História Diga que me ama : Mesmo no Perigo - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 26
Palavras 4.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 6 - SEIS


Anya

- Orfeu era um poeta e músico na Antiga Grécia. Na mitologia contam que ele tocava a Lira com tanta emoção e sonoridade suave que até os animais mais selvagens eram capazes de se tornarem mansos. E sua voz era tão linda e suave,  uma perfeita melodia capaz de fazer as arvores dançarem em concordância. Até as pedras eram capazes de mudar lugar somente para seguir o ritmo de seu tocar. Enfim,  Orfeu era um cara muito bom. -Professora Hidra sorrir se sentando sobre sua própria mesa 

Sim,  o nome dela é  Hidra. E ela dá  aula de mitologia. 

Irônico não? 

-Orfeu era completamente e incontestavelmente apaixonado por sua arte. Mas existia somente um amor, além disso,  sua paixão ilustre por sua esposa Eurídice. Infelizmente o destino não queria que o nosso casal ficasse junto... -Um grande "ahhh" se estende  pela enorme sala de palestra e a professor sorrir. 

Ela é  bonita. Cabelo Preto curto quase em sua orelha, uma calça Jeans Preta que cobre bem seu quadril Largo bem estilo Kim Kardashian,  e  Um casaco vermelho de lã. Ela normalmente usa sapatilha Preta. 

Ela é  simples mas bastante simpática. E isso aí me faz gostar dela. 

Sua cumplicidade a faz ser a melhor pessoa nessa escola inteira,  tirando Lesley claro. 

-Existia um lugar chamado Vale do Tempe,  na Trácia. Lá  Eurídice foi mordida por uma serpente muito venenosa, e no mesmo momento Sua alma desceu para a escuridão dominada por Hades. Se lembram de Hades,  Não é? - 

Todos riem  E alguns gritam 

-Isso mesmo. Irmão do mal de Zeus e Poseidon. Ou no ponto de vista de alguns,   o irmão injustiçado. - Ela sorrir-Mas enfim,  Orfeu assim que soube da morte de sua amada,  pegou sua Lira e desceu ao Reino dos mortos através de uma caverna na região da Trespócia. Ele desceu pelo túnel  Ate o rio Estige,  nas margens do inferno. Lá  ele não usou força mas sim o seu maior poder que era a  arte. Com o toque de sua Lira hipnotizou Caronte  o barqueiro infernal e o convenceu a levá-lo ao outro lado do Rio. Depois amansou Cérbero com as notas de música,  porém  o que mais surpreende foi Orfeu ter tido a coragem de se apresentar a frente do trono imortal e tenebroso de Hades,  o Deus dos mortos,  que nunca até aquele dia tinha sido tocado pela piedade. Afinal ele é  Hades-Ela dá  de ombros e o pessoal rir novamente. Estou tão hipnotizada pela história que nem me lembro de anotar em meu caderno as partes mais importantes - Orfeu tocou a musica mais triste ouvida pelos imortais e mortais,  tão triste ao ponto de tocar a alma atormentada de Hades. Assim o Deus dos mortos concordou em libertar  Eurídice,  porém teria uma condição,  porque sempre tem uma. - Ela revira os olhos e reprimo um sorriso - Até Eridice estar novamente sobre a luz do sol,  Orfeu não poderia olhar em seu rosto em nenhum momento até saírem do mundo dos mortos. Podem pensar que foi fácil e que no final eles conseguiram viver felizes para sempre mas não foi isso que aconteceu. - 

Ela se senta novamente sobre sua mesa e olha a enorme sala de palestra. Seu microfone pequeno daqueles que se apoia no ouvido e fica só uma bolinha em frente a boca. 

- Orfeu subiu pelo túnel da caverna tocando sua Lira atraindo a alma de Eurídice. Ela ainda estava inconsciente,  mas assim que o sol a tocasse ela acordaria da morte. Durante todo o caminho Orfeu não olhou para sua amada,  porém quando estava quase no final do trajeto ele não consigo controlar o seu desejo que no caso foi maior que qualquer pingo de sensatez. Assim que ele colocou seus pés para fora da caverna seu rosto se virou para sua amada,  o que claro foi um erro terrível. Ela Ainda não havia visto a luz do sol,  então por um segundo ele conseguiu ver as feições da sua amada. Porém logo em seguida uma força do submundo a puxou novamente para dentro da caverna e dessa vez ela estaria perdida para sempre. Sem nenhuma chance de voltar a vida. E Orfeu terminou seus dias cantando seus versos tristes de um amor sofrido entre  as sombras da antiga Grécia. -A professora termina a história e o silêncio na sala é  palpável. 

