História Dias dos namorados: Daddy e Baby - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Alois Trancy, Claude Faustus, Hannah Annafellows, Personagens Originais
Tags Aloisxclaude, Fujoshis, Sadomasoquismo
Exibições 123
Palavras 2.156
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Essa é uma pequena amostra de como seria o lemon na 'killer lover', espero que gostem adios até as notas finais😆😆

Capítulo 1 - Dias dos namorados


Fanfic / Fanfiction Dias dos namorados: Daddy e Baby - Capítulo 1 - Dias dos namorados

Alois estava em sue escritório pensando alto, o dia de hoje era especial afinal era o dia dos namorados, mas como ele iria comemorar a data?

 

Seu mordomo nem sequer lhe dava atenção, mas Alois estava decidido que mudar isso de uma vez por todas. Se levantou da cadeira decidido e chamou por seu mordomo:

"Claude!"

O mordomo apareceu rapidamente na porta dando três batidas, ouviu um 'entre' e encontrou um certo loiro olhando para os lados com se estivesse escondendo algo.

"Hoje eu sairei com Hannah e os trigêmeos para comprar algumas coisas." Alois balança a mão com se não se não fosse comprar nada importante.

"Quer que eu vá com o senhor?" Claude se ofereceu.

"Não." Alois deu de ombros." Voltarei rápido mesmo."

Claude fez uma breve reverência, Alois realmente queria saber o que se passava na cabeça do moreno que aparentemente o olhava de lado como se quisesse decifrar em simples movimentos corporais o que o adolescente de quinze anos estava planejando.

Alois dispensou o mordomo e em seguida chamou todos os seus empregados. Explicou à eles que compraria algumas coisas e saíram da mansão em direção a uma loja que os trigêmeos não paravam de comentar.

Tinha várias roupas ou melhor langeries com rendas e babados, mas Alois queria algo simples e ousado.

"Acho que o mestre pretende levar Claude para a cama." Comentou Canterbury enquanto olhava atentamente para um chicote.

"Será quê ele consegue?" Se perguntou Thompson.

"Talvez sim." Respondeu Timber.

Alois estava em uma bancada enquanto conversava com uma mulher que o olhava com malícia como se adivinhasse para que ele queria usar. Hannah estava ao lado de seu mestre o ajudando a escolher qual modelo ficaria melhor. Ao final da compra Alois e seus empregados se dirigiram à carruagem, mas Alois ainda estava em dúvida.

"Ei, vocês sabem o que são Baby e Daddy?" Alois perguntou observando Hannah quase se engasgar e os trigêmeos cochicharem entre si.

Era irritante a forma como era ignorado mas Hannah sabia do que ele estava falando porque sua bochechas ficaram vermelhas e seus olhos estavam olhando para baixo.

"Ei! Eu perguntei para vocês e exijo que me respondam!" Exigiu.

Os trigêmeos pararam de cochichar na mesma hora e botaram a mão sobre a boca com se fossem falar que não devem.

"Isso só serve para 'foder gostoso'." Canterbury corou na hora ao falar tal coisa.

"No caso o Claude seria o Daddy e o senhor o Baby ou seja o que seria fudido e chamaria Claude de Daddy." Timber também corou ao dizer isso.

"Seria bem interessante um yaoi." Dessa vez foi a vez de Thompson se pronunciar segurando um lencinho no nariz que estava sangrando.

Alois sorriu malicioso e olhou para os quatro" Hum, o que vocês estão lendo hein?"

"Livros yaoi lemon." Timber soltou acidentalmente tampado a boca em seguida de vergonha.

Alois riu da vergonha dos quatro e quando chegaram na mansão Alois arrastou Hannah para seu quarto, os trigêmeos tentaram seguir mas Alois disse ser coisa de mulheres.

"Mas ele não é mulher." Timber concluiu limpando uma sala com Thompson e Canterbury.

Os dois resolveram ficar em silêncio, afinal nem sendo um demônio muito esperto conseguiria entender o que se passava na cabeça do loiro.

Às vezes ele aparentava saber de mais e depois parecia ter uma inocência tão grande afim de querer algo, mas sempre era esse loiro alegre, confuso e pervertido.

O dia passava lentamente, Hannah ainda estava com Alois em seu quarto ,nem com Claude o chamando para comer ele desceu comeu no quarto e mesmo e depois só ficou por lá com Hannah.

Claude estava curioso para saber o que se passava, pensou em perguntar aos trigêmeos mas os mesmo negaram que sabiam sobre algo. O demônio então se deu conta que era apenas coisa de sua cabeça e sabendo que nem os trigêmeos poderiam mentir tal facilmente resolveu deixar esse assunto de lado.

