História Diary of a great love "Klaroline or Love" - Capítulo 6


Escrita por: ~ e ~Rai_123

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Caroline Forbes, Damon Salvatore, Elena Gilbert, Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Personagens Originais, Stefan Salvatore, Tyler Lockwood
Tags Delena Forever Love, Klaroline, The Vampire Diaries, Tvd
Visualizações 34
Palavras 6.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá tudo bem com vocês ? Espero que sim, esse é mais um capítulo da minha fic, espero realmente que gostem. Desculpem ter demorado um pouco para postar esse capítulo, mas como ele é bem longo acho que compensa a demora, e antes que eu me esqueça desculpem qualquer erro de ortografia...

💕#Super apoio Klaroline...💕

Capítulo 6 - "Seven Days of the Dead Part two"


Fanfic / Fanfiction Diary of a great love "Klaroline or Love" - Capítulo 6 - "Seven Days of the Dead Part two"

The Vampire Diaries...

Tyler e Mason cavavam naquela velha ruína dos Lockwood, a procura da estaca que mataria Klaus, o híbrido todo "poderoso" da família Mikaelson. "Klaus, que não tinha ninguém que se preocupasse com ele, odiado ou tolerado pelos demais irmãos, tendo uma mãe e um pai que o queriam morto, praticamente não tendo ninguém que o ame, como ele, logo ele poderia ser seu rival, poderia ter o coração de Caroline?" pensava Tyler enquanto cavava.

- Tem certeza de que essa "estaca" está aqui ? - Perguntou Tyler ainda sem parar de cavar em um ritmo acelerado.

- Absoluta... Só continue cavando e logo acharemos a única arma no mundo que matará o Klaus... - Diz Mason cavando.

- Ok... - Fala Tyler brevemente, se perdendo em pensamentos.

"- Para Tyler... Isso não é justo - Gritava Caroline.

Tyler estava em seu primeiro natal, fora de sua mansão, via as outras crianças brincando de jogar bola de neve umas nas outras, então decidiu jogar também, tendo como alvo Caroline Forbes que gritava chateada, Elena Gilbert que tentava revidar, e Bonnie Bennet que se me observava como se tentasse lançar um feitiço em mim.

- Eu sou o rei Tyler... Há há há - Gritava ele jogando uma bola de neve que pegou na cara de Caroline.

- Tyler... Para com essa brincadeira sem graça... - Falava Matt, com aquela voz inocente.

- Eu vou falar para minha mãe - Gritou Caroline para Tyler, choramingando baixinho.

- Como essa garota é chata... E dramática foi só uma bola de neve - Diz Tyler para Matt, parando de jogar bolas de neve.

- Tyler você não tem jeito mesmo... - Diz Matt.

- Tyler - Gritou o pai de Tyler ferozmente, aparecendo perto do filho - O que você fez com a filha da xerife ? Quer saber não importa, vá como um homem pedir desculpas a Caroline agora!

Tyler saiu andando no meio da multidão, até Caroline que ainda choramingava baixinho, em um canto.

- Caroline, me desculpe... - Disse Tyler baixinho.

- Não, sai de perto de mim. - Diz Caroline correndo para longe de Tyler - Eu te odeio Tyler Lockwood."

"De súbito, Tyler estava ao lado da namorada Caroline, na praça da cidade, eles sorriam e andavam de mãos dadas alegrememte, Tyler estava feliz realmente feliz, Klaus ainda não havia chegado em Mystic Falls e ele ainda era apenas um lobisomem apaixonado por uma vampira.

- Tyler, você já pensou em como essa praça é linda ! - Afirmava Caroline.

- Bem, essa praça não é tão linda como você Care... - Fala Tyler.

- Bobo... Às vezes eu penso que se parássemos para olhar o que está bem ao nosso lado, não iriamos nos preocupar com o futuro... - Diz Caroline.

- Como assim ? Você já está pensando no futuro, por que ? - Perguntou Tyler, enquanto eles andavam em um ritmo lento pela praça.

- Eu penso no nosso futuro, o que irá acontecer conosco daqui a alguns anos... Será que ainda estaremos juntos como um casal apaixonado ? - Fala Caroline - Ty o futuro é tão incerto, e empolgante, temos uma vida inteira pela nossa frente...

- Verdade... No que você sonha para nós dois daqui a um ano ? - Diz Tyler tentando acompanhar a conversa.

- Sonho que a gente esteja viajando pelo mundo, Paris, Roma... Sempre quis conhecer o mundo... E você sonha no quê ? - Pergunta Caroline sorrindo alegrememte.

- Sonho em estar casado com você... Sonho com você no altar ao meu lado Care... - Fala Tyler.

- Quem sabe a gente realiza nossos sonhos... - Diz Caroline se aproximando de Tyler e beijando ele intensamente como se fosse a primeira vez que eles se beijavam na vida.

- Caroline eu... Te amo - Fala Tyler após o beijo.

- Tyler Lockwood, eu te amo ! - Diz Caroline sorrindo."

Aquelas duas lembranças, uma tão parecida com a outra, ambas ligadas. "Eu te odeio Tyler Lockwood", aquelas palavras estavam gravadas na mente de Tyler até hoje, mas ele também se lembrava das vezes que Caroline Forbes, sua namorada disse o contrário de "Eu te odeio" ela disse eu te amo.

- Acho que tá bom por hoje Tyler... Nosso segundo dia está no fim, amanhã voltamos aqui e cavamos mais um pouco ok, afinal ainda temos cinco dias... - Diz Mason parando de cavar e saindo de perto daquele buraco que cavara com o sobrinho.

