História Diário de Jungkook! - Capítulo 7


Escrita por: ~ e ~jiminleia

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Comedia, Jungkook, Mpreg, Romance, Taehyung, Taekook, Vkook
Exibições 274
Palavras 4.518
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie,
Me desculpem pelo atraso e tenham uma boa leitura <3
Vejo vocês nas notas finais.

Capítulo 7 - Capítulo Sete: Ato 7: Extra: Eu escolhi Você!


Fanfic / Fanfiction Diário de Jungkook! - Capítulo 7 - Capítulo Sete: Ato 7: Extra: Eu escolhi Você!

Capítulo Sete.: Ato 7 :
Extra: 
Eu Escolhi Você!!

 

Kim Taehyung p.o.v 

13 anos atrás ...
(Kim Taehyung, 7 anos)

O pequeno alfa, se encontrava em seu quarto naquele momento, se arrumando para um jantar formal com seus pais. De algum modo seu pai queria sua presença naquela noite, e por esse motivo, Taehyung teve que subir mais cedo para o seu quarto, ao lado da governanta para se arrumar. O alfa mais velho, senhor Kim, costumava fazer jantares assim com bastante frequência, mas tanto a esposa, quanto o filho ficavam de fora por se tratar de jantares de negócios. O pequeno garoto tentava entender por qual motivo sua presença era esperada, sendo que nunca pôde comparecer em um desses jantares;

- Prontinho, Tae. - disse a governanta após terminar de colocar a gravata e pentear seus cabelos castanhos.

- Obrigado, Maria. - a governanta era uma antiga amiga da senhora Kim, ambas estudaram juntas, em Londres. Apesar de ser uma estrangeira que mora na Coreia do Sul há alguns anos, entende pouco do idioma, quando alguns jovens falavam informalmente. Mas com a ajuda do Taehyung esse problema estava praticamente resolvido.

A criança adorava a governanta, pois ela cuidava de si, já que seus pais sempre estavam ocupados com o trabalho. Taehyung desceu as escadas e seguiu para a sala de jantar da mansão que moravam. Quando chegou na sala, ficou surpreso de só encontrar um homem com a esposa e filha com seus pais. Ele esperava que teria muita gente, não apenas uma única família. Por ter tido uma criação rigorosa, o pequeno alfa apenas cumprimentou educadamente e se sentou no seu lugar, ao lado de sua mãe.

Quando a sobremesa estava sendo servida o senhor Kim resolveu se pronunciar e iniciar a conversa importante que teriam, seu filho precisava saber logo, não dava para enganá-lo, afinal, teria que entender, que fazia aquilo tudo para garantir o futuro do mesmo. Ele ao menos esperava que seu filho concordasse consigo quando o mesmo estivesse mais velho.

- Bom, acho que já posso começar a conversa, não? - perguntou e todos concordaram. Ele olhou para o filho - Taehyung, organizei esse jantar como algo informal ao seu noivado com Min-Hee.

Apesar de Taehyung ser muito novo, ele sabia perfeitamente o que era casamento e como esse era um assunto sério. Ele sempre ouvia nas histórias que Maria lia, que pessoas se conheciam e casavam por amor; claro que a ligação que tinham contribuía, mas para Taehyung a ligação era a melhor coisa que podia acontecer na vida de alguém. Mas nunca iria se casar para que seu pai ganhe mais dinheiro, não mesmo.

- Quem é Min-Hee? -  Kim perguntou olhando para o seu pai, que apontou a cabeça na direção da criança que estava com o casal, era uma pequena garotinha, uma beta, aparentava ser um pouco mais nova que ele - Como poderei me casar com ela se não a amo?

- Não é questão de amar ou não, Taehyung. Eu tenho meu império e um herdeiro, quero garantir seu futuro. - essa conversa não convenceu o pequeno alfa.

- Mas pai, eu quero ter a ligação que tanto vejo nos livros, quero amar alguém como você ama a mamãe.