Era quase 18h quando Claude se pegou pensando em uma possível cena de sexo entre Alois e Hannah. Já que sua mentalidade demoníaca o fazia pensar besteira, mas porque ele estava se importando? Nada justificava o motivo de Claude se sentir um pouco moído por um ciúmes ridículo.

Foi aí que teve a idéia perfeita, montou uma bandeja com vários cupackes e um chá de camomila 'para acalmar os nervos' foi o que o demônio pensou. Se ajeitou da forma mais breve possível e subiu com a bandeja. Bateu na porta e se surpreendeu com ela sendo aberta e em seguida Hannah saiu com um lencinho no nariz.

Claude deduziu que Alois havia lhe dado um soco mas ao ver o sorriso de canto de Hannah ficou na dúvida.

"O mestre o está esperando." Hannah parecia feliz com o que havia dito.

Claude não se importou entrou no quarto e deixou a bandeja em cima da escrivaninha.

"Daaaaaddy....."

Claude franziu as sobrancelhas desconfiado.

"Daddy?" Perguntou para si mesmo.

O quarto estava um pouco escuro por causa das cortinas estarem fechadas, sentiu um pequeno peso se escorar em si.

"Daddy eu quero você daddy." Alois dizia maliciosamente enquanto infiltrava a mão dentro da calça do mordomo acariciando seu membro coberto pela cueca" Sou seu Baby Daddy!"

Claude ficou mais confuso ainda, o que a sua criança tinha? Talvez uma boa falta de palmadas para aprender a não falar tanta besteira.

"Seu pau ficaria mais gostoso se fosse fora da cueca e dentro da minha entradinha." Sussurrou quase miando para o demônio.

Ele se limitou a dizer alguma coisa mas foi aí que percebeu era o dia dos namorados e Alois estava querendo abusar dele, mas porque justo ele?

"Daddy?"

"Mestre deve está com fome eu trouxe cupackes e chá de camomila." Claude se sentia um pouco constrangido.

"Seu Baby está com fome Daddy....mas ele quer leite que sai do Daddy." Apertou o membro do mordomo que soltou um gemido em resposta" Daaaaaddy..."

Era demais para o demônio que já estava excitado com os miados e toques do garoto.

"O quê você quer Baby?"

Claude sabia onde isso iria parar mas ele era um demônio corromper a todos e a a si mesmo era o que fazia melhor, mas sabia que sua criança não queria apenas isso, ele estava o provocando, atiçando o demônio e isso não sairia impune.

"Daddy eu quero o seu pau Daddy....eu o quero dentro de mim....." o menor gemia as palavras enquanto suas mãozinhas subiam para o peitoral do mordomo.

Foi o fim de seu auto-controle, com sua velocidade demoníaca se virou rapidamente para o garoto e ergueu tomando seus lábios. Fazia o tempo que queria sentir o gosto da sua criança, ouvir seu nome ser chamando inúmeras vezes enquanto tomava o corpo pequeno para si.

Tão frágil, tão pequeno, tão vulnerável se encontrava sua criança agora. Um sorriso sádico apareceu nos lábios do do mordomo e ele se viu aspirando o aroma doce das madeixas loiras. Logo depois jogou sua criança na cama com certa brutalidade fazendo o menor gemer com a agressividade.

Claude teve a visão que era mais luxuosa de toda sua vida demoníaca. Alois usava uma langerie de renda preta, com meias que iam até suas coxas pretas, uma calcinha preta de renda dourada nas pontas e uma blusa ou top roxo, ele arfou ao ver tal cena seu membro pulsou no mesmo instante. Sua criança estava tão vulnerável e ao mesmo tempo com um sorriso malicioso em seus lábios 'impuro' o mordomo pensou com malícia.

Avançou no loiro, queria sentir o sabor daquela pele branca, seu cheiro o fascinava, os gemidos de sua criança eram tão deliciosos, o menor se contorcia ao sentir seus mamilos tocados pela língua habilidosa de seu demônio. Claude estava possesso, seus olhos esbanjaram luxúria e quando viu a pele tão branca e macia do ombro do menor e não se conteve dando uma mordida com suas presas afiadas no mesmo fazendo um pouco de sangue escorrer, Alois jogou a cabeça para trás, era doloroso mas ao mesmo tempo prazeroso o modo como Claude o tomava( literalmente).

"Ah...Daddy eu quero que você me foda!" Pediu choroso.

Claude não pensou duas vezes, terminou de lamber a ferida, era delicioso o gosto do sangue de sua criança, impuro e cheio de pecados 'excitante'. Seus pensamentos eram todos nublados por uma nuvem de puro prazer, virou sua criança lhe arrancando todas as roupas de forma violenta como uma fera faminta. Ao observar a entrada rosada do loiro que parecia lhe pedir para ser arrombado caiu de boca chupando e lambendo gostososamente o orifício anal do loiro

"Ah...Daddy mais....por favor Daddy...hum..." pedia sentindo seu pequeno membro entrar em colapso por causa da excitação.

