História Dirty Dancer - Lutteo - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Gaston, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nina, Ramiro, Simón, Yam
Tags Gastina, Gaston, Luna, Lutteo, Matteo, Nina, Romance, Sou Luna
Exibições 178
Palavras 2.339
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E aí, como estão?
Bora ler mais um capítulo?
Espero que gostem...

Capítulo 6 - A Proposta Irrecusável de Matteo


Luna ainda tentava entender o que estava acontecendo. Ela jamais imaginou que Matteo fosse beijá-la publicamente, ainda mais dentro de um restaurante. Sem conseguir resistir, ela se entrega ao momento e retribui o beijo do moreno com ainda mais intensidade. Ninguém ali estava conseguindo acreditar no que viam. Matteo era um dos homens mais temidos daquela região. Por seu passado de assassino, todos sentiam medo do moreno.

Após um tempo se beijando, o casal se separa e Matteo olha para os homens que ainda continuavam boquiabertos. – É bom começarem a fechar a boca. Posso muito bem voltar a usar as minhas flechas. Meus dedos estão coçando pra atirar alguma. Vão querer ser os primeiros? O homem fala e todos arregalam os olhos, até mesmo Luna. A jovem não sabia o que dizer e nem o que fazer. Sua surpresa foi ainda maior quando viu os homens se levantarem de suas mesas e irem embora.

- Matteo, você...

- Eu o que?

- Você espantou eles. Não era pra tanto.

- Claro que era. Você está almoçando comigo e eu não vou admitir que te tratem mal. Uma mulher como você só merece flores, carinhos e muitos beijos. O moreno fala e acaricia o rosto de Luna que fecha os olhos. Ela sente o homem se aproximar e a beijar calmamente. Apenas um selinho. – Eu não consigo resistir a essa tua boca. O que tem aqui, hein? Mel? Matteo sussurra e morde o lábio inferior da jovem que solta um gemido.

- Matteo... Tem... Tem gente olhando. Pára.

- Não me importo. Quero mais é que todos vejam que o assassino das flechas está muito bem acompanhado. Balsano fala e dá um sorriso malicioso. Luna fica vermelha e os dois voltam para a mesa. O almoço acontece tranquilamente em meio a sorrisos e muita conversa.

Na casa de Luna, Lilian estava furiosa com a demora da jovem. – Mas, onde essa garota se meteu? Ela não sabe a hora de vir pra casa não?

- A Luna sabe se cuidar, Lilian. Ela sempre foi responsável. Bem ao contrário de você, não é? Miguel fala.

- Cala a boca, Miguel. Quer saber? Eu e o Ramiro iremos almoçar fora. Num restaurante chique e com boa comida.

- E vai deixar as suas filhas passarem fome? Lilian, você sabe muito bem que eu não consigo cozinhar estando nessa cadeira e que a única que cozinha aqui é a Luna.

- Ótimo, espere ela voltar. Porque nós, meu amor... Vamos comer em outro lugar. Lilian fala e sai de casa juntamente com Ramiro. Miguel fecha os olhos e tenta pensar no que fazer com sua esposa. A situação estava ficando cada vez pior e ele se sentia um inútil por não conseguir fazer nada.

Depois de algum tempo, Jim e Yam chegam em casa e estranham a demora de Luna. – Papai, porque a Luna ainda não chegou em casa? Yam pergunta.

- Não sei, meus amores.

- Ela não fez o nosso almoço? Jim pergunta.

- Ainda não, meu amor. Mas... O que acham de nós mesmos tentarmos fazer algo? Hã?

- Ta. As duas meninas respondem e começam a ajudar Miguel na cozinha. O fato era que os eletrodomésticos e as demais coisas eram mais altas e nenhum deles conseguia pegar. Pra piorar ainda mais a situação, Jim e Yam acabam se queimando enquanto tentam usar o fogão e isso deixa Miguel desesperado.

- Ai, está doendo. Yam fala em meio a soluços.

- Pai, dói muito. Jim fala também chorando e o cadeirante fica sem saber o que fazer. Miguel chora também.

- Meu Deus, porque o Senhor não me mata? Eu não aguento mais viver nesse tormento. Eu não aguento mais viver nessa vida miserável. Não aguento mais depender dos outros. Me mata, meu Deus. Me mata. Acaba de vez com esse meu sofrimento. Miguel fala e abraça as duas filhas menores.

Enquanto isso, no restaurante... O almoço havia acabado de terminar. Matteo já tinha pagado a conta e agora estava levando Luna de volta pra casa. O caminho era feito com conversas descontraídas. Luna estava muito feliz ao lado de Matteo. Nunca havia pensado que o moreno era tão gentil e tão divertido. O pouco que sabia dele era que era um homem frio, calculista e capaz de fazer qualquer coisa para conseguir se vingar de sua família. Ali, ela estava tendo a chance de conhecer um lado diferente de Matteo. O lado mais humano que ele possuía. O pior de tudo era que ele a estava enganando e a jovem nem se dava conta disso.

