História Diversão - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Visualizações 83
Palavras 1.619
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi
Avisos: Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Resultado de um desafio do grupo One Piece Shippost que particularmente me agradou mais do que eu esperava.

Capítulo 1 - One Shot


Aquilo que crescia dentro de si, nada mais era do que o sentimento de dúvida. Luffy estava sentado no banquinho de plástico do banheiro, com uma expressão séria no rosto enquanto encarava o próprio pau como se nele visse uma meta a se alcançar. O segurou com certa firmeza e tentou se lembrar das instruções dadas pelo cozinheiro na noite passada.

O bando do chapéu de palha tinha o costume de esvaziar os baldes de saquê após saírem de uma ilha, Luffy não era muito de beber mas não ficava de escanteio, pelo contrário, mesmo sóbrio era o mais alegre dentre os outros tripulantes alcoolizados, e não foi diferente naquela noite. Houve um momento em que sentiu a necessidade de tirar a água do joelho, deixou a festa por alguns minutos e foi ao banheiro. Esvaziado, caminhou até a cozinha o mais rápido que pode para não perder mais nada, mas acabou esbarrando numa figura cambaleante que vinha na direção oposta.

- Mijou bastante, Luuuuffyy~? – cantarolou o cozinheiro embriagado, talvez fosse o que mais tivesse bebido considerando que estava com a gravata amarrada na cabeça.

- HÁ HÁ HÁ! Que careta engraçada, Sanji! – apontou o capitão enquanto gargalhava com gosto. Sem notar nenhum movimento, sentiu o corpo do maior colidir com o seu, lhe dando um abraço apertado junto com alguns tapinhas nas costas.

- Ah, Luffyy~~... por que tivemos que deixar aquela ilha? – perguntou o loiro em tom melancólico enquanto o menor tentava sair daquele abraço esquisito. – Eu poderia estar comendo aquela linda lady agora mesmoo~~

- Comendo? – Sanji enfim se afastou um pouco dele e encarou uma expressão desentendida. Após alguns longos segundos de silêncio em que Luffy pensava no que Sanji disse, seu rosto se converteu para uma expressão de completo horror. – Sanji, por acaso você seria... UM CANIBAL?!?

- CLARO QUE NÃO SEU IMBECIL! – tentou chutar o capitão, mas estava tão alterado que apenas fez movimentos estranhos no ar. O loiro olhou para um lado, olhou para o outro, e puxou o capitão para a lateral do navio, bem afastado da festança.

Sanji olhou para o capitão com o sorriso mais embriagado de malícia possível e pousou a mão sobre seu ombro, o puxando mais para perto.

- Luffy, eu sempre quis te perguntar isso – deixou Luffy curioso e ao mesmo tempo desconfiado. – Mas você já... “fez aquilo”?

- Aquilo o quê?

O que o cozinheiro tinha de discreto, o capitão tinha de direto. Por mais bêbado que estivesse, não sabia como ter uma conversa daquelas com o garoto que sempre se mostrou o mais inocente possível. Mas não teria uma oportunidade como aquela novamente.

- Você sabe... já transou com alguém? – a pergunta fez Luffy se decepcionar um pouco, pensou que seria algo mais interessante.

- Nah, tô bem – Luffy deu de ombros.

- Como assim “TÁ BEM”?? Ninguém pode “ESTAR BEM” sem sexo! – alterou a voz um pouco mais que o desejado. – Você é mesmo muito estranho, como pode fazer pouco caso de uma coisa tão... tão... – para o cozinheiro era algo óbvio demais, tanto que sua mente se preencheu de pensamentos pervertidos que ameaçaram um sangramento nasal, mas para Luffy, aquilo nada mais era que os exageros ocasionais de Sanji.

Nunca sentiu falta disso na vida, por isso nunca experimentou, sem contar que procurar um parceiro deveria dar uma trabalheira danada. Pra quê?

Mas o cozinheiro indignado se recusava deixar aquilo passar.

- Tá bom, confesso que não estou surpreso, mas... – Sanji o puxou ainda mais pra perto, fitando-o no fundo dos olhos, fazendo com que Luffy apenas tivesse visão de suas grandes órbitas azuis – Você bate punheta pelo menos?

- Bate... Hãn?

Sanji se afastou, diante daquela pobre criatura inocente, desprovido das virtudes que os prazeres carnais podiam lhe proporcionar, sentiu pena do garoto. O cozinheiro se viu encarregado de uma missão (por mais patética que ela parecesse na visão de alguém sóbrio), segurou os ombros do menor, e sorriu piedosamente para seu capitão.

- Luffy, vou lhe ensinar a chegar aos céus.

E assim chegamos ao agora, com o moreno segurando o próprio pênis tentando se lembrar das instruções que o cozinheiro bêbado lhe passou. Não parecia grande coisa, mas não podia negar que ficou curioso.

“Primeiro, você obviamente não pode fazer isso em público, então procure um lugar isolado, abaixe as calças e segure seu pau.”

O primeiro passo já foi concluído, sentiu-se mais confortável em tirar todas as roupas já que estava no banheiro. Aos poucos mais instruções alcançavam a memória fraca do moreno.

“Segundo, fique relaxado, não pense em nada a não ser que seja algo que te deixe excitado.”

Luffy fechou os olhos, esvaziou a mente pois não sabia exatamente o que significava “ficar excitado”, relaxou as pernas, esperou que sua respiração ficasse harmonizada e estivesse completamente confortável para seguir ao próximo passo.

