História Digimon: Two Digital Worlds - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Digimon
Tags Ação, Anime, Aventura, Digimon, Digital Monster, Luta, Mangá
Visualizações 6
Palavras 6.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shounen, Universo Alternativo
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Digimundo, digimons e mais crianças!


Fanfic / Fanfiction Digimon: Two Digital Worlds - Capítulo 3 - Digimundo, digimons e mais crianças!

K e Koromon seguiam correndo pela floresta, buscando a pessoa que havia gritado antes e, no meio do caminho, a jovem percebeu que seu Digivice estava apitando novamente, mas não o mesmo tipo de barulho que ela havia escutado na casa de sua avó. Ela parou de correr e pegou seu Digivice, ao olha-lo ela notou que na tela estava aparecendo um pontinho branco piscando no mesmo ritmo do barulho; Koromon parou de seguir também após perceber que sua amiga estava parada.

- O que foi K? – Perguntou Koromon, confuso.

- O Digivice está apitando...e na tela tem um pontinho branco, olha só. – Disse K, que se abaixou e mostrou o Digivice para seu amigo digimon, que se aproximou da garota.

- Oh, e o que isso significa? – Disse Koromon, curioso. – Começou a apitar de repente?

- Isso aí, e não sei se isso tem ligação ou não, mas esse ponto está na mesma direção que estamos indo, segundo o Digivice. – K, então, afastou seu braço direito da direção em que estavam correndo antes, levando o Digivice para trás e o som parou na hora, assim como o ponto branco sumiu. – Se eu afasto da direção ele para...

- Será que isso quer dizer que estamos perto da pessoa que gritou? – Disse Koromon.

- Hum...pode ser, mas então esse ponto representa ele? Não tenho uma memória perfeita então não lembro da função disso no desenho que eu via... – Disse K, coçando a cabeça. – Ah! Chega! Depois pensamos nisso, vamos seguir em frente Koromon!

- Isso! Vamos lá! – Disse Koromon, corajosamente.

Com o Digivice ainda apitando, K e Koromon continuaram seu caminho pela floresta e, depois de pouco tempo, a menina checou seu dispositivo e percebeu que o ponto branco estava muito mais próximo do que anteriormente; então, antes que os dois amigos pudessem discutir sobre o assunto de novo, o grito de antes pôde ser ouvido novamente, dessa vez mais alto e mais perto. K e Koromon começaram a andar devagar entre os arbustos e, através deles, avistaram em uma pequena clareira um jovem rapaz: ele tinha estatura mediana e possuía um corpo aparentemente definido, tinha pele clara e cabelos curtos ruivos, seus olhos eram verdes claro e ele parecia estar muito apavorado com alguma coisa; o rapaz estava usando uma camisa regata de cor verde, uma bermuda cinza, tênis preto esportivo e estava com uma mochila quadrada, tipo uma caixa média, nas costas.

- S-sai pra lá! Eu já te avisei! – Disse o jovem, andando devagar para trás e balançando seus braços na frente do corpo.

Ele estava encarando fixamente, na sua frente e no chão, um pequeno digimon: ele tinha seu corpo todo redondo e de cor rosa, não possuía membros além de duas pequenas asas nas laterais, tinha um bico amarelo pequeno, olhos grandes de cor azul e usava uma pena vermelha no topo da cabeça. A criatura parecia não entender o pânico do rapaz, e tentava, sem sucesso, conversar com ele.

- Mas eu só quero falar com você! Não estou te entendendo... – Disse o digimon, confuso.

- Esse é o problema justamente! Você fala! – Retrucou o rapaz, mais aborrecido. – Além disso...enquanto eu estava desmaiado você tentou violar a minha mochila! Isso é crime!

- E-eu...só queria ver o que tinha dentro! Ela cheira muito bem... – Retrucou o digimon, nervoso.

Os dois começaram a discutir sem parar, um retrucando o outro, e cada vez mais alto, K e Koromon não sabiam o que fazer diante daquela cena.

- Então não era bem um grito... – Disse K, suspirando.

- ...eram eles discutindo. – Completou Koromon, coçando o topo da cabeça com sua orelha direita. – Mas aquele digimon tem razão, a mochila daquele garoto cheira muito bem...

- Hum...eu não sinto nada, então vocês devem ter os sentidos bem mais apurados que os dos humanos. – Disse K, olhando para Koromon. – Bem, acho melhor interferimos nessa discussão boba...

Então K e Koromon saíram dos arbustos e apareceram, lado a lado, diante do rapaz e do digimon, que pararam a discussão na hora.

- Parem de gritar, por favor! Eu ouvi isso de longe e me preocupei pensando que estivessem em perigo... – Disse K, de braços cruzados. – Vamos todos conversar com calma, tá?

- Isso aí! Com calma! – Disse Koromon.

- Oh céu... Tem outro parecido que fala...e uma garota... – Disse o rapaz, chocado.

- Outra humana! Viu só Ben!? Ela e o outro digimon lá estão juntos e calmos! – Disse o digimon ave, apontando sua pequena asa para Koromon e K.

- Não diga meu nome como se me conhecesse! É estranho demais! – Disse Ben, se sentando no chão, respirando fundo. – Ai ai ai...estou cansado dessas coisas estranhas...

- Eu que o diga... – Disse o digimon, suspirando.

