História Divergente - Stay With Me - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente
Personagens Beatrice "Tris" Prior, Tobias "Quatro" Eaton
Tags Amor, Fourtris, Jovens, Separados
Exibições 199
Palavras 1.169
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Como sou boazinha e para me redimir pela demora as pastagens, aí vai mais um capítulo. Espero que gostem.

Capítulo 8 - Capítulo Oito: Por que te amar dói tanto?


Beatrice: Pov

Fazia algum tempo em que eu deixara de acreditar que eu poderia estar finalmente nos braços de Tobias. Por inúmeras noites, quando eu o ouvia chegar das noitadas com alguma menina,  eu chorava descontroladamente, porque eu queria estar ali no lugar daquela outra pessoa. 
Entretanto, era eu quem estava ali saboreando de um beijo tão sonhado. 
Nossas bocas estavam unidas como uma só.  O seu gosto inebriava cada célula do meu corpo deixando-me de pernas bombas.  Eu não sabia se aquilo era o certo apesar de tudo, a única coisa que eu queria era poder aproveitar aquele momento antes que ele me afastasse como sempre fazia.
As mãos firmes de Tobias passeavam pelas minhas costas apertando-me ainda mais á ele até que o tecido de nossas roupas fosse a única coisa que impedia-me de senti-lo. 
Nossas respirações estavam altas e alteradas mas não eram o suficiente para nos fazer parar, até que senti Tobias me pressionar fortemente contra á parede, e por mas que eu quisesse aquilo com ele, as lembranças da noite passada ao lado de Peter, me fizeram freiar e acabei por empurrar Tobias para longe de mim. 
Meu coração acelerado, batia descompensadamente pelo garoto a minha frente. Com suas mãos apoiadas em seus joelhos e a cabeça abaixada , eu conseguia ouvir sua respiração alterada. Sorri para aquilo e quando ia dizer o que eu tinha vontade, ele me interrompeu.

- Desculpe.  Droga Beatrice, desculpe. - Ele começou. - Você não queria calar a boca! Parecia descontrolada!

Escutar aquilo era como levar um soco no estômago. Era difícil de ouvir,  era difícil de digerir e a única coisa que eu queria era me enfiar em um buraco para me esconder e nunca mais voltar a superfície.  Olhei o garoto a minha frente que agora encarava algum ponto atrás de mim e forcei a bile que subia em minha garganta para baixo.

- Você estava me fazendo ficar quieta? - Perguntei sem conseguir disfarçar meu desapontamento por ouvir aquilo dele. Tobias assentiu quando lhe fiz a pergunta e a única coisa que eu consegui fazer além de bufar, foi rir.

Ri descontroladamente, enquanto ele olhava para mim, sem entender minha postura.

- Qual é a graça Beatrice? - Perguntou ele, enquanto eu tentava me controlar.

- Você pelo menos se deu o trabalho de me escutar?  - Perguntei sentido meus olhos marejarem. - O que eu fiz para você Tobias? - Minha vontade naquele momento era de voltar á bater nele, porém eu não ia fazer aquilo agora.

- Eu não quero falar sobre isso agora! - Disse - me ele. - Não depois do que eu ouvi em relação ao Max. - Encarou - me ele, enquanto eu desencostava da parede. - Eu me sinto o pior dos homens Beatrice. - Falou com a voz embargada e Tobias mau olhava para mim agora. - Você podia ter tentado falar comigo. Me alertar! - Falou agora furioso.

- Eu tentei! - Disse em minha defesa. - Eu tentei mas você preferiu me ignorar, você preferiu me humilhar em frente aos outros, do que me ouvir. - Falei sentindo aquela velha mágoa me corroer pela rejeição tão bem conhecida.

- Eu não sabia! Como eu poderia imaginar? - Perguntou - me ele enquanto eu o encarava. - Eu achei que vocês dois... - Suspirou sem continuar e depois socou a parede a sua frente;

Uma ...

Duas ...

Três, vezes antes de encostar sua testa na parede e em seguida fechava os olhos. Ia aproximar - me dele,  mas tive medo de sua reação.

- Eu não tinha noção de que você não sabia. - Disse sentido aquelas lágrimas quentes escorrerem pelo meu rosto. 

- Preciso de um tempo. - Dito isso, Tobias afastou da parede seu corpo malhado e saiu do meu quarto batendo a porta com força.  Não era bem isso que eu esperava dele, e aquele seu comportamento deixara me com raiva. Então,  corri até a porta e gritei com ele assim que sai no corredor. 

- Então é isso o que vai fazer?  - Perguntei e Tobias balançou sua cabeça negativamente.  - Por que não me falou sobre Peter? Por que Tobias?

- Beatrice deixe de ser teimosa!  Não quero falar sobre isso agora. Me deixe quieto . - Pediu ele fazendo me bufar em frustração.

- Até quando vai fugir?  - Exigi a resposta.

- Eu não sei. Eu acho que preciso por minha cabeça em ordem.  - Murmurou ele em um tempo demasiado longo. - Me dê um tempo para avaliar a minha vida. 

- tempo? - ri de seu pedido, e o encarei . - Eu já esperei de mais por você. - Não esperei por uma resposta dele, depois de dizer o que eu queria voltei para meu quarto aos prantos , decidindo o que eu faria da minha vida.

Tobias : Pov

Aquela noite depois de ouvir tudo aquilo minha mente trabalhava de forma assustadora, mostrando o quanto eu fui idiota por tela afastado de mim de forma incoerente.  Eu amava estar com ela e ao lado dela, e por uma visão mal entendida, eu a perdi.

Precisava ajeitar as coisas com ela, porém eu não sabia com que cara eu olharia para ela, não depois de tanta crueldade com seus sentimentos, ela apesar de tudo, ali ainda estava ela, a garota por quem meu coração batia fortemente.

No dia seguinte levantei determinado a fazer com que as coisas entre a gente mudassem. Eu queria tentar acertar com ela desta vez, e na afastá lá de mim como eu fazia diariamente.  Minha madrugada, seus olhos azuis tão sedentos de carinho apareceram em meus sonhos deixando-me ansioso para falar com ela.

No café da manhã,  ela não aparecera,  e como a muito tempo tomei meu café da manhã sentindo sua ausência.  Johanna não falará nada comigo e tão pouco me olhava. Talvez fosse espaço o que ela queria e então assim seria. Tentaria falar com ela na escola.
Esperei ansiosamente por ela em toda os tempos de aula hoje, e ela simplesmente parecia ter sido abduzida. Zeke tentou conversar comigo, notando minha impaciente, mas ainda não era hora de falar com ele.

No intervalo busquei por ela, mas assim como durante todo o dia ela não estava em nenhum canto e seus amigos estavam tão preocupados com a sua ausência quanto eu.

Peter não fora a escola novamente e já tinham boatos de que eles haviam fugido para viver um amor falso e longe de Cara, que inclusive era apedrejada pelos alunos.

Corri para casa no intuito de encontrá lá jogada em sua cama, como fazia quando éramos mais jovens, entretanto assim que cheguei em casa e corri para o andar de seu quarto fui interrompido por Johanna.

- Onde ela está Johanna? - Perguntei sentindo - me sufocado pelas palavras não ditas. Johanna me encarava e depois de um demasiado tempo encarando - me,  ela respirou fundo e foi direta ao assunto.

- Ela foi embora Tobias.


Notas Finais


E então, o que acharam? Mereço comentários?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...