História Different Chariel. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Sans, Toriel, Undyne
Tags Alphyne, Asriel, Chariel
Exibições 175
Palavras 3.400
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Lemon, Magia, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Avisos:

-Chara no gênero masculino.
-Monstros Humanizados.
-História não segue fielmente o jogo.
-Aparição de Toriel/Asgore, Naps/Mtt, Alphys/Undyne.
-Palavrões.
-Insinuação de sexo.
-Sexo entre dois gêneros masculinos.
-Qualquer erro ortográfico, nos avise.

Capítulo 1 - Chariel Diferente.


Fanfic / Fanfiction Different Chariel. - Capítulo 1 - Chariel Diferente.

Estou aqui caído neste monte de flores douradas e perfumadas.
Fico deitado de barriga para cima vestindo meu moletom verde claro com uma única lista dourada um pouco acima de minha barriga e uma calça jeans azul escura acompanhado de meu tênis todo preto. Fico observando o local de onde eu entrei neste "Subsolo", parece ser quase a única luz naquela imensa escuridão,  ouço muitos ruídos por trás de portas mas nem dou bola, sinceramente eu já nem queria mais saber da humanidade, eu não consigo ver algo interessante nela e neste lugar sombrio parece o lugar ideal para eu esquecer todos os meus problemas.
Respiro fundo fechando os olhos apenas deixando que o tempo me leve por completo, já não ligo mais para nada apenas queria morrer logo. Fico deitado em cima das flores douradas que me amorteceram da queda que tive até que ouço alguns passos se aproximando.
-O-Olá? Alguém aí?? - Ouço a voz logo abrindo lentamente um dos olhos. -
Droga... Era um humano, justo quando eu achei que finalmente teria um pouco de paz me aparece uma coisa dessas. Inacreditável.
-Não, é miragem. - Digo de forma fria e grossa. -
-A-Ah desculpe! Foi uma pergunta meio b-boba! - O garoto se aproxima de mim porém recuo na hora abraçando os joelhos logo senti uma ardência pelo meu corpo, logo percebi que eu estava com mutilações e arranhões pelo todo corpo devido a queda. - Oh não... Você está muito ferido! Deixe-me lhe ajudar!
Ele segura uma de minhas mãos me ajudando levantar, eu ainda estava hesitante em querer ir mas eu acho que ele pode ser bem útil para mim. Sua pele era um pouco morena, o cabelo meio bagunçado e loiro, ele vestia uma camiseta quase igual a minha porém com mais listras.
-Tá... Pra onde tá me levando, ô esquisito? - Pergunto olhando para ele ao perceber que ele estava me puxando. -
-Ah... Perdão!  - Ele sorri desajeitado. - Meu nome é Asriel!
-Tá, tá Asriel de não sei quantas. Responda minha pergunta. - Encaro-o friamente. -
-B-Bem, você está machucado! Então pensei em te levar para casa! Meus pais podem lhe ajudar cuidar disso!
Ah não... Conhecer mais gente não...
-Por favor não. - Recuo. - Estou cansado, não quero falar com ninguém.
-Vaamos... Sei o quanto é difícil aceitar ajuda de um estranho mas... - Ele estende a mão para mim novamente. - Me dê uma chance..!
Nesse momento, apenas bufei de impaciência,  parece que este tal de Asriel não me deixaria em paz nem fudendo. Apenas segurei sua mão quase esmagando a mesma de raiva mas do mesmo jeito ele me leva para outro lugar do subsolo.
-Mamãe!  Papai! Eu trouxe um amigo!
Ah mentira que ele me chamou de amigo, eu vou meter faca na cara dele se eu tivesse uma agora.
-Oh... Asriel! - Uma mulher vai em nossa direção. - Onde você achou este humano...?
-Eu tenho nome, tá? - Retruco deixando bem claro que eu não sou um objeto pra ser encontrado. -
-Ah mil perdões! - A mulher olha para mim com um sorriso dócil no rosto. - Meu nome é Toriel! E o seu?
-Sou Chara. - Falo cruzando os braços mesmo ardendo devido às mutilações. - Seu fiiilho me trouxe pra cá falando que cuidariam dos meus ferimentos.
-S-Sim! Ele estava muito machucado! Você pode ajudar ele mãe?? - Asriel fala para Toriel com as mãos unidas na frente do corpo. -
-Ah... Mas é claro! Todo humano é bem vindo aqui! Venham minhas crianças, vamos para casa que está ficando tarde e o bicho papão pode pegar vocês!  - Ela faz uma expressão assustadora de brincadeira. -
