História Divórcio - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai, Xiumin
Tags Busan, Divórcio, Kaisoo, Praia
Exibições 162
Palavras 3.069
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá!
Mais uma vez antes de qualquer coisa, quero agradecer a todos que estão acompanhando a história. MUITO OBRIGADO MESMO!
Apesar de ela ter poucos favoritos, eu me sinto muito grata (entendo a pouca "fama" dela, afinal é uma das minhas primeiras), quando falei que estava insegura, era insegura mesmo! Tava com medo de ninguém curtir... Mas os comentários me fizeram continuar.
NUNCA VOU CANSAR DE AGRADECER PORQUE VCS QUE ESTÃO AQUI SÃO MEUS PRIMEIROS LEITORES! Fiquei tão feliz quando vi que tinha ganhado seguidores djsksnsksjsnsnsisjwnen sério.

Terceiro capítulo e penúltimo. Sim, poucos, mas minha pretenção não era me alongar muito. TEM TRETA!! Pequena mas tem... Agora podem continuar, não vou mais encher o saco.
~Boa leitura <3

Capítulo 3 - 03


Depois de tudo que ouviu de Jongin, Kyungsoo não sabia mais o que pensar. Tudo bem que ele sempre foi difícil de lidar, mesmo no início, mas agora havia passado dos limites. Parecia mais que estava brincado com seus sentimentos, seu coração...

E quando chorou, não quis saber o que Jongin pensaria, só não aguentava mais ser feito de palhaço. Às vezes Kyungsoo queria ter o poder de entrar na mente de Jongin e entender tudo o que se passa lá, por qual motivo ele resolveu fazer tudo o que estava fazendo.

"Só escuta o que eu tenho para dizer..." Kyungsoo lembrou-se de Jongin falando e pensou agora que deveria mesmo ter dado a chance de ele se explicar, mas naquela hora só queria descontar sua raiva, sua frustração no maior. 

Mas achava que esse era o momento de terminar tudo, os dois nem podiam ficar um segundo na presença um do outro que as brigas começavam. Se a gente aprende a amar, pode aprender a deixar de amar também. O rapaz pensou.

Já eram quase uma hora da tarde e  Jongin não havia aparecido no quarto ainda, Kyungsoo não queria descer então ligou para a recepção pedindo o almoço no quarto. Era engraçado imaginar todo aquele mar, todo o luxo do hotel que poderia desfrutar e, em vez disso, decidira passar o resto do dia preso no quarto. Kyungsoo imaginou o que a juíza, Sra. Park, deveria estar pensando. Que ele e Jongin estavam se amando na beira da praia? passeando de mãos dadas? Ou quem sabe, tomando um conhaque de frutas enquanto descansavam numa espreguiçadeira perto da piscina? 

Quando voltassem para Seoul, pediria desculpas por tê-la feito gastar dinheiro em vão.

Depois do almoço decidiu descansar, pedindo a Deus para acordar tarde e ter tempo apenas de se arrumar e sair com Minseok.

                          * * *

 Jongin não tomara café e na hora do almoço também não comera nada. A única coisa que tinha colocado no estômago, foram uns salgadinhos que pediu mas que mal haviam feito diferença.

Em todo caso, não se importava; não iria para o quarto, achava melhor dar um tempo á Kyungsoo, ele precisava.

Perdeu-se nas horas por já estar a bastante tempo sentado naquela cadeira debaixo de uma sombrinha, perto da piscina. A única coisa que fazia era olhar as pessoas que passavam e ouvir as conversas de outras que pareciam mais querer espalhar para o mundo suas fofocas.

Estava quase cochilando na cadeira quando o homem que estava com Kyungsoo mais cedo passou em sua frente, Jongin o seguiu com o olhar até vê-lo sentar-se numa mesa não muito distante da sua, apoiando um notebook na mesma, abriu o objeto e encarou-o tentando digitar algo.

Jongin relembrou de quando ele tocou em Kyungsoo para tirar o cabelo de seu rosto, mas dessa vez não sentiu ciúme, ou irritou-se. Apenas pensou em como ele fizera o menor sorrir naquela manhã, sorrir de verdade.