- Oras! - o mais velho bateu as mãos na mesma e todos se assuntaram, ele perdia a paciência com qualquer coisa - Mas essa coisa de ligação não existe, Taehyung.

- Existe sim. - ele disse se levantando da mesa - A mamãe já falou sobre a ligação de vocês. Eu não me casarei com quem eu não conheço.

- Como seu pai e principalmente como um alfa, exijo respeito, Kim Taehyung. - o senhor Kim se levantou, indo até seu filho que estava saindo da sala - Eu tenho o direito de decidir seu futuro, sei muito bem o que é o melhor para você. - pegou o braço da criança com tanta força que o mesmo chorou de dor - Se eu digo que você irá se casar, você vai e pronto, entendeu? 

Vendo o filho chorar, a senhora Kim separou o marido do filho, que correu para fora da mansão ignorando os chamados atrás de si. Correu até suas pernas reclamarem pelo esforço repentino. Taehyung olhou em volta e percebeu que estava no parque a algumas quadras de sua casa, ele costumava passar ali quando voltava da escola com Maria. Se sentou no banco e começou a chorar, abraçou suas pernas.

O pequeno se perguntava se era errado querer fazer as próprias coisas, não queria se casar assim, acreditava que sua vida seria que nem nas histórias, achava que encontraria a pessoa certa para amar e ter a ligação. Continuou a chorar, afinal ele era apenas uma criança cheia de medo e dúvidas.

- Por que você está chorando? - Taehyung se assustou quando uma voz soou ao seu lado, quando levantou a cabeça e olhou na direção da voz, encontrou um menino, menor que ele. Ele usava uma blusa de frio com um leão bordado nela, tinha a pele alva e seus cabelos eram negros como a noite, logo se percebia que o garoto era um ômega.

- O que se faz quando não pode escolher como seu futuro será? - Taehyung respondeu a pergunta, com outra. Não entendia porque falou de seu medo assim tão rápido com um desconhecido.

- Acho que deveremos apenas seguir nosso coração, ele sabe o caminho certo. - o menino sorriu e apontou para o outro lado do parque, seguindo o olhar do menor, Taehyung viu um casal sentado em um banco um pouco longe de onde estavam - Estamos dando uma volta noturna, paramos um pouco pra descansar, quer brincar um pouco? - nem esperou Tae responder e pegou sua mão, o levando para perto do casal.

Com aquele ato inesperado do menor, Taehyung conseguiu se divertir, brincou um pouco com o desconhecido, quando percebeu que estava muito, mas muito tarde o pequeno alfa se despediu, ele estava com medo de como os pais estariam pelo seu sumiço, mas iria seguir em frente, e para isso teria que esquecer seu medo. Quando ia embora alguém pegou seu braço, quando se virou era apenas o garoto de antes.

- Como é o seu nome? - o ômega perguntou com um sorriso bem fofo.

- Pode me chamar de TaeTae. - disse sorrindo - E qual é o seu?

- Me chame de Kook - disse o soltando - Gosto que me chamem assim.

.  .  .

 

3 anos depois ...
(Kim Taehyung, 10 anos)

 

Taehyung  ia naquele mesmo parque com mais frequência que antes depois do dia em que conheceu aquele garoto. Sem perceber o pequeno alfa tinha a esperança de reencontrar com o menino, mas nunca mais o viu. Mas algum tempo depois o alfa se esqueceu daquele dia e seguiu sua vida como se nada tivesse acontecido.

Alguns anos depois, quando Taehyung voltava da escola com Maria, ele ainda gostava de passar no mesmo parque, não se lembrava do porque gostava, mas sabia que tinha algo ali que o fez frequentar muito aquele parque. Viu um menino de cabelos negros chorando, ele abraçava um leão de pelúcia, e estava sentado perto de uma arvore. Sem pensar muito Taehyung correu até o menino.

- Por que você está chorando? - quando Taehyung perguntou, teve a sensação de que aquela cena se repetia - Aconteceu algo?

