História Differents Shades of Blood - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Davina Claire, Elijah Mikaelson, Hayley Marshall, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Rebekah Mikaelson
Tags Amor Verdadeiro, Drama, Família, Familia Mikaelson, Mistério, Morte, Passado, Revelaçoes, Romance, Sobrenatural, Suícidio, Traição, Vingança
Exibições 38
Palavras 2.127
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hello Honeys, adivinha quem voltou depois de ficar mais de três semanas sem postar? Isso mesmo, euzinha, kkkk.
Sorry ficar tanto tento sem atualizar, mas minha mãe demorou muito na casa dos meus avós, e depois meu cachorro morreu, então...... eu não consegui escrever nem um capítulo, até ontem.
Bom, chega de enrolação e vamos ao capítulo.

Tradução do Capítulo: A Verdade Velada

Capítulo 5 - Chapter V - The Veiled Truth


Então eu passo a lembrar de quando
Meu irmão e minha irmã dormiam
Em lugar destrancado
Esse é o único momento em que eu me sinto segura

Lights - Ellie Goulding

 

POV: Rebekah

- Qual é, vocês não podem recusar um convite desses. - falei para Hayley e Emily enquanto a gente saía de uma lanchonete.

Estavamos fazendo compras à horas, entrando e saindo de todas as lojas de a gente achava interessante. Eram tantas sacolas que eu já tinha até perdido as contas.

- Não, Rebekah, você pode até estar solteira, mas eu sou uma mulher casada. - relembrou-me Hayley, erguendo a mão esquerda e mostrando a aliança em seu dedo anelar.

- Também não precisa tripudiar em cima né, Hayley? - me fingi de ofendida. - Mas e você, Emily, vai comigo na boate hoje, não é? - perguntei.

Emily, que até aquele momento sugava o canudo de seu milkshake sem se importar com a minha proposta, ergueu os olhos para me incarar.

- Hããã... eu não sei não, Rebekah. - Emily disse depois de soltar o canudo. - Eu ainda estou sendo obrigada a ficar dentro daquela casa, então não sei se o seu irmão vai deixar a gente sair pra ir a uma boate. - explicou-se depois de eu lhe fuzilar com os olhos.

- Se você não for por bem, vai por mal. - ameacei.

Emily ficou em silêncio por algum tempo, até que ela suspirou alto e respondeu:

- Tudo bem, Rebekah, eu vou pra boate com você. - ela disse e eu sorri. - Mas se o seu irmão fizer algo de ruim comigo, a culpa vai ser sua. - alertou apontando o dedo para o meu rosto.

- Não se preocupa não, o pior que ele pode fazer com você é te deixar sem andar por alguns dias. - falei com um sorriso malicioso.

Hayley não conteve a risada que insistiu em sair de sua boca, e Emily me deu um leve tapa no ombro, enquanto corava de vergonha e me repreendia.

Continuamos fazendo compras a tarde inteira. Passamos em uma loja de roupas pra noite e compramos os vestidos que usaria-mos na boate. Conseguimos até convencer a Hayley à comprar um vestido também, por que nunca se sabe quando podemos mudar de ideia.

(...)

Chegamos em casa já perto do final da tarde, e tinhamos comprado tantas roupas que precisamos da ajuda de quase cinco empregados para nos ajudarem. Niklaus e Elijah não estavam em casa, provavelmente procurando por Genevieve, e Kol estava na sala, tomando um como de bourbon enquanto ouvia uma música qualquer que tocava no som stéreo.

- Como foram as compras? - meu irmão perguntou fingindo interresse.

Apenas revirei os olhos e segui meu caminho até as escadas, assim como Hayley. Porém, Emily parou apenas para provocar meu irmão.

- Foi ótimo estar fora dessa casa e não ter que aturar sua insuportavelmente irritante presensa. - respondeu-lhe com um sorrisinho de lado, logo depois seguindo o mesmo caminho que Hayley e eu.

×××

POV: Emily

Entrei no "meu quarto" e fechei a porta. Depois de passar o dia batendo perna pela cidade, tudo que eu queria era tomar um bom banho e dormir, mas sabia que Rebekah viria me buscar pelos cabelos se eu não estivesse pronta no andar de baixo às 11 horas da noite.

Me joguei na minha, no meio de todas aquelas sacolas de roupas, e fiquei encarando o teto. Não sei ao certo quanto tempo se passou enquanto eu apenas pensava em tudo o que havia me acontecido nos últimos dois dias. Tudo era tão surreal que eu tinha a sensação de que acordaria à qualquer minuto.