O rapaz parecia concentrado no que quer que fazia, parecia irritado com o computador. Jongin percebeu que assim como Kyungsoo, ele não reparava nos olhares que recaiam sobre si, algumas meninas passavam em sua frente tentando chamar atenção, mas ele nem percebia. Era bonito, tinha que admitir.

- Parece que o hotel planejou uma festa para hoje à noite... - ouviu uma garota falar para outra.

"Uma festa?" pensou Jongin, estava mesmo precisando de uma distração como aquela.

Era isso, iria para essa tal festa de hoje à noite.

                          * * *

- Perfume, perfume... - Kyungsoo murmurava enquanto revirava a mala, procurando por seu frasco de perfume - Achei! - sorriu e levantou-se, espirrando o perfume no pescoço e na camisa.

Antes de sair do quarto, mentalizou um único pensamento.

"Que seja divertido..."

 Afinal, estava precisando disso. Diversão.

Estranhou o fato de Jongin ter sumido o dia todo. Será que estava bem? Balançou a cabeça expulsando qualquer pensamento sobre o maior, não queria mais pensar nele... Pelo menos não naquela noite.

                          * * *

Kyungsoo achou que encontraria um lugar cheio de pessoas dançando, bebendo e talvez se pegando pelos cantos. Mas claro, o hotel era luxuoso demais para fazer uma festa de baixa categoria; tudo que tinha naquele lugar, eram luzes de neon, um bar com alguns barman's servindo bebidas de gente rica, um lugar no centro para pessoas dançarem - o que não estava acontecendo - e mesas ocupadas por pessoas conversando e bebendo alguns drinks. Bem, teria que aguentar isso. 

Só esperava mesmo embebedar-se com essas bebidas coloridas que os garçons passavam servindo. 

Alguém tocou em seu ombro direito, Kyungsoo virou-se e se deparou com Minseok, estava com uma calça escura, uma jaqueta de couro preta e uma camisa branca por dentro, seus cabelos ruivos estavam bagunçados de um jeito charmoso. Kyungsoo olhou para si mesmo se arrependendo de estar usando o que usava; calça skiny preta, uma camisa também preta e uma jaqueta qualquer.

- Estava te procurando. - Minseok falou sorrindo. - Você está charmoso...

- Não minta. - Kyungsoo se pronunciou também sorrindo.

- Vem, vamos procurar uma mesa - Minseok tomou a frente procurando uma mesa enquanto Kyungsoo o seguia. Acharam um lugar perto do bar, logo pedindo uma bebida azul que Kyungsoo não sabia bem o que era.

O local estava começando a lotar e Kyungsoo agradecia por isso.

- Esse lugar é horrível - comentou Minseok - Odeio festas assim...

- Você prefere coisas agitadas? - Kyungsoo perguntou, não só para puxar assunto, mas porque queria mesmo saber do que Minseok gostava.

- Definitivamente. Prefiro gente suando de tanto dançar, pessoas bêbadas te enchendo o saco - sorriu - Uma balada. 

- Concordo com você.

- Eu queria mesmo era fumar, mas ninguém tem um isqueiro nesse hotel, até na cozinha já pedi. 

- Minseok, em todo o lugar tem placas de "proibido fumar". É claro que ninguém vai te dar um isqueiro. - Kyungsoo falou, o que era mesmo verdade. Haviam placas em todo o canto.

 - Eu nunca vi uma dessas... 

Kyungsoo apontou para uma perto do bar com o dedo, fazendo Minseok olhar para onde estava ele estava apontando. Sorriu e revirou os olhos.

Kyungsoo já estava no quarto copo da mesma bebida azul e já sentia-se tonto, não sabia o que era, mas era forte, sem contar que era fraco para bebidas. Ouviu um barulho de telefone tocando, mas não era o seu. Era o de Minseok que ao olhar para a tela, ficou mais branco que o normal e fez uma expressão que Kyungsoo não conseguiu decifrar.

O ruivo olhou para Kyungsoo.

- Eu... Preciso atender. Você vai ficar bem se eu sair um instante? - perguntou apressado.

- Vou. - respondeu simplista. O que quer que fosse, não parecia agradar em nada Minseok.

O moreno virou o copo todo de uma vez, pronto para pedir mais um quando viu Jongin, com as mesmas roupas e parecendo cansado. Estava se aproximando, talvez tivesse visto Kyungsoo primeiro.