- É, temos cinco dias - Fala Tyler baixinho parando de cavar, enquanto seu tio se distanciava - "Os cinco dias restantes para nós..."

Seven Days of the Dead parte dois

P.O.V Klaus...

- Klaus... Klaus... Klaus... Klaus... Fique acordado Klaus... - Falava a voz de Caroline cada vez mais distante.

"Não conseguia ouvir mais nada além de Caroline falando meu nome "Klaus" repetia várias, e várias vezes, eu tinha a breve noção de que eu podia estar apenas alucinando mas parecia tão real. Abri meus olhos e estava naquela sala escura onde era torturado por Mikael há três dias seguidos, a sala era pequena e escura, e eu estava amarrado a uma corrente no canto da sala.

- Caroline... - Disse baixinho.

- Ela não está aqui irmão... - Afirmava Elijah aparecendo do nada, agora sabia que estava alucinando de verdade.

- Eu estou sonhando, só estou sonhando, isso não pode ser real ! - Falei a mim mesmo.

- Isso é real sim Klaus - Diz Kol também, aparecendo do nada.

- Ele é tão desprezível, deveríamos deixá-lo sozinho, não é ? - Diz Finn.

- Tem certeza de que ele é nosso parente ? - Diz Rebekah.

- Claro que não Rebekah, ele é só um desprezível lobisomem... - Falava Elijah sorridente.

- Eu não sou só um lobisomem - Gritei para eles - Sou o Klaus, o híbrido original, sou o ser mais forte da terra !

- Se é tão forte qual é o motivo de ainda estar aqui ? - Perguntou Rebekah - Vamos embora, ele é só uma piada...

Rebekah vira as costas para mim e desaparece de novo na escuridão daquela sala. Kol e Finn também se viraram e foram com Rebekah, a mesma gritou "Você não vem ?" para Elijah, que estava parado na minha frente me olhando atentamente.

- Já vou sim irmã... - Fala Elijah também virando as costas para mim e indo em direção a escuridão daquela pequena sala.

- Não ouse virar as costas para mim Elijah ! - Gritei para ele que se virou para mim novamente.

- Rebekah tem razão, você é patético... - Ele segurava uma adaga a qual esfaqueou a minha barriga, senti uma dor imensa na hora e fechei os olhos rapidamente.

Em um piscar de olhos não estava mas naquela escura sala com os meus irmãos, mas estava amarrado por correntes dentro de um caixão de madeira bruta, só me restou gritar e tentar me mexer pra sair, a longe eu conseguia ver meus irmãos sorrindo e parecendo todos alegres.

- Já ia esquecendo de uma coisa... - Ouvia a calma voz de Elijah se aproximando do caixão.

- Elijah por favor, me ajude... - Gritei o mais alto que pude.

- O quê ? "Me ajude", Niklaus você tinha uma velha mania de nos colocar em um caixão, vamos ver o que você vai achar, de experimentar o que nós sentiamos... -Diz Elijah fechando o caixão, comigo dentro gritando.

- Não... Não... - Gritei enquanto Elijah saia de perto do caixão, ouvia os passos deles se afastando.

"Não por favor eu imploro", gritei fechando os olhos com medo e quando abri meus olhos novamente estava amarrado, em uma cadeira no meio de uma praia, olhava o mar azul, tão lindo, quando foquei minha visão para frente, do nada apareceu Tyler em um altar e várias cadeiras ao meu lado, o sol estava se pondo, me virei e vi Caroline caminhando para o altar com um lindo vestido branco de noiva.

- Olá Klaus, que bom que veio para o meu casamento - Ouvia a voz de Tyler destacando a multidão que conversava, enquanto ele vinha em minha direção sorrindo provocantemente.

- O que está acontecendo aqui ? - Perguntei cheio de raiva.

- O que parece "gênio" ? - Diz Tyler já parado em minha frente - O pobre e coitado Klaus, abandonado pela família, sem amigos... E se acha digno da minha garota ? Caroline Forbes é minha garota, ouviu... - Diz gritando ele, dando um murro na minha cara - Ela é a minha garota, minha garota.

- Não... Não eu... - Disse vendo Caroline chegar até Klaus.

- Por que escolheria você Klaus ? O Tyler sim é um homem, ele não precisa me subornar ou tentar me manipular para eu amá-lo, quando você já teve um amor não condicional Klaus ? Acho que nunca não é - Diz Caroline se aproximando e segurando a mão de Tyler e o beijando.

- Isso não pode ser verdade. - Falo quase sem voz derrubando uma lágrima.

- Você é patético... O grande Klaus não passa de um bastardo inútil, desprezado por todos... - Diz Tyler parando de beijar Caroline.

- Vamos embora Tyler, ele é só um bastardo inútil... - Diz Caroline.

Eu derrubei outra lágrima enquanto via Caroline e Tyler se afastarem de mãos dadas, juntos pela praia, olhei para os convidados ao meu redor, todos riam de mim. " Klaus... Klaus... Não acredito Klaus..." ouvia a voz de Caroline em minha mente.

- Bastardo... Inútil... Piada... Ele é patético... Não é tão assustador assim agora, não é ? - Falavam os convidados todos rindo de mim.

- Caroline... - Falei - Caroline...

"- Klaus, não acredite, isso é um sonho... Acorde, quebre as correntes... Quebre as correntes, use a sua raiva - Gritava Caroline."