“Terceiro, sem força pelo amor de Deus, você tem que fazer movimentos pra cima e pra baixo no seu pau, como se fosse uma massagem, sei lá, faça tentativas até que fique gostoso.”

Essa foi a parte que Luffy achou mais estranha, mas não iria refutar agora. Sutilmente, manuseou todo o seu comprimento da maneira que o cozinheiro lhe ensinou, deixou suas mãos calejadas e bordadas por cicatrizes e marcas de batalha envolverem sua área mais sensível, nos primeiros minutos foi meio desconfortável, desajeitado, talvez por ter sido mais bruto que o aconselhado.

Mas, no momento em que deu atenção à sua glande meio que por acidente, seu corpo enfim teve alguma reação. Não a soube descrever, apenas deixou sua curiosidade o levar à rota certa.

O membro amolecido foi endurecendo à medida dos toques, sua respiração foi ficando mais pesada e o resto de seu corpo foi se estremecendo. O capitão já não lembrava de nenhuma outra instrução do cozinheiro, sua mente estava completamente voltada para o prazer que estava sentindo. Nem um pouco tímido, mas também nem um pouco experiente. Apenas da forma atirada e um tanto selvagem de Luffy.

Institivamente, seus movimentos foram ficando mais precisos, e seu corpo mais necessitado. Sentiu que algo estava vindo, mas era impossível dar importância a esse detalhe com o membro pulsante em suas mãos, que o fazia estremecer toda vez que tocava o ponto certo.

Sons bem baixinhos escaparam de sua boca, seu peito subia e descia num ritmo descontrolado, e nem se deu conta que seu quadril começou a rebolar contra a cadeira. Estava completamente extasiado e entregue a si mesmo, um sorriso involuntário brotou em seu rosto à medida que a “coisa” se aproximava, talvez o primeiro sorriso verdadeiramente malicioso do capitão.

A dor que começou a sentir em seu braço foi completamente ignorada quando sentiu espasmos em seu corpo, manuseou seu ponto mais sensível repetidas vezes, revirou os olhos e viu estrelas.

- Droga...

Um gemido rouco escapou de sua boca, assim como um líquido leitoso esvaziou de seu membro. Precisou se apoiar na parede para não cair pra trás. Estava zonzo, era como um transe, algo que nunca pensou sentir na vida. Uma sensação completamente nova, e com toda certeza muito interessante.

- Legal...

---X---

Sanji cantarolava com uma bandeja perfeitamente equilibrada em sua mão, por mais que estivesse numa ressaca violenta não poderia mostrar cara feia para suas amadas ladys que tomavam banho de sol como duas deusas em seu repouso.

- Aqui está, minhas amadas – depositou uma xícara de café e um milk-shake de frutas ao alcance de Nami e Robin.

- Obrigada, Cook-san.

- Obrigada, Sanji-kun.

Os agradecimentos fizeram corações saltarem dos olhos do loiro, tinha como ficar de mau humor quando podia servir a dois anjos como aqueles?

- Foi um prazer, Nami-san, Robin-ch-

- SANJIIIIII!! – uma voz desafinada surgiu no convés, enfim atiçando os nervos do cozinheiro. O capitão correu para perto dele e sorriu de orelha à orelha. – Eu fiz!

- O que foi agora, seu merdinha?

- Eu bati punheta!

A afirmação do capitão fez Sanji se engasgar com a fumaça do próprio cigarro, Nami acabou cuspindo um pouco do milk-shake, e Robin apenas sorriu em surpresa.

- Oh, que ousado – comentou a mais velha.

- Você tava certo, é muito BOM! Fiz do jeitinho que você me ensinou! – Luffy estava tão animado, era como se contasse mais uma de suas aventuras. Já Sanji não podia estar mais perplexo/desesperado/com pensamentos suicidas do que naquele momento. – No começo é estranho, depois fica como... mastigar uma carne mal-passada! Ah, e eu já fiz umas quatorze vezes só hoje!

- Me deem licença – Nami se levantou e pôs a taça de milk-shake de volta na bandeja, caminhou desengonçadamente para longe deles. – Eu preciso vomitar.

- N-Nami-san, não é o que parece! E-Eu n-não fiz nad-

- Acho que vocês precisam de privacidade pra essa conversa – Robin disse calmamente enquanto ia na mesma direção que a navegadora. – Divirtam-se.

- R-Robin-chan!

- Ah Sanji, e tem mais uma coisa! – Luffy quis acrescentar, ainda com um sorriso animado e um olhar inocente para o cozinheiro, que começou a exalar uma aura flamejante. – Eu acho que preciso te agradecer, sabe. Eu nunca parei pra pensar nessas coisas, mas acho que você abriu meus olhos... Sanji?

O cozinheiro segurou Luffy pela camisa, fez o sorriso se desmanchar por completo ao perceber que Sanji tinha no rosto sua expressão de matador.

- Você tem ideia do que fez, garoto?... – perguntou o loiro com sangue nos olhos. – Agora a Nami-san e a Robin-chan acham que EU SOU UM TARADO!

- Pensei que elas já achassem isso.

Luffy não viu mais a luz daquele dia, Sanji o chutou tanto que ele precisou de repouso na enfermaria. Mas ao menos, quando estivesse 100% curado, teria mais uma opção do que fazer para se divertir.


Notas Finais


Se gostou (ou não, tanto faz) deixe um comentário, please ♥
Kissus ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...