História Dias Em Hogwarts - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Asuma Sarutobi, Chouji Akimichi, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Hizashi Hyuuga, Ino Yamanaka, Jiraiya, Kakashi Hatake, Karin, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Orochimaru, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Utakata, Yahiko
Tags Ação, Aventura, Comedia, Naruto, Romance
Visualizações 21
Palavras 6.166
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Violência
Avisos: Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hi Minna, esse e o primeiro capítulo. Espero que gostem, porque deu muito trabalho...boa leitura

Capítulo 1 - Tornei Aluno


Fanfic / Fanfiction Dias Em Hogwarts - Capítulo 1 - Tornei Aluno


???-Boa noite, professor Jiraiya

-E onde está a criança agora? -fala o Jiraiya

???-Kakashi, pode estar

-E aquele "grisalho" -Fala Jiraiya

???-Não esquece do "corte em seu olho". Que idiota -ela olha para o céu e vê o Kakashi vindo na moto voadora

-Aqui, a criança -falo o grisalho-Aqui -fala o Kakashi entregando a criança para o Jiraiya

???-Oh homem, este filho e estranho

-Isso e mais estranho que você Kakashi -fala Jiraiya com tom de sarcasmo

???-Então,  vamos colocar a criança pra falar na porta -Jiraiya coloca a criança na porta-e, depois, aperte a campainha e sai correndo muito rápido por ter uma cobra

~~~~~11 anos depois~~~~~

Oi meu nome e Sasuke Uchiha, tenho 11 anos. Meus pais morreram na minha frente quando eu era um recém nascido por causa de um homem,  que um dia quero saber quem é e mata-lo, fui adotado pela família Senju, minha mãe chama Kaguya e meu pai Tobirama, tenho um irmão da mesma idade que se chama Toneri, esse homem que matou meus pais fez um símbolo de um raio em minha testa, só que e coberta pela minha franja, também uso óculos por minha visão ser muito boa. Acordei com meu "irmão" gritando e fazendo barulho na escada, ah pra quem não sabe eu durmo debaixo da escada, lá tem tipo um quartinho que eu fico

-Agora Sasuke!! Tome isso, comer isso!! Sim, o matei -fala Toneri subindo e descendo as escadas rápido pra que eu acorde

-Vai, vai!! Toneri, coma seu café agora -fala mãe gritando com Toneri -me levantei e abri a porta e Toneri falo alguma coisa que não entendi, e me empurrou pra dentro do quarto

-Cara você e estupido, merda, filho de uma porca e?! -falei baixo pra ele não escutar na cozinha

Andei até a cozinha que era perto e vi a mãe abraçando Toneri

-Meu filho, feliz aniversário docinho, nos compramos tantos presentes -mãe tampo os olhos dele e fui fazer omelete com tomate para mim

-Merda famíliar, e... -falo baixo

-Oh, estou curioso -fala Toneri

-O que você acha? -mãe destanpou os olhos dele- isso não e muito legal?

-Eu quero Unreal Tournament!! -fala Toneri bravo

-Oh, Unreal Tournament, temos mas... -fala o pai tentando explicar

-Sasuke, seu senpai e sem mãe... -Toneri grita comigo como se a culpa fose minha

-Porquê tem que gritar assim? -fala mãe dando "uma bronca"

-Eu vou... -fala Toneri

-Sinto muito, de modo que não havia, então eu... -fala o pai

-Inicie o... -fala mãe cortando o pai

-Maldito jogo!! -fala Toneri bravo

-Nós não temos o jogo, mas podemos ir no zoológico -falo mamãe

-Ok -falo Toneri que bufo

Depois que todos tomamos o café fomos pro zoológico, andamos em tudo fomos no corredor das cobras. Quando chegamos nos aproximamos perto de uma que tava parada e não se movia," meu pai" bateu no vidro

-Faça alguma coisa -fala Toneri-Se move cobra maldita!!

-Cala a boca, Toneri -falo revoltado

-Ta, ta, faz o que você quiser, vou dar uma volta -fala Toneri de ombros

-Ei,  me desculpa, e que esse meu amigo de cabelos brancos expressa seu nariz contra o vidro e assim... -falo conversando com as cobras

???-Huh? Você fala comigo? -fala a cobra que estou conversando

-Você pode falar mesmo? -falo espantado e os outros na minha volta me observava

???-Sim, e daí? -fala a cobra

-Sim, mas...cobras podem, não falam!

???-Um...mas!

-Oh, ok

???-E como tal de você Geht?

-Nunca falei com cobras antes.Nunca posso...

-O que e isso?! -fala Toneri animado se aproximando, droga ele sabe-sai fora do meu caminho -ele me empurra e caio no chão

-Oh -Toneri bate no vidro pra chamar atenção da cobra

-Cara, estou nos nervos dele! -falo me levantando e vejo que ele caiu dentro onde a cobra está, mas o vidro sumiu!?

-O-O que mais cadê o vidro? -fala ele todo molhado por causa que caiu onde tinha um lago

A cobra sai do seu "habitat" e aproxima de mim

???-Obrigado

-D-De nada

Ela vai se arrastejando até a saída e todos que estão em volta pede ajuda e gritam. Toneri do lugar onde que ele estava, grito uma coisa 

-Você tava conversando com uma cobra?

