História Dispatch - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x)
Personagens Amber Liu, Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Krystal Jung, Lu Han, Sehun
Tags Amber, Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Dispatch, Exo, Hunhan, Jongin, Kai, Kaisoo, Kryber, Krystal, Kyungsoo, Lemon, Luhan, Sehan, Sehun, Yaoi
Exibições 369
Palavras 4.116
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi, Yuri
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ESPECIAL CHANBAEK COM 4111 PALAVRAS 💜💜💜💜 (ME DEEM MUITO AMOR PQP)
Olha, to destruída... Mas conto nas notas finais...

Capítulo 17 - Feliz aniversário, Chanyeol


Sim, o tempo corria quando os dias eram sobrecarregados. Os meses - mesmo não parecendo muita coisa - continuavam recheados de saudade. A ocupação realmente era o calmante da paixão. Apenas o calmante, como uma anestesia na qual o efeito passaria dentro de algumas horas, tudo voltaria a ser sentido depois. E não importava o quanto Baekhyun estava ocupado, ele voltaria a sentir saudade.

A maioria das promoções da nova unit haviam terminado. E pelo pouco que sabia sobre sua agenda, viajariam para Taiwan para mais alguns shows depois do Melon Awards. Havia recebido uma mensagem de Chanyeol durante uma das transmissões ao vivo com Heechul, pedindo para que o esperasse no dormitório para irem juntos para o apartamento. O frio na barriga não foi apenas pela observação no final da mensagem "Tenho uma surpresa para você", mas também pelo pensamento que poderiam passar uma noite juntos depois de tantas semanas longe.

Baekhyun chegou ao dormitório com a respiração ofegante. Sabia que o maior ainda não havia chegado e que teria que esperar por algumas horas até que ficasse tarde o suficiente para sair sem ninguém desconfiar, teria que esperar os compromissos dele chegarem ao fim. Porém, não conseguiu conter a pressa para ficar pronto, como se assim pudesse fazer com que o tempo corresse.

Enquanto tomava banho, pôde fechar os olhos e permitir-se esquecer das preocupações, esquecer que poderiam descobrir sobre todos os seus passos novamente, esquecer os vidros falsos ao seu redor e esquecer que - por mais clichê que isso soasse - sempre pareciam estar tão perto, mas também tão longe.

Substituiu os pensamentos ruins por desejo enquanto deslizava o delineador por cima dos cílios com sutileza. Sorriu imaginando tudo que poderiam fazer enquanto deixava uma blusa larga escorregar por seus ombros. Chanyeol adorava quando usava roupas suas, e amava quando usava branco. No rosto, não colocou nada além do delineador. Deixou os cabelos pouco bagunçados, com as mechas vermelhas secas quase lhe tocando os olhos. Se olhou no espelho no final, sorrindo simplesmente por não conseguir se conter.

Mandou mensagem para JunMyeon para que não ficasse preocupado, avisando que passaria a noite fora, assim como Chanyeol. Sentou-se no sofá quando o relógio na parede da sala marcava quase onze e quarenta. Os corredores escuros do dormitório não lhe assustavam mais como nos primeiros dias que dormiu ali. Lembrava de ter que acender todas as luzes até chegar a cozinha durante a madrugada para roubar alguma coisa da geladeira, assim que acabou esbarrando com Chanyeol e começaram a conversar. Deixando de serem apenas integrantes do mesmo grupo, passando a ser amigos e depois a ser milhares de outras coisas.

O ponteiro maior do relógio andou algumas vezes e Sehun saiu do quarto, andando até a sala a passos apressados e parando antes de abrir a porta, percebendo um Baekhyun sentado no sofá lhe encarando.

- O que está fazendo acordado agora? - A voz do mais novo estava um pouco trêmula, talvez pelo susto de encontrar o menor sentado no sofá de uma forma tão absorta.

- Vou sair - Baekhyun falou de forma simples - E você? Também vai aproveitar a noite? - Sorriu para ele, que continuou parado com a mão na maçaneta.

