História Diferentes - Interativa - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~podeseryaoi

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Originais, Romance, Superpoderes
Exibições 36
Palavras 1.913
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Survival
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Eu tentei fazer um capítulo um pouquinho maior dessa vez
espero que gostem ;)

Capítulo 16 - Sombras


P.O.V Malía

- Tem certeza que é ali? - Reather olhava atentamente a mansão do outro lado da estrada.

- Aquela casa está afastada de qualquer tipo de civilização, onde mais eles iriam se esconder? - Respondi ela com um pouco de irritação na voz.

- Tá legal, sabichona. Se eles estão mesmo ali, como vamos atacá-los? Eles estão em maior número e Íris é mais poderosa que todos nós juntos.

- Esqueceu que ela nos derrotou nos fazendo dormir? - Joseph se levantou do chão da floresta e veio até mim. - Eu não sei porque nos metemos nessa, devíamos fugir daqui, Asura nunca vai saber que fugimos.

- Isso seria burrice! - Alexa falou - Asura pode estar nos escutando nesse exato momento sem sabermos. Os poderes dele são mais fortes do que qualquer outra coisa, talvez até mais do que os da Íris. Ele só foi derrotado da última vez porque estava fraco demais, se atacarmos novamente junto com ele ganharemos.

Joseph nunca quis ficar do lado de Asura, mas ficou. Talvez porque não quisesse ser abandonado de novo. Já Alexa sempre foi muito leal a ele, fez questão de vir junto com nós três para ajudar a vigiar a mansão. Eu? Bom, digamos que eu sou bem leal a Asura, mas só faço isso porque sei que morreria se tentasse ir contra sua autoridade.

Pensei um pouco e depois comecei a traçar um plano. Estávamos em seis, contando com Diane, a cobra de Reather, e Pandora, a loba que eu adotei, Asura tinha ficado no acampamento. Se atacássemos sozinhos morreríamos, por isso a melhor estratégia era a espionagem ou algo que não usasse nossa força.

- Tive uma ideia!

Todos vieram para mais perto de mim para poder ouvir meu plano magnificamente maléfico.

- Íris é a mais forte do grupo, então precisamos enfraquecê-la. Pandora e Diane podem ficar aqui para vigiar e atacar Íris se for preciso. Quando ela estiver machucada provavelmente o resto do grupo vai voltar toda sua atenção para a mesma, fazendo com que fiquem desatentos a qualquer outro ataque. Vamos dormir aqui esta noite e amanhã voltamos para o acampamento para esperar o sinal da Diane e da Pandora.

- E como elas vão dar algum sinal? São animais, Malía, não um megafone ou uma sirene! - Reather cruzou os braços e olhou para mim como seu eu fosse o centro de todas as ideias do universo.

- Porque você não dá alguma sugestão ao invés de ficar me cobrando alguma coisa?

- Pelo o que sei, foi você quem escolheu comandar essa nossa vinda até esse lugar. Devia ter pensado nas responsabilidades antes de ter escolhido isso.

- Eu escolhi isso porque sabia que ninguém, principalmente você, teria responsabilidade suficiente pra fazer uma coisa dessas!

- CALEM A BOCA VOCÊS DUAS! - Joseph gritou e passou a mão nos cabelos, tentando se acalmar. - Eu já to ficando sem paciência, vocês parecem duas crianças brigando! Quando Diane e Pandora já tiverem feito seu trabalho elas voltam para o acampamento. SIMPLES!

"Como eu não pensei nisso antes?" Pensei. Eu odiava Joseph, só estávamos do mesmo lado porque tínhamos o mesmo objetivo. Na verdade, ninguém ali era amigo de ninguém, só queríamos destruir nossos inimigos e cair fora.

- E depois? - Falou Alexa. - O que vamos fazer?

- Vamos atacar a mansão, os detalhes discutimos depois.

A noite chegou e fomos dormir, no chão mesmo. Quando acordei percebi o erro que eu tinha cometido. Dormir no chão não foi a melhor das ideias, ao me levantar, percebi que tudo a minha volta estava tomado por grama e flores. Tinha até uma árvore do meu lado!