Fico em silêncio sem o responder, mãe se aproxima e vê no estado que seu filho "querido" está e olha pra mim com um olhar de morte

-Sasuke...Sem jantar...Já pro carro e em casa quero você direto no quarto

Andamos até chegar no carro e quando cheguei em casa fui de baixo da escada onde que é meu quarto, fiquei perdido em meus pensamentos por causa do sonho que sempre tenho. O sonho consiste em que lembro de um lampejo fuscante de luz verde e uma queimadura na testa...Acho que por isso o raio em minha testa, embora que nunca consigo me lembrar de onde veio e quem provocou isso, mais acho que foi de propósito. Meus pais me proibem de que faço essas perguntas. Dormi e tive o mesmo sonho.

Acordei e fui preparar o café para mim, todos estavam já na mesa e Toneri não me acordou, foi um milagre. Até que ouvimos a campainha ser tocada

-Toneri , querido, atende por favor...

Toneri se levantou e andou até a porta e abriu, viu que tinha ninguém e notou as cartas no correio. Ele pegou-as e levou para dentro distribuiu pra cada um e ele viu "Carta para Sr. Sasuke Uchiha". Sasuke pegou-a a carta com a mão tremula e fico fitando por longo tempo, viu um lacre de cera púrpura com um brasão, um leão, uma águia, um texungo e uma cobra circulando a letra "H" . Primeira vez que Sasuke recebe uma carta assim, mas por quem? Ele não tem amigos, nem parentes então quem?

-Pai, Sasuke recebeu uma carta -fala Toneri, aquele dedo duro

Sasuke ia desdobrar a carta até que Tobirama pegou a carta das mãos do garoto e levantou pro alto pra ele não conseguir pegar

-É minha!! -fala Sasuke choramingando

-Quem iria escrever para você? -Tobirama zombo de Sasuke que pareceu ter gostado da cara do garoto-quero ler está carta...

-Não pode ler, porque e minha!! -fala Sasuke furioso

-Saiam os dois!! -fala Kaguya com um tom cortante na voz

Sasuke não se mecheu

-Quero a minha carta!!

-Querida olha só -fala Tobirama mostrando a carta pra esposa

-An?! Como eles sabem onde que a gente mora! -fala mãe olhando preocupada pro pai

-Será que estão vigiando a nossa casa?! -fala Tobirama preocupado

Sasuke tinha ido na sala e viu os sapatos do pai ilustrado vindo pra cá e pra lá da cozinha

-Não - disse ele decidido-não vamos fazer nada se não obter uma resposta

-Mas...

-Não vou ter um deles na casa, Kaguya! Nós não juramos que quando recebermos que iamos acabar com aquela bobagem perigosa? 

Kaguya permaneceu calada

Naquela noite, Tobirama fez uma que nunca tinha feito, foi entrar no quarto de Sasuke

-Cadê minha carta? -fala Sasuke no estante quando viu pai na porta-quem escreveu? 

-Ninguém . Endereçaram a você por engano -disse Tobirama secamente -queimei a carta

-Não foi um engano -retrucou Sasuke com raiva-tinha o endereço do meu armário nessa carta!!

-CALADO! -gritou o pai, algumas aranhas caíram do teto. Ele inspirou algumas vezes e fez força pra que o sorriso aparece-se -Hum, sim Sasuke sobre este "quarto" eu e "sua mãe" estávamos pensando...que você estivesse grande demais e tivesse que mudar pra o segundo quarto que e do lado do de Toneri

-Por quê? -perguntou Sasuke

-Não faça perguntas -disse rispidez o pai. Leve essas coisas para cima agora

Sasuke levou uma viagem para mudar as coisas para o andar de cima. Sentou-se na cama e olhou em tua volta e viu tudo quebrado, tinha uma prateleira de livros que parece que ninguém tocou 

        ~~~~~~~~~~~~

Na manhã seguinte,  no café todos estavam quietos e Sasuke pensava no dia anterior por não abrir a carta. E escutaram o carteiro e Toneri foi pegar as cartas e viu a mesma mensagem da carta anterior 

Sr. S. Uchiha

O quarto da casa

Rua Himawari 4

Com um grito sufocante, pai levantou-se da cadeira e saiu correndo pelo corredor, Sasuke atrás dele. Tobirama teve que derrubar Toneri para não entregar a carta a Sasuke, que foi dificuldade a Sasuke que teve que agarrar o pescoço do pai por trás.

Depois de um minuto de luta confusa, Tobirama se indireitou, ofegante com a carta de Sasuke apertada em mãos

-Vá pro seu armário...digo quarto agora!! -fala Tobirama

Sasuke subiu pro seu quarto e deu voltas em seu quarto. Alguém saberia que ele se mudaria do armário e parecia não receber a primeira carta. Isto significa que tentaria de novo? Algo que desse certo

Tinha um plano

O despertador consertado tocou as seis da manhã, desceu as escadas devagar e sem acender a luz para não acordar os Senju, e lá estava o porteiro na frente da casa. Sasuke pegou as primeiras cartas deu um salto no ar se felicidade, seu coração batia acelerado. Pisou em uma coisa viva no capacho. As luzes se acenderam no primeiro andar, e para o horror de Sasuke percebeu uma coisa grande e mole no rosto do pai, estava dormindo junto à porta de entrada em um saco de dormir,  para impidir que Sasuke estava tentando fazer. Gritou com Sasuke meia hora depois pediu para lhe fizesse uma xícara de chá. Sasuke foi pra cozinha arrastando os pés,  infeliz, e quando voltou o correio tinha sido entregue, bem no colo do pai. Sasuke viu três cartas com endereço escrito com tinta verde.