Sehun não permaneceu com o rosto impassível dessa vez, um sorriso arteiro brotou em seus lábios ao responder, mudando completamente sua expressão anterior.

- Só temos a madrugada para escapar um pouco da rotina, não me culpe por não te chamar - A leveza e astúcia costumeira fizeram Baekhyun rir, ouvindo a porta se fechar segundos depois.

O ponteiro maior do relógio andou mais algumas vezes e quando seus olhos pesaram, Baekhyun se levantou e tomou um gole do pouco de soju que pela primeira vez havia no dormitório, deixando a garrafa aberta na geladeira. Não poderia ficar com sono na noite em que Chanyeol lhe faria uma surpresa, na noite em que matariam a saudade.

Se pudesse não só mataria a saudade como a jogaria em um rio. Em chamas.

Voltou para o sofá e pegou o celular, mandando uma mensagem para Chanyeol, perguntando que horas ele chegaria. Ligou a televisão, mudou de canal até achar um filme qualquer e encarou a tela sem realmente prestar atenção. Ficou assim pelo que pareceu muito, muito tempo.

O ponteiro menor girou, completando agora, mais de uma volta e meia.

Baekhyun não podia culpá-lo. Não podia culpá-lo porque dormia. Dormiu sem perceber que havia fechado os olhos, que havia que se acomodado no sofá, esticado as pernas e deitado. Em algum momento, depois de tanto levantar para beber apenas um gole do soju, acabou por trazer a garrafa consigo.

Agora, o vidro estava vazio no chão, projetando a imagem da televisão de uma forma distorcida, fazendo o rosto da atriz se deformar.

A porta do dormitório se abriu quando os créditos finais subiram. Chanyeol sentiu o peito apertar ao encontrar o menor encolhido no sofá. O delineador já borrado, deixava uma mancha abaixo dos olhos até a bochecha, que o mais novo só conseguiu ver quando a luz da televisão refletiu no rosto sereno de Baekhyun.

Aproximou-se a passos cuidadosos depois de fechar a porta devagar. Antes que pudesse se ajoelhar em frente ao sofá, seu pé tocou a garrafa, fazendo com que ela quase fosse ao chão se não houvesse sido amparada pelo próprio sofá. Chanyeol pegou a garrafa e fechou os olhos por alguns segundos, respirando fundo. Baekhyun não era de beber, nem ao menos gostava do gosto de soju. Colocou o objeto no chão e ajoelhou-se em frente ao rosto do menor. Passou seus dedos frios pelas bochechas quentes do mais velho. E a porta se abriu.

Sehun encarou a cena por alguns segundos e, como se houvesse finalmente entendido, mirou o mais velho.

- Ele estava te esperando a umas boas horas - Murmurou depois de trancar a porta.

- Eu sei.

- Era um dos únicos dias em que ele poderia ter um tempo sozinho, eu acho - O silêncio prevaleceu por alguns segundos. Chanyeol não tinha mais força para lhe responder, já se sentia mal o suficiente por conta própria - Ele teria gostado da surpresa - O pesar evidente em sua voz fez o maior encará-lo com um sorriso cansado em meio ao escuro - Amanhã temos o Melon, não esqueça.

Oh Sehun se virou, pronto para ir para seu quarto, mas parou ao ouvir a voz do mais velho.

- Obrigada por montar alguns móveis para mim - disse em um tom brincalhão, mas completamente verídico.

- Montar quase todos os móveis, Park Chanyeol - Sehun o corrigiu, permitindo que um sorriso fraco abrisse seus lábios enquanto caminhava para o quarto.

O maior desligou a televisão e voltou a fitar o contorno pálido que era Baekhyun. Se sentiu idiota por não ter prestado atenção na hora enquanto ajudava Irene com alguns equipamentos do estúdio. Deveria ter apenas negado e dito que tinha o que fazer quando a menina pediu sua ajuda, mas não queria ser rude. Realmente achou que daria tempo.

