História Disturbio (Violette) - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~encanto

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Violette, Yuri
Exibições 22
Palavras 1.771
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olár! <3
Tudo bem com vocês? Espero que sim \o/
Antes de tudo, perdoem minha demora. Não creio que seja legal eu ficar "jogando" todos os meus problemas na internet, mas posso afirmar que passei por muita coisa durante esse tempo. Eu também quero pedir desculpas por qualquer erro aqui e pela falta de profissionalismo do "personagem" que estará presente nesse capítulo. Não entendo muito de medicina, mas quis deixar mais simples para que todos pudessem entender <3
Ah! E para quem ainda está esperando "O Encontro", não se preocupem, ele está próximo!

Desculpe pela enrolação, boa leitura!

Capítulo 4 - Não visualizada


    Uma semana se passou desde que Oliver seguiu Violette em sua rede social favorita. As amigas de Violette piraram quando viram que era verdade, enquanto as de Oliver nem sequer sabiam da existência de Violette. Perceberam que Oliver estava mais distante que antes, e então decidiram a importunar com perguntas inconvenientes. Mantendo a frieza que ela nem sequer se dava conta que ainda estava lá, Oliver mal respondia às amigas. No domingo, elas se despediram de Boris e do “Primo inconveniente de Charlie”. As seis garotas estavam voltando para suas cidades. 

    Janet pegou seu celular, notando que seu Twitter estava “bombando”. Percebeu que as pessoas se preocupavam com seu bem-estar. Sua parada no hospital não tinha sido nada demais, ela apenas teve uma queda de pressão. Respondeu algumas pessoas, guardando seu celular logo em seguida. Oliver caminhava em sua direção. 

 - Ei! Estou aqui! - acenou e a morena a viu. Oliver acenou de volta, ajustando o óculos escuro quadrado em sua face. 

 - Estou te vendo - elas se abraçaram - Irá para Seattle assim que possível, não? - Janet assentiu - Amanda vai morrer de tédio sem você por lá. 

 - E-ei! Não fale assim… - a repreendeu, forçando Oliver a fazer uma careta. 

 - “Assim” como? 

 - Assim! Como se eu e ela tivéssemos algo! - riu nasalmente, sentindo seu coração acelerar e sua face esquentar. Era um fato que Janet gostava de Amanda, mas não seria legal pra mídia se ela aparecesse beijando uma mulher… e seria pior ainda se essa mulher fosse da mesma banda que ela. 

 - Tudo bem… você viu minha carteira? - Oliver olhou para os lados, revistando os próprios bolsos. Mesmo com a perda repentina da carteira, ela continuava despreocupada. 

 - O quê? Como você conseguiu perder sua carteira em um aéreo-porto? - perguntou para Oliver, incrédula. Oliver deu de ombros, sorrindo. Quando Janet proferiu a palavra: “Aéreo-porto” o mundo pareceu se ligar novamente. Oliver sentiu a presença das pessoas, ouviu suas vozes e sentiu seus cheiros. 

 - Esquece, já achei - revistou a jaqueta jeans, mostrando a carteira de couro para Janet - Acho que vou tentar lembrar para onde todas iremos. 

 - Uh! Eu sei! - Vick apareceu do nada, sorrindo. Oliver bagunçou seu cabelo rosa, fazendo-a rir. Todos amavam Vick. Ela era baixinha, amável e extremamente fofa - Eu vou para San Diego, Janet para o Canadá, Você e Amanda para Seattle e… Charlie e Lizza vão para… Ohio? - Oliver assentiu, satisfeita por ainda estar com Amanda. Não sabia se as outras conseguiriam aguentar seus surtos repentinos. As pessoas ficavam confusas com a distancia delas. Afinal, são uma banda. Felizmente, o motivo desse “afastamento” nunca fora para a mídia algo de muita relevância. Não importava quem elas eram quando não estavam no palco, eles queriam focar no sucesso para terem sucesso. 

 - Não é meio alarmante que ninguém nunca nos tenha perguntado sobre isso… até hoje? - Janet pareceu desconfortável com seu próprio comentário. Tinha mais medo de ser exposta em sua carreira “individual” que se assumir homossexual para a mídia. 