-Entende -explicou a mãe por entre os lábios com pregos-se eles não puderem entregar então terão que desistir. 

-Não tenho muita confiança que isso vai dar certo, Tobirama

-Ah, a cabeça dessa gente funciona de jeito estranho, Kaguya, eles não entendem igual eu e você -disse Tobirama batendo o prego com um pedaço de bolo de frutas vermelhas que Kaguya acabou de fazer

Na sexta-feira chegou nada mais e nada menos que doze cartas a Sasuke. Como não passavam pela portinhola de correspondência, tinha sido empurrada debaixo das portas, medidas até dos lados e umas entravam pela janelinha. Tobirama tinha ficado em casa só queimando cartas e pregando com isso pra que ninguém saísse.

No sábado as coisas começaram a fugir do controle, vinte e quatro cartas enroladas e escondidas em dúzias de leite , muito confuso , entregará à Kaguya pela janela da sala de estar. Enquanto pai dava telefonemas furiosos e Kaguya picava cartas no processador de alimentos.

         ~~~~~~~~~~~

Na manhã de domingo, Tobirama sentou-se na mesa do café cansado e um tanto doente, mas feliz

-Não tem correio aos domingos -lembrou a todos, sossegado passando geléia em seu pão.

Alguma coisa desceu chiando pela chaminé do fogão enquanto ele falava bateu algo em sua nuca. No estante trinta ou quarenta cartas saíram veloz da lareira como se fosse tiro. Os Senju abaixaram, mas Sasuke pulou para pegar uma.

-Fora! Fora!

Depois que Kaguya e Toneri tinham corrido para fora protegendo o rosto com o braço, Tobirama bateu a porta, eles podiam ouvir as cartas ricochetiando a cozinha, na parede.

-Já chega -disse Tobirama, tentando falar com calma, mas ao mesmo tempo, tentando arrancar os cabelos-quero vocês aqui em cinco minutos, vamos viajar. Ponham roupas nas malas, não quero discussão!

Dez minutos depois, eles tinham tirado as tábuas que tavam na porta, entramos no carro e vimos corrujas em volta de nossa casa, Tobirama pisso fundo e meteu o pé na estrada. Mãe nem perguntava por onde nós tavamos indo e Toneri fungava o banco de trás que me irritava um pouco, pai fazia curvas mais fechadas as vezes.

-Para despistá-los...despistá-los... -resmungava sempre que fazia isso.

Não pararam para comer e nem ir ao banheiro. A noite caiu, Tobirama finalmente parou na frente de um hotel caindo aos pedaços, Toneri e Sasuke dividiram o mesmo quarto, camas iguais com lençol cheirando a mofo, Toneri roncou mais Sasuke permaneceu acordado, sentado no peitoral da janela, que via as luzes dos carros passando na rodovia.

Comeram cereal velho e torrada com tomate enlatado frios no café da manhã seguinte. Enquanto uma moça que trabalha no hotel foi perguntar alguma coisa

-Com licença, algum dos senhores se chama Sr. Sasuke Uchiha? E que tenho umas cem dessas recepção -ergueu a carta para eles ler o endereço escrito em tinta verde

Sr. Sasuke Uchiha

Quarto 17

Rodovia Hotel Cokewrth

Sasuke tentou pegar a carta, mais Tobirama tirou da mãos de Sasuke. A mulher ficou olhando

-Eu recebo as cartas -disse Tobirama levantando-se depressa e seguindo a mulher que tirava o salão de refeições

-Não seríamos melhor se a gente voltasse para casa, querido -fala mãe timidamente horas depois,mas Tobirama não pareceu ouvi-la. Exatamente andava procurando e ninguém sabia. Ele levou-os até o meio de uma floresta, desceu do carro e olho em volta, sacudiu a cabeça, tornou a embarcar o carro e partiram de uma vez.

-Pai, enlouqueceu não foi? -fala Toneri cansado, no fim daquela tarde Tobirama para o carro no litoral, passaram todas as chaves do carro e trancaram e desapareceram.

E começou a chover. Grandes gotas batiam no teto do carro

E Toneri começou a reclamar

-E segunda-feira -falo mãe

Isso lembro Sasuke de uma coisa. Se era segunda e em geral podia-se confirmar que Toneri soubesse os dias da semana,por causa da televisão,  então, o dia seguinte terça-feira, era o décimo primeiro aniversário de Sasuke

Naturalmente seus aniversários nunca era muito divertido, os Senjus davam cabides, meias velhas do Toneri. E ainda sim não se fazia doze anos todos os dias.

Tobirama voltou sorrindo com pacote fino que o carregava em seus braços

-Encontrei o lugar perfeito -fala Tobirama-venham todos!

Fazia muito frio do lado de fora do carro, Tobirama apontou para o grande rocheoso que tinha no meio do mar

Encarrapitado no alto rochoso, havia um casabre bem velho que você pode imaginar. Uma coisa era certa, não havia televisão

-Estão anunciando uma tempestade para hoje -fala Kaguya batendo palmas- e este senhor teve a bondade de emprestar o barco dele.

