a Criança e depois olhou para Subaru com os olhos marejados, antes que ele pudesse sequer perguntar o que havia acontecido ela o surpreendeu em um abraço desesperado e apertado. A Loira escondeu seu rosto o peito do Rapaz branco e apertou a camisa sob as costas dele.

Subaru olhou para frente e escutou o clamor da criança por sua mãe, só aí foi entender o que havia ocorrido.


 

-Brian! ----  Uma voz masculina falou com a voz trêmula atrás deles.


 

Os três, Subaru, Rosemary e a Criança, se viraram para o Homem, o Menino se levantou e saiu correndo abraçando o homem.


 

-Acho que ele encontrou o Pai. ----  Subaru disse desfazendo o abraço e se agachando no chão, afim de pegar sua adaga. ----  Vamos Rose, os outros estão à nossa espera.


 

A Loira assentiu tristemente e seguiu o Albino deixando ele lhe guiar.


 

(***) - (...)



 

Com uma limousine eles chegaram rapidamente no aeroporto mais perto, o jatinho já os esperava em uma parte mais deserta do aeroporto.  

Eles adentraram correndo no jatinho, enquanto alguns seguranças da família atiravam e lutavam contra os Demônios. Não demorou nada para que o jatinho desse partida e logo já estivesse voando sobre os céus.


 

Reiji deitou Ayame no sofá já com uma mala de primeiros socorros em seu colo, rasgou a manga da blusa dela e começou a limpar o ferimento com panos úmidos.


 

-Ela ficará bem?  -----  Uma voz feminina perguntou perto dele.


 

Reiji levantou a cabeça olhando a Loira que olhava para Ayame com grande pesar e preocupação.


 

-Sim. -----  Ele respondeu somente em seu habitual jeito frio.

 

-Hm… ------  A Garota não pareceu ter ficado aliviada ao ouvir aquilo.


 

Reiji já sabia que Marry era a melhor amiga de Ayame assim que elas colocaram o pé na casa, assim como soube que Rosemary e Zoey eram inseparáveis e que Katherine e Aimée se odiavam. Ele com certeza era muito observador.


 

-Isso me lembra a vez que ela caiu da escada na sexta série e abriu o joelho, foi desesperador no início...mas engraçado no final.  


 

O Moreno deu uma baixa e fraca risada o imaginar a cena de Ayame, distraída do jeito que é, rolando poucos degraus de uma escada, logo depois chorando e a Loira não sabendo o que fazer.

Ele pegou da caixa uma agulha esterilizada e linhas próprias de enfermagem, Marry fez uma leve careta e virou o rosto tentando não ver o Rapaz costurar o braço da amiga. Sua sorte foi Kanato a chamar em uma parte do avião.


 

-Precisarei ir… -----  Ela avisou olhando para o Homem a seu lado que parecia concentrado no que fazia, tão concentrado que nem olhou para ela a ignorando em silêncio. -----  Ei...Reiji...cuide bem da minha amiga, por favor. -----  Fez o último pedido antes de correndo a procura do Garoto de cabelos e olhos lilás.


 

Assim que se viu sozinho ali Reiji deu um pequeno sorriso e observou o rosto sereno e adormecido de Ayame.


 

-Pode deixar… -----  Ele sussurrou em resposta.



 

(***)


 

-Se sente melhor? -----  Subaru perguntou olhando para a Loira que estava sentada no sofá ao seu lado.


 

A Loira não respondeu nada, apenas assentiu calada e pensativa, Subaru bufou vendo que ela ainda parecia em choque.


 

-Pessoas vão e vem, a vida é assim mesmo. -----  Ele disse áspero e Rosemary o encarou atônita, só aí ele notou o quão grosso ele foi, afinal, humanos tem esse dom de se preocupar com desgraças alheias, principalmente Rosemary, que era uma das pessoas mais sensíveis que ele conhecia, os momentos que ela passou devem ter sido aterrorizantes. ----  Tsc, você me entendeu. -----   Falou desviando seu olhar para a janela do avião vendo as estrelas e o céu azul-escuro.


 

Rosemary apenas assentiu em silêncio novamente, e surpreendeu-o ao deitar a cabeça no colo do Albino enquanto fechava os olhos e tentava descansar.

Subaru corou forte mas a deixou permanecer ali com ele. Afinal, ele gostava da presença da Loira.


 

(***)


 

-Laito-Kun, se sente melhor ----  Aimée perguntou vendo o Ruivo retirar sua camisa branca social revelando seu tronco definido e magro, ela desviou o olhar levemente corada. ----  Um cavalheiro não deve tirar a blusa na frente de uma dama, Laito.


 

O Ruivo a olhou por alguns segundos sério, mas logo deu uma risada sarcástica.


 

-Não vejo nenhuma dama aqui ,Aimée. Desde que eu saiba as noivas dos meus irmãos estão com eles agora, mas tudo que vejo aqui é uma Bitch-Chan com o rosto muito fofo.


 

Aimée olhou séria para o Ruivo e logo bufou revirando seus olhos.

Não era a primeira vez que Laito a tratava daquela forma, e isso já estava a cansando, ela não era uma Vadia. Se ia para a cama com ele ou com outros, é porque ela queria e se sentia bem com isso.

Laito podia ser muito fofo e cavalheiro algumas vezes, mas as vezes que ele a menosprezava a tirava do sério e às vezes faziam ela querer chorar de raiva, apenas pelo fato dela ser quem ela quer ser: Livre.

Conseguia sentir nojo dele cada vez mais, a cada piada machista sobre ela.


 

-Uhn, ficou quietinha Bitch-Chan? ----  Ele a provocou manhosamente enquanto se sentava ao lado dela; ambos estavam em uma espécie de sala de jogos.