- M-me perdi do meu pai. - o menor chorava muito e apertava seu bichinho de pelúcia cada vez mais forte.

- Vai ficar tudo bem. - Taehyung estendeu sua mão para o garoto que o olhava como se o conhecesse - Vem vamos procurá-los.

- Tudo bem. - o menino sorriu triste e limpou sua lágrimas, pegou a mão do maior e ambos saíram pelo parque em busca de seus pais.

- Tenho a impressão de que já no vimos antes. - Taehyung falou depois de um tempo, ele havia deixado sua mochila com a Maria que estava sentada em um banco.

- Eu também... - foi a única coisa que escutou antes de ouvirem um grito.

"Jungkook!" O menor olhou em volta e Taehyung seguiu seu olhar que parou em um homem, que correu na direção deles. O homem abraçou o menino com força e olhou para Taehyung, sorrindo como forma de agradecimento, ele apenas retribuiu. 

- Nunca mais faça isso. - se separou do filho - Uma hora você está no meu lado e no segundo seguinte você some.

- Desculpa papai, eu esqueci meu leãozinho no banco que estávamos, eu fui buscá-lo e quando olhei para trás você tinha sumido, me desesperei e sai correndo. Quando chorava encontrei esse menino que se ofereceu pra me ajudar a achar você.

- Devo agradecer a quem? - perguntou o mais velho.

- Pode me chamar de TaeTae. - ao terminar de falar o menino mais novo abriu um sorriso de felicidade e olhou para o leão de pelúcia, o abraçou novamente antes de entregá-lo para Taehyung.

- Toma. - assim que o outro pegou o bichinho, resolveu agradecer. - Leva como forma de agradecimento por ter me ajudado.

- Obrigado. Qual o seu nome?

O menor apenas se perguntou se o outro não se lembrava que ele havia ajudado o TaeTae naquele mesmo parque a alguns anos atrás.

- Kook.

O menor sorriu novamente acenando e Taehyung apenas arregalou os olhos de surpresa quando se deu conta de onde havia escultado aquele nome antes... Era aquele menino que brincou consigo quando fugiu de casa, naquela noite. Assim que o outro foi embora com o pai, Taehyung abraçou o leãozinho, a partir daquele momento seu animal favorito passou a ser o leão.

.  .  .

 

5 anos depois...
(Kim Taehyung, 15 anos)

 

Taehyung acordou com gritos ecoando pela casa, olhou assustado pra todos os lados e procurou pelo celular tentando ver quantas horas eram. Mal passava das três da manhã, levantou ainda meio sonolento e seguiu para onde ouvia os gritos, pensava que era seus pais, achava que eles estavam brigando como sempre, essa era a rotina nos últimos meses. Quando chegou no quarto dos pais se desesperou... Não esperava ver sua mãe caída no chão do quarto, vomitando sangue e seu pai ao lado dela gritando em pânico.

- O que você fez com ela? - Taehyung gritou, chamando a atenção do seu pai.

- Taehyung, liga para o médico rápido! - o menino apenas olhava a cena sem se mexer, ele não conseguia sair do lugar, estava em estado de choque - VAI LOGO! - o pai gritou novamente, fazendo o mais jovem acordar de seus devaneios. 

Taehyung correu para o seu quarto, pegou o celular e ligou pedindo uma ambulância em caráter de urgência, depois ligou para o médico da família que chegou rápido por morar no mesmo bairro, o médico deu os primeiros socorros quando ainda aguardavam a ambulância. Para Taehyung aquele era o pior momento de toda a sua vida, a pessoa que mais amava nesse mundo estava ali, deitada e desacordada no chão frio, isso não podia estar acontecendo.

Lembrou quando contou que não queria se casar com aquela garota irritante, e sua mãe foi a única que apoiou sua decisão, e ainda conseguiu conversar seu pai a desistir daquela ideia burra de casamento arranjado. Lembrou que quando tinha dez anos sua mãe largou o emprego que tinha para cuidar de si, todo tempo livre que tinha passava com a mãe. Sentiu um aperto no coração quando a ambulância chegou e todos partiram para o hospital.

