História Directs para Chanyeol - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lu Han, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Chanbaek, Directs, Instagram, Kaisoo, Sebaek
Exibições 5.913
Palavras 5.802
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieee, gente linda <3 <3
Olha eu aqui com mais uma fanfic nova :v Não tomo vergonha na cara mesmo, né? Mas veja bem, eu tenho 2 fanfics já no final e uma já pronta, então não tem problema u.u (ignorem as 2 em hiatus).
Bem, esse plot aqui me surgiu do nada. Eu estava no Instagram vendo as modas e abri a parte dos Directs e vi um que eu tinha enviado para o Chan e o Baek, que era uma Fanart fofinha deles. Ai eu pensei "ah, se esses filhos da puta vissem iam amar" u.u Dai surgiu o plot e eu parei até de escrever meu TCC para começar o capítulo kkkkk Escrevi rapidamente 3 capítulos, mas ainda não sei quantos terão. Mas será uma short-fic, ok? Fanfics com mais de 30 capítulos nunca mais.
Capa feita pela Cloud Nine <3 <3
Enfim, espero que gostem e se distraiam a lendo <3
Boa leitura <3

Capítulo 1 - Ser fã é padecer no paraíso


Fanfic / Fanfiction Directs para Chanyeol - Capítulo 1 - Ser fã é padecer no paraíso

 

Quando terminei a escola, achei que tudo na minha vida se tornaria mais fácil. Eu estava terrivelmente equivocado. Eu ainda acordava às 05h da manhã, só que agora eu não ficava sentado e copiando dever do quadro. Eu tinha quilos e quilos de peixe e outros frutos do mar para limpar e vender. Meu pai e tios eram pescadores, e como eu não levava jeito para a coisa por ser “delicado” demais, eu trabalhava com a minha mãe no Mercado de Peixe Mansu vendendo a mercadoria que eles traziam. A concorrência dentro do mercado era grande, então tínhamos que trabalhar duro. Eu só descansava às 20h, quando o mercado fechava e eu finalmente podia ir para casa. E essa era a minha vida. Apenas trabalho. Eu não tinha condições de frequentar uma faculdade e muito menos tempo para estudar. Meu futuro era dar continuidade aos negócios do meu pai.

Eu tinha um hobby, no entanto. Quero dizer, estava se tornando um vício. Quando o fluxo de clientes fica menor, eu me distraio navegando na internet e procurando todo e qualquer assunto sobre o meu grande ídolo. Um cantor de um grupo que em três anos se tornou um dos mais populares da Coreia do Sul, e sua fama se estendia por outros países. Ele era tido como um príncipe nacional; talentoso demais, além de cantar e tocar vários instrumentos, ele dançava bem e atuava como um profissional. Um artista completo, era o favorito do público dentre os outros integrantes. Mas o que eu mais admirava nele era a sua humildade. Park Chanyeol nasceu pobre como eu, na mesma cidade onde nasci e moro até hoje. Sua história é diferente dos outros famosos. Ele perdera os pais aos treze anos, e como nenhum familiar tinha condições de criá-lo, teve que viver em um orfanato. Seu sonho de ser um cantor era o que o fazia levantar da cama todos os dias. Aos dezesseis anos ele conseguiu ser trainee da maior empresa de entretenimento do nosso país e, após cinco anos de treino duro, ele debutou com mais quatro meninos no grupo chamado: EXORDIUM. Eu admirava tudo nele. Em especial sua persistência, sua fé em alcançar seus objetivos.

A parede do meu quarto estava quase 100% coberta por pôsters e fotos de Chanyeol. Eu colecionava CD’s, camisas, revistas e até matérias de jornais que falassem dele. Em meu celular, apenas 5% eram fotos minhas, os outros 95% eram apenas o rosto perfeito dele. Eu não era um fã alucinado, no entanto. Eu estava apenas apaixonado por ele. Mas tudo que eu podia fazer era observar de longe. Não podia ir em suas apresentações porque trabalhava quase todos os dias e não poderia desembolsar qualquer dinheiro. Eu estava conformado em amá-lo de longe.

Um dia depois do meu aniversário de dezoito anos, Chanyeol surpreendeu a todos ao criar uma conta no Instagram. Sua primeira postagem foi uma foto sua jantando em um restaurante japonês com outro integrante do grupo, Suho. Foi um dos melhores dias da minha vida. Chanyeol finalmente se “aproximaria” mais de seus fãs com uma conta pessoal.

Eu não conhecia nada do aplicativo, ele nunca me atraiu muito, pois eu não gostava de tirar fotos. Mas por Chanyeol eu criei uma conta somente para segui-lo. E foi futucando o aplicativo que descobri que era possível enviar mensagens para ele pelo Direct. É lógico que eu tinha plena consciência de que ele provavelmente não perdia seu precioso tempo lendo o que lhe mandavam. Mas eu estava feliz apenas em saber que minha mensagem apareceria no celular dele.