- Bom, hum...vamos poder conversar direito agora? – Disse K, sem graça e se aproximando dos dois brigões. – Eu me chamo Karina, mas podem me chamar de K! Seu nome é Ben, né?

K estendeu sua mão para Ben que ficou levemente corado, e sem graça, mas logo aceitou a ajuda e ficou de pé. Ao mesmo tempo Koromon se aproximou do outro digimon e colocou uma de suas orelhas nas costas dele, fazendo com que ele se sentisse melhor.

- Na verdade é Benjamin, mas eu prefiro que me chamem de Ben. É um prazer te conhecer K, sou grato pela ajuda. – Disse Ben, sorrindo alegremente. – Então...sabe explicar essa confusão ou está tão perdida quanto eu?

- Bom...mais ou menos as duas coisas. Vou te contar o que sei, mas é melhor ter mente aberta e não se assustar mais! – Disse K, rindo baixinho.

- Quero só ver essa... – Disse o digimon, soltando uma risadinha irônica.

K contou para Ben tudo o que ela sabia sobre a situação deles: contou do desenho e jogo Digimon e como aquilo agora se mostrava real, do Digivice e de como ele se comportou estranho até agora, do jeito como ela sumiu de seu quarto e foi parar ali, falou que estavam no Digimundo, na floresta da Ilha Arquivo e disse sobre os digimons. Ao terminar de falar, o rosto de Ben estava mais branco que o normal, ele parecia perplexo, e o digimon ao seu lado se esforçou muito para não rir.

- Fala sério... Eu lembro disso, quer dizer, eu não vi o desenho na época, mas eu lembro de quando o jogo de cartas virou moda na minha escola! Lembro que queria entrar na brincadeira, mas nunca tive muitos recursos para essas coisas... – Disse Ben, com a mão sobre sua testa, espantado com a explicação de K. – Não posso crer que aquilo não era invenção para as crianças japonesas... Estamos mesmo no Digimundo e essas coisas aqui são digimons! Sério!?

- Sério. – Disse K, concordando com a cabeça. – Também estou tentando me acostumar com essa nova noção...

- Ei, “coisas” não! Temos nomes! – Retrucou o digimon pássaro, aborrecido.

- Então qual é? – Perguntou Ben, suspirando.

- Me chamo Poromon! Não esquece! – Disse Poromon, firmemente.

- E eu sou Koromon, sou amigo da K! – Disse Koromon, sorridente.

- São amigos é? – Disse Ben, levemente surpreso.

- Claro, por que não podemos ser todos amigos? Poromon, é um prazer te conhecer também! – Disse K, acariciando gentilmente a cabeça de Poromon, que ficou todo envergonhado, mas tentava esconder.

- C-certo..., mas tire a mão de mim, por favor... – Disse Poromon, timidamente.

- Há há há! Então você tem seu lado fofo, hein? – Disse Ben, rindo de Poromon.

- Hunf, não enche Ben! – Retrucou Poromon, envergonhado.

- Koromon apareceu enquanto você estava desmaiada então, assim como o Poromon comigo... Me diz aí passarinho, você sabia meu nome também antes mesmo de eu contar, mas você também não sabe o motivo? – Disse Ben, pensativo.

- É, eu sinto como se já tivéssemos nos conhecido..., seu nome já estava na minha cabeça e, quando vi o céu brilhar e fazer barulho, depois você no chão caído, corri e não pensei muito em chamar seu nome. – Respondeu Poromon, sério.

- O Koromon me disse o mesmo... – Disse K. – Você tem uma vaga sensação que também o conhecia antes Ben?

- Pra falar a verdade...sim. Só percebi agora, mas não faço ideia de como isso pode ser... – Disse Ben, coçando a cabeça. – Comparando com o que você me disse K, as coisas que aconteceram comigo foram bem parecidas: eu também achei esse...hum...Digivice, ele apareceu misteriosamente dentro da minha gaveta de meias no meu quarto um dia, passei muito tempo com isso tentando fazer ele funcionar, mas ele só mostrou algum sinal hoje quando eu estava saindo para ajudar o meu pai no trabalho... Essa coisa brilhou intensamente, depois senti como se tivesse caído de um precipício e aí acordei aqui. Eu me assustei com o Poromon e então vocês vieram depois.

Ben mostrou para K, Koromon e Poromon seu Digivice que era igual ao da garota, mas com cores diferentes: ele era todo vermelho com poucos detalhes de cor branco.

- Calma, você achou há quanto tempo isso? Eu encontrei o meu hoje mesmo... – Disse K, confusa e pegando seu Digivice, comparando com o do rapaz.

- Hum...acho que faz um pouco mais de um mês que estou com ele, mas por que será que ele só funcionou hoje? – Disse Ben, confuso. – Olha só! O seu é bem bonito K, mas eu gosto mais do meu, parece até que sou o Ranger Vermelho!

- Há há há! Verdade, parece mesmo a cor. – Disse K, rindo.

- “Ranger Vermelho”? – Repetiram os dois digimons, confusos.

Ben e K riram bastante da pergunta dos seus parceiros, eles gostariam de conversar mais, porém os dois Digivices começaram a apitar ao mesmo tempo, ambos mostrando um ponto branco.

- Ah! De novo! Foi o que aconteceu quando estávamos chegando perto daqui! – Disse K, surpresa.