Um homem desdentado vinha descansadamente em direção a eles com um sorriso de maldoso que vinha barco e remo que subia e descia nas águas lá de baixo.

-Já comprei ração para nois -fala Tobirama -então todos abordo

Fazia frio no barco. Salpicos da água gelada do mar escorriam no pescoços deles e um vento que futiscava no rosto deles. Depois de horas eles finalmente chegaram ao monte rochoso, onde Tobirama, escorregando levou-os até a casa em ruínas. O interior era horrível, cheirava algas marinhas, o vento baria forte nas frestas na parede e a lareira estava úmida e vazia. Havia só dois quartros, teria que dividir um com Toneri.

As rações do pai era cereal pra cada um e quatro banana pra cada um. Ele tentou acender a lareira, mas a embalagem de cereal se carbonizou.

-Aquelas cartas viriam e calhar agora, heim?! -disse Tobirama animado

Estava muito de bom humor. Obviamente achava que as cartas não chegariam ali com tanta facilidade, durante a tempestade, para entregar as cartas. Sasuke concordava timidamente, embora que esse pensamento não animasse nem um pouco. Quando a noite caiu a tempestade prometida caiu ao redor deles. A espuma das ondas chapiava nas paredes do casebre e um vento ameaçador batia na porta e nas janelas. Kaguya encontrou cobertores mofados que deu pra Toneri e um pra mim. Eles me deixaram dormir em um colchão próximo mofado, Toneri dormiu próximo a lareira e Kaguya e Tobirama dormiram no colchão mofado com bolhas.

Sasuke não conseguiu dormir, e a chuva rugia com ferocidade a medida que a noite avançava. Sasuke tremia e revirava no colchão tentando encontrar um posição confortável, seu estômago roncava de fome. Os roncos de Toneri era abafados por conta da trovoada que caiu por volta da meia-noite. O mostrado iluminoso do relógio de Tobirama tava marcando dez minutos para o aniversário de Sasuke, deitado viu seu aniversário chegar, perguntou aos Senjus se lembrariam, perguntando-se onde estariam as cartas agora.

Faltava cinco minutos para o aniversário de Sasuke. Sasuke ouvia coisas estralar na porta, desejou que o teto não caísse. Embora que sabe conseguisse se esquentar se isto era possível, quatro minutos.

Talvez a casa dos Senju estivesse tão abarrotada de cartas que talvez quando eles voltassem poderiam surrupiar uma.

Três minutos. Seria o mar batendo tão forte na rocha? E faltava dois minutos, que barulho esquisido de trituração era aquela? Será que a rocha estava se desintegrando no mar?

Mais um minuto ele completaria doze anos. Trinta segundos...Vinte segundos...Dez...Nove, talvez acorda-se Toneri para aborrecê-lo...Três...Dois...Um. O casebre todo se estremeceu e Sasuke sentou-se reto, arregalando os olhos para porta, havia alguém lá fora, batia pra poder entrar.

Bum!

Toneri acordou em um pulo

-Onde está o canhão? -perguntou abobado

Ouvi uma coisa cair atrás deles e Tobirama entrou derrapando pela sala. Trazia um rifle em suas mãos, agora sabiam o que tinha dentro daquele pacote fino que ele carregava

-Quem tá aí?! -gritou -Olha que estou armado! -silêncio em seguida...

TRAM!!

A porta levou uma pancada violenta que se soltou das dobradiças,  e um baque ensurdecedor, se desabou no chão. Um homem de cabelos grisalhos estava parado no portal. Tinha uma parte de seu rosto coberto por uma máscara e seu olho e um onix muito bonito afinal. O homem entrou para dentro do casabre, e se abaixou-se e aponhou a porta e tornou a encaixa-la sem esforço no portal. O ruído da tempestade lá fora diminuiu um pouco, ele se virou para olhar todos.

???-Não poderia preparar uma xícara de chá pra nós? Essa viagem não foi fácil -falo o grisalho 

E se dirigiu-se no sofá onde Toneri estava sentado assustado

???-Chegue para lá, albino -falo o estranho

Toneri soltou um guicho e se escondeu atrás da mãe, que parara encolhida, aterrorizada , atrás do pai

-Ah, aqui está Sasuke -disse o grisalho

Sasuke ergueu os olhos para o grisalho e viu que os olhos onix se enrugavam em um sorriso. 

-À ultima vez que te vi, você era um bebê -falo o grisalho -você parece muito com sua mãe, mas tem olhos do seu pai.

Tobirama fez um som estranho e secante

-Exijo que saia imediatamente -fala o pai-você invadiu minha casa!

-Ah, cala boca Senju, seu cara de passa-disse o grisalho, ele esticou o braço para trás do sofá, arracando a arma das mãos de Tobirama. Vergou-a no meio como se fosse borracha e a atirou em um canto da sala. Tobirama fez outro som esquisito, como um camundongo sendo pisado

-Em todo caso, Sasuke -disso o grisalho dando as costas para Tobirama- , feliz aniversário para você. Tenho uma coisa para você, talvez tenho sentado nele sem querer, mas o gosto e muito bom.

De um bolso interno do casaco preto ele tirou uma caixa meio amassada, Sasuke abriu com os dedos trêmulos. Dentro avia um grande e pegajoso bolo de chocolate com uma frase escrita Feliz Aniversário Sasuke de glacê verde. Sasuke olhou paro o grisalho,  ele queria dizer obrigado, mas as palavras se perderam em vez de sair "obrigado" saiu:

-Quem é você? 

