História Diz sim pra mim hyung! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags J-hope, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Min Yoongi, Rap Monster, Suga, Taehyung, Yoonseok
Exibições 459
Palavras 4.099
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi!

Gente vocês viram a capa nova?! Fiquei namorando ela a semana toda, LE MI AMOR TINHAMU ♥ e muito obrigada pela caridade *-*

Como estão?! Vim alegrar um pouquinho mais esse domingo de vocês =D
Boa leitura e desculpem os erros:

Capítulo 3 - 3


Te ver é o mesmo que respirar.

 

Capítulo III

— Ya hyung, vou sentir falta de vir aqui te perturbar todos os dias. 

— Não vou sentir falta disso Jungkook. 

Riram e se abraçaram, o mais novo já estava de saída. Hoje era o dia mais triste da vida de Yoongi, o dia que iria fechar o Fliperama. Todas as máquinas já haviam sido vendidas, todos os arquivos já estavam no carro e todos os móveis já foram desmontados e empilhados em uma caçamba. O Min estava triste, mas seu rosto não esboçava toda a tristeza.  

Talvez porque a ficha ainda não caiu. 

O que faria dali em diante? 

Sabia que o negócio estava decaindo, não há como resistir à tecnologia e as novidades. Sabe disso muito bem. Mas, até que fez o negócio do pai perdurar bastante, o mesmo nem estava chateado ao telefone, tentava consolar o filho de que teria de fechar do mesmo jeito. O Sr. Min ficava bobo. Mesmo depois de tantos anos, não reconhece seu filho como um homem feito, ainda acha que ele é seu menino. Aquele menino que se pendurava em suas costas, que colocava um banquinho fixo no banheiro e subia para ficar a sua altura no espelho, para se barbearem juntos. Exatamente aquele menino. Tinha sido um ótimo pai, o mais engraçado e brincalhão que uma criança poderia ter. Mas no fim, era o homem mais cínico do mundo. Dizia que separava muito bem sua casa, da rua. Dizia que amava sua esposa e seu filho, mas da porta da casa para fora, era outra pessoa. Por sorte, muitos anos já se passaram e o Min aprendeu a lidar com isso. O pai era um sem vergonha afinal. 

— Sei que só está triste porque não terá mais a sua mesada. 

— Me respeite garoto! Acha mesmo que preciso desse dinheiro? 

— Quer que eu ou sua consciência responda? 

E a linha ficara muda. Jungkook deu risada junto a Namjoon, que escutaram a conversa curta pelo viva voz. Tirando o fato de estarem conversando entretidos e terem de parar porque o pai folgado do amigo havia ligado, também estavam tristes. Jungkook principalmente. O jovem era o maior recordista de todas as máquinas do lugar e o responsável por atrair a maioria das crianças e pré-adolescentes que o frequentavam. Mas era um traidor afinal, já que fazia parte de um time internacional de um jogo online, chegando a competir e ser um dos melhores do mundo. Havia vídeos seus pelo Youtube, e tinha até patrocinadores. 

— Que droga. 

O mais velho desabafou, apoiando a mão na testa. Namjoon e Kook não sabiam o que fazer, eram amigos há anos e não sabiam como lidar com a tristeza do amigo. Quer dizer. Namjoon sabia. Ou achava que sabia. Tentou: 

— Qual é, já falamos sobre isso.  

Sacolejou os ombros de Yoongi, fazendo o mesmo encarar seus olhos. Continuou: 

— Por que não leva o Hoseok para o Parque de Diversões? Aposto que vão se divertir. 

— É hyung, leva ele pra conhecer lá. Ou pode me levar se quiser, depois podemos nos divertir de verdade. 

Os cabelos negros do mais novo estavam sobre seus olhos, e lá estava aquele sorriso atrevido em seus lábios. Ele definitivamente mexia com as borboletas do Min. 

— Prefiro o Hoseok. 

Soltou para provocá-lo. Escutou a risada contagiante de Jungkook e sua resposta: 

— Não pode transar com ele. Pode? 

— Oooorra! Por que não pula no colo dele de uma vez?! 

Namjoon soltou e os três gargalharam. Ora, Yoongi adoraria Jungkook no seu colo, e todos sabiam disso. Mas algo dentro do seu peito não queria, apesar da sua mente desejar o garoto da cabeça aos pés, não conseguia dar nem o primeiro passo: um beijo. E olhem que ele nem era tão mais novo assim, tinham apenas 5 anos de diferença. 