"- Não se preocupe bastardo desprezível... - Falava Mikael sorrindo como um sínico psicótico - Teremos uma reunião de pai e filho quando acordar... Se acordar..."

- Caroline eu te amo...

"- Se me ama estão acorde... Que eu vou estar aqui esperando por você... Sempre vou estar aqui Klaus - Diz Caroline com a voz serena e distante na minha mente."

- Você é patético... O grande Klaus não passa de um bastardo inútil, desprezado por todos... - Diz Tyler parando de beijar Caroline.

- Vamos embora Tyler, ele é só um bastardo inútil... - Diz Caroline.

Eu derrubei outra lágrima enquanto via Caroline e Tyler se afastarem de mãos dadas juntos pela praia, olhei para os convidados ao meu redor, todos riam de mim. " Klaus... Klaus... Não acredite Klaus..." ouvia a voz de Caroline em minha mente.

- Bastardo... Inútil... Piada... Ele é patético... Não é tão assustador assim agora, não é ? - Falavam os convidados todos rindo de mim.

- Caroline... - Falei - Caroline...

"- Klaus, não acredite, isso é um sonho... Acorde, quebre as correntes... Quebre as correntes use a sua raiva - Gritava Caroline."

"- Não se preocupe bastardo desprezível... - Falava Mikael sorrindo como um sinico psicótico - Teremos uma reunião de pai e filho quando acordar... Se acordar..."

- Caroline eu te amo...

"- Se me ama então acorde... Que eu vou estar aqui esperando por você... Sempre vou estar aqui Klaus - Diz Caroline com a voz serena e distante na minha mente."

- Ela irá te deixar também, Klaus - Diz Mikael agora aparecendo de verdade na minha frente.

- Ela está lá fora me esperando Mikael e nada que você possa fazer mudará isso - Disse ele - Onde eu estou Mikael ? 

- Na sua própria mente... Eu estava só dando a você um bom sonho... - Sorria Mikael - Mas acho que está na hora de acordar bela adormecida..."

Abro os olhos ofegante, estava naquela sala amarrado a mesma corrente, duas lágrimas tinham caido do meu rosto, Mikael sorria com a situação, o "cúmplice" dele também estava lá e parecia no mínimo intrigado com a minha situação atual.

- Que bom que finalmente acordou... - Diz Mikael parando de sorrir e apontando para seu cúmplice - Apostei com ele que você iria chorar... Sempre foi um bebê chorão Niklaus.

- Me mate logo... - Gritei - E me poupe da tortura de ouvir sua voz...

- Bem, ainda tenho dois dias para te torturar... Amanhã iremos fazer um show e tanto - Falava ele enquanto eu ficava sonolento e voltava a dormir - Durma bem Niklaus pois amanhã você irá morrer... Falando nisso você já achou a estaca para matar ele ?

- Claro que sim... Mas ainda não compriu sua última parte no nosso acordo Mikael... - Falava ele, enquanto eu ia adormecendo e antes que percebesse já estava dormindo.

"- Poxa você nem me parece o mesmo Klaus que conheci.. - Falava Marcel sorrindo, sentado em um banco em meu lado.

- Onde eu estou ? Você está morto Marcel, eu estou alucinando novamente... - Falei quase para mim mesmo ignorando Marcel.

- Pode ser um sonho, mas pode ser real, e respondendo sua pergunta, você está alucinando sim - Diz Marcel.

- Como pode ser real, se você mesmo admite que é uma alucinação - Falei para Marcel.

- Não quer dizer que a alucinação não seja real... Klaus você precisa quebrar as correntes... - Repete Marcel a mesma frase dita por Caroline.

- Como assim quebrar as correntes ? São as correntes que me prendem naquela sala ? - Perguntei.

- Não são as correntes que te prendem naquela sala, mas sim você mesmo... Niklaus quebre as correntes - Diz Marcel.

- Como ? Ordeno que me responda -  Gritei para Marcel.

- Hum... - Marcel me olhou atentamente e saiu assuviando pela grande praça a nossa frente, me deixando sozinho naquele banco.

Olhava pessoas indo e vindo, apenas pensando, refletindo sobre o que Marcel e Caroline me falaram "Quebre as correntes", parecia algo literal mas o que poderia ser, não tinha muito tempo para pensar sobre isso, tinha que bolar um plano para fugir logo daquela "prisão" onde estava.

- Klaus... Velho amigo... - Disse Stefan sentando ao banco do meu lado, e me dando um leve aperto de mão.

- Stefan Salvatore a voz da razão... - Falei irônico para Stefan.

- Parece que alguém te irritou, meu amigo... - Falava Stefan sorrindo.

- É o que parece... - Falei com raiva encarando Stefan - Não tenho tempo para essas tolices... - Disse levantando do banco - Tenho que quebrar a tal corrente..."

Abro os olhos na sala já vazia, e olho para as correntes que me prendiam, suspiro, e tento quebrá-las, a náusea, o meu enjôo e a forte dor de cabeça não ajudavam, mas eu não iria desistir, não podia me dar ao luxo de desistir, enquanto respirasse iria lutar para viver. Em um piscar de olhos lá estava eu...

"Alucinando novamente... Dessa vez não estava mais naquela movimentada praça, mas estava naquela sala com meus irmãos, aparecendo novamente da escuridão. "enfrente seus medos Klaus..." Ouvia a voz sonolenta e pacífica de Caroline me guiando e me aconselhando.