Taehyung entrou em desespero quando a mãe foi levada para outra área em que ele não podia entar, as horas que teve que esperar se arrastavam e parecia que nunca iriam passar. Ele não queria perder a mãe, ele queria que ela fosse eterna, mas tinha uma única coisa que Taehyung aprendeu desde cedo, foi que ter paciência é fundamental pra tudo, então apenas suspirou e rezou pela a saúde da mãe.

Era quase sete da manhã quando sua mãe foi transferida para um quarto e o médico foi até eles com o resultados dos exames feitos nas mãos. Apesar de conhecer bem aquela família, de quem era amigo a anos, não sabia como daria aquela notícia, o médico teria que ser forte. 

- Eu poderia falar com vocês dois em particular? - o médico olhava para os dois enquanto falava, ele tinha que contar o resultado.

- Claro. - respondeu o senhor Kim.

O médico os levou para outra sala, onde poderiam conversar tranquilamente. Quando chegaram lá, resolveu contar a notícia de uma vez.

- Lamento, mas... - suspirou antes de terminar de falar, sua esposa era muito amiga da senhora Kim, e essa notícia o deixava muito triste - Os resultado dos exames deram positivo... a senhora Kim está com câncer - tanto Taehyung, quanto o pai choraram com a notícia, mal eles sabiam que o pior ainda estava por vir - E o câncer está na fase terminal...

- C-como...? - o senhor Kim perguntou, alguns minutos depois de controlar o choro - Quanto tempo?

- Bom... - o médico havia entendido muito bem do que o outro queria saber - Estima-se que ela não passara dessa semana...

Como o médico havia previsto, a senhora Kim faleceu uma semana depois de dar entrada no hospital. Aquela notícia acabou com Taehyung, ele perdera a mãe, a pessoa que mais amava. Seu pai caiu em depressão quando sua esposa lhe disse as últimas palavras antes de partir. Todo o enterro e velório quem cuidou foi o próprio Taehyung, pois seu pai estava sem condições para isso, ele teve a ajuda de seus amigos Hoseok, Namjoon e da ex-governanta Maria que mesmo tendo se aposentado ia visitá-los com frequência.

O senhor Kim saiu de casa apenas quando chegou a hora do enterro, aquele era o pior momento para todos. Não era fácil se despedir de um ente querido, ainda mais enterrá-lo. Não aguentou mais ver seu pai chorando no tumulo da mãe horas depois do enterro, se levantou e saiu andando pelo cemitério. Quando estava bem longe de seu pai, se permitiu chorar pela sua perda. Ainda sem saber pra onde ia quando esbarrou em alguma coisa e foi de cara no chão.

Olhou e viu um garoto que estava sentado no chão ele havia esbarrado nas pernas do mesmo. O garoto de pele clara e cabelos negros pediu desculpas envergonhado, pensava que não deveria ter sentado ali enquanto escrevia uma carta que nunca seria entregue. Quando se sentou, Taehyung sorriu para o garoto que retribuiu, vendo o sorriso do mesmo sentiu seu coração bater mais rápido e uma sensação de nostalgia cresceu dentro de si. Não tinha como esquecer aquele sorriso, não tinha como esquecer aquele cheiro, não tinha como esquecer aquele ômega.

- É bom te ver novamente... - Taehyung sussurrou.

- O quê?

- Nada.

- Quando eu cheguei aqui, vi algumas pessoas ali - o menino ainda meio sem graça, continuou - Você também estava naquele enterro?

- Sim era o enterro da minha mãe - Taehyung falou, mal notando que voltou a chorar.

- Como aconteceu? - perguntou o mais novo, que odiava esse lado curioso seu, ás vezes era até inconveniente. 

- Não me sinto bem, pra falar disso agora. - limpou as lagrimas de sua bochechas.

- Entendo.