— Tenho uma ideia melhor para o hyung. 

— Aff, lá vem. 

— E qual seria? Acho bom acertar. 

— Poderia fechar tudo, ir para casa e tomar um banho, depois dormir. Dormir muito.  

Yoongi sorriu e abraçou Namjoon, o outro o entendia como ninguém. Concordou com a cabeça e ouviu o mais novo reclamar: 

— Também quero um abraço. 

O rapaz fizera até um bico, desfazendo-o naquele sorriso límpido e pervertido. Yoongi foi verdadeiro e soltou: 

— Não posso abraçar você. 

— E por que não hyung? Qual é... você sabe que sou ciumento. 

Kook abriu os braços e se aproximou mais, Namjoon apenas acompanhava a cena esperando a reação do amigo. O Min ponderou e respondeu zoando: 

— Não tô afim de ficar de pau duro na frente do Namjoon. 

— Não seja por isso. Tchau Nam. 

Jungkook brincara, se divertindo com a expressão surpresa do mais velho. Apanharia mais tarde. 

— Tchau hyung, vê se se cuida. 

Se despediu de Yoongi e o ignorou abraçando-o forte, colando suas intimidades e as roçando por dois segundos. O mais velho nem tentara evitar, gostava de ser provocado pelo mais novo, ele estava na melhor idade afinal mas sabia, não duraria 10 minutos em sua cama. 

— Quando vai parar de insistir? 

— Quando meter em mim. 

Sussurrou no ouvido alheio, mordiscando a orelha de Yoongi. Este riu e o afastou com as duas mãos, levantando o queixo e acenando autoritário que saísse. O mais novo sorriu safado e deu três passos para trás, mandando beijos para seu hyung preferido. Namjoon o olhou enojado e vacilou um sorriso ao ver a expressão divertida de Yoongi, se despedindo: 

— Aish, fala sério que merda. Até hyung. 

Deu alguns passos para trás, vendo o aceno de Yoongi. Desceu o pequeno degrau de seu antigo ambiente de trabalho, totalmente nostálgico. Podia ser sem noção a maior parte do tempo, mas tinha sentimentos também. Yoongi apenas avistou os dois amigos se distanciando, decidindo ficar mais um tempo por ali. 

 

 

— Quer me contar porque fez isso? 

 Hoseok acabara de ser beijado. Não por uma menina, mas sim um menino. Nunca entendeu bem as brincadeiras que Taehyung inventava, mas as brincava assim mesmo, se divertia bastante porque ele era muito atrapalhado e conseguia ser mais bobo que ele próprio. Mas, essa até que não foi tão chata, lembrou de longe as recompensas do hyung. Claro que nem se comparam com o toque dos lábios do Gi hyung sobre os seus, nem dos carinhos de adulto que suas mãos tão bem desenhadas faziam, ora o arrepiando e fazendo-o se sentir estranho, ora fazendo-o rir até o dia seguinte. 

 — Porque fiquei com vontade.  

 O amigo respondeu. Era mesmo desavergonhado ao infinito, e Hoseok se divertia com a personalidade única do melhor amigo. Porém, estava estranhando o quanto o menino estava vermelho. Será que está passando mal pelo calor? 

  — Você está bem?  

 — Estou um pouco tonto.  

 — Mais? 

  O pequeno Jung não media as palavras, podia perder o amigo mas não perderia a piada. Taehyung o olhou como se fosse se vingar. Desistiu e disse:  

— Foi o meu primeiro beijo. Mas não parece q foi o seu. 

Hoseok olhou para o alto, Taehyung até tivera o trabalho de escolher um lugar. Acompanhou a altura da árvore enorme ao seu lado, escutando o amigo continuar: 

  — Eu gosto de você Hobi.  

 Entendeu na mesma hora o gostar do amigo, ué, assistia aquelas novelas e filmes q sua omma gostava, a mesma ficava especialmente empolgada com cenas de beijos e declarações. Abaixou o rosto novamente e fitou seu Taetae, se conhecem desde quando eram pequenos e a convivência nunca permitiu que se afastassem. Nem as mesmas brincadeiras. Nem os mesmos sentimentos.  

 — Eu também.  

 Antes que o sorriso do outro se abrisse, beijou seus lábios como seu hyung fazia consigo, apenas para entender que se não fosse ele que o beijasse, jamais sentiria as mesmas coisas.  
 

