História Different - Jeon JungKook - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Jungkook
Tags Bangtan Boys, Bangtan Sonyeondan, Bts, Jeon Jungkook, Jimin, Jin, Jungkook, Kim Taehyung, Kook, Park Jimin, Seokjin, Suga
Visualizações 288
Palavras 2.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Matarei a curiosidade de vcs, só uma leitora acertou o motivo do Kook loucão kkkk, Boa leitura

Capítulo 22 - Jealous


Fanfic / Fanfiction Different - Jeon JungKook - Capítulo 22 - Jealous

S/N – oi? Quê? – sua expressão era um pouco assustadora, ele estava em silêncio me olhando, fiquei nervosa – Kook, não me assusta assim, tô nervosa.


O filho da mãe começou amenizar a expressão facial aos poucos, e derrepente começou sorrir, sério? bipolar, vou matar ele.


Kook- Calma – sorria safadamente.


S/N – PORRA GAROTO, eu quase morri do coração agora – lhe empurrei com raiva mesmo e ele sorria – Idiota, vou voltar pra cozinha. - fechei a cara


Kook- Não, volta aqui… - segurou minha mão - desculpa, é que você me deixou louco na cozinha e ainda está me deixando.


S/N – O que? – me mantinha confusa.


Kook – simples – me agarrou e senti um volume na calça tocar meu corpo.


S/N – Não acredito que você fez esse showzinho por isso? Pitágoras que pariu – ri de desdém.


Kook- Claro, eu estava todo focado na minha apresentação pros chatos dos acionistas, quando olho pra frente a senhorita está assim… ta ligada que esse vestido é pequeno demais né? – estava com o uniforme da Yan pois os meus caíram na água sanitária e ainda não arrumaram um novo e minha roupa convencional não era apropriada pra hoje, ou seja era um número menor – você tá toda apertadinha e pra piorar… Mas o ÁPICE foi o jeito que você pegou e colocou aquela cenoura grossa na boca, puta merda… aquela cara mordendo ela e falando delícia hummm - Que ser tarado vei - esqueci tudo que ia falar, fiquei viajando enquanto vocês se divertiam, tô aqui elétrico por dentro.


S/N – Manooooo, tu é só pensa em sexo – Ria desacreditada, que menino safado – uma cenoura? a porra de uma cenoura? – ele mordeu o lábio e desceu o olho sobre meu corpo, me estremecendo toda, puta merda, ele mexe demais comigo.


Kook- sabe que eu não vou me dar bem na apresentação né? Preciso de um estímulo – me puxou pela cintura e senti mais ainda seu membro, eu ficava exitada tão rápido – me alimenta, amor? – dei uma leve risada.


S/N – Você tá todo arrumadinho, não vou te bagunçar – apertei sua gravata rindo. – tá todo engomadinho bebê.


Kook- Faz como fez lá na cozinha, tenho que sair em 30 minutos apenas, da tempo amor…


Lhe dei um beijo que seria um selinho, mas ele trocou isso em um beijo quente, desci minha mão pra sentir com mais certeza seu pacote e apertei.


Kook – Puta que pariu, isso é sacanagem com meus hormônios.


S/N – Só tô me certificando – apertei com força e ri malvada, tava tão durinho, não vou deixar meu neném ir assim pro trabalho, por mais que ainda esteja puta pelo que ele me fez, quase morri de preocupação.


Comecei alisar ao invés de apertar, o atrito era gostoso pelo tecido dessa calça ser bom, ele me olhava no fundo dos olhos.


S/N – 30 minutos? – assentiu ofegante – tempo suficiente


Me abaixei, tirando seu cinto, desci sua calça preta e sua cueca verde escuro… tão durinho, hora de brincar..., ele queria que fosse como a cenoura? Então tá, dei uma leve mordida e ele gruniu, sorri.


Nem provoquei mais, só comecei lhe fazendo uma boquete naquele escritório gigante, totalmente trancados.


