História Dias Contados - MITW - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Drama, Mitw, Romance, Tragedia, Yaoi
Exibições 63
Palavras 1.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oin angels :3
Preparem os lencinhos
heueheueheu
Nãu chorem viu u.u
Mentira
Podem chorar sim :v

Capítulo 6 - Falta três dias - 06


“Quem dera se por um descuido, Deus pudesse te trazer de volta

      Nem que fosse por um segundo”

Quando você ama alguém, você sabe todos os defeitos e qualidades dessa pessoa de cor, você não liga para nenhum “erro” nessa pessoa, só quer ficar com ela. E eu quero isso pro meu anjo, quero que essa tempestade se afaste e passe logo, para vê-lo sorrir, anjo, meu pequeno anjo que iluminou minha vida, vamos passar por isso juntos, vamos lutar por isso juntos, e talvez um dia... Eu veja o seu lindo sorriso novamente.

[ ... ] 

cabei de acordar, eu estava ainda dormindo com a cabeça na barriga do Pac. Parei para observá-lo um pouco... Ele estava um pouco mais magro que o normal, tinha bastantes olheiras debaixo de seus olhos. Ele realmente, não estava com uma aparência boa. Sinto falta dos tempos de antigamente, muita e muita falta. Sorrir sem se preocupar, até mesmo ficar jogando futebol até começar o nascer do sol, ficar na rua até de noite, para mais tarde nossas mães vier chamar a gente para jantar. Montar os brinquedos do lego, só para depois desmontá-los de novo. Comer como se não houvesse o amanhã, e nem ligar para engordar... Você para e pensa um pouco... O que mudou? Tudo, tudo mudou, tudo se perdeu e ainda vai continuar se perdendo. Dormir só quando era quase de dia e logo em seguida assistir programas proibidos. Poder andar na rua de mãos entrelaçadas, sem se importar com o que iram falar, simples, éramos só crianças, sem malícia, apenas sonhos e sonhos. Ir á escola e quebrar todas as regras só para bancarmos os durões. Dormir e contar ovelhas e no dia seguinte eu acordava olhando seus olhos, lindos como a noite estrelada, eu amo as estrelas, afinal eu tenho mania de amar o que está longe.

Levantei-me lentamente e fui indo até o banheiro, minha aparência também não está uma das melhores, o Cellbit me avisou que vai vim hoje e irá trazer uma surpresa, ele só disse que o Pac vai gostar, isso é a única coisa que importa. Estou sendo egoísta muito egoísta. Não estou sendo egoísta de me importa só comigo, mas, sim, só com ele. Nesse momento estou esquecendo-se de mim completamente, e botando ele como prioridade, o primeiro, e eu não me importo com isso, apenas quero vê-lo sorrir, a única coisa que importa.

Vejo-o se movimentando lentamente, dando alguns resmungos e também se espreguiçando.

- Mike? Está acordado? – Ele perguntou.

- Sim, já acordei – Falei e vi o mesmo sorrir.

- Ei... – Ele falou e eu deitei colocando minha barriga no seu colo, estava confortável...

- To com fome... – Ele falou fazendo uma carinha de cachorro abandonado, acabei sorrindo com isso.

- Eu já vou pegar alguma coisa para você comer – Falei me levantando, mas senti suas mãos pousarem sobre o meu cabelo, é uma pena, antigamente eu fazia isso nele, mas... Agora, só ele pode fazer isso em mim.

- Ei... Mike... Posso te pedir um favor? – Ele perguntou, parecia triste.

- Claro – Falei.

- S-Sabe... Eu sei oque irá acontecer c-comigo... E-Então, eu quero que seja ant- Já comecei a ficar assustado e eu interrompi o mesmo. Ele já soluçava, eu apenas segurei nossas mãos e entrelacei nossos dedos.

- E-Ei, vai me deixar? – Perguntei

- N-Não... Nunca. – Ele falou e segurou nossas mãos levemente, ele estava fraco ao ponto de não conseguir levantar muito a sua mão.

- Então, não me peça isso, não me peça algo que eu não tenho coragem, não me peça algo que possa te machucar, me peça qualquer coisa que eu farei o possível, mas, por favor, só não me peça isso. – Falei saindo da cadeira de perto dele, me aproximei dele e o abracei, senti suas mãos me envolvendo envolta. Mas, me distancio por sentir o celular vibrar, sentei novamente na cadeira e pude ouvir o suspiro do Pac, acabei rindo com isso. Desbloqueei o celular e logo em seguida pude ver várias mensagens e chamadas do Rafa.

           Mensagem ON

            Cellbolito: MIKEEEEE!
( 08:30 )

           Cellbolito: Mike acho melhor vc me atender
( 08:34 )

           Cellbolito: Se considere morto
( 08:40 )

            Cellbolito: ATENDE SEU PUTO!
( 08: 58 )

                  Eu: Bixa escandalosa!
( 09:04 )

            Cellbolito: Finalmente vai chover!
( 09:06 )

           Eu: Exagerado nem um pouco...
( 09:06 )

          Eu: Onde cê tá?
( 09:08)

          Eu: EI! Ñ ME IGNORA QUE EU SEI QUE TU TÁ ONLINE!
( 09:09 )

            Eu: VAI SE FODER
( 09:11 )

           Mensagem OFF

Depois de ele ter me ignorado, eu também esqueci completamente da presença do Pac... Olhei para ele, estava dormindo tranquilamente, me levantei lentamente sem fazer barulho e me retirei daquele quarto. Fui indo na direção a praça de alimentação que tinha, pois era gigante o hospital.