- Seja lá o que isso for está se aproximando de nós! – Disse Ben, observando o ponto se mover rápido em sua direção.

K e Ben encaravam a mata em sua frente, nervosos, acompanhando o ponto branco pelo Digivice; Koromon e Poromon se posicionaram instintivamente na frente de K e Ben, respectivamente. Então os arbustos começaram a se mexer, os quatro amigos ficaram muito tensos e então um pequeno digimon pulou da mata e ficou surpreso ao ver Ben, K, Poromon e Koromon. O digimon em questão era um pouco redondo e possuía quatro patas pequenas, assim como duas orelhas e um rabo curtos, olhos médios de cor verde, nariz chato e boca com poucos dentes à mostra, seu corpo era peludo e quase todo de cor roxo claro, com a parte do focinho e da base das patas em branco.

- Dorimon! Não saia correndo na frente assim! É perigoso!

Logo em seguida um outro garoto surgiu dos arbustos, atrás do digimon, e ficou chocado ao encontra K e Ben, com dois digimons, ali.

- Zeki, olha! Eles se parecem com você! – Disse Dorimon, correndo de volta até os braços do rapaz. – E o cheiro bom que senti vem daquele de cabelo vermelho!

O rapaz, de nome Zeki, era um pouco mais baixo que Ben, ele possuía um corpo bem definido também, mas de cor parda, também tinha cabelos curtos e bagunçados de cor castanho escuro e olhos de mesma cor. Ele estava com uma mochila média, aparentemente pesada, nas costas e usava um colete cor verde, como os camuflados do exército, e por baixo uma camisa preta de manga curta, uma calça comprida igual ao colete e botas pretas.

- Hum...olá? – Disse K, timidamente.

- Oi... – Disse Zeki, sério.

- Você veio parar nessa floresta de repente e acabou desmaiando, aí quando acordou você encontrou esse digimon aí, que já sabia seu nome, e também está em posse de um desse...estou certo? – Disse Ben, mostrando seu Digivice para Zeki.

- ...Exatamente. – Disse Zeki.

- Uau! Eles sabem tudo! – Disse Dorimon, chocado.

- Não, é que o mesmo aconteceu com eles. – Disse Poromon.

- Pode me chamar de K, e esse aqui é meu amigo Koromon. – Disse K, segurando Koromon que havia pulado em seus braços.

- Prazer em conhecer! – Disse Koromon.

- Me chame de Ben, por favor. – Disse Ben, fazendo um sinal de positivo.

- E eu sou Poromon! – Disse Poromon.

- Hum...sou Zeki, peço desculpas por aparecer de repente. – Disse Zeki, tímido.

- Me chamo Dorimon, sou amigo do Zeki! – Disse Dorimon, contente. – Ben, o que tem nessa sua mochila? Cheira muito bem!

- Dorimon! – Disse Zeki, envergonhado.

- Até esse aí... – Disse Ben, sem graça.

- Há há há... Zeki, você tem alguma ideia do que está acontecendo aqui? – Disse K.

- Dorimon me explicou algumas coisas: que ele é um digimon e que este é o mundo dele, o Digimundo, e está é a Ilha Arquivo. Depois que conversamos um pouco eu achei melhor andar e explorar o lugar, mas aí ele começou a correr para outro lado do nada...e aqui estamos. – Disse Zeki, suspirando.

- Então acordou faz pouco tempo também? – Perguntou Koromon.

- Sim. – Disse Zeki.

- Há quanto tempo tem isso aqui? Se chama Digivice. – Disse Ben, apontando para o seu e o de K.

- Ele apareceu na minha mochila de repente já faz um mês. Do nada hoje ele começou a brilhar e então apaguei, quando dei por minha já estava nessa floresta e o Dorimon estava ao meu lado. – Explicou Zeki, pegando seu Digivice de seu bolso e mostrando para K e Ben.

O Digivice de Zeki era quase que todo de cor roxa, mas possuía alguns detalhes em branco também. K e Ben, com seus respectivos digimons, se aproximaram de Zeki para observarem o Digivice do rapaz mais de perto, quando percebeu isso ele, ao olhar para K, deu um passo para trás e não conseguia parar de olhar para ela, Zeki parecia incomodado.

- O que foi? Quer me dizer algo? – Perguntou K, percebendo a ação de Zeki, confusa.

- Ah...não é nada... – Disse Zeki, desviando o olhar no mesmo instante.

- Zeki...você está incomodado com ela? – Disse Dorimon, olhando para o rosto do amigo.

- Hã!? Tem alguma coisa errada na minha cara ou nos meus dentes Koromon!? Me diz por favor! – Disse K, com o rosto vermelho de vergonha e olhando para seu pequeno amigo.

- Não vejo nada de errado K. – Disse Koromon, confuso.

- N-não tem mesmo! Desculpa! Dorimon...você tem que aprender a parar de falar tudo o que acha, isso não foi educado... – Disse Zeki, nervoso e suspirando.

- Desculpa... – Disse Dorimon, cabisbaixo.

- Sua cara não engana ninguém também, se tem algo que queira falar só diga! Estamos todos no mesmo problema aqui. – Disse Ben, cruzando os braços.

- Já disse que não é nada, me deixa em paz. – Disse Zeki, sério.