- Não precisa ficar assim - A voz de Baekhyun lhe assustou por um momento. Seus olhos passaram a procurar os dele no escuro.

O menor se ergueu, sentando no sofá enquanto Chanyeol continuou ajoelhado a seu lado.

Baekhyun sempre teve milhares de tons em sua voz, milhares de caminhos por onde o maior tentava desvendar o que ele sentia. Agora, Chanyeol ouvia compreensão e a cotidiana força que o mais velho parecia ter em todos os momentos.

- Me desculpa - Pediu, encarando seu rosto em meio a escuridão.

Ao invés de falar qualquer coisa, Baekhyun se inclinou, puxando Chanyeol pelo colarinho da blusa social. Os lábios se tocaram com força, com aquela paixão que não foi embora apesar de os anos terem passado.

O mais velho não podia se dar o direito de ficar irritado quando ele mesmo já havia deixado Chanyeol esperando tantas outras vezes. Os dois sabiam o tipo de vida que viviam. As vezes sentiam que seu tempo não lhes pertencia.

A boca de Baekhyun tinha gosto de soju e Chanyeol se inebriou naqueles lábios rosados.

Se beijaram no corredor em direção ao quarto, esbarrando nas paredes, sugando os lábios, sentindo a pele suar. Se beijaram enquanto fechavam a porta, enquanto caíam na cama, sussurrando obscenidades.

Dormiram abraçados em uma das camas de solteiro, torcendo para que houvesse uma cama de casal no hotel em Taiwan. 

 

 

 

Chanyeol perdeu o sono quando o sol suave da manhã começou a fustigar as cortinas junto com o vento que passava por uma meia abertura da janela. Teria apenas virado para o lado e voltado a dormir se tivesse conseguido se mover. O que era impossível com um Baekhyun desacordado praticamente por completo em cima de si.

Esticou o braço até alcançar o celular no chão, ainda tinha um tempo até JunMyeon sair pelo dormitório acordando a todos. Abriu alguns aplicativos com uma mão, enquanto esticava os dedos pelos fios vermelhos de Byun com a outra. A cabeça do menor apoiada em seu peito, subia e descia por causa de sua respiração. O barulho terno do vento nas cortinas. A respiração de Baekhyun ressonava. Esse momento era um daqueles em que se tem vontade de levantar e tirar uma foto apenas para se lembrar da paz que sentiu.

Paz essa, que não demorou para ir embora - pelo menos por parte de Chanyeol - ao ver uma foto no Instagram.

Babaca.

Sapatos.... Quem põe isso como legenda?!

Ele só pode estar de brincadeira.

- Baek - Chamou sem tirar os olhos da tela do celular. O carinho nos cabelos do menor sendo transformados em uma agitação irritante em seus ombros - Baek - Chamou novamente quando o menor apenas se mexeu, sem abrir os olhos - Acorda, acorda - falou mais alto, desviando os olhos do celular para fitar o menor abrindo apenas um dos olhos.

- Que é? - Baekhyun sempre teve milhares de tons em sua voz, milhares de caminhos por onde Chanyeol tentava desvendar o que ele sentia. Mas, agora, sua voz só tinha um caminho muito óbvio, a irritação.

Odiava ser acordado. E odiava mais ainda ser acordado desse jeito.

- Você viu a foto que o Kasper postou com seu pé? - Chanyeol parecia ter se esquecido de prestar atenção no caminho ao passo que encarava a postagem do dançarino com certa fixação - É idêntica a nossa foto, Baek! - Virou o celular e olhou nos olhos do mais velho, que o encarava com algo perto de ira.

- E aí, Chanyeol? - Seu nome havia sido pronunciado com evidente irritação. Mas o maior permanecia completamente focado na foto e em suas suposições para prestar atenção nisso.

O mais novo parecia ter se transformado em um menino de doze anos brigando por um brinquedo. Baekhyun odiava crianças antes do meio dia.