Não o olhei, estava de olhos fechados mesmo, sentindo ele dentro de minha boca, seus gemidos eram a música mais sexy que já ouvi na vida..


Kook- CARALHO… gostosa… deixa eu ver seus seios amor. AAAAAH


Com uma mão desabotoei a parte que cobria os seios e os expus, comecei aperta-los estava gostoso ali, a outra mão me ajudava no oral, indo e vindo em seu falo.


O olhei dessa vez e me senti sendo admirada pelo demônio. Que olhar maligno!! filho dá puta, esta me deixando mais molhada que nunca.


Tirei a mão do peito e cravei minha unha em sua bunda, parei de chupa-lo e lambia toda a extensão, suguei só sua cabeçinha rosada, ele gruniu mais um pouco, voltei a estimula-lo com habilidade, o mais velho empurou minha cabeça pra ir mais rápido pois estava lhe provocando indo lentamente, quase engasguei mas continuei firme.


Meu namorado safado gozou, e senti seu sabor, tão bom, tão quente…


S/N – Satisfeito? - me coloquei em pé.


Kook- Não, preciso de mais e preciso agradecer minha namoradinha gostosa… tu tá molhadinha? Tá né? Deve estar uma delícia.


S/N – aqui é seguro? – apontei pra uma câmera


Kook – essa câmera não funciona, eu mesmo desativei – sorri, ele apertou meus seios e derrubei a cabeça – gostosa, tão suculenta.


Me pegou no colo me fazendo sentar na mesa gigante do pai, se sentou na cadeira que era grande também, puxou minha calcinha, deitei quase que por completo sobre aqueles documentos e ele me socou sem cerimônias o dedo me fazendo gemer alto


Kook – sou um homem de sorte, olha isso tudo só pra mim, deliciosa – ele com aquela camisa e gravata e eu de roupinha de empregada, deixava tudo tão com cara de filme pornô, o patrão comendo a empregada no escritório kkk


O menino introduza seu dedo indicador tão bem e eu gemia seu nome em reposta a sua ações, a outra mão estimulava meu clitóris tão ágilmente, estava me sentindo uma usuária dá melhor droga do mundo, Jungkook me deixava quase que chapada.


S/N – PARAAA, aaaaah delicia aaaaaaaaaah – meu interior contraia, que gostoso, ele sabia que não era pra parar por mais que gritasse.


Levou sua boca agora e me mordiscava, sua língua quente rodava em toda meu íntimo, gozei e sem piedade ele me sugou, ele estava com o satanás no corpo, nem me deixo respirar e me penetrou com seu falo duro, eu estava aflita mas preenchida de prazer.


Gemia tanto que uma lágrima desceu, Kook sorria mordendo levemente o lábio e eu sorri de volta, mas agonizava deixando seus olhinhos brilhando de satisfação pelo que ele me proporcionava. Me estocava como nunca, fazia tanto barulho seu corpo chocando com o meu, era um sexo selvagem demais.


A cada gemido grosso dele um tapa forte em minha bunda, e eu gemia arrastado, um sofrimento prezeiroso.

Ele estava com as mãos em minha cintura e eu gravei sem dó minhas unhas em seus braços, dessa vez vai marcar mesmo pós arranhava em busca de apoio e pra liberar o que sentia.


Kook – desgraçada gostosa – apanhava mas estava amando.


S/N – AHHHHHH, que delícia – um mão dele agora apertava – Kookiee aaaaah - Gozei de novo, torcendo pra ele gozar logo ou iria desmaiar pois estava fraca de novo como na nossa primeira transa. – Goza amor, goza em mim aaaaah - ele sorriu e fui preenchida por sua porra.


Ele se jogou na cadeira que andou um pouquinho para trás, respirava pesado. Eu nem sabia mais onde estava, delirei legal, peguei um papel ali e me abanava por tanto calor que sentia por mais que o ambiente era climatizado dá forma adequada.


Kook- Caralho, o que foi isso? – comecei gargalhar – o que foi sua louca?