Quando as lembranças dos meus pais vieram à minha mente, e as lágrimas começaram a se formar em meus olhos, me levantei e caminhei até a janela pra pegar um ar puro. Abri as cortinas e deixei o ar puro entrar no quarto. O vento era frio, e um pouco incômodo, mas suportável. Depois de alguns minutos notei a carro de Klaus adentrando a prôpriedade, e só então percebi que não o havia visto o dia inteiro. 

Desceram do carro Elijah e uma mulher que eu desconhecia, e não muito depois saiu Klaus. Os três seguiram para dentro da casa e eu saí da janela, voltando a me sentar na cama.

Não demorou muito para eu escutar uma batida na porta.

- Quem é? - perguntei me levantando.

- Sou eu, Hayley. - ouvi a voz da morena do outro lado da porta.

Caminhei até a porta e a destranquei. Ao abrir a porta, pude ver Hayley parada com o rosto um pouco aflito e angustiado.

- Eles chegaram, e Klaus está pedindo pra você descer. - explicou-me Hayley.

- Por quê? - questionei confusa.

- É melhor você descer, e tirar suas próprias conclusões.

Concordei com a cabeça e a acompanhei escada a baixo. O silêncio me deixava nervosa, mas ao chegar perto da biblioteca e escutar a voz de Klaus e de uma mulher - que eu supûs ser Genevieve - discutindo, preferia voltar ao silêncio.

Hayley e eu entramos na biblioteca/escritório e seguimos para o canto onde estavam Kol e Rebekah, já que Klaus, Elijah, e a tal Genevieve, discutiam no centro do cômodo.

- Não posso fazer muito por você Niklaus, - a ruiva falou nervosa. - mas posso tentar descobrir qual a ligação dela com a Katherine. - disse o último nome com desdém.

- Então descubra, porquê eu preciso saber como essa garota conseguiu abrir aquela cripta, sem nem ao menos pertencer ao mundo sobrenatural. - Klaus falou irritado.

- Preciso de algo que tenha pertencido à Katherine, e uma gota do sangue da garota. - explicou Genevieve.

Vi Klaus tirar um cordão de pedra azul do bolso e entregar à Genevieve. Minha cabeça latejou e eu vi aquele colar novamente, mas em outra cena, muito diferente da atual. Coloquei as duas mãos nas laterais da minha cabeça, e a precionei com força, tentando amenizar a dor, que se foi do mesmo jeito que veio, de repente.

- Tudo bem, Emily? - perguntou-me Hayley, enquanto apoiava a mão no meu ombro.

Concordei com a cabeça baixa e ergui a mesma, encontrando os olhos de Klaus, que me encarava com a mão estendia em minha direção. Hayley disse para eu ir em frente, e assim eu fiz. Segurei a mão de Klaus com receio, e fiquei frente a frente com Genevieve, que tinha os olhos focalizados na mão de Klaus que eu segurava.

- Qualquer um poderia facilmente confundir ela com a Katherine, Niklaus. - Genevieve disse e eu me senti desconfortável por, mais uma vez, ser comparada com a Katherine.

- Ande logo com isso, Genevieve. - Klaus falou friamente.

A ruiva segurou minha mão e tirou uma adaga do bolso, me encarando nos olhos logo em seguida, apenas para me dizer com um sorrisinho de lado:

- Vai ser só um cortezinho.

E então ela cortou a palma da minha mão e deixou o sangue pingar o pingente azul do colar. Tirei rapidamente a minha mão da dela e passei o polegar pelo sangue que ainda escorria, levando o mesmo a boca, apenas para não sujar a roupa que eu usava.

Genevieve começou a recitar um feitiço em uma língua que eu desconhecia. Ela repetiu o feitiço algumas vezes, até que de repente parou. Começou a escorrer sangue do nariz de Genevieve, e então, ela abriu os olhos assustada, soltando o colar - que teria caído no chão, se Klaus não tivesse pego o mesmo antes disso. Elijah estendeu um lencinho para a bruxa limpar o sangue que havia escorrido de seu nariz, e a mesma aceitou.

- E então, viu alguma coisa, bruxa? - Rebekah perguntou friamente.

- Tudo que eu consegui ver foi que essa garota é mais do que uma simples duplicata, ela está mantendo vivo o espírito da Katherine. - a bruxa falou e eu me assustei.

- Mas... como? - Hayley questionou confusa.

- Não consegui descobrir, Katherine me impediu de prosseguir com o feitiço, e quando eu insisti, ela disse que iria fazer eu me arrepender se tentasse novamente. - explicou Genevieve.

Enquanto todos falavam e discutiam sobre o que Genevieve estava dizendo, eu apenas fiquei parada, sem saber o que falar ou o que fazer naquele momento. Fui tirada de meus devaneios quando Genevieve pegou suas coisas e se direcionou à saída.