Quando estavam bem próximos da casa da jovem, Matteo pára o carro e encara a garota. – Vou te deixar aqui, como você mesma disse...Teu pai pode pensar coisas... Erradas sobre nós dois. Se bem que... Tudo o que ele pensar... Talvez seja verdade. O moreno fala maliciosamente e deixa Luna vermelha. – Eu adoro quando você fica assim. Tão tímida, tão gostosa... Me enlouquece.

- Matteo...

- Vem cá vem. Vem pro meu colo. O moreno fala com a voz rouca e Luna estremece.

- Matteo, eu não...

- Shii... Relaxa, garota. Eu não vou fazer nada que você não queira. Vem cá. O moreno sussurra e a jovem acaba cedendo. Balsano a puxa para seu colo e a beija ao mesmo tempo. Assim que suas línguas se tocam, um arrepio percorre o corpo de ambos. Era como se quando se encostavam, uma chama acendia dentro deles e eles não conseguiam apagar. O desejo era muito forte e intenso. Até o próprio Matteo não sabia como conseguia sentir tanto desejo por uma garota que mal havia conhecido. Era algo surreal. Uma coisa que ele jamais havia sentido. Uma atração avassaladora. Luna se sentia da mesma forma. Nunca havia desejado alguém como estava desejando Matteo. O fato era que ele havia despertado nela desejos que até então nunca havia sentido.

Matteo desce beijos pelo pescoço de Luna enquanto a jovem solta pequenos gemidos. – Vai me enlouquecer com esses gemidos.

- Você é quem me enlouquece desse jeito. Luna fala ao olhar nos olhos do moreno.

- Eu quero você, Luna. Faz amor comigo?

- O... O que? A... Agora? Luna pergunta com a voz trêmula.

- Claro que não. Hoje à noite... No meu haras.

- Matteo...

- Não quer? Hã? O moreno sussurra contra a pele do pescoço da jovem que fica completamente arrepiada e estremece em seu colo.

- Eu... Eu quero.

- Eu prometo que vai ser uma noite inesquecível. Você vai adorar.

- Eu... Eu não duvido disso. A jovem fala um pouco receosa e Matteo toca seu rosto.

- Olha pra mim. Fica tranquila. Eu não vou fazer nada que te machuque. Vem cá. O moreno fala e puxa a garota para um beijo calmo e apaixonado. Eles se despedem e a garota vai pra casa. Assim que entra na mesma, ela se surpreende ao ver seu pai e suas irmãs chorando.

- O que aconteceu? Pai, o senhor está bem?

- Sim, minha filha. As... As suas irmãs é que não estão nada bem. Se queimaram tentando me ajudar a cozinhar.

- Mas, e a mamãe?

- Saiu e até agora não voltou.

- E deixou vocês sem almoço? Meu Deus, eu... Eu sou a culpada de tudo. Se eu não tivesse... Esquece. Eu... Eu vou cuidar dos machucados das meninas e depois faço o almoço, ok?

- Não precisa, filha. Você deve estar cansada e...

- Não, pai. É minha obrigação cuidar de vocês. A jovem fala e começa a cuidar dos machucados de suas duas irmãs. Após limpar os ferimentos, a jovem coloca um curativo e começa a preparar o almoço.

Nina caminhava tranquilamente pelas ruas e se surpreende ao encontrar Mariano, o homem que havia a levado para a prostituição. – Ma... Mariano?

- Surpresa em me ver, gatinha?

- Eu... O que faz aqui? Pensei que estivesse nos Estados Unidos.

- Sim, eu estava. Mas, resolvi voltar. Quero relembrar os velhos tempos. O rapaz fala e se aproxima da garota que estremece e tenta se afastar.

- Me... Me solta.

- Quietinha. Não sentiu saudades de mim?

- Você sabe que não. Depois de tudo o que me fez, eu jamais poderia sentir saudades de um homem como você.

- Nossa, estou realmente tocado com suas palavras. Olha aqui, garota. Você vai voltar a fazer tudo o que eu quiser, ouviu bem?

- Me solta. Eu nunca mais vou voltar a ter... Algo com você. Me deixa em paz, Mariano. A jovem fala e sai correndo.

- Pode correr o quanto quiser... Logo voltará a ser minha. Mariano grita e ri enquanto observava Nina se afastar.

Luna arrumava a casa enquanto pensava em Matteo e em tudo o que estava vivendo com ele. O havia conhecido há poucos dias e já estava completamente envolvida por ele. De fato, o moreno não parecia em nada com o assassino que todos falavam. Ele demonstrava ser um homem completamente diferente do que falavam e isso a deixava encantada. Enquanto varre a casa, a jovem pensa na proposta que ele fez e dá um sorriso. Mas, o mesmo morre ao ver sua mãe e seu irmão chegando em casa com sacolas de compras. – Posso saber onde estavam? O papai e as meninas ficaram sozinhos aqui e se machucaram por conta da sua imprudência. A garota fala e aponta para Lilian.