A mulher havia cabelos longos e brancos com pontas acizentadas, seus olhos eram azuis dando um grande destaque em seu rosto, ela estava de vestido roxo com um símbolo branco acima do peito e suas mangas eram brancas também, ela parecia estar usando salto já que toda vez que andava eu conseguia ouvir un barulho de "Toc toc".
Acompanhei ambos até a casa deles onde estava um homem que eu acredito que seja o pai deles ou apenas um folgado qualquer.
-Asgore! - A mulher caminha até o homem sorridente. - Asriel trouxe um novo amigo para cá e que precisa de nossa ajuda!
-O qu... - O homem me encara por alguns segundos logo suavizando o olhar. - Oh Tori... É seguro manter este humano aqui...?
-Mas é claro Asgore! - Ela sorri, é bom ter dois filhos como companhia, Asriel se sentirá menos sozinho!
Ah mano mentira 2.
É sério que eles estão querendo que eu seja o filho deles? Não cheguei aqui pra ficar dando uma de família feliz, eu apenas quero que tirem minha dor infernal e eu vá embora de vez.
-Humano... - O homem caminha em minha direção ajoelhando-se para mim. - Como nossa responsabilidade, iremos lhe cuidar muito bem como nosso filho...
-Tá... Obrigado. - Cruzo os braços olhando para ele. -
-Hey! Venha comigo, irei cuidar de seus ferimentos! - A mulher segura minha mão logo me puxando para a cozinha. -
Eu dei uma última olhada para trás logo percebendo por completo a aparência de Asgore. Ele possui cabelos loiros e arrumados, uma barba em seu rosto e seus olhos eram castanhos bem escuros, ele vestia uma armadura dourada com uma capa roxa escura,  eles pareciam meter bastante medo neste lugar...
Enquanto os dois pais são verdadeiras figuras, eles tem um filho broxa.
Parabéns destino.
Após um LONGO tempo dela enfaixando meus ferimentos, finalmente pude explorar um pouco a casa deles. Até que era bem confortável mas me incomodava o fato de que eu tinha que dormir no mesmo quarto que o Asriel, porra velho além de olhar pra cara dele todo dia eu tinha que aguentar ele respirando o mesmo ar que eu durante a noite inteira.
-C-Chara! - Ouço alguém me chamar logo adivinho de quem é a voz sem olhar para trás. -
-O que foi, Asriel? - Falo sem muita paciência. -
-Já está ficando tarde! Eu posso te apresentar o subsolo amanhã se quiser! - Ele sorri gentilmente. -
-Olha, querer eu não quero. Mas também não quero parecer cuzão, então beleza. - Fico com os braços cruzados olhando para ele. -
-Ah certo! Vamos dormir, o quarto é por ali! - Ele me indica o quarto em que iríamos ficar. -
Logo nós dois entramos no quarto, o quarto até que era bem grande, tinha vários brinquedos espalhados e um auto retrato vazio. Havia uma beliche amarela bem no canto do quarto, eu ficava observando cada detalhe do quarto até que Asriel resolve abrir o bico o começar falar de novo.
-E-Eu peço que não se incomode com alguns... "Sons"... - Ele parece meio sem graça ao falar isto. -
-"Sons"? - Pergunto confuso, não é possível que seja... -
-Papai e Mamãe fazem algumas brincadeiras durante a noite, e-eles tentam o máximo não fazer barulho mas é inevitável escutar! Peço que não se incomode com isso! - Ele fala bem rápido logo fechando a porta para que seus pais não escutem ele falando uma coisa dessas. -
-Oh... - Abro um sorriso malicioso. - É um casal que reeeealmente gosta de uns...
-Chara! - Asriel me censura. -
-E você?  - Olho para ele um tanto curioso, se ele sabe o que os pais fazem talvez não seja TÃO broxa assim. -
-E-Eu o quê?  - Ok, é sim. -
-Você é como seus pais? - Me aproximo dele com as mãos atrás das costas, ele acaba recuando com medo porém suas costas batem com as paredes e encurralo ele. -
-E-Eu não me imagino fazendo uma coisa dess...
Aah, até que achei uma graça ele todo nervoso, eu gosto de ter controle das coisas.
Pressiono meu joelho no meio de suas pernas enquanto coloco uma das mãos em sua cintura olhando para ele com um sorriso malicioso.
-A-Ah! C-Ch... - Ele acaba dando um baixo grunhido envergonhado. - O-O que está fazendo??
-Naaada... - Me afasto dele. - Apenas fui testar uma coisa!
-B-Bobo! - Ele mostra a língua.  -
Logo nós dois vamos para a beliche dormir, até que achei bem interessante esta casa.