- Eu já falei para você, Baek! O Kasper quer te roubar de mim! Ele imita minhas fotos, meu cabelo e agora ele quer você! - Chanyeol gesticulou com o celular na mão enquanto falava, uma hora ou outra apontando para a foto. Baekhyun permaneceu imóvel o observando com o rosto inexpressivo, talvez porque achasse que se abrisse a boca a única coisa que sairia seria um pedido para que Chanyeol fosse à merda.

O menor respirou fundo, fechando os olhos por um momento vendo que Chanyeol já acabara de falar.

- Chanyeol - Pronunciou com um sorriso forçado, como se falasse com uma criança - O Kasper é meu amigo, você sabe disso.

- Um amigo bonito demais que fica tirando fotos quase agarrando você - O maior resmungou, com os lábios secos contorcidos em descontentamento.

Respira. Respira. Respira.

- Duvido que ele não fique olhando para suas pernas quando "te ajuda a praticar as coreografias" - Chanyeol falou e fez aspas com os dedos - Isso é desculpa que ele fica dando e você acredita!

Baekhyun levantou da cama, puxando o travesseiro, tirando o resto do cobertor que estava no mais novo, embolando tudo em suas mãos e marchando em direção a porta de saída do quarto.

- Ei, Baek! - O maior levantou, mas Byun já tinha aberto a porta e estava no corredor, andando em direção a sala. Chanyeol colocou a cabeça para fora do quarto - O que foi?

- Você não se garante porque ele é muito bonito? - Baekhyun perguntou com os dentes cerrados, sem um pingo de paciência, olhando de soslaio. Sabia que mexera com uma coisa muito frágil em quase todos os homens: a masculinidade. Contudo, continuou andando sem esperar nenhuma resposta e se jogou no sofá, ouvindo a porta do quarto fechar com pouco de força alguns segundos depois.

 

 

 

Baekhyun se controlou durante todo o evento. A cada frase e riso cínico de Chanyeol, a vontade de simplesmente levantar e ir embora aumentava. Os dois não haviam trocado nenhuma palavra desde o acontecimento de manhã, e terem que se sentar um ao lado do outro havia sido um pedido de JunMyeon para que "fizessem as pazes o mais rápido possível".

Mas, uma das coisas que Baekhyun mais odiava era ter que tolerar Chanyeol agindo daquela forma insuportável.

A entrega dos prêmios já havia começado, e a expectativa fez com que ambos pudessem esquecer um pouco o que acontecia. Red Velvet subiu ao palco. O menor viu perfeitamente o olhar que Chanyeol e Sehun trocaram quando Irene subiu as escadas, e não era idiota ao ponto de não saber o porquê. Era aquele olhar depravado, imoral e sem pudor que homens davam em mulheres bonitas. Talvez o maior fizesse isso apenas para provocar ainda mais Baekhyun. Talvez estivesse exagerando. Talvez a provocação estivesse levando tudo para o pior lado possível.

- Nossa, a Irene é muita bonita, não é Baekkie? - Sua voz era apenas sarcasmo. O menor quase pôde ouvir ele terminando a frase com "assim como o Kasper" e talvez tivesse feito se a câmera não houvesse focado em si.

A multidão de fãs gritava com o comentário exposto e Baekhyun quase riu. Quase porque percebeu, ou apenas relembrou, que Chanyeol nunca deixou de olhar para meninas, nunca disse realmente sua opção sexual e isso nunca incomodou o menor. Mesmo no início do relacionamento, quando o mais velho tocava nesse assunto, a resposta sempre fora a mesma.

Eu só sinto isso tudo por você, Baekkie.

Você foi o primeiro que me fez sentir assim.

Eu nunca olhei para nenhum homem como eu olho para você.

Isso tudo lhe pareceu tão bonito e romântico quando ouviu, porque o encanto parecia ter sido rompido agora?

Reclamava o quanto a sexualidade de Chanyeol era atribuída a si sem nem ao menos as pessoas se darem o benefício da dúvida, e acabara por fazer o mesmo consigo.

Quando percebeu, já estavam no vôo para Taiwan. 