- Rebekah tem razão, você é patético... - Repetiu Elijah segurando uma adaga e vindo em minha direção.

- Elijah, espere um minuto... - Disse quando ele enfiou a adaga em meu tórax, a dor e a náusea tomaram conta de mim."

- Não... - Respirando ofegante e usando toda minha força para puxar aquelas correntes, falei.

"- Niklaus, você tinha uma velha mania de nos colocar em um caixão, vamos ver o que você vai achar, de experimentar o que nós sentiamos... -Diz Elijah novamemte.

- Elijah... Está tudo bem faça... Mas antes me perdoe por todas às vezes que fiz isso a você irmão... Me perdoem todos vocês - Gritei para os meus outros irmãos que estavam do lado de Elijah.

- Eu te perdou Klaus... - Falava Elijah agora com uma voz calma e pacífica se afastando do caixão.

- Eu... Eu amo vocês irmãos e prometo fazer de tudo para ficarmos juntos... A é eu vou tentar empalá-los em um caixão menos vezes... - Falei saindo do caixão e começando a correr, pois trilha, um casamento para impedir e não queria me atrasar."

Usando minha força uma das correntes quebraram, só uma mão me prendia naquela sala de tortura, e me impedia de sair dali e matar Mikael e seus ajudantes.

- Estou quase lá - Voltei a puxar e tentar quebrar a outra corrente e quando fechei os olhos...

"Não estava mais puxando a corrente, estava agora naquela praia, o diferencial era que não estava amarrado a nenhuma cadeira. O pôr do sol estava chegando, e os convidados sentados nas outras cadeiras deram total atenção para Caroline, que ia em direção ao altar com um lindo vestido branco. A observei pensando se algum dia a veria dessa maneira novamente, não em uma alucinação, mas sim se casando comigo, e não com o Tyler, como estava acontecendo nesse momento.

- Caroline Forbes... Você aceita Tyler Lockwood como seu legítimo marido ? - Falava Damon, como se fosse o padre, fazendo esse casamemto.

- Isso só pode ser brincadeira! - Exclamei baixo para mim mesmo andando pela convidante praia, entre os convidados, até o altar.

- Aceito... - Diz Caroline sorrindo e olhando para Tyler.

- Muito bem... Se alguém aqui for contra está união, fale agora ou calesse para sempre... - Disse Damon sorrindo.

- Acho que eu tenho um pequeno problema... - Disse chegando até o altar.

- Olá Klaus, que bom que veio para o meu casamento - Falou Tyler sorrindo - O pobre e coitado Klaus, abandonado pela família, sem amigos... E se acha digno da minha garota ? Caroline Forbes é minha garota, ouviu... - Gritou Tyler para mim.

- Desculpe amigo mas... Não sou digno nem de perto... - Falei sorrindo - Caroline é incrível... Ela é a mulher mais maravilhosa que já conheci na vida e olha que tenho um pouco mais de mil anos de vida... - Falei em um tom alto e provocante.

- Falou e disse...Ela é a minha garota, minha garota. Eu a mereço. - Diz Tyler sorrindo.

- A não meu amigo, aí você se engana, você não a merece. Tanto quanto eu - Coloquei minha mão no peito de Tyler, pronto para puxar o coração dele a qualquer momento.

Entao fiz, puxei o coração de Tyler do peito dele, mas surpreendentemete não fiquei alegre não sorri, ouvia alguns gritos agudos vindo da multidão de convidados, mas ignorava esse detalhe. Damon parecia surpreso mas não triste, Caroline por outro lado parecia devastada, se agachando no altar e mexando no corpo sem vida de Tyler Lockwood, sabia que era apenas a alucinação mas todos pareciam tão real, principalmente Caroline.

- Love, que melhor presente de casamento para você que o coração do seu amado - Disse sorrindo e colocando o coração de Tyler na mão dela, o vestido branco que Caroline usava agora estava vermelho de sangue.

- Bastardo, inútil por que você só estraga minha vida... - Gritava Caroline.

- Porque eu te amo... E por isso que eu queria lhe dar outro presente... - Falei me aproximando de Caroline e colocando uma das minhas mãos no rosto dela."

Gritos de dor, vinha de Caroline presa a baixo estava suando, e a náusea, tomava conta de mim, usava toda minha força, puxando e tentando quebrar a corrente, mesmo assim não estava conseguido, e as alucinações não ajudavam muito. Fechei meus olhos e lá vai eu de novo para aquela praia.

"- Caroline, eu machuco todos que se aproximam de mim, e os que não querem se aproximar... Não quero te machucar nunca... - Sorri para ela que por um segundo retribuio com um sorriso, via o brilho nos olhos dela - Eu quero lhe dar algo que a muito tempo você já tem Love... Não apenas esse coração inútil mas um que realmente ama você...

- Klaus o que você vai fazer ? - Arranquei meu coração olhando para Caroline que estava assustada.

- Você... tem... meu coração... - Falei pausadamente enquanto fechava os olhos e perdia a vida, só ouvi os gritos de Caroline, antes de realmemte acordar.

- Klaus eu também te amo... Não me deixe sozinha por favor... - Disse Caroline enquanto eu parava de alucinar e acordava."

Usei todas as minhas forças e quebrei a corrente, pronto para sair daquela sala. Andei cambaleando até a porta a qual abri e comecei a correr, tentando ser discreto enquanto pensava sobre meu sonho, Klaus eu também te amo... Não me deixe sozinha por favor... Foi o que ouvi Caroline falar antes de despertar, eu nunca abandonaria ela, nunca, cheguei a saída daquele "porão" e corri até a porta da saída, quando olhei para trás. Prometi nunca abandonar a quase um minuto atrás e já estava quebrando a minha promesa.