- Luna, dá um tempo. Alguém morreu? Não? Então, fica calada e me deixa chegar em casa. Estou muito cansada.

- Cansada do que?  De fazer compras? Mamãe, a senhora deixou o papai e as minhas irmãs sem comer.

- E você está aqui pra que? Luna, eu não nasci pra cozinhar. Não nasci pra ser uma dona de casa perfeita. Querem comer? Eles que façam.

- A senhora sabe muito bem que as meninas são crianças e que o papai não consegue se locomover.

- E daí? Luna, dá um tempo. Vai arrumar o que fazer e me deixa em paz.

- Eu é que preciso de paz. Quer saber? Eu cansei disso tudo. Eu cansei de ser feita de idiota por vocês dois. Eu cansei de fazer tudo por essa maldita família e vocês nunca me darem uma palavra de apoio. Eu cansei das suas saídas, mamãe... E das suas festas, Ramiro. Eu to cansada de ser feita como empregada dentro da minha própria casa. Vocês não sabem dar o mínimo valor nem pra mim e nem pro papai. Eu to cansada de vocês. Eu to cansada disso tudo. Luna grita e corre para seu quarto, onde se tranca e cai no choro. Ela se sentia injustiçada pela sua própria família. Lilian e Ramiro só pensavam em festas e dinheiro e não ajudavam em nada dentro de casa. Parecia que ela era uma empregada e que só servia para fazer as tarefas de casa e nada mais. Seu único momento de felicidade era em cima do palco enquanto dançava. Mesmo com olhares nada descentes para cima de si, ela se sentia livre enquanto dançava. Aquilo era sua única distração e sua válvula de escape.

O dia passa rapidamente e Luna já se encontrava na boate para mais uma noite de apresentações. Matteo também estava lá e sorri largamente ao ver a jovem entrar no palco e começar a dançar. Luna percebe seu olhar e estremece enquanto dança. Após dançar, ela iria para o haras com o moreno e no fundo, sentia um frio na barriga por pensar que naquela noite iria se entregar a ele.

Ramiro estava na entrada da boate acompanhado de seus amigos.  Todos haviam conseguido passar por garotos maiores de dezoito anos. O rapaz olha para o interior da boate e se aproxima do palco. Ele observa as dançarinas e uma em especial o deixa de boca aberta. – Luna? O rapaz fala um pouco alto demais e a jovem olha para quem havia pronunciado o seu nome.

- Ra... Ramiro? A garota fala ao parar de dançar e sai correndo do palco. Ninguém entende o que havia acontecido. Matteo se levanta de sua mesa e vai para o camarim, onde encontra Luna chorando.

- Luna? O que houve? Porque saiu correndo do palco?

- O... O meu irmão está lá fora. Ele... Ele descobriu tudo, Matteo. Ele descobriu tudo.

- Shii, calma. O moreno fala e abraça a jovem.

-Matteo, ele... Ele vai contar para o meu pai. O Ramiro... O Ramiro vai falar tudo e... Ele nunca vai me perdoar.

- Luna, calma. Ele não vai contar nada. Eu vou me encarregar dele não contar nada a ninguém.

- Matteo, você... Você vai matar o Ramiro? Luna pergunta ao parar de chorar.

- Claro que não, Luna. Só irei ameaçá-lo.

- Não, por favor... Eu... Eu não quero que faça nada. Eu mesma irei resolver toda essa situação.

- Luna, o que foi que aconteceu? Quero que volte para o palco imediatamente. Pedro, dono da boate aparece e fala.

- Ela não vai voltar para o palco. Está comigo. E eu faço questão de pagar pela sua companhia. Matteo fala e encara Pedro que acena positivamente ao receber um cheque com uma grande quantia em dinheiro.

- Matteo, você... Eu... Eu preciso voltar pra lá. Preciso chegar em casa antes que o Ramiro conte algo.

- Shii. Vamos pro haras agora. Luna, ele não irá contar nada. Provavelmente irá te chantagear com algo. Enfim, esquece tudo isso. Você precisa relaxar. Vem cá. O moreno fala e puxa a jovem para um beijo calmo e apaixonado.

- Meu pai nunca irá me perdoar se souber do que eu faço.

- Luna, esquece todo mundo por essa noite. Vem comigo pro meu haras. Quero que passe a noite toda ao meu lado. Quero que seja minha.

- Matteo...

- Shii, aceita. Sei que irá gostar e não irá se arrepender. Vem comigo. O moreno fala e estende a mão para a jovem que fica olhando para a mesma. Será que ela irá aceitar a proposta de Matteo?


Notas Finais


Gostaram? Odiaram?
Mereço comentários?
Matteo espantou todos do restaurante e mostrou para Luna o quanto é... Possessivo. Será que ela irá aceitar sua proposta de ir para o haras e passar a noite toda ao seu lado?
E Ramiro? Como ela enfrentará o irmão?
Lilian está passando de todos os limites. Qual seria a melhor punição pra ela?
Espero vocês no próximo capítulo.
Até mais...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...