 

 

 

Por mais que fossem apenas duas horas de avião até Taiwan, o menor tratou de sentar o mais longe possível do mais novo, que, em contrapartida, fingiu não notar a distância.

Nenhum integrante tivera muito tempo para fazer qualquer coisa ao chegarem em Taipei no dia seguinte. As passagens de som ocuparam quase que a tarde inteira do dia anterior ao primeiro show do Exordium. Chanyeol e Baekhyun não se falavam desde o Melon, mas não era como se houvessem tido algum tempo de qualquer forma.

O clima de euforia e ansiedade para os shows pairava entre todos quando finalmente chegaram ao hotel. JunMyeon trocou de quarto com Chanyeol, dizendo que o presente de aniversário do maior seria ficar em um quarto sozinho pela primeira vez. Obviamente o mais novo não deixou de notar aquele tom de malícia quase que infantil na voz do líder. JunMyeon estava lhe dando uma brecha para se desculpar com Baekhyun como presente de aniversário também. E faria isso, se não tivesse que ir dormir para acordar bem-disposto amanhã.

 

 

 

 

No primeiro ano de aniversário de Chanyeol, Baekhyun lhe deu um abraço como presente de aniversário. Ainda eram trainees se encarando de longe na época. O maior se descobria e se renegava na mesma proporção.

No segundo ano, Baekhyun foi forte, como sempre fora, e disse o que sentia, olhando nos olhos dele mesmo que suas mãos tremessem. Chanyeol lhe deu seu presente de aniversário em forma de beijo. Talvez fora nesse momento que passaram a ser milhares de outras coisas. Houveram milhares de outros problemas. Mas também, milhares de outros beijos.

Baekhyun relembrou cada aniversário do maior antes de dormir. Acabou por ficar em um quarto sozinho, pois JunMyeon preferiu ficar com Sehun. Seria uma das primeiras noites que dormiria sem ele por perto, e sentia raiva por sentir falta como uma menininha de dorama, sentia raiva por querer sentir mais raiva e não conseguir. Se conhecia o suficiente para saber que nada lhe faria levantar e ir até ele.

Dormiu com as pernas nuas envoltas com força em um travesseiro, pedindo a Deus ou qualquer outra divindade que tirasse os pensamentos caóticos de sua cabeça.

Nossa, a Irene é muita bonita, não é Baekkie?

 

 

Apesar de não fazer tanto tempo, todos sentiam falta da correria dos camarins enquanto o grito de centenas de pessoas ecoava por trás dos pontos em seus ouvidos. Esquecer todos os problemas antes de subir ao palco era o essencial, e foi isso que fizeram do início ao fim.

E foi isso que Baekhyun tentou fazer ao se trocar no camarim e ver chamadas perdidas e mensagens fazendo a tela do celular de Chanyeol acender sobre a bancada. Não precisou perguntar o porquê do atraso a uns dias, não mais.

O carro foi silencioso até o hotel. Alguns membros dormiam, já Kyungsoo lia um de seus roteiros enquanto Jongin o encarava absorvido, atento a cada piscar de olhos. Baekhyun sabia o que se passava pela cabeça do dançarino, conseguia ver a saudade nos olhos dele, mas não conseguiu pensar muito sobre isso quando a raiva parecia estar tomando conta de cada pensar e movimento seu.

Baekhyun se trancou no quarto quando chegou, deixando todos surpresos, principalmente Chanyeol. Ficou um tempo sentado na cama, pensando que seria mais fácil para todos se fosse uma menina. Não haveria notícias no Dispatch, muito menos ameaças do CEO. Apenas pensava, porque não queria ser uma menina, gostava de ser um homem, gostava de ser um homem que gostava de outros homens, gostava das suas coxas, gostava do seu rosto, gostava de como isso costumava encantar Chanyeol. Talvez não fosse mais suficiente.