 

Sentiu o estômago revirar com o apelido que ele havia lhe dado.

Se mexeu na poltrona e debruçou os braços sobre a mesa tentando ignorá-lo, quem sabe assim ele iria embora certo?

 

 

-Tentando me ignorar? -----  Ele fez um falso bico, fingindo estar triste ou decepcionado. ----- O que houve Bit..

 

-Não ouse me chamar assim Laito. -----  Ela lhe cortou a fala com a voz fria. ------  Chame de “Bitch” as suas cadelas, mas eu não.



 

Laito franziu as sobrancelhas e rapidamente pegou a mandíbula da Garota e virou o seu rosto para perto do dele. Aimée o encarou assustada e ele sorriu sadicamente.


 

-Entenda uma coisa Aimée. -----  Laito começou a falar com a voz rouca e seria, até mais grossa. -----  Você é a minha Cadela, e eu falarei com você da forma que eu querer.



 

Antes que Laito pudesse beijar a Moça estática, Reiji aparece encostado no batente da porta com uma expressão séria e de poucos amigos. O mesmo encarou os dois friamente e ajeitou seu óculos no rosto, com a rotineira superioridade de sempre.


 

-Laito, leve seus “afazeres” para seu quarto, e em respeito aos demais presentes aqui, espere chegar em casa para fazer isso.


 

Laito inflou uma das bochechas e bufou, enquanto olhava um tanto irritado e largou da Morena.


 

-Hunf, Reiji-Kun é tããão chato. -----  O Ruivo reclamou em um miado.


 

(***)


 

Shu estava deitado em um sofá. O Loiro possuia os olhos fechados e os fones em seu ouvido, parecia bem relaxado, tão relaxado que nem viu uma certa Ruiva se aproximar dele com uma caixa de primeiros socorros igual a que Reiji usou para realizar os pontos no braço de Ayame.

Zoey colocou a malinha branca ao lado de cabeça de Shu e se ajoelhou no chão perto dele, aproveitou que ele estava com a cabeça virada para o teto e resolveu realizar o que planejava ali mesmo. Mas enquanto abria a mala se sentiu observada por pares de olhos azuis.


 

-O que planeja fazer? -----  Shu perguntou sem muita emoção na voz.

 

-Irei cuidar dos seus ferimentos, oras. -----  Ela respondeu como se fosse o óbvio, sem parar de procurar o que precisava.

 

Shu deu uma leve risada de canto, pensava em quão boba ela era por se preocupar daquela forma com ele, oras, ele é um Vampiro, não precisa de cuidados especiais em seus machucados.


 

-Não se preocupe a toa, sou um Vampiro, irei me curar sozinho.

 

-M-Mas se eu lhe ajudar irá se curar mais rápido! -----  Zoey realmente parecia determinada a ajudá-lo.


 

Shu pensou por uns segundos e depois apenas suspirou pesadamente voltando a fechar os olhos. Murmurou um: “Faça o que quiser” baixo, mas Zoey escutou e abriu um sorriso vitorioso.

Ela pegou um vidrinho e despejou um pouco do líquido em um algodão e se aproximou cautelosa do Loiro se inclinando mais perto do rosto dele. Ela passou com delicadeza e cuidado o algodão úmido no canto ferido dos lábios cor de goiaba de Shu.

Naquele momento ambos os dois estavam tensos. Shu sentia os cabelos soltos de Zoey roçarem em seu braço e algo úmido e gélido encostar no canto de seus lábios, mas o que ele realmente queria era sentir os lábios quentes, doces e úmidos de Zoey junto dos seus. Já Zoey tinha dificuldades para se concentrar em limpar os ferimentos dele, afinal, os lábios do Loiro pareciam ser bem convidativos.

 

A mesma balançou a cabeça tentando afastar os pensamentos maliciosos e se repreendeu mentalmente, não queria admitir que pudesse estar sentindo algo forte por Shu, não queria e não podia. Ele era só um Preguiçoso totalmente ao contrário dela, tirando o amor pela música - algo que ela admirava muito nele - o que eles tinham em comum a mais?


 

(***) - (...)


 

Em um lugar muito distante de onde os Sakamakis estavam, uma mulher de longos cabelos roxos, olhos negros, lábios pintados de vermelho escarlate, uma beleza extraordinária e sedutora, usava um longo vestido preto colado ao corpo e possuia um colar prateado com uma pedra roxa.

O local onde a mulher estava parecia uma espécie de castelo, a mesma estava sentada em um trono vermelho com detalhes dourados.


 

-Servo. -----  Ela chamou com a voz séria e fria, logo um Homem com um terno arroxeado com detalhes pretos aparece na frente da Mulher. -------  Como foi a missão? bem sucedida? todos estão mortos?

 

-B-Bem...M-Minha Senhora… ------  Só pelo tom de voz do Pobre Homem ela já soube que a missão havia sido um fracasso.


 

-Vá embora. ------  Ela ordenou friamente.

 

-S-Sim, m-minha S-Senhora!


 

Assim que o Rapaz sumiu de sua vista às pressas a bela mulher suspirou profundamente encostando o cotovelo coberto por luvas negras no braço do trono e  apoiando o punho na bochecha. Não demorou muito para que ela se ajeitasse na cadeira e pegasse seu cajado dourado com uma grande esfera negra na ponta e o batesse com a ponta no chão, criando assim uma fumaça negra e brilhante que transmitia imagens dos seis Sakamakis juntos de suas Noivas de Sacrificio.

A Mulher deu um pequeno sorriso malicioso.


-Logo, logo, todos vocês estarão mortos, irei acabar com cada um de vocês, começando por essas humanas inúteis, matarei todos, ou não me chamo Musume. ------  Ela deu uma risada maléfica alta que ecoou pelo castelo todo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...