Minha primeira mensagem para Chanyeol foi uma enorme declaração de amor. Cheia de “eu te admiro muito”, “eu te amo tanto que dói”, “você é o homem mais lindo que já vi”. O fato de ele nunca ter me respondido não me chateou. Eu senti como se tivesse desabafado o meu amor por ele.

Com o tempo, mandar directs para Chanyeol se tornou um hábito. Eu não só expressava o meu amor por ele, eu passei a relatar detalhes do meu dia, desabafar todas as minhas frustrações como se o aplicativo fosse o meu diário. Se eu cortava o dedo descamando peixe, eu mandava a foto do machucado para ele com mensagens do tipo “Amor, eu me machuquei. Dá beijinho para sarar?”. Eu agia como se ele fosse o meu namorado. Isso poderia parecer um ato meio insano, mas eu gostava de viver no meu mundo de fantasias. Eu não tinha namorado e tinha apenas um amigo. Era bom me iludir daquele jeito, era uma forma de eu escapar do mundo real.

Um pouco depois do meu aniversário, eu faria uma nova amizade. A amiga da minha mãe que trabalhava na barraca ao lado da nossa trouxera seu sobrinho de Busan para trabalhar com ela. O garoto mal sabia limpar um peixe, e vendo a sua dificuldade, o ajudei. Assim nos tornamos amigos em pouquíssimo tempo.

Por mais que eu tivesse Kyungsoo para me distrair, eu não conseguia parar de desabafar com o Instagram de Chanyeol.

 

~~ * ~~

 

Era segunda-feira, Kyungsoo e eu tínhamos saído mais cedo do mercado para irmos ao cinema assistir um filme de terror. Tínhamos esse gosto em comum. Depois lanchamos e conversamos por um tempo. Ele era muito dócil e carinhoso comigo. Eu amava isso nele. Sou uma pessoa muito carente e que adora mimos.

Quando cheguei em casa, a primeira coisa que fiz foi mandar mensagem para Chanyeol.

“Como foi o seu dia, amor?” – eu sempre perguntava isso, e a resposta sempre vinha dos sites de notícias – “O meu foi bom. Sabe aquele filme de terror que acabou de estrear? Kyungsoo e eu assistimos. Não foi tão assustador quanto eu pensava, mas o Kyungsoo não se desgrudou de mim kkkkkk Ele disse que se tiver pesadelos à noite, a culpa será minha. Você acha que é minha culpa ele ser tão cagão? kkkkk”

Em seguida fui tomar banho, e depois de estar aconchegado entre as roupas de cama, enviei outra mensagem:

“Estou na cama. Queria que você estivesse aqui comigo. Queria te tocar e ser tocado por você.”

Eu tinha intimidade sexual com ele. Ou seja, eu costumava relatar minhas fantasias sexuais com ele. Eu me masturbava e contava todos os detalhes e de vez em quando eu lhe enviava fotos do meu corpo nu. Isso fazia eu me sentir como se fôssemos sexualmente íntimos. Mas é claro que ele nunca sequer leu uma vírgula do que eu escrevia. Apenas o Chanyeol da minha imaginação, o meu namorado, sabia de tudo aquilo.

“Você deve estar cansado da conferência de imprensa do seu novo álbum hoje, não é? Não sei se você está a fim de transar. Eu também estou um pouco cansado, sabe? Limpei três quilos de lulas e cinco de peixes. Acho que meus braços não vão aguentar uma masturbação. Está tudo bem para você se for assim hoje? Prometo te recompensar no final de semana. Farei muitas fotos para você, meu amor.”

Alguns minutos após eu enviar a mensagem, Chanyeol publica uma foto. Meu coração quase saiu pela boca quando vi seu lindo rosto. Ele estava deitado na cama usando um roupão branco, sorria de canto de boca, um sorriso sensual que deixou o meu rosto quente. Em sua descrição ele dizia: O dia hoje foi cansativo, mas estou satisfeito com o apoio de todos. Se o seu dia também foi cansativo, desejo uma ótima noite de sono. Descansem bem, amanhã é mais um dia de luta – e finalizou com alguns emojis, dentre eles um coração, um braço que ilustrava “força” e um peixinho extremamente aleatório.

Eu queria ser uns dos primeiros a comentar a foto, mas fiquei tanto tempo o admirando que os comentários passaram dos 10 mil.

“Obrigado, Chanyeol. Sempre apoiaremos você em todas as ocasiões. Espero que todos nós tenhamos um bom dia amanhã. Eu com certeza terei, só por você ter publicado essa foto.”