- Love, prometo que volto para te buscar... Nunca te deixarei... - Disse sozinho abrindo a porta e saindo daquele lugar.

P.O.V Rebekah...

- Onde ele está... Cadê ele? Obrigo que me falem - Gritava batendo na porta de Elena Gilbert.

- Se não abrirem essa porta agora... Voces vão me ver realmemte bravo... - Falava Kol parado ao meu lado, na frente da porta.

- Bekah, não vai quebrar a porta não é ? - Falava Marcel ao meu lado direito sentado no balanço da varanda.

- Sou bem capaz - Falei.

- Não acredito no péssimo gosto da minha irmã... - Fala Kol e Marcel, o encara com raiva.

Com um barulho de porta se abrir Marcel, Kol e Elijah como eu voltaram a atenção a porta da casa de Elena Gilbert e o resto da sua família. Que se abriu revelendo Jeremy, que estava parado em frente a porta entre aberta, parecia preocupado, ele murmurou um baixo "Sério que são vocês ?" ele nos olhou feio, e pareceu curioso a ver Marcel pois não o conhecia pelo que sei.

- Podemos entrar por bem ou por mal, você que decide Jeremy... - Falou Kol sorrindo - E é bom te ver amigo.

"Flashback: Cinco dias antes"

- Matt, corra agora... Agora... - Gritava enquanto abria caminho pra Matt correr.

- Rebekah... - Gritou ele, que saiu correndo o mais rápido que conseguiu.

Olhava ele correndo a frente, e até tentei correr para acompanhá-lo, mas o bando de vampiros do meu irmão Finn, me cercaram havia, matado alguns enquanto abria caminho pro Matt fugir, mas parecia que a cada vez que eu matava um vinham mais dois. No mínimo eram cinquenta vampiros que me cercavam, podia jurar que pelo menos dez deles eu já havia matado.

- Olá irmãzinha acho que devemos ter uma conversa... - Fala Finn sorrindo entre os que me cercavam.

- Não tenho nada para falar com você! - Gritei para ele.

- Ah tem sim irmã... - Diz ele usando a super velocidade de vampiro e quebrando o meu pescoço.

"Flashback off: Agora"

- Desculpe, mas se o psicopata que me matou estivesse aqui, eu saberia... - Falava Jenna, a tia da nova doppelganger e do guri metido a caçador profissional.

- Meu irmão Niklaus e aquela garota Caroline não poderiam sumir na mesma hora, e eles foram para aquele baile juntos... - Falava Elijah.

- Faz algumas semanas que procuramos pela nossa amiga Caroline... Mas nada ainda - Fala Elena.

- Que pena... Eu sei que ira encontrá-la e eu encontrarei meu irmão... - Falou Elijah sorrindo pra Elena.

- Elena Gilbert, a Doppelganger metida a heroína... Ela com certeza vai salvar o dia...  - Falo sorrindo.

Elijah me olhou de cara feia, e em seguida convidou Elena para conversar com ele fora da casa, logo eles saíram juntos para conversar. A tal da Jenna também saiu com o Alaric, que chegou na casa a chamando pra sair um pouco depois de Elijah e Elena sairem. E o Jeremy, o Kol, o Marcel e a garota chamada Anna, estavam na cozinha conversando, sobre algum assunto que não era do meu mínimo interesse. Então só restava eu, sozinha e sentada no sofá morrendo de tédio e não tentando pensar nos dias que se passaram, e nem no paradeiro misterioso do seu irmão Niklaus ou como ela chamava Nik, e da Caroline, a quenga que é afim do meu irmão e de um lobisomem patético chamado Tyler Lockwood. Ela é mais indecisa que tudo na vida, olhei para um relógio que estava na sala e vi as horas se passando, logo acabaria mas esse dia "O sexto dia lá se vai, só resta um dia para lhe resgatar Nik" pensei. A noite havia chegado, já que chegaram na casa dos Gilbert quase anoitecendo, o sol estava se pondo, parando de focar no relógio e no tempo, olhei para a janela de vidro na sala e comecei a pensar.

"Flashback: Três dias antes"

- Que bom que acordou... - Diz Sage quando eu abro os olhos.

- Onde eu estou ? Onde está o Matt ? - Falei tentando levantar do chão, estava faminta e meu pescoço doia.

- O Finn vai querer falar com você. - Fala Sage ignorando o que eu disse.

Sage abri uma porta deixando a luz entrar e saí daquele lugar, para chamar Finn. Com certeza era a casa de Stefan e Damon Salvatore, pois ela reconhecia aquela cela. "Será que o Matt está bem ?" pensei me preocupando e me culpando, pois se ele estivesse morto a culpa seria dela, como poderia deixar que seus irmãos matassem todas as pessoas por quem ela se apaixonasse ou gostasse. Ela viu Finn do outro lado da porta sorrindo, ela só conseguia vê-lo por causa de uma pequena grade.

- Irmã... Você parece ótima - Diz Finn segurando nas grades - Tenho um assunto para falar com você...

- Que assunto ?  E onde está o Matt ? - Perguntei a Finn me aproximando das grades.