- Sabe, antes de partir ela me disse que deveria seguir meus sonhos, ela me fez prometer que os faria se tornarem reais. Mas vendo o estado que meu pai está, percebo que talvez ele tenha razão, talvez meu sonho não traga um futuro perfeito.

- Sabe o que eu acho? - realmente sua maneira de ser era muito inconveniente - Acho que deveria seguir a diante por mais difícil que seja, faça com que sua mãe se orgulhe de você. Onde quer que ela esteja ainda cuida de você e deseja o seu bem. Vou escrever uma frase que minha mãe me disse quando meu pai faleceu, essa frase me ajudou muito, talvez te ajude também. - depois de escrever entregou o papel para o maior.

"Mesmo que ela tenha partido, tem uma parte dela em seu coração, e onde estiver, estará te protegendo e cuidando de você para que sua felicidade venha mais rápido. Ela espera que você siga seu caminho, sem medo, ela quer te ver feliz, sorrindo, amando e vivendo, ela quer que você nunca desista de seus sonhos, ela quer que siga em frente, mesmo sem estar ao seu lado. Então sorria, isso a fará feliz."

Aquela pequena frase fez com que Taehyung criasse coragem o suficiente para enfrentar seu pai e seguir seu sonho sem medo. Se despediu do garoto, correu até seu pai e os dois foram embora. Quando chegaram na mansão seu pai se prendeu no escritório, já Taehyung foi comer alguma coisa e tomou um banho bem demorado antes de ir falar com o alfa mais velho. Quando entrou no escritório do pai, foi logo falando o que queria, sem medo; também se demorasse muito, iria perder toda a coragem que tinha.

- Vou cumprir a promessa que fiz para minha mãe - disse firme - Vou fazer o que quero.

- Eu sabia que iria falar isso - o mais velho se levantou - Deixo você seguir com sua vida se aceitar estudar em Londres por um ano.

Pensou um pouco antes de responder, seguiu seu coração pela primeira vez.

- Tudo bem, eu ainda sou novo, terei tempo.

- Vou preparar sua partida. - o mais velho ficou satisfeito com a resposta do filho, também havia feito uma promessa com a esposa, mas antes queria ter certeza se aquilo era mesmo o que seu filho queria.

Taehyung tinha certeza que havia tomado a decisão certa, ir estudar fora do país era apenas uma consequência de suas escolhas...

 

3 anos depois ...
(Kim Taehyung, 17 anos)

 

Sem perceber Taehyung passou mais tempo do que esperava em Londres, quando voltou conseguiu o contrato com uma gravadora muito famosa. Cada dia que passava, ficava cada vez mais perto de seu sonho. Taehyung nesse momento estava em uma reunião onde acertavam os últimos preparativos para que assinasse o contrato com a gravadora, tudo ia bem até que o manager resolveu se pronunciar.

- O único problema é que você terá que voltar para o segundo ano. - falava enquanto olhava os papeis espalhados na mesa a sua frente.

- Como assim? - Taehyung estava bastante surpreso com aquilo - Eu estou no meio do terceiro ano, não posso voltar assim do nada.

- Não só pode como deve.

- Por quê?

- Você sempre foi criado no meio de muito dinheiro e conforto, e como o perfil de nossos cantores, são de pessoas humildes você está longe disso - o manager tentava falar com calma tudo que lia, ele achava isso um grande absurdo, mas como precisava do dinheiro que ganhava para alimentar sua família, não se dava o luxo de opinar em algo tão importante - Então voltará para o segundo ano.

- Acha que consegue, riquinho mimado? - o advogado que odiava pessoas ricas por achar que todas eram mesquinhas, desafiou Taehyung.

- Claro que consigo - aceitou o desafio.

- Essa eu quero ver. - e como sempre o advogado tinha a última palavra, e assim o acordo foi feito e assinado...