Alguns parecem chocados,  outros tristes,  E alguns simplesmente... Conformados. 

-Agora: esta história nos mostra como o amor pode ser mortal como a agulha que fez a bela adormecida entra em seu sono profundo. Ou imortal com um felizes para sempre. Ele pode nos fazer pensar melhor, Só que ao mesmo tempo ele nos tornar insensatos. Sem pensarmos de forma certa e correta... Muitas vezes isso pode nos trazer complicações. - Ela da de ombro. 

Ela começa a escreve no quadro rapidamente com sua mão ágil 

- Para a próxima aula eu quero que me tragam um esboço  de como vocês veem  o sentimento,  as emoções que Orfeu sentiu tanto ao saber que poderia salvar a sua amada e viver feliz com ela ate a velhice e como ele se sentiu ao ver ela ser puxada de volta a escuridão do submundo. Sem poder salva-la. -A professora se vira para nós  com aquela alegria clara. 

Suspiro e fecho meu caderno 

Bate o sinal de que a próxima aula vai começar daqui a alguns minutos e todos se levantam das cadeias do auditório. 

Viro-me para descer as escadas e passar pela porta indo pro corredor,  mas a voz da Professora Hidra me para. 

Viro-me e olho para ela sorrindo pra mim 

- Anya, no final do ano terá uma exposição com os melhores quadros dos alunos de artes. Eu adoraria se você participasse. - Ela abre um sorriso e me sinto um pouco envergonhada. 

-Hum... o professor Wesley está me... Ajudando com isso-Digo devagar. Não sei se o que ele está me fazendo pode ser chamada  de ajuda. Mas enfim... 

-Ajuda? -Professora Hidra arqueia a sobrancelha - A querida aquele homem só  consegue ajudar a si mesmo. Não sei como você ainda não enlouqueceu - Ela abre um sorriso e pega sua bolsa e alguns livros que são com toda certeza maiores que ela - Se quiser posso ser sua tutora, não me incomodaria em nada com isso. E afinal,  não acho que Wesley seria muito saudável a você - Ela me manda um olhar brincalhão e sinto meu corpo relaxar - Eu mesma sinto vontade de jogar a droga da cafeteira nele na sala dos professores mesmo. - Ela me olha a fala baixo como se fosse um segredo - Ele é  um idiota - Ela abre um sorriso e não tem como eu não negar 

Saímos pelo corredor 

-Pense bem no assunto. Você realmente tem muito potencial Anya. Esse quadro pode ajudar muito no seu próximo último ano. - Ela abre um sorriso antes de se vira pelo corredor - Não  esqueça de mim. Posso ser um pouco irritante,  mas com toda certeza até uma pedra seria um tutor melhor que o Wesley. - Ela sorrir e sê vira pelo corredor indo na direção da sala dos professores. 

Suspiro andando até a escada que leva pro terceiro andar

Falando no Mala,  tenho aula nesse exato momento com ele. 

***

Scote 

- Eu não vou levar você a liga nenhum Lelsey. Porra! - Grito com a droga do celular enquanto termino de me secar. Pego uma Box qualquer e coloco,  logo após sigo até a sala ainda com a voz irritante da "louca" pelo celular 

- Você sabe que é  meu irmão?  Porque você não age como um!  É  um final de semana só  Scote, eu preciso urgentemente beber. - Ela diz como se fosse desesperada. Na verdade,  sim. Ela é  desesperada. 

Abro minha geladeira e pego uma cerveja logo após me jogo na frente enorme TV a minha frente 

- Não. Eu já falei que não vou dirigir por duas horas como um filho da puta só  pra você beber a porra de uma cerveja fora da cidade - Digo ligando a TV 

Meus neurônios estão explodindo 

- Você sabe como ninguém que não é  uma simples cerveja,  É simplesmente a melhor de toda a cidade. E parece que aqui no Centro não existe cerveja de qualidade! - Ela reclama no outro da linha - Você pode ir comigo!  Isso!  Vai comigo. Vamos beber,  ficar loucos e com a bunda cheia de álcool. -

Estou começando a achar que Lesley é  adotada. 