Eu costumava ser mais contido nos comentários. Por dois motivos: na minha imaginação nosso namoro é secreto, as fãs me comeriam vivo se soubessem. E o segundo é porque a “ala” de comentários é dedicada às fãs do artista. Era apenas para enaltecer o Chanyeol que aparece na frente das câmeras. Aquele não era o meu namorado. O meu namorado era o Chanyeol do chat privado, o Chanyeol verdadeiro, o ser humano.

Não me contive em mandar mais um direct para ele:

“Agora sei como é a sua aparência quando está prestes a dormir. É ainda mais lindo! Vou dormir imaginando você ao meu lado exatamente como está na foto. Quer que eu te mostre como estou agora? É uma troca justa já que você se mostrou...”

Então tirei uma foto minha. Como minha blusa era um pouco larga, a puxei para que minhas clavículas aparecessem. Fiz um biquinho com meus lábios vermelhos, pois eu não sabia sorrir sensualmente como ele. Assim que enviei a foto, acrescentei:

“Como estou? Pareço um peixe, né? Kkkk Dizem que somos aquilo que comemos. Estou certo disso, como peixe todos os dias.”

Bem, agora vou dormir. Sinto que meu dia vai ser bom graças a você. Boa noite e bons sonhos. Sonhe comigo! Haha. Te amo.”

Naquela noite, eu sonhei com Park Chanyeol.

 

~~ * ~~

 

O fluxo de clientes estava um pouco fraco naquela manhã. O que era ruim para as vendas, mas bom para mim. Tinha limpado apenas três peixes. O que me deu a oportunidade de mandar uma mensagem para Chanyeol:

“Bom dia, amor! Dormiu bem? Eu dormi muito bem. Sonhei com você de novo >.<

No sonho estávamos no quintal da minha casa e nos beijávamos por horas. Foi tão realista que eu senti o gosto dos seus lábios, senti a sua saliva se misturando com a minha. Acordei excitado, sabe? Kkkk E agora não consigo para de sorrir, porque sinto que nos nossas almas se encontraram através do sonho. Isso é tão mágico! Eu queria poder dormir por dias seguidos e sonhar com você. Porque só assim que posso te ter de verdade.”

– Baekkie! – Kyungsoo apareceu de repente na minha frente, me dando um tremendo susto.

– Kyung... que susto! O que faz aqui? Sua tia não acabou de receber a mercadoria?

– Sim, mas eu tive que vir aqui te contar uma coisa – ele estava tão eufórico que sua respiração estava um pouco descompassada.

– O quê?

– Acabei de ver um garoto perfeito. Quero dizer, eu já tinha o visto antes, mas agora eu sei que ele trabalha com a sra. Jang. Ele traz as mercadorias dela toda manhã – seu sorriso era típico de quem sonha acordado.

E eu sabia de quem ele estava falando.

– É um garoto moreno e de beleza exótica?

– Sim! Você o conhece?

– Claro. É o Jongin, meu amigo.

Seus olhos duplicaram de tamanho.

– Ele é o Jongin? – e sua histeria começou. – Baekhyun, como é que nunca me apresentou a ele antes? É ele é lindo demais!

– Falta de tempo. Ele trabalha muito. É pescador, junto com o pai. Trabalham para a sra. Jang. O irmão mais velho dele está morando em Seoul, então o Jongin está fazendo o trabalho dos dois.

– Coitado! – lamentou-se. – Não é justo que trabalhe tanto. Não deve ter tempo para nada.

– Exatamente. É por isso que eu não reclamo mais do meu trabalho aqui. O que ele faz é ainda pior.

Decepcionado, ele se sentou no banquinho ao meu lado.

– Tem razão. Há coisas piores que isso aqui.

– Sim... – então tive uma ideia súbita. – Nesse final de semana o Jongin vai jantar lá em casa. É aniversário do meu pai, se lembra?

E seu rosto se acendeu.

– Ele vai mesmo?!

– Sim. O meu pai e o dele são amigos de infância. Se você for, posso te apresentar.

– É claro que eu vou! Eu só não sei o que devo vestir.

– Use o que quiser, vai ser algo bem simples. Churrasco e um bolo que minha mãe e eu vamos fazer.

– Certo... – ele mordeu os lábios, parecia pensativo. – Mas eu preciso ir bem vestido. Eu não tenho muitas roupas, e as que tenho estão velhas.

– Bem, eu te emprestaria algo se as minhas também não fossem velhas – e ambos rimos juntos da nossa desgraça. – Kyung, o Jongin é tão humilde quanto nós. Ele não vai reparar na sua roupa. É só você ser simpático e mostrar esse sorriso lindo.

– Isso vai ser um problema. Eu travo perto de garotos bonitos.

– Não se preocupe, eu vou te ajudar. E tenho certeza que o Jongin vai gostar de você.

– Por que tem certeza?

– Ora, porque você é lindo e uma pessoa maravilhosa. Tudo que ele precisa.