- Mas que porra... - resmungou, não era de seu feitio xingar assim, mas tecnicamente era a bebida falando não o rapaz. 

- Kyungsoo?

- Não o Papa... - o menor revirou os olhos. Jongin sentou-se no lugar de Minseok sem ligar para o que Kyungsoo tinha acabado de falar.

- Você está bebendo? Desde quando você bebe assim? - Jongin parecia exausto demais, Kyungsoo notou e achou estranho. O Jongin que conhecia nunca iria em uma festa daquele jeito, relaxado. As mesmas roupas, o cabelo bagunçado... Se bem que Kyungsoo não conhecia mais esse Jongin.

- E você está fedendo - falou ríspido, era mentira claro. Mas Kyungsoo já estava bastante bêbado e queria implicar com o rapaz - Está com a mesma roupa.

O maior olhou para suas roupas.

- Você estava no quarto, eu não queria te atrapalhar. Se eu soubesse que você não estava mais lá, teria ido me trocar.

Um garçom passou perto deles e Jongin pegou um dos copos que estava na bandeja que ele carregava.

Os olhos de Kyungsoo passeavam pelo local, para não encarar Jongin, e agradeceu quando viu Minseok aproximar-se novamente, encarando Jongin. Claro, eles ainda não se conheciam.

- Voltei. 

Jongin pareceu o ver pela primeira vez, e claramente não queria ter visto. Olhou novamente para Kyungsoo.

- Espera, você está aqui com ele?

Minseok não entendeu nada. Kyungsoo percebendo, levantou-se da cadeira ignorando a pergunta de Jongin.

-  Minseok, esse é o Jongin...

- Ah, então você é o Jongin? - Minseok sorriu, mas parou quando percebeu a cara nada agradável que o moreno fazia.

- Está tudo bem com você? - Kyungsoo perguntou - resolveu seu problema, quero dizer?

- Sim, não era nada demais.

Kyungsoo percebeu que o ruivo estava mentindo, mas não tinha nada a ver com sua vida, então deixou para lá. Minseok voltou a encarar Jongin que estava inquieto na cadeira, fazendo Kyungsoo o olhar também. O menor suspirou.

- Eu vou buscar outra bebida - anunciou - Jongin, não seja um babaca por favor...

Retirou-se para o bar sem olhar para trás, pedido ao barman a bebida mais forte que ele tivesse.

                         * * *

Minseok ponderou se não seria melhor ir atrás de Kyungsoo, pois parecia que Jongin avançaria a qualquer momento para lhe bater. Estavam a bastante tempo sentados com um silêncio incômodo entre eles, Kyungsoo parecia estar se divertindo mais com a conversa entre ele e o barman que não se importou em voltar para a mesa.

- Você gosta dele? - Jongin perguntou direto, fazendo Minseok sorrir. Ao menos começariam uma conversa.

- Gosto sim - Jongin respirou pesado e apertou a mão ao redor do copo que segurava com o conteúdo pela metade - Mas não do jeito que você está pensando. Ele é um ótimo amigo.

- Amigo... - o moreno repetiu sorrindo sem vontade - Vocês se conheceram ontem, ninguém vira amigo desse jeito.

- Ele me considera seu amigo, eu o considero meu amigo. Acho que isso nos torna amigos - Minseok fez uma careta pensado que não falara coisa com coisa, mas esperava que Jongin entendesse. - Ele me contou sobre vocês...

- Ele fez o que?!

- Me contou sobre vocês. - o ruivo falou mais alto.

- Eu ouvi. Kyungsoo não deveria contar nossos problemas para estranhos! 

- Ele só queria desabafar.

- Com você? - Jongin revirou os olhos.

- Você ainda o ama? - Minseok perguntou direto. Jongin abriu a boca mas fechou-a instantaneamente, olhou para Kyungsoo que sorria sozinho no bar e Minseok pôde constatar que estava certo. Ele viu algo nos olhos de Jongin que sempre enxergava quando uma certa pessoa o encarava. Amor.

- Se você o ama, porque pensa em se divorciar?

Jongin voltou a encará-lo.