S/N – Você é tarado demais… mas valeu a pena me tirar de lá e me assustar… Seun tá lá crente que estou te ajudando ainda, e olha meu estado... -falava ofegante vendo ele sorrire- Transar no horário de trabalho, só você mesmo – ri de desdém.


Kook – Foi bom né? Então nem reclame – ri pulando da mesa e me ajeitava escorada na mesa pois tava foda ficar em pé, minhas pernas estavam bambas


S/N – Vou arrumar o meu uniforme, e que isso nunca se repita, tá? perigoso, foi maravilhoso, muito gostoso, mas perigoso. Podia perder meu emprego.


Kook- Foi uma delícia… Ninguém vai perder porra nenhuma.


S/N – Agora me dá minha calcinha.


Kook – Não, é minha, pra me dar sorte hoje na apresentação – segurei minha cintura e bati o pé


S/N – Sério?


Kook- seríssimo – ria como sempre esse safado – olha que delícia, encharcada… e minha – rodou no dedo – se vire pra arrumar outra ou fique sem, é mais fácil pra se eu voltar cedo.


S/N – meu Deus tu já quer que eu te dê mais a noite? Vou morrer transando.


Kook – te ressuscitou fácil gata – ri e fui ajeitar seu cabelo


S/N – Cara você tem que ir – fui buscar sua calça e lhe dei – veste.


Kook – Cara? Cadê o carinho? Acabei de fazer amor com você


S/N – amor? Carinho? Tu me fudeu como uma pu… esquece – gargalhei e ele também.


Kook – como o que? Fala? Minha putinha particular? - lhe bati – você que ia falar, pare de violência – ri


S/N – violência? Tu me bateu tanto que vai ficar roxo e eu sou a violenta? – me puxou pra junto a seu corpo depois de por seu cinto na calça e fez carinho na minha bunda.


Kook- Vai ficar roxinho neném? Eu sou o remédio pra tudo, sábia?


S/N – tarado ridículo de Gostoso – mordi seu lábio – Delicia – nos beijamos por um bom tempo.


Kook – Vamos? – lhe ajudei a arrumar sua roupa, centralizei sua gravata – tão cuidadosa com o bebê dela.


S/N – bebê? Ata – lhe roubei um beijinho – daquela porta pra lá, amigos tá? – fez sinal de continência.


Kook- pera – dobrou a calcinha e colocou no bolso frontal e depois arrumou a cadeira e os papéis. – saí na frente, se perguntarem fale que estou terminando algo aqui e já tô saindo.


Parei olhando ele todo vermelhinho arrumando os papéis, ele é tão lindo, sorri e fui andando.


Sabe? Acho o estou amando, já ultrapassou a paixão, real, eu quero sair gritando ao mundo que o amo


S/N – Ei – parei na porta e ele me olhou – boa sorte amor – ele paralisou ao ouvir como o chamei, me encarou sorrindo, sorri sapeca e pisquei, quando ele ia abrir a boca e dizer algo fechei a porta e saí serelepe sorrindo como uma idiota.




***********************************





Adentrei a cozinha sem graça, parecia que todos sabiam do que eu fiz com o Kook.


Yan- Ajudou ele com a língua foi? pra demorar tanto, disse que ele é bom em línguas - ria


S/N- Oi? Saaaai – bebi água pra disfarçar – Seun eu não tô confortável com a roupa da Yan.


Seun – se usar a sua vai sujar – bufei – Usa isso – pegou um avental maior


S/N – TE AMOOO – lhe dei um beijinho.


Yan – alguém secou seu corpinho foi querida – ela não perde uma.


S/N – Vai pra merda querida – ela me mostrou a língua e fomos fazer a sobremesa de amanhã




********************************





Era noite, não ia dormir ali e nem com o Kook, espaço entre um casal é bom né?!! A gente todo dia ficava, não era só transa né? Amava fazer coisinha com ele, cozinhar, assistir, conversar, maaas espaço é essencial.


 Ia de encontro com o portão, pensando nos meus amigos que estavam para chegar, ansiosa pra porra.