Kyungsoo ficou todo bobo, mas não menos nervoso.

Quando ele voltou para a sua barraca, eu enviei uma mensagem para Chanyeol. Precisava contar a novidade.

“Amor, agora eu tenho o novo emprego de cupido. O Kyungsoo está interessado no Jongin, e eu tenho certeza que eles se darão muito bem. O Jongin é um garoto carinhoso, trabalhador, fiel e lindo. Eu já gostei dele, sabe? Mas faz muito tempo. Hoje em dia o tenho como irmão. Hm... o que você está fazendo? Ensaiando? Ah! Como está o Minseok? O punho dele já está melhor da tendinite? Espero que ele esteja bem. Na última apresentação ele parecia estar com dor. Meu coração se partiu ao ver aquilo. Bem, agora vou voltar ao trabalho. Tenha um bom dia, amor. Te amo.”

Deixei o celular de lado e atendi uma freguesa que vinha todo dia comprar conosco. Era dona de um restaurante requisitado no centro da cidade, e era também uma mulher muito simpática. Sempre dizia que eu era o melhor em limpar peixe, que não deixava uma escama sequer, e que nossas lulas eram incrivelmente maiores e mais saborosas do que as dos demais vendedores do Mercado Mansu.

Meu já tinha separado o pedido dela, já estava tudo limpo. Eu só precisava colocar nas sacolas e pesar. Enquanto pesava, ela puxou papo comigo.

– Como está o seu pai, Baekhyun? – ela sempre perguntava dele.

– Bem. Melhorou daquela virose.

– Ah, que bom! – ela sorriu docilmente. – O meu filho também pegou essa virose semana passada. Ficou de cama e vomitando muito.

– Meu Deus, sério? E como ele está? – eu nunca tinha visto o filho dela, mas posso dizer que o conhecia, uma vez que ela conta tudo sobre a vida dele.

– Melhor. Ele veio comigo hoje. Foi difícil tirá-lo da cama, mas eu precisava de alguém para me ajudar com as sacolas, o sr. Young está ocupado com os preparativos de uma festa que terá no restaurante na sexta-feira.

Sr. Young era o ajudante dela.

– Jura? Eu nunca vi o seu filho.

– Ele está... – ela olhou para trás, achando que ele estivesse em uma das barracas. Passou o olhar por todo o mercado e fez cara feia quando não o encontrou. – Ele deve ter voltado para o carro. Ele não larga o celular por nada nesse mundo.

– Que pena, queria conhecê-lo – falei mais por educação e curiosidade, pois tenho certeza de que ele é do tipo burguês que torce o nariz para os mais humildes. Pelo menos é essa a impressão que a mãe dele passa pelos seus relatos.

– Senhora Oh! – minha mãe exclamou, tinha acabado de voltar do banheiro. – Como está?

A senhora Oh falava pelos cotovelos. Ela realmente contou como “estava”. Falou das dores que sentia nos joelhos e nas costas, contou sobre a virose de seu filho e pediu um relatório médico sobre a virose do meu pai. Eu já tinha lhe entregado as sacolas, e aproveitei que ela batia papo com a minha mãe para mandar mais uma mensagem para Chanyeol e contar sobre as novidades da senhora Oh. Sim, eu relatava absolutamente tudo para Chanyeol. Se ele lesse as minhas mensagens, também estaria a par de toda a vida daquela mulher.

Contudo, quando eu abri o Instagram, dei de cara uma nova atualização dele. Meu coração deu um tranco, e eu tive que abrir a boca para respirar direito. Chanyeol tinha tirado uma foto com Minseok, o mais velho do grupo, e tinha a seguinte legenda: O punho do Minseok hyung já está bom, agradecemos pelas boas vibrações que vocês mandaram. Tenham um bom dia! Eu amo vocês – e ao lado o emoji sorridente, a mãozinha com os dois dedos formando um “V” (paz e amor), um coração e um peixinho. Ele tinha cismado com aquele emoji de peixinho.

Meu dia se tornou muito melhor ao saber que o Minseok hyung estava melhor. Foi um alívio. E o “eu amo vocês” foi a cereja do bolo. Senti como se 0,01% desse amor fosse direcionado para mim. Certamente, corri para lhe enviar mais uma mensagem.

“Estou muito feliz em saber que o Minseok hyung está bem. Obrigado por contar isso a nós. E essa é a minha resposta ao “amo vocês”: eu também te amo! Amo demais, amo mais que tudo. Poste mais fotos, por favor. Ver seu rosto deixa qualquer dia ruim maravilhoso. Te amo, te amo, te amo!”

Meu coração batia a mil. Céus, eu era muito apaixonado por aquele homem. A cada “eu te amo” que digitava para ele, mais eu me apaixonava.

