História Diga que me ama : Mesmo no Perigo - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 19
Palavras 4.553
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 5 - CINCO


Scote

-Ei! - Sinto algo em minha cabeça e me viro vendo uma maçã cair na mesa. 

Olho para frente e vejo Max me olhar com ironia clara. 

Will  sorrir e dá um gole em seu refrigerante. O cara é  viciado nessa porra. 

Mas em questão de vício eu não posso falar nada. 

-Acordou pro mundo dos mortais? - Max pergunta com um sorriso irritante 

-Vai se fuder - Digo antes de colocar uma batata na boca 

Will nega devagar 

-Pérola está querendo fazer um  tipo de reunião de meninas. Lá  em casa,  não acho uma boa ideia mas... - Ele dá de ombros e sei exatamente o que ele quer dizer mas não tem coragem. 

Ele não quer aceitar isso mas como a buceta  mestra da mulher dele é  quem manda ele não vai ousar interferir. 

Pois é,  Eu não sou tão delicado. 

-Ah,  cara. Logo isso passa - Max diz dando de  ombros. 

Reviro meus olhos 

O ruim de ter amigos que estão comprometidos é  que eles só  vão falar sobre o namoro,  noivado,  casamento e filhos. Quando você está solteiro se fala de sexo,  bebida,  mulheres e tal. 

Infelizmente  essa época já passou pra todos menos para mim. 

Ainda sou o único com a porra do cérebro na cabeça. 

-Mas até que não é  tão ruim assim. Ela vai chamar mais as meninas daqui mesmo. A Sel, Chlóe,  Eve, Olívia e a Anya. É  bom que elas pode animar um pouco a garota. - Ele diz dando de ombros naturalmente 

Sinto  uma sensação bem estranha quando escuto esse nome. 

Será que eu conheço essa menina? 

Bem,  pro meu corpo reagir assim ela dever ser ou muito linda ou muito feia. 

- Ela está melhor?  Sabe,  lá  da morte dos pais? - Max pergunta e Will abre um sorriso estranho. Não é  nem triste e nem feliz

- Ela está se recuperando. Fico feliz em dizer que em breve ela vai estar melhor. -Will me olha e Arqueio uma sobrancelha-Sem  dizer que Scote meio que salvou a vida dela esses dias. - 

Eu poderia ter me engasgado somente com o oxigênio. 

Que?! 

Max me olha surpreso e eu também poderia sair do meu corpo e me olhar surpreso. 

Lembro-me sim,  uma garota loira. Magrinha, que alugou o apartamento da Pérola, mas como assim? 

-O nome dessa garota não era Any? - Pergunto completamente confuso 

Will assenti para mim

Que porra?! 

-Sim,  Mas esse é  o apelido. O nome dela é  Anya,  Mas os amigos a chama de Any - Ele diz e eu Assinto devagar absorvendo as palavras 

Cara,  que loucura. 

Meu celular vibra e sei que já está na hora de ir encontrar a doutora Abigail. 

Despeço-me  dos rapazes e subo na minha moto indo em direção ao consultório dela. 

No caminho vou pensando nisso sobre eu ter salvado a vida dessa garota. 

Já estou quase no consultório quando paro em um sinal vermelho. Uma lembrança rápida vem em meu pensamento e me vejo completamente chocado. 

A garota de ontem,  da boate com a minha irmã. O nome dela era Anya. 

Ela também era loira e apesar de eu quase não ter visto o rosto dela no dia do acidente no apartamento,  tem um corpo parecido. 

Puta merda!! 

Muita  Puta merda!!

***

Anya

-Então Any  qual foi o momento mais interessante que você teve essa semana? - Essa pergunta costumava me deixar ainda mais nervosa. Só pelo simples motivo da minha vida ser tão insignificante  ao ponto de eu não ter nada o suficiente a dizer ser interessante. 

Mas agora eu tenho algo interessante,  graças a um homem completamente tatuado. 

- Eu quase cai da janela-Respondo suavemente 

A doutora Abigail para a xícara de cafe no meio do caminho até a sua boca. Ela me olha por baixo dos enormes óculos pretos de armador Grossos e piscam aqueles pequenos cílios de forma repetitiva. 

