História Diário de uma Army - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Army, Bts, Comedia, Hentai, Imagine, Jikook, Lemon, Namjin, Romance, Vhope, Yaoi
Visualizações 30
Palavras 2.822
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláaa, volteei.
Boa leitura.
OBS: Nessa foto do cap eles já estão namorando a algum tempo, alguns meses...

Capítulo 16 - Como tudo começou com Jikook


Fanfic / Fanfiction Diário de uma Army - Capítulo 16 - Como tudo começou com Jikook

          *Jimin: 2 anos antes – 4/Maio/2015*

   Aish, que tédio. A maioria saiu com o Jin pra fazer compras. Não sei exatamente quem foi, mas imagino que quase todos, incluindo Jungkook, que vai sempre pra pedir doces e biscoitos. O único que sei que não foi é Yoongi, passei por ele quando fui beber água, e agora estou aqui no meu dormitório, completamente entediado.

   Tae prometeu me trazer chocolate, meu melhor amigo e companheiro de quarto, que vai fazer um ano que está namorando Hoseok. E falando em namoro, nada ainda rolou pra mim. Fiquei com Yoongi ano passado, e ele parecia gostar muito de mim, mas não iludi ele e deixei claro que o que existia entre nós era só uma amizade colorida a curto prazo, tanto que durou só dois meses e paramos de nos pegar.

   Agora que a fase Jimin pervertido passou eu estou mais apaixonado que nunca. Tae me disse que quando Jungkook atingisse a maioridade ele iria parar de frescura, mas isso ainda não aconteceu. Está certo que aqui na Coréia nós consideramos nosso aniversário a partir do ano novo, e só confirmamos no dia, então ele ainda não tem 18.

   Meu celular vibrou, anunciando uma mensagem, me fazendo desfocar minha mente de Jungkook. Peguei o celular e fui induzido a pensar nele novamente. A mensagem é dele. “Jiminnie, você está em casa?”. Não entendi o motivo de sua pergunta. Respondi que sim e perguntei porquê.

   Bebê: *Porque eu ouvi um barulho na casa e pensei que seria você.*

   Eu: *Também não fui eu, deve ter sido Yoongi indo ao banheiro*

   Eu: *Espera, você não foi com os outros?*

   Bebê: *Não, estou com preguiça. Pedi pro Tae trazer umas coisas pra mim.*

   Eu: *Entendi, eu também pedi*

   Bebê: *Está ocupado?*

   Eu: *Na verdade, não. Estou morrendo de tédio...*

   Bebê: *Então vem cá no meu quarto, também estou entediado.*

   Ai meu Deus, o pensamento sem vergonha tomou conta de mim. Estamos praticamente sozinhos, só Yoongi, mas dormindo, o que me faz ter a vontade de abusar dele a força. Mas logo afastei esse pensamento. Não o quero só fisicamente, e se fizer isso vou perder todas as chances que tenho, se é que eu tenho alguma.

   Sem demora eu levantei da cama e fui para o quarto dele. É claro que já fiquei sozinho com ele antes, mas nunca tive coragem de fazer ou falar alguma coisa. Antes eu só ameaçava beijar ele, o puxando pra perto, mas nunca conseguindo porque o mesmo me empurrava. Até fora das câmeras eu já tentei. Sempre pedia beijinhos na bochecha, mas nem isso ele fazia, graças a vergonha. Em outros países se faz isso tranquilamente, mas aqui é coisa de namorados, mesmo sendo um ato bobo.

   Mas tem algo que não sai da minha cabeça. Ele não é nenhum idiota, vê muito claramente como eu trato ele, ele deve saber que eu gosto dele, e não como amigo. Já deve ter percebido isso. Ou ele ignora esse fato pra não ter que virar e dizer “Hyung, para com isso, eu sei que você gosta de mim, mas eu não”, ou ele não se sente realmente preparado pra isso ainda.

   Cheguei no quarto dele e bati, ele me chamou lá de dentro e eu entrei, o encontrando sentado na cama, olhando para o celular. Ele tirou uma das mãos do aparelho e bateu ao lado dele, indicando para eu sentar ali, mas fez sem ao menos tirar os olhos do telefone, completamente concentrado, digitando alguma coisa.

   -O que está fazendo? – perguntei curioso, já que ele nem olhou pra mim até agora – Algo importante?

   -Não, só pedindo ao Tae pra trazer mais leite que eu lembrei que acabou, e eu não vivo sem leite, você sabe. – agora, terminando de digitar ele largou o celular na cama e olhou pra mim, com seus olhos enormes e lindos.

   -Então... – disse depois de um tempo – Vamos conversar ou fazer outra coisa? Sei lá, jogar algum jogo. Qualquer coisa pra acabar com esse tédio. – disse frustrado, tanto com ele, como sempre, quanto com a situação.