Quando cheguei no portão um carro branco parou próximo a calçada.


Tae – Oi sumida. – sorria quadrado.


S/N – Oi sumido – sorri e me debrucei na janela que ele tinha descido o vidro, pegou minha mão e a beijou.


Tae – Como está?


S/N – Bem, e você?


Tae – Melhor agora – ele era safadinho, bem que Kook disse, mas sei que é só fogo de palha, não passa disso, como também o Kook falou sobre ser com a Nay, ele sabe que o Jin sente algo por mim, e eles são unha e carne. – vai pra inauguração do açúcar né?


S/N – Clarooo, gosto do suga e é bem no meu aniversário sábia?


Tae – obaaa, posso te dar um presente em especial? Bem especial?


S/N – Talvez sim, talvez não – rimos um pro outro e uma luz forte incomodou nossos olhos que logo colocamos nossas mãos a frente para nos proteger.


Tae – Chegou o chato – Kook havia chegado, mas algo não me agradou, ele estava no carona de uma mulher, nada coreana, jovem também, cabelos castanhos médio e acho que de olhos claros, meu sangue esquentou, ele olhava fixo pra nós dois com um pouco de fúria e eu retribuía o olhar. A menina o cutucava, mas ele com dificuldade tirou o olhar do Tae comigo, e eis que o cúmulo acontece, ela dá um beijo em sua bochecha, VAGABUNDA!


Tae – Entra, te levo pra casa.


S/N – Não obrigada – falava olhando pro Kook que saia do carro dela enquanto ela sorria feito trouxa, EU VOU CAPAR ESSES HOMEM SE TIVER ME TRAINDO, ELE É MEU TÁ?


Tae – Vou sim, o Jin me mata se te deixar só – ia responder e  o carro dá moça saiu e…


Kook – S/N vem cá rapidinho! – exclamou sério – S/N?!! – bufei - POR FAVOR - falou rente ao portão com raiva


S/N – Me espera? – joguei a bolsa dentro do carro.


Tae – Se ele tentar algo me fala, não tou gostando dessa cara.


S/N – Para, ele não é esse monstro que vocês acham, relaxe – engoli seco dominada pelo ciúmes e fui. – Como foi a apresentação? – melhor começar assim pra não ser a chata que já vai querendo satisfações.


Kook- o que você tá fazendo com esse indivíduo trocando risadas e escorada na porta do carro? – Eu querendo ser a civilizada e ele já faz o contrário? Pois bem.


S/N – TSC, eu que pergunto quem é aquela branquela que te beijou? Que liberdade né? Tae é só meu amigo e ela? Engraçado que você disse que só tinha a Nay de amizade feminina. - Falávamos num tom baixo pra meu amigo não ouvir mesmo que ele estava no carro é um pouco longe mas o tom era de raiva, ambos com raiva.


Kook – Não muda de assunto, ela é só uma sócia.


S/N – Sócios se beijam? Para de tentar contornar, ela te beijou Kook, eu só sorri pro Tae.


Kook- Um beijo na bochecha não mata.


S/N – Aaaah e um sorriso sim?


Kook- mas ele é o Kim Taehyung.


S/N – E ela é… aaah lembrei, você não compartilha quem são suas amiguinhas – falei sarcástica e me virei


Kook – Pensa que vai  aonde? E com quem?


S/N – Você ganha carona com a senhorira sem nome e eu com o Kim Taehyung – me virei, entrei no carro e saímos deixando o moreno tão revoltado quanto eu, sobrevivi a minha primeira DR com ele e não foi legal, um gosto amargo preencheu minha garganta de tanto ódio.


Quem é essa? E porque estava toda cheia de graça com o Meu homem? MEU! EU NÃO ACREDITO QUE SINTO CIÚMES AGORA, DROGAAAA


Notas Finais


Enganei vocês ontem sobre o Kook nervosinho que pensaram que era treta mas era pura safadeza e deixei a treta real pra agora, se preparem que agora vai começar a bagacei


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...