- Você quase caiu da janela? - Ela repete devagar colocando a xícara na mesa e Assinto. Ela repor fundo e volta  aquela pose de médica - Então,  pode me dizer o que foi o seu "quase "- Ela pergunta e parece realmente interessada 

-Um homem. Humm... Um homem apareceu  e me segurou. No exato momento que eu iria cair da janela. - Respondo também devagar 

De todas as pessoas do mundo eu sou a que mais entende como uma palavra mal encaixada em uma frase pode te fazer parecer um lunática. 

-Então... Um homem apareceu do nada - Doutora Abigail repete devagar como se pensasse - Por acaso quem é  esse homem? - Ela pergunta se levantando da cadeira enorme cor de vinho atrás da mesa 

Dou de ombros e olho pras minhas unhas 

- Não  sei. Eu realmente não faço ideia de quem seja. Eu desmaiei e só acordei no outro dia no hospital - Explico e ela assenti 

Abigail tira os óculos e os coloca em cima da mesa 

-Me responda Any,  mais alguém viu esse homem? - Ela pergunta e por mais que disfarce eu já estou acostumada a detectar aquela pitada de preocupação no tom das pessoas ao falar comigo. 

Assinto frustrada 

-Mesmo que ninguém tivesse a certeza se ele realmente existisse. Eu ainda assim saberia que ele existiu,  Eu não desmaiei no quarto e acordei inventando coisas. Não sou esquizofrênica  doutora. Mas sim,  a enfermeira confirmou a história, porque o homem me levou até o pronto Socorro. - Falo rapidamente

Doutora Abigail fica por um momento calada e depois assenti abrindo um sorriso 

-Parece que você tem um super herói - Ela sorrir - Ou melhor,  Um anjo da Guarda - Ela se senta novamente atrás da mesa

Dou de ombros com indiferença pura

-Deve ser - Respondo simplesmente e ela logo começa a fazer outras perguntas. 

A cada cinco segundos eu olho o pequeno relógio de parede. Suplicando para que esses 40 minutos passem o mais rápido o possíveis.

***

Scote

Eu realmente nunca acreditei nessa porra de destino. 

É  algo que  que mexe com todos os neurônios de uma pessoa. 

Se uma droga de maçã cai em minha cabeça,  um carro passa e joga água em mim e eu acabo chegando atrasado no trabalho. Não  vou simplesmente acreditar que isso iria acontecer,  porque teria que acontecer uma forma ou de outra. 

É  meio assustador você acreditar que sua vida está  escrita momentos por momentos e que você não pode mudar nada. 

Eu realmente não acredito nisso. 

Mas como eu disse antes,  meus amigos acreditam nisso. E por mais que eu não acredite,  tem momento que são assustadoramente  por acaso. 

Estou encostado em minha moto fumando um cigarro antes de entrar para o  consultório da doutora Abigail. 

Até que escuto alguém reclamar. 

-Porcaria! - Uma voz feminina me faz acordar dos meus pensamentos. 

Olho para o lado oposto de onde estou e vejo uma Fiat velha,  na verdade aquela droga nem deveria ser chamada de carro. É  horrível! 

Mas enfim,  vejo um corpinho pequeno dentro de uma enorme Blusa marrom e com uma calça de moletom tão horrível quanto o carro. 

Doutora Abigail deve estar realmente tratando de loucos por aqui. 

Vejo a garota chutar o pneu do carro e gritar alguns "droga" e "porcaria",  cruzo meus braços e abro um sorriso irônico. 

Essa menina talvez não tenha nem idade pra dirigir. Principalmente essa lata de sardinha mortal. 

Depois de alguns segundos de raiva e desespero a menina enfim cruza seus braços e encosta sua cabeça no carro. Tudo fica quieto e silencioso. Estou quase me virando para entrar no consultório quando escuto um soluço tão silencioso  que quase não consigo escutar se não fosse o silêncio mortal desse estacionamento. 

Olho para a menina e vejo seus pequenos ombros tremerem e ela continua com sua cabeça apoiada nos braços que estão no carro. 