– Filho – minha mãe me chamou, me tirando do meu mundinho açucarado.  – Ajude a sra. Oh a levar as sacolas para o carro, sim?

– Claro, mamãe!

Peguei quatro das seis sacolas e caminhei com ela até a calçada à frente da entrada do Mercado Mansu. Seu carrão do ano estava estacionado lá. Ela ditava algumas receitas usadas em seu restaurante enquanto abria a mala do carro. Ao colocar as sacolas lá dentro, eu pude ver uma cabeça recostada no banco do carona.

– O filho da puta está no carro – ela se referia ao filho. – É um inútil mesmo. Eu vou dar nele!

E então gritou o nome dele. Um “Sehun” estridente que me deixou surdo por alguns segundos. Como ele não respondeu, ela deu a volta ao redor do carro e abriu a porta onde ele estava.

– Venha aqui, Baekhyun, por favor?

Droga, ela iria me apresentar ao filho dela e eu fedendo a peixe. Que ótimo.

Parei ao lado dela, e finalmente vi o rosto do famoso Oh Sehun. Ele era muito, muito bonito. Parecia um famoso. Confesso que ele me deixou um pouco sem ar. No entanto, sua expressão era puramente apática.

– Está vendo esse menino? É o Baekhyun. Você deveria ser como ele – ótimo, ela daria lição de moral nele me usando como exemplo. O garoto com certeza vai passar a me odiar. – ... ele trabalha todos os dias aqui ajudando os pais! Você devia copiar ele, e não esses famosos delinquentes!

Eu não sabia onde enfiar a minha cara. A mulher falou muito e não me deixava ir embora. Mas o engraçado é que o filho dela parecia estar nem aí. Sua expressão de “foda-se todo mundo” não mudava. Ele não parecia nem incomodado com aquele falatório.

Quando ela terminou de dar sua lição de moral, sorriu para mim e agradeceu pelo favor.

– Não foi nada, senhora Oh. Estou à sua disposição.

– Você é um menino de ouro! – ela então me deu um abraço e um beijo na bochecha.– Queria que fosse meu filho – eu nada respondi, só sorri amarelo.

– Vamos, mãe! Esse cheiro de peixe está me enjoando – reclamou o garoto mal-humorado.

– Cala a boca! – ela quase berrou. Quando se voltou para mim, sorria. – Baekhyun, você quer vir à comemoração que terá no meu restaurante nessa sexta-feira? Vamos celebrar o aniversário de três anos do restaurante.

Eu nunca tinha ido ao restaurante dela, e sempre sonhei em ir. Fiquei extremamente feliz com o convite.

– Eu adoraria ir!

– Ótimo! – ela abriu um sorriso largo. – Traga quem quiser.

– Acho que meus pais não poderão ir. Posso levar um amigo?

– Pode, claro!

– É o sobrinho da senhora Lee, o Kyungsoo.

– Ótimo! Espero vocês lá.

Ela então deu a volta no carro e antes que seu filho fechasse a porta, ele me lançou um olhar constrangedor. Seus olhos frigidos foram do meu surrado All Star azul-marinho até o meu cabelo desarrumado. Foi um olhar analítico e intenso que me causou arrepios.

Assim que ela deu partida no carro, voltei para a minha barraca. Eu precisava contar a Chanyeol sobre o convite. Só depois contaria a Kyungsoo.

“Amor, você não vai acreditar! Fui convidado pela sra. Oh a ir na comemoração que terá em seu restaurante. Não é o máximo?! Vou finalmente experimentar a famosa comida de lá e de graça! Queria que você fosse comigo, sabe? Vai ser tipo um momento histórico na minha vida kkkk Além do mais, estou com medo do filho dela. Ele tem um olhar esquisito. É tipo “eu quero arrancar as suas tripas” Haha. Mas não se preocupe, o Kyungsoo vai comigo. Bem, agora eu preciso voltar a trabalhar de novo! Te amo.”

 

~~ * ~~

 

Na sexta-feira, eu não parava de pensar na comemoração do restaurante. Eu comeria muito pouco o dia todo para poder experimentar todas as comidas que serviriam. Kyungsoo fazia o mesmo. Minha mãe e a tia dele tinham nos deixado sair mais cedo para nos arrumarmos.

O jantar começaria às 19h, e às 18h Kyungsoo e eu já estávamos na minha casa para nos arrumarmos juntos. Ele tinha levado a roupa dele e eu ainda não tinha decidido qual usaria.

Kyungsoo já estava vestido quando saí do banho.

– E como é o filho dela? – ele indagou durante a nossa conversa sobre a senhora Oh.

– Bonito, muito bonito. E tão antipático quanto bonito.

– Era de se esperar. Deve ser muito mimado.

– Com certeza.

– Ficaremos longe dele, então.

– Sim, é mais seguro. Ele tem um olhar sinistro.