"O quê você quer Baby? O quê você quer que seu Daddy faça?" Perguntou malicioso deslizando dois de seus longos dedos para dentro da entrada do menor que se contorceu.

"Daddy...hum... quero seu pau Daddy! Quere-o dentro de mim ahh!- gemeu ao sentir-se ser penetrado por mais um dedo.

Aquilo foi demais para o demônio , como a entrada do loiro já estava bem lubrificada, o mordomo não teve piedade e o penetrou com tudo, fazendo seu falo ir até o fundo, as paredes internas do loiro se contraíram de surpresa e depois as estocadas violentas começaram.

Alois nunca havia visto o lado sádico do seu mordomo sabia de sua frieza, afinal era um demônio, mas o coração do loiro só conseguia bater mais rápido com a presença do demônio, antes ele pensou ser algo paternal por nunca ter tido um pai ou uma família, mas quando completou quinze anos descobriu ser algo totalmente diferente. Era um desejo ardente, paixão e amor por seu demônio, claro que ele sabia que talvez o amor Claude fosse impossível de sentir, mas desejo, se ele pelo menos sentisse desejo pelo corpo do loiro ele ficaria feliz.

"Ah...gema Baby...hum...." o mordomo estava fora de si, finalmente libertando seus desejos impuros.

"Ah...Daddy mais fundo!" Gemeu em resposta " Me morde Daddy ah...!"

Claude ou melhor seu Daddy fez como ordenado, botou seu peso sobre o corpo do loiro e lhe mordeu na junção do pescoço com o ombro, Baby gemeu ao sentir o líquido carmesim descer pela pequena ferida, já Daddy lambeu novamente sentindo o gosto de seu sangue e aumentando as estocadas com tamanho prazer.

O cheiro da luxúria era bem presente, o demais estava quase revelando sua verdadeira forma, suas garras haviam crescido dez vezes do tamanho normal e seus olhos já estavam róseos brilhantes.

"D-daddy...ah goza pra mim Daddy... me foda bem forte....hum..."

Nesse momento Daddy parou e virou Baby de frente para ele. O olhou com malícia para os lábios do mais novo e ordenou:

"Chupe o seu Daddy." Ergueu o delicado queixo do menor o apertando com certa força.

"Hum...sim Daddy..." Se abaixou para o membro de seu Daddy e lambeu a ponta de forma lenta.

Daddy arfou impaciente com a lentidão do menor e quando o loiro abriu sua pequena boca para fazer os lentos movimentos Daddy aproveitou e enfiou todo seu mastro na boca de Baby fazendo-o quase se engasgar.

"Chupe direito ou será punido Baby!" Disse sádico.

Baby fechou os olhos e abocanhou por inteiro o membro, Daddy sorriu satisfeito e Baby continuou o chupando com força e rapidez.

"Daddy...hum..." gemeu ao sentir-se ser penetrado pelos dedos de seu Daddy.

"Mais rápido Baby!" Daddy dobra seus dedos que estavam no interior do menor, fazendo o mesmo arquear as costas e empinar mais o traseiro.

Baby obedeceu e chupou o mais rápido sentindo o membro pulsar em sua boca e os dedos se moverem com certa rapidez em seu interior acertando seu ponto sensível inúmeras vezes.

"Ah...Daddy..." sentiu o orgasmo mais prazeroso de sua vida o atingindo e voltou a chupá-lo com mais rapidez e ansiedade até que seu demônio gozasse.

Caiu ofegante na cama, viu seu mordomo se levantar e botar o terno e sorriu malicioso ao olhar os cupackes e o chá na bandeja ao lado, manhosamente ele pega a xícara com o chá( que já estava frio) e joga nas costas do paletó do mordomo que vira a cabeça surpreso com a mancha que formara em seu impecável paletó.

Alois por outro lado abraçou o mordomo por trás e sussurrou em seu ouvido:

"O dia dos namorados ainda não terminou Daddy."lambeu o lóbulo da orelha de seu Daddy" Os nossos feriados serão os melhores de todos daqui pra frente."

Claude arregalou os olhos, enquanto isso quatro quadros do quarto do loiro pareciam ter vida, um era uma mulher de olhos azuis e os outros três de olhos vermelhos. No entanto por trás desses quadros se encontrava Hannah e os trigêmeos, cada um com um lencinho no nariz e um grande potencial de pipoca ao lado, verdadeiros fundanshi e uma fujoshi.

E assim foi o dia dos namorados mais quente e prazeroso da vida de ambos e o que aconteceu no Natal, não precisará ser dito.


Notas Finais


Então é só isso😅 espero que tenham gostado desse lemon..... bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...