 

 

Hoje seria o primeiro dia de aula na nova escola, e o Kim não podia estar mais nervoso, afinal, ele mal sabia quem encontraria lá. Quando chegou na mesma a diretora avisou que estaria ocupada, e por essa razão deixou a apresentação da escola com o presidente de turma, e estaria acompanhado do representante dos alunos. Mas para sua surpresa seus amigos estavam lá, Namjoon era o presidente e Hoseok o representante.

- Tae, é Você cara? - Namjoon perguntou assim que leu a ficha do novo aluno transferido.

- Meio obvio, não? - Taehyung respondeu se sentando, sabia que a conversa seria longa. 

- Acho melhor contar onde esteve todos esses anos, Kim Taehyung - Hoseok se pronunciou também se sentando.

- Sente-se também, Namjoon, a conversa será longa - Taehyung disse com calma.

Após ficar alguns minutos resumindo os acontecimentos de quase três anos fora, conheceu a escola, foi apresentados a todos os cantos, mal havia chegado ali e já decorou onde tudo ficava, era muito fácil decorar, já que a escola era pequena - era a maior escola pública da cidade inteira, e ainda sim era metade do tamanho de sua antiga escola.

Quando conversavam, Taehyung ficou sabendo que seus amigos alfas tiveram a ligação, mas ambos não poderiam morar com seus parceiros, pois o apartamento que dividiam era muito pequeno, mal cabia os dois, imagina quatro. Como o pai de Taehyung soube de sua volta, comprou um apartamento muito grande para si, com quatro suítes e dois quartos de hospedes, era ruim morar sozinho, então chamou os amigos para morarem com ele, e assim poderiam continuar com seus parceiros.

Namjoon e Hoseok logo aceitaram, estavam bem animados com a ideia. Quando estava no intervalo, Taehyung sentiu um cheiro adocicado e muito familiar, procurou de quem era o cheiro, viu que era o mesmo rosto que conhecia tão bem, era ele, o garoto que havia lhe dado os melhores conselhos e um leão de pelúcia. Ele estava ali bem na sua frente.

- Quem é ele? - perguntou em voz alta, mesmo sabendo quem era, ainda não sabia seu verdadeiro nome.

- Ele? É o Jeon Jungkook, acho que está no mesmo ano que você, mas em outra turma. Ele gosta de ser chamado de Kook. - Hoseok começou - É melhor amigo do meu parceiro, Yoongi, e do parceiro do Namjoon, Seokjin.

- Bom saber.

- Não acredito que está afim daquela criança ômega. - murmurou Namjoon.

- Tem algum problema com isso? - Taehyung perguntou friamente.

- Na verdade não, mas ele é alvo de piadas por não ter entrado no cio ainda.

"Uau, o cheiro intenso e gostoso é seu normal?, imagina quando ele estiver no cio, será ainda mais viciante." Pensou Taehyung enquanto ainda encarava o lindo sorriso do seu ômega. Sim, ele seria capaz de fazer de tudo, para aquele garoto ser seu.

---- <3 ----

Alguns dias depois,  um pouco antes de sua estreia como cantor, Taehyung corria para entrar na sala de aula, ele estava atrasado, acabou treinando até tarde e dormiu muito tarde, mal teve tempo para o café da manhã, então só pegou uma maçã e correu, mas quando passava pelo corredor da escola esbarrou em alguém que carregava alguns livros, quando estendeu a mão para ajudar o outro a se levantar percebeu que era Jungkook, que ficou paralisado quando viu o alfa.

Taehyung sorriu ao imaginar que talvez, Jungkook ainda se lembrava dele, mas quando o ômega se apresentou e perguntou seu nome, viu que o mesmo havia esquecido todas as vezes que se encontraram. Continuou com seu sorriso retangular e ajudou o mais novo com suas coisas, antes de sair deixando o ômega encantado com a gentileza do alfa gostoso que mais tarde se tornou seu crush. Depois que demostrou ter uma personalidade fria e arrogante, mal ele sabia que Taehyung só era assim por estar muito cansado, os shows, programas de TV, entrevistas, tudo estava o deixando cansado, e por esse motivo, agia friamente, o tempo passou, sem nenhum dos dois terem ao menos a coragem de iniciar uma conversar,

 

Tempo Atual... 
( Kim Taehyung, 21 anos)

Minutos antes do Jungkook quebrar o frasco de perfume que disfarçava seu cheiro adocicado e intenso...