- Você nunca entenderia... Sabe como é horrível ser responsável por todas as frustrações da pessoa que você ama? Dói, entende? - Jongin tocou no peito indicando o coração - Kyungsoo sempre me falava que queria ter um filho, mas como você sabe, eu não posso dar um para ele. - sorriu nasalado - Então a gente decidiu que adotaria uma criança, só que tem gente que não entende nosso caso, é proibido... Eles acham que nós somos uma má influência para as crianças.

Minseok prestava atenção em tudo que Jongin falava, ele estava desabafando com um cara que não gostava muito, talvez fosse a bebida.

- Kyungsoo mudou depois, ficava triste o tempo todo e eu não podia fazer nada... Eu decidi me divorciar para ele poder se casar de novo, com uma mulher e ter uma família como sempre quis.

- Mas por acaso Kyungsoo não é gay? - Minseok perguntou.

- Uma vez ele me falou que me amava e que nunca se sentiu atraído por outro homem, não sei bem o que é isso.

- Já ouvi falar sobre isso, mas talvez ele seja bissexual...

- Talvez, não importa em todo caso. - Jongin respondeu exasperado. Não era hora para falar sobre isso.

- Porque você não fala para ele seus motivos? Ele acha que você não o ama mais.

- Eu tentei contar hoje pela manhã, mas ele não quis me ouvir. E era essa minha intenção, parecer que não o amava mais e me divorciar.

Outro garçom passou e Jongin pegou dois copos, entregando um á Minseok  que o agradeceu. A conversa parecia ter acabado.

Tomou de uma vez sua bebida, vendo Kyungsoo aproximar-se novamente sorrindo.

- Vem. A gente vai dançar! - Jongin o notou e fez uma cara que Minseok sabia o que queria dizer. Kyungsoo estava muito bêbado. E ainda assustou-se quando percebeu que o moreno estava falando consigo.

Sem ponderar sobre que resposta dar, Kyungsoo o puxou pelo braço e o levou para o meio da pista de dança, onde já tinham algumas pessoas dançando e percebeu que a música agora era agitada.
  - Eu pedi para mudarem aquelas músicas horríveis, e todo mundo concordou! - Kyungsoo sorriu e começou a se mover no ritmo da música, Minseok pensou "porque não?". E acompanhou o moreno em sua dança.

Jongin observava a cena com um aperto no peito, sentiu que poderia quebrar o copo de vidro pela força que segurava. Quando Kyungsoo começou a mover-se de forma um tanto sensual contra o corpo de Minseok, Jongin não se segurou. Levantou-se num pulo indo em direção aos dois.

- Vem Kyungsoo, a gente tem que voltar para o quarto... - Kyungsoo não lhe deu atenção - Kyungsoo eu estou falando com você! - puxou o braço do menor, fazendo-o parar bruscamente.

- Me deixa! Eu quero ficar dançado.

- Não, você já bebeu demais.

- Eu não quero ir com você. - Kyungsoo falou pausadamente o encarando com raiva - Quero ficar com Minseok...

Jongin olhou para Minseok pedindo ajuda.

- Kyungsoo, é melhor você ir... Deve estar cansado. - o ruivo tentou.

- Já falei que não quero ir! - Kyungsoo se aproximou de Jongin o empurrando sem muita força - Me deixa Jongin. Eu não quero saber de você, nunca mais... Quer saber? Foda-se você e sua bipolaridade. Eu não ligo mais pra merda nenhuma, quero o divórcio e quero, mais que tudo, me livrar de você. - Kyungsoo cuspiu as palavras.

Minseok viu os olhos de Jongin brilharem e sabia o que era. Lágrimas...
  Ele estava segurando-se para não chorar...

- Faz o que você quiser... - murmurou e saiu apressado do local.

Kyungsoo o acompanhou com o olhar até ele desaparecer no meio das pessoas. 

- Minseok... Será que a gente pode ir embora? - perguntou de forma sóbria, estava estático, não acreditando no que acabara de fazer - Eu posso ir para o seu quarto? Quer dizer, se não for incomodar...

Minseok sabia que se meteria numa enrascada fazendo isso, mas concordou com a cabeça e os dois seguiram para seu quarto. 

