História Dəmónio Número 15 - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Juvia Lockser, Laxus Dreyar, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Personagens Originais, Rogue Cheney, Sting Eucliffe, Yukino Aguria
Tags Assassinato, Demonios, Ficção Cientifica, Lucy, Rogue, Sting, Stingxlucyxrogue, Stinluro, Universo Alternativo
Exibições 136
Palavras 1.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Creio em deus pai todo poderoso. Que não liga para minha mente retardada, que perdoa todas minhas idiotices, que não se importa com meus pensamentos impuros, não fala mal de minhas manias estranhas. Amém.

Capítulo 5 - Somos demónios


Fanfic / Fanfiction Dəmónio Número 15 - Capítulo 5 - Somos demónios

Distrito 1

Rogue demónio número 7

Olhava tudo sem ter o mínimo interesse, o laboratório onde o doutor Edward ficava era muito maior e melhor equipado que o que o moreno estava antes.

Porem em sua cabeça aquilo eram apenas meros detalhes. Rogue olhou para Frosch, um sorriso escapou de seus lábios, porem era tão imperceptível aos olhos dos cientista.

Andou até uma sala onde lhe mandaram entrar, entrou com o gato verde nos braços tomando cuidado para não machucá-lo com os grilhões que prendiam seus pulsos.

O cientista mais alto retirou o gato do moreno o colocando no chão, logo o mesmo tirou aquele enorme e pesado grilhões do pulso do moreno.

Sabiam que se ele quisesse fugir agora seria capaz, porem também saibam que o moreno não estava nem aí pra esses fatos e não tinha a intensão de fugir graças ao seu jeito indiferente.

Rogue foi preso a uma camisa de força e seus tornozelos a enormes e pesadas correntes. Sem ligar pra nada a sua volta além de Frosch o garoto se sentou no chão sentindo um peso extra em suas pernas. Não precisava olhar para saber que era o gatinho verde.

- Fro quer saber por quê Rogue-kun está preso aqui? - perguntou o gatinho do seu jeito fofo e inocente.

- Porque sou um demónio Frosch - sorriu para o pequeno que abraçou o com certo receio.

- Eu amo o Rogue-kun, não importa o que o Rogue-kun seja - disse com os olhinhos marejados, o moreno sorriu a pureza desse ser era realmente intrigante.

Distrito 9

Sting demónio 3

O loiro estava sentado em um banco, suas mãos estavam presas a algemas e estava sendo escoltado por três seguranças. 

Como se adiantasse alguma coisa - pensou não muito interessado.

Passou pelo corredor principal do laboratório e lá estava a albina de antes, em seu rosto se encontrava um pequeno sorriso o que fez Sting revirar os olhos.

- Eu queria te agradecer - falou parando um pouco longe do loira, claro que a mesma estaria com medo depois do que o mesmo fez.

- Me agradecer? - perguntou sarcástico - saiba que eu não fiz aquilo por você, fiz porque aquela vadia loira estava atrapalhando meu sono e se não fosse por isso deixaria você morrrer.

- Mesmo assim, obrigado - disse novamente e aquilo estava deixando o loiro nervoso.

- Tsc, tanto faz - falou passando pela garota, mas antes de sair de perto dela sussurrou em seu ouvido - mas se quisesse me agradecer de outra maneira eu até aceitava.

Saiu sendo acompanhado pelos seguranças deixando uma Yukino completamente vermelha para trás.

Entrou no carro que o levaria para o outro distrito e simplesmente dormiu.

[Horas depois]

Acordou sem ânimo e percebeu que já haviam chegado, saiu do carro e foi seguindo os seguranças até parar numa sala onde ele entrou.

Suas mãos for soltas da algema, porem logo colocaram os pesados grilhões em seu pulso, e seus tornozelos foram presos por grossas correntes ligadas a parede.

Depois que todos sairam da sala Sting olhou para o lado avistando um moreno, o mesmo estava preso por a camisa de força e igualmente os seus tornozelos estavam presas a grossas correntes.