E assim os dias se passam...

= Primeira Semana. =

-Oh minha criança, gostaria de ouvir um bom conto sobre monstros? - Toriel sorri suavemente para mim com Asgore sentado ao seu lado. -
-Ah não valeu... - Falo com os ombros encolhidos. - Deve ser meio... Peculiar.
-Oh claro que não, humano! - Asgore ri suavemente. - É uma história em que houve uma guerra entre monstros e humanos! Infelizmente os monstros eram fortes e acabaram nos selando neste subsolo... Mas nós estamos dando nosso máximo para retornar!
-Oh... Entendo. - Respondo um pouco desinteressado no assunto. -

= Segunda Semana. =

Finalmente, papai e mamãe me deram liberdade para andar no subsolo. Na verdade não vejo nada de mais, apenas um monte de neve, neve e maaais neve.
Há alguns cães que ficam pulando em mim mas é só eu acariciar ou jogar um graveto para buscarem que me deixam em paz. Asriel me acompanha o trajeto todo, até acho bom assim não me sinto tão sozinho como eu era.
Em nossa frente eu vejo duas pessoas conversando, uma parecia estar vestindo cachecol vermelho e a outra um casaco azul.
-Mas que merd... - Nem termino a frase e os dois já me vêem. -
-Ah, hey pivetes. - O de casaco azulado acena em nossa direção. - Novato, huh?
-A-Ah Olá Sans! Olá Papyrus! - Asriel sorri acenando de volta. - Nós temos um novo amigo conosco!
Ah puta que me pariu não me chama de amigo.
-OLÁ HUMANO! - O de Cachecol vermelho se aproxima cumprimentando-me. - MUITO BOM TER NOVOS AMIGOS NO SUBSOLO! SEJA BEM VINDO!
-Uh... Obrigado. - Recuo a mão para trás do corpo. - Sou Chara.
-Chamo de pivete mesmo assim. - Sans diz com as mãos no bolso do casaco. -
-Oh como ia eu dizendo... SANS! VOCÊ NÃO PEGOU SUAS MEIAS! - Papyrus parece bem irritado. -
-Peguei sim. - O seu irmão mais velho parece totalmente desinteressado. -
-POR QUE ELA AINDA ESTAVA NO CHÃO?
-Oh, você disse para pegar e não mover ela.
-AGH! EU MESMO PEGO! - Papyrus dá um passo e Sans o segura. -
-Relaxa, eu pego depois mano. - Sans sorri dando de ombros. -
-Humf... Espero que sim! OH QUASE ME ESQUEÇO! - Ele vai em nossa direção de novo. - COMO UM GRANDE E FUTURO GUARDA REAL, LHE DOU ESTA FAIXA DE BOAS VINDAS, CONSIDERE-SE SORTUDO POR TER GANHO UM PRESENTE DO GRANDE PAPYRUS!
Ele amarra uma fita em meu pulso e eu só sorrio agradecendo-o.
Sans havia cabelo branco com pontas acizentadas, possuía olhos azuis bem marcantes, vestia um casaco azul escuro com uma camiseta branca por baixo, possuía um sorriso irônico em sua fase enquanto vestia uma bermuda preta com uma listra branca na lateral acompanhado de um tênis azul claro.
Seu irmão Papyrus não era tão diferente mas seu cabelo era mais ajeitado, os olhos de cor alaranjada e vestia-se como um guarda. Suas roupas eram inteiramente brancas com detalhes amarelos, ele possuía uma bota avermelhada junto com seu cachecol e também vestia luvas que por sinal também eram vermelhas.
Eles pareciam ser uma dupla bem divertida...
...Bem, para uma briga de um preguiçoso e um orgulhoso.
-Hey Chara! - Asriel me chama. -
-Hm?
-Talvez você vá gostar de alguns outros montros mais pra frente! - Ele sorri gentilmente. -
-Uh... Espero que sim.