Ela está chorando?  

Isso é  realmente sério? 

Bufo,  uma das coisas que eu realmente odeio é  drama. Não importa a situação,  ou o momento. Eu definitivamente  Não tenho estômago algum pra dramas. 

Por mais que eu prefira levar dois tiros a admitir em voz alta, Eu curto a Chlóe desde a época da escola é essa coisa de zero drama. Chlóe não tem drama nenhum em sua vida. Nada de coisa de menininha ou aqueles dramas básicos que as mulheres fazem para amolecer  o coração dos homens. 

Isso não cola comigo. 

Reviro meus olhos. 

Vejo que a menina funga um pouco,  por mais que eu queira entrar logo nesse consultório pra bem longe dessa garota. Minhas pernas não se movem. A imagem dela ali encostada ao carro com puro desespero me faz me sentir um merda. 

Exatamente isso. 

Um merda. 

Suspiro 

Inferno! 

Ando devagar na direção que eu não deveria estar indo de forma alguma. 

A cada passo posso escutar melhor os soluços abafados pelo seu braço. 

Coloco minhas mãos no bolso da minha calça, e respiro fundo. 

-O que aconteceu com essa porcaria? - Pergunto 

Vejo a garota se assustar e ela se vira com uma expressão completamente assustada

Lembra quando eu disse não acreditar em dessa droga de destino?  Mas que às vezes acontecia uma droga de momentos assustadoramente por acaso. Que sai bem aterrorizante?  

Pois é. 

Bem a minha frente está a responsável por acabar com meus sonhos na última semana. 

Só  pode ser brincadeira 

- Você... - Ela sussurra baixo me olhando e por alguma razão ela se lembra de mim. 

Ela rapidamente leva as mãos ao rosto secando o mesmo rapidamente como se não quisesse que eu visse sua fraqueza. 

Bem,  aparentemente ela não gosta de drama também. Então ela estava chorando por simples frustação. 

-O que aconteceu com essa droga que você chama de carro? - Pergunto arqueado a sobrancelha 

Sabe quando você vê a sua frente um cachorrinho bonitinho e fofinho se transformar na porra de um animal possuído pelo demônio louco pra arrancar sua perna?  

Anya espreme seus olhos na minha direção e cruza seus braços. 

- Eu não estou pedindo a sua ajuda - Ela responde de forma rude. Ou pelo menos tentando ser rude. 

Um sorriso se abre lentamente em meu rosto. 

Normalmente as pessoas se assustam comigo e se afastam por medo. Algo que eu definitivamente gosto. 

Eu gosto da minha solidão. 

Mas ela é diferente, Anya não está com medo de mim, e sim com raiva. 

Ainda não sei o porquê da sua raiva. Sinto que não é porque "insultei" essa droga de ferro Velho. 

Pensei que ela agradeceria, afinal, eu a salvei de bater com a cara contra o asfalto depois de cair do quarto andar. 

- E eu não estava oferecendo-Dou de ombro com pura indiferença 

Eu realmente não estava oferecendo ajuda. 

Ela me olha e vejo por um momento uma expressão de choque em seu rosto Mas logo é disfarçada pela raiva. 

Até que ela é bonitinha. 

Que?  Não, nada de bonitinha. 

Não vou vir com essa de bonitinha. Nada que começa com "inha" dá Um bom final depois. 

É assim que sempre começa. 

Ahhh!  Eu já estou começando a pirar. 

-Então você já pode ir  - Ela diz ainda com a raiva explícita. 

A garota se vira e  anda em direção ao porta malas do carro. Eu sei exatamente o que ela está tentando fazer, Ela quer fingir que sabe muito bem o que está fazendo. Mas as lágrimas que estão secando em seu belo rosto e as suas sobrancelhas franzidas mostram o oposto. 

Cruzo meus braços e olho para ela, a mesma não se vira para mim em momento nenhum. 

Sorrio sadicamente e me viro. 

Estou andando em direção a entrada do consultório quando aquela sensação de merda volta novamente. Foda se eu já fiz coisa muito pior que deixar uma mimada sozinha em um estacionamento eu posso sobreviver com isso. 