Já eram 14:00, Hobi ficou na escola por um tempo a mais, já que agora não estudava mais no período integral, mas ficava brincando e jogando beisebol com seus amigos. Agora estava no Fliperama de seu hyung, vendo-o de costas, completamente distraído e sozinho, olhando o nada. Entendia mais que ninguém o que aquele lugar representava para ele. Sabia o que se passava com ele. Dentro dele. Já estava triste há semanas pela decisão que tomou, até tentou animá-lo, mas seu hyung estava desanimado demais. 

 Se aproximou dele por trás e envolveu os braços em sua cintura, apoiando a cabeça de lado no começo de suas  costas. Sentiu o corpo do mais velho retesar, sorriu. Se assustava por nada. O hyung parecia ser forte como aquela árvore que vira mais cedo, mas ao mesmo tempo fraco a ponto de não suportar a menor tempestade.  

 — Gi hyung, estou triste.  

 O mais alto cobriu os braços pequenos e finos do menor com as mãos e os acarinhou, sorrindo fino. Perguntou: 

  — Por que Seok?  

 — Porque você está triste.  

 Soltou o ar que estava prendendo, se virando para o pequeno e abaixando para ficar da mesma altura que a dele. Aquele lugar era sua vida, ele sim estava triste com um motivo certo. A ultima coisa que queria era ver seu menino triste por si. 

  — Não precisa Hobi. O hyung vai melhorar. Vamos para casa.  

 Disse firme, bagunçando os cabelos do mais novo e se erguendo na mesma hora, pegando sua mão e se dirigindo até a saída. O afastou a uma distância segura, e ergueu os dois braços, segurando o portão e o abaixando com força em seguida. Se agachou e o trancou, virando para trás e se assustando com a ausência de Hoseok. O coração tremeu. Onde diabos o menino estava?! Se virou apenas um minuto para-  

 — Hoseok!  

 Gritou, avistando seu pequeno que estava do outro lado da rua ao lado de uma barraquinha de picolé, escolhendo um sabor. O menor o fitou de longe e virou as costas, fazendo-o cair na risada. Sabia que o menino ODIAVA que gritassem seu nome quando estava longe, era tão constrangedor! Todos o olhavam como se ele fosse uma criança! 

  — Seu pai está te chamando garoto.  

 Lhe advertiu o senhor da barraquinha. Pegou uns trocados e entregou para ele, rindo sozinho. Soltou ainda em meio ao riso:  

 — Aigoo... Ajusshi, aquele é o meu hyung.  

 Yoongi finalmente tinha atravessado a rua, se pondo ao seu lado. Perguntou:  

 — Quanto ficou?  

 — Ohh ele já me pagou meu jovem!  

 — Já? 

Confirmou para ter certeza. Não era possível. Desde quando Hoseok tem dinheiro para si? 

 — Já hyung. Vem, vamos pra casa. 

 Hoseok pegou sua mão e começaram a andar.  

 Desacreditou.  

 Bom, já vai fazer algum tempo que Hoseok tem se mostrado mais independente de si. Não o chama mais com carinho, nem lhe pede dinheiro para comprar bobagens para comerem sozinhos. Tem se recusado a se sentar em seu colo. O nega como hyung na frente dos colegas da escola. Finge que não o conhece em público, e por aí vai. O fato é que Yoongi já anda bem chateado ultimamente, fechar o Fliperama foi a ultima coisa que queria fazer, mas os balancetes não estavam mais fechando iguais.  

Finalmente o momento que deveria trabalhar de verdade chegara.  

Aish, tinha tentado adiar tanto, mas não teve jeito. A obrigação do trabalho não lhe agrada nada, mas o que vai fazer então? Sua mãe não quer trabalhar, quer que o filho lhe honre cada centavo investido nele para se tornar Arquiteto. O Min pensava centenas de vezes o que o fez fazer esse curso, ele até gostou e tudo mais, de todas as profissões que existem, esta para ele era a menos pior. Fora sua mãe que havia feito sua inscrição no vestibular... a ressaca o proibia de se levantar naquela segunda. Tinha aptidão para desenhar e para cálculos, então o curso fora fácil até. Ademais, quando não estava na faculdade ou em casa dormindo ou estudando, ia para as festas praticar sua sociabilidade. Acreditava sinceramente que fora o maior cafajeste daquele lugar, mas então por que as garotas não paravam de vir até ele? Deviam gostar também, transava bem e sabia disso, também era mestre em levar tapas na cara... vai entender... pensava com todas as certezas de que se mulher fosse mesmo boa, Deus seria casado. Com o tempo se distanciara de tudo aquilo, se acorrentar nunca fora uma boa ideia. Nem sua preferência. O fato é que acorrentado ou não, fazia mais de 7 anos que não transava com ninguém, e era por isso que Jungkook não o deixava em paz, tinha certeza que o menino deveria se perguntar todos os dias que tipo de animal raro da Terra ele é, para ficar sem transar por tanto tempo assim.