= Terceira Semana. =

-Para onde está me levando, Asriel? - Pergunto sendo puxado por ele. -
-Em hotland, há uma doutora com sua namorada que acho que vai gostar! - Ele sorri gentilmente. -
-Ô se vou. - Digo ironicamente. -
Andamos por um lugar quente pra caralho vestido com moletom logo parando em frente à um laboratório enorme, ele dá dois leves toques na porta e a mesma abre na hora.
-Vamos! - Ele sorri entrando no laboratório me convidando pra entrar. -
Bufo indo logo atrás dele olhando em volta vendo que há vários papeis espalhados pelo chão, uma tela ENORME na parede e várias máquinas pra cá e pra lá, cara pelo menos estava mais fresco que o inferno que estávamos andando.
-E então cadê elas Asr... - Mal termino a frase e uma lança perfura o chão bem a minha frente. -
-INTRUSOS! NGAAAH! - Ouço um grito feminino logo vejo mais lanças virem em minha direção porém pego a faca que estara em meu bolso rebatendo todas as lanças de volta. -
-U-Undyne! Calma! Ele é meu amigo! - Asriel fica em minha frente. -
-Mais um? Ah... Isto me cansa. - A mulher diz assoprando a franja com uma garota atrás dela. - Pode sair Alphys.
-U-Uh... O-O-Oi! - A Alphys me dá um aceno sendo mais tímida que o Asriel. -
-Oi. - Digo rapidamente. -
-V-Você d-deve ser o novo humano! P-Papyrus não parava de comentar sobre você!
-Ah... Entendo. - Fico com as mãos atrás do corpo. -
Alphys continua me puxando assunto mas sinceramente eu não tava nem aí porém respondo porque Asriel parece ficar satisfeito com isso.
Undyne tinha um sorriso mais forte e determinado que eu já vi em minha vida, seus olhos dourados acompanhado de um longo cabelo vermelho amarrado em rabo de cavalo, ela usava um top preto exibindo os músculos que ela tinha, com certeza ela é uma pessoa bem guerreira.
Alphys parece uma garota nerd, usava óculos e possuía olhos castanhos claros, seu cabelo era curto e todo ajeitadinho loiro, vestia um jaleco de laboratório e isto entregava grande parte de seu jeito que era alguém bem inteligente.
Ambas não se desgrudavam uma da outra, ainda bem que Asriel me avisou que eram namoradas de não eu teria sérias dúvidas sobre este relacionamento.

