História Disturbance Clown - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer, Lendas Urbanas, Slender
Personagens Personagens Originais
Tags Creepypasta, Laughing Jack
Exibições 172
Palavras 1.100
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Steampunk, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


“Não pude impedir o fato de ser um assassino, não mais que um poeta consegue impedir a inspiração para cantar. Nasci com o mal sendo meu patrocinador ao lado da cama onde fui ‘cuspido’ para dentro do mundo, e ele tem estado comigo desde então” – H. H. Holmes;

Capítulo 6 - At the end - a clown, a killer.


Fanfic / Fanfiction Disturbance Clown - Capítulo 6 - At the end - a clown, a killer.

DISTURBANCE CLOWN

– At the end: a clown, a killer.

O som dos pingos de água saídos por aqueles dutos e estalando nas poças de lama no chão, era o único som à ser ouvido por mim. Levantei a cabeça lentamente, sentindo-a tonta e dolorida. Mexi os meus braços levemente e um rangido de ferro contra outro ferro era presente. Eu estava presa, era óbvio. E, sentada também.

Me mexi na cadeira freneticamente, tentando enxergar algo e gritar, mas meus olhos estavam tampados por um fino pano que impossibilitava minha visão. Minha boca estava com uma mordaça envolto, e eu estava presa em uma cadeira. Eu não conseguia me soltar.

Meu corpo doía, doía demais. Senti meu pulso dolorido. Acho que o torci ao cair da escada.

– É triste, não? – Virei a cabeça para todos os lados, procurando de onde veio a voz – Morrer aqui e apodrecer, sem ninguém para enterrá-la, ou sem um modo de gritar. Estamos sozinhos neste lugar... junto do diabo – Senti meu rosto ser tocado por mãos cobridas por luvas, logo depois o pano em meus olhos foi retirado.

Forcei minha visão, um pouco tonta e arregalei os olhos ao observar aquela figura horrenda em minha frente. Ele era completamente monocromático, com o cabelo preto mutilado pendia em mechas torcidas, dentes irregulares afiados decorou seu sorriso torcido e seus braços pendiam como uma boneca de pano com seus longos dedos grotescamente quase raspando o chão. Ele era... horrível.

– Oh... deve estar pensando o quão eu sou verdadeiramente horrível, não é, doutora? – Sussurrou perto de meu rosto. Tentei virar a cabeça para o lado, para não ter que encará-lo o tempo todo, e isso assustava. O rosto dele me assustava, era horrendo. Me fazia ter vontade de vomitar – Olhe para mim quando eu estiver falando com você, criança! – Meu rosto foi virado bruscamente em sua direção, então tive que manter meus olhos abertos, que estavam frenéticos apenas em olhar esse bicho horrendo – Ora, não me reconhece, doutora? – Aproximou seu rosto do meu – Não reconhece minha voz, doutora?

Jack... Laughing Jack... – Pensei, arregalando os olhos.

– Eu fui um ótimo ator, não é? Fingir ser um garoto com problemas estúpidos e ter uma família... – Sorriu largamente, mostrando suas presas afiadas – Até mesmo uma criança eu posso fingir ser: “Mamãe, mamãe! Cadê minha mãe?” – Sua voz se transformou em uma voz infantil, como a de uma criança, e isso me assustou – Isso, seres humanos são tão fúteis e fracos.

Lágrimas se formavam em meus olhos, e quando me vi, eu já chorava descontroladamente, tendo o rosto banhado em lágrimas. Eu soluçava abafado por conta da mordaça na boca, mas soluçava alto e dolorosamente.

– Isso, chore. És tão linda assim... com lágrimas caindo dos olhos, és tão vulnerável. Fraca – Risadas ecoavam por toda extensão daquele lugar. 

Comecei me debatendo como eu podia. Empurrando meu corpo pra cima descontroladamente, não me importando com a dor, mexendo-o pra lá e pra cá.

– Minha querida, Aqui é o inferno! Não tente nada. Vamos nos divertir! É pra isso que eu fui feito: divertir – Gargalhava feito louco, mostrando seus dentes mais que grandes e afiados.

– Hnnmnmmmm!! – Era o único som que saia da minha boca, sendo que lágrimas escorriam sem parar por meu rosto pálido e com a expressão apavorada.