O grisalho soltou uma risada abafada

-É verdade,  não me apresentei, meu nome e Kakashi Hatake, sou o Guardião das Chaves e Terras de Hogwarts.

Estendeu uma mão e sacudiu o braço inteiro esquerdo de Sasuke

-E que tal o chá, hein?! -perguntou esfregando as mãos-eu não diria não a uma pessoa mais forte, se e que me entende.

Seus olhos bateram na lareira vazia onde que ficava o pacote carbonizado de ceral e ele soltou uma risada desdenhosa. Curvou-se para a lareira, não viram o que ele estava fazendo, mas segundos depois sentiu um calor exuberante lá dentro, um calor imenso que aconchega qualquer um. O grisalho se sentou-se no sofá jogando todo o seu peso e tirando as coisas que tinha em seu casaco, uma chaleira de cobre, uma embalagem de salsicha amassada, um espeto, um bule de chá, várias xícaras lascadas e uma garrafa de um líquido âmbar, que ele tomou antes de começar a preparar o chá. Logo o casebre se encheu com ruído e o cheiro de salsichas fritas tomou conta, ninguém disse nada e deixou o grisalho trabalhar, mas assim que a salsicha gorda e suculenta estava pronto já no espeto, Toneri se moveu e Tobirama logo diz com rispidez:

-Não toque em nada que ele te der Toneri. -disse pai

 -O grisalho disse em uma risadinha ameaçadora

-Esse albino magro precisa comer Sr. Senju, não se preocupe -disse o grisalho

E passou as salsichas para Sasuke que estava morrendo de fome, ele estava tão faminto que nunca experimentou uma coisa tão deliciosa com essa salsicha. Mas ainda não tirava os olhos do grisalho por estar em dúvida de onde ele veio, mas, finalmente alguém disposto a explicar nada, ele disse:

-Desculpa, ainda continuo sem saber quem realmente você é 

O grisalho tomou um pequeno gole de seu chá e limpou sua boca com uma das suas mãos

-Chame eu de Kakashi, como todos me chamam. E como lhe disse sou o Guardião das Chaves e das Terras de Hogwarts, é claro

-Ah, não -disse Sasuke. Kakashi pareceu assustado-sinto muito

-Sente muito? -vociferou o Hatake. Virando-se para olhar os Senju,que tinham recuado para a sombra -Eles que deviam sentir muito! Eu sabia que você não estava recebendo as cartas, mas nunca sabia que você sabia sobre a existência de Hogwarts. Mas você nunca perguntou onde seus verdadeiros pais aprenderam tudo

-Tudo o que? -disse Sasuke

-TUDO O QUÊ-berrou Kakashi-espere aí um segundo!

Ele se levantou de um salto. Na raiva pareceu que ele ia encher o casebre todo e os Senju se encolheram todos contra a parede

-Vocês vão querer me dizer -rosnou para os Senjus-que este menino, este menino não sabe de nada, DE NADA?

Sasuke achou que as coisas estavam indo longe de mais. Afinal ele não sabia nada sobre seus pais verdadeiros,  mais decidiu falar qualquer coisa

-Eu sei de uma coisa! -falou-sei olhar o relógio,  uma coisa que Toneri não sabe -Toneri ficou queto e decidiu não falar

-Não, sobre o nosso mundo. Seu mundo. Meu mundo, o mundo de seus pais Sasuke

-Que mundo?

Hatake parecia que ia explodir a qualquer momento

-SENJUS -urrou ele

Tobirama ficou pálido, murmurou uma coisa initeligível. Hatake olhou alucinado a Sasuke.

-Mas você deve saber sobre sua mãe e seu pai -disse- eles são famosos. Quero dizer você e famoso 

-Que? Meu pai e minha mãe eram famosos?

-Você não sabe...Você não sabe... -Hatake escorreu seus dedos nos cabelos do Uchiha, fixando no olhar perplexo -Você não sabe quem é?  -perguntou finalmente.

Tobirama de repente encontrou a voz

-Pare! -ordenou-Pare agora mesmo! Eu proibo que contem qualquer coisa ao menino!

Um homem mais corajoso que Tobirama, teria se intimidado no olhar que Kakashi deu, quando o Hatake falou, cada silaba podia-se ouvir a raiva

-VOCÊ NUNCA CONTOU? NUNCA CONTOU QUE JIRAIYA DEIXOU ESCRITO NAQUELA CARTA PARA ELE! EU ESTAVA LÁ! EU VI JIRAIYA DEIXANDO A CARTA, TOBIRAMA! E VOCÊ ESCONDEU DELE POR TODOS ESSES ANOS?

-Escondeu o que de mim? -perguntou Sasuke ansioso

-PARE! EU PROIBO! -gritou o pai em pânico. 

Mãe deixou escapar um grito sufocante de horror

-Ah, vão tomar banho, vocês dois -disse Kakashi -Sasuke, você e um bruxo!

O casebre entrou em silêncio. Ouvia-se o som do mar assobiando o vento

-Eu sou o que? -falou Sasuke

-Um bruxo, e claro -Hatake até repetiu, encostando-se no sofá e gemeu e afundo ainda mais- , e um bruxo de peimeira, eu diria, depois de receber um pequeno treino. Com uma mãe e um pai como os seus, o que mais poderia ser? Acho que está na hora de ler sua carta.