Ben ficou um pouco irritado com a resposta ríspida de Zeki, então um clima um pouco pesado se instalou ali, os dois rapazes ficaram se encarando feio por alguns segundos e K e os digimons estavam bem incomodados com essa situação.

- Hum...ei, parem com isso vocês dois! Não é hora nem o lugar para arranjar briga. – Disse K, nervosa.

- Zeki, não fica bravo... – Disse Dorimon, levemente preocupado.

- Tá preocupando a garota, olha aí! Se liga Ben! – Disse Poromon, que pulou no ombro do menino e deu uma bicada leve em sua cabeça.

- Ai! Qual é!? – Disse Ben, coçando a cabeça e encarando, indignado, o digimon no seu ombro.

Então, ao mesmo tempo, os três Digivices começaram a apitar novamente e logo os três jovens olharam para seus dispositivos, curiosos.

- Outra vez... – Disse Ben, confuso.

- Mas dessa vez são dois pontinhos! – Acrescentou Poromon.

- E estão naquela direção lá! – Completou Koromon, usando sua orelha esquerda para apontar para a parte da floresta a esquerda dos jovens.

- O que isso quer dizer? – Perguntou Dorimon, olhando confuso para o Digivice de Zeki.

- Lembrando bem eu ouvi isso apitar um pouco antes de encontrar vocês aqui..., mas como estava com isso no bolso não vi se tinha algum ponto. – Disse Zeki, pensativo.

- Antes de encontrar o Ben o mesmo me aconteceu, mas só havia um ponto na tela... Eu e o Koromon achamos que isso o representava, até porque aconteceu igual quando o Zeki apareceu aqui. – Disse K. – O Digivice começou a apitar e mostrou esse sinal se aproximando.

- AH! Faz sentido! Então isso parece... – Disse Ben, batendo as mãos uma na outra.

- Parece um radar... – Completou Zeki, um pouco surpreso.

- É verdade! – Disse K. – Mas isso quer dizer que os pontinhos são digimons ou...mais pessoas?

- Ei, o que é um “radar”? – Perguntou Poromon.

- Ah, é um tipo de dispositivo um pouco antigo que se usa para encontrar pessoas, objetos e entre outras coisas. Hoje em dia temos coisas mais modernas no nosso mundo. – Explicou Ben.

- Então significa que tem mais pessoas como a K pra lá? – Disse Koromon.

- É uma possibilidade, mas também pode ser outra coisa perigosa. – Disse Zeki, sério.

- Podemos testar essa teoria de radar agora! Só precisamos seguir a direção, aqui parece que os pontinhos estão parados. – Disse Ben, determinado.

- Vamos olhar Zeki! – Disse Dorimon, empolgado.

- Hum...não sei se é uma boa ideia seguir esse sinal. Mesmo que tenha dado tudo certo até agora, nada garante que continue assim. – Disse Zeki. – Naquele lado pode ter uma pessoa ruim...ou pior.

- Mas não podemos ficar sem fazer nada também, se tem pessoas ali elas podem estar precisando de ajuda! Né, K? – Disse Koromon, sério.

- Isso mesmo! Além do mais, se estivermos certos, podemos descobrir mais sobre como chegamos aqui e tudo o mais com quem encontrarmos lá. – Disse K, sorrindo para Koromon.

- Não seja tão desconfiado assim! Vamos acabar fazendo o que você planejou sozinho: explorar! – Disse Ben.

- Pare de enrolação e vamos de uma vez! – Disse Poromon, que começou a voar, batendo suas pequenas asas com muita força, de maneira desajeitada.

- Eita, então você sabe voar, hein? Achei que não poderia com esses projetos de asas. – Disse Ben, surpreso e rindo um pouco.

- Claro que posso! Se não porque eu as teria!? – Retrucou Poromon que quase acabou quase caindo, mas conseguiu manter seu equilíbrio e continuou batendo as asas. – E-eu ainda estou aprendendo..., mas logo vou poder voar melhor e bem mais alto!

- Ai ai... Está bem, vamos todos juntos então. – Disse Zeki, se rendendo e suspirando, deixando Dorimon muito contente. – Só que vamos andando com cuidado pelos arbustos, cuidado é sempre bom.

- OBA! – Disseram Dorimon, Koromon e Poromon, animados.

- Há há há! Vamos indo então pessoal! – Disse K, rindo e seguindo pela floresta com seus amigos todos ao seu lado.

K, Ben, Zeki e seus digimons seguiram caminhando, com cuidado, pela floresta densa e todos acompanhavam seus Digivices, observando os pontos brancos; um deles, os jovens perceberam, começava a se aproximar, enquanto o outro estava mais afastado. Então, quando verificaram que um dos sinais, o mais próximo, havia sumido eles escutaram a risada de um jovem; os três se aproximaram devagar do barulho e viram um garoto rindo bastante e conversando animado com um digimon em sua frente.

- Uau! Isso é muito sensacional! Essa história de digimons, Digimundo e essa coisa estranha aqui... – Disse o garoto que estava segurando seu Digivice, de cor predominante verde com alguns detalhes em branco. – Você é muito sensacional Gumimon!

- Há há há! Você que é sensacional James! Vamos ser amigos pra sempre! – Disse Gumimon, pulando de felicidade.

- Pode crer! – Disse James, fazendo um sinal de positivo para o digimon.