Não,  Ela é  fodidamente parecida  comigo. 

- Eu não vou sair da cidade em plena Sexta feira,  Eu ainda trabalho querida irmã. -Falo sem nenhuma vontade de sair mesmo. 

-Scote,  Pense bem. É  melhor você ir comigo do que eu conseguir outra carona. Obviamente Você  Não vai gostar nada nada de me ver nua em cima de um balcão com homens bêbados e sujos ao redor de mim. Não que isso seja da sua conta,  É claro. - Ela diz e Bufo 

Já sei que essa ideia está germinando em sua mente. 

Inferno! 

-Okay,  mas só  pra você saber. Eu te odeio-Falo antes de ligar o celular. 

Dou mais um gole na minha cerveja  E foco minha visão no jogo de beisebol  que passa na TV. 

***

- Está sabendo da novidade? - Will pergunta enquanto coloca uma enorme garrafa de vinho  dentro do carrinho. 

Dou de ombros com minhas mãos dentro  do bolso da minha calça 

-Michael e Eve vão se casar no final do mês. -Ele diz naturalmente

Permaneço com minha expressão intocável. Mas cara,  que porra tá acontecendo?!  

Do nada todo mundo começou a namorar e casar. Sério?  

Pelo o que eu sei,  Eles se conheceram no ano passado. Como assim já vão se casar?  

Suspiro  E fecho meus olhos. 

-Eles se conheceram faz pouco tempo,  Não é um pouco..... Precipitado não?  Michael realmente está desesperado pra segurar   a buceta da Eve assim? - 

Will me ignora e joga vários potes de leite condensado no carrinho 

Culpa da Pérola. Grávida e viciada em doces. 

- Ele simplesmente esta apaixonado,  Ela também ama ele. Não vejo nada de ruim nisso. Eu também me casei com Pérola de forma rápida e olha só  como estamos... - Ele coloca mais algumas idiotices que a ruiva pediu. 

Claro,  casado,  com uma mulher Grávida e cheia de hormônios. 

Meu sonho de consumo... Só me faltam uma corda e uma cadeira para me enforcar logo. 

- Estou feliz,  amo demais a minha ruiva e ainda vou ganhar dois lindos bebês. Realmente a vida não poderia estar melhor. Se Michael está  mesmo apaixonado por Eve,  Ele tem que investir nessa paixão. - Will diz como se fosse o Guru do amor. 

Reviro meus olhos enquanto tiramos as coisas do carrinho pra moça poder passar na maquininha 

- Não  sei qual foi a doença de vocês mas eu realmente não quero pegar - Digo abrindo  uma Sá com plástica 

Will abre aquele sorriso idiota dele de homem apaixonado. 

-No começo é  assustador mesmo meu amigo. Mas depois que seu coração é  conquistado,  você percebe como é  sortudo. O amor é  maravilhoso. Um dia você vai saber como é  isso. - Ele diz suavemente e paga a moça que sorrir de forma doce para mim. 

Bufo e pego meu cigarro. 

- Eu espero que esse dia demore bastante. - Falo com raiva 

Ele sorrir e bate de leve no meu ombro 

-O amor surge de uma hora para a outra. Olha pra mim,  em um dia eu estava bem no outro a Ruiva jaw ti há feito uma bagunça completa. - Ele sorrir 

Por isso mesmo eu  Não quero me apaixonar nunca. 

O amor transforma as pessoas em idiotas completas. 

Andamos até o carro de Will e o ajudo a colocar as coisas no carro. 

- Ah,  Não esquece que domingo é  a tal festinha de grávida da Pérola. O Michael j falou que vai nos dar uma força na comida,  má preciso que você Pareça lá  caso falte alguma coisa. - Ele diz e assinto 

Eu nunca negaria algo ao Will. 

Mesmo que provavelmente eu esteja com uma ressaca terrível por culpa da Lesley. 

***

Anya

Estou deitada em minha cama com uma enorme xícara de chá quando escuto alguém tocar o interfone. Daqui do meu apartamento. 