 - Pra falar a verdade, não. Creio que isso seja normal entre os famosos… não sei - Oliver balançou a cabeça, fazendo com que coque frouxo dela se desfizesse - Pra falar a verdade, tenho mais medo de uma notícia como: “Oliver engravidou a fulana com seus dedos” - as duas riram, mas Oliver continuou séria. Contudo, a seriedade não durou. As três irromperam em risadas, parando apenas quando notaram que estavam chamando atenção. De longe, Vick percebeu mais três presenças familiares. 

 - Oi… - a voz sussurrada de Charlie fez com que Janet e Vick se assustassem. Olharam para ela, reparando a péssima aparência da mesma. Ela tirou o óculos, mostrando as olheiras para suas amigas - Lizza não me deixou dormir - Oliver sustentou um sorriso malicioso, fazendo com que Lizza corasse. A ruiva não era de corar, mas não gostava quando insinuavam coisas do tipo. Além de não saber se defender, não conseguia parar de corar - Não é nada disso, pervertida de plantão - todas riram, inclusive Amanda que parecia um defunto zangado por ter sido obrigado a reviver em um domingo. 

 - Assistimos um filme de terror. Vocês sabem que eu não lido bem com essas coisas - Janet se defendeu. Oliver levantou os braços em sinal de redenção.

“… Destino: Seattle. Última chamada.”

 Oliver e Amanda se encararam por alguns segundos. 

 - Vão! - Janet gritou, fazendo com que as duas corressem como loucas. 


***

    Enquanto as seis integrantes embarcavam nos aviões onde seriam levadas até seus destinos, Violette terminava mais um trabalho em dupla. Dessa vez, ficou em dupla com Debrah. 

 - E… você já terminou? - perguntou com a voz baixa. Sua face estava corada e ela não se sentia exatamente “bem-vinda” na casa de Debrah. A morena estava simplesmente insuportável. O seu mal-humor estava deixando Violette ainda mais desconfortável. Gostaria de pegar suas coisas e ir embora o mais rápido possível. 

 - Já, mas não entendo por que eles passaram esse trabalho em um fim de semana. Não que eu não goste da sua companhia, mas eu queria passar o fim de semana na praia com meu gatinho - suspirou pesadamente, olhando com certa frieza para Violette - E então? Como foi o show? - sorriu forçadamente. Violette deixou seu lápis cair em cima da papel branco. Não parava de pensar no show e, principalmente, no momento em que ganhara uma rosa de uma das integrantes. Corou um pouco mais ao lembrar do olhar que algumas garotas - e garotos - direcionaram à ela. 

 - Foi divertido… - falou baixo, quase em um sussurro. Seu tom de voz soou quase confidencial. Debrah sorriu com certa maldade e divertimento. 

 - Deve ter sido mesmo - Violette não percebeu o sarcasmo que Debrah usara contra ela. Violette sorriu com ternura, sentindo pontadas agradáveis em seu estômago. Nos últimos dias, passou horas pesquisando sobre a banda. Descobriu várias músicas que prenderam sua atenção e a divertiram. Algumas a fizeram chorar, e outras a fizeram rir. Quase todas as músicas tinham uma história, e ela amava isso. Procurava bastante sobre a banda mas, principalmente, pesquisava mais sobre “Oliver Kutz”. Algo naquela mulher a encantava. Não sabia exatamente por quê, mas encantava. Descobrira muita coisa sobre ela, inclusive que ela havia feito aniversário no mês anterior. Oliver Kutz havia comemorado seus vinte anos. 

***

    Não sabiam há quanto tempo estavam naquele avião, mas Amanda já sentia os primeiros sinais do cansaço. Essa foi uma semana corrida. Oliver estava quase morta ao seu lado. Tentava prestar atenção no livro que estava lendo, mas não conseguiu. O fechou, guardando-o na pequena maleta em seu colo. Iria tentar dormir, mas sentiu algo vibrar em seu bolso. Amanda havia recebido uma mensagem do médico de Janet. 

 Amanda, olá. Boa noite, haha. Sinto muito por estar lhe importunando agora, mas tenho algo a dizer, creio que seja de extrema importância. Por favor, me ligue quando receber essa mensagem. 

 Franziu o cenho, confusa. O médico de Janet queria falar com ela? Agora? Aflita, apertou o botão alaranjado acima de sua cabeça, chamando uma aéreo-moça. A jovem mulher caminhava até ela, sorrindo. 