-Scote- Escuto o meu nome sair perfeitamente suave pela sua voz doce 

Paro como se meu corpo se sentisse atraído por ela. 

Viro-me um pouco e vejo aqueles enormes olhos azuis me olhando com uma súplica não dita 

- Você... Você poderia me  ajudar? - Ela pergunta me olhando e sinto uma sensação estranha. 

Não! Não sou Príncipe encantado!

Eu sei o que vejo em seus olhos,  esperança. A raiva se transformou em esperança. Sei muito bem como são garotas como ela. 

Se você é  simplesmente gentil elas fantasiam com um amor eterno e um Príncipe em cima de um cavalo Branco. Mas surpresa! Eu não sou gentil e nem um Príncipe,  muito menos tenho a porra de um cavalo Branco. 

Então essa não é Pra mim. 

Ando devagar até  ela e percebo que ela prende a respiração. 

Sinto seu corpo tão próximo ao meu que posso senti o calor que irradia do seu corpo. A mesma morde suavemente o lábio inferior,  e  com toda certeza isso é  uma das coisas mais sexy que já vi. O que já  É  fodido demais! 

Eu sei que a atração entre mim e ela é quase palpável, sei que ela também sentiu. A forma como sua respiração acelera,  sua pulsação no pescoço está descontrolada e a forma como ela Mors o lábio mostrando seu nervosismo. Eu também estou fodidamente atraído por essa garota,  meu pau comprova muito bem isso. 

Porém,  Eu sei que essa atração não é  Real. Pelo menos de mim não é. Essa atração é  falsa,  criada pelo momento. A atração da tentação,  assim como a maldita maçã do Jardim do Eden. 

Era proibido, mas mesmo assim o idiota do Adão comeu, porque a tentação é atrativa. Se algo fosse completamente permitido você não sentiria nenhuma tentação em ter. 

Você pode ter dois sorvetes a sua frente,  o fato de um ser completamente permito a você para comer a qualquer momento e o outro ser completamente negativo a você. Sendo de outra pessoa que não lhe permitiu acesso a ele,  o que você faria?  Você poderia até comer o que lhe é permitido ,  Mas no fundo a maldita tentação de provar o outro sempre existirá,  Pelo simples fato dele não lhe ser permitido. 

E nesse momento Anya é  o meu sorvete não permitido. 

Eu sei que é  Grosso eu comparar ela com um sorvete que não posso comer. Mas vamos ser realista,  ela é  deliciosa só  de olhar e eu realmente quero come-la. 

Mas não posso de forma alguma em momento nenhum. 

E isso faz com que meu desejo por ela aumente  ainda mais. 

Viu?  Atração tentadoramente fodida. 

-Eu  Não faço caridade gostosa - Digo olhando no fundo daqueles olhos verdes,  tão hipnotizante e lindos que chegam a me assustar -Mas se quiser posso te fazer um favor, juro que você vai adorar -Abro um sorriso malicioso e mando um olhar secante para seu corpo que ate uma criança de 5 anos notaria. 

Seu olhar muda novamente e vejo toda a esperança se apagar e ser substituída pela raiva. 

- Você é  um... - Ela começa a falar mas logo para e fecha os olhos respirando fundo. 

Arqueio minha sobrancelha. 

- Que foi?  Por acaso a menininha não xinga? - Zou ela, mas pela sua cara de poucos amigos tenho certeza que toquei em um ponto de sua vida. 

Cara,  ela realmente não xinga? 

Isso sim é  um milagre. 

Pelo menos 99% das garotas de Nova York tem a boca mais suja que um caminhoneiro. 

Lesley com toda certeza ajuda e muito nessa porcentagem 

Anya me olha como se sentisse nojo. 

Isso mesmo, cada momento melhora mais. De raiva para nojo está ótimo. 

Quanto mais raiva ela sentir de mim melhor, Isso nos dá  uma distância segura. Eu pelo menos terei certeza que ela manterá distância de mim... já eu... 

Ela se vira e pega um tipo de... celular?  Ah sério?!  O carro dela já parece ter saído dos anos 70, agora  esse celular que provavelmente matusalém usou??  Esta de brincadeira!