 

Algum tempo depois os amigos de Jungkook acabaram revelando alguns gosto do mesmo, tipo, de como gostava de caras maus, e assim Taehyung começou a ser arrogante sempre que estava perto do ômega, ele achava que assim conseguiria conquistar o moreno. Mas ele mal sabia era os amigos de Jungkook haviam apenas brincado consigo e como um ingênuo caiu direitinho. Mas não é que seu modo de agir teve lá suas vantagens? Taehyung já havia visto o ômega suspirar por si várias vezes, tentando desfaçar o ato..

Era em vão, pois o alfa percebia tudo, Taehyung não sabia o porquê, mas naquela manhã em especial estava com uma vontade incomum de ter o ômega ao seu lado. Precisava saber se ele estava bem, minutos antes, quando começou o intervalo da faculdade - o alfa amava o destino pois colocaram os dois juntos até na universidade - o viu sair correndo na direção do banheiro.

Preocupado se levantou e seguiu para o banheiro atrás de Jungkook, no caminho sentiu um cheiro inebriante e olhou pra trás, mas não viu nada, e quando voltou a olhar para frente esbarrou em alguém que caiu em cima de si, percebeu que seus lábios haviam se tocado. Não precisou abrir os olhos para ver quem ele era, o cheiro delicioso havia entregado seu ômega. Resolveu brincar um pouco com o mesmo.

- Mas o quê? - o alfa perguntou apenas pra ver a reação do menor sentado em si - Esse cheiro delicioso é seu?

Taehyung não resistiu ao extinto de cheirar o pescoço do ômega, e teve que se controlar para não agarrá-lo ali mesmo, com todos os olhando, se controlou mesmo quando o menor selou os lábios mais uma vez, seu coração acelerou e Taehyung teve a confirmação que Kook o desejava na mesma forma que desejava o pequeno ômega. Quando o beijo foi interrompido viu a confusão nos olhos do menor, que se levantou e saiu correndo para fora da universidade.

Depois de se levantar, olhou pra beixo e não conteve o sorriso que surgiu ao ver a mancha em sua roupa, deveria ser o lubrificante natural do ômega. Seu ômega estava cio, e faria de tudo pra ser o alfa que o ajudaria a passar por isso. Quando foi embora pediu ao Jin e Suga que o levasse para a casa de Jungkook, pois queria ajudar no cio, os amigos ficaram felizes com a notícia  e resolveram esperar para irem um pouco mais tarde. Como Taehyung ainda pensava que Jungkook gostava de brutalidade, iria ser mal e frio até na hora do sexo.

Pesquisou em um site de S&M, sorriu com a ideia que surgiu em sua mente, iria provocar Jungkook hoje; pagou para uma senhora mais velha interromper, escolheu a casa que era refúgio da sua mãe para ficarem. Lembrou que quando pequeno havia ganhado um jogo de policial que vinha com algemas de verdade e arrumou tudo, Taehyung achava que com o moreno ele deveria ser gentil, mas queria muito fazer o ômega seu, e para isso faria o que ele gostava.

Quando chegou o momento de ir pra casa de Jungkook, Taehyung não podia esconder o nervosismo, ele o faria seu... O que Taehyung não esperava é que aquele garoto, com rosto angelical lhe daria a ligação que tanto sonhava, e ainda seria a rara, mal sabia que seu mais novo vicio tinha um nome e sobrenome ...

Jeon Jungkook. 


Notas Finais


Bom, para compensar meu atraso e como pedido de desculpas irei postar dois capítulos hoje, vejo vocês daqui a pouco.
Espero que tenham gostado.
Beijos amores. <3
:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...