História Dias Escuros - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Doyoung, Jaehyun, Taeil, Taeyong, Yuta
Tags Darkfic, Doyoung, Jaehyun, Jaeyong, Jung Yunoh, Moon Taeil, Nct, Neo Culture Nechnology, Taeyong, Vitrola Entertainment
Visualizações 9
Palavras 752
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Poesias, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Self Inserction, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem pela demora mores, é que eu estava bastante ocupada esses dias, mas ta aqui, espero que gostem <3~

Capítulo 4 - Cerejeiras


Era uma manhã chuvosa. Eu estava vestindo somente minhas roupas de frio, com o capuz do meu casaco cobrindo toda minha cabeça, exceto meu rosto...

Em torno de mim, haviam árvores... cerejeiras, para ser mais específico... eram as as árvores cujas flores eram as mais bonitas naquela época do ano. As flores de cerejeira eram minhas únicas amigas e minha única companhia naquele momento.

Eu olhava fixamente para elas, quando de repente sinto uma mão, macia e leve como a mão de um bebê, se encontrar com a minha. Me virei para encarar o indivíduo, era Jaehyun, ele estava olhando para mim sorridente, como se fosse uma criança que acabou de ganhar um doce ou um brinquedo novo de natal:

- Feliz aniversário Taeyong! - Antes que eu pudesse reagir, ele me puxou para um beijo.

Em seguida, Doyoung, Taeil e Yuta apareceram, Taeil estava com um bolo nas mãos enquanto Yuta o cobria com as mãos para que as gotas de chuva não apagassem as velas... não acreditei que os quatro viajaram para Seul só para passarem meu aniversário comigo. Enquanto os quatro terminavam de cantar parabéns, Yuta me pediu para fazer um pedido. Eu me concentrei, fechei os olhos e assoprei as 16 velas com um único pensamento... "Não quero que isso acabe, nunca..."


                      [...]


Já fazia 2 dias que o Yuta tinha chegado, ele ficou tão preocupado comigo a ponto de chamar Taeil e Doyoung para ajudarem, apesar de ele recentemente ter brigado com Taeil.

Eu só comecei a perceber alguns pequenos detalhes quando eles chegaram, por exemplo, eu não estava comendo direito, Doyoung até comentou que eu estava mais magro do que na última vez que ele me viu. Eu também não dormia direito, e agora, olhando no espelho, percebo as fortes olheiras em meu rosto. Antes um quarto, que era colorido e cheio de energia, cujo o dono era uma pessoa alegre, agora era somente um pequeno cômodo de 4 paredes, vazio e sombrio, como seu dono.

Como de costume, eu estava deitado na cama, olhando para o teto cinzento, ouvindo as discussões vindas do outro lado da porta. Será que Yuta e Taeil não podiam parar de brigar? E pra piorar, Doyoung sempre concorda com Taeil como se não tivesse opinião própria... Me pergunto como que três amigos, que eram como irmãos, começaram a brigar desse jeito. Cheio da gritaria dos três, peguei meu celular e meus fones, liguei o player de música e fui até a janela. Minha pequena casa ficava no meio da floresta, cercada de cerejeiras, que naquele momento balançavam com o vento como se fosse uma dança suave e lenta. Antigamente essa era a casa de campo da minha família, com um enorme gramado, mas desde que fui expulso de casa, esse lugar virou o meu chamado "lar, doce lar". Lembro que quando vim pra cá, trouxe algumas sementes de cerejeira que Yuta trouxe do Japão pra mim e plantei em volta da casa, para não me sentir sozinho, e agora, além de ter cerejas para vida toda, eu tenho amigas que deixam algumas boas lembranças da vida circularem na minha mente enquanto olho para elas. Após alguns minutos olhando as árvores, eu caí no sono, mas só percebi quando fui acordado por Doyoung para jantar:

- Taeyong, acorda! Taeil-Hyung pediu pizza!

- Já estou indo... ― Vesti meu moletom enquanto levantava e em seguida me dirigi até a cozinha com ele.

Sinceramente, eu não estava com apetite para comer, embora a maioria das pessoas que "perdem" seu apetite se entreguem na hora quando avistam uma pizza. Porém, eles fizeram questão de sair de suas casas só para cuidar de mim, então o máximo que eu podia fazer era me alimentar para mostrar que estava melhor. Estava tudo calmo, até que mais uma vez, começaram a discutir:

- Pizza de bacon?... ―&nbsp; Yuta encarava a fatia em seu prato com um olhar de insatisfação.

- Que foi? Achei que no Japão também tinha pizza... ― Taeil falou em um tom sarcástico enquanto cortava sua pizza.

- Lá tem, mas...

- Mas o que? ― Taeil passou a encarar o moreno a sua frente.-

 Eu...-

 Se vocês começarem a discutir de novo, eu vou fazer um barraco! ― Doyoung disse encarando os dois enquanto botava um pedaço na boca.

Eu por experiência própria posso falar que o Doyoung é mais barraqueiro que 3 inimigas juntas no Big Brother, então se você está procurando um amigo barraqueiro que xinga quando tá feliz, triste, com raiva, com dor e etc, ligue para 666-666 e encomende agora mesmo o seu Doyoung!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...