Ela liga para alguém e anda um pouco de um lado para o outro. 

O que eu estou fazendo aqui?  Pergunto-me, mas não consigo mover meu corpo. Ela é tão linda e tão.... Tão... Angelical...

Isso!  Angelical!  Tão linda como um anjo!  

Sim,  um lindo anjo. 

- Alô?  Taylor? - Ela fala com alguém do outro lado da linha. 

Taylor? 

Sinto um tipo de raiva,  o que claro já  É  normal para mim. Eu sempre estou sentindo raiva que até estranhei... Não estava sentindo raiva até agora... Até esse Taylor aparecer. 

- Eu estou Hum.... - Ela olha pro carro e coça o pescoço parecendo envergonhada ou preocupada,  talvez os dois -... Não está tudo... Bem. Eu só... -Alguém fala alguma coisa do outro lado e ela abre uma expressão triste - Ah,  claro. Esqueci que hoje você estaria saindo da cidade com Olívia. - 

Hum.... Melhorou,  Olívia... Será a namorada desse cara?  Mas também pode ser a irmã. 

Respiro fundo e pego um cigarro em meu bolso. 

- Não... Tudo bem.... Eu só queria... um pouco de chá  -Percebo que ela tenta melhorar o tom de voz. 

Incrivelmente falho. 

-Tudo bem... Mesmo-Ela sussurra segurando fortemente o celular ao ouvido-Te amo também. - 

Essa última frase me atingi. 

Será que ela tem namorado?  

Esse tal de Taylor é namorado dela?  

Eu já escutei esse nome antes,  será que Pérola já falou sobre esse idiota? 

Foda se 

Puxo a fumaça pela minha garganta e solto a fumacinha branca sentindo meu corpo se aliviar. 

Anya se vira e olha para o meu rosto e logo seu olhar desce pra minhas mãos onde tem um cigarro. Não deixo de perceber a careta em seu rosto. 

Ela deve ser mais uma humanista contra fumaça e óleo industrial e essas merdas todas. 

Só para implicar mais com ela, levo o cigarro lentamente ao meu lábio e puxo a fumaça a prendendo em meu pulmão. Logo depois o solto lentamente pelo meu nariz. 

Anya faz mais uma careta, mas percebo seu olhar hipnotizado em meus lábios onde Ainda tenho o cigarro preso. 

Tentação maldita. 

-Então?  Seu namoradinho não vai vir? - Pergunto rudemente. 

Nem eu entendo o porquê da minha raiva então não me pergunte. 

Ela Franze a sobrancelha  sem entender e balança a cabeça claramente mais preocupada pelo seu carro de sardinha. 

O clima está ficando mais fresco, e esta anoitecendo. 

Ela se vira e começa a andar em direção a entrada do consultório. 

-Hey gostosa, aonde vai? - Pergunto mais para irrita-la do que pra realmente saber. 

Estou pouco me fudendo pra onde ela vai ou não. 

E sim,  Eu vou embora. Eu só fiquei aqui até agora por que... Gosto de vê-la com raiva. 

Tenho um lado sádico que Anya consegue soltar. 

- Não que te interesse, mas eu estou indo ver se consigo um travesseiro - Ela diz ainda sem parar de andar pelo estacionamento. Jogo o cigarro no chão e piso em cima pra apagar. 

-Travesseiro?  -Dessa vez ela me pegou 

A gostosa nem se vira para me olhar com seus lindos olhos azuis revoltados. 

-É. Já que eu vou dormir hoje no carro, Tenho  pelo menos um travesseiro. - Ela diz andando. 

Paro e não a sigo. 

O que essa retardada falou?! 

Pisco tentando processar. 

Ela vai dormir aqui nesse estacionamento? 

É como se aquele espírito bom e divertido que tinha em mim nos últimos minutos não tivesse existido e volto ao meu normal. 

Essa garota é louca?! 

Seguro em seu braço e a viro para mim. 

Ela não vai mesmo dormir nessa porra de estacionamento. 

Inferno! 