   -Vamos conversar. – disse ele, com uma expressão neutra, o que impede de conseguir deduzir qualquer sentimento seu.

   -Sobre...?

   -Sei lá... – ficamos em um silêncio constrangedor por o que me pareceu ser um minuto até eu resolver falar.

   -Eu... tava aqui pensando. Você não completou 18 ainda, né? Mas você já considera ou só vai se declarar adulto em setembro? – comecei como quem não quer nada.

   -Na verdade eu acho que nunca vou me sentir realmente adulto. – respondeu ele, me dando um aperto no coração – Coisas de adulto são complicadas e eu tenho medo de algumas dessas coisas... – acho que sei do que ele tá falando.

   -Tem medo de quê? De relacionamento?

   -Não do relacionamento em si, mas sim das coisas que envolvem um. – eu posso ver que ele está tentando ao máximo explicar como ele se sente. Ele tem dificuldades pra isso – Eu não sei lidar com coisas como essa, nunca consegui. Acho que é porque nunca tive um relacionamento com quem eu realmente gostasse.

   -Pera, você nunca gostou de alguém? Nunca teve ninguém que você tivesse um apego grande e que quisesse ter ela com você sempre? Nunca teve esse sentimento de afeto íntimo e incontrolável por ninguém? – eu tô eufórico, eu não acredito que ele seja tão inocente assim.

   -Eu acho que sinto isso, sim. – ele está levemente corado, olhando para as mãos entrelaçadas no colo. Ele está nervoso, sei disso – Mas não sei se é realmente um sentimento de amor ou amizade. Se amor tiver essas características que você citou, e claro, outras mais, então eu acho que amo, sim. Mas eu não sei como posso... Eu nunca fiz isso. – ele está completamente inseguro, e eu esqueci completamente que estou a fim dele, e sinto como se quisesse ajuda-lo, guia-lo à um entendimento de si mesmo.

   Nem notei que ele tinha mencionado que gosta sim de alguém e não que gostava. Então tem alguém. Será que Tae tinha razão? Ou ele percebeu que Kookie gostava de alguém e deduziu que fosse eu, mesmo não tendo certeza? Ai, são muitas dúvidas.

   -Nunca fez isso o quê? – perguntei curioso.

   -Nunca pedi ninguém em namoro antes.

   -Ué? Mas você já não namorou? – não estou entendendo.

   -Sim, mas não era eu que pedia. Eram elas que me pediam e eu aceitava. Na primeira vez foi porque eu não consegui negar, e também porque eu queria saber como era. Nem nos beijávamos nem nada. Só saiamos de vez em quando. Quando ela viu que eu não tomava iniciativa, ela me chamou de bobo e terminou comigo.

   Nossa, ele está se abrindo bastante hoje, mas continua tímido e vermelho. Ele nem parece magoado ou atingido pela história que acabou de me contar. Então ele realmente não gostava tanto da menina assim.

   -A segunda vez a menina que pediu também. Eu só aceitei porque fiquei sem saber como negar. Talvez com pena. Não chegamos a terminar, nós só paramos de nos falar e se encontrar com o tempo. Ela eu cheguei a beijar, mas foram só selinhos, nada demais.

   Ele parece estar se explicando como se tivesse feito algo de errado, não estou entendendo a linha de pensamento dele, mas continue meu amor, estou gostando da sua sinceridade. E vamos ver até onde você vai.

   -A primeira foi aos 14 e a segunda aos 15, um pouco antes do pré-debut. Durou até um pouco antes do nosso debut, ela era da minha sala. Enfim... – ele suspirou – Aí é que tá. Eu não sei como pedir e nem coragem tenho. Eu sou um bobo mesmo.

   -Você não é bobo, só inocente, fofo e tímido, muito tímido. – falei, mostrando que não tinha nada de errado com ele.

   -Você é muito bom pra mim. – disse corando mais – Sempre cuidando de mim, ficando ao meu lado quando preciso de você, me apoiando, me consolando, me aconselhando. Gosto de pessoas mais maduras que eu, me sinto protegido. – ele está tão dengoso, mas também tão lindo com essa camisa branca, quero apertá-lo de tão fofo – E você... – ele deu uma risadinha, que chamou minha atenção. No que ele está pensado pra rir assim do nada? – Você sempre pareceu gostar muito de mim. É... Você gosta de mim, eu sei disso, não sou cego. – meu coração está tão rápido que ele deve estar ouvindo. Esse tiro foi tão grande que nem tenho reação – E... eu... – diga que também, por favor.

   -Eu...? – minha voz saiu tão rouca que eu quis voltar no tempo pra não ter dito nada. Agora ele sabe que estou completamente fora do meu controle. Nem minha voz consigo controlar mais.