No final das contas, vesti uma blusa preta de manga comprida feita de lã, calça jeans e meu All Star azul mesmo. Eu tinha o limpado, ficou quase, eu disse quase, como se fosse novo. Ou pelo menos seminovo.

Antes de sair de casa, Kyungsoo foi fazer xixi e eu aproveitei para mandar uma mensagem para Chanyeol. Tirei uma foto minha na frente do espelho grande que havia no meu quarto para mostrar a ele como eu estava.

“E aí, o que acha? Estou com muita cara de pobre? Kkkk Estou indo agora para o restaurante. Quando eu chegar, te contarei tudinho. Jante cedo, amor! Te amo. Beijos.”

 

~~ * ~~

 

Eu não fazia ideia de que o restaurante da senhora Oh, o Oásis Bistrô, era tão chique. Tinha um aquário enorme enfeitando quase uma parede inteira, cheio de diversas espécies de peixinhos coloridos. Os lustres pareciam feitos de diamantes, e as cadeiras eram de madeira maciça. Mas o melhor de tudo era o cheiro da comida. Meu estômago roeu.

Fomos muito bem recepcionados e direcionados a uma mesa onde havia apenas mais um garoto. Era muito bonito e sorriu simpaticamente quando nos sentamos. Ele lia o cardápio, e parou de ler para se apresentar. Se chamava Luhan, era filho do chef chinês que trabalhava ali.

– Dizem que a comida daqui é maravilhosa – falei. – Então é o seu pai que está por trás de tudo isso?

– Sim, mas a senhora Oh tem receitas especiais que só o meu pai e ela conhecem.

Eu lhe sorri, e antes que o assunto morresse, eu acrescentei:

– A senhora Oh é um amor de pessoa, não é? Em plena sexta-feira fechar o restaurante para comemorar com os amigos.

– Ela é! – ele sorriu ao falar dela, mas seu sorriso logo se desfez. – Muito diferente do filho.

Opa. O assunto me interessou. Eu adorava escutar as pessoas falando mal das outras.

– Eu só o vi uma vez – contei. – Ele me pareceu um pouco...

– Antipático?

– Sim.

– Isso é o de menos. Ele é perverso.

– Perverso? Então o conhece bem? É amigo dele? – não consegui me conter. Kyungsoo até deu uma beliscada na minha coxa por debaixo da mesa.

– Já fomos namorados. E ele pisou nos meus sentimentos como se fosse um cigarro usado.

A confissão me pegou tão de surpresa que eu não consegui fazer nenhum comentário. Então Luhan continuou:

– Mas isso já faz dois anos, sabe? Não é como se eu o odiasse. Sou indiferente agora.

O jeito com que ele falava, não me parecia nada indiferente. Luhan parecia guardar uma raiva muito grande.

A senhora Oh chamou a atenção de todos os convidados e fez um discurso de agradecimento. Até então eu não tinha visto o filho dela. Ele só apareceu quando o jantar começou a ser servido e, bem... ele sentou na mesa conosco. Chegou como se fosse o rei da festa, puxou a cadeira e não falou nem um “boa noite”. Apenas chamou o garçom, pediu o que queria e ficou de cara no celular. Fique passado com tamanha falta de educação.

Mesmo estando nervoso perto do garoto antipático, pedi o prato que mais me pareceu saboroso: costela de porco. Me recusei a comer qualquer tipo de fruto do mar. Kyungsoo pediu o mesmo e nos esbaldamos quando o prato chegou. Foi a melhor carne que comi na minha vida.

Sehun comia uma salada com fatias de uma carne meio crua. Não achei nada apetitoso. Durante nossa refeição, Luhan não se aguentou calado:

– Por que não está na mesa com os seus pais? Não é nada confortável jantar com seu mau-humor deixando o clima pesado.

Sehun apenas respondeu quando terminou de mastigar.

– Eu só queria conhecer o garoto que a minha mãe tanto admira – e ele olhou para mim. – Obviamente não estou aqui por sua causa, Luhan. É a sua presença que está deixando esse jantar incomodativo.

Kyungsoo e eu nos entreolhamos com os olhos levemente arregalados.

– Ah, se é assim... – Luhan pegou o prato e se levantou. – Vou sentar com o meu pai. Tenham um bom apetite.

Ele saiu, e Sehun fez pouco caso, não esboçou expressão alguma, só continuou comendo.

Senti meu celular vibrando no meu bolso, quando verifiquei as notificações, era uma atualização do Instagram de Chanyeol. Acho que sorri como um idiota enquanto abria o aplicativo.

Ele tinha postado a foto de um jajangmyeon, e em sua legenda dizia: Como está sendo a noite de vocês? Estou me deliciando com o jajangmyeon que o Suho hyung preparou. Vocês já estão jantando? Estão comendo verduras? Haha. Bom apetite. Espero que a noite de vocês seja tão boa quanto a minha.