            [ ... ]

Eu não sabia oque comprar a ele, não tinha a mínima ideia, então eu trouxe apenas uma maçã e água potável, pois tenho certeza que se eu parecesse com uma coca-cola tenho absoluta certeza que eles iriam achar que estou querendo matar o paciente... Fui em direção ao quarto dele e abri a porta, consegui ver um loiro observando o Pac que ainda estava dormindo.

- Cellbit? – Perguntei e fui até ele e sentei em outra cadeira. O Rafa parecia ter acabado de chorar, pois seus olhos estavam vermelhos e inchados.

- Cara... Você está fodidamente fodido... – Cellbit falou, arrancando uma pequena risada minha...

- Sinceridade é tudo. – Falei e ele assentiu.

- A solidão... Te fez solidão... – Ele falou rindo um pouco triste.

- Você precisa descansar Mike. – Ele falou.

- Eu não posso, principalmente agora que... Deixa quieto – Falei tentando fugir novamente do assunto.

- Mike... O-Oque os médicos falaram? Ele vai poder sair? – Eu estava me segurando para não contar a verdade a ele, mas eu precisava.

- Os médicos... Mesmo ele fazendo o tratamento... Não irá adiantar. – Falei segurando algumas lágrimas que insistiam cair.

- Droga, droga, droga! – Rafa falou tentando se segurar para não começar a bater em cada pessoa que estava ali, ou seja, praticamente eu, ou a parede.

- Ein... – O Pac havia acabado de acordar por causa do pequeno ataque do Cell – Cellbit e Mike? – Pac falou percebendo a voz da gente.

- Oi, Pequi! – Ele falou animado

- Oi Cellbixa! – Pac falou na mesma animação, como essas criaturas conseguem ser assim?

- Ei... Não esquecem que estou aqui, e trouxe apenas uma maçã, dieta moço – Falei pegando na mão dele e dando a maçã. A fruta favorita dele, sempre discutimos esse lance de fruta, pois a minha é tomate. Por um momento eu percebi que ainda segurava a mão dele por baixo, larguei lentamente e respirando fundo.

- Trouxe uma coisinha moços – Ah, agora me lembrei, ele havia trago um violão, era o instrumento favorito dele, pois era o mais calmo.

Pac se sentou na cama – maca – e logo em seguida o Cellbit colocou o violão na mão dele, por mas que ele não veja, ele se lembra de cada corda do violão, então não precisa ver.

- Toca pra gente – Eu acabei falando, percebi ele passar as mãos lentamente envolta do violão. Ele parou e assentiu. Começou uma melodia e logo em seguida começou a cantar, a voz doce e calma dele.

A verdade

Está correndo em nosso sangue

As respostas

Estão mentindo aqui dentro

Não tem segredo

Não tem nenhum mistério

O amor em cada um de nós

Tem tudo

Nos realmente não precisamos de sinais

Ele cantava com os olhos fechados, relaxando, a voz dele era incrivelmente doce, eu poderia ficar escutando o dia inteiro, espero um dia, poder ouvi-la mais uma vez.

 

Me libertar

Me libertar

Me libertar

Da perseguição

Disso tudo

Cantava com o coração, essa música fez realmente, podemos dizer, realmente fez parte da nossa vida... E vai continuar fazendo.

Me libertar

Me libertar

Me libertar

Da perseguição

Disso tudo

A verdade

Está correndo em nosso sangue

As respostas

Estão mentindo aqui dentro.

Ele parou de cantar e respirou fundo, ainda estava sorrindo, Cellbit conseguiu o fazer ficar um pouco mais, feliz podemos dizer.

Vi o meu pequeno deitar-se adormecer lentamente, mas, ainda com seu sorriso nos lábios. Olhei para o Cellbit e pelo visto, deu certo. Ele fez um joinha e logo em seguida ficamos apenas conversando sobre alguns assuntos. Por mais que estivéssemos sorrindo naquele momento, estávamos sentindo a mesma coisa. A sensação de saber que irá perder alguém é indescritível, não sabemos como agir, como pensar, ou até mesmo oque falar. Foram tantos sonhos, promessas. Prometi não chorar, prometi ser forte... Mas, não esta dando. Desde aquele dia oque eu mais faço é chorar. Sei que estou perdendo ele, assim como estou eu mesmo me perdendo... Mas, um dia irei o encontrar, irei encontrá-lo e irei abraçá-lo, pois eu sei o quanto ele gosta de receber abraços.

 Ele é minha prioridade agora, vou cuidar dele até o final. Até a última gota de suor, até a última lágrima, até o último suspiro.

 

E esse é o sexto dia.

 


Notas Finais


Entãu

Espero que tenham gostadoo angels <33
Bigadenha por todo o apoio que cês tãu dando na história :)
E
...

~~Oferece lencinhos~
Quer nutella?
Nãu quer nãu, nutella é sagrada u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...