- Galera, acorda! - Falei e todos acordaram rapidamente. Pelo menos não são tão preguiçosos.

- O que é isso? - Assim que acordou e percebeu o que tinha acontecido, Joseph olhou pra mim, irritado. - Que merda você fez, Malía? Isso vai deixar rastros!

- Eu sei disso! Por isso precisamos sair daqui e por o plano em prática.

Todos levantaram e começaram a ir em direção ao acampamento. Me despedi de Pandora e Reather de sua cobra.

...

Chegamos no acampamento e não demorou muito para os animais chegarem também.

- Tá, agora o que vamos fazer? - Joseph me perguntou

- Vamos esperar até anoitecer. Alexa, você consegue fazer pessoas ou algo do tipo com as suas sombras?

- Não sei, nunca fiz isso. - Ela baixou os olhos, parecia envergonhada por não conseguir fazer aquilo.

- Pode tentar agora?

Ela afirmou com a cabeça, então uma fumaça negra começou a sair de suas mãos, formando em alguns segundos a silhueta de uma pessoa na frente de nossos olhos. Alexa olhou para mim, esperando uma resposta.

- Ficou muito bom, mas... Como essas coisas vão lutar? São apenas sombras!

De repente, uma espada levemente transparente surgiu na mão daquela sombra.

- Quer testar? -Alexa olhava par sua criação com os olhos cheio de orgulho.

- Não precisa, desde que você tenha certeza de que essas coisas podem ferir alguém por mim tá tudo certo.

- Eu fui o único que notou a falta de Asura? - O garoto olhava em volta, procurando pelo sinal da criatura.

- Ele deve estar aqui por perto, não precisamos nos preocupar com aquela coisa, já que ele tem esse poder todo! - Respondi.

Ouvimos alguns barulhos em um dos chalés e de dentro dele saiu uma criatura com três grandes olhos. Eu ainda não tinha me acostumado direito com sua fisionomia bizarra, então foi um mini choque ver Asura novamente.

- Vocês ainda não estão preparados para lutar contra os outros mutantes. - A voz grave e amedrontadora de Asura invadiu a minha mente, me causando um leve arrepio. -Devem esperar anoitecer e então as sombras de Alexa atacarão a mansão. Íris está ferida e não pode andar, isso vai ser uma vantagem para nós. Mas essas sombras precisarão ser silenciosas, os ouvidos aguçados de Íris podem ouvir qualquer coisa dentro da mansão.

Concordamos e fomos descansar um pouco em um dos chalés. Eu fiquei sentada nas escadas, em frente a porta de entrada. Era estranho tudo estar tão silencioso, normalmente o acampamento estava cheio de gente conversando, treinando e gritando. Pelo menos agora eu posso ficar um pouco sozinha. Me lembro de quando Íris chegou aqui, tudo virou um pesadelo maior do que era antes. Já não era o suficiente conviver com aquelas pessoas irritantes? Eu só vim para cá porque fui abandonada pelos meus pais ainda bebê, e mesmo assim gostaria de viver em uma floresta ou algo do tipo, longe de qualquer pessoa e civilização.

Sinto algo molhado em minha perna e saio de meus pensamentos. Olho para baixo e percebo que Pandora estava lambendo meu joelho, buscando chamar minha atenção.

- O que foi? Quer brincar? - Ela se levantou de onde estava sentada e começou a abanar o rabo. - Ok.

Peguei um graveto e joguei, a loba logo o pegou e trouxe de volta. Fiquei brincando com ela até escurecer.

- Malía, está na hora. - Joseph apareceu na porta do chalé.

- Já estou indo.

Fui para dentro junto com Pandora, Alexa estava sentada no sofá, se concentrando para criar as sombras que atacariam a mansão de Íris.

 

P.O.V Alexa

Fechei os olhos e tentei imaginar a mesma sombra que eu havia criado mais cedo. Senti aquela fumaça negra sair de minhas mãos e formar vários e vários homens de sombras, que saiam pela porta da frente e iam em direção a mansão. Eu sabia o caminho, era só pensar nele e as sombras seriam guiadas pelos meus pensamentos. Depois de um tempo, vi que os homens de sombra já tinham chegado no local que eu queria, tentei assumir o controle de um deles.