Suspirei, como o bobo apaixonado que eu era. Foi uma feliz coincidência ele postar isso enquanto eu comia. Fiquei tão contente que, discretamente, tirei foto da costela que eu comia e enviei para ele no direct.

“Estou comendo algo mais sofisticado que você, dá para acreditar? Kkkk A comida daqui é maravilhosa! A única coisa que está estragando é a áurea negra do Sehun. Quando eu chegar em casa, te conto como foi. Beijos.”

– Então... – me surpreendi com a voz de Sehun. – Estão gostando da comida? Essa costela é uma das minhas favoritas.

Olhei para Kyungsoo, ele me olhou de volta e só então respondi:

– Está maravilhosa. Parece que tem menta no molho.

– E tem, é por isso que eu gosto.

Ele sorriu. Sim, ele sorriu.

– Queria pedir desculpas pelo o que acabou de acontecer e pela cena que a minha mãe fez no carro aquele dia. Aquela mulher e o Luhan me estressam, sabe?

Fiquei tão sem graça que me encolhi na cadeira.

– Não tem que se desculpar por nada.

– Tenho. Aposto que o Luhan fez a minha caveira para vocês e agora acham que sou um canalha, não é?

Nada respondemos, Kyungsoo e eu apenas nos olhávamos.

– É o que ele sempre faz – Sehun contou com certa irritação. – Mas ele nunca conta a história toda. O que ele disse para vocês?

Hesitei um pouco, eu não queria conversar sobre o relacionamento deles, ora. Porém, ele me encarava esperando uma resposta.

– Ele só disse que você pisou nos sentimentos dele.

– E que é perverso – Kyungsoo acrescentou.

Sehun riu.

– Essa é nova... perverso. Gostei.

Que garoto mais esquisito.

– Ele deve ter muita raiva de você – Kyungsoo comentou.

– Eu terminei o relacionamento e ele não aceita. Mas eu tive um motivo forte para isso.

– Entendo – não, eu não entendia. – Às vezes a gente se cansa.

– Sim, ele era extremamente perseguidor, possessivo, chato. Pior que a minha mãe. Eu estava a ponto de dar uns socos nele.

Que sensato.

– Então foi melhor para os dois terminar.

– Com certeza.

Sehun voltou a comer, e eu terminei de comer a minha costela também. Assim que me viu largar os talheres, ele perguntou se não queríamos uma sobremesa, o que obviamente aceitamos. Sehun nos indicou um tal de Petit Gateau. Foi a melhor sobremesa que já comi!

Um pouco depois de eu terminar a sobremesa, a senhora Oh apareceu na mesa. Eu novamente agradeci o convite e não poupei elogios ao restaurante, também a convidei para o aniversário do meu pai, mesmo sabendo que ela nunca iria. Bem, ela disse que ia ver se dava para ir.

Às 22h00 eu decidi que tinha que voltar para casa. Afinal, amanhã trabalharíamos até às 16h e eu ainda teria que fazer o bolo do meu pai. Me despedi da sra. Oh e de seu filho e fomos embora.

 

~~ * ~~

 

Já de banho tomado, me embrenhei entre o edredom e cobri até a minha cabeça. Eu precisava contar a Chanyeol sobre o jantar. Abri a conversa e comecei a digitar:

“Como está, amor? Já foi dormir? Bom, você tem que saber que o jantar foi muito bom. O Sehun, no fim das contas, não é tão mau. Ele foi simpático comigo. Me fez experimentar Petit Gateau, conhece? É maravilhoso! Um dia vamos comer isso juntos, não vamos? Você me dando comida na boca, e depois um beijo gelado pelo sorvete. Ai, ai...

Amanhã o dia será cheio para mim. Eu queria muito fazer “aquilo”, mas vou ter que adiar de novo, desculpe.”

Enquanto eu digitava, recebi uma notificação. Meu coração disparou porque achei que fosse mais uma postagem de Chanyeol. No entanto, me surpreendi quando vi um “Oi” de um número desconhecido no meu Kakao Talk. Abri o aplicativo e respondi:

“Oi. Quem é?”

A resposta veio em 2 minutos.

“Oh Sehun. Minha mãe tem seu número gravado no celular, sabia?”

“Sim, fui eu mesmo que dei a ela.”

Por que diabo ele estava falando comigo?

“É estranho eu te chamar assim do nada?”

Sim, era muito estranho.

“Não kkkk Para ser sincero, estou surpreso. Achei que não gostasse muito de mim.”

“Eu sou um pouco antipático de vez em quando, admito. Mas eu gostei de conversar com você. Minha mãe te admira tanto que eu achei interessante observar as suas ações.”

“Não sei o que ela admira. Não tenho nada de interessante.”