– Não grite, minha criança – Acariciou meu rosto, sorrindo largamente – Eu sei que quer dar suas últimas palavras, pode deixar, vou te dar esse prazer – Falou friamente, arrancando com força a mordaça da minha boca.

– POR QUE VOCÊ TÁ FAZENDO ISSO, LAUGHING?! – Berrei, enquanto soluçava alto e tentava me soltar.

– Por quê? Olhe pra mim, doutora... – Baixou o tom de voz, encarando-me loucamente – Sou um palhaço! E palhaços só se dão bem como assassinos.

– Você é louco!! – Solucei engasgando com a saliva – P-para com isso, por favor! Me deixe ir! – Forcei meu corpo mais para frente, tentando me soltar.

Olhei em volta, eu não sabia aonde eu estava, não sabia mesmo. Era pouco iluminado e fedia muito... quero sair daqui...

– Quem disse que vou te deixar ir? Uh? Eu nunca deixo uma das minhas bonecas irem embora! – Disse altamente. Segurou com força meu rosto, amassando minhas bochechas, causando-me uma careta de dor.

– J-jack... – Sussurrei, rangendo os dentes de medo.

– Reconhece isso? – Perguntou sorrindo ao levantar algo em mãos – Essa cor é... reconhecível por você? – Virei o rosto, chorando baixinho com o olho na mão de Jack. Isso, ele segurava um lado de um olho na mão. Ele arrancou o olho de uma pessoa... – Olhe bem para essa cor, reconhece? – Neguei com a cabeça, mordendo os lábios com a cabeça baixa.

Ouvi ele suspirar, andando para longe e sumindo. Levantei a cabeça, me sentindo aliviada por um momento, mas meu estômago revirou ao vê-lo aparecer em meio à escuridão segurando uma cabeça decapitada na mão direita pelos cabelos, o jogando em minha frente.

Encarei aquilo rolar lentamente pelo chão até os meus pés, mostrando a face em decomposição daquele garoto tão cheio de vida e bonito que eu conheci naquela lanchonete.

– Noah... – Sussurrei, levantando a cabeça com os olhos cheios de fúria – VAI PRO INFERNO SEU CRETINO! SEU MONSTRO!

– Mas eu já estou no inferno. Nós estamos nele – Indagou diabolicamente, pisando violentamente na cabeça decapitada de Noah, fazendo assim o sangue jorrar pelas minhas pernas abaixo, e uma lágrima sofrida derramar pelos meus olhos.

Por que comigo? O que eu fiz para merecer isso? Nada. Engraçado em como o destino é traiçoeiro. Eu vou morrer aqui, por ele? Talvez sim. Mas, não tenho dúvidas. Ele é louco, complemento maluco e não é um humano. Ele é o próprio diabo, o meu carma. Meu pesadelo. Ele é Laughing Jack, o palhaço assassino.

– Você é louco...– Sussurrei atônita.

Tem razão, eu sou completamente louco – Deu um último sorriso doentio naquela noite; na verdade, foi a última vez que eu vi aquele sorriso, antes de sentir uma dor insuportável na cabeça, depois várias e várias outras dores por trás do MEU SANGUE. Logo depois um último suspiro foi-se ouvido sair de meus lábios gélidos...





5 meses depois...

– O que acha que aconteceu com a vítima? – Pôs as mãos na cintura, observando com cuidado aquele monte de pedaços de corpos - em decomposição - em um montinho perfeitamente arrumado ao meio da sala escura, mas com uma aparência horrível junto ao cheiro insuportável.

– Esquartejamento violento, além de fortes pancadas na cabeça, oque causou o desconhecimento do rosto da garota – Suspirou, observando juntamente no companheiro ao lado – Mas, achei isto – Virou o rosto até o amigo, levantando a mão juntamente de um cartão...

Eliza Stress Whitney.



‘Isso era apenas uma diversão, doutora’ 


Notas Finais


Yeeeesssss!>< A fic chegou ao fim ;-------; Sim, desculpe não ter avisado, eu realmente não queria prolongar nela. Bem, eu não sou boa com finais, até porque é a primeira fic no máximo cinco capítulos que eu termino. Espero que tenham gostado da estória... e, obrigada por acompanharem até aqui.


Escrevam nos comentários o próximo Creepypasta que você quer que eu faça fic o usando como principal :3 (menos o Jeff The Killer e o Laughing Jack)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...