 - Com licença, podemos realizar uma ligação durante o vôo? - perguntou para a jovem, vendo-a franzir o cenho. 

 - Creio que não, madame - Amanda assentiu, vendo-a se afastar. Pegou novamente o seu celular, digitando uma nova mensagem para o médico de Janet.  

 Uh, boa noite. Tenho certeza você não sabe, mas estou em um avião. Não posso realizar ligações aqui dentro… de qualquer forma, perdoe se pareci rude. Eu gostaria de saber: você não pode me dizer isso por mensagens, doutor…? 

 O homem não demorou nem um minuto para responder. 

 Alec. Dr.Alec. Sinto muito por ter comunicado agora, não sabia que você estava em um avião. Sim, querida. Podemos nos falar por aqui. É algo muito importante, e acho que você mesma deverá contar para Janet, certo? 

 Ah! Acho que eu posso contar. Por favor, diga logo o que é. Estou ficando nervosa. 

 Perdoe-me. Sim, direi tudo. Eu estava em meu consultório, pois tinha muita papelada para organizar. Do nada, eu vi que o exame que fizemos em Janet estava errado, já que o nome estava diferente. Eu a confundi com outra paciente: “Janette”. Peço-lhes perdão. Janette teve uma queda de pressão, enquanto Janet… bom, fora detectado um tipo de veneno em seu sangue. Eu apenas pude analisar o exame depois, já que o exame de “Janet” era totalmente diferente. Eu não notei de início, mas percebi que tinha algo errado. Eu recolhi uma amostra de sangue de sua amiga, e realizei alguns testes com ele. Devo admitir, estou surpreso por ela estar viva. 

 Amanda engoliu em seco, sentindo seu peito pesar e um bolo se formar em sua garganta. Como assim? Sua Janet fora envenenada? 

 O que quer dizer com isso? 

 Quero dizer que Janet fora envenenada. Bom, ela pode ter comido algo estragado. Mas… infelizmente, nunca se sabe. Quero que façam um novo exame de sangue, tudo bem? 

 Tudo bem. 

 Desligou o celular. Sentia-se mal, com um desconforto na garganta e um aperto no peito. Não conseguia imaginar alguém tentando fazer mal para alguém tão… tão… sem conseguir encontrar palavras para a descrever, acordou Oliver. Esta acordou assustada, mas logo se acalmou. Mostrou a ela todas as mensagens, e ela a encarou, confusa. 

 - Quer dizer que tentaram matar a Janet? - perguntou. Amanda percebeu que ainda estava “drogada” pelo sono - Que sentido isso faz?

 - Eu não sei, Oliver. Só sei que vou dar um jeito empurrar ela pro hospital… assim que chegarmos lá.

 Dito isso, mandou uma mensagem para Janet. Não visualizada

***

    Violette chegou mais cedo em casa. Antes de entrar, notou um carro estranho parado em frente ao jardim de sua casa. Entrou sem bater, sendo recebida pelo pai. 

 - Vio! Que bom que chegou! - Violette se assustou, virando-se rapidamente para o dono da voz - Desculpe, não quis te assustar - o homem se aproximou, abraçando-a em seguida. 

 - Oi… pai? Você está em casa? Quero dizer… você chegou cedo em casa… eu achei que ficariam mais um tempo na América? - o homem sorriu.

 - Sim! Eu vim te comunicar que… bom, iremos ficar mais um tempo lá. Voltei para pegar algumas coisas, querida. Mas, como eu não queria ter de te deixar sozinha, sua tia Sue se ofereceu para tomar conta de você - o homem sorriu, não percebendo a expressão de pânico que surgiu no rosto da garota. 

 

Ela não… por favor, ela não.

 


Notas Finais


Olár novamente ~q
Espero que não se assustem muito com os próximos capítulos <3
Eu percebi que a fanfic ficaria muito "chata/monótona" se seguisse o rumo original. Pensando nisso, eu pensei em tomar um rumo mais "dark". Sinceramente, a ideia me agradou.

Espero que tenham gostado e, mais uma vez, perdoem pela minha... hum... falta de profissionalismo nas "falas" do médico. XD

(Capítulo postado por pura e espontânea pressão. Me avisem se notarem erros KKKK :P)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...