 Seu Hobi agora estava com 10 anos, não gosta de pensar, se sente velho. Aliás, semana passada, pela primeira vez na vida se sentiu velho de verdade. Por que? Porque Hoseok lhe disse aquilo. Mal pôde acreditar quando ouviu, sua relação com o herdeiro dos Jung ia de mal a pior e estava decidido a conversar com ele. Queria saber porque estava o tratando mal de repente, será que Namjoon estava certo há alguns anos atrás? Pré adolescentes são tão problemáticos assim? Hoseok deveria ser curioso segundo as previsões do amigo, mas está longe de o ser. Ademais, o fato do menino estar negando seus beijos tem o torturado de maneira muito assertiva, semana passada se pegou se sentindo rejeitado, como um adolescente, tudo porque quando chegou em casa e o encontrou deitado em sua cama trocando os canais da TV, se aproximou para beija-lo e este virou o rosto para o lado disfarçadamente. Tão triste.  

— O que quer comer Hobi?  

O menino estava sentado na bancada da cozinha americana de sua casa, mexendo no celular. Sorria como um bobo, e sem olhar para o Min, o respondeu:     

— O que tiver hyung. Não precisa se preocupar muito, o Tae me pagou dois lanches hoje.  

Tae? Taehyung? Um coleguinha da escola? A comida de Yoongi estava sendo negada por seu Hobi porque o mesmo comeu um lanche engordurado de manhã e outro duplamente engorduawdo a tarde? Inacreditável.  

-— Vou fazer bibimpap então.  

— Hyung não vou aguentar comer tudo.  

— Vai sim Hoseok. Você vai dar um jeito.  

Respondeu firme ao menor, com a voz grossa e cansada. Aquele tom de voz atraíra Hoseok... eram raras as vezes que seu hyung falava nervoso consigo, e quando falava o deixava estranhamente empolgado. Há alguns meses atrás, descobriu uma pessoa diferente naquele hyung dócil e atencioso. Um CD. Jamais tinha visto algo do tipo, Yoongi estava tomando banho quando o pequeno mexeu em suas gavetas porque estava entediado. Encontrou uma carteira de CDs e tirou um, colocando na entradinha do notebook. Quando deu play, ficou chocado. O vídeo era de um homem, deitado numa cama com uma criança no colo. Esta estava brincando com o membro dele e o colocando na boca.  

— Eca.  

Tinha resmungado depois que o choque pelo momento passou. Quando ouviu o chuveiro ser desligado, tirou o CD correndo e fechou o aparelho, fechando a carteira e colocando onde encontrara, saindo correndo do quarto e deixando o CD dentro da sua mochila. Depois que chegou em casa, escondera muito bem. Desde então, sabia que tinha descoberto algo muito sério sobre o hyung. Hoseok sabia que não era normal homens da idade dele na condição de hyung ou irmão mais velho, beijar sua boca, nem lhe acariciar as cochas e os braços quando sentava em seu colo. Mas gostava tanto. Gostava tanto dos toques do mais velho. Eram tão... tão... gostosos? Só sabia que gostava e sempre gostou, e sentia falta quando o hyung estava cansado e nem ligava para ele direito. O mais velho não representava um perigo para ele... ué, o hyung era perigoso? O dava banho, ajudava-o com os deveres, brincava consigo e cozinhava para si... o que tinha de errado? Não lhe sorria como os homens safados da TV sorriam para as mulheres nas novelas, nem o tocava nas partes ''secretas'' como costumava chamar. 