James era um garoto alto e com a pele branca, mas um pouco bronzeada, tinha cabelos curtos loiros e olhos azuis claros; ele estava vestindo uma camisa branca de manga curta, um short de cor verde claro, um tênis verde escuro e um chapéu de aventureiro marrom pendurado no pescoço, nas costas do menino, daqueles que é preso por um cordão. Gumimon era um digimon bem pequeno e de cor verde claro em todo o corpo, que não tinha membros e parecia muito com um fantasma abaixo da cabeça, que era redonda com duas orelhas médias e um chifre de mesmo tamanho no topo de sua cabeça, por fim ele possuía olhos médios de cor negra e uma boca pequena.

- Os dois parecem já se dar muito bem. – Sussurrou Ben, surpreso.

- Eles parecem ser legais. – Sussurrou Koromon.

- E divertidos. – Sussurrou Dorimon.

- Eles parecem um pouco bobos... – Sussurrou Zeki.

- Concordo. – Sussurrou Poromon.

- Vamos lá falar com eles de uma vez! – Sussurrou K, que resolveu se mostrar, seguida de Koromon e seus outros amigos.

James e Gumimon olharam espantados para K, Ben, Zeki e seus digimons, mas logo eles trocaram um olhar e abriram um grande sorriso.

- Olha só! Tem outras pessoas por aqui! E estão acompanhadas de digimons também, que sensacional! – Disse James, contente.

- Sensacional! – Repetiu Gumimon, empolgado.

- Hum...olá, é um prazer conhecer vocês, meu nome é K. – Disse K, sem graça com a empolgação deles.

- E eu me chamo Koromon! – Disse Koromon.

- Olá, olá! O prazer é todo meu! Me chamo James! – Disse James, que fez uma reverência de cavalheiro para K, que ficou envergonhada.

- Eu sou Gumimon! E...o que você fez agora James? – Disse Gumimon, que pulou em cima da cabeça do rapaz.

- Isso é como homens educados devem tratar as damas, é uma reverência rápida! Gumimon, lembre-se: homem que é homem de verdade tem que tratar as mulheres muito bem! – Disse James, cruzando os braços e sorrindo.

- Oh! Entendido! Sensacional! – Disse Gumimon, contente.

- Obrigada... – Disse K, envergonhada e rindo um pouco.

- Não me levem a mal, mas vocês não cansam de sorrir não? – Disse Poromon, se colocando em cima do ombro de Ben.

- Qual o problema de sorrir assim? – Perguntou James, tranquilamente e com um sorriso maior ainda.

- Talvez porque estamos em um lugar estranho, com criaturas estranhas e tudo o mais é estranho. – Disse Zeki, rispidamente.

- Enfim, meu nome é Ben, também é um prazer te conhecer cara. Esse passarinho sem educação aqui é o Poromon. – Disse Ben, suspirando.

- Me chamo Dorimon! Prazer! – Disse Dorimon, contente.

- Sou Zeki. – Disse Zeki.

- Sensacional! Prazer imenso em conhecer vocês! Vamos ser bons amigos! – Disse James, que se aproximou de Ben e ofereceu um aperto de mão, que foi retribuído com muita satisfação.

Ele fez o mesmo com Zeki, que não retribuiu o gesto e permaneceu com os braços abaixados; mas James não pareceu chateado e continuou com seu sorriso simpático.

- Poxa Zeki... – Disse Dorimon, cutucando a perna do amigo.

- Bem...vamos ser amigos sim, com certeza! – Disse K, sorrindo também. – Ei James, você sabe alguma coisa sobre essa situação? Ou como veio parar aqui?

- Hum...eu só sei o que o Gumimon me contou, e como vim parar aqui eu não sei explicar bem. Achei esse dispositivo debaixo da minha cama faz duas semanas, hoje quando acordei de madrugada para fazer minhas tarefas isso aqui brilhou aí desmaiei e acordei aqui. – Contou James, mostrando seu Digivice para seus amigos. – Ah sim, esqueci de perguntar pra você Gumimon: nós já nos vimos antes?

- Eu não sei, mas sei que sei o nome do James! – Disse Gumimon, olhando para o rosto do amigo.

- Ele achou o Digivice dele há duas semanas... Fora isso é o mesmo com nós três. – Disse Ben, pensativo.

- Então o nome disso é Digivice? Sensacional! – Disse James, empolgado.

- Você está levando tudo isso bem na boa, né? – Disse Poromon, surpreso.

- Eu sou um cara que leva as coisas na boa! – Disse James.

- Isso é sensacional! – Disse Gumimon, sorridente.

- PARA DE ME SEGUIR!

Os quatro jovens e seus digimons se assustaram muito com um grito misterioso, quase que imediatamente os Digivices de cada um dos jovens começaram a apitar e eles mostravam um ponto branco se movendo em grande velocidade para, na visão deles, o que seria a direção da esquerda.

- De novo um grito assustador! – Disse Koromon, pulando nos braços de K.

- Eita, isso foi bizarro! – Disse James.

- Parecia uma menina... – Disse K, olhando seu Digivice.

- E disse “para de me seguir”, eu acho... – Completou Zeki.

- Será que ela está em perigo!? – Disse Ben, preocupado.

- Vamos seguir o Digivice, ele deu certo para acharmos o James! – Disse Dorimon, determinado.

- Exato! Vamos logo! – Disse Poromon, voltando a voar.