***

Anya

Simplesmente existem pessoas te conseguem tirar o seu extremo. 

O seu lado mais amoroso, mas também o seu lado mais diabólico. 

Nesse caso: Scote só consegue tirar o meu lado mais estressado. 

Ele simplesmente é irritante e tão.... Indiferente. 

Algumas pessoas podem sentir medo dele,  Eu simplesmente sinto raiva. Muita raiva. 

O que claramente não é normal, já que eu também quero beija-lo. 

-Hey gostosa aonde vai? - Escuto a voz dele atrás de mim. 

Eu sei que ele está se divertindo com a minha situação. E também sei que ele não vai mover a droga de uma unha pra me ajudar. 

Reviro meus olhos mesmo sabendo que ele não pode me ver. 

Estão com tanta raiva!  

Aquele carro tinha que parar de andar logo agora? 

Ele já fez isso antes,  mas eu simplesmente não posso joga-lo fora. Aquele era o carro dos meus pais. 

Algumas pessoas após sofrerem um momento desesperador ou de pânico tendem a se afastar de forma qualquer coisa que os lembre daquilo. E claro,  o carro no qual eu sofri meu acidente e onde meus pais... Faleceram. Deveria me trazer muitos ataques de pânico. 

Mas ali foi onde eu encontrei meus pais novamente. 

Foi onde eles estiveram pela última vez. É  como a toda vez que eu entrasse ali eu ainda pudesse senti-los perto de mim. 

É  uma sensação inexplicável.

Não posso de forma alguma jogar aquele carro fora ou vende-lo. 

E  o fato de Scote vê-lo  como um monte de "merda" só  me faz sentir mais raiva ainda. 

- Não que te interesse mas eu estou indo ver se consigo um travesseiro - Respondo contra gosto. 

Continuo andando em direção a entrada do consultório. 

-Travesseiro? - percebo que por isso ele não esperava. 

Bufo 

É. Já que eu vou dormir hoje no carro, tenho pelo menos um travesseiro. -Respondo com raiva e contínuo a andar. Percebo que seus passos param má não olho para Ele. 

Finalmente ele decidiu me deixar sozinha. 

Ele pode ser o irmão de Lesley. Mas é  um completo..... Sacana

Estou subindo no primeiro degrau da entrada do consultório. Quando sinto uma mão firme e quente puxar meu braço,  meu corpo automaticamente cai para trás e sinto minhas Costas batendo contra um peito quente. 

-Você não vai dormir nessa porra de estacionamento- A voz firme de Scote me faz prender a respiração. 

Ah meu santo Deus! 

O corpo dele está tão próximo ao meu que posso sentir a vibração de suas palavras contra a minha pele. 

- Vo... Você não pode me dizer o que eu vou fa.. fazer - Gaguejo sentindo o calor de sua respiração  em meu pescoço. Por um momento fecho meus olhos aproveitando a sensação tão estranha, mas ao mesmo tempo tão boa em meu pescoço que não quero que ele se distancie nunca. 

- Estou mandando, não dizendo- Ele diz com a voz rouca em meu ouvido. 

Eu realmente não conseguir negar, nem se eu quisesse. 

***

Tem aquele momento que você se sente tão não desejada em um lugar que se sente ate mal?  Exatamente isso. 

Não consigo nem dizer que me sinto completamente exposta sentada a moto de Scote com meus braços em volta da cintura dele. Ele me fez segurar com força em sua jaqueta,  segundo ele se eu cair ele vai passar com a moto em cima de mim em vez de voltar pra me ajudar. 

E  bem,  Eu não quero virar cor de asfalto. 

Por mais que eu tente manter minha mente ligada o tempo todo me lembrando de que Scote não é  nem de perto o tipo de homem no qual eu deveria me aproximar. E que acima de tudo ele não é  o tipo de homem que se atrai por garotas como eu. 

Obviamente ele está se sentindo obrigado a fazer isso por Lesley,  ou por pena. 

Porém no fundo eu sei que Scote não é  o tipo de homem que sente pena de alguém ou que se sente obrigado a fazer algo. 

Então,  porque ele está me levando até o meu apartamento? 