Sasuke estendeu as mãos pra pegar finalmente a carta, em tinta verde para:

Sr. Sasuke Uchiha

O Assoalho

Casebre sobre o Rochedo

O Mar

Ele puxou a carta e leu


ESCOLA DE MAGIA E BRUXARIA DE HOGWARTS

Diretor: Jiraiya

(Ordem de Merli, Primeira Classe, Grande Feiticeiro, Bruxo Chefe, Cacique Supremo, Consideração Internacional de Bruxos)

Prezado Sr. Uchiha

Temos o prazer de informar que V.Sa. tem uma vaga na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Estamos anexando uma lista dos livros e equipamentos necessários. O ano letivo começa em 1º de setembro. Aguardamos sua coruja até 31 de julho, no mais tardar. Atenciosamente,

Tsunade 

Diretora Substituta.

As perguntas explodiam na cabeça de Sasuke como fogos de artifício, e ele não conseguia decidir o que perguntar primeiro. Passados alguns minutos, gaguejou.

— O que querem dizer com "estão aguardando a minha coruja"?

— Gárgulas galopantes! Isto me lembra uma coisa — disse Kakashi

batendo a mão na testa com força suficiente para derrubar um cavalo, e de outro no bolso interno do casaco tirou uma coruja, uma coruja de verdade, viva, meio arrepiada, uma longa pena e um rolo de pergaminho. Com a língua entre os dentes, ele rabiscou um bilhete que Harry pôde ler de cabeça para baixo:

"Prezado Sr. Jiraiya

Entreguei a carta a Sasuke. Vou levá-lo amanhã para comprar o material. O tempo está horrível. Espero que o senhor esteja bem.

Hatake.”

Kakashi enrolou o pergaminho, entregou-o à coruja, que o prendeu no bico,

depois ele foi até a porta e lançou a ave na tempestade. Quando voltou, sentou-se, como se aquilo fosse tão normal quanto pegar o telefone. Sasuke percebeu que sua boca se abrira e fechou-a rapidamente.

— Onde é que eu estava? — disse  o Hatake, mas naquele momento, Tobirama, ainda cor de cera, mas parecendo muito furioso, adiantou-se até a luz da lareira.

— Ele não vai — falou.

Kakashi resmungou.

— Eu gostaria de ver um grande trouxa como você impedi-lo. —

respondeu.

— Um o quê? — perguntou Sasuke muito interessado.

— Um trouxa — disse Kakashi — é como chamamos gente que não é do nosso mundo, como nós. E você teve o azar de ser criado na família dos maiores trouxas que já vi na vida.

— Juramos quando o aceitamos que poríamos um fim nessa bobagem — disse Tobirama — , juramos que erradicaríamos isso nele. Bruxo, francamente!

— Você sabia? — perguntou Sasuke. — Você sabia que sou um... Bruxo?

— Sabia! — guinchou a mãe de repente. — Sabia! Claro que sabíamos! Como poderia não ser, a maldita da mulher sendo o que era? Ah, ela recebeu uma carta igual a essa e desapareceu, foi para aquela... Aquela escola, e voltava para casa nas férias com os bolsos cheios de ovas de sapo, transformando xícaras em ratos. Eu era a única que imaginava coisas assim. Um aborto da natureza! Mas para minha mãe e meu pai, que tanto queria que eu torna-se em uma bruxa como aquela mulher! Francamente!

Ela parou para suspirar profundamente e aí continuou seu discurso. Parecia que estava querendo dizer aquilo havia anos.

— Então ela conheceu Uchiha na escola e eles saíram de casa, casaram e tiveram você e seu irmão, e é claro que eu sabia que você ia ser igual, esquisito, anormal e então ela vai e me fez o favor de se explodir e nos deixar entalados com você!

Sasuke ficou mais branco que o normal. Assim que encontrou a voz, disse:

— Se explodir? Você me disse que eles morreram num acidente de carro!

— ACIDENTE DE CARRO! — rugiu Kakashi erguendo-se com tanta raiva que os Senju voltaram correndo para o canto da sala — Como é que um acidente de carro poderia matar Mikoto e Fugaku Uchiha! Isto é um absurdo! Um escândalo! E Sasuke Uchiha não conhecer a própria história, quando qualquer garoto no nosso mundo conhece o nome dele!

— Mas por quê? O que aconteceu? — perguntou Sasuke ansioso.

A raiva desapareceu do rosto de Kakashi. Ele pareceu repentinamente aflito.

— Eu nunca esperei isso — disse numa voz contida e preocupada. — Eu não fazia idéia do quanto você desconhecia, quando Jiraiya me disse que eu poderia ter problemas para encontrá-lo. Ah, Sasuke, não sei se sou a pessoa certa para lhe contar, mas alguém tem de contar, você não pode viajar para Hogwarts sem saber.

Ele lançou um olhar feio aos Senjus.

— Bom, é melhor você saber o que eu puder lhe contar, mas não posso lhe contar tudo, é um grande mistério, algumas partes.

Ele se sentou, fitou o fogo durante alguns segundos e então falou:

— Começa, eu acho, com.. Com uma pessoa chamada, mas é incrível você não saber o nome dele, todo o mundo no nosso mundo sabe...