- James, vamos também? – Disse Gumimon, esperançoso.

- Claro! Se tiver uma dama em apuros devemos sempre ajudar! – Disse James, sorridente.

Assim os oito amigos seguiram para a esquerda, pela floresta, usando os Digivices como guias e, depois de seguirem correndo por alguns segundos, perceberam que estavam começando a sair da floresta. Eles conseguiram deixar o lugar e chegaram a uma caleira bem bonita, com muita grama verde e uma brisa boa e moderada. Lá eles avistaram uma garota de cabelos escuros presos em dois coques, que estavam como duas orelhas de panda em sua cabeça, ela parecia ter altura mediana, corpo magro e pele branca, e tinha olhos bem puxados e de cor castanho; a garota estava usando um tipo de roupa que parecia muito um pijama: ele era de camisa com mangas compridas, a calça comprida também, ambos de cor vermelho e com algumas flores brancas desenhadas, ela também estava usando um chinelo branco. A jovem estava correndo em círculos no meio da clareira, gritando sem parar, e correndo atrás de si estava um pequeno digimon: ele tinha uma forma quase redonda, quatro patinhas curtas, duas orelhas médias e um rabinho curto; ele tinha uma franja na testa, possuía olhos bem pequenos negros e um focinho menor ainda e preto também, sua cor era quase que completamente branca, mas suas quatro patas, o rabo e as orelhas eram marrons, esse digimon era bem similar a um cachorro normal e estava com a boquinha aberta e chamando a garota.

- Li! Me espera! – Disse o digimon, sem parar de correr. – Essa brincadeira está cansando já!

- Não é brincadeira...e para de me seguir e de falar comigo! – Disse Li, continuando a correr, apavorada.

O digimon parou de correr e resolveu seguir o caminho contrário que Li estava fazendo, assim ele conseguiu ficar na frente da garota e pulou em cima dela, a assustando mais ainda. A menina caiu sentada no chão e o digimon estava em seu colo, abanando a cauda e, aparentemente, muito feliz.

- Peguei você! Há há há! – Disse o digimon, contente.

- Oh Buda...por favor faça com que isso seja um sonho... – Disse Li, cansada e fechando os olhos.

- E aí senhorita? Por que essa agitação toda? – Perguntou James, se aproximando dos dois junto de seus amigos.

Li ficou espantada de ver mais quatro pessoas, mas logo ficou mais assustada ao perceber que todos estavam com um digimon ao lado, no caso de James estava em sua cabeça.

- Eu não acho que isso seja um sonho, então...acho melhor se acalmar e nos ouvir. – Disse K, se abaixando ao lado de Li e colocando sua mão em seu ombro.

- Mas...mas...isso é loucura! Eu estava dormindo e só levantei para ir ao banheiro..., mas aí isso aconteceu! Esse brinquedo estranho brilhou e acordei naquela floresta estranha, ainda por cima com esse...tipo de cachorro esquisito falante lambendo minha cara! – Disse Li, com as mãos no rosto e, como os jovens puderam ver, com seu Digivice rosa escuro e branco no bolso do pijama.

- Ei, calma aí! Respira fundo e se acalme! Você não está sozinha aqui, nós estamos na mesma situação que você. – Disse Ben, coçando a cabeça.

- Ou quase. – Comentou Zeki, percebendo que Li estava usando um pijama.

- Qual o problema Li? – Perguntou o digimon cachorro, levemente preocupado com a menina.

- Olha só, o meu nome é K. Também fiquei um pouco chocada no começo, mas se você se acalmar vai perceber que não é tão ruim assim! Os digimons são criaturas boas e esses são nossos amigos! – Disse K, calmamente e chamando Koromon para chegar perto de Li, mas devagar. – Esse é meu amigo Koromon, olha só, ele é bonzinho!

Li pareceu ficar mais calma com as palavras de K, ela tirou as mãos do rosto e olhou, receosa, para Koromon, que estava ao lado de K.

- Oi! Prazer em conhecer! – Disse Koromon, sorridente.

- Hum...olá... Vocês são amigos é? – Disse Li, olhando para K.

- É, o Koromon apareceu quando eu acordei aqui, nós nos falamos e somos amigos agora! – Respondeu K, com um sorriso sincero. – Você e esse digimon deviam fazer o mesmo, ele não parece nada ruim...é até muito fofo!

- Obrigado moça! Você é legal! – Disse o digimon, se jogando nos braços de K e lambendo seu rosto também.

- Há há há! Ele é simpático, que sensacional! Se liga, meu nome é James! E esse digimon maneiro na minha cabeça é o Gumimon! – Disse James, apontando para o topo de sua cabeça.

- O prazer é todo meu em te conhecer moça! – Disse Gumimon, que fez uma reverência ali mesmo.

- Sou Dorimon, e esse é meu amigo Zeki! – Disse Dorimon, contente.

- Olá... – Disse Zeki, tímido.

- Pode me chamar de Ben, esse é o Poromon. – Disse Ben, apontando para seu digimon que estava voando ao seu lado.

- E aí? Tá mais calma? – Disse Poromon.

- Eu...estou sim, muito obrigada. Me desculpem pelo meu comportamento, é que isso tudo é...vocês sabem... – Disse Li, suspirando. – Meu nome é Chao-Li, mas podem me chamar de Li só.