Então ele também é um demónio?! - pensou olhando para o moreno que tinha um gato com uma roupa de sapo rosa no colo.

- Me chamo Sting e você? - perguntou o loiro chamando a atenção do moreno.

- Rogue - disse simples e Sting sorriu.

- Sabe pra que são aquelas correntes penduradas na parede? - perguntou com curiosidade apontando para as grossas correntes que eram presas ao teto.

O moreno nada disse apenas encarou aas correntes, não as tinha visto ainda.

- Não sei - deu de ombros - deve ser para o outro demónio.

- É deve ser - diz Sting com um sorriso no rosto.

Distrito 12

Lucy demónio 15

A loira acordou em uma pequena sala branca e vazia, estava presa a uma cadeira e a sua frente estava um telão.

Forçou a memória para lembrar do que aconteceu e quando feito se arrependerá.

Ouviu um barulho na sala, olhou para frente e viu que era o telão que começava a mostrar a gravação de alguma câmera de segurança.

Seu coração falhou uma batida ao ver a imagem de Zeref na tela.

O mesmo estava discutindo com Clara a enfermeira a qual Lucy matou.

- Ela é apenas um mostro! - disse a mulher raivosa chegando perto de Zeref que não recuará.

- Não, ela não é um mostro ela é mais que isso - disse o moreno sério, sério até demais.

- Então você há ama? - os olhos da mulher brilharam em puro ódio.

- Sim - disse o que fez Lucy corar e abaixar a cabeça - eu a amo, ela é minha irmã.

- Você não percebeu que considera um DEMÓNIO como "irmã"? - riu cínica.

- ELA NÃO É UM DEMÓNIO - gritou Zeref irritado - eu vou tirar ela de lá, você queira ou não!

- Se é assim não tem mais jeito, não posso deixar você estragar tudo - ao falar isso a mulher tira um revólver do jaleco e aponta para Zeref, aperta o gatilho exatamente cinco vezes, três tiros acertam a barriga do moreno, um o braço direito e o outro o peito.

Lucy paralisou, não conseguia desviar os olhos da tela, não conseguia fazer quaisquer reação a não ser chorar.

- Ele morreu me defendendo?! - mordeu o lábio inferior com força, suas pressa eram afiadas o que fez com que um filete de sangue escorrer de sua boca.

Na tela dava para ver Clara sentada no chão com o corpo imóvel do moreno nos braços, a mesma selou seus lábios no do Zeref em um selinho.

Naquela hora Lucy ficou com ula tremenda vontade de ir ao inferno e buscar Clara,para poder matá-la de novo.

- Eu te amava tanto Zeref, porem você preferiu aquele mostro a mim - sorriu de maneira macabra, depois disso o telão desligou.

Seus olhos estavam completamente alargados pelas lagrimas, e sua tristeza era enorme.

Acabou dormindo ali.

Tom entrou na sala desamarrou Lucy da cadeira e colocou uma venda nos olhos da mesma, para logo a tirar daquele local a levando para o distrito 1.

[Horas depois]

Tom entrou na sala onde Rogue, Sting e Frosch estavam, com um pouco de dificuldades prendeu os pulsos da loira nas correntes e a suspendeu no ar, antes de sair da sala ajeitou a venda nos olhos de Lucy.

Quando Tom saiu a sala foi tomada por um completo silêncio.

- Ei loira - chamou Sting porem não obteve resposta.

- Idiota - diz Rogue e Sting o olha - ela está inconsciente é claro que não vai te responder.

Sting suspira dando de ombros, e volta a encarar o nada.

- Ei Rogue - chamou a atenção do moreno - você sabe o por que de estarmos aqui?

O moreno ficou em silêncio por longos segundos, para logo encarar Sting.

- Por que somos demónios! - a frase saiu de sua boca tão naturalmente que até Sting se surpreendeu, ele não se sentia mal em ser o que era? Ou seu jeito indiferente não deixava ele se sentir mal com isso?

Continua...


Notas Finais


Yoo minna espero que tenham gostado do capítulo escreve as presas (nem tanto) mas tá bom.
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...