— Quem?

— Bom... Não gosto de dizer o nome dele se puder evitar. Ninguém gosta.

— Por que não?

— Gárgulas vorazes, Sasuke, as pessoas ainda estão apavoradas. Droga, como é difícil. Olha, havia um bruxo que virou... Mau. Tão mau quanto alguém pode virar. Pior. Pior do que o pior. O nome dele era...

Kakashi engoliu em seco, mas não conseguiu dizer nada.

— E se você escrevesse? — sugeriu Sasuke.

— Não, não sei soletrar o nome dele. Está bem, Orochimaru. — Hatake estremeceu. — Não me faça repetir. Em todo o caso, esse... Esse bruxo faz uns vinte anos agora, começou a procurar seguidores. E conseguiu alguns por medo, outros porque queriam ter um pouco do poder dele, sim, porque ele estava ficando poderoso. Vários dias Sasuke, ninguém sabia em quem confiar, ninguém se atrevia, a ficar amigo de bruxas ou bruxos desconhecido. Coisas horríveis aconteciam. Ele estava tomando o poder. E claro que algumas pessoas se opuseram a ele, e ele as matou. Terrível. Um dos únicos lugares seguros que restaram foi Hogwarts. Acho que Jiraiya era o único de quem você sabe,  quem tinha medo. Não ousou se apoderar da escola, não no começo, pelo menos. Ora sua mãe e seu pai eram os melhores bruxos que eu já conheci. Primeiros alunos em Hogwarts no seu tempo! Suponho que o mistério era por que você sabe quem nunca tentou convencer os dois a se aliar a ele antes...Provavelmente sabia que eram muito chegados a Jiraiya para querer alguma coisa com o lado das Trevas. Talvez ele achasse que podia convencê-los... Talvez quisesse tirar os dois do caminho. Só o que sabemos é que ele apareceu na vila em que vocês estavam morando, num dia das bruxas, faz dez anos. Na época você só tinha um ano de idade. Ele foi à sua casa e... E...Kakashi puxou depressa um lenço muito sujo e manchado e assoou o nariz, fazendo o barulho de uma buzina de nevoeiro.

— Desculpe — disse. — Mas é muito triste, conheci sua mãe e seu pai e não podia existir gente melhor, em todo o caso... você sabe quem matou os dois. E então, e esse é o verdadeiro mistério da coisa, ele tentou matar você. Queria fazer o serviço completo, acho, ou então tinha começado a gostar de matar. Mas não conseguiu. Você nunca se perguntou como arranjou essa marca na testa? Isso não foi um corte normal. Isso é o que se ganha quando um feitiço poderoso e maligno atinge a gente, destruiu os seus pais e até a sua casa, mas não fez efeito em você, e é por isso que você é famoso, Sasuke. Ninguém nunca sobreviveu depois que ele decidia matá-lo, ninguém a não ser você, e ele já havia matado. Alguns dos melhores bruxos da época, os Uchihas, os Hyugas possuem poucos vivos, os Uzumakis que também possuem poucos vivos, e você era apenas um bebê, e sobreviveu.  Algo muito doloroso passou pela cabeça de Sasuke. Quando a história de  Kakashi ia terminando ele viu de novo um lampejo ofuscante de luz verde, commais clareza do que se lembrava antes e se lembrou de mais uma coisa, pelaprimeira vez na vida, uma risada alta, fria e cruel.

Hatake o observava com tristeza.

— Eu mesmo o retirei da casa destruída, por ordem do Jiraiya. Trouxe você para essa gente...

— Um monte de baboseiras antigas — disse Tobirama.

Sasuke se assustou, quase esquecera que os Senjus estavam ali. Tobirama, sem dúvida, tinha recuperado a coragem. Olhava ameaçador para Kakashi e tinha os punhos fechados.

— Agora, ouça aqui, moleque — vociferou —, aceito que você seja meio estranho, provavelmente nada que uma boa surra não pudesse ter curado, e quanto aos seus pais, bem, eles eram excêntricos, não há como negar e o mundo está melhor sem eles, receberam o que mereciam por se meter com essa gente dada a bruxarias, foi o que previ, sempre soube que iam acabar mal. Mas naquele instante, Kakashi ergueu-se de um salto do sofá e puxou um guarda-chuva cor-de-rosa e arrebentado de dentro do casaco. Apontou-o como

uma espada para o pai, e disse:

— Estou lhe avisando, Tobirama, estou lhe avisando, nem mais uma palavra... Ameaçado de ser furado pela ponta de um guarda-chuva por um grisalho, a coragem de Tobirama fraquejou outra vez, ele se achatou contra a parede e ficou em silêncio.

— Assim está melhor — disse o Hatake, arquejando e a se sentar no sofá. Sasuke, nesse meio tempo, continuava a ter perguntas e a fazer centenas dela.

— Mas o que aconteceu ao Oro... Desculpe... Quero dizer, você sabe quem?