   -Eu... Peço desculpas. – essas palavras gelaram meu sangue. Meu peito doeu e minha garganta ardeu. Estou com muita vontade de chorar, mas não vou sair correndo como uma menininha chorona, nem vou chorar na frente dele, vou segurar.

   -Pelo quê? – eu quero chorar...

   -Por ter te afastado por todo esse tempo. – quê? – Eu nunca quis te magoar assim. Hoje eu vejo o Tae e Hobi juntos e fico pensando como fui lerdo em perceber o que sinto e aceitar. – estou em choque, não consigo me mexer.

   Minha tristeza em achar que ele não gostasse de mim se misturou com uma sensação de surpresa e alivio, e agora eu não sei o que eu estou sentindo. Minhas mãos tremem, sinto um frio na barriga e meus olhos lacrimejam, mas me nego a deixar as lágrimas caírem.

   -Você... está dizendo que... – eu nem consigo falar. Minha voz está manhosa, fina demais, não rouca como antes.

   -Sim... Estou... – aish, ele não termina, não conclui. Mas ele é tímido seu idiota, ele nunca vai dizer com palavras.

   Como estou sentado ao lado dele, inclinei meu rosto para perto, deixando minha boca a um centímetro de sua bochecha. Ele se virou com a aproximação, olhando da minha boca para meus olhos, e como ele não recuou eu não pude me controlar, avancei e o beijei, sem língua, só os lábios, sentindo pela primeira vez o que eu tanto queria a tanto tempo.

   Eu sei que ele nunca beijou ninguém de língua, por isso não intensifiquei logo de início. Separei o selinho depois de um breve tempo, olhando pra ele, vendo sua reação, que por sinal é completamente corada, desviando o rosto para o outro lado, mordendo o lábio inferior.

   -Você... – começou ele, voltando a olhar pra mim – Quer namorar... Comigo? – essa pergunta encheu meu peito de uma sensação maravilhosa. Ouvir ele dizer aquelas palavras foi inacreditável e ao mesmo tempo um sonho.

   -Claro, quero, com certeza. – afirmei, agitado, me remexendo no colchão, vendo ele arregalar os olhos surpreso pela minha movimentação repentina. Começou a sorrir depois, vendo eu ajoelhar na frente dele e segurar seu rosto com ambas as mãos, dando-lhe outro beijinho rápido, abraçando ele em seguida, seu rosto mergulhado no meu peito. Ele está rindo com vontade agora.

   -Jimin, eu não consigo respirar. – ele raramente me chama de Hyung, e ouvi-lo me chamar só pelo primeiro nome é maravilhoso.

   Soltei ele e sentei a sua frente, sorridente e o coração a mil, como um cachorrinho que não vê seu dono a anos.

   -Podemos contar pro Tae? Eu quero contar pra ele. – disse acelerado – Aish! Até que enfim! – gritei, ficando de joelhos na cama e dando socos no ar – Eu achava que eu teria que pedir, mas tava com medo de você não aceitar e nunca mais querer olhar na minha cara. – eu estou sem fôlego.

   -Shiii, não grita. Yoongi deve estar dormindo. – disse baixo, balançando as mãos desesperado. Olhou pra mim depois com um olhar de quem acaba de perceber uma coisa - Foi por isso que nunca disse em palavras, né? Mas mesmo não dizendo deu pra notar. Acho que todo mundo notou, até as Armys. Você é muito óbvio. – ele ainda está rindo, e isso é ótimo.

   -Ai, que bom, você gosta de mim. – abracei ele pela cintura, fazendo ele rir mais.

   -Pensei que ia tentar me agarrar quando dissesse que gosto de você. – comentou ele. Soltei o abraço, ficando frente a frente de novo.

   -Eu até que gostaria, mas creio que não vai querer coisas como sexo tão cedo. – ele corou, graças ao fato de eu não ter o mínimo de filtro.

   -Acertou. Isso te incomoda? – perguntou ele, parecendo preocupado.

   -Nem um pouco. O que importa é que você resolveu me tirar do sufoco e da dúvida cruel que eu vivia a até alguns minutos atrás.

   -Então estamos oficialmente namorando. – concluiu ele – Só não diga aos outros, só para o Tae e Hobi. Os outros ainda não...

   -Ok.

 

          *Jungkook*

   Nem sei como que fui tomar coragem pra dizer tudo isso, o que importa é que agora eu posso ver o Jimin que eu tanto gosto, alegue, agitado e sorridente. Não gosto de ver ele triste, ele nunca fica assim, quase nunca na verdade, é bem raro. Mas nesses últimos meses ele tem estado bem pra baixo, e eu já sabia porquê.