- Era exatamente sobre o Matt que eu queria conversar... Tirando o Matt Donovan, consegui achar outro dos seus namoradinhos, mais um que o Niklaus, aquela aberração que vocês chamam de irmão não matou... - Diz Finn sorrindo - Como eu sou diferente do Klaus te darei uma opção, poderá escolher um dos seus dois pretendentes... Vai ser o Matt ou o tal de Marcel ? Então Rebekah qual irá condenar a uma morte dolorosa...

- Marcel ? Ele não está vivo... Ele morreu, nosso pai tratou disso Finn - Falei lembrando do Marcel e de nossos momentos juntos.

- Morto ? Ele e o Matt estão amarrados lá em cima, e eles me parecem bem vivos - Falou Finn.

- Viva o Marcel ! - Falei em choque.

- Dependendo de você ele pode estar morto logo, logo - Fala Finn - Se o Elijah não conseguir uma maneira de deixar eu e os meus vampiros vivos novamente, você terá que matar um deles irmãzinha... - A e não precisa tentar escapar, você não é páreo para um exército que não pode morrer... Torça pelo Elijah, ele ainda tem quatro dias restantes.

- Você é um monstro... - Gritei.

- Irmã, você não tem um irmão que não seja um monstro... - Diz Finn virando às costas para mim e saindo.

"Flashback off: Agora"

- Rebekah, por que você está tão pensativa ? - Diz Marcel, aparecendo na sala, e me tirando do meu transe.

- A Marcel, nem te vi aparecer. Eu estava pensando no Finn e no que ele nos fez passar... - Falo séria.

Marcel me olha compreendendo a situação e sai da sala novamente, fico pensando novamente sobre o que aconteceu a dois dias atrás, desde lá tudo mudou tudo mesmo. Eu fiz uma escolha, só não sabia se era a escolha correta, pelo resto da minha vida imortal sentiria aquela culpa dentro de mim me corrompendo por dentro, sempre serei a maior culpada pelo que aconteceu, tinha duas vidas em minha mão e como sempre não pensei direito no que poderia ser melhor, pensava no Matt e no Marcel e no porquê de eu ter tomado aquela decisão. Uma lágrima escória pelo meu rosto, enquanto pensava.

- Olha bem, disseram que a culpa mata - Diz Kol saindo da cozinha e aparecendo na sala.

- Kol... - Falei enxugando a lágrima do meu rosto - O que faz aqui ?

- Vejo você chorando... E fico rindo - Diz Kol normalmente.

- Sabe de uma coisa, o Finn tinha razão, o meu único irmão que não é um monstro é o Elijah, pois não botaria a mão no fogo pelos outros... - Digo me levantando do sofá e em seguida saindo dali para o banheiro.

"Flashback: Um dia atrás"

- Rebekah, acho que está na hora de sair daí... Está na hora de escolher - Diz Finn sorrindo.

- Mas... Você ainda tem mais dois dias, para o Elijah descobrir uma maneira de salvar vocês... - Falei me levantando do chão.

- Eu sei disso... Mas acho que vocês precisam de um insentivo, para saberem que eu não estou de brincadeira... - Falou ele abrindo minha cela - Não pense em fazer nada, se alguém lá em cima notar a minha falta, o Matt e o Marcel estarão mortos antes mesmo que você consiga piscar...

- Finn, por favor, não faça mal a eles... Por favor Finn... - Disse enquanto ele me tirou da cela.

- Ande logo! - Vociferou Finn me puxando com mais força.

Não demorou para eu chegar na sala da casa dos Salvatore, que estava rodiada por vampiros homens e mulheres, grandes e baixos, altas e gordos, todos diferentes um do outro. Eram todos vampiros transformados pelo Finn, eram o grupo dele, em destaque havia duas pessoas sentadas no sofá rodeados claro, por vampiros, que estavam de pé rindo da minha expressão de aterrorizada. Marcel e Matt ambos se olharam assustados, Marcel parecia aflito, triste e preocupado e o Matt parecia o dobro disso.

- Então Rebekah, vamos começar o show... - Disse Finn gritando para seu público, ele me jogou no chão e eu fiquei ajoelhada vendo Marcel e Matt a poucos centímetros de mim.

- Escolha... Escolha... Ela é ridícula... Eu prefiro mil vezes o Marcel... O Matt é o melhor e vai viver eu acho... - Murmuravam os vampiros, cada um falando uma coisa diferente e alguns rindo de mim.

- Finn por favor, não faça isso... Por favor Finn... - Implorei para ele.

- Escolha logo Rebekah ou meus vampiros matarão os dois... - Alertou Finn sorrindo - Um minuto para Rebekah fazer sua escolha.

Olhei para a janela e vi a luz da lua que além da lareira iluminavam a sala, muitas lágrimas escorriam pelos meus olhos "Marcel ou Matt" o tempo passava, enquanto eu pensava e desviava o meu olhar daquele local. O Matt me apoiara e ficara comigo, mesmo eu tendo irmãos horríveis, ele me amou e eu amei ele. Mas o Marcel, ele e eu vivemos uma história mas se ele estava vivo queria dizer que ele me abandonara. Já sabia a minha escolha seria o Matt.

- Eu escolho o Matt... - Falei para o Finn triste e chorando - Mate o Marcel Ok... Só não toque no Matt.

- Ok irmã... Matem o Matt Donovan... Agora já que escolheu irmã, aproveite sua escolha... - Gritou Finn.

- Mas o quê ? Que diabos é isso... - Falei me levantando rápido.

- Eu disse que te deixaria escolher, não que iria ouvir sua escolha -  Gritou Finn - Cortem a garganta dele já...