Quando paramos no sinal vermelho sinto sua mão apertar a minha que está sobre a sua camisa. Sinto meu coração inchar e encosto minha cabeça em suas costas,  temendo que ele me mande me afastar mas ao contrário do que eu achava ele não o faz. 

A moto volta a se movimentar e quase suspiro de frustração quando vejo o prédio onde moro se aproximar cada vez mais. 

A moto para em frente ao prédio que está pintando de Verde. Olho para a entrada ainda com minha cabeça encostada em suas costas cobertas pela jaqueta. 

- Já pode descer da minha moto - Escuto a voz rude de Scote e sinto todos os segundos mágicos que passamos quando estávamos nessa moto desaparecer com um banho de água fria. 

Ainda confusa e um pouco desnorteada desço da moto. 

Quando minhas pernas se firmam no chão as sinto como gelatinas. Igual quando você fica minutos em um pula-pula. 

Só que dessa vez eu sei que foi por culpa da minha aproximação com Scote. 

Tão tola... 

-O... Obrigada-Consigo dizer e sinto uma vergonha enorme tomar conta de mim. 

Meu Deus!   Como eu fui capaz de deitar minha cabeça nele durante a viagem. Sendo que nem nos conhecemos direito. 

Fecho meus olhos por rápido segundos sentindo a maré do constrangimento me e tomar e  quando os abro vejo o olhar queimante de Scote em mim. 

-Ver se dá  um tempo garota. - Ele diz e acelera a moto fazendo um barulho que arrepia todos os fios da minha nuca - Eu não sou o que você acha que sou. Então não me olhe assim - Ele me mede dos pés a cabeça.

Por que de repente me sinto em uma máquina de abolição? 

-  Não sou o tipo romântico como você quer um cara, sou do tipo que come você e depois te fodo de todas as formas possíveis. Você não quer um cara assim-Ele diz e quase posso ver uma pitada de culpa em seu tom 

Mordo meu lábio com nervoso e sinto seu olhar descer para eles. Automaticamente solto meus lábios dos meus dentes. 

-Como sabe que eu não quero alguém assim? - Pergunto tentando não mostrar o quanto eu não quero que ele vá embora. 

Lentamente um sorriso perverso se abre em seus lábios. 

-Porque eu conheço esse olhar,  esse brilho especial que você está mandando para mim. Eu vejo esperança  Anya- Ele olha para o céu e quando seu olha volta para mim ele está sombrio -Mas eu não sou um Príncipe encantando,  não o tipo de cara que sentaria com você pra ver um filme de merda enquanto escuto sobre o seu dia. Eu sou fodido de todas as formas que você consegue imaginar,  e advinha?  Eu consigo acabar com cada gota de esperança  que existe em você. Sabe por quê?  Porque eu sou a porra de um demônio, eu sugo a vida das pessoas Anya. E eu não quero isso pra você - Ele fala de forma triste que faz meu coração se partir em mil pedaços 

Antes que eu possa contestar ele já partiu com si moto e a última coisa que vejo é  o seu corpo forte e imponente  dentro daquela roupa preta de couro. Sobre a moto vira na esquina e o som da moto sumir aos poucos. 

Suspiro me encostando à parede do prédio e fecho meus olhos. 

O que aconteceu aqui agora?  

Não sei. Realmente não consegui entender nem 70%

Não consigo entender como uma pessoa que me salvou de ser estuprada,  me ajudou a vir para casa e ainda foi tão... Gentil comigo enquanto estávamos vindo de moto. Consegue ser a mesma pessoa que é  rude, grosseira e mal educada. Despejando palavrões nas pessoas ao se redor e com aquela droga de cigarro na boca o tempo todo... 

Mas uma coisa eu sei,  Scote está longe de ser um demônio. E eu vou provar isso a ele. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


OIOI gente, tudo bem com vocês?

Que calor que tá aqui, Ai no estado de vcs está quente tbm? Meu Deus acho que vou morrer kkkkk

Então, mais um capítulo hshshsh PR quem está muito ansioso por momento Scote + Anya. Preparem o Heart, já chegando....

Um beijo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...