   Com certeza ele estava esperando eu atingir a maioridade pra ver se eu demonstrava menos timidez e daí fluísse alguma coisa entre nós. Mas não sabia que ele já me considerava adulto desde o ano novo. Só com aquilo que ele disse no início de nossa conversa foi o suficiente pra eu pescar o porquê de ele estar tão tristinho. Não estava conseguindo fazer ele rir, tentava de tudo, mas nada adiantava por muito tempo, e logo ele voltava a ficar sério e cabisbaixo.

   E como não aguentava mais ver meu bolinho triste tive que fazer isso, mesmo que morrendo de vergonha. Fiz isso por ele. E ele de certa forma está fazendo algo por mim também. Vai caminhar comigo no meu tempo, e eu estou adorando isso.

   Realmente o que me faltava era amor para um relacionamento dar certo. Sinto que vou lidar com ele muito melhor que com as outras duas namoradas que tive. Tanto porque não gosto mesmo de meninas, elas foram a prova da minha vida pra me fazer entender que não era daquilo que eu gostava, e Jimin me conquistou assim que eu bati meus olhos nele pela primeira vez. Romantizando, diria que foi amor à primeira vista.

   No início eu achava todo esse sentimento muito estranho, já que eu não conhecia muito sobre o mundo dos relacionamentos eu não achava que seria normal pra mim gostar de um menino, mas com o tempo eu fui vendo que isso era bobagem. E quando descobri que Tae e Hobi estavam namorando a cinco meses atrás, eu vi que realmente não tinha nada de errado nisso.

   Só me faltava mesmo era coragem pra enfrentar esses sentimentos, tanto por mim quanto pelo próprio Jimin, que agora não consegue conter a felicidade, dando pulinhos na cama, derretendo meu peito de tão fofo que ele está. Só consigo admirar sua graciosidade.

   E sua boca. Ah, como é macia. Eu estou com muita vontade de morder. Sempre tive a curiosidade de fazer isso, mas nunca coragem. Agora eu posso e estou cogitando essa possibilidade. Mas pra morder teria que envolver a língua, e eu nunca fiz isso, e a insegurança toma o controle novamente. Será que eu vou fazer isso direito? Ou não tem nenhum mistério? Uma parte da minha mente diz que ele não vai se importar, ele gosta de mim e sabe que não sei fazer isso.

   Me aproximei dele, puxando levemente sua camisa para que ele se aproximasse também. Colei nossos lábios e os movi, dando a entender que queria mais. Ele resmungou um “hum”, gostando da minha iniciativa. Passou as mãos pelo meu rosto e mergulhou nos meus cabelos, me dando arrepios gostosos pela nuca.

   O magico foi quando ambos passamos nossas línguas uma pra boca do outro ao mesmo tempo, enlaçando uma na outra, sentindo uma a outra. Ele tem gosto de maçã, tão gostoso. Pressionei minhas mãos em sua cintura, o mantendo ali, sem querer que ele saísse. O beijo é lento e apreciativo, nada que nos induz a algo mais, só aquele toque, aquela troca de sensações, que pra nós eu sei que já basta por enquanto.

   E assim ficamos namorando até ouvirmos os meninos chegarem. Fomos para o quarto de Jimin e esperamos Tae e Hobi aparecerem, já que os três dividem aquele quarto, e Jimin, todo agitado, me deu um selinho, anunciando visualmente para os dois que estávamos namorando. Corei até as orelhas e os dois comemoraram, dando tapinhas em nós dois. Tudo isso bem baixo, para ninguém ouvir. Jimin contou como que aconteceu pra eles enquanto eu ficava quietinho e só confirmava e corava. Ele me elogiava pela iniciativa, enquanto os dois ficavam surpresos.

   Estou vendo que namorar ele vai ser difícil de esconder. Ambos não sabemos mentir, e mesmo em frente às câmeras vamos acabar deixando algo escapar, eu sinto. E também sei que não vai demorar para os outros hyungs descobrirem. Vamos ver quem será que vai deixar escapar primeiro.


Notas Finais


Esse teve narração dupla :D Não aguentei e fiz essa surpresinha, narrado do ponto de vista de Jungkook também. Acho que fiz isso por esse ser meu OTP favorito. Espero que tenham gostado, comentem se está bom ou se acharam algum errinho. Me avisem PELOAMORDEDEUS!
Música de hoje claro que é Christmas Day, ela foi escrita um ano antes deles começarem a namorar, na vida real sendo em 2014, Jimin colocou na letra o que ele queria fazer com Jungkook no natal, e ele nem percebeu, achando que Jimin estava falando com as Armys, não com ele. Esse é meu ponto de vista.
Detalhe: não sei se repararam, mas estou tentando pegar o maior possível de detalhes, deixando mais real possível.
Bem é isso, até a próxima :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...