Levanto-me e  ando lentamente até  sala. 

Digamos que não estou no meu melhor momento apresentável,  uma calça de moletom mais velha que minha Vó,  uma blusa cinza enorme eu na verdade é  de Taylor mas é  provável que ele nem se lembre del,  então Okay. E claro, o chinelo de cinquenta anos de vida. 

Ainda tem o meu cabelo que é  uma situação triste. 

-Hum.... Oi? - 

-Me deixa subir gata. Aqui fora está escuro e não quero ficar grávida - A voz de Lesley me atingi. 

Abro um sorriso fraco e aperto o botão que abre o portão  lá em baixo. 

Não tenho muito tempo pra tentar me deixar igual um ser normal. 

Assim que batem a porta sei que é  Lesley. Abro a mesma e vejo minha amiga linda, com uma saia cintura alta vermelha e uma blusa branca do tipo curta que deixa bastante pele a vista. Seu cabelo Preto está preso em um coque meio solto. 

Ela definitivamente atrairia a atenção de qualquer cara. 

- Hey gata - Ela joga sua bolsa no meu sofá e cai logo em seguida nele. 

Sorrio fechando a porta 

-Está tudo bem? - Pergunto e ela assenti olhando pro teto 

- Eu estava pensando,  a gente deveria sair esse final de semana. Sabe?  Eu vou no sábado pra um bar ótimo que fica no finalzinho da cidade. Entre NY e Vermont,  que tal? - Ela me olha com aquela carinho esperançosa. 

Coloco um pouco de chá pra ela em uma xícara e um pouco mais na minha 

-Desculpa,  mas domingo eu tenho um compromisso o dia inteiro. Então acho ai não  é  uma boa ideia Eu sair no sábado. - Falo me sentando ao lado dela. 

Lesley me olha por alguns segundo talvez me Analisando e dá  um gole em seu chá 

-Vamos aproveitar Any, meu irmão costuma ser um grosseiro filho da puta. Mas ultimamente  Ele anda meio.... Bonzinho. Não sei por que, mas anda -Ela da de ombros -E ele vai  nos dar Carona. Tenho certeza que você nunca bebeu a cerveja de Vermont. É  simplesmente maravilhosa. - Ela diz animada. 

Obviamente eu sou fiquei no assunto ate a parte que ela diz que Scote vai nos levar. 

    

Ele vai nos levar?! 

É  uma ótima chance para eu vê-lo,  mas,  e se ele  Não quiser me ver?  Ele provavelmente ficar o vem irritado. 

Acho que é  melhor eu não ir. 

Mas... Lesley quer que Eu vá. Eu posso muito bem ir com ela. 

Eu não vou por causa de Scote. 

Não  mesmo. Nem um pouco. 

Bem,  talvez 5%. 

Mas só  isso. 

-Okay. Eu vou- Digo sentindo uma onda de adrenalina tomar meu corpo e juro a mim mesma que isso  é porque eu vou beber no sábado e tecnicamente estarei fazendo algo bem anti alguma coisa. Já que estarei na festa de comemoração  aos bebês de Pérola com uma baita ressaca. 

Mas tudo bem,  Eu passo por isso Pelo Sco.... Pela Lesley. 

- Você é  a melhor! - Ela do animada e me Abraça. No fundo sinto uma pitada de culpa me atingir. 

Mas logo a justiça de Deus vem sobre mim. 

-Amanhã depois da faculdade vamos ao shopping,  você precisa de roupa pra seduzir. -

***

Definitivamente odeio  ansiedade. 

Sentir seu estômago tremer e uma sensação tão excitante e terrível ao mesmo tempo,  que deixa a pessoa louca. Com toda certeza isso não é  legal. 

Estou olhando no espelho pela décima vez essa noite. Hoje durante o dia eu e Lesley fomos ao shopping,  claro,  lá  não é  o meu lugar preferido. Mas o que mais eu poderia fazer?  Quando Lesley germina algo em sua mente é  impossível de se tirar. 

Enfim,  depois de trocar instintivamente  de roupa durante as últimas horas. Decidi ficar com a calça preta do tipo que tem alguns cortes propositalmente,  uma blusa marrom meio de couro que tem um decote que eu com toda certeza não teria compra do se não fosse por Lesley,  Mas afinal,  já que estou na chuva vou me molhar de vez. E um salto que tem plataforma para que eu não caia e beije o chão. 