— Boa pergunta, Sasuke. Desapareceu. Sumiu. Na mesma noite em que tentou matar você. O que faz você ainda mais famoso. É o maior mistério, entende... Ele estava ficando cada dia mais poderoso, porque foi embora? Tem quem diga que ele morreu. Besteira, na minha opinião. Não sei se ainda tinha humanidade suficiente para morrer. Tem quem diga que ainda está lá fora esperando, ou coisa parecida, mas não acredito. Gente que estava do lado dele voltou para o nosso. Uns pareciam que estavam saindo de uma espécie de transe. Acho que não teriam feito isso se ele fosse voltar. A maioria de nós acha que ele ainda anda por ai, mas perdeu os poderes. Está fraco demais para continuar. Porque alguma coisa em você acabou com ele, Sasuke. Aconteceu alguma coisa, naquela noite, com que ele não estava contando, eu não seio que foi, ninguém sabe, mas alguma coisa em você o aleijou, para valer. Kakashi fitou Sasuke com calor e respeito iluminando seus olhos, mas Sasuke, ao invés de se sentir contente e orgulhoso, teve a certeza de que tinha havido um terrível engano. Bruxo? Ele?

Como era possível? Passara a vida dominado por Toneri e infernizado pela Kaguya e pelo Tobirama, se era realmente um bruxo, por que eles não tinham se transformado em sapos toda vez que tentaram prendê-lo no armário? Se uma vez derrotara o maior feiticeiro do mundo, como é que Toneri sempre pudera chutá-lo para cá e para lá como se fosse uma bola de futebol?

— Hatake — disse calmo — acho que você deve ter cometido um engano.  Acho que não posso ser um bruxo.

Para sua surpresa, Kakashi deu uma risadinha abafada.

— Não é bruxo, hein? Nunca fez nada acontecer quando estava apavorado ou zangado?

Sasuke olhou para o fogo. Pensando bem... Cada coisa estranha que deixara os seus pais adotivos furiosos tinha acontecido quando ele, Sasuke Uchihaestava perturbado ou com raiva... Perseguido por  Toneri, pusera-se de repente fora do seu  alcance, receoso de ir para qualquer lugar com aquele corte ridículo, conseguira fazer os cabelos crescerem de novo, e da última vez que Toneri batera nele, não fora à forra sem perceber que estava fazendo isto? Não mandara uma cobra atacá-lo?

Sasuke olhou para Kakashi, sorrindo, e viu que ele ria abertamente para ele.

— Viu? — disse Kakashi — Sasuke Uchiha não é bruxo? Espere, você vai ser famoso em Hogwarts. Mas Tobirama não ia ceder sem brigar.

— Eu não já disse que ele não vai? — sibilou. — Ele vai para a escola comum secundária local e vai me agradecer por isso. Li aquelas cartas e dizem que ele precisa de um monte de lixo, livros de feitiços, varinhas mágicas e...

— Se ele quiser ir, um trouxão como você não vai poder impedir. — resmungou o Hatake raivoso. — Impedir o filho de Mikoto e Fugaku Uchiha de ir para Hogwarts! Você enlouqueceu. Ele está inscrito desde que nasceu. Vai frequentar a melhor escola de bruxos e bruxedos do mundo. Sete anos lá e ele nem vai se reconhecer. Vai estudar com garotos iguais a ele, para variar, e vai estudar com o maior mestre que Hogwarts já teve, Jiraiya...

— NÃO VOU PAGAR A NENHUM VELHO BIRUTA E PATETA PARA ENSINÁ-LO A FAZER MÁGICAS! — gritou Toneri. Mas ele finalmente fora longe demais. Kakashi agarrou o guarda-chuva e girou por cima da cabeça.

— NUNCA — trovejou — INSULTE... JIRAIYA NA... MINHA FRENTE!

E girou o guarda-chuva no ar baixando-o até apontar para Toneri, houve um lampejo de luz violeta, o estalo de uma bombinha, um grito agudo e, no  segundo seguinte, Toneri estava dançando no mesmo lugar com as mãos apertando a barriga banhuda, guinchando de dor. Quando Toneri virou de costas, Sasuke viu um rabo de porco enroscado saindo de um buraco nas calças dele.

Tobirama urrou. Puxando Kaguya e Toneri para o quarto, lançou um último olhar aterrorizado a Kakashi e bateu a porta ao entrar.

Kakashi olhou para o guarda-chuva e guardou.

— Não devia ter perdido as estribeiras — disse arrependido —, mas em todo o caso saiu errado. Queria transformá-lo em porco, mas acho que ele já parecia tanto com um que não pude fazer muita coisa. E olhou de esguelha para Sasuke, por baixo das sobrancelhas.

— Fico agradecido se não contar isso para ninguém em Hogwarts —falou. – Não... Hum... Tenho permissão para fazer mágicas, rigorosamente falando. Permitiram que eu fizesse alguma coisa para seguir você e entregar as cartas e coisas assim, uma das razões por que eu queria tanto este trabalho.

— Porque você não pode fazer mágica? — perguntou Sasuke.

— Ah, bom... Eu estive em Hogwarts, mas.. Hum... Fui expulso, para falar a verdade. No terceiro ano. Eles partiram a minha varinha ao meio e tudo o mais. Mas Jiraiya me deixou ficar como guarda-caça. Grande sujeito o Jiraiya.

— Por que você foi expulso?

— Já está ficando tarde e temos muito que fazer amanhã — disse o grisalho  em voz alta. — Temos que ir à cidade, comprar os seus livros e etc.

              ~Continua~














 








 



Notas Finais


Minna espero que vocês tenham gostado, comente o que acharam pra eu saber e trazer mais e mais

Até o próximo capítulo♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...