Desse jeito, passei a ver tudo que ele via. A grande casa estava totalmente escura, exceto por uma luz alaranjada que vinha da janela da sala. Cheguei mais perto e vi que Tate estava de guarda, mas isso não seria problema. Se as sombras permanecessem no escuro, se misturariam ao ambiente e não seriam vistas. Olhei para cima e vi nenhuma luz ligada, decidi escalar a parede e abrir uma delas para entrar. Todos os meus "soldados" me seguiram e logo conseguimos entrar. A janela dava para um corredor escuro, haviam várias portas ali, que provavelmente dariam para os quartos, e, em um deles, Íris estaria dormindo.

Essa era a hora em que, se eu fizesse barulho, todo o trabalho que tive seria desperdiçado e todos ali na mansão saberiam dos nossos planos. Verifiquei se tinha algum objeto de decoração no corredor e nada havia ali. Andei pelo corredor, tentando achar algum sinal da Íris, até que ouvi uma voz feminina vindo do andar de baixo.

- Tate, quer que eu fique no seu lugar? Não estou com sono.

- Não, obrigado. Eu estou bem, e você precisa descansar.

Os dois pararam de conversar e então eu soube de quem era a voz feminina. Quem era a pessoa que nunca dormia? A única pessoa no mundo que trocaria uma noite de sono por uma noite vigiando a casa?

Fiz com que todos os serumaninhos do submundo (N/A: desculpa tive que colocar isso) se escondessem no escuro, assim ficando invisíveis. Ouvi os passos da garota subindo as escadas e, quando ela subiu o último degrau, parti para cima dela tapando sua boca. Mas eu tinha esquecido de um detalhe. Ela estava com a perna machucada, então como iria subir as escadas? Exatamente, com a ajuda de quem. E esse quem era o seu adorado e inconveniente bichinho de estimação, Lunária.

Olhei para trás e o animal estava com seus grandes dentes a mostra. De repente ele levantou a cabeça e começou a uivar acordando todos da casa e alertando Tate, que ainda estava de vigia lá em baixo. Antes mesmo de eu conseguir criar espadas para atacar, alguém me deu uma cotovelada que em jogou do outro lado do corredor. Isso deu espaço para que Íris se levantasse com a ajuda do menino que tinha me jogado longe, Eric. Mesmo machucada, ela conseguiu fazer com que seus poderes vencessem todos os homens sombra, inclusive o que eu estava controlando.

Abri os olhos, me assustei ao ver Reather na minha frente com os olhos arregalados. Eu ainda estava no chalé do acampamento, segura e longe do grande poder da menina de cabelos negros.

- O que aconteceu? Você conseguiu? - Malía se ajoelhou perto de mim e perguntou.

- N-Não.

- COMO ASSIM NÃO CONSEGUIU? - Joseph gritou, seu rosto estava vermelho e seu semblante demonstrava pura raiva.

- Não tinha como eu vencê-los! O lobo de Íris acabou me vendo e alertando todos na casa. Eu tentei combater os poderes dela, mas fui vencida. - Pensei um pouco e percebi o que havia acontecido, o motivo de eu não poder vencê-la. - Eu acho que se entrarmos numa luta contra eles eu nunca poderei ir junto, pelo menos não com Íris por perto. Meus poderes são baseados na escuridão pura e os dela são feitos de luz, se eu lutar contra ela mais uma vez vai ser como tentar secar gelo.

Agora que eu tinha falhado, teríamos que ter mais cuidado com tudo que faríamos. O outros mutantes estariam atentos a qualquer coisa estranha que acontecesse. E se Asura não quiser lutar junto a nós, teremos um grande problema.


Notas Finais


A minha cabeça ta um CAOS
eu demorei três dias para escrever isso
mas valeu a pena
BJS DE AMENDOIM QUEIMADO

(pq amendoim queimado? pq enquanto eu postava isso eu deixei queimar uma torrada, sim, uma TORRADA!!
eu sou um desastre na cozinha!)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...