História Diferente de suas expectativas - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Exibições 31
Palavras 1.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


...

Capítulo 25 - Capitulo 25- Golpe baixo


Capitulo 25- Golpe baixo

Sesshoumaru – por favor Rin, você vai me deixar dormir na rua? – com cara de cachorro sem dono.

A garota tentou ser forte, mas sua gentileza lhe impediu de ser má com o homem.

Rin – se eu deixar você entrar, promete que vai se comportar?

Sesshoumaru – eu prometo tentar – com a cara de safado.

Rin – boa noite Sesshoumaru – tentou bater na porta na cara dele, mas ele não deixou.

Sesshoumaru – ta bom Rin, eu vou me comportar.

Rin – pode entrar – deu passagem para ele – mas uma gracinha sua e eu lhe coloco para fora.

Sessnhoumaru – sim senhora.

Rin – pode ficar no sofá.

Sesshoumaru – é muito pequeno para mim. Eu sou grande, preciso de espaço.

Rin – tem o chão também, ou é isso, ou é rua, você quem escolhe.

Sesshoumaru – adoro quando você é má – tentou beija-la, mas ela se afastou – é só um beijo de boa noite.

Rin – por vias das duvidas, vou trancar bem a porta do meu quarto – ela deixou ele sozinho e foi para o quarto, depois de um minuto voltou – aqui, trouxe um travesseiro... mas o que?

Sesshoumaru – eu gosto de dormir bem a vontade – o homem estava apenas de cueca.

Rin – mas você é folgado heim... – jogou o travesseiro e o coberto em cima dele – boa noite.

Sesshoumaru – se precisar é só chamar.

A garota foi para o seu quarto e trancou bem a porta.

Rin – seja forte Rin, seja forte... – falava consigo mesma – ele é um gostoso... um lindo, maravilhoso, mas você tem que ser forte.

O jeito era tomar um bom banho e tentar dormir.

#-#

Foi difícil para Sesshoumaru pegar no sono, era estranho, mas Rin não saia da sua cabeça. ficou pensando na garota durante bom tempo, em como ela ficava bonita quando estava irritada, o jeito meigo de quando ficava corada e ao mesmo tempo as palavras firmes.

Sesshoumaru se pegou pensando em todos os detalhes de Rin, os sorrisos, os olhares, cada gesto que ela fazia. Tudo era extremamente encantador. E enquanto pensava em Rin, um sorriso brotou em seus lábios, ele não notou isso, mas era um sorriso apaixonado.

Já era quase de manhã quando ele conseguiu enfim fechar os olhos e dormir, mas não descansou muito, logo o sol raiava forte no céu. E um barulho acordou a Sesshoumaru.

Sesshoumaru – Rin?! – a encontrou praticamente correndo pela casa.

Rin – eu estou atrasada... – ela sempre estava atrasada – tenho que ir para o estúdio de dança – colocava o tênis as presas.

Sesshoumaru – hoje é domingo... – ela parou e encarou o homem.

Rin – domingo?! – sorriu sem graça – perdi completamente a noção do dia.

Sesshoumaru – posso voltar a dormir agora?

Rin – não... eu vou voltar a dormir e você vai para o seu apartamento.

Sesshoumaru – tem certeza? Não quer que eu fique mais um pouco? – levantou-se do sofá e começou a caminhar em direção a garota – podemos nos divertir – ela recuava.

Rin – por favor Sesshoumaru, vista a sua roupa – tentava não olhar para a ereção matinal do homem – logo ela não conseguiu dar mais passos para atrás, suas costas bateram de contra a parede.

Sesshoumaru – Rin... eu sei que você quer também – agora ela estava encurralada.

A garota tinha a respiração nervosa, o homem estava muito próximo a si, praticamente com os corpos colados. Seus olhos já não lhe obedeciam mais, exploravam todo o corpo de Sesshoumaru, olhando cada detalhe de cima a baixo. Cada pequeno detalhe, e os grandes também.

 Rin – vai embora Sesshoumaru, eu já disse que... – não terminou de falar, pois sua boca foi invadida pela língua do homem, sedenta por aquele beijo.

Um beijo de tirar o fôlego, sugando as línguas com puro desejo. E Sesshoumaru aproveitou para “apalpar” os lugares mais desejados, começando pelas coxas, deixando a pele alva de Rin marcada com seus dedos. E logo depois deu um belo apertão no bumbum da garota.

Rin, em meio aquele transe, despertou e logo tratou de se livrar do homem. Sem pensar duas vezes, desferiu uma joelhada bem no membro de Sesshoumaru, que na mesma hora largou ela.

Sesshoumaru – puta que pariu... – reclamou de dor com as mãos segurando o seu “brinquedinho”.

Rin – me desculpa Sesshoumaru... – resentida pelo o que fez – eu não queria fazer isso... – mas ele começou a rir – você está rindo?

Sesshoumaru – acho que agora ele precisará de uma massagem.

Rin – eu retiro o que disse, eu queria totalmente ter feito isso. Você só pode ser masoquista.

Sesshoumaru – se é disso que você gosta, por mim não tem problema – ela revirou os olhos.

Rin – vai embora Sesshoumaru... eu já lhe disse, não vou fazer nada com você enquanto estiver enrolando com Naraku.

Sesshoumaru – tudo bem... – voltou para o sofá sentindo muitas dores – mas primeiro, eu preciso de gelo – ela havia lhe acerto bem certeiro.

#-#

Depois de um saco de gelo nos “países baixos” Sesshoumaru saiu do apartamento de Rin e foi se resolver com Naraku, se ele abrisse a porta pelo menos.

Mas antes que Sesshoumaru teve outro pensamento. Rin havia devolvido sua camisa, e agora ela estava com o cheiro da garota. E Sesshoumaru achou aquilo delicioso, poder sentir o cheiro de Rin, novamente um sorriso em seus lábios, estava fazendo muito aquilo quando pensava em Rin.

Ele tocou a campanhinha do apartamento. Tocou varias vezes... ate que a porta se abriu. Os dois homens se encararam.

Sesshoumaru – Naraku... eu... – o outro apenas deu as costas – vamos conversar Naraku – entrou no apartamento.

Naraku – minhas malas já estão prontas. Meu voou sai logo mais.

Sesshoumaru – você vai embora?

Naraku – não há nada a mais para fazer aqui. Você não se importa, e eu só vim por sua causa.

Sesshoumaru – eu não queria que fosse assim. Você sabe que não gosto de me prender a ninguém.

Naraku – eu sei Sesshoumaru, mas eu pensei que você mudaria com o tempo. Mas não. Eu estou voltando para casa, você pode fazer o que quiser.

Sesshoumaru – eu vou logo após o casamento.

Naraku – suas coisas já estarão prontas para você se mudar.

Sesshoumaru – tudo bem.

Naraku – eu espero sinceramente que você se apaixone por um alguém, e que você sofra, mas sofra muita, tudo que eu sofri esses anos – pegou suas malas – quando for embora, entregue a chave para o sindico – e saiu.

Sesshoumaru acreditava em pragas? Não, com certeza não. E nem se impressionou com o que Naraku disse. Agora pelo menos já estava livre do homem. Enfim estava como queria: Sozinho.

Continua...


Notas Finais


...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...