História Diferenças - Capítulo 11


Escrita por: ~

Visualizações 70
Palavras 2.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Eu sei que demorei, espero que gostem. NOTAS FINAIS IMPORTANTES!
Eu finalmente criei uma playlist pra fic, ta bem fofinha, sei que muitos não vão gostar, principalmente porque tem algumas músicas que vocês com certeza não conhecem, mas juro que vale a pena arriscar a ouvir, ta bem?! então ta bem.
Quem quiser falar comigo, passa la no twitter @_allchapman.
link da playlist nas notas finais.

Capítulo 11 - The only Exception


(…)

And I've always lived like this

(eu sempre vivi assim)

Keeping a comfortable distance

(mantendo uma distância confortável)

And up until now I had sworn to myself that I'm content with loneliness

(e até agora eu tinha jurado a mim mesma que estava satisfeita com a solidão)

Because none of it was ever worth the risk

(porque nada disso algum dia valeu a pena)

Well, you are the only exception

(Mas, você é a única exceção)

(...)

 

Dizem que quando estamos nos apaixonando fica difícil julgar o que estamos sentindo, algumas pessoas possuem plena facilidade de saber que algo de diferente está acontecendo, outras demoram muito para perceber que seu mundinho interno está virando uma bagunça, e aí, depois que se descobre, sempre há algumas coisas a se fazer em relação a isso. Uns percebem com facilidade e se jogam de cabeça a essa nova sensação, outros percebem e fogem, alguns simplesmente amam essa baguncinha interna, mas não estão preparados para ela, e tem aqueles que se encaixam em todas essas situações e mais algumas que não foram citadas. Piper com certeza era uma dessas pessoas, enquanto beijava Alex travava uma luta interna e psicológica com o seu outro lado. O inseguro.

Piper não poderia negar de forma alguma o quanto estava gostando daquele contato, mas seu interior falava para ela se afastar e acabar com aquilo o mais rápido possível.

“-eu não posso me envolver” -dizia a insegurança.

“-pode sim, sua burra!”

“-não, não posso, mas nossa, tão bom esse beijo”

“-isso aí garota”

“Quer saber? Foda-se”

Nesse momento de coragem insana, o lado racional de Piper venceu, a loira deu um sorriso no meio do beijo e o aprofundou, sua mão que estava na cintura de Alex ganharam impulso para a empurrar para o sofá, sabia que se não fosse ali e agora, nunca mais teria aquela oportunidade. Alex se sentou no sofá segurando Piper pela cintura, a loira se sentou por cima, de frente, elas intercalavam entre um beijo suave, como se quisessem conhecer cada canto da boca uma da outra e entre um beijo profundo, sensual. As mãos passeavam entre cintura, pernas, nuca. Quando pararam para poder respirar e ver o que estava acontecendo, repararam que a respiração de ambas estavam alteradas, e os corpos quentes. Piper acariciou o rosto de Alex com as duas mãos, dando um beijo na ponta do nariz da morena, que não resistiu e sorriu fechando os olhos com o toque de carinho.

-isso é loucura, você sabe ne?- Piper disse.

-loucura foi ficar tanto tempo sem esse beijo.

Piper riu e Alex avançou novamente naqueles lábios que não a deixavam pensar direito. Alex já beijou muitas mulheres na vida, mas Piper tinha todo um conjunto que deixava Alex sem entender o que estava acontecendo, como toda a certeza, a morena era aquele tipo de pessoa que demorava para perceber que estava se apaixonando. Seu mundinho interno já estava todo bagunçado e ela não percebia- aliás, perceber ela percebeu, mas deixou que a vida a guiasse.

Piper mandou a insegurança passear por outro lugar, estava tão em paz nos braços de Alex que nem se lembrava de toda a angustia que sentiu ao longo do dia, não se lembrava nem porque resolveu sair do minicurso de pintura, na verdade lembrava, queria mandar Alex sair de sua vida, mas ali em seus braços percebeu que precisaria de muito mais forças para aquilo. Alex tinha aquela coisa.

- Piper, eu sei que você não gosta... – Polly entrou na sala de Piper sem bater e se deparou com a moça de costas para a porta e em cima de Alex.

Piper levou um susto tão grande que Alex teve que segura-la para que não caísse de costas no chão.

- Polly, o que faz aqui? – levantou tentando arrumar o cabelo e olhando para o chão envergonhada.

-nada, aliás já estou de saída. Disse tentando segurar o riso. – ah, oi Alex, bom te ver.

- Oi Molly. – tentava não rir da reação de Piper, que nem percebeu que disse o nome de Polly errado.

Polly revirou os olhos e saiu, assim que a porta foi fechada Piper e Alex se entreolharam e caíram numa risada instantânea, a loira foi até a sua mesa, pegou algumas coisas e foi em direção a porta.

-você não vem? Disse sorrindo e esticando a mão para Alex.

Piper era muito intensa, tudo com ela era intenso demais e ao mesmo tempo indeciso demais, demorava muito para tomar uma decisão ou simplesmente poderia nem pensar para agir, era tudo 8 ou 80, mas as vezes ela se enrolava no 40, tudo do seu jeitinho, ninguém poderia ousar dizer que conhecia alguém que parecia com Piper, a definição de pessoa única era totalmente dela. Quando saiu da clínica de mãos dadas com Alex sabia exatamente o que queria e iria fazer, porém quando chegaram ao estacionamento e Alex a questionou para onde e em qual carro iriam, um surto de realidade invadiu a loira, ela não poderia fazer o que pretendia sem obter algumas respostas.

- Onde você esteve o dia inteiro? Questionou. – você não pode me beijar e simplesmente sumir.

Alex levantou as mãos em forma de defesa, de onde veio aquela pergunta cheia de mágoas? – ok, você me pegou, me declaro culpada, mas eu tenho uma justificativa. – Eu tive que resolver um problema com a Nicky na Philadelfia, no campus onde dou aula, depois Nicky me arrastou para um bar, bebemos e meu celular ficou sem bateria, eu pensei em te mandar uma mensagem, mas não sabia seu número de cor. -Alex encarou Piper avaliando se precisava dizer mais, a expressão da moça estava indecifrável.

Enquanto Alex se justificava, o lado racional de Piper gritava em sua cabeça. “- o que você está fazendo? Ela não é nada sua, não lhe deve satisfação, para de ser burra Piper!”  A loira balançou a cabeça tentando se desfazer daqueles pensamentos e sorriu para Alex.

-  então ta. Você não acha que a Philadelfia está um pouco longe não? Perguntou.

Alex soltou uma risada, achou engraçado a forma que a loira balançou a cabeça. – na verdade, eu não achava, gostava muito de lá, do campus, das aulas, de tudo. Porém agora eu estou me questionando sobre essa distância. -Apertou a mão de Piper e deu um beijo na bochecha da loira ao terminar de dizer.  Piper a olhou com ternura.

- podemos ir no seu carro? é capaz de rebocarem o seu amanhã cedo, somente eu e Polly temos autorização para usar o estacionamento a noite inteira. Disse indo em direção ao carro de Alex.

-claro, mas onde estamos indo mesmo?

-ontem você me perguntou se iriamos para a minha ou sua casa. Adivinha? -Sorriu entrando no carro.

Piper foi guiando Alex pelo caminho, não morava muito longe da clínica, e o trajeto foi extremamente confortável, Alex despertava uma sensação de liberdade em Piper, era bom ouvir a voz rouca de Alex enquanto sentia o vento batendo em seu rosto. Enquanto apreciava aquele sentimento de paz, Piper sentiu seu coração se acelerar e sentiu o desespero bater na porta.

- aaah merda! Não tem nada pra comer lá em casa! Eu sou uma péssima anfitriã. – colocou a mão no rosto, tentando se esconder, estava envergonhada.

Alex caiu numa gargalhada, Piper era totalmente expressiva e engraçada, estava achando hilário o desespero da moça.

- você tem um armário pelo menos? Para sua sorte eu sou uma excelente cozinheira. – disse levantando os óculos.

- tem alguma coisa que você não saiba fazer? Revirou os olhos.

-muitas senhorita, muitas.

Piper sorriu e apontou o prédio a frente, tinham chegado. Piper ao se deparar com a porta do seu apartamento se amaldiçoou mentalmente por ser uma pessoa impulsiva e esquecida, não conseguia se lembrar se seu apartamento estava limpo, se tinha arrumado a cama, Alex com certeza ia querer fugir depois de ver o quanto era bagunceira. Piper abriu a porta de olhos fechados, já preparada para se deparar com tênis e roupas espalhados pela sala, quando finalmente teve coragem para encarar seu próprio apartamento tomou um susto, tudo estava estranhamente arrumado, limpo e cheiroso. Deixou com que Alex entrasse enquanto ia para o quarto guardar suas coisas. Alex reparou no quão simples e bonito era o apartamento de Piper, tinha um sofá grande na sala, junto com uma tv e e vários box de séries ao lado, quadros na parede e uma fotografia de Piper numa bancada, onde a moça estava de braços abertos com a torre Eiffel atrás, Alex sorriu diante daquela foto simples, mas extremamente rica em sentimentos, deixou a foto e foi olhar mais um pouco, foi em direção ao corredor para ver se encontrava Piper, mas resolveu voltar para trás, não queria parecer inconveniente, voltando a sala encontrou um quadro de Grey’s Anatomy em cima da mesinha central, ao lado de um cd da Lady Gaga – Born this way.

-Pelo visto você já descobriu meu vício. Piper riu se jogando no sofá.

-Acho que sim, sua casa é tão.... casa. É muito harmonioso tudo, tem um jeitinho seu. – sentou ao lado da loira, a encarando.

Piper sorriu, gostou de ouvir aquilo. – olha, estranhamente está tudo muito arrumado aqui, eu não faço ideia de como, mas a Polly é a única que tem a chave e ela estava comigo o dia inteiro. - parou para pensar. – eu não sou tão organizada assim. – riu.  

Ficaram se encarando por um tempo, não de uma forma estranha, não de uma forma constrangedora, na verdade era muito confortável. O silêncio, os olhares, era como se elas estivessem se comunicando através deles. De uma forma muito calma e carinhosa, Alex fez carinho no rosto de Piper e se aproximou com cautela, encostou seus lábios nos de Piper e sentiu a respiração da loira se acelerar, seu corpo também reagiu ao toque, lhe proporcionou um arrepio que ia da ponta de seus pés até os últimos fios de sua cabeça, não sabia o que era, mas Piper tinha um efeito muito grande sobre ela. De forma rápida o beijo se tornou intenso, rápido e profundo, como se ambas não quisessem perder mais tempo, Piper colocou suas mãos por dentro da blusa de Alex, que respondeu arrancando a blusa da loira.

-Se nós continuarmos, não terá mais volta. -Alex disse ofegante com a testa colada na de Piper.

Piper não queria dizer nada, não queria dar espaço para sua insegurança acabar com tudo, ela era uma adulta, por mais medo que tivesse ela queria aquilo mais que tudo, não ia se auto sabotar mais uma vez, em resposta, avançou nos lábios de Alex, ela teria que entender aquilo.

Xxx

Piper acordou e sorriu, há muito tempo não dormia tão bem assim e olha que dormir não era um problema para ela, mas a verdade é que nem dormir direito ela dormiu, ela e Alex passaram boa parte da noite acordadas, ao se lembrar de tudo que aconteceu percebeu que Alex não se encontrava na cama junto a ela, na mesma hora seu coração se acelerou e ela não podia acreditar no que estava acontecendo, como pode ser tão ingênua ao achar que Alex ainda estaria junto a ela pela manhã. Olhou na direção do banheiro e nada. Bateu a cabeça no travesseiro se xingando mentalmente, ao olhar para o lado e ver um calendário deu um riso debochado, como se não acreditasse no que estava vendo.

-claro, obvio! Nada de bom acontece em 7 de junho. –disse para si mesma.

Com todo o desânimo do mundo, Piper se levantou e colocou um blusão, ia ficar o dia inteiro em casa e fora abandonada depois de uma transa, não ia se arrumar, muito menos colocar uma roupa para ficar em casa, ao caminhar pelo corredor finalmente caiu a ficha do porque seu apartamento estava arrumado.

– eu não acredito que a Polly vai fazer isso, eu vou matá-la!

Ao chegar na porta do corredor se deparou com Alex somente com uma calça sua que ficou curta, mas estranhamente fofa devido à altura da morena e um sutiã, Alex estava na cozinha preparando o café da manhã, ao ver a loira com os cabelos bagunçados e os olhos pequenos devido ao sono, exibiu seu melhor sorriso, não podia acreditar que Piper poderia ficar mais bonita do que já era.

- eu tomei a iniciativa de pegar essa calça, espero que não se incomode. –Disse indo de encontro a loira. – eu também tive a audácia de tomar um banho e de preparar o café, você estava dormindo tão tranquila, não quis te acordar. –deu um beijo em Piper.

- tudo bem, essa calça ficou estranhamente fofa em você- disse rindo e apontando para os pés da morena. – e o cheiro desse café está maravilhoso. Piper apoiou seus braços no pescoço de Alex retribuindo o beijo. Depois de alguns segundos,foram interrompidas com a campainha tocando insistentemente.

-deve ser o jornal que eu pedi para o porteiro, eu vou pegar. Alex disse indo em direção a porta.

Piper sorriu e olhou para o lado, se deparando novamente com um calendário que se encontrava na bancada do corredor, seu sorriso desapareceu e gritou para Alex, mas era tarde demais, a morena já havia aberto a porta.

-parabéns pra você, nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida!

Polly adentrou o apartamento de Piper cantando e com um monte de balão na frente, não reparando que quem abriu a porta não era sua amiga. Polly não estava sozinha, várias pessoas da clínica estavam atrás segurando o bolo e alguns dos salgadinhos preferidos de Piper, e também havia Helena, mãe biológica de Polly, que era quem Piper tinha como referência de mãe.

- Puta merda! – Piper conseguiu dizer.

- SURPRESA! Disse Helena, se deparando com Alex semi nua na porta. 


Notas Finais


Vamos lá. Eu demorei porque fiquei doente essa semana, então tava foda até de viver, quanto mais escrever, talvez esse cap não tenha correspondido a expectativas de vocês, e queria pedir desculpas por isso. minhas aulas voltam essa semana, e como uma sofrida estudante de biomedicina, não sei como vai ser, mas tentarei atualizar toda semana.
Mudei a classificação da fic, porque não vai ter hot. sorry =/.
Qualquer coisa, vocês podem me falar ta, to aqui sempre e la no twitter também, não sou chata. (@_allchapman)
não deixem de ouvir a playlist, se quiserem me dar sugestões de músicas, me manda la no twitter. No mais é isso, eu queria saber, vocês estão gostando ou acham que ta ruim? podem ser sinceros, é tudo pra vocês.
link da playlist : https://open.spotify.com/user/22zieff4puonzthvqwqjzv5hy/playlist/1Jmwi49IdBv7X72XlFZXg5
Beijos e me falem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...