Meu cabelo está salto com Somente um pedaço de mecha que ficaria na frente do meu rosto como franja,  o mesma está presa acima da minha cabeça para trás. A maquiagem é  leve com Somente um batom meio Rosa e um pouco de cílios e lápis de olho. 

Assim que o interfone toca eu  já sei quem é. 

Pego a minha bolsinha e saio do apartamento trancando o mesmo. Desço as escadas  e oro dez vezes a Deus para que Scote não dê  um ataque e me mande voltar pro apartamento. 

Afinal,  Ele poderia muito bem fazer isso. Já que o carro é  dele. 

***

Tem momentos que você se sente dentro de uma cena de cinema. 

Lesley vem correndo até mim assim que saio do prédio,  ela está definitivamente  linda. 

Um vestido Preto que está muito bem ajustado ao seu corpo e termina um pouco acima da metade da sua coxa. Ela também usa uma botinha com salto que vai somente até o seu tornozelo.  Seu cabelo Preto esta solto com algumas ondas na ponta e claro,  aquela maquiagem de acabar com tudo. 

 - Você está linda amiga! - Ela praticamente grita. Abro um pequeno sorriso,  Eu me sinto um pouco.... Diferente. 

Ainda não sei se é para o bem ou não. 

Estou quase retribuindo o elogio quando vejo ia sombra sair do carro,  Meu olhar automaticamente se fixa nele. 

Meu Deus,  como pode ser tão lindo? 

Prendo minha respiração ao vê-lo. 

Lesley me olha e olha para o seu irmão que nesse momento parece pronto para me matar. 

Ele com toda certeza não está nem um pouco feliz em me ver. 

Mas ele continua lindo. Uma blusa cinza escura sem manga que deixa as suas tatuagens muito bem expostas. A calça preta que ao contrário da minha que tem somente uns cortes,   a dele está muito bem cortada mesmo. Uma bota preta  do tipo caçador. 

Nesse momento eu adoraria ser a branca de neve. 

Que? 

Até eu me surpreendo com meus pensamentos. 

Oh! 

-O que essa garota está fazendo aqui? - Scote pergunta ainda com suas mãos no bolso da calça. Ele tem o cabelo muito bem cortado e reto. Seu rosto tem alguns piercing, mas o que mais chama a atenção é  o pequeno metal em seu lábio. 

Sinto meu corpo aquecer e preciso me lembrar de como se respira. 

- Ela é Minha amiga -Lesley diz em um tom não amigável - e eu a chamei pra ir comigo-Como um tipo de mamãe ursa,  Lesley segura o meu braço. Não com força está mais para um sinal de que ela realmente está comigo. 

O que claro não muda em nada a expressão raivosa de seu irmão. 

- Eu não quero essa garota perto de mim - Ele diz devagar mas sua voz carrega tanto ódio,  tanta raiva que sinto ate meu corpo se arrepiar. 

Eu esperava uma reação ruim dele, mas nada como isso. É  como se ele sentisse algum tipo de repugnância sobre mim,  ou... Não sei. 

Não consigo nem explicar. Mas eu realmente estou né sentindo não desejada aqui. E  se ele  não me quer aqui. Tudo bem. 

Minha garganta está fechada mas ainda assim consigo não chorar. Eu já chorei demais na minha vida,  e ainda assim,  não vai mudar em nada a nossa situação. 

- Você é  um... - Lesley ia dizendo, mas a interrompo 

-Tudo bem Les - Digo suavemente. Ou pelo menos o mais suave que consigo. 

Percebo o olhar dela em mim o de seu irmão também. 

-Eu não quero ir.... - Falo devagar temendo que as lágrimas caíssem

Lesley me olha suavemente, mas no fundo vem uma raiva explosiva. Com toda certeza ela vai matar o irmão. 

- Any,  vem comigo. Por favor,  Meu irmão é  um otário!  - Ela diz e me olha com esperança 

Olho para Scote e vejo um olhar negativo. 

-Se quiser levar ela vai ter que ir andando - Ele fala sério e olha para mim. Dessa vez ele mede o meu corpo dos pés a cabeça e depois encarar o meu rosto. 