- Eu me chamo Xiaomon! Gostei muito de vocês, mas eu amo mais a Li! – Disse Xiaomon, voltando para o colo de Li.

- Você ficar me tratando como se fossemos amigos de longa data é meio desconfortável... – Disse Li, incomodada. – Eu não te conheço...eu acho.

- Mas eu já amo a Li! – Disse Xiaomon, sorrindo. – Me deixa ficar com você!

- Hum...eu...não sei... – Disse Li, receosa.

- Li, você disse que estava dormindo antes de vir parar aqui, certo? Então quando levantou o seu Digivice brilhou e você apareceu aqui desacordada, né? – Disse Ben.

- Exatamente isso, mas...o que é um “Digivice”? – Perguntou Li, confusa.

- É isso aqui. Pode nos contar quando encontrou o seu? – Disse K, mostrando seu Digivice para Li, que imediatamente pegou o seu do bolso.

- Lembro que achei isso na primeira semana do mês... Estava no meu estojo de desenho, não faço ideia de como isso surgiu lá. Eu achei que era um brinquedo, mas não funcionava então estava pensando em levar para uma loja de concerto um dia, até lá eu planejava guardar mesmo... – Contou Li, olhando para seu Digivice. – Ei, tudo o que o Xiaomon me disse quando acordei...é verdade mesmo?

- Sobre digimons, Digimundo e Ilha Arquivo? Sim. – Disse Zeki, sério.

- Caramba...isso é...maluquice... – Disse Li, tristemente.

No mesmo instante, os Digivices começaram a apitar outra vez, mas, antes que pudessem checar, uma outra garota acompanhada de um digimon surgiu na campina, vinda de outra parte da floresta, os cinco jovens e seus digimons ficaram surpresos com isso.

- Finalmente parou de fazer barulho..., mas o sinal sumiu da tela, no fim seguimos isso pra quê? Só o que fizemos foi sair da floresta... – Disse a garota, olhando confusa para seu Digivice, que era de cor laranja e branco.

- Iana, olha lá. Humanos como você e outros digimons. – Disse o digimon que a acompanhava, olhando para os cinco jovens adiante.

- Ah! Verdade! Mas Sunmon, você tinha me dito que eu era a única humana aqui. – Disse Iana, olhando surpresa para os outros.

- Mas você é, eles devem ter vindo do mesmo mundo que o seu. – Disse Sunmon.

A jovem era mais alta que K e Li, possuía o corpo um pouco magro e sua pele era de cor negra, ela tinha os cabelos encaracolados para cima, em um volume não muito grande, e de cor castanho; seus olhos eram de uma cor quase dourada, bem claro, mas usava óculos quadrado de armação branca; Iana estava usando uma saia comprida de cor bege, uma camisa branca curta regata e sandálias marrom. Sunmon, o digimon que a acompanhava, era bem pequeno e com o corpo redondo com alguns “espinhos” médios ao redor do corpo, que era completamente de cor vermelha; ele possuía uma chama fraca no topo de sua cabeça, como se fosse seu cabelo, tinha olhos médios de cor negra e estava flutuando perto do chão.

- Olá! Venham aqui, por favor! – Chamou Ben, acenando para Iana.

Iana e Sunmon seguiram até o grupo e lá eles perguntaram como ela havia chegado ali e, como a maioria previa, tinha sido de uma maneira quase igual aos outros: ela estava com o Digivice e, de repente, ele brilhou e ela acordou na floresta da Ilha Arquivo.

- Que bizarro, viu? Estava preparando umas coisas importantes na minha cidade e aí isso acontece... Só que eu não fui a única, vocês todos estão no mesmo barco que eu. – Disse Iana, suspirando e arrumando seus óculos no rosto. – Mas eu confesso que estou um pouco aliviada em saber que não estou sozinha por aqui, é um prazer conhecer todos vocês e seus digimons fofos! Eu me chamo Iana!

- Meu nome é Sunmon, prazer em conhecer. – Disse Sunmon.

- F-fofos!? – Disseram Koromon, Poromon, Dorimon, Gumimon e Xiaomon, envergonhados.

K, Li, Ben, James e Iana riram com a reação dos digimons, mas logo Ben decidiu perguntar sobre o Digivice de Iana.

- Lembra quando encontrou seu Digivice? É esse dispositivo que te trouxe aqui. – Disse Ben.

- Hum...se me lembro bem faz menos de uma semana. O nome disso é Digivice então? Isso surgiu misteriosamente debaixo do meu travesseiro, e eu tenho total certeza de que ele nunca esteve lá antes. – Respondeu Iana.

- Você também parece estar encarando tudo muito bem. – Disse Zeki, de braços cruzados.

- Bom, aqui é um lugar selvagem e eu sou acostumada com um lugar um pouco parecido perto de onde moro. – Disse Iana, dando de ombros. – No mais, eu conheci o Sunmon, que um tipo de animal que nunca vi, e isso foi bem legal.

- Não são bem animais... – Disse K, coçando a cabeça. – Mas é legal saber que você está bem com isso.

- Ah! Nós nem nos apresentamos direito! Falha nossa! Sou James, é um prazer conhecer! – Disse James, fazendo uma pequena reverência para Iana, seguido de Gumimon, que fez igual. – E o meu parceiro aqui em cima é o Gumimon!