                        * * *

Minseok abriu a porta do quarto e Kyungsoo entrou apressado no cômodo. Quando o ruivo fechou a porta, virou-se para perguntar se Kyungsoo estava bem, mas foi surpreendido pelos braços do moreno que o prensou contra a parede, aproximando-se. Minseok tinha que admitir que beijar Kyungsoo não seria algo ruim, mas depois de tudo que ouviu de Jongin sentia-se no dever de respeitá-lo.

Mas Kyungsoo já estava bem próximo que só pensou no último momento.

- Kyungsoo, você não quer fazer isso... - encarava Kyungsoo, enquanto Kyungsoo encarava sua boca.

- Você é lindo Minseok, sua boca é muito beijável. Mas você tem um problema - Kyungsoo o soltou e caminhou em direção à cama, sentando-se - Você não é Jongin.

Minseok suspirou aliviado e um tanto desapontado, não que ele gostasse de Kyungsoo, mas não seria nada mal beijar alguém. Alguém que não fosse ele...

Afastou seus pensamentos e se separou da parede, indo para perto de Kyungsoo na cama, sentando-se ao seu lado.

- Eu amo o Jongin, ele é muito gostoso... Você tem que admitir que Jongin é muito gostoso. - Kyungsoo sorriu para o nada.

- É, ele é gostoso sim. - Minseok respondeu.

Kyungsoo gargalhou e ficou sério no mesmo minuto.

- Eu sou um idiota, não sou? - falou entristecido - Ele nunca mais vai querer olhar na minha cara depois de hoje.

- Você está alcoolizado, ele sabe que você falou da boca para fora.

- Não... Você viu como ele estava? Tão triste, nem tinha trocado de roupa ainda... Jongin nunca iria para uma festa de qualquer jeito! Ele sempre foi vaidoso.

- Você precisa descansar Kyungsoo, deita e dorme, amanhã você resolve tudo.

Kyungsoo obedeceu deitando-se na cama de qualquer jeito, enquanto murmurava alguma coisa para si mesmo.

- Eu o magoei, eu vou para o inferno agora... Porque eu machuquei o coração de Jongin... 

Aos poucos foi parando de falar, pegando no sono. Minseok tirou seus sapatos e cobriu-o com o lençol. Deitou-se logo em seguida também de qualquer jeito.

                         * * *

Quando Kyungsoo abriu os olhos sentiu uma ardência nas órbitas que o fez fechá-los novamente, tinha plena consciência de todo o álcool que tinha consumindo na noite anterior. Diferente de muitas pessoas, Kyungsoo não era do tipo que esquecia as coisas depois de ter bebido, também não acordava com enxaqueca; o que estava sentindo agora era uma tontura e a ardência nos olhos, e talvez um pouco de enjôo.

Abriu-os novamente, dessa vez mais devagar analisando o cômodo em que se encontrava, ouviu uma respiração pesada perto do ouvido e quando virou-se percebeu que estava na cama com Minseok.

O moreno arregalou os olhos e olhou para o próprio corpo debaixo do lençol, suspirou aliviado ao se ver ainda de roupa.

"Ainda bem, não cometi nenhuma loucura."

Sentou-se na cama e encarou Minseok, seu jeito dormindo parecia de uma criança, os cabelos laranja espalhados pelo travesseiro lhe deixavam, sem exagero ou malícia... Sexy.

Foi pensado nessa palavra que Kyungsoo se deu conta de uma coisa.

Jongin...

Rapidamente Kyungsoo se levantou, sem nem ao menos calçar os sapatos. Correu para fora do quarto. O quarto em que Jongin e Kyungsoo estavam ficava dois andarem acima do de Minseok, o elevador estava subindo, ele agradeceu por isso; entrou no ambiente balançando os pés freneticamente. Anda, anda... Ele pedia.

Quando finalmente chegou correu pelo corredor, não precisou da chave; a porta estava destrancada. Abriu a porta com força, seus olhos pararam em Jongin sentado na cama. Com sua mala arrumada.


Notas Finais


Então??
A opinião de vocês é muito importante pra mim, vai me ajudar a saber o que eu estou fazendo (se eu tô agradando, ou não)
Eai, se fosse vcs pegariam o Minseok? Djsnekdnsksnssisjsnensdjwisns
Acharam que o Kyungsoo exagerou, ou ele tá no seu direito? (Eu tenho minhas opniões hahahahah)

Obrigado e até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...