Porém, tudo começou a fazer sentido para Hoseok depois que o mesmo associou aquele CD à algumas memórias. Se lembrou de um dia que era ainda menor do que é hoje. Estava na casa de Yoongi e a memória se tratava de um banho. O hyung estava lhe dando banho e fungando muito, então quando lhe perguntou, o outro o respondeu que estava gripado. Mas ele não estava gripado. Estava chorando. Estava triste. E com aquela memória veio outras, nas quais via seu hyung com os olhos apertados e os punhos fechados com força, tentando controlar algo. Sabia que tinha errado com ele, mas não sabia dizer o que. E nem saberia. Tinha e tem coisas mais importantes para fazer, como caçar pokémons  por exemplo. Mas é claro que jamais o deixaria de lado. Há semanas estava tratando Yoongi mal, o mais velho até notara que um CD havia sumido e só conseguia pensar que o perdeu dentro do quarto. No entanto, Hoseok se sentia mal perto dele. Enquanto muitas questões se formavam em sua cabecinha acerca daquele hyung que sempre fora perfeito para si, resolvera se manter um pouco distante dele. E se ele quisesse fazer consigo o mesmo que aquele homem fez com aquela outra criança do vídeo? Eca, não conseguia nem imaginar.

— Venha Hoseok, está pronto.

O mais novo se levantou do sofá, já havia tomado banho e feito as lições, enquanto o hyung estava cozinhando. Sentou-se à mesa de frente para ele, encarando-o de soslaio. Pegou sua colher e se serviu em seu prato, não deixando que Yoongi o fizesse por si. Sabia que o olhar do outro estava sobre si, e se pôs a pensar até quando o trataria daquele jeito por uma coisa que nem sabia ou entendia o porquê. O mais velho até poderia ser perigoso se fosse o caso da pior hipótese em sua cabeça, mas nunca o fez mal e teve muitas oportunidades, então por que? Por que continuar se afastando dele desse jeito? Não quer. Não gosta de ficar longe dele. Não gosta de ver seu hyung triste por sua causa. O ama tanto. Sente tantas saudades dos seus beijos calmos. Quer de novo. 

— Hobi, o hyung precisa conversar com você.

— Hmmm hyung!!! Está tão, tão gostoso!

Yoongi arregalou os olhos por um instante, Hoseok havia gostado? Há semanas comem calados e o menor não lhe faz o menor elogio... o que aconteceu?! Hoseok por outro lado, sabia bem o que o hyung queria falar, mas o interrompeu assim para que falassem depois sobre o assunto. Brincaria pra valer com o hyung.

 

Depois que comeram juntos, lavaram a louça e escovaram os dentes, os dois estavam no sofá, assistindo um anime bobo que passava na TV. Yoongi estava com um livro em uma mão (havia decidido voltar a estudar), enquanto com a outra fazia um cafuné na cabeça de Hoseok, que estava quase dormindo. Estava tão feliz que gritaria para o mundo, o pequeno Jung voltara a lhe tratar bem e não podia se sentir melhor. Conversaram bastante sobre assuntos aleatórios, e seu Hobi lhe contara algumas pequenas novidades da escola. O Min até tomara confiança para o beijar de leve, apenas roçando os lábios. A vontade de introduzir sua lingua na boca de Hoseok e iniciar um novo tipo de beijo com o mais novo era tentadora, mas sempre se travava. Era sempre tão controlado com o menino que mal podia acreditar. Ele o curaria, já estava o curando na verdade e Yoongi estava mais feliz do que nunca. Desde quando tomou sua decisão naquela noite, nunca mais assistiu aquelas pornografias, apesar de ainda guardá-las por força maior. De vez em quando pega os CD's na mão, e fica os olhando por um bom tempo, depois os guarda de novo como se nunca os tivesse visto. Perdia a vontade de vê-los e ficava muito contente com isso.
Sentiu um pequeno rebuliço ao seu lado e viu o pequeno Jung se levantando do sofá com uma expressão monoexpressiva no rosto e se sentando em seu colo, com uma perna de cada lado. Será que queria mais beijos? Resolveu arriscar a se aproximar do rosto do menor, roçando seus narizes. Deixou o livro de lado e levou a mão até os fios da nuca do menino, enquanto com a outra acariciava devagarinho sua cintura.

Ficaram daquele jeito, até que Hoseok inovou e fez algo que o Min jamais imaginaria que fizesse: mordeu seu lábio. O mais velho gemeu com os olhos fechados, porém os de Hobi estavam bem abertos para ver o efeito que tinha sobre seu hyung. O menino sorrira arteiro, as novelas de sua omma nunca foram tão úteis para si. Visando provocar Yoongi, soltou:

— Hoje me beijaram hyung. Foi bom.