- Não. Tudo bem,  Eu vou sair. - Digo a Lesley que me encara surpresa. 

Minha vida deve ser tão entediante que qualquer pessoa imagina todos os meus dias. Claro,  sem nenhuma Saída. 

- Eu vou... pra  um bar aqui perto. Ou talvez um boate-Digo tentando ao máximo parecer verdadeira. 

-Se carro não está aqui amiga - Lesley diz preocupada. Ela está me pegando na minha mentira. 

Scote por outro lado parece ainda mais estressado. 

- Não,  vou pegar um táxi. Fique tranquila. Também é  bom eu não ir dirigindo,  sabe,  bebida e volante. -Dou de ombros deixando a frase no ar. 

Lesley me encara por mais alguns segundos e suspira

- Tem certeza? - Ela pergunta - Eu posso ir com você - Ela oferece e automaticamente eu nego. 

Lesley não parou de falar a semana toda sobre essa cerveja de Vermont,  não posso tirar isso dela. 

- Vai beber sua boa Vermont. Amanhã quero saber de tudo - Falo tentando soar animada 

Ela sorrir 

-Também quero saber sobre os gatos que com toda certeza vão dar em cima de você - Ela pisca - Não traga ninguém desconhecido pro apartamento, mas da muito bem pra curtir no cá... -

-Lesley,  vamos logo. - Scote a corta e se vira batendo a porta com força. 

Ela suspira e me Abraça 

-Curte sua noite amiga - Falo e ela sorrir 

-Curte bastante a sua também. - Ela diz antes de se virar e correr pro quarto. 

Em menos de alguns segundos o carro ja está virando a esquina. 

Suspiro e volto pro meu prédio. 

***

Sem me preocupar  com o cabelo recém feito ou a maquiagem que levei horas pra fazer,  entro em baixo do chuveiro. 

A água quente leva toda a minha aflição,  e  tristeza. 

Como eu fui idiota!  

Achar que ele poderia aceitar assim,  Eu ir com ele. Eu estava praticamente invadido o espaço dele. Ele me avisou que não era PR eu me aproximar mas como a tola que eu sou,  pensei que enfim daria certo. 

Mas não deu. 

Ele me odeia. 

Sinto algumas gotas quentes descerem pelo meu rosto,  poderia ser a água dó chuveiro mas logo o meu soluço me denuncia. 

Estou completamente acabada. 

Parabéns Anya. Mais uma vez você se iludiu. 

Depois do banho onde praticamente chorei litros. Entro no quarto com minha toalha,  hoje a noite está um pouco quente. Então coloco somente um short de moletom e uma blusa simples sem manga. 

Viro-me na cama com meu cabelo molhado mesmo. 

Em poucos minutos já sinto meu corpo se tornar mais leve e o sono me levar. 

***

Não sei quanto tempo ao certo se passaram. Uma hora,  duas,  cinco... dois minutos ou cinquenta. 

Mas em algum momento na noite acordo com alguém batendo sem para na porta do apartamento. 

Será um vizinho?  

Levanto ainda um pouco tonta por causa do sono,  e ando até a sala para abrir a porta mesmo tendo consciência que são mais de duas da manhã. 

Quase bato com a cara na parede e obrigo ao meu cérebro a procurar o interruptor par a liga a luz. 

A pessoa ao lado de fora bate na porta e parece quase desesperada,  escuto alguns resmungos graves e me obrigo a encaixar a chave na fechadura da porta. 

Mesmo com meu corpo me xingando e me mandando voltar pra cama. 

Assim que a porta se abre tomo um susto ao ver que é,  automaticamente todo o sono desaparece e meu corpo acorda no mesmo instante. 

O cheiro do álcool me invadi se misturando com o cheiro do cigarro. 

Antes que eu possa fazer alguma coisa o corpo duro e imponente,  ou pelo menos o que era até algumas horas atrás cai diretamente ao chão. 

Desmaiado. 

Tomo um susto maior ainda ao ver.... Scote,  completamente caído na entrada da minha sala. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


OIOI gente bonita. Tudo bem com vocês?
Desculpem qualquer erro. N tive tempo pra revisar o Cap. Estou na superrrr correria. Um beijão, É espero que tenham gostado ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...