Pensou que estava perdendo o aniversário da pessoa que mais amava. Pensou o quão egoísta estava sendo, mas simplesmente não conseguia levantar. Se sentia frágil, e essa era uma das piores sensações para si. Tinha consciência que não deveria estar se sentindo insuficiente, que parecia exagerado da sua parte, mas tudo parecia tão inconstante. Chanyeol já havia lhe dado milhares de provas que não desistiria de si, mas não aguentava mais ficar preso nessa gaiola.

Não havia dado o presente de Chanyeol ainda de qualquer forma.

Lençóis deveriam ser descobertos.

Pegou o celular em cima da mesa, tirou uma foto de seus lábios e postou lhe desejando parabéns. Estava sendo inconsequente, abrindo portas para algo de pior acontecesse, mas precisava de uma brecha para respirar um pouco. Não se pode viver uma mentira por tanto tempo. Você acaba perdendo o fôlego.

Irene: Channie��, obrigada por me ajudar naquele dia....

2 chamadas perdidas de Irene.

 

 

 

Claramente Chanyeol teria que se fazer de desentendido.

"Obrigado, mas porque os lábios?"

- O que ele está pensando? - Murmurou, saindo de seu quarto e batendo a porta atrás de si.

Não demorou muito para a porta do quarto de Baekhyun ser socada por Chanyeol.

O menor sorriu cínico enquanto abria a porta, recebendo um empurrão para adentrar mais o quarto, vendo o maior batendo a porta com um estrondo.

Chanyeol segurou os ombros do mais velho e se abaixou, com os olhos em chamas, para encará-lo. Os rostos estavam relativamente perto, as mãos do maior tremiam enquanto apertavam os ombros de Baekhyun.

Ele respirou fundo uma, duas vezes até conseguir abrir a boca para falar alguma coisa com sua voz fraca.

- O que você fez? - Não parecia uma pergunta. Chanyeol parecia suplicar por uma explicação. Como uma criança quando chora por ter seu castelo de areia destruído, ele encarava o menor com indignação.

- Eu te dei os parabéns - Baekhyun respondeu simplista, levantando o queixo.

- Não é possível - O maior sussurrou abaixando a cabeça, o peso sobre o mais velho aumentou, como se Chanyeol não estivesse se aguentando em pé sozinho - O que eu fiz dessa vez para você estar assim? O que eu fiz dessa vez para você ter feito isso?! Só porque eu deixei você me esperando? É isso?! - Sua voz aumentava gradativamente, perdendo o controle, deixando a frustração lhe consumir, assim como a raiva consumia Baekhyun.

Se encararam por um momento em meio ao quarto silencioso.

A pose altiva do menor era desfeita aos poucos pelo olhar cansado de Chanyeol.

- Irene... - Baekhyun sussurrou, olhando para baixo.

O maior permaneceu quieto por um momento, provavelmente pensando em como ele havia descoberto sobre a garota. Não havia nada o que esconder. Ele só não queria que o que estava acontecendo agora, de fato, ocorresse.

- Isso foi por ciúmes? - O maior perguntou com um resquício de voz, como se estivesse na beira de um precipício, mas Chanyeol não queria pular - Eu realmente perdi a hora, quando olhei para o relógio percebi que já era tarde demais. E quando cheguei, você já estava dormindo.

- Você pode ter uma vida com ela - Baekhyun lhe interrompeu, mostrando que os sentimentos em jogo eram muito mais profundos.

- Eu posso ter uma vida com você - As testas estavam quase juntas. Chanyeol não deixava de se apoiar nos ombros dele, queria que ficasse perto de si, mesmo que sua vontade fosse gritar com o menor.

- Pare de mentir!

- Pare de desistir de mim em troca!

- Eu só quero viver, Chanyeol! Viver! - Baekhyun gritou, se afastando dessa vez - Nossas vidas podem acabar por causa de uma simples notícia! Você sabe viver estando sempre por um fio?!

O silêncio durara muito pouco desta vez.