- Rebekah... Por que ? - Disse Matt se levantando do sofá, quando Sage apareceu atrás dele e quebrou o pescoço do Matt.

Por um segundo o meu coração parou, aqueles vampiros riam e se divertiam, eu estava em estado de choque, só não conseguia reagir. Sade estava ali parada a poucos centímetros de mim, rindo da minha cara, e dando chutes no corpo sem vida de Matt, os olhos tão brilhantes de Matt, ps olhos dele cheios de vida, agora estavam vazios e arregalados. Ele morrera em vão, só por capricho do meu irmão, o corpo do Matt estava ali, jogado por nada.

- Há Há Há... - Finn me olhava rindo e me ridicularizando - Agora pode sair daqui maninha, avise ao Elijah para se apressar ok... Soltem o Marcel, e deixem minha Irmã e ele sairem ilesos daqui... - Gritou ele enquanto Marcel foi solto e me segurou bem firme - Aproveite Irmã.

Só percebi que não estava mais lá quando Marcel parou de correr, estávamos do lado de fora da casa dos Salvatore. Ainda estava em choque, mal conseguia ficar de pé, só o pensamemto de eu ter a causa, pela qual o Matt morreu, me deixava em pedaços. Só de pensar que nunca mais veria o sorriso dele, de que nunca mais iria ouvir a voz dele, ou vê-lo novamente, eu era a causa para Matt Dovnoan estar morto e ele morreu levando um pedaço meu com ele, eu amava o Matt...

- Vai ficar tudo bem... Rebekah eu estou aqui... - Disse Marcel que me abraçava.

- Não, nada nunca fica bem... - Disse a ele enxugando as lágrimas dos meus olhos - Sempre alguém estraga alguma coisa...

- Sempre seus irmãos... - Diz Marcel parando de me abraçar - Você vai seguir em frente...

- Mas como ? Isso dói tanto - Disse a Marcel, olhando em seus olhos.

- Assim... - Marcel se aproxima de mim e me beija, naquele segundo todas as perguntas que eu tinha para fazer foram respondidas, toda a tristeza foi embora e o pingo de esperança surgiu.

"Flashback off: Agora"

Sentada no chão do banheiro, penso no Matt e fico chorando baixinho, lá dentro daquele banheiro, tinha certeza de que ninguém poderia me ouvir, principalmente o Marcel ou os meus irmãos Elijah e Kol. Não sabia como era possível mas agora o meu ódio pelo Finn aumentara, eu iria matá-lo, jurarei isso ao Matt. Alguém bate na porta do banheiro que estava trancada e me assusta com o barulho.

- Quem é que está aí ? - Pergunto choramingando baixinho.

- É o Jeremy... Será que eu podia usar meu banheiro... - Fala Jeremy.

- Claro - Falo baixo me levantando para abrir a porta.

- Rebekah. Você está bem ? - Perguntou Jeremy enquanto eu abria a porta - Você está chorando ?

- E se estiver! - Exclamei parando de abrir a porta e me abaixando no chão, ainda chorando baixinho.

- E tem algum motivo para isso ? - Perguntou Jeremy do outro lado da porta, cauteloso.

- Sim... Mas acho que ninguém me entenderia, você já sentiu uma dor no peito tão forte, como se alguém tivesse arrancado alguém importante... Muito importante de você... - Falei.

- Já me senti assim... Algumas pessoas não entendem. Quando a Vick ou a Anna morreram, parecia que tudo havia acabado para mim... - Diz Jeremy - Mas aquilo não foi o fim. Aquela dor que eu achei que nunca acabaria, que nunca seria preenchida, acabou quando eu e a Bonnie começamos...

- Mas ficar com outra pessoa não seria manchar a lembrança desse alguém importante que se foi ? - Falei.

- Não se esse alguém realmente te amava ele ou ela, iria querer que você seguisse em frente... - Diz Jeremy - Mesmo que parecesse difícil, tudo vai ficar melhor... Mas quem você perdeu ?

- Jeremy não foi só eu que perdi essa pessoa... - Disse abrindo a porta e abraçando o Jeremy - O Matt está morto... O Finn o matou...

- O quê ? - Disse Jeremy, parei de abraçar ele, quando ele deu um murro na parede - Não pode ser verdade...

- Mas é...Vamos seguir em frente por ele... Eu vou seguir em frente - Falei para o Matt.

- Vamos sim. Rebekah... - Jeremy me abraçou e naquele abraço mais de mil palavras não precisariam ser ditas, voltei a chorar baixinho, enquanto abraçava o Jeremy, o garoto fazia o mesmo.

- Vamos seguir em frente... - Falei abraçando ele.

P.O.V Elijah..

- Então Elijah... Do que você quer falar... Sobre a Caroline ou sobre seu irmão Klaus ? - Fala Elena parada na varanda sorrindo.

- ... - Fiquei em silêncio apenas olhando para Elena.

Tirei meu foco de Elena, e comecei a olhar para as casas em fileiras. A rua estava deserta por mais do que ele duvidasse de que já fosse mais de uma hora da tarde, o sol quente iluminava tudo naquela manhã, a maioria das casas brancas naquela rua tinham a grama aparada e um belo e aconchegante e convidativo jardim, com algumas flores, de diversas cores, e tipos diferentes.

- Elijah. - Falou Elena, eu continuei olhando para a parada rua.