- Zeki, e esse aqui em baixo se chama Dorimon... – Disse Zeki, sem olhar para Iana.

- Muito feliz em conhecer vocês! – Disse Dorimon, contente.

- Eu sou Ben, e ele é o Poromon! – Disse Ben, sorrindo e apontando para o digimon voador ao seu lado.

- Me chame de Li, fico honrada em conhecer vocês dois... – Disse Li, se levantando e fazendo uma reverência rápida.

- Eu me chamo Xiaomon, sou amigo da Li! – Disse Xiaomon, abanando o rabo de felicidade.

- Pode me chamar de K, e esse é meu amigo Koromon! – Disse K, sorrindo gentilmente e apontando para Koromon, que acenou para Iana e Sunmon com suas orelhas.

- Há há há! Vocês todos parecem ser gente boa e bem divertidos também. Gostou de todo mundo Sunmon? – Disse Iana, rindo um pouco.

- Sim, eu gostei. – Disse Sunmon, sorrindo timidamente.

Quase que imediatamente os Digivices de todos os seis jovens começaram a apitar de novo, e mais uma vez eles se assustaram, principalmente Iana.

- De novo está fazendo barulho! – Disse Iana, olhando para seu dispositivo. – E o sinal voltou!

- Quem vem agora? Estou cansado disso... – Disse Zeki, impaciente.

- Não fale assim... Se for outra pessoa é muito bom, tanto pra gente quanto pra ela. – Disse K, suspirando.

- Deve ser alguém sensacional de novo! – Disse Gumimon, empolgado.

- Ou alguém com um parafuso a menos tipo você. – Comentou Poromon.

- Tem alguém vindo de lá! – Disse Koromon, apontando para a floresta, adiante de onde eles estavam.

Então apareceram um rapaz e um digimon, ambos andando tranquilamente até o centro da campina, onde estavam todos os outros. O jovem possuía uma estatura alta e um corpo um pouco magro e de pele branca, tinha olhos azuis e cabelo curto e bagunçado de cor castanho escuro; ele estava vestindo uma camiseta vermelha de manga curta, um casaco preto amarrado na cintura, uma calça jeans e um tênis cinza. O digimon ao seu lado era pequeno e com o corpo redondo, tinha um chifre cinza no topo da cabeça, era peludo e boa parte de seu corpo era de cor laranja sendo ao redor de seu rosto de cor branca, possuía olhos grandes de cor azul e sua pequena boca tinha dois dentes a mostra.

- Foi como pensei. Mais pessoas acabaram aqui...e esse aparelho serve como um radar, isso facilitou muito encontrar vocês. – Disse o rapaz, sério e observando seu Digivice silenciar, assim como o dos outros; seu dispositivo era de cor cinza claro e branco.

- Eles estão acompanhados de digimons também Yerik, então eles estão na mesma situação que você. – Disse o digimon laranja, olhando para seu parceiro.

- Ei, calma lá... Como assim “como eu pensei”? – Disse Ben, confuso. – Como sabia de nós?

- Hum...acho melhor fazer as apresentações primeiro, fui ensinado que é falta de educação começar um diálogo certo sem antes se apresentar. – Disse Yerik, sorrindo de lado.

- Ué, mas agora pouco você estava falando com a gente... – Disse James, confuso.

- Não, estava falando com o Tsunomon. – Disse Yerik, apontando para o digimon ao seu lado. – Vão me dizer seus nomes ou vou ter que descobrir isso sozinho?

- Mas que cara mais chato! Eu vou te dizer outras coisas... – Disse Ben, irritado e se aproximando mais de Yerik, ficando os dois cara a cara.

- Ei, ei, vão brigar já? Não é inteligente. – Disse Iana.

- Não façam isso meninos, estamos todos com problemas aqui... – Disse Li, nervosa.

- Parem aí! Sem briga aqui! – Disse K, ficando entre os dois meninos, empurrando levemente os dois para trás. – Vamos todos nos apresentar direito, depois ele pode nos contar o que sabe!

- Gostei de você, é bem espertinha. – Disse Yerik, sorrindo para K.

- Esse cara é bem estranho... – Disse Zeki, levemente incomodado.

Após todos se apresentarem para os novatos, Yerik se sentiu à vontade para dizer seu nome.

- Legal, agora sim. Eu me chamo Yerik, é bom conhecer vocês. – Disse Yerik.

- Eu sou Tsunomon, é um prazer conhecer vocês. – Disse Tsunomon.

- Tem bastante gente aqui agora... – Disse Li.

- Pois é...quem diria que tantos teriam sido trazidos para esse lugar. – Disse Ben, coçando a cabeça.

- Temos muitos amigos aqui! – Disse Koromon, contente.

- Vai ser divertido se todos brincarmos juntos! – Disse Xiaomon, animado.

- Que sensacional! – Disse Gumimon, feliz.

- Está bem divertido Zeki! – Disse Dorimon.

- Eu acho mais é que está interessante. – Disse Sunmon, sorrindo.

- Esse é um grupinho bem diverso..., mas eu curti! – Disse Poromon, satisfeito.

- Somos sete... Acho que não falta aparecer mais ninguém por aqui, mas...agora temos muito no que pensar. – Disse K, suspirando e observando todos ao seu redor, os humanos em seus próprios pensamentos e emoções, e os digimons muito animados com tudo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...