“Você tem, sim. É trabalhador e obediente, minha mãe preza muito essas duas coisas que eu nunca serei.”

“Se eu fosse rico, também não trabalharia. Eu não tenho escolha kkkk”

“E você não se diverte de vez em quando?”

“Muito raramente vou ao cinema com o Kyungsoo. Quando tenho tempo livre, gosto de ficar em casa dormindo.”

“Entendo. Quais dias você está disponível?”

Estranhei a pergunta, mas mesmo assim respondi:

“Sábado depois das 16h e domingo.”

“Está livre este sábado à noite?”

AI. MEU. DEUS. Ele estava me chamando para sair?

“Amanhã é o aniversário do meu pai, estarei bem ocupado.”

“Ah, é verdade! Se minha mãe for, eu vou só para te ver kkkk E no domingo, vai fazer alguma coisa?”

Mas que cara de pau. Não tínhamos conversado nem vinte minutos e ele já estava se atirando para cima de mim. Foi estranho, sabe? Mas eu gostei. Gosto de pessoas com atitude.

“Será um prazer recebê-los na minha casa. E não farei nada no domingo, por quê?”

“Achei que seria legal irmos ao cinema, o que acha? Eu fico tão sozinho em casa, meu amigos são ocupados como você. Por favor, diz que pode ir...”

Eu travei. Não sabia o que responder. Como ele pode aparecer do nada e me chamar para sair? Garoto nenhum me chamou para sair. Pensei em recusar, mas seria indelicado da minha parte. E, afinal, ele é bem bonitinho. Faria bem para o meu ego.

“Tudo bem, podemos ir ao cinema no domingo.”

“Ótimo, está combinado! Agora eu preciso ir dormir. Boa noite, lindo.”

Esse garoto é doido, só pode. Lindo? Deus!

“Boa noite.”

Fiquei uns vinte minutos refletindo sobre a breve conversa que tinha me proporcionado um encontro com Oh Sehun. A pessoa mais encalhada do mundo tinha conseguido um encontro! Céus, só espero que ele não tente me beijar ou algo do tipo, porque... ah, sei lá.

Eu precisava contar aquilo a Chanyeol. Não era como se ele fosse sentir ciúmes de mim. Só precisava desabafar.

“Amor, você não vai acreditar. O Sehun quer sair comigo no domingo! Acho que é um encontro. Eu sei que é espantoso, eu também estou tentando digerir. Ele me adicionou no Kakao Talk e me convidou na cara de pau. Ainda me chamou de “lindo”! Não estou acostumado com esse tipo de coisa. É estranho falar com um garoto que me responde. Muito estranho mesmo. Fico imaginando se você é esse tipo de pessoa. Haha. Acho que você é mais discreto. E sabe o que é estranho, Channie? Eu estou feliz pelo convite dele. Será que eu vou finalmente me desligar desse nosso mundo esquizofrênico? Não me entenda mal, eu nunca vou parar de te amar. Mas e se eu gostar de sair com ele? Acho que seria bom, não é? Será que eu passaria a te ver apenas como o meu ídolo favorito? Ou será que eu continuarei te amando como homem?

Argh. Queria tanto que você pudesse ler tudo que escrevo. Você seria a pessoa que mais me conhece.

Bem, já escrevi demais. Tenha uma boa noite e bons sonhos. Te amo!”

Deixei o celular embaixo do travesseiro e me preparei para dormir. Quando meus pensamentos estavam começando a se tornar confusos (sinal de que o sono está te pegando), o meu celular torna a vibrar. Na mesma hora eu o peguei e verifiquei o que era. Ah... era mais uma atualização do Chanyeol no Instragram!

Ele tinha tirado foto do espaço vazio ao seu lado na cama, só aparecia a sua mão sobre o travesseiro. A legenda dizia: Espaços vazios me dão medo. Sinto como se alguém estivesse querendo me tirar algo precioso. Se vocês também têm espaços vazios em suas camas, me imaginem lá. Me imagine olhando para você, te segurando com os dois braços para que ninguém ouse te roubar de mim. Temos mais que uma relação de ídolo e fã. Nunca se esqueça disso. Nem quando tentarem confundir a sua cabeça.

Eu não entendi muito bem o significado da legenda. Poderia ser alguma treta do fandom, sei lá. Só sei que parte da mensagem eu li como se fosse para mim. Eu o imaginei ali comigo e dormi feliz.

 

Continua...


Notas Finais


Bem, eu não lembro de ter citado, mas o Baek não nota que o Chanyeol vê as mensagens porque ele não sabe mexer direito no aplicativo. Isso já aconteceu comigo, eu não sabia nem como ver o que as pessoas que sigo curtem kkkkkk
Mas e aí, o que acharam? Espero que tenham gostado.
Postarei o segundo semana que vem XD
Obrigada por ler!
Beijãoooooo >3<


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...