Fúria, fervia dentro de mim, Finn queria uma guerra contra os irmãos e Mystic Falls, Klaus sumira da noite pro dia, o que não era do feitio dele. Rebekah sofrera com a morte do seu amado. E Kol resscuscitara, como um doido frenético para achar um modo de permanecer vivo. E se Mikael havia ressuscitado como ele temia, todos estariam em perigo, Finn poderia ser uma ameaça no momento mas ele não se comparava a Mikael. Seu pai era um homem cruel que fazia atrocidades por mera vingança, ele era movido pela raiva e pelo ódio, Elijah sempre teve medo de que seu irmão Klaus ficasse igual a Mikael ou pior. O dia dos mortos estava para acabar, aquele era o penúltimo dia depois dele, só mais um dia e algumas horas para Kol, Finn e provavelmente (se ele voltou dos mortos) Mikael desaparecerem, todos seus problemas estavam próximos de desaparecerem, e ele só precisaria ficar parado e virar as costas para tudo e todos. Mas Elijah nunca conseguira dar as costas para sua família, esse era seu maior defeito, ele nunca abandonaria sua família doentia e problemática. O pensamento de fugir, ir embora deixando sua família para trás, parecia tentador mas Elijah não poderia se dar ao luxo de abandonar o Klaus, a Rebekah ou o Kol, ambos precisavam da ajuda dele e ele iria honrar com sua promessa e ajudar seus irmãos.

- Elijah ? - Falou Elena quebrando o longo silêncio - Você está pensativo hoje não é. 

- Um pouco. Quando você tem um irmão híbrido e cruel que some, outro que tem um exército, uma irmã de luto, e um obcecado para sobreviver, E com um pai psicótico de volta a vida. Bem assim você fica pensativo... - Disse a Elena, que diferente do que pensei, não tirou seu sorriso do rosto.

- Experimente ter um irmão drogado com a ex morta/viva morando em nossa casa, uma tia obcecada pra sobreviver a essa maldição dos mortos, uma mãe psicopata obcecada a trazer minha doppolganger do mal até a cidade. Assim você fica pensativo - Disse Elena quase como se fosse uma piada rindo - Nossas vidas são uma droga mesmo, Elijah!

- É um pouco. - Disse rindo junto a Elena e voltando a olhar para rua.

- O que você tanto olha ? - Perguntou Elena indo até o meu lado.

- Olho para essas casas. Penso se algum dia morarei em um lugar assim, penso se irei me permitir a me apaixonar novamente, e viver em uma pequena cidade como esta, tendo uma boa família... - Falei a Elena sem parar de olhar para aquela rua e sorrir.

- Quem sabe você consegue -  Falou ela colocando a mão em meu ombro - Você é um homem bom Elijah, e na minha opinião você é o único original que presta.

- Não fale isso perto dos meus irmãos, você pode acabar sendo brutalmente assassinada - Falei rindo - Sério mesmo...

- Ok. Seus irmãos são sinistros! - Afirmou Elena tirando a mão do meu ombro e sorrindo.

- Se viver com eles você acaba se acostumando ! - Falo a Elena. Ainda olhando para a silenciosa rua.

Por uma fração de segundos, senti um cheiro estranho, que tinha intensidade, parecia gasolina. Mal tive tempo de segurar a Elena e tirar ela da varanda para o meio da estrada, foi quando a casa explodiu, olhei as chamas tomarem conta da casa da Elena, que gritava o nome de seu irmão, ela estava desesperada e se eu não a segurasse ela correria para a casa que estava em chamas.

- Jeremy... Jeremy não... - Gritava Elena se debatendo, enquanto a segurava.

- Elijah, o que está acontecendo aqui ? - Perguntou Elena, eu a larguei e ela parou de berrar falando.

- Eu não sei, queria realmente ter uma resposta. - Disse a Elena.

- O que nós vamos fazer... O Jeremy está lá dentro. Se algo acontecer com ele eu não sei o que... - Começou Elena.

- ...Sou capaz de fazer... - Interrompeu Vick Donovan, a irmã do Matt aparecendo atrás de mim e me enfiando uma adaga.

No inicio pensei que era uma adaga normal, mas assim que aquilo atravessou minha barriga a dor foi imensamente forte, senti meu corpo secando naquele momento. Aquilo parecia uma das adagas que o Klaus tinha para nos empalar, e nos por em caixões por séculos. "Por que ?" perguntei a Vick enquanto secava, ela andou ate ficar na minha frente, e olhou nos meus olhos, sorrindo.

- Você sabe o porquê... - Disse ela pegando a estaca de carvalho branco - Roubei isso do Mason, o tio do Tyler. Se pudesse usaria em você, mas... Ah é, não tem mais !

Vick enfiou a estaca de carvalho branco no meu peito, a dor foi pior ainda, gritei agonizando enquanto meu corpo queimava. Logo fechei meus olhos, sabia que seria para sempre, meu último pensamento foi ver minha família reunida e feliz, eu Klaus, Rebekah e Kol, nós quatro sorrindo e alegres, sabia que aquilo era provavelmente um sonho. "Até logo irmãos" falei baixinho entre os gritos, logo parando e queimando totalmente.


Notas Finais


💥Eu sei que nesse cap matei duas pessoas "importantes", mas juro que pelo menos uma delas irá ressuscitar... Tirem suas próprias conclusões 💥

Obrigado por terem lido até o final, eu sei que ficou um pouco grande mas tudo bem... No próximo cap da fic irei fechar essa parte "Seven Days of the Dead", mas a fic continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...