- Você não consegue viver comigo? - O maior perguntou baixo - Eu te faço tão infeliz assim?! Eu juro que estou tentando! O apartamento... O apartamento foi apenas o começo para que tudo melhore, nós já temos o nosso próprio lugar, não vê como isso é importante? Não vê que, apesar de todas as dificuldades, as coisas podem melhorar?! É a primeira vez que tudo está se encaminhando...

- Mas você não consegue garantir que as coisas ficarão assim, consegue? - O menor o cortou. Falava com um quê de desafio na voz - Consegue me garantir que vamos voltar para a Coréia e tudo vai estar do jeito que deixamos?

Consegue tirar a certeza de que sem mim você estaria muito melhor?

- O que você quer que eu faça? - Chanyeol perguntou por fim, percebendo que não haveria comemoração de aniversário esse ano.

- Eu quero que você seja feliz!

- Eu sou feliz!

- Não... - Baekhyun sussurrou, abaixando a cabeça e passando os dedos por seu pescoço. Não conseguia mais falar. Não queria mais falar. Queria dormir até que o mundo se tornasse um lugar mais fácil - Você não pode ser feliz para sempre comigo, Chanyeol...

O maior permaneceu calado. Já haviam tido a mesma discussão milhares de vezes. Normalmente, tudo acabava em beijos e risos pois percebiam que o amor deles sempre seria mais importante no final. Era a primeira vez que a conversa havia acabado em silêncio.

- Não vai adiantar se afastar de mim, não tem como você se afastar de mim - O maior tinha a voz engasgada, meio perturbada, como se não acreditasse nas conclusões que sua cabeça estava chegando.

Baekhyun permaneceu parado a alguns passos de si. Deixou as lágrimas escorrerem e caírem no carpete. Sentia o peito atrofiando, a respiração se tornando pesada. Se abrisse a boca, choraria. Não era forte o suficiente, talvez não forte o suficiente para mandar ele ir embora e empurrá-lo porta afora. Não forte o suficiente para colocar um ponto final em um sentimento que só lhe proporcionava reticências.

Feliz aniversário, Chanyeol.  

 

 

- Sehun, vamos sair - O maior ditou firme abrindo a porta do quarto sem realmente se importar se atrapalhava o líder e o mais novo. Nem ao menos conseguia levantar os olhos. Ainda era seu aniversário, não? Ainda tinha o direito de comemorar mesmo que fosse da pior forma possível.

 

 


Notas Finais


Primeiramente, para você que está chorando, eu também estou, então vamos cavar um poço e nos tacar juntos! #suicídiocoletivo
Segundamente, FOI O MAIOR CAPÍTULO QUE EU JÁ FIZ NA MINHA VIDA porque eu realmente gosto muito de vocês! Me dediquei a ele por dias, reli milhares de vezes (incluindo no ônibus indo para o curso) e espero que vocês tenham gostado apesar de ser triste.
Vim dar uma noticiazinha assim bem especialzinha VAI TER TRAILER DE DISPATCH SIM VIADAAAAAAN (ta em progresso)!!!!!!!!!!!!

Estou aceitando xingamento como comentário também, mas acima de tudo BOLHASSSSSSSS
kakao (babeboo) PODE MANDAR MENSAGEM, EU NÃO MORDO VIA KAKAO

OUTRA COISA! PUTA QUE PARIU AMOUR! CHEGOU A 501 FAVORITOS!! Acho que só tenho que agradecer só hein, espero que tenham gostado desse PUTA CAPÍTULO GRANDE QUE NEM O MEU KCT 💜💜💜 porque ele foi feito com muito amor meeeeeesmo

COMENTA AI PORQUE #TAEMINESTÁCHEGANDOEMDISPATCHAMOUR SIM TAEMIN! Graças a ~MySweetLove (https://spiritfanfics.com/perfil/analuuu) que está enchendo meu saco (deem muito amor a ela por favor) (ela que enche o saco para eu postar) (AMOR É IMPORTANTE NOS DIAS DE HOJE!)

bolhas bolhas bolhas bolhas
amo vocês, vou responder tudo que vocês mandarem aqui, hai? Hai!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...