= Muito tempo depois. =

Como descrever o que sinto, quando eu caí no subsolo eu havia um grande vazio em meu peito como se nada mais importasse para mim. Mas algo havia mudado.
Fiquei tanto tempo conversando com eles que mal percebo o quanto melhorei socialmente, fico olhando para a fita em que Papyrus amarrou em meu pulso no dia em que nos conhecemos e eu fico imaginando como que conseguem ser tão felizes?
Conheci bastante gente como Sans, Papyrus, Undyne, Alphys... Ah! Eu conheci Mettaton e Napstablook que são primos bem próximos! [Eu shippo].
Asriel continuava ao meu lado independente do que acontece e isto me faz ter sérias dúvidas de nosso relacionamento, no primeiro dia eu já dei um pega nele de brincadeira só pra ver sua reação porém... Eu realmente estou começando sentir necessidade de fazer aquilo com ele para saber o que ele também realmente sente por mim, não é possível que alguém fique tão grudado sem sentir algum sentimento a mais.
Por isso eu planejei perfeitamente as coisas.
Falei para a mamãe e o papai que o Mettaton convidou eles para visitar o restaurante inaugurado dele e que eu e o Asriel ficaríamos bem cuidando da casa.
Sendo sincero até que eu estava nervoso mas estufei o peito de ar e continuei até o fim.
-Hey Asriel! - Chamo ele do quarto. -
-Sim? - Ele vai até mim. -
-Eu... Quero fazer uma experiência contigo. - Após ele entrar no quarto eu fecho a porta com o calcanhar do meu pé logo indo em sua direção. -
-Que tipo de... Experiência..? - Ele me olha com um certo espanto em seu rosto. -
-Experimento do prazer.
-O qu... - Interrompo Asriel com um beijo já intenso, eu já nem queria mais perder tempo. -
Empurro ele contra a parede pressionando o joelho no meio de suas pernas enquanto minhas mãos percorrem pelo seu corpo por baixo das roupas.
-A-Agh... P-Pare com isto! - Asriel começa dar baixos gemidos com os olhos fechados. -
-Oras, se está me mandando parar, por que não me para? - Continuo percorrer minhas mãos por seu corpo, acabo não recebendo resposta então coloco uma das mãos em cima de seu membro logo apertando sem piedade logo ouvindo um alto gemido vir dele. - Me responda, Asriel...
-E-Eu... AH! - Ele segura meus ombros porém não reage contra mim. -
-Primeira regra Asriel, nunca deixe de me responder. - Aperto seu membro ainda por cima da calça logo começando desabotoar seu jeans. - Sabe que eu odeio pessoas que me deixem no vácuo, não é?
-S-Sim... - Ele assente extremamente vermelho de vergonha. -
-Segunda regra, não me mande parar, sabe que do memso jeito, eu irei fazer. - Coloco meus lábios em seu pescoço sentindo um arrepio vindo do mesmo logo começo lamber tal região.
-A-Ah Chara... - Ele coloca uma das mãos atrás de minha nuca, parece que finalmente largou o cu doce e resolveu admitir que queria era sexo. -
Puxo ele da gola empurrando-o para cama logo começo retirar sua camiseta logo percebendo seu corpo magro mas aquilo não me incomodava na hora, fiquei por cima dele beijando-o logo mordendo seu lábio inferior, eu me sentia bem por estar no poder mas principalmente por ele corresponder aos meus atos.
-Ah.... Ah... C-Chara... - Ele geme lentamente. -
-Heeey... Sempre quis saber o gosto desta gracinha aqui... - Ele me olha assustado logo coloco um dedo indicador em seu mamilo massageando o mesmo lentamente logo coloco o outro em minha boca chupando o mesmo.
-A-AH! CHARA! - Asriel desta vez geme alto ao meu ato. -
Fico por alguns segundos chupando aquilo logo encaro-o dando um sorriso malicioso.
-Aah... Parece que não sai nada não? - Coloco uma das mãos em sua calça puxando o mesmo para baixo junto com a cueca. - Mas sei de algo que libera um líquido...
-O-O qu... - Ele tampa a boca envergonhado por estar inteiramente nu para mim agora. - C-Chara...
-Caalma... Irei fazer você produzir este líquido da melhor maneira... - Puxo ele logo o deixando de costas para mim. - ...Ou da maneira mais prazerosa...
Pego a faixa que estava em meu pulso dado por Papyrus logo amarro em cima de seus olhos.
-C-Chara... O que irá fazer...? - Ele me pergunta na maior inocência. -
Não respondo sua pergunta, começo desabotoar minha calça abaixando a mesma até a altura dos joelhos junto com a cueca logo me aproximo dele mordendo sua orelha por trás logo sussurrando.
-Só relaxe... Pode doer. - Dito isso, penetro nele sem a menor hesitação com as mãos agarrando sua cintura para que não haja nenhum erro ou interferência dele. -
-AGH! A-AH! C-CHARA! - Asriel geme extremamente alto logo apoiando as mãos na cama ficando de quateo agarrando nos lençóis com a respiração ofegante. - O-O QUE É  IST...
Começo rir lentamente, eu não respondia suas perguntas mas sei muito bem que ele faz estas perguntas por impulso mas no fundo sabe o que realmente significa.
Começo estocar lentamente já que eu queria saber o seu ponto fraco, ele continua gemer sem parar e a medida que vou aumentando a velocidade ele vai aumentando o som numa verdadeira sincronia.
Eu já ia acelerar o ritmo até que em um determinado momento ele acabou gemendo mais alto.
-...Achei... - Sussurro fazendo com que ele me oussa. -
Logo começo estocar rápido e forte tal região, já que eu estava quase no final, inclino-me um pouco mais à frente agarrando seu membro fazendo fortes movimentos para cima e baixo o masturbando fazendo com que ele quase grite no meio dos gemidos.
-A-AAAH! CHARA! - Ele geme alto. -
-Iiiisso garoto...
Continuo estocar e o masturbando o mesmo tempo, até que nós dois chegamos no ápice tendo o orgasmo. Saio de dentro dele logo deitando-me ao seu lado com os olhos fechados.
Apenas sinto Asriel deitar sobre meu peito extremamente ofegante me dizendo algo entre seus gemidos que ainda não foram-se.
-E-Eu te amo...
-Eu também te amo. - Sorrio colocando um braço em volta dele logo caímos no sono. -
Yeah, Alphys comentava essas coisa de anime comigo e ela falou que existe essa coisa de "Fazer shipp", mas eu só vejo ela com desenhos de casais de homem com mulher então...

Eu decidi fazer um "Chariel Diferente".


Notas Finais


Agradecemos a leitura.
Talvez em breve haja outros shipps em diferentes universos alternativos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...