- Emily. - Genevieve chamou meu nome e por extinto eu me virei. - Sinto muito, eu não queria ser você. - falou e depois saíu do escritório.

Sem terem o que dizer, todos os originais saíram do cômodo, deixando apenas Klaus e eu no local.

- Tudo bem, Emily? - perguntou-me enquanto eu encarava o chão, sem coragem de olha-lo nos olhos.

- Não. - admiti erguendo a cabeça.

×××

POV: Klaus

Ouvi-la dizendo que não estava bem partiu meu coração, ainda mais sabendo que ela não era só a Emily, mas também era minha Katherine. Vê-la daquele jeito só me deixaria pior do que eu já estava, então tomei uma decisão:

- Emily, olhe pra mim. - pedi e ela o fez, encarando-me com aqueles olhos azuis que eu não via há mais de 500 anos. - Você vai se lembrar de tudo que Genevieve disse, mas não vai sentir nada ao se lembrar disso. Nem dor, nem tristeza, muito menos angústia. - Terminei de dizer, vendo seus olhos vidrados.

Sim, eu a compeli.

Emily respirou fundo e piscou duas vezes seguidas, como se tivesse saído de um transe.

- Eu tenho que ir me arrumar. - disse-me a loura.

- Se arrumar? - perguntei sem entender.

- Rebekah está me obrigando a ir com ela pra uma boate na cidade. - respondeu indiferente, logo em seguida saíndo do escritório/biblioteca.

O que a minha irmã tinha na cabeça? Com certeza não era um cérebro. Estou tentando não bancar o irmão malvado, mas a Rebekah parece pedir, em letras luminosas, para eu voltar a ser o híbrido sem coração de antes. Estava prestes a sair do cômodo quando vi Kol parado na porta.

- O que você quer, Kol? Vou logo avisando que não estou para suas gracinhas. - o cortei antes que ele pudesse começar com suas piadinhas de mau gosto.

- Só queria te dizer que estou imprecionado.

- Imprecionado com o que? - perguntei sem entender onde ele queria chegar com aquela conversa.

- Durante todos os 400 anos em que você esteve preso em Mystic Falls, nossos irmãos e eu achamos que você nunca iria ter sua humanidade de volta, pelo menos, não sem a Katherine. - ele disse adentrando o local. - Mas você a achou, em outro corpo, mas a achou. Encontrou a esperança da sua humanidade.

- Onde pretende chegar com isso Kol? - perguntei já sem paciência.

- Estou dizendo que, há 500 anos, Kath fez uma escolha, e acabou morta. Quem sabe dessa vez ela não faz a escolha certa? - concluíu com um sorriso de lado.

Não aguentei aquela provocação e me atirei em cima de Kol, o segurando de costas e forçando sua cabeça para cima, quase a quebrando.

- Não se atreva a encostar um dedo sequer na Emily, ou eu acabo com você, Kol. Fui claro, irmãozinho? - o ameacei, sufocando-o e forçando seu pescoço.

Estava quase quebrando o pescoço dele quando Elijah apareceu e me deu uma chave de braço.

- Você não vai conseguir nada tentando matar nosso irmão, Niklaus. - falou Elijah.

- Se você não me soltar, Elijah, eu acabo com o Kol e você vai ser o próximo. - rosnei.

Depois de muito discutir com Elijah, eu finalmente soltei o Kol e o mandei sair dali antes que eu me arrependesse de deixa-lo vivo.

- Em uma coisa eu tinha razão, Nik, essa garota vai ser a reacender a humanidade que nós achamos que não existia mais em você. - foi a ultima coisa que Kol falou antes de sair do meu campo de visão.

Elijah me soltou e eu pedi para ficar sozinho. Passei as mãos pelo cabelo e observei o cordão de Katherine que ainda estava em meu bolso. Aquela era uma das únicas coisas que haviam sobrado dela, além das lembranças. 

Caminhei até a estante de livros e corri os olhos por todos aqueles títulos, até que eu achei o que realmente me interessava. Peguei o caderno de capa avermelhada fechado por uma fina fita de cetim e o coloquei sobre a mesa. Me servi de um pouco de bourbon e sentei na cadeira de couro giratória, abrindo o caderno e levendo o que dizia na contra-capa:

"Diário de Katherine A.E.P. Starling".

[To be continued...]


Notas Finais


Link da Música do Capítulo: https://m.youtube.com/watch?v=0NKUpo_xKyQ

Colar Katherine: https://res-2.cloudinary.com/enjoei/image/upload/c_fit,fl_lossy.progressive,h_1200,q_70,w_1200/airaqjqqblyaz9s4jkq2.jpg

E então, desculpem-me pelo capítulo pequeno e até semana que vem (vou postar um capítulo por semana).

XOXO, Malu.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...