Yoongi sentiu o coração acelerar e parar de uma vez, abrindo os olhos. Sua expressão mudou completamente, se antes estava calmo e satisfeito com a pequena surpresa que o menino lhe deu no beijo, agora estava sério, com os olhos afinados em curiosidade. E raiva. Quem, quem seria o atrevido a beijar seu pequeno? Estava perplexo consigo mesmo, e ainda mais com aquela expressão inocente do seu menino. Perguntou:

— Quem beijou você Hoseok?

O mais novo se ajeitou no colo do Min, fazendo um pouco de força onde não deveria. Sem perceber o quanto aquilo fora prazeroso para o mais velho, o respondeu:

— Meu Taetae.

Yoongi pasmou-se. Era a primeira vez que Hoseok se dirigia assim a algum amigo, com algum pronome possessivo no início da frase. Sentiu uma pontinha de ciúmes nascer em seu peito, ouvindo o pequeno:

— Estamos juntos hyung, mas é segredo.

Irritado, Yoongi lhe disse:

— Se está junto com ele, não deveria estar me beijando.

— Mas foi você que me beijou primeiro. A culpa é sua hyung.

Sorriu nervoso e completamente irritado, fazendo força para se levantar e sendo impedido por Hoseok. O menino começara a dar risada de si, o deixando ainda mais puto. Ainda era uma criança que estava em seu colo? Seu pequeno Hobi? Por certo que não. O menino estava crescendo rápido, rápido até demais, e sua inocência já se fora há séculos, tudo por culpa dele mesmo.

E dos seus beijos.

E dos seus toques.

Era o maior culpado por ter acabado com a inocência do seu pequeno por todos esses anos. 

— Foi tão bom hyung. Foi o melhor beijo que já recebi, melhor até que os seus.

Yoongi começou a gargalhar irônico, com as duas mãos apoiadas na cocha do menino. Hoseok acompanhara seu riso sem entender muito bem, sabia que estava provocando seu hyung, e só estava fazendo isso porque queria mais. Se o hyung fosse perigoso, com certeza saberia dali em diante e se afastaria completamente dele. O Min parara de rir há alguns segundos, fitando seu pequeno. Hoseok estava com os traços longilíneos de seu rosto mais emoldurados do que quando era menor, os fios lisinhos dourados, a pele branca que dourava quando o Sol refletia, o nariz fininho e arrebitado para o mundo, os olhos que mais pareciam duas pequenas jabuticabas, tão escuros e tão expressivos... sabia que um dia ou se curaria ou enlouqueceria por ele. Resolver escolher o meio termo:

— Nenhum beijo será melhor que este de agora Hobi, te garanto. 

Levou uma das mãos até a nuca do mais novo, inclinando o rosto e fechando os olhos pela metade, encarando seu pequeno que mais parecia uma estátua em seu colo. Sorriu pequeno antes do contato e então os fechou, envolvendo os lábios do menor com os seus, em um beijo que parecia como os outros. Hobi fechou os olhos momentaneamente, mas logo os abriu ao sentir algo molhado em sua boca, era a língua de seu hyung?! Yoongi resolvera tirar apenas uma das correntes que mantinham sua mente no lugar e colocara a pontinha de sua língua por entre os lábios de Hoseok, que pelo susto deu um pequeno pulinho em seu colo, endurecendo ainda mais o corpo. Se apoiou no encosto do sofá e trouxe o corpo do menino para perto do seu, colando peito a peito. O beijou com carinho e intensidade, tocando a língua do pequeno várias vezes que por não saber o que fazer, fazia exatamente o que ele queria: o imitava. Hobi permaneceu o máximo de tempo que conseguira com seu hyung daquele jeito, quando se separou para respirar. Parecia que tinha corrido dez voltas no pátio do colégio, de tão cansado que parecia estar. Os olhos estavam fechados e ele respirava fundo, quando os abriu de repente e encarou Yoongi, que estava se deliciando com aquela visão. Porém, antes que sequer pensasse em algo para dizer ao pequeno, viu aquele sorriso...

Aquele sorriso arteiro.

E foi assim que Yoongi percebera que havia criado um pequeno demônio, que o atormentaria até quando tivesse o que queria (risos).
 

 

 

 


Notas Finais


Quero agradecer de coração os favoritos e comentários ♥

Hobi = pequeno demônio -,..,-

Próximos caps se preparem, só tiros :D

Fui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...