História Diferente de suas expectativas - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Exibições 40
Palavras 986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


...

Capítulo 20 - Capitulo 20- do que você tem medo?


Capitulo 20- do que você tem medo?

Rin – você só pensa em sexo?

Sesshoumaru – ultimamente eu tenho pensando muito em você... – se aproximava cada vez mais dela – em fazer sexo com você – a agarrou pela cintura e a beijou.

A garoto resistiu bastante, mas Sesshoumaru puxou seu cabelo e fez com que ela abrisse a boca para gritar, então ele aproveitou para aprofundar sua língua na boca de Rin. Mas para a surpresa do homem, foi ele quem sentiu dor.

Sesshoumaru – ai... – a largou com a boca sangrando – você mordeu minha língua?

Rin – me desculpe... – ficou assustada quando viu ele sangrando – quer dizer... bem feito, você me beijou a força – mas não demonstraria que estava preocupada – agora saia! – disse firme. O homem saiu e ela fechou a porta, e suspirou – meu Deus, que boca gostosa.

#-#

Sesshoumaru voltou para o seu apartamento com a boca sangrando, não, ele não estava furioso. Ele ate gostou, não era a primeira vez que lhe tiravam sangue.

Foi ate a geladeira e pegou um cubo de gelo e colocou-o na boca. Logo depois se sentou no sofá, sentindo aquela dor. dor essa que lhe fazia lembrar da boca de Rin.

Sesshoumaru – que boca gostosa... – sorriu.

Não era só a boca, o beijo era gostoso, mesmo que não tenha terminado muito bem para ele, a pele de Rin era macia, o cheio era bom. Cheiro de flor de laranjeira. Pegou-se pensando nos lindos olhos castanhos que ela tinha, no brilhoso cabelo, nos lábios pequenos e rosados.

Nunca havia pensando em ninguém dessa maneira. Nunca tinha memorizado tantos detalhes, agora ela estava perfeita em seus pensamentos.

Naraku – voltei Sesshy! – chegava em casa – como foi seu dia? – sentou ao lado do outro – o que houve com sua boca? – percebeu que ele tinha gelo na boca.

Sesshoumaru – mordi minha língua – com dificuldade para falar.

Naraku – deixa eu ver – Sesshoumaru mostrou a língua para o namorado – nossa, foi feia a coisa. Está inchada. Não acha melhor ir no médio ver isso.

Sesshoumaru – eu estou bem.

Naraku – tem certeza? – o outro apenas confirmou com a cabeça – tudo bem então.

Sesshoumaru – onde esteve? – perguntou apenas por perguntar, por que ele não se importava.

Naraku – por ai, dando uma volta, visitando uns amigos. Não te chamei porque você não gosta de sair comigo mesmo.

Sesshoumaru – não para esse tipo de coisa... – programa de namorados, visitar família, amigos, passear de mãos dadas, odiava tudo isso.

Naraku – por um acaso encontrei um ex namorado... – comentou tentando fazer ciúmes no outro – conversamos bastante.

Sesshoumaru – vou me arrumar... – se levantou do sofá – prometi sair com meu pai hoje – deixou o namorado sozinho.

Mas causar ciúmes em Sesshoumaru era missão impossível. Ele não se apegava a ninguém, por tanto não tinha tais sentimentos. Ele pouco se importava com o que Naraku fazia ou deixava de fazia. Ele queria mais é que o homem saísse do seu pé.

#-#

Taisho – é bom passar um tempo com você meu filho – caminhavam pelo shopping – voce se mudou e não quer mais saber de sua família.

Sesshoumaru – sem drama papai.

Taisho – você está feliz com sua vida?

Sesshoumaru – poderia está melhor.

Taisho – você e Naraku estão com problemas?

Sesshoumaru – pai, eu nunca conversei com o senhor sobre nenhum relacionamento meu, não vai ser agora que vou fazer isso.

Taisho – eu nunca vi você com ninguém.

Sesshoumaru – vamos logo comprar o presente de casamento do Inuyasha.

Taisho – só vim para lhe ajudar a escolher, sabe que não vou pagar nada?

Sesshoumaru – sei que o senhor é muito pão dura, não sei nem como deu o apartamento para Inu e Kagome.

Taisho – já disse que darei um para você quando resolver se casar.

Sesshoumaru – nunca então.

Taisho – não diga isso meu filho, um dia você ainda vai se apaixonar, encontrar uma pessoa legal, que te ame também.

Sesshoumaru – por que todo mundo joga essa praga para mim?

Taisho – do que você tem medo Sesshoumaru?

Sesshoumaru – medo?

Taisho – você tem medo de amar alguém?

Sesshoumaru – eu tenho medo de prender a alguém e ser infeliz por resto da minha vida.

Taisho – nem tudo é perfeito em um casamento, todos nos precisamos fazer sacrifícios, mas vale muito a pena.

Sesshoumaru – o amor não existe, é apenas a incapacidade de uma pessoa ser feliz sozinha.

Taisho – por que você não acredita no amor?

Sesshoumaru – culpa sua.

Taisho – minha?!

Sesshoumaru – quando minha mãe morreu de tristeza soube que o amor só nos fazia mal.

Taisho – Sesshoumaru, sua mãe...

Sesshoumaru – vamos logo comprar o presente de Inuyasha – cortou o assunto e entrou em uma loja – o que devo comprar?

Taisho – talvez um jogo de panelas para Kagome cozinha, ou uma conjunto de roupas de cama para as noites do casal.

Sesshoumaru – que coisa mais sem graça, não tem nada de interessante aqui.

Taisho – são coisas que casais precisam.

Sesshoumaru – tem um sexy shopping aqui?

Taisho – o que?

Sesshoumaru – meu presente será algo realmente interessante – os dois saíram juntos em busca de um sexy shopping.

Taisho – você não tem jeito mesmo.

Sesshoumaru – vamos, quem sabe o senhor não ache alguma coisa legal para usar com Iza.

Taisho – ta doido menino? – corado.

Sesshoumaru – não me diga que vocês dois não fazem mais nada?

Taisho – me respeita moleque, que eu sou sei pai – o filho riu – eu e Iza ainda temos muito fogo.

Sesshoumaru – santa pílula azul – era divertido provocar o pai.

Taisho – Sesshoumaru! – furioso – vamos logo antes que eu lhe dê uma surra.

Por mais que Sesshoumaru fosse mais fechado, que não gostasse muito das conversas de família, ele nunca teve problemas sérios com o pai. E era pela família que nutria os únicos sentimentos verdadeiros. Não era do tipo que ligava para dizer que amava, mas amava.

E em quanto a madrasta, nunca a chamou de mãe, mas nunca foi contra ela. E o relacionamento com a família ficou ainda melhor quando descobriram que as implicâncias de Sesshoumaru era a forma dele demonstrar